Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Polícia Civil

Polícia Civil do Pará evita arrombamento de agência do BB em Parauapebas

A ação conjunta contou com agentes do DRCO, da 20ª Seccional de Parauapebas, NAI Marabá e Superintendência de Marabá
Continua depois da publicidade

Policiais da Delegacia de Repressão a Roubo a Bancos e Antissequestro, da Seccional de Parauapebas, NAI Marabá e Superintendência de Polícia Civil da RISP Carajás impediram na madrugada de hoje (sexta-feira, 15/06) o arrombamento a uma agência bancária do Banco do Brasil localizada no bairro Cidade Jardim, em Parauapebas.

Através de investigações, foi possível identificar que um grupo criminoso especialista em arrombamento a agências bancárias havia se organizado para praticar uma ação na cidade de Parauapebas.

De posse das informações, as equipes da DRCO se deslocaram até Parauapebas, onde em conjunto com equipes da Seccional de Parauapebas, Nai Marabá e Superintendência de Marabá fizeram a abordagem na Agência Bancária logo após a desativação do sistema de monitoramento.

Foram presos no interior da Agência os nacionais Adimur Regio Ribeiro Batista, de 42 anos, natural de Redenção/PA e Bertiê Ferreira Camargos, de 51 anos, natural de Cuiabá/MT. Dois criminosos conseguiram escapar pulando os muros da Agência e acessando uma área de mata.

No local foram apreendidos diversos materiais utilizados no arrombamento da Agência Bancária.

Os presos foram autuados em flagrante delito por Tentativa de Furto Qualificado e Associação Criminosa e já se encontram a disposição da justiça.

Essa já é a segunda ação de arrombamento de bancos evitada pela Polícia Civil do Pará em menos de um mês. No dia 28/05, de forma semelhante, as equipes policiais da DRCO conseguiram impedir uma ação de furto qualificado contra a Agência da Caixa Econômica Federal de Vila dos Cabanos, em Barcarena, ocasião em que foram presos 4 criminosos, sendo um deles do estado do Paraná.

Fotos: Polícia Civil do Pará

COMDCAP

Comitiva de Conselheiros identifica falta de estrutura para atendimento de mulheres e adolescentes na 20ª Seccional de Polícia Civil

A visita resultou em um relatório que será encaminhado aos órgãos responsáveis afim de cobrar providências para resolver os problemas apurados.
Continua depois da publicidade

Na manhã da última sexta-feira, 17, uma comissão formada por membros do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e Adolescente de Parauapebas (COMDCAP), do Conselho da Comunidade e dos Conselhos Tutelares I e II, realizou uma vistoria nas instalações da 20ª Seccional de Polícia Civil, às celas de custódia de presos, com o objetivo principal de verificar a situação do local em que adolescentes, que cometem ato infracional, e mulheres ficam enquanto aguardam audiências.

A equipe de conselheiros foi recebida pela Delegada Yanna Azevedo, que mostrou os locais solicitados. “Fiquei ali dentro da carceragem por cinco minutos e pude perceber várias irregularidades, como a falta de celas suficientes para separar os detidos em custódia, falta de higiene, um mau cheiro insuportável, entre outros. O trabalho do COMDCAP é fiscalizar e pedir providências”, informou Rodrigo Leal, secretário do COMDCAP.

No momento da visita não havia nenhum adolescente em custódia. “Uma sala minúscula foi adaptada como cela para, quando houver necessidade, separar quem estiver em custódia, por sexo ou idade. Mas se acontecer de ter menino e menina menores, ou homens e mulheres, no mesmo horário, como fazer?”, questionou Rodrigo Leal.

Na ocasião também foi realizada uma visita à delegada Ana Carolina Carneiro de Abreu, da Deam,  responsável pelas crianças e mulheres que sofreram direitos violados. Ela se mostrou muito prestativa com relação aos questionamentos da comitiva e preocupada com a falta de estrutura em Parauapebas. A visita resultou em um relatório que será encaminhado aos órgãos responsáveis afim de cobrar providências para resolver os problemas apurados.

A 20ª Seccional foi reformada em 2015. A obra custou mais de meio milhão de reais aos cofres públicos. A estrutura é composta por 20 salas, vestiários, banheiros públicos, alojamentos e local de custódia para presos.