Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Canaã dos Carajás

Apesar das férias, procura por passagens não aumentou em Canaã

Funcionários de cooperativa e empresas rodoviárias afirmam que a procura por passagens nesse período foi menor em relação a 2016

A crise em Canaã dos Carajás atingiu em cheio as cooperativas e empresas de turismo durante as festividades de fim de ano. Apesar da procura natural por passagens no período das férias, a população canaãnense viajou menos em 2017 do que em 2016. A situação econômica da população local acabou obrigando muita gente a ficar em casa durante as festas de Natal e Ano Novo e o prejuízo ficou para o setor de transportes.

Uma das principais explicações para a drástica redução do poder econômico do cidadão canaãnense está no desemprego do município: só em 2017, cerca de 5330 postos de trabalho foram fechados na cidade. A maior parte do déficit de empregos aconteceu por conta do encerramento das atividades de implantação do Projeto S11D. Com o funcionamento do complexo, a maioria das empresas que trabalharam na construção acabou deixando Canaã, levando consigo milhares de vagas.

Luan dos Santos, agente de viagens em uma cooperativa de vans na cidade, lamentou o período de férias: “O ano de 2017 só foi bom no começo; em julho foi muito ruim e dezembro foi muito pior. Em relação a 2016, o fluxo de pessoas e a procura por passagens diminuiu bastante. Tínhamos boas expectativas, mas foi tudo por água abaixo.” O profissional relatou ainda que os municípios de Marabá, Xinguara e Tucumã foram os mais procurados pelas famílias viajantes.

Já o motorista Raimundo Sousa fez um desabafo durante a entrevista: “Esse final de ano para todos nós foi muito fraco. Nos outros anos sempre foi muito bom e esse ano foi terrível. Não tem emprego na cidade, não tem nada e aí o pessoal não tem dinheiro para viajar. Sem dinheiro ninguém faz nada. Pelo menos estamos com saúde, não é? Vamos ver se melhora esse ano, ver se o prefeito traz empresas para empregar esse povo. Se não trouxer, a coisa fica feia.”

Quem também viveu maus bocados no mesmo espaço de tempo foram algumas empresas de ônibus da cidade. Entre os destinos dos cidadãos, Goiânia, Santa Inês e Belém ficaram entre os favoritos. O também agente de viagens, Marcos Silva, falou com tristeza sobre as perdas em relação aos anos anteriores: “De acordo com o fechamento de caixa, minhas vendas foram 46% menores que 2016. É lamentável. Estamos tentando abrir mais linhas, melhorar a nossa frota para aumentar a quantidade de pessoas viajando conosco, mas aqui em Canaã é complicado, pois não temos tanta estrutura. Não tem rodoviária, a estrada do Posto 70 é muito ruim… Nosso ônibus já atolou duas vezes só esse mês. Então, é bem complicado de se trabalhar assim.”

Para o ano de 2018, a expectativa é que a economia local volte a crescer. Com o aumento da produção de minério no S11D e a maior alíquota na Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais (CFEM), os números tendem a melhorar para a “Terra Prometida”. O governo local já busca, junto às secretarias de Agricultura e de Desenvolvimento Econômico, alternativas para a superação da crise. Com a população empregada, é natural que finais de ano mais felizes voltem a acontecer para todos em Canaã.

Saúde

Médico adverte quanto aos efeitos do excesso de comida e de álcool nas festas de final de ano

Nagilson Amoury é plantonista de dois dos três hospitais públicos de Marabá e alerta também quanto a acidentes e violência doméstica

Por Eleutério Gomes – de Marabá

Contagem regressiva para o final do ano – faltam três dias – e as pessoas se preparando para as comemorações, que incluem muita comida e muitos litros de bebida alcoólica, na maioria das vezes, ambas ingeridas em excesso. Sobre o assunto, o Blog ouviu o médico Nagilson Rodrigues Amoury, gastroenterologista, cirurgião-geral e plantonista do Hospital Municipal e do Hospital Regional.

Ele afirma que, “olhando pelo lado da estatística”, 57% das doenças que acometem o ser humano são relacionadas ao meio ambiente, e este, relacionado ao sedentarismo e à alimentação. “Sobretudo em relação ao número de calorias que o organismo ingere, mas que não é gasto e vai acumulando no corpo”, observa.

O médico diz que um grama de proteína equivale a quatro calorias; uma grama de açúcar, quatro calorias; um grama de gordura, nove calorias; e um mililitro de álcool equivale a uma vez e meia a quantidade de açúcar normal, seis calorias. “Ou seja, um copo de cerveja de 200 mililitros equivale a 1.200 calorias e a pessoa toma vários, muitos”.

“Para a população jovem, isso não tem problema algum, até certo ponto pode comer e beber, abusar um pouco. Porém, aquelas pessoas obesas, de mais idade, que são sedentárias e bebem demais e se alimentam de forma errada, têm de evitar o excesso”, aconselha o médico.

Nagilson afirma que no dia logo após as festividades de passagem do ano, chegam aos hospitais muitos casos de gastroenterite, uma infecção causada pelo alimento mal preparado, e de cólica biliar.

“A pessoa come muita gordura e, às vezes, não sabe que tem pedra na vesícula. O excesso de gordura estimula a vesícula a trabalhar e entope a via biliar. Aí, essas pessoas têm de ser operadas de emergência. Já os pacientes diabéticos descompensam e entram em coma. No final de ano é onde existe mais atendimentos a obesos, diabéticos e hipertensos”, conta o médico.

Acidentes e violência

Amoury também adverte quanto ao excesso de álcool na direção de carros e motocicletas, sobretudo nesta época de festas. Segundo ele, atualmente, 50% dos leitos de UTI do Hospital Regional são ocupados por pessoas acidentadas de motos. “Mais de 75% das enfermarias também estão ocupadas por vítimas desse tipo de acidente”, complementa ele, aconselhando as pessoas a não tentarem dirigir alcoolizadas. “A pessoa perde os reflexos, fica mais agitada”, diz, acrescentando: “Todos os leitos da Ortopedia do Hospital Municipal também estão ocupados por vítimas de queda de moto”.

O médico lembra também dos casos de violência, como agressões a arma branca, bala ou pauladas, que aumentam também devido aos excessos causados pelo álcool. “É importante notar que 80% desses casos ocorrem dentro das casas e não nas ruas. É a violência doméstica acirrada pelos desentendimentos em meio à bebedeira”, encerra.

Marabá

DMTU inicia campanha para salvar vidas nos dias de festa de final de ano

A ação, em parceria com os Desbravadores, objetiva evitar que as pessoas dirijam alcoolizadas e percam a vida em acidentes

Por Eleutério Gomes – de Marabá

O Departamento Municipal de Trânsito e Transporte Urbano (DMTU) de Marabá iniciou na manhã desta sexta-feira (22), nos três núcleos urbanos, a Campanha de Final de Ano, cujo objetivo é conscientizar para salvar vidas. Encabeçada pelo Coordenador de Educação de Trânsito do órgão, Rogério Matias, a ação educativa tem parceria com os Desbravadores, grupo de escotismo da Igreja Adventista do 7º Dia, e a participação dos agentes de trânsito.

“Este é um período complicado, conturbado, no qual os hospitais até se preparam com bolsas de sangue”, afirma Rogério, “mas essa preparação nem deveria haver porque a prevenção é o melhor remédio”.

Ele chama atenção para o fato de que tanto no Natal quanto no Ano Novo, o trânsito fica muito intenso após a meia-noite, quando o condutor sai de casa para visitar parentes e amigos e comprar mais bebida, após já ter ingerido álcool. “A partir daí, começa a ocorrer uma série de acidentes. No dia seguinte, a gente vai observar os números e, muitas vezes, eles são trágicos”, salienta.

Mito

Matias recorre às famílias desses condutores, lembrando que, para muitas, as noites do dia 24 e 25, que deveriam ser de alegria, se tornam datas trágicas: “E, por isso, nós apelamos: ‘se beber, não dirija’”, reforça ele, aconselhando que a pessoa passe o volante para outra que não esteja alcoolizada ou para um amigo que não bebe.

O coordenador também desmitifica a afirmação corriqueira entre pessoas que dirigem alcoolizadas, de que o condutor nesse estado dirige melhor: “Isso não existe, nenhuma estatística mostra isso”. Desmente ainda outra afirmação errônea, de que algumas pessoas morrem em acidentes porque não conseguiram se desvencilhar do cinto de segurança.

“Isso é uma exceção, mas tem gente que se aproveita dessas estatísticas de exceção para não usar o cinto. A regra é ‘o cinto salva’, a regra é ‘tem de andar dentro da velocidade permitida por lei’. Isso salva vidas, não beber antes de dirigir salva vidas. Então cuide de si, cuide do seu próximo, não permita que seu familiar saia de carro ou moto após ter ingerido bebida alcoólica”, apela Matias.

Menores

Ele alerta ainda para outro fato que pode terminar em tragédia: “Não entregue um veículo para menor de idade, isso não deve acontecer. Aqui em Marabá acontece uma coisa muito errada: geralmente, quando uma moça faz 15 anos, o pai pergunta se ela quer uma festa ou uma moto; isso é absolutamente ilegal. Não é maior de idade, não tem habilitação, não está apto a dirigir”, adverte.

Indagado pelo Blog se a mudança no Código de Trânsito Brasileiro, em relação ao maior rigor na punição para quem dirige alcoolizado, pode diminuir o número de acidentes, sobretudo em dias de festa e nos fins de semana, Matias disse que, certamente, isso vai acontecer, mas destacou que a educação no trânsito também é muito importante.

“O rigor da lei contribui muito, mas, em verdade, o que nós deveríamos ter – e temos de trabalhar para que isso aconteça agora – é uma sociedade educada. Nós não tivemos educação para o trânsito”, observa, inclusive, em relação a quem argumenta ter tirado a habilitação seguindo todas as instruções e os trâmites legais. “Isso faz a diferença? Faz, mas faz muito mais diferença a educação para o trânsito”.

“Wolverine”

Matias defende, inclusive, a ideia de que a educação para o trânsito deva ser incluída na grade curricular das escolas.
“Imagine como seria hoje se há 20 anos isso fosse matéria nas salas de aula?”, indaga, afirmando que essa é uma luta abraçada por quem trabalha com trânsito.

“Uma geração educada é totalmente diferente. Hoje lidamos com uma geração que não teve esse tipo de educação. Um condutor do tipo ‘Wolverine’ que, diante de qualquer abordagem, mostra as garras e pergunta ‘você sabe com quem está falando?’, ‘sabe de quem eu sou filho?’. Então, nós esperamos que o futuro seja melhor”, afirma Matias, citando “números de guerra”: mais de 60 mil pessoas morrendo no trânsito a cada ano e gerando prejuízos, com transporte, internação e previdência social, que chegam a R$ 52 bilhões anualmente no país.

A ação, que começou na Via Principal 8, à altura da Folha 27, Nova Marabá, seguiu na Cidade Pioneira, Bairro Liberdade e Bairro da Paz. Na próxima semana, reinicia nos demais núcleos da cidade.

Caio Rodrigues, um dos seis voluntários dos Desbravadores, afirma que é muito importante esse tipo de conscientização, a fim de evitar mortes no trânsito, e diz que os escoteiros sempre participam de campanhas cujo objetivo “é salvar vidas, como Outubro Rosa e Novembro Azul, entre outras’.

PRF registra cinco mortes durante operação Ano Novo no Pará

Cinco pessoas morreram e outras 26 ficaram feridas durante o período de 28 de dezembro do ano passado a 3 de janeiro deste ano nas estradas federais que cortam o Pará, segundo um balanço da PRF (Polícia Rodoviária Federal) divulgado na manhã desta terça-feira (5). No total, a PRF resgistrou 34 acidentes na Operação Ano Novo, sendo que a metade ocorreu na rodovia BR-316. O número de mortos passou de três em 2014 para cinco em 2015. Todas as mortes registradas foram de motociclistas.

Em relação à mesma operação realizada em 2014 pela PRF, o número de acidente diminuiu de 66 para 34. Também houve um diminuição no número de feridos, que passou de 41 para 26.

Fonte:Orm

Marabá

Marabá: mensagem de Ano Novo do prefeito João Salame

marabá 2Quando 2013 finda entendo ser apropriado fazer um rápido balanço deste primeiro ano de gestão à frente da Prefeitura de Marabá.

Não é demais relembrar as condições em que recebi a Administração Municipal. As dificuldades, intuídas durante os longos meses da campanha eleitoral de 2012, mostraram-se ainda maiores e mais graves, a demandar providências urgentes – e algumas vezes indesejadas – mas, necessárias para sanear as finanças do município.

As dívidas colossais, deixadas pela calamitosa gestão anterior, formavam apenas parte do problema. Além de dever muito, a Prefeitura não tinha crédito nem credibilidade. Era preciso demonstrar que a verdadeira mudança havia começado e recuperar a confiança de servidores, fornecedores e da população em geral.

Reuni a equipe de governo e determinei um conjunto de medidas baseadas na mais absoluta austeridade. Reduzi salários – inclusive os do prefeito e secretários municipais, estabeleci o regime de tolerância zero em relação à corrupção e ao desperdício, além de limitar ao mínimo necessário contratações de funcionários temporários, em especial, para cargos em comissão com salários mais elevados.

Ao mesmo tempo, era preciso eleger prioridades e, cumprindo um compromisso de campanha, decidi que pagar salários de nossos servidores seria a maior delas. Em um exercício de intenso diálogo com todos os sindicatos que representam o funcionalismo, chegamos ao acordo que possibilitou o pagamento de todos os salários e outros benefícios atrasados, além de garantir reajuste para todos na data-base da categoria.

Decidi também retomar as diversas obras abandonadas pela gestão anterior e concluí-las. São nove escolas e Núcleos de Educação Infantil – NEI’s, a UPA, entre outras que, com grande esforço, logo entregaremos à população. Esta me parece ser a melhor forma de demonstrar respeito ao dinheiro público.

Outro desafio era retirar Marabá do CAUC. Tínhamos nada menos que 11 negativações neste cadastro e isso nos impedia receber transferências voluntárias do Governo Federal que, tendo à frente a presidente Dilma Rousseff, desde logo se mostrou pronta para apoiar o município.

Com a competência e a dedicação de nossa equipe técnica foi possível retirar todas as negativações e assim garantir recursos federais que, junto com os recursos próprios do município, vão viabilizar novas obras, entre elas 18 novas escolas e NEI’s.

Apesar das dificuldades, iniciamos as obras de macrodrenagem da Grota do Aeroporto, após 30 anos de espera, que contará com 70 quilômetros de asfalto, drenagem, saneamento básico, habitação popular e urbanização, beneficiando mais de 25 mil pessoas, com investimento total de mais de R$ 140 milhões.

Com paciência e muita articulação, conseguimos que parte da bancada federal – a quem agradeço publicamente – destinasse emendas que serão usadas para garantir que sigamos no projeto arrojado de asfaltamento que nos comprometemos a executar.

Licitamos a macrodrenagem da Grota Criminosa, outra obra estruturante e que vai ajudar a mudar para melhor nossa cidade. Enquanto isso, com recursos próprios, tratamos de fazer a manutenção das ruas, avenidas e estradas vicinais do município. Graças a isso, pela primeira vez em muitos anos, não houve interrupção nas principais vias de acesso da zona rural de Marabá.

Com o apoio de parceiros, entre eles o Exército Brasileiro, reformamos escolas e núcleos de educação infantil que estavam em ruínas e motivo de vergonha para todos nós. Apostamos na democracia, com eleições diretas e livres para diretores de escolas – contando com a participação da comunidade escolar. Investimos na formação continuada de professores e técnicos, no transporte escolar e na merenda. Mas, nossa maior conquista foi, sem dúvida, garantir a matrícula de todas as nossas crianças nas escolas do município.

Na Assistência Social, reativamos programas sociais e ampliamos outros, incluindo milhares de famílias através de benefícios como Bolsa-Família, Projovem, Pronatec e tantos outros.

Enfim, apesar das dificuldades, avançamos.

Aqui, é preciso deixar claro que essas conquistas foram alcançadas sem nenhum apoio do Governo do Pará, apesar de todo o meu esforço para estabelecer uma relação efetivamente republicana com o gestor estadual.  A postura do atual governador ficou clara logo nos primeiros dias de janeiro de 2013. Enquanto Belém, tendo um aliado do governador como prefeito, recebia R$ 10 milhões apenas para limpeza urbana, Marabá em estado precário, não teve direito a um centavo sequer. Ao longo do ano, nada mudou.

Por outro lado, nesta caminhada complicada, encontrei na presidente Dilma uma parceira capaz de compensar com sobras o descaso dos poderosos de Belém e interessada em ajudar de forma efetiva Marabá. A ela, meus sinceros agradecimentos, deixando claro que saberemos ser gratos pelas oportunidades que foram oferecidas ao povo de Marabá e pelo compromisso do Governo Federal com o desenvolvimento da região que se refletirão, tenho certeza, na conclusão da Hidrovia Araguaia-Tocantins e na construção de um novo ciclo de crescimento econômico para a região.

Por fim, entendo que o ano de 2013 foi ano de reestruturação, de ordenar a casa, de estabelecer rumos, de plantio e semeadura. O próximo ano será, com a graça de Deus e muito trabalho, ano de navegar no rumo certo, de tornar a casa melhor e mais bonita, de colher os frutos de nossos sacrifícios, de trazer para nossa gente dias de prosperidade e paz.

Obrigado pela confiança que cada marabaense tem demonstrado em nosso trabalho, que Deus nos abençoe e estou certo que teremos todos um grande e feliz 2014!

João Salame Neto
Prefeito de Marabá

É tempo de refletir e mudar o rumo da prosa? Que venha 2014!

imagePassado o Natal, é tempo de nos prepararmos para receber o novo ano que vem. É corriqueiro, nesta época, a grande incidência de promessas, desejos e compromissos que, na opinião de cada um, farão com que o novo ano seja melhor que o que agora se finda.

Para uma reflexão sobre com o que mesmo devemos nos compromissar, deixo o texto atribuído a William Shakespeare (há controvérsias sobre a autoria) na esperança de que ele possa ser absorvido e os tornem pessoas melhores.

Que venha 2014. Feliz Ano Novo!

Menestrel

“ Depois de algum tempo você aprende a diferença, a sutil diferença entre dar a mão e acorrentar a alma. E você aprende que amar não significa apoiar-se, e que companhia nem sempre significa segurança. E começa aprender que beijos não são contratos, e que presentes não são promessas. E começa a aceitar suas derrotas com a cabeça erguida e os olhos adiante, com graça de um adulto e não a tristeza de uma criança. E aprende a construir todas as suas estradas no hoje, porque o terreno do amanhã é incerto demais para os planos, e o futuro tem o costume de cair meio em vão.

Depois de algum tempo, você aprende que o sol queima, se ficar a ele exposto por muito tempo. E aprende que, não importa o quanto você se importe, algumas pessoas simplesmente não se importam… E aceita que, não importam quão boa seja uma pessoa, ela vai feri-lo (a) de vez em quando, e você precisa perdoa-la por isso. Aprende que falar pode aliviar dores emocionais. Descobre que leva-se anos para construir confiança e apenas segundos para destruí-la, e que você pode fazer coisas em um instante, das quais se arrependerá para o resto da vida. Aprende que verdadeiras amizades continuam a crescer, mesmo a longas distâncias. E o que importa não é o que você tem na vida, mas quem você tem na vida. E que bons amigos são a família que nos permitiram escolher.

imageAprende que não temos que mudar de amigos, se compreendermos que os amigos mudam. Percebe que seu melhor amigo e você podem fazer qualquer coisa, ou nada, e terem bons momentos juntos. Descobre que as pessoas com que você mais se importa na vida são tomadas de você muito depressa, por isso, devemos deixar as pessoas que amamos com palavras amorosas, pode ser a última vez que as vejamos.

Aprende que as circunstâncias e os ambientes têm muita influência sobre nós, mas que nós somos responsáveis por nós mesmos. Começa a aprender que não se deve comparar com os outros, mas com o melhor que você pode ser. Descobre que leva muito tempo para se chegar aonde está indo, mas que, se você não sabe para onde está indo, qualquer lugar serve. Aprende que, ou você controla seus atos ou eles o controlarão, e não importa quão delicada e frágil seja uma situação, sempre existem dois lados.

Aprende que heróis são pessoas que fizeram o que era necessário fazer,enfrentando as consequências. Aprende que paciência requer muita prática.Descobre que algumas vezes, a pessoa que você espera que o chute, quando você cai, é uma das poucas pessoas que o ajudam a levantar-se. Aprende que a maturidade tem mais a ver com tipos de experiências que se teve e o que se aprendeu com elas, do que com quantos aniversários você celebrou. Aprende que há mais de seus pais em você do que você supunha. Aprende que nunca se deve dizer a uma criança que sonhos são bobagens, poucas coisas são tão humilhantes, e seria uma tragédia se ela acreditasse nisso.

Aprende que quando está com raiva, tem direito de estar com raiva, mas isso não lhe dá o direito de ser cruel. Descobre que só porque alguém não o ama mais do jeito que você quer não significa que esse alguém não o ame com todas as forças, pois existem pessoas que nos amam, mas simplesmente não sabem como demonstrar ou viver isso. Aprende que nem sempre é suficiente ser perdoado por alguém, e que algumas vezes, você tem que aprender a perdoar a si mesmo.

E que, com a mesma severidade com que julga, será em algum momento condenado. Aprende que não importa em quantos pedaços seu coração foi partido, o mundo não para, para que você junte seus cacos. Aprende que o tempo não é algo que se possa voltar para trás. Portanto, plante seu jardim e decore sua alma, ao invés de esperar que alguém lhe traga flores. E você aprende realmente que pode suportar… que realmente é forte, e que pode ir mais longe, depois de pensar que não pode mais. E que realmente a vida tem valor diante da vida!!!

Mensagem de final de ano do Poder Judiciário em Parauapebas

imageBoas Festas!

Ao findar mais um ano, os servidores e juízes do Poder Judiciário estadual de Parauapebas desejam a todos um Feliz Natal e um Ano Novo pleno em realizações.

Durante o ano que se encerra, além dos milhares de atos judiciais (despachos, decisões, sentenças, audiências e atendimentos ao público), nossa principal finalidade foi de aproximação com os jurisdicionados, no firme empenho de entregar o direito formal e materialmente válido.

Em 2013 desenvolvemos os projetos de “Excelência no Atendimento”, o “Poder Judiciário na FAP”, ações voltadas ao direto das crianças e adolescentes, com a entrega de brinquedos na Colônia Paulo Fonteles e exames de DNA, bem como participamos de todos os projetos do Tribunal de Justiça e do Conselho Nacional de Justiça, visando acelerar a entrega da prestação de nossos serviços, como, por exemplo, a Semana Nacional da Conciliação.

Muito mais que tais atividades típicas e obrigatórias de quem desempenha função em um dos poderes republicanos, nosso interesse é de mostrar que estamos de maneira ininterrupta para garantir a razão de ser desse sustentáculo democrático: ser cada vez mais público do que poder e ter como patrão a população, em especial os mais carentes.

Certo de que novos tempos são momentos aptos a corrigir o que é necessário e evoluir em atitudes, desejamos que os ventos do ano novo trilhem o caminho da paz e do bem estar social em Parauapebas.

Feliz 2014!!

Juiz Líbio Araújo Moura
Diretor do Fórum em Parauapebas