Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Parauapebas

Câmara realiza sessão solene para entrega de títulos de “Cidadão Honorário”

A pessoa que recebe o título de Cidadão Honorário passa a ser um conterrâneo, mesmo que não tenha nascido no município, que lhe concede tal homenagem.

Doze personalidades foram homenageadas com a entrega de títulos de Cidadão Honorário pela Câmara Municipal de Parauapebas nesta terça-feira (13), em sessão solene. A concessão das honrarias foi proposta por três vereadores e teve a aprovação de todos os parlamentares, como forma de o Poder Legislativo Municipal reconhecer a atuação daqueles que contribuíram com o desenvolvimento de Parauapebas e lutaram pela garantia de direitos à população.

Receberam os títulos as assistentes sociais Francinete Machado Cruz, Cleuma Magalhães, Eulália Almeida da Silva e Jurema Suely Ribeiro, por meio dos projetos de decretos números 2/2016, 3/2016, 4/2016 e 5/2016, respectivamente, de autoria da então vereadora Joelma Leite (PSD).

Da área de comunicação, Waldyr Silva, José Eduardo Ferreira do Vale, o Zé Dudu; Pastor Wilton Marques Vicente e Raimundo Nonato Cabeludo Vieira, nos projetos de decretos números 7/2016, 8/2016, 9/2016 e 14/2016, de autoria do vereador Marcelo Parcerinho (PSC).

E ainda as servidoras públicas, com atuação nas áreas da educação e administração, Irenilde Soares Barata, pelo projeto de decreto número 10/2016, de autoria do vereador Israel Miquinha (PT); Leila Maria Lobato de Araújo, Maria Lúcia Pereira de Figueiredo Dinelli e Maria Mendes da Silva, por meio dos projetos de decretos números 11/2016, 12/2016 e 13/2016, propostos por Irmã Luzinete (PV).

Cidadão

A concessão do título de Cidadão Honorário é uma matéria própria dos poderes legislativos, nas três esferas da federação brasileira. No âmbito do município, está prevista na Lei Orgânica Municipal.

O título é dado à pessoa que reconhecidamente tenha prestado relevantes serviços ao município. Cidadão é toda e qualquer pessoa que atue na vida da cidade e de alguma maneira tenha contribuído ou contribua com a história do município.

A pessoa que recebe o título de Cidadão Honorário passa a ser um conterrâneo, mesmo que não tenha nascido no município, que lhe concede tal homenagem.

Reconhecimento

Todos os homenageados que receberam o título e tiveram a oportunidade de usar a tribuna da Câmara e, no geral, agradeceram a honraria e ofereceram às famílias.

Irmã Luzinete destacou que escolheu pessoas que ela conhece bem para homenagear, pois sabe da trajetória delas e da contribuição que deram ao município nas áreas em que trabalham. “Vocês merecem esse reconhecimento e a valorização por todos. Temos que agradecer em vida, por isso fiz essa homenagem. Sintam-se felizes, motivadas e gratificadas pelo que vocês fazem pelo povo de Parauapebas”.

Israel Miquinha informou que conhece todos os agraciados e o trabalho que desempenharam na cidade. “Hoje é um dia de homenagens verdadeiras. Esta Casa é que se sente honrada em fazer esse reconhecimento a cada um. Parabéns, pois todos são merecedores”.

Por fim, Marcelo Parcerinho ressaltou que é papel do Legislativo também reconhecer a atuação das pessoas que fizeram parte da história de Parauapebas. “Humildade, lealdade e transparência pautaram a trajetória dessas pessoas. Isso mostra que não precisa trazer ninguém de fora, pois temos pessoas capacitadas aqui em nossa cidade que desempenham trabalho sério. E homenagem boa é feita em vida”.

Perfil dos homenageados

Francinete Cruz Graduada em Serviço Social e Jornalismo, veio para Parauapebas em 1997. Desde então, tem se dedicado às políticas públicas e ao apoio aos movimentos sociais e culturais, tendo ativa inserção nas diversas políticas de assistência social, saúde, cultura e segurança pública no município. É autora de três livros e atualmente está vinculada à Defensoria Pública da União, no Estado do Acre.

Cléuma Magalhães Foi a única que não pôde receber o título pessoalmente, pois estava fora do município. É assistente social, formada pela Universidade Federal do Estado do Pará (UFPA), com especialização em saúde pública. Neste ramo, desenvolve suas atividades na Prefeitura de Parauapebas desde 1993. Contribuiu com a implantação do Programa de Tratamento Fora do Domicílio; criação da Sorri Parauapebas e formação do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente. É servidora desde 2014 do Centro de Testagem e Aconselhamento (CTA).

Eulália Silva – Formada em Serviço Social pela UFPA e em Pedagogia pela Unama. Tem ainda cursos de implementação do Sistema Único de Assistência Social (Suas) e do Programa Bolsa Família. Atuou como assistente social, coordenando o Programa Sentinela, serviço de enfrentamento à violência, ao abuso e à exploração sexual contra crianças e adolescentes e suas famílias. Atualmente, exerce a função de coordenadora de programas habitacionais da Secretaria Municipal de Habitação.

Jurema Ribeiro – Graduada em Serviço Social pela UFPA, com mestrado em Metodologias do Serviço Social pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC/RS). Trabalhou em organizações não governamentais (ONGs) como Apae e Sorri Parauapebas, inclusive sendo presidente desta última. Destaca-se ainda a participação dela como membro do Conselho Municipal de Assistência Social. Ocupa atualmente o cargo de assistente social no setor de educação especial da Secretaria Municipal de Educação.

Waldyr Silva – Graduado em Letras e Artes pela UFPA, com especialização em Língua Portuguesa, e pós-graduado em Jornalismo Ambiental pela Fundação Getúlio Vargas, milita na imprensa desde 1985. Trabalhou nos jornais Correio do Tocantins, Opinião, O Liberal e Diário do Pará. Atuou também em diversos jornais, sites e blogs de Parauapebas, onde reside desde 2001. Foi presidente da Associação de Imprensa e Comunicação de Parauapebas (Aicop) e é membro fundador da Academia Parauapebense de Letras (APL). Atualmente é chefe da Assessoria de Comunicação Legislativa da Câmara Municipal.

Zé Dudu – José Eduardo Ferreira do Vale reside em Parauapebas desde 1984. No município atuou na área comercial. Montou com o pai a empresa Comercial JR Ltda, em seguida teve uma casa veterinária e posteriormente criou uma empresa no ramo madeireiro. Também trabalhou no Tribunal de Justiça do Pará como oficial de justiça. Em 2008, criou o Blog do Zé Dudu, página bastante conhecida na região, que já participou de três finais do Prêmio Sistema Fiepa de Jornalismo e ganhou quatro troféus do Prêmio Mérito Lojista, concedido pela Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Parauapebas.

Wilton Marques Vicente – Veio para Parauapebas em 1989. Trabalhou como funcionário efetivo na então Companhia Vale do Rio Doce (CVRD). No ano 2000, foi consagrado a pastor e em 2005, formou-se bacharel em Teologia. No mesmo ano, junto com outros companheiros, fundou a Associação Rádio Difusora Comunitária de Parauapebas (Arcop) e pleiteou a concessão de uma rádio junto ao Ministério das Comunicações. Após cinco anos, a fundação da emissora foi autorizada e criada a Fonte de Vida FM. Wilton Vicente assumiu a direção da rádio e formou uma equipe de profissionais que trabalhou na formatação de uma programação com o objetivo de entreter, informar e realizar ações sociais que duram até hoje.

Raimundo Nonato Cabeludo Vieira – Empresário da área de comunicação e político, já foi deputado estadual e prefeito da cidade de João Lisboa, no Maranhão. Visitou Parauapebas pela primeira vez no ano de 1999 e em 2003 requereu junto ao Ministério das Comunicações a outorga de uma rádio para a cidade. Em 2007, implantou a Rádio Arara Azul FM, com uma programação composta por informação e entretenimento. Atualmente, além da Rádio Arara Azul em Parauapebas, é proprietário da Nativa FM e da TV Nativa, filiada da Rede Record, na cidade de Imperatriz (MA).

Irenilde Soares Barata – Reside em Parauapebas desde 1984, Irenilde veio para o município com a missão de implantar o Ensino Fundamental e Médio. É graduada em pedagogia e advocacia. Foi a primeira coordenadora da educação de Parauapebas; conselheira municipal dos direitos da criança e do adolescente; conselheira dos direitos da mulher; advogada na área da família e juíza de paz. Atualmente é presidente da Comissão da Mulher Advogada da Subsecção da OAB de Parauapebas e representante da Ordem em conselhos municipais.

Leila Maria Lobato de Araújo Servidora pública efetiva das redes estadual e municipal de ensino de Parauapebas, com mais de 30 anos de experiência e de serviços prestados à educação. Acompanhou o crescimento e o desenvolvimento de Parauapebas, antes do processo de emancipação e em seus 28 anos de independência política e administrativa. É uma das profissionais da educação mais antigas em atividade e em seu currículo consta, dentre muitos outros, o cargo de secretária municipal de Educação por três vezes: 1991/1992, em 2004 e atualmente.

Maria Lúcia Pereira de Figueiredo Dinelli Licenciada em Letras, chegou a Parauapebas em 1985. É professora de Língua Portuguesa na rede estadual de ensino e também lecionou em escolas municipais. Atuou junto à comunidade escolar no processo de emancipação de Parauapebas. Foi secretária municipal de Administração por duas vezes, 1991/1992 e 2002/2004, e coordenou o Procon no período de 1999 a 2001. Atualmente, é secretária municipal adjunta de Administração.

Maria Mendes da Silva Licenciada em Letras com habilitação em Língua Portuguesa e Inglesa, Administração de Empresa e pós-graduada em Finanças e Controladoria. Veio para Parauapebas em 1984, é professora efetiva de Língua Portuguesa na rede estadual de ensino e trabalhou ainda em escolas municipais. Também atuou junto à comunidade escolar no processo de emancipação de Parauapebas e exerceu o cargo de assessoria, responsável pelo setor de Contabilidade da Prefeitura de Parauapebas no período de 1997 a 2013. Na atual gestão, exerce desde 2013 o cargo de secretária municipal da Fazenda.

Texto: Nayara Cristina / Revisão: Waldyr Silva / Fotos: Orion Lima e Pablo Oliveira / Ascomleg

Comentários ( 3 )

  1. Merece aplausos a merecida homenagem.
    Só não entendo porquê não se entoa o Hino do Estado do Pará ao início das sessões da Câmara Municipal, só se entoa o Hino Nacional e de Parauapebas… Como paraense me sinto desrespeitado em não ouvir o hino do meu Estado na Câmara Municipal, além de ser uma falta de consideração à Unidade Federativa do Município de Parauapebas!
    Registro meu protesto!

Deixe uma resposta