Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Redenção

Caminhão carregado de carne tomba na BR-158, em Santana do Araguaia

Após três horas do acidente, equipes da JBS recolheram toda a carne e levaram de volta ao frigorífico

Uma carreta carregada de carne tombou na entrada da cidade de Santana do Araguaia, na BR-158. O acidente aconteceu por volta das 9 horas desta quarta-feira (9), em frente ao Residencial Rio Araguaia. De acordo com informações, após o acidente uma equipe da Polícia Militara (PM) esteve no local e evitou que a população saqueasse o caminhão.

O motorista, que não teve o nome revelado, disse que não daria entrevista à imprensa por medo de represálias. Para a polícia o motorista disse que perdeu o controle da direção do caminhão, tombando-o, e toda a carga veio a baixo.

Segundo Michael Douglas, repórter de um canal de televisão de Santana do Araguaia, na entrada da cidade há muitas curvas perigosas, o que deve ter contribuído para que a carreta virasse. Ainda de acordo com Michael, a carga de carne ficou por mais de três horas espalhadas às margens da BR-158. A equipe que retirou a carga não informou qual seria o destino levaria da mercadoria.

De acordo com informações, a carreta seguia na direção de Redenção-Santana do Araguaia. A carreta e a carga ficaram fora da pista, por este motivo o trânsito continuou tranquilo durante todo o dia. A JBS não informou o valor da carga.

Redenção

Carretas batem de frente e carga de soja se espalha pela PA- 287

A rodovia estadual é considerada uma das mais perigosas do sul do Pará. O acidente não deixou vítimas fatais

Um acidente envolvendo duas carretas deixou o tráfego da Rodovia PA-287 parcialmente paralisado na tarde de ontem, quarta-feira (2). A colisão aconteceu por volta das 16h, próximo ao Distrito Cachamorra, cerca de 30 quilômetros da sede do município de Redenção. Com o impacto da batida, as cabines dos dois veículos ficaram completamente destruídas. Não houve vítimas fatais.

O caminhão que estava carregado de soja seguia o trajeto rumo a Conceição do Araguaia, era de Confresa, Mato Grosso; o outro, que sequia sentido oposto, era da cidade Itabambé, Paraná. Segundo informações colhidas no local, o acidente foi provocado devido o condutor de uma das carretas ter perdido o controle da direção, provocando a colisão frontal com a outra carreta que seguia viagem sentido oposto.

Devido à colisão, a carga de soja ficou espalhada pela pista o que ocasionou o congestionamento. Um dos motoristas ficou preso nas ferragens, mas, foi socorrido por populares e levado para o Hospital Regional de Redenção. O outro teve apenas escoriações.

A PA 287 é a principal entrada e saída do sul do Pará e é por ela que entra e sai a maior parte dos produtos consumidos na região. De acordo com condutores que trafegam diariamente pela estrada, essa rodovia é também considerada uma das mais perigosas da região.

Parauapebas

Mistura de álcool e volante manda dois para o hospital e um para a DP

Condutor bêbado diz que nada bebeu antes de dirigir, jura que só bateu no poste e conta história difícil de entender e convencer

Muitas doses de bebida alcoólica, um carro, um motorista alcoolizado e uma estrada movimentada. Foram esses os ingredientes da indigesta receita que mandou para o Hospital Geral de Parauapebas, por volta das 9h30 deste sábado (28), o ciclista Milvan Seixas Nunes e o motociclista Cícero Weliton Silva Araújo. Quem fez a mistura foi o condutor Tiago da Silva Lima, 29 anos. Ele jura que não estava bêbado, diz que não ingeriu uma gota de álcool antes do acidente, mas, tanto os policiais que o removeram à Polícia Civil quanto o Repórter do Blog respiravam puro álcool quando ele abria boca para falar.

Tanto Milvan quanto Cícero trafegavam pela Rodovia PA-275, no perímetro urbano de Parauapebas, quando foram atirados fora da pista pelo automóvel Ford Fiesta placas HMY-1870/Parauapebas-PA, dirigido por Tiago Lima, que contou uma história sem o menor sentido para explicar o acidente que ele provocou.

De acordo com o motorista, ele seguia pela rodovia quando surgiram à frente uma carreta e duas bicicletas, das quais ele desviou, mas, logo apareceu à frente outra carreta que fechou uma moto: “Eu tentei tirar das bicicletas e aconteceu a colisão, bati no poste”, contou.

Informado de que duas pessoas foram parar no hospital por terem sido colhidas pelo carro que ele dirigia, Tiago Lima disse que os veículos menores é que se chocaram no carro dele e completou: “Tem várias câmeras ali, pode ver nas imagens se eu bati em alguém, bati foi no poste”.

O sargento F. Menezes e o cabo Gama, ambos da Polícia Militar, contaram que, quando chegaram ao local do acidente, Tiago Lima já havia sido detido pela população, visivelmente embriagado. Ele não reagiu à voz de prisão e se mostrou “bastante tranquilo”.

O sargento Constantino, do Corpo de Bombeiros, que, ao lado do também sargento Gilson e do soldado Eduardo, socorreu as vítimas, relatou que Cícero Araújo foi atirado barranco abaixo e, além de ter fraturado o punho esquerdo, queixava-se de muitas dores na coluna cervical. Ele foi removido pelo Resgate ao hospital, enquanto Milvan Nunes, com várias escoriações e dores pelo corpo, foi socorrido por uma ambulância do Samu. Quanto ao condutor Tiago Lima, até o início desta tarde seguida detido na 20ª Seccional Urbana de Polícia Civil.

Paga o abstêmio pelo bebedor

De acordo com dados do Observatório Nacional de Segurança Viária, divulgados em dezembro de 2017, mensalmente acontecem no Brasil 3.900 mortes em acidentes de trânsito, o que perfaz 46.800 mortes por ano, 21% das quais – 9.828 – causadas por condutores alcoolizados.

O custo, para os cofres públicos, dessas mortes causadas pelo álcool ao volante e também de acidentados que sobrevivem, mas que ficam com sequelas, é de R$ 119,3 bilhões ao ano, segundo levantamento do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada), ANTP (Agência Nacional de Transportes Públicos), Ministério da Saúde e
OMS (Organização Mundial da Saúde). E, como os cofres públicos são abastecidos pelo contribuinte, até quem só toma água paga pela conta de quem dirige alcoolizado.

Reportagem: Ronaldo Modesto

Rio Maria

Batidas entre duas carretas deixou uma vítima fatal em Rio Maria

Após a colisão o motorista do outro caminhão fugiu, sem prestar socorro.

Uma colisão envolvendo duas carretas, durante a madrugada de quinta-feira (19), tirou a vida de Edesio Reis, de 46 anos de idade, natural de Brusque, Santa Catarina. O acidente aconteceu por volta das 00h30, distante 11 km, da cidade de Rio Maria sentido Redenção na BR -155.

De acordo com informações da Polícia, Edesio estava indo, para Vale, carregar os tambores que estava no compartimento da carreta de resíduo. A Polícia acredita que a colisão entre os dois veículos, pode ter sido ocasionado devido, Silvio, motorista do outro caminhão, ter perdido o controle da direção e saiu fora da estrada por não ter acostamento ou meio fio, Silvio teria tentado voltar para a pista e bateu frontalmente com o outro caminhão que seguia sentido contrário.

Com o impacto da batida, à frente da carreta em que a vítima estava, ficou totalmente destruída. Vários pedaços da cabine do caminhão, ficou espalhados no asfalto. Uma equipe da Polícia Militar de Rio Maria esteve no local, em seguida o Copo de Bombeiros de Redenção, também esteve no local para retirar o corpo de Edesio das ferragens.

Ainda segundo a Polícia, o outro condutor do veículo identificado por Silvio Santos da Silva (39) anos, evadiu-se do local. Na manhã desta quinta-feira (19), o investigador Couto, informou a equipe do Blog, que o advogado do motorista esteve na delegacia e disse que Silvio, vai se apresentar nesta sexta-feira (20), o delegado que está presidindo caso é Carlos Cezar, da delegacia de Polícia Civil de Rio Maria.

Parauapebas

Descarrilhamento de locomotiva e vagões contamina igarapés às margens da EFC

A Vale informou que "adotou todas as medidas de controle e proteção nas áreas próximas e a terceiros"

Na madrugada do último dia 9, uma segunda-feira, aconteceu um descarrilamento com tombamento de uma locomotiva e 26 vagões vazios pertencentes à Mineradora Vale, no Ramal Ferroviário que liga o Projeto S11D à estrada de Ferro Carajás, em Parauapebas. Em nota, logo após a liberação do ramal, na sexta-feira, a Assessoria de Imprensa da Vale informou que o maquinista da locomotiva sofreu escoriações leves, foi levado ao hospital da cidade e passa bem. Informou ainda que equipes da Vale atuaram na avaliação da recuperação da linha férrea e que as causas da ocorrência estão sendo apuradas.

Nesse intervalo entre o acidente e a liberação do ramal, a Amazônia TV, repetidora da RedeTV em Parauapebas, denunciou em seu programa de maior audiência, “O povo na TV”, que o acidente provocou a contaminação de igarapés da região, já que milhares de litros de óleo diesel foram despejados ao longo do perímetro do acidente. Com isso, dezenas de colonos que vivem às margens do ramal tiveram problemas com a falta de água pra consumo das famílias e dos animais que criam, além da possível contaminação de tanques para criação de peixes, que hoje é uma das maiores fontes de emprego e renda para os habitantes daquela região (vide o vídeo abaixo).

Acidentes acontecem, isso é fato! Este não foi o primeiro e não será o último. O que diferencia os acidentes são as formas com que os envolvidos são tratados, sejam eles responsáveis ou vítimas. Nesse caso, a Secretaria Municipal de Meio Ambiente se posicionou através de uma nota informando que técnicos estiveram no local, mas no momento não foi possível “a constatação científica da dimensão da contaminação do solo e cursos hídricos daquela área”. Em outro ponto da nota, a secretaria informa que técnicos produziram um relatório e que uma advertência por escrito foi enviada para a empresa “solicitando” os devidos estudos de contaminação do solo e do curso hídrico próximo às imediações.

É isso mesmo, a Semma solicitou que a empresa investigada produza um estudo de contaminação. Salvo melhor juízo, isso é claramente uma inversão dos papéis. Quem tem que verificar a região e produzir um relatório dos impactos causados pelo acidente é o Departamento de Fiscalização Ambiental da Secretaria de Meio Ambiente da Prefeitura de Parauapebas e não Vale. Cabe à Vale contestar posteriormente esse relatório, se a este estiver em desacordo. A Semma informou, ainda, que, caso comprovado o dano ambiental, “tomará medidas pertinentes à situação”.

Em Barcarena, uma empresa denunciada e investigada por despejar rejeitos químicos em igarapés informou, em um primeiro momento, que cumpria a legislação e que o crime imputado a ela não procedia. Posteriormente foi verificado que havia até canais construídos pela empresa exclusivamente para conduzir tais rejeitos sem tratamento para os igarapés, economizando assim milhões de Reais anualmente.

A Vale é importantíssima para o Brasil e para Parauapebas em especial. Sem ela, creio, 90% dos que aqui hoje estão jamais estariam. Todavia, à ela deve ser dispensado o mesmo tratamento dado às várias empresas que aqui se instalam. Não é possível que a Vale produza um relatório sobre um acidente provocado por ela, com suposta contaminação de uma região, quando tantas outras empresas que trabalham com material que pode provocar uma contaminação têm seus Pedidos de Alvarás atrasados pela burocracia ou até negados por falta de atendimento a um item sequer solicitado pela Semma.

A Vale já recebe um tratamento diferenciado da justiça local no tocante às concessões de Alvarás de Funcionamento. Ela vem depositando os valores cobrados pelo Departamento de Arrecadação Municipal em juízo há anos, já que discorda dos valores cobrados. Seus Alvarás estão sendo emitidos pelo DAM por ordem judicial, mesmo o município comprovando que a mineradora está em débito e, portanto, descumprindo a legislação.

Esse acidente precisa ser investigado a fundo, não só pela suposta contaminação, mas pela real necessidade de se saber os motivos do acidente, já que o ramal cruza parte de área habitada de Parauapebas e pode voltar a acontecer no futuro, quem sabe nessa área, provocando um desastre ainda maior.

O Blog entrou em contato com a Assessoria de Imprensa da Vale na manhã desta quinta-feira e solicitou respostas para as seguintes questões:

– o que provocou o acidente?
– quais ações imediatas foram tomadas pela Vale para conter a contaminação?
– o que foi feito com a sucata dos vagões descarrilhados?
– qual o trabalho feito junto aos colonos afetados para minimizar os impactos ambientais em seus respectivos lotes?
– quais atitudes serão tomadas pela mineradora para que acidentes como este não voltem a acontecer?

Em resposta, a Vale respondeu, apenas, que ” adotou todas as medidas de controle e proteção nas áreas próximas e a  terceiros. A Vale reitera que comunicou a ocorrência aos órgãos ambientais responsáveis e mantem equipe de controle de emergências no local em contínuo monitoramento da área. A empresa  informa, ainda, que mantem o diálogo com os colonos e aguarda a conclusão do estudo sobre a ocorrência para adotar demais ações que forem necessárias”.

Pará

Coordenador do Programa Terra Legal no Estado do Pará, James Frederico, sofre acidente em estrada

O veículo conduzido pelo coordenador se desgovernou numa curva esburacada e caiu a mais de 10 metros em uma ribanceira, dentro de um igarapé.

O acidente ocorreu no início da tarde de ontem (31), na estrada que liga Novo Repartimento a Tucuruí. O veículo, uma camionete modelo Triton, da marca Mitsubishi, conduzida por Frederico, se desgovernou numa curva esburacada e caiu a mais de 10 metros em uma ribanceira, dentro de um igarapé.

Responsável pelas ações de Regularização Fundiária de áreas federais no estado do Pará, James Frederico Medeiros, seguia sozinho de Altamira para Marabá, onde se encontraria com o Deputado Federal Wladimir Costa, para participar, nesta segunda-feira (02), da programação de entrega de títulos de quatro vilas urbanas em Parauapebas.

James Frederico foi socorrido por uma equipe de motoqueiros que seguiam para um evento de trilha em Breu Branco. Apesar do grave acidente, Frederico sofreu apenas alguns arranhões. “O susto foi grande, mas a satisfação de promover a titulação de terras no Pará é mais forte. Deus no comando, sempre.” Respira aliviado.

O veículo foi içado com a ajuda de um “caminhão boiadeiro” que passava no local. A estrada ficou interdita por 40 minutos.

O trecho que liga Novo Repartimento a Tucuruí não é pavimentado. A estrada está em péssimas condições de trafegabilidade devido o intenso inverno amazônico, provocando inúmeros acidentes.

Parauapebas

Morte de motorista em acidente na PA-275 deixa equipe Vale enlutada na região (atualizada)

Raimundo Paulino trabalhava havia mais de 30 anos em Carajás, 20 deles com a área de Comunicação da Mineradora

Um acidente rodoviário, por volta das 13h desta segunda-feira (19), deixou enlutados os funcionários da Vale na região. Raimundo Paulino Medeiros Filho, 57 anos, que trabalhava havia mais de 30 anos na mineradora, 20 dos quais como motorista da Comunicação, morreu quando o carro que ele dirigia colidiu de  frente com outro, na PA-275, entre Curionópolis e Parauapebas. Chovia muito no momento do acidente e ainda não é possível saber qual dos carros passou para a contramão.

O condutor do carro que se chocou com o de Paulino saiu muito ferido do acidente e foi removido, pelo Samu, consciente ao hospital. Até o fechamento desta matéria ele ainda não havia sido identificado. O motorista dirigia o carro de uma prestadora de serviços da Vale, que ficou bem menos avariado que o de Paulino, e trafegava no sentido inverso: Parauapebas-Curionópolis.

O delegado de Polícia Civil José Euclides Aquino, que esteve no local do acidente, lamentou a morte e disse ao Blog que, as primeiras informações colhidas dão conta de que um dos carros deslizou e girou na lâmina d’água, mas ressaltou que só a perícia da Polícia Rodoviária Estadual é que pode determinar a causa da tragédia.

Pelos Bombeiros, o sargento Anchieta, que comandou a equipe de resgate, já que o corpo de Paulino ficou preso entre as ferragens do carro que ele dirigia, recebeu a informação de que um dos veículos teria tentado uma ultrapassagem forçada, mas disse que essas informações também não são precisas.

Paulino estava de férias, foi a Tucuruí, visitar os pais, e voltava para Parauapebas quando foi vítima da tragédia que ceifou sua vida. Ele era muito competente, admirado e muito querido por todos na Vale, conforme constatou o Blog. A morte dele deixou a todos os colegas e ex-colegas em estado de choque.

Colegas lembram que, como motorista da Vale, ele transportou muitas personalidades a Serra dos Carajás, a exemplo da princesa Diana e todos os presidentes da República que estiveram naquele
complexo mineral nas últimas décadas.

“Meu amigo e companheiro de trabalho, mais de 20 anos trabalhando juntos, na Comunicação. Muito triste mesmo”, disse há pouco o fotógrafo Salviano Machado.

Em nota, a Vale lamenta a perda de Paulino: “É com profundo pesar que a Vale comunica o falecimento de Raimundo Paulino Medeiros Filho, no início da tarde desta segunda-feira, 19/3, vítima de um acidente de carro na entrada do município de Parauapebas, retornando de viagem de férias. Paulino trabalhava como motorista na Vale. Profissional competente e admirado, trabalhava há mais de 30 anos em Carajás. Paulino deixa mulher e quatro filhos. A Vale se solidariza com os parentes e amigos e informa que está prestando toda a assistência necessária à sua família”.

Ainda não foi informado onde ocorrerá o velório e o enterro de Paulino.

Atualização:

Informamos que o velório do nosso amigo e colega de trabalho Raimundo Paulino Medeiros Filho será na Rua João Pessoa, número 26 – bairro Liberdade I, Parauapebas, atrás do Estádio Rosenão, hoje à noite (19/3), em horário a confirmar.

Comunicação Vale

Reportagem: Ronaldo Modesto
Conceição do Araguaia

Luto na PM: quatro policiais morrem em acidente provocado por motorista embriagado

A tragédia ocorreu na manhã de hoje, na PA-287, vitimando um soldado, dois cabos e um sargento, quando uma carreta, em ziguezague na pista, bateu de frente com a viatura

Os policiais militares Arlan Campos Lopes da Silva (cabo), Luís Antônio Cruz Aguiar (cabo), Antônio Marcos Carvalho da Silva (solado) e Francisco José Gomes de Freitas (sargento) morreram na manhã desta segunda-feira (5), na Rodovia PA-287, em Conceição do Araguaia. A camionete em que eles seguiam para missão em Santana do Araguaia, bateu de frente com uma carreta que trafegava em ziguezague pela estrada, conduzida pelo motorista Claudair da Silva Rodrigues, 36 anos, que estaria dirigindo embriagado. Um quinto policial, Resylen de Lima Souza, escapou com vida do acidente e está internado no Hospital Regional de Redenção, onde se encontra na UTI. Um vídeo postado nas redes sociais mostra o momento em acidente.

Claudair foi autuado em flagrante na Delegacia de Polícia Civil de Conceição, aparentando sinais de embriaguez. O delegado Antônio Miranda, superintendente de Polícia Civil do Araguaia, mandou lavrar por alcoolemia, pois o motorista cambaleava pela DP, numa típica caraterística de que estava embriagado. Ele é paranaense de Campo Mourão, foi encaminhado para exame toxicológico e segue preso à disposição da Justiça.

Condutor admite que provocou acidente

Em entrevista há pouco a uma emissora de TV regional, Claudair Rodrigues, falando com dificuldade devido ao estado de embriagues em que ainda se encontra, admitiu que provocou o acidente: “Eu entrei e fechei alguém”, afirma. Em seguida, indagado pelo repórter, diz que passou o dia e a noite bebendo em comemoração ao aniversário de um amigo e, mesmo assim, pegou a carreta para dirigir. Por fim, diz que “agora é pagar”, pelo erro, conforme o que a Justiça determinar.

Os militares mortos

Cabo Arlan Campos Lopes da Silva – prestou serviço durante 12 anos na PM. Deixa esposa e dois filhos. Em seu registro funcional há diversos elogios e o seu comportamento profissional era considerado excepcional.

Cabo Luís Antônio Cruz Aguiar – durante os sete anos de serviço, conquistou referências elogiosas em seu registro funcional.

Soldado Antônio Marcos Carvalho da Silva – com apenas quatro anos de serviço, também obteve diversos elogios. Deixa esposa e dois filhos.

Sargento Franciso José Gomes de Freitas – trabalhou de forma excepcional e recebeu diversos elogios durante os 20 anos que prestou serviço à sociedade paraense. Deixa esposa e dois filhos.