Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Marabá

Confira o ranking das 22 escolas de Marabá e Parauapebas no ENEM

Por Ulisses Pompeu –  de Marabá

Menos de duas semanas após o Governo Federal anunciar uma controversa Medida Provisória sobre reforma do ensino médio, o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) divulgou ontem os resultados por escola do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2015. Em Marabá, quinze escolas foram avaliadas pelo INEP, sendo oito públicas e sete privadas.

Entre as escolas privadas, destaque para o Grupo Futuro Educacional (902º colocação nacional), que ficou em primeiro lugar. Na segunda posição aparece o Colégio Alvorada (1.328º), seguido por Êxito (2.182º), Monte Castelo (3.565º), Disneylândia (4.186º), Escola A Fazendinha (4.914º) e, por último, o Colégio Adventista de Marabá (6.389º).

Entre as escolas públicas, destaque para Pequeno Príncipe, que ficou na colocação número 7.632, Anísio Teixeira em 9.230, Geraldo Veloso em 11.489, Plínio Pinheiro em 12.988, Gaspar Vianna em 12.845, Rio Tocantins (Caic) em 13.330, Oneide Tavares em 13.575 e José Cursino, em 14.817.

Parauapebas

Em Parauapebas, quem lidera a lista entre as escolas privadas – não seria novidade – é o Colégio Pitágoras de Carajás, seguido por Conexão, Escola Bom Pastor, Colégio Delphus e Colégio Adventista de Marabá. As duas únicas escolas públicas que se submeteram ao último ENEM são Marluce Marissol de Souza e Euclides de Oliveira, nesta ordem de classificação.

O Inep avalia uma série de critérios como porte da escola, indicador de formação docente e nível sócio-econômico dos alunos, recomendando que essas variáveis sejam levadas em conta. Um dado relevante é que seis das dez primeiras colocadas são categorizadas com nível sócio-econômico alto ou muito alto. Não são fornecidas informações desse critério nas quatro escolas restantes.

Outro fator que pode interferir no resultado é o número de alunos da escola que fizeram o Enem. Na avaliação do professor Walmir Gomes, com essa nova proposição do INEP, as escolas agora terão mais elementos no processo de intervenção pedagógica.

Seja o primeiro a escrever um comentário

Deixe uma resposta