Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Polícia

Em Parauapebas, cabo PM mata cunhado a tiro após discussão com a esposa, também PM.

O cabo, que é lotado no Batalhão de Polícia Militar de Parauapebas, está foragido.

A Polícia Civil de Parauapebas investiga a morte de Francisco Graciano Junior, 24 anos de idade, que faleceu no Hospital Geral de Parauapebas nesta madrugada após dar entrada na emergência com ferimento à bala na cabeça.

Segundo apurado, o baleamento aconteceu por volta das 22 horas deste domingo na residência do cabo PM André Luiz, lotado no Batalhão de Polícia Militar de Parauapebas, e foi motivado por uma briga de casal. André Luiz, que é casado com uma cabo PM, discutia com a esposa e a vítima teria entrado no meio da conversa para impedir a briga. Nesse momento o cabo André teria efetuado um disparo com sua arma funcional que atingiu Francisco, cunhado de seu algoz, na cabeça

Momentos depois uma guarnição da PM compareceu ao local, e após prestar socorro à vítima se dirigiu à 20ª Seccional de Polícia Civil para comunicar o caso, apresentando a arma do PM usada no fato delituoso

O cabo Andre Luiz, logo após o fato, evadiu-se do local e até o momento ninguém sabe informar seu paradeiro.

A esposa de André esteve na Depol no início da madrugada para prestar depoimento e informou não saber do paradeiro do marido.

A PM provavelmente está apurando os fatos e deverá emitir uma nota mais tarde para esclarecer as circunstâncias do crime envolvendo dois de seus pares. O cabo André Luiz tem sete anos de farda.

O delegado José Aquino, responsável pelo inquérito aberto da Depol para investigar os fatos, já encaminhou ao IML uma solicitação de perícia na arma usada pelo PM. Segundo o delegado, um ofício será encaminhado ao comando da Polícia Militar em Parauapebas para que este apresente o cabo na 20ª Seccional de Polícia Civil.

Tucuruí

Caso Jones William: Em Tucuruí, vereador Weber Galvão vai pedir a cassação de Artur Brito (prefeito), e do vereador Lucas Brito

A mãe do atual prefeito foi presa por envolvimento na morte de Jones William no início da semana.

Em desabafo publicado em sua página pessoal no Facebook, cuja a capa é uma foto de Jones William com os dizeres “Eu quero Justiça”, o vereador Weber Galvão (PMDB), irmão do prefeito assassinado de Tucuruí disse que vai entrar com um processo de cassação dos mandados do prefeito Artur Brito (PV) e do vereador  Lucas Brito (PV), já que, a atitude da mãe dos políticos, Josy Brito, foi o que favoreceu a ascensão de Artur ao cargo. Para o vereador Weber Galvão, Artur Brito deveria renunciar imediatamente ao cargo, herdado às custas da morte do irmão por atitudes da mãe. Confira a nota:

Curionópolis

Homens sequestram e matam fazendeiro em Vicinal próxima à Serra Pelada

Família foi ameaçada e algemada pelos bandidos que buscavam dinheiro escondido

A Policia Civil de Curionópolis procura por três homens acusados de matar Gastão Ribeiro de Souza, de 74 anos, depois de invadirem a casa da família em busca de dinheiro escondido em Serra Grande, vicinal localizada a uns 20 quilômetros do Distrito de Serra Pelada.

O filho de gastão, Galmone Oliveira de Souza filho conversou com o Blog e contou como a sexta-feira (27) foi uma noite de terror: “os três homens estava encapuzados e chegaram na noite de sexta-feira, por volta das 21h30, dizendo que eram policiais. Eles invadiram a casa e começaram a busca por dinheiro e arma. Estávamos todos em casa: eu, mãe, pai e o trabalhador que vive conosco. Os marginais queriam o dinheiro. Ameaçavam matar meu pai se não mostrássemos  o dinheiro,  e ele (pai) dizendo a todo momento que não tinha nenhum dinheiro em casa. Então eles começaram a arrebentar guarda-roupa e arrombaram as portas das dispensas procurando por arma também. Eles algemaram a mim e ao trabalhador e nesse momento minha mãe conseguiu fugir para a casa do meu primo. Em seguida os bandidos levaram meu pai para o quarto, o algemaram e depois saíram de carro. Sequestraram meu pai!”.

Quando perceberam o silêncio, Galmone e o funcionário conseguiram sair a pé para pedir ajuda e procurar o pai. “Passamos a noite procurando meu pai no mato, nas redondezas, mas não achamos. Pela manhã, uma moça chegou informando que meu pai estava caído numa vicinal, uns cinco quilômetros de distância da nossa casa. Quando cheguei lá encontrei meu pai morto com quatro tiros”, relatou.

O corpo foi encaminhado para o IML de Parauapebas. Velório e enterro estão previstos para acontecer ainda hoje (29), em Serra Grande.

O filho confirmou que tinha mesmo dinheiro em casa, mas que não sabia informar a quantia que o pai guardava e não desconfiava de ninguém que frequentava a casa.

Violência

Polícia Civil vai interrogar preso acusado de matar o cabo PM Santarém em Parauapebas

O delegado Guilherme Macedo, da Divisão de Homicídios de Belém, responsável pelo inquérito, irá interrogar o suspeito.

A Polícia Civil do Pará vai interrogar, nesta semana, o preso Eduardo Araújo Barbosa, 20 anos, acusado de envolvimento no assassinato do cabo PM Raimundo Nonato Oliveira de Souza, que era conhecido como Santarém, e que foi morto após ser torturado em casa, em Parauapebas, no dia 11 de setembro passado.

Ele foi preso na madrugada de sexta-feira por policiais militares, após recebimento de informação sobre o endereço onde o acusado estava escondido no município. O preso tem mandado de prisão temporária requisitada pelo delegado Guilherme Macedo, da Divisão de Homicídios de Belém, responsável pelo inquérito.

Após passar por exame de corpo de delito, o preso foi recolhido na Unidade de Superintendência do Sistema Penitenciário em Parauapebas. O delegado vai seguir de Belém até Parauapebas para interrogar o preso dentro do inquérito do caso.

Violência

Homem é morto durante o roubo de moto em Parauapebas.

Diones Silva foi levado, por uma ambulância, até o Hospital Municipal de Parauapebas, mas quando deu entrada na unidade, já estava morto.

A polícia ainda está atrás dos quatro homens que teriam agredido José Diones da Silva Linhares, de 31 anos, no dia 24, por volta das 19hs, na estrada de acesso ao Cedere I, na zona rural de Parauapebas.

Em depoimento, a mulher de José Diones, Marcia Santana Silva contou que o companheiro conduzia uma motocicleta biz, preta e que ela e outros parentes, iam num carro, logo atrás, para Parauapebas. Segundo Marcia, quatro homens apareceram em duas motocicletas e se aproximaram de Diones, mas por causa da poeira que se formou, ela perdeu a visibilidade e não enxergou
mais o companheiro. Minutos depois, ela encontrou José Diones, no meio da estrada de chão, desacordado e com o ferimento na cabeça, sangrando muito. A motocicleta havia sido levada pelos bandidos.

Diones foi levado, por uma ambulância, até o Hospital Municipal de Parauapebas, mas quando deu entrada na unidade, já estava morto.

A polícia militar tem intensificado a blitz no centro e nos bairros mais afastados de Parauapebas para tentar apreender as motos roubadas e coibir a ação de bandidos na região.

Polícia

Parauapebas: Polícia Militar apresenta primeiro envolvido na morte do Cabo PM Santarém

Foi apresentado nesta sexta-feira (13), pela Polícia Militar do Pará, na 20ª Seccional de Polícia Civil de Parauapebas o nacional Eduardo Araújo Barbosa, de 20 anos. Ele é um dos suspeitos da morte do Cabo PM Santarém, ocorrido em Parauapebas no dia 11 de setembro passado.

Barbosa, a princípio, quando de sua prisão, não fez nenhuma declaração na Seccional, resguardando seu direito previsto em Lei.

A delegada Yanna Kaline Wanderley de Azevedo, diretora da 20ª Seccional de Polícia Civil de Parauapebas, não pormenorizou sobre a prisão de Barbosa, adiantando apenas que ele foi preso em Parauapebas, pela PM, e que novas diligências estão sendo feitas no sentido de prender todos os envolvidos na morte do militar e colocá-los à disposição da justiça.

Cabo Santarém
Ministério Público

MPE denuncia Guarda Municipal de Parauapebas. Ele é acusado de ser um dos executores de um funcionário público no HGP

O agente da Guarda Municipal de Parauapebas, Lionício de Jesus Sousa, de 40 anos, mais conhecido como “Lion”, e Francisco Ubiratan Silva da Silva, de 32 anos, o “Bira”, foram denunciados à Justiça, pela 2º Vara Criminal do Ministério Público Estadual, pelo assassinato do motorista da Prefeitura de Parauapebas, Waldomiro Costa Pereira. Os dois são acusados de fazer parte do grupo que invadiu o Hospital Geral de Parauapebas, em maio desse ano, para executar Waldomiro que estava internado depois de sofrer uma tentativa de assassinato.

Segundo as investigações realizadas pela Divisão de Homicídio das Policiais Civis de Parauapebas e de Belém, a motivação do crime teria sido uma retaliação à um atentado contra um vaqueiro, ocorrido na Fazenda Serra Norte, no município de Eldorado dos Carajás, durante uma ação que foi atribuída ao Movimento dos Sem Terra (MST), do qual Waldomiro fazia parte.

A primeira tentativa de matar Waldomiro foi no dia 18 de março, na chácara dele, no Assentamento 17 de abril do MST, em Parauapebas, onde ele estava com a família. Segundo a polícia, dois homens encapuzados e armados chegaram num carro e mandaram as crianças e as mulheres saírem do local. Depois obrigaram Waldomiro e o cunhado dele, Ilcione Torres de Lima, a deitarem no chão e começaram a atirar. Waldomiro levou um tiro na cabeça e o cunhado dele foi atingido no braço. Os dois homens ainda atiraram nos pneus do carro de Waldomiro para tentar impedir o socorro, e depois fugiram. Mas os parentes conseguiram levar as vítimas até o Hospital Municipal de Eldorado dos Carajás. Waldomiro foi transferido para a UTI do Hospital Geral de Parauapebas, por causa da gravidade do ferimento.

No dia 20 de março, por volta das 2h40 da madrugada, 5 homens encapuzados invadiram o HGP, fazendo dois vigias de escudo humano e seguiram até a UTI, onde executaram à tiros Waldomiro, que morreu na hora.

De acordo com o MPE, a polícia descobriu, através das imagens do circuito de segurança do hospital, que Lion, e outros quatro agentes da guarda municipal, teve acesso à UTI no dia anterior à morte de Waldomiro, onde ficou por menos de 5 minutos e depois foi embora. As investigações também apontaram que Francisco Ubiratan, o Bira, era um dos homens que tentaram matar Waldomiro na chácara. Bira já era conhecido no município de Curionópolis, onde morava, por praticar crimes de pistolagem e tráfico de drogas. Com depoimento de testemunhas e provas materiais, o promotor criminal, Adonis Tenório Cavalcante, conseguiu na Justiça o cumprimento de Mandados de Busca e Apreensão na casa dos dois acusados, onde foram encontradas as armas de fogo e munição de diversos calibres.

Durante as investigações, a justiça também autorizou a intercepção telefônica, quebra do sigilo telefônico e a prisão temporária de Lion e Bira. Durante a operação HGP, da polícia civil, também foi cumprido um Mandado de Busca e Apreensão na casa de um sargento da polícia militar. O nome dele não foi divulgado. O delegado, Dauriedson Bentes, informou que continuam as investigações sobre o mandante do crime e de outras pessoas suspeitas de participarem do assassinato de Waldomiro.

Lion está preso no Centro de Recuperação Especial Cel. Anastácio das Neves, em Belém; Bira na Cadeia de Marabá. O juiz titular da 2ª Vara Criminal da Comarca de Parauapebas, Dr. Ramiro Almeida Gomes recebeu a denúncia e determinou a citação dos acusados para responderem as acusações.

Justiça

Presidente da OAB-PA chega a São Félix do Xingu para acompanhar audiência de custódia de suposto assassino da advogada

Alberto Campos disse que é preciso que Kenny Neves seja mantido na cadeia e que se faça justiça

Por Eleutério Gomes – de Marabá

O presidente da OAB/PA (Ordem dos Advogados do Brasil – Seção Pará), Alberto Campos, está se deslocando neste momento para São Félix do Xingu. Ele vai participar, amanhã, terça-feira (26), pela manhã, da audiência de custódia do indivíduo Kenny Müller Barbosa Neves, que na manhã de hoje confessou com detalhes o assassinato da advogada Dilamar Martins da Silva, na última quarta-feira (20).

O corpo da advogada, que morava sozinha em uma fazenda de sua propriedade distante 60 km da sede do município foi encontrado carbonizado dentro de um pneu, na manhã de ontem, domingo (24). Após investigações, policiais civis da Superintendência Regional do Alto Xingu prenderam Kenny na manhã desta segunda-feira, quando ele se preparava para fugir pelo rio.

Em seu depoimento, ele contou que havia sido contratado pela advogada havia 45 dias, pelo valor de R$ 50,00 a diária, mas que Dilamar estava se recusando a fazer o pagamento e que ele estava percebendo que ela colocava veneno na comida dele. Disse que, por esse motivo, resolveu matá-la, primeiramente com um golpe de facão, mas, ela conseguiu correr, porém caiu mais adiante. Foi quando Kenny, segundo as próprias palavras, resolve dar o golpe de misericórdia armado com uma enxada. Depois, ainda segundo ele, arrastou o corpo 100 metros dentro da mata e o queimou usando um pneu como combustível.

Os policiais que interrogaram o rapaz disseram que ele apresentava sinais visíveis de transtorno mental quando do interrogatório.

Que se faça justiça

Ainda no Aeroporto de Parauapebas, onde foi recebido pelos presidentes das Subseções da Ordem em Tucumã e Parauapebas, Drs. Weder Coutinho Ferreira e Deivid Benasor da Silva Barbosa, respectivamente, Alberto Campos disse ao Blog que está indo a São Félix acompanhar a audiência de custódia que deve acontecer amanhã, pela manhã, para tentar manter o acusado na prisão.

“Depois, vamos nos se inteirar mais do caso. Pois, embora a versão que ele apresentou não tenha relação com a advocacia, a OAB tem de estar vigilante para que seus associados tenham a devida cobertura da Ordem. Temos de providenciar para que a justiça seja feita, observando o devido processo legal, para que nós possamos prestar contas aos familiares”, encerrou.

error: Conteúdo protegido contra cópia!