Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Campanha

Campanha solidária pretende arrecadar leite em pó para as crianças com AIDS em Parauapebas

Atualmente em Parauapebas há 12 crianças com AIDS e 33 bebês que estão expostos ao vírus HIV porque nasceram de mães soropositivas, mas ainda não foram infectadas.

Começou neste domingo, dia 1º e segue até o dia 31 de outubro, a Campanha Solidária “Mais Leite, Mais Saúde = VHIVER Melhor” realizada pela Pastoral de Infecções Sexualmente  Transmissíveis – IST/AIDS de Parauapebas. Mais de 40 crianças devem ser beneficiadas com a arrecadação de leite em pó, que ajudará a fortalecer a imunidade de bebês soropositivos e até mesmo de crianças que ainda não foram infectadas, mas estão expostas ao vírus HIV.

A Pastoral da AIDS da Igreja Católica foi implantada em Parauapebas há dois anos e realiza ações educativas com palestras sobre a prevenção de doenças sexualmente transmissíveis (DST) nas empresas, escolas, organizações não governamentais (ONG’S) e instituições religiosas.

Segundo a Coordenadora Diocesana da Pastoral da IST/AIDS, Ana Lúcia de Sousa Silva, além das informações partilhadas, também é feito um trabalho solidário como adquirir cestas básicas e roupas para as famílias que convivem com a AIDS. “Temos ainda a parte religiosa, que é o conforto religioso, a palavra, o incentivo ao tratamento e o envolvimento daquelas famílias com a pessoas soropositiva. Às vezes, a pessoa se descobre com AIDS e a família a abandona ou ela se isola. Por isso, temos o compromisso social de acompanhar essas famílias, fazendo visitas, vendo a situação de vulnerabilidade e também promovendo campanhas como essa, onde buscamos arrecadar leite em pó”, enfatizou Lucia.

Segundo a Pastoral, atualmente em Parauapebas há 12 crianças com AIDS e 33 bebês que estão expostos ao vírus HIV porque nasceram de mães soropositivas, mas ainda não foram infectadas. Esses bebês são acompanhados por uma equipe do CTA – Centro de Testagem e Acompanhamento de Parauapebas com pediatras, infectologistas e enfermeiros, através do tratamento com medicamentos contra o vírus HIV. De acordo com o CTA, se até 1 ano e 8 meses essas crianças não contraírem o vírus do HIV, elas recebem alta.

Lúcia conta que existem casos onde o tratamento é um sucesso, mas a maioria das vezes o resultado não é o desejado. “Infelizmente, boa parte desses bebês acaba se tornando positivo para o HIV, o que deixa a gente bem triste. Os pais se contaminam, a mãe engravida, não cuida, não faz o pré-natal e descobre na hora do parto que a criança tem a doença. Aí gera todo o conflito e tristeza para aquela família”.

A campanha busca arrecadar apenas o leite em pó da marca Ninho, da Nestlé, porque segundo a Pastoral, o consumo dele tem gerado um resultado satisfatório tanto nos bebês com AIDS, como nas crianças que ainda não foram infectadas. “De todos os leites em pó comuns, o leite Ninho é o que tem mais proteína e aumenta a imunidade dessas crianças”, explicou Lúcia, informando ainda que a Nestlé – fabricante do leite – vai ajudar divulgando a campanha nas redes sociais e no site oficial da marca.

O HIV é a sigla em inglês do vírus da imunodeficiência humana, causador da AIDS que ataca o sistema imunológico, responsável por defender o organismo da doença. Ter o HIV não significa ter a AIDS. Há muitos soropositivos que vivem anos sem apresentar sintomas e sem desenvolver a doença. Mas podem transmitir o vírus a outras pessoas pelas relações sexuais desprotegidas, pelo compartilhamento de seringas contaminadas, ou de mãe para filho durante a gravides e a amamentação. Por isso é sempre importante fazer o teste e se proteger em todas as situações.

O mês de outubro foi escolhido para a realização da primeira edição da campanha do leite porque reúne três significativas comemorações: o mês da Criança, do Círio de Nazaré e o mês  Missionário da Igreja Católica.

“Embora a campanha seja esse mês, não significa que a gente vai parar de arrecadar, porque infelizmente tem criança que vai conviver com o vírus HIV para o resto da vida. Por isso convidamos a população para aderir à campanha, que mobilize sua família, sua escola e sua empresa para nos ajudar”, pediu Lúcia.

As doações do leite podem ser entregues no Campus do Instituto Federal do Pará (IFPA), próximo a portaria da Vale, no CTA na rua P, nº 38, no bairro União e nas secretarias da Paróquia São Sebastião, no bairro Cidade Nova, Paróquia Cristo Rei, no bairro dos Minérios e na Paróquia São Francisco de Assis, no bairro Rio Verde.

Deixe uma resposta

error: Conteúdo protegido contra cópia!