Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Futebol

Águia de Marabá começa temporada atrasado e aposta na base para o Parazão

Com dificuldades financeiras, Azulão inicia preparação apenas 15 dias antes da estreia na competição.

Por Ulisses Pompeu – de Marabá

O Águia é o último entre os dez times do Campeonato Paraense a iniciar os treinamentos visando à estreia no Campeonato Paraense de 2017. A competição inicia no dia 28 deste mês e o Azulão marabaense só começou os preparativos nesta terça-feira, dia 10, portanto, 19 dias antes do primeiro jogo, contra o São Raimundo, no estádio Zinho Oliveira, em Marabá.

O time, mais uma vez comandado pelo “concursado” João Galvão, mescla jogadores experientes com as revelações da categoria de base. Os atletas foram apresentados à Imprensa e aos representantes de torcidas organizadas em uma cerimônia simples e rápida pouco antes do início dos treinos na sede do clube, no bairro Cidade Nova, em Marabá.

Ao todo, 18 jogadores já estão confirmados no elenco, alguns deles experientes, mas outros ainda sem nenhuma partida disputada em time profissional. É o caso do meia Felipinho, 20 anos, que foi destaque pelo Águia no Sub-20 e será aproveitado na equipe principal. Com ele, outros oito jogadores têm 20 anos ou menos. O caçula é Ricardo, 18 anos.

O presidente do Águia, Sebastião Ferreira Neto, o Ferreirinha, informou que o técnico João Galvão ainda vai avaliar outros jogadores da categoria de base para saber se algum deles tem condições de ser aproveitado no time principal.

Os 18 jogadores que já estão confirmados no elenco são:

  • goleiros Maieki Douglas, Marcelo e Derik;
  • lateral direito Carlos Eduardo;
  • zagueiros Roberto e Bernardo;
  • lateral esquerdo Edinaldo;
  • volantes Ramon, Wando, Robert e Caique;
  • meias Filipinho e Erick;
  • atacantes: Bruno, Vinícius, Cléo, Tiago Mandi e Dias.

Filipinho foi o único do Sub-20 que mereceu destaque de Galvão. Ele disse que observou bastante o atleta durante os jogos da base e ficou encantado com o que viu. Todavia, advertiu que não se pode colocar tanta responsabilidade sobre seus ombros e que o jogador precisa mostrar humildade e disciplina para atuar bem.

Filipinho disse que ficou bastante eufórico com o chamado para o time principal do Águia, mas que vai observar bastante os jogadores mais experientes e ouvir os conselhos do novo “professor” para poder evoluir. Bastante inseguro na entrevista, Filipinho confessou que a timidez é permanente, mas que em campo as pernas falam mais alto e o jogo flui com naturalidade.

Ferreirinha informou que a mini pré-temporada deverá terá como palco o campo da Estação Conhecimento, no núcleo São Félix. “Todos sabem que estamos passando por dificuldades financeiras, mas mesmo assim a equipe está sendo montada para disputar as duas competições que teremos neste primeiro semestre, com ajuda de alguns parceiros importantes”, disse Ferreirinha.

Um dos patrocinadores mais antigos da equipe, a Leolar, enfrenta dificuldades financeiras e por isso não estampa mais a marca na camiseta do Águia para esta temporada. A Prefeitura também é outra que está impossibilitada de injetar dinheiro na equipe. Por conta disso, a diretoria está focada no apoio de novos sócio-torcedores.

DIRETORIA AFINADA

Os discursos dos quatro membros da diretoria do Águia durante a apresentação dos jogadores foi marcado por uma palavra em comum: “união”. E motivos para a superação não faltam: a equipe é a última do Parazão a iniciar os preparativos e ainda uma das mais baratas, com vários jogadores sem experiência profissional.

O presidente Sebastião Ferreira Neto contou o bê-a-bá à equipe, repetindo a palavra “união” exatamente 13 vezes. Um a um ele apresentou os atletas, dizendo de onde vinham e a posição em que vão jogar.

Ferreirinha reconheceu o momento de fragilidade financeira, mas garantiu que a diretoria vai correr atrás para garantir o pagamento dos jogadores, como sempre fez. “Estamos iniciando atrasados por vários problemas”.

O presidente agradeceu a presença e apoio do vice-presidente do Águia, vereador Pedro Correa, do deputado estadual João Chamon, juiz federal Jonatas dos Santos Andrade, do treinador João Galvão, do gerente de futebol José Wilton, massagista Nivaldo, preparador de goleiros Wellington Ramos e do novo preparador físico do time, Alexandre Barreto. “As torcidas organizadas têm sido fundamentais para nossa equipe, inclusive neste momento de dificuldades”, reconheceu.

O vereador e presidente da Câmara Pedro Correa disse que, no passado, muito se criticou porque a dupla Galvão-Ferreirinha não dava espaço para a “prata da casa”, mas agora os jogadores jovens, de Marabá e região, estão tendo oportunidade de ouro para jogar na equipe principal. “Não se faz campeão com medalhões. Tenho certeza que a base vai mostrar seu valor neste campeonato. Temos muitos compromissos, mas tiramos um tempo em nossa agenda apertada para trabalhar para o Águia, e esperamos que vocês valorizem isso”, disse Pedrinho.

O juiz Jonatas Andrade lembrou que, no passado, Marabá era conhecida pela violência, mas a trajetória do Águia, levando o nome da cidade, ajudou a amenizar essa imagem. “A sociedade está empenhada em se livrar do estigma de violenta. E o Águia é quem melhor transmite essa mensagem. A intenção é superar o momento ruim e crescer, como fizeram a Chapecoense e o Ituano”, comparou o magistrado, que também é membro da diretoria.

Deixe uma resposta