Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Agropecuária

Assentados do INCRA em Marabá recebem capacitação sobre inseminação artificial em bovinos

Todas as técnicas são repassadas de forma didática aos assentados para que possam, eles mesmos, realizar todo o procedimento de maneira independente.

A prática da inseminação artificial de bovinos é realidade para assentados da reforma agrária de Marabá (PA). O contrato de assistência técnica firmado entre o Incra e a empresa Agroatins Carajás contempla 132 famílias com material e assessoria técnica em inseminação artificial em vacas das famílias dos assentamentos Carajás Tamboril, Bom Jardim da Voltinha e Murajuba.

Serão no total 1320 animais inseminados no final do contrato. A medida promoverá de imediato uma substancial melhora dos bovinos na região, pois cada um dos 132 beneficiários pode inseminar 10 vacas com a tecnologia de Inseminação Artificial por Tempo Fixo (IATF).

Além do melhoramento imediato, a assistência técnica vai gerar conhecimento e aperfeiçoamento a médio e longo prazo uma vez que a técnica será repassada para cada assentado atendido pelo contrato realizado com recursos do Incra.

Etapas

O primeiro passo é um diagnóstico feito pelos técnicos que selecionam as matrizes com as melhores condições para o procedimento. Em seguida, é feita a aplicação de implantes nas vacas, para que entrem no estado favorável à fecundação e gestação.

Depois de alguns dias os técnicos retornam para efetuar a inseminação e então inicia-se o processo de acompanhamento, que dura toda a gestação, até o nascimento dos bezerros.

Todas as técnicas são repassadas de forma didática aos assentados para que possam, eles mesmos, realizar todo o procedimento de maneira independente.

Aprimoramento

Na última terça-feira (16), os técnicos visitaram o senhor José da Cruz Brito, beneficiário do assentamento Carajás Tamboril. Ele já realizava inseminação antes da assessoria técnica, mas não obteve os resultados esperados.

“Comecei até bem, mas depois, nem todas as vacas estavam sendo fecundadas e acabei desperdiçando materiais. Mas agora eu pude aprimorar minha prática e vou voltar a inseminar.” analisa Brito, que é produtor leiteiro na região da estrada do Rio Preto.

De acordo com o técnico em agropecuária da prestadora, David de Oliveira, a inseminação artificial aprimora a produção de leite, uma vez que as vacas recebem sêmen de animais com genética reconhecida e boa produtividade leiteira.

“Há vacas que produzem 15 litros de leite por dia e, com o tempo, ocorre um melhoramento pois as crias, que também serão inseminadas, vão ficar melhores”, afirma o técnico.

Todos os materiais e insumos são fornecidos gratuitamente pelo Incra e Agroatins, por meio do contrato de Assistência Técnica Social e Ambiental (Ates), que opera nos assentamentos oriundos da reforma agrária.

Incra

Incra pede informações à Polícia Civil do Pará sobre mortes em Zona Rural

Parte da Fazenda onde aconteceu o crime foi destinada ao Programa Nacional de Reforma Agrária

Ouvidoria Agrária do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), no sul do Pará, solicitou informações à Polícia Civil do estado sobre as mortes ocorridas nesta semana, na zona rural de Santa Maria das Barreiras.

Os corpos de quatro homens foram encontrados carbonizados dentro de uma camionete. O Incra quer saber se as mortes têm ligação com conflito agrário e a localização correta de onde foram cometidos os crimes.

Por meio de nota, o instituto explicou que uma parte da Fazenda Cristalino, onde ocorreram as mortes, foi destinada regularmente ao Programa Nacional de Reforma Agrária para criação de 11 assentamentos, com 1.321 famílias assentadas. Mas existe uma área ocupada da fazenda, de aproximadamente 20 mil hectares, que não foi destinada a projetos de reforma agrária e não pode ser desapropriada. Essa área é reivindicada por movimentos sociais e sindicais do campo para assentamento de trabalhadores rurais sem-terra da região.

Canaã dos Carajás

Depois de ter a prefeitura invadida, Jeová recebe membros do MST e ouve reivindicações

No início da semana membros do MST invadiram a sede da prefeitura do município com o objetivo de falar com o prefeito, mas não foram recebidos.

O prefeito de Canaã dos Carajás, Jeová Andrade, recebeu no início da tarde desta quarta-feira (22) representantes de trabalhadores rurais do Movimento Sem Terra (MST) que estão em ocupações na zona rural do município. A reunião foi agendada na última segunda-feira, quando os trabalhadores estiveram na sede da administração, reivindicando uma audiência para apresentarem suas demandas.

Também estiveram presentes o vice-prefeito, Alexandre Pereira, secretários de Governo, Roberto Andrade, e de Desenvolvimento Econômico, Jurandir José dos Santos, chefe de Gabinete, Edilson Valadares, diretor do Instituto de Desenvolvimento Urbano (IDURB), Alison Milhomen, procurador do município, Hugo Leonardo, além dos vereadores Wilson Leite e Maria Pereira.

Os representantes dos trabalhadores apresentaram três principais reivindicações:

1) pedido para que a prefeitura suspenda a negociação de áreas que serão doadas pela Vale para empreendimentos do município até que o INCRA [Instituto de Colonização e Reforma Agrária] faça o levantamento da situação dessas áreas;

2) que o prefeito solicite da Vale uma relação das áreas adquiridas no município; 3) que a prefeitura convoque Vale e INCRA para uma audiência com a presença dos trabalhadores rurais.

Em relação ao primeiro ponto, o prefeito Jeová Andrade esclareceu que tem interesse em regularizar a situação para que os assentados ou em áreas de ocupação possam produzir, mas destacou que a Vale precisa cumprir condicionantes ambientais dos projetos no município e não cabe à prefeitura discutir como essas terras foram adquiridas.

“Se as áreas de compensação não forem asseguradas, o município corre o risco de perder os projetos de mineração, cujas licenças foram concedidas com essas condições”, disse. O prefeito informou ainda que está em discussão com a Vale para doação de uma área para a implantação do Distrito Industrial e Polo Universitário de Canaã, mas que essas áreas não tem relação com as ocupadas e que o município não está discutindo doação de áreas de conflito para esses empreendimentos.

Em relação à segunda solicitação dos produtores, Jeová se comprometeu a avaliar se há respaldo jurídico para realizar tal solicitação. Por fim, ele definiu como uma necessidade importante o agendamento de uma audiência em que estejam presentes todos os entes interessados no assunto. O prefeito se comprometeu a entrar em contato com a Vale, INCRA e Terra Legal para “agendar uma mesa redonda e abrir espaço para todos”.

O prefeito também foi questionado sobre a possibilidade de se criar mais um espaço para a comercialização de produtos oriundos da zona rural do município. Ele informou que a Feira do Produtor, recém-inaugurada, atende principalmente os feirantes antigos, que já atuavam no centro da cidade. “Quero muito que, em breve, seja necessário construir uma nova feira ou espaço para comercialização, desde que a produção no município cresça”, disse. Jeová também ressaltou que o formato da Feira do Produtor “está em discussão permanente”.

Fonte: Ascom PMCC