Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Pará

Belém ganha novos voos a partir do mês de julho

O governo do Estado, através da Setur, também busca uma outra meta: tornar Belém o hub aéreo da região Norte do país para uma importante companhia.
Continua depois da publicidade

A companhia colombiana Avianca é a mais nova empresa aérea a disponibilizar voos diretos do Aeroporto Internacional de Belém para Brasília e também para Guarulhos (SP), com início marcado para 21 junho de 2018. O início dos voos nacionais da companhia abre caminho para um futuro voo internacional Belém-Bogotá (Colômbia).

Por trás das novas rotas ofertadas aos paraenses está à política do Governo do Estado em desonerar o Imposto sobre Operações relativas à Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação (ICMS) sobre o combustível de aviação – atualmente o tributo cobrado é de apenas 3% quando as aeronaves abastecem em solo paraense. Com isso, foi possível ao planejamento da Secretaria Estadual de Turismo (Setur) abrir caminhos para negociar junto às companhias aéreas, a oferta de novas rotas saindo de Belém. O resultado é uma ampliação gradativa da malha aérea nacional e internacional do Estado.

Além disso, o governo também busca uma outra meta: tornar Belém o hub aéreo da região Norte do país para uma importante companhia. Um Hub é o centro de logística de uma empresa aérea. É uma engenharia complexa que pode determinar o sucesso ou fracasso de uma companhia, englobando abastecimento de aeronaves, armazenamento e transporte de cargas, conexões de passageiros e distribuição de voos, a fim de reduzir custos operacionais e proporcionar ganhos de escala ao negócio da aviação.

A Setur trabalha com a classe empresarial e aos gestores públicos, investe em qualificação e capacitação profissional do setor, amplia as vias de acessibilidade em seus diferentes níveis de mercado e modais de transporte, cria e implementa rotas turísticas, formatação e consolida produtos com o objetivo maior de incremento do fluxo e da receita proveniente do turismo como fator de desenvolvimento econômico e social. O mercado turístico e toda a cadeia produtiva ligada a ele ganham novas oportunidades de negócios com os assentos e os porões das aeronaves.

Um exemplo disso são as rotas internacionais já operados a partir de Belém, como: Belém-Lisboa (Portugal), realizado pela TAP; Belém-Miami (EUA), feito pela Latam; Belém-Caiena (Guiana Francesa) e Belém-Fort Lauderdale (EUA), operados pela Azul; Belém-Paramaribo (Suriname), já realizado pela GOL; e ainda voos Surinam Airways, que também faz rota para Caiena e Paramaribo. Desta forma, a malha aérea internacional ofertada ao paraense e aos mercados emissores de turistas com interesse de conhecer o estado abrange, através das conexões aéreas existentes com estas linhas, boa parte da América do Norte, Central, do Sul e Caribe, Europa e Ásia.

Para a Setur o objetivo maior é o incremento do fluxo e da receita proveniente do turismo como fator de desenvolvimento econômico e social que, beneficia, especialmente, a população do estado a partir da geração de trabalho e renda, além claro, do fomento do turismo como atividade econômica, cada vez mais promissora para o Estado.

Texto: Israel Pegado

Pará

Movimentação de cargas no aeroporto de Belém cresce 90% no 1º trimestre

Além do Pará, o terminal de cargas do Aeroporto de Belém atende empresas dos estados do Maranhão e do Amapá.
Continua depois da publicidade

O Terminal de Logística de Carga (Teca) do Aeroporto Internacional de Belém (PA) movimentou 430 toneladas de cargas no primeiro trimestre de 2018. Se comparado ao mesmo período do ano anterior, quando foram processadas 255 toneladas, o aumento foi de 90%.

O destaque foi para o segmento de importação, com foco em partes, peças e equipamentos para os setores de mineração, metalurgia e construção naval do estado do Pará. Esses produtos somaram 129 toneladas de todo o processamento do complexo logístico, provocando um crescimento de 166% em relação aos três primeiros meses de 2017.

Os resultados do segmento de exportação também foram positivos, com 300 toneladas de cargas enviadas para fora do país, apresentado um incremento de 80%, em relação ao mesmo período de 2017, que contabilizou 166 toneladas. Os principais produtos exportados pelo terminal de cargas de Belém são: bexiga de peixe, peixes ornamentais e polpa de frutas. Já os principais mercados são os Estados Unidos, China, Tailândia, Malásia e o Reino Unido.

O coordenador Negócios em Logística de Carga do Val-de-Cans, Emanoel Leite Junior, explica que “os resultados obtidos no primeiro trimestre superaram todas as expectativas previstas para o período, indicando a continuidade da tendência de crescimento na movimentação de cargas iniciada ao longo de 2017, principalmente com a conquista de novos clientes nos seguimentos de informática, tecnologia e construção naval”.

Além do Pará, o terminal de cargas do Aeroporto de Belém atende empresas dos estados do Maranhão (MA) e do Amapá (AP). Instalado numa área de aproximadamente 1 mil m², o complexo logístico é dotado de instalações administrativas e para a armazenagem das cargas (importação e exportação). A capacidade de armazenamento do local para cargas comuns é de até 100 toneladas, envolvendo mercadorias soltas e de diversos tipos. No caso de cargas refrigeradas (entre 3 e 8ºC) –  há espaço de até 35 m³ – que podem ser armazenadas em três câmaras frigoríficas.

Pará

VIOLÊNCIA RMB: Promotor Militar dá 72 horas para Comando da PM prestar informações

Em documento exclusivo a que o Blog teve acesso, juízes da Vara de Execução Penal e Corregedoria escancaram problemas graves nas 23 unidades prisionais do Estado e clamam por providências
Continua depois da publicidade

O 2º promotor de Justiça Militar Armando Brasil Teixeira enviou hoje, quinta-feira, 12 de abril, ofício ao comandante geral da Polícia Militar do Pará, coronel Hilton Celso Benigno de Souza, um ofício em que dá prazo de 72 horas para que lhe sejam repassados quatro esclarecimentos em função do recrudescimento da violência que tomou conta da Região Metropolitana de Belém (RMB) nos últimos dias.

O promotor Armando Brasil quer saber quais as providências estão sendo adotadas pelo Comando da Polícia Militar no sentido de salvaguardar a integridade física dos policiais militares fora de serviço e também de seus familiares.

Outro questionamento do representante do MP Militar é se há necessidade de manutenção de policiamento em trailer e que esclareça a sua efetividade. Ele também questionou quantas munições e carregadores de pistola são pagas aos policiais militares que integram o efetivo de área.

E, por fim, indagou ao coronel Hilton Benigno qual a cota de combustível paga as viaturas empregadas em serviço da PM, bem como se a respectiva cota é suficiente para o cumprimento da missão constitucional da Polícia Militar.

Caos previamente anunciado

No dia 21 de março último, os juízes Luíza Padoan, corregedora dos presídios e auxiliar da Vara de Execuções Penais da Região Metropolitana de Belém, e ainda o juiz Gabriel Pinós Sturtz, também da Vara de Execuções Penas da RMB, enviaram um denso relatório ao desembargador José Maria Teixeira do Rosário, corregedor da RMB do Tribunal de Justiça do Estado, em que alertaram sobre as péssimas condições das 23 casas penais e do núcleo de monitoramento eletrônico da RMB.

O Blog do Zé Dudu teve acesso ao documento com exclusividade. De modo geral, os magistrados advertiram sobre a estrutura física limitada, precária e insalubre; superlotação; ausência de policiamento armado suficiente; entrada constante de aparelhos celulares e drogas nos estabelecimentos penais; presença de instrumentos capazes de ofender a integridade (estoques); manutenção de fogões elétricos dentro de algumas celas; visitação das famílias dos presos dentro dos próprios blocos carcerários; realização de visita íntima dentro das próprias celas; ausência de aparelhos bloqueadores de celulares na maioria dos estabelecimentos; ausência de salas de aula e de turmas de estudo suficientes; ausência de oficinas de trabalho e de vagas de trabalho suficientes; agentes penitenciários temporários (não concursados) e em quantidade reduzida; insuficiência de assistência jurídica prestada aos apenados; insuficiência de escolta armada e viaturas para a condução de presos para audiências e consultas médicas; e deficiência da segurança externa prestada nas muralhas das casas penais pela Polícia Militar; excessos de presos provisórios cujos processos ainda tramitam no interior.

Em relação à Colônia Penal Agrícola de Santa Izabel, os magistrados relataram que detém estrutura e sistema de segurança completamente inoperantes. Inclusive, os apenados usaram celulares e drogas durante a visita dos referidos juízes. Além disso, o juiz pode presenciar conversa entre agentes sobre situação de risco na inspeção, já que teriam informações sobre a entrada de armas de fogo no final de semana. “É de se frisar que se trata de uma unidade extremamente preocupante, com número mensal de aproximadamente 150 fugas”, alertaram pelo documento.

No ofício endereçado ao desembargador, os juízes observaram ainda que é importante ressaltar que as tentativas de fuga do regime fechado do Complexo de Americano têm se tornado prática frequente, especialmente nas unidades CRPP e CRPP III, em muito justificadas pela nítida ausência de policiamento armado no Complexo. “Esta situação já vem sendo informada por essa Corregedoria há meses, inexistindo tomada de providências efetivas”, disseram os juízes em documento que o blog teve acesso.

O mesmo ofício também foi encaminhado pelos juízes – antes da matança de 21 presos esta semana – à presidência do TJPA, Ministério Público, Defensoria Pública, Superintendência da Susipe, Secretaria de Segurança Pública e ao Comando da Polícia Militar do Estado do Pará para conhecimento e adoção das medidas cabíveis com vistas a sanar as irregularidades apontadas em relação a cada uma das casas penais.

Pará

TRE amplia atendimento para os três últimos dias de Recadastramento Biométrico

Prazo acaba na sexta-feira (23) e ainda faltam mais de 240 mil eleitores de Belém atualizarem os dados junto a Justiça Eleitoral
Continua depois da publicidade

O Tribunal Eleitoral do Pará fechou o planejamento para os três últimos dias de atendimento aos eleitores que ainda precisam realizar a biometria na capital paraense. A partir de agora todos os postos de demanda espontânea (CAE, CDP e UFPA) terão sua capacidade de atendimento expandida em 20%.

No Galpão 10 da Companhia Docas do Pará (CDP), o Posto operava com 50 guichês, com uma capacidade de atender 2 mil eleitores por dia. Com mais 10 guichês será possível ampliar o atendimento para 3.500 eleitores.

A mesma expansão será praticada na Central de Atendimento ao Eleitor, na Pedreira, que antes contava com 56 guichês e agora terá 60, ampliando para uma capacidade 2.500 atendimentos por dia.

O eleitor tem ainda disponível o posto da UFPA, no Bloco M, que atende por ordem de chegada cerca de 1 mil eleitores por dia.

O prazo para o Recadastramento Biométrico, em Belém, acaba nesta sexta-feira (23), mas ainda faltam mais de 240 mil eleitores da capital compareceram aos postos de atendimento.

Este ano, o Recadastramento biométrico é obrigatório na capital e em mais 30 municípios do estado. O não comparecimento causará o cancelamento do título eleitoral, consequentemente, transtornos para quem recebe benefícios sociais como Bolsa Família e aposentadoria. O prazo final para o serviço é março de 2018.

Biometria por Bairro

De acordo com os dados do TRE do Pará, os eleitores dos bairros da Pedreira, Marco, Guamá, Jurunas e Marambaia são os que apresentam os maiores índices de ausência.

Faltam revisar:

– Pedreira – 25311

– Marco – 24650

– Guamá – 23817

– Jurunas – 20776

– Marambaia – 18716

Biometria

A Biometria é um dos métodos mais seguros de identificação do indivíduo, pois cada pessoa possui características únicas nas pontas dos dedos, na digital. A modernização do sistema de votação garante uma eleição mais justa e diminuir a probabilidade de fraudes.

São coletadas do Eleitor: 

– Assinatura

– Foto

– As impressões digitais dos dez dedos

É necessário levar os seguintes documentos:

– Carteira de Identificação oficial com foto: RG, Carteira de Trabalho ou Passaporte

– Comprovante de residência atualizado

– Para alistamento, 1º via, é necessário apresentar o documento de reservista (para homens)

– Se tiver mudado de estado civil, é necessário levar a Certidão de casamento.

AS informações são da Assessoria de Comunicação do Tribunal Regional Eleitoral do Pará.

Pará

Departamento de Trânsito do Pará leiloa 765 veículos em Belém e Parauapebas em março

Os leilões ocorrem nos próximos dias 13 e 14, em Belém, e 21 e 22, em Parauapebas, no sudeste do Pará.
Continua depois da publicidade

O Departamento de Trânsito do Estado (Detran) leiloa este mês 765 veículos, entre carros e motocicletas, removidos ao parque de retenção durante ações de fiscalização. Os leilões ocorrem nos próximos dias 13 e 14, em Belém, e 21 e 22, em Parauapebas, no sudeste do Pará. A organizadora é a VIP Leilões.

Em Belém, os interessados podem examinar os itens oferecidos a partir desta terça-feira (6) até o dia 12, no horário das 9h às 17h, no pátio da VIP Leilões (Rodovia Alça Viária, km 1, nº 888, bairro São João). Em Parauapebas, as visitas serão nos dias 15,16,19 e 20, também no pátio da empresa organizadora, que fica na Rodovia Faruk Salmen, km 4, bairro Zona Rural.

É possível participar do leilão on-line, com login e senha obtidos em cadastramento prévio no site da empresa. Quem preferir a modalidade presencial deverá apresentar documento de identidade oficial com foto. Os donos dos veículos apreendidos foram notificados sobre a situação dos bens e os procedimentos para recuperá-los antes do leilão.

Não podem participar do leilão os membros da comissão responsável, servidores do Detran e quem receba qualquer tipo de numerário da instituição, incluindo terceirizados e temporários, além de pessoas físicas e jurídicas declaradas inidôneas ou punidas com a suspensão temporária de participação em licitação e impedimento de contratar com órgão ou entidade integrante da administração direta ou indireta, das esferas federal, estadual, municipal e distrital. Não podem participar ainda os atuais donos dos veículos que serão leiloados, menores de 18 anos e pessoas não emancipadas.

Os lotes classificados como sucatas aproveitáveis não poderão mais circular e serão arrematados apenas por empresas do ramo do comércio de peças usadas, devidamente regulamentadas. Nesse caso, é necessária a comprovação no ato do credenciamento perante o leiloeiro.

A relação dos veículos retidos pelo Detran pode ser consultada aqui e no Diário Oficial do Estado. O edital já está disponível na página inicial do site do Detran, no qual os interessados podem consultar datas, locais, horários e documentos necessários para participar e ainda obter informações sobre as condições dos veículos.

Por Aldirene Gama – Agência Pará
Polícia

Mais uma execução nas ruas da capital do Pará

Homem foi morto no início da noite na esquina das ruas Tamoios e Apinagés
Continua depois da publicidade

Ocorreu, no início da noite desta sexta-feira (2), em Belém, a execução de Mauro Raimundo Barros de Souza, de 52 anos, natural de Monte Alegre. Testemunhas contam que dois homens em uma motocicleta se aproximaram dele, cometeram o assassinato e fugiram. Segundo informações levantadas no local, a vítima era funcionário de um escritório de advocacia.

O crime aconteceu na esquina das ruas Tamoios e Apinagés, no bairro Batista Campos, próximo à TV Record. A Polícia Militar foi chamada imediatamente, mas os atiradores já tinham desaparecido.

Em 2013, Mauro Raimundo havia sido preso pela Divisão de Investigações e Operações Especiais da Polícia Civil (Dioe), por falsidade ideológica. No momento da morte, ele cumpria sentença de três anos e três meses de reclusão em regime inicial aberto pelo crime.

Em nota encaminhada ao Blog, a Secretaria de Segurança Pública do Estado do Pará (SEGUP) disse que:

“A Divisão de Homicídios está com uma equipe policial, neste momento, apurando os fatos sobre um homicídio ocorrido na Rua dos Apinagés, com Rua dos Tamoios, em Batista Campos. Informações apuradas no local dão conta de que a vítima se chama Mauro Raimundo Barros de Souza e era funcionário de um escritório de advocacia. Em 2013, ele foi preso por policiais civis da Divisão de Investigações e Operações Especiais (Dioe), da Polícia Civil, por falsidade ideológica. Ele foi acusado de se passar por advogado para aplicar golpes na Região Metropolitana de Belém. O acusado, na época, dizia às vítimas que daria agilidade no andamento de processos para aquisição de benefícios em geral. Ele exigia das vítimas documentos e pagamentos adiantados para agilizar a resolução dos casos e depois desaparecia. Atualmente, ele estava na condição de condenado pela Justiça à pena de três anos e três meses de reclusão em regime inicial aberto”.

Com informações da Secretaria de Estado da Segurança Pública e da Defesa Social – SEGUP

Este slideshow necessita de JavaScript.

Polícia

Rio das Cobras: Vereador de Moju e agente prisional presos em operação realizada em quatro municípios paraenses

Assim com outros 29 capturados, eles são acusados de roubo, tráfico de entorpecentes e homicídios em Moju e Abaetetuba
Continua depois da publicidade

O vereador Walber Pacheco da Silva (Solidariedade), 33 anos, o “Dadá”, da Câmara Municipal de Moju, e o agente prisional Benedito Carlos Nunes Monteiro, foram dois dos 31 presos em ação coordenada pelo delegado-geral de Polícia Civil do Pará, Rilmar Firmino de Sousa, durante a Operação Rio das Cobras, desencadeada na manhã desta quarta-feira (28).

Ao todo foram cumpridos 30 Mandados de Prisão Preventiva e um de Prisão Temporária na ação que, além de Moju, se estendeu também a Abaetetuba, Santa Izabel do Pará e Belém. Outros 35 Mandados de Busca e Apreensão também tiveram cumprimento.

Os presos respondem por tráfico de entorpecentes, homicídio e roubo. A operação consumiu quatro meses de investigações e empregou 200 policiais civis e militares – distribuídos em 45 equipes – e 50 viaturas. “Tivemos a prisão de um vereador e de um agente prisional, que facilitava a saída de detentos para cometer roubos em Moju e Abaetetuba. Isso foi detectado na investigação”, disse Firmino em vídeo divulgado pela Assessoria de Comunicação da Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social.

Os presos seguem prestando depoimento e, em seguida, irão a exame de corpo de delito para, em seguida serem entregues ao Sistema Penal. “Encontramos uma pistola ponto 40 com um dos traficantes e, com esse reforço, com essa operação limpeza, tenho certeza de que a partir de agora vamos diminuir bastante os índices de violência e criminalidade na região”, afirma o delegado-geral.  (Com informações da Ascom/ Segup)

Saúde

Pará: Sespa divulga informe sobre dengue, zika e chikungunya em 2018. Não houve registro de mortes no ano

Até o dia 30 de janeiro deste ano foram contabilizados 28 casos de dengue, 24 de febre chikungunya e nenhum de zika.
Continua depois da publicidade

A Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa) divulgou nesta segunda-feira (19) o primeiro Informe Epidemiológico de 2018 sobre os casos registrados no Pará de dengue, zika e febre chikungunya, doenças transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti. Até o dia 30 de janeiro deste ano foram contabilizados 28 casos de dengue, 24 de febre chikungunya e nenhum de zika.

As maiores ocorrências de dengue são nos municípios de Marapanim (8), Abaetetuba (5), Marabá (3), Alenquer (2), Ananindeua (2), Palestina do Pará (2), Barcarena (1), Belém (1), Capitão Poço (1) e Marituba (1). Os municípios com maior número de casos de chikungunya são Ananindeua, Belém, Benevides, Barcarena, Jacundá e Novo Repartimento.

Em 2017, até 30 de dezembro, foram registrados 4.738 casos de dengue, 332 de zika e 6.734 de febre chikungunya. Em 2016, no mesmo período, foram confirmados 6.711 casos de dengue, 1.418 de febre chikungunya e 3.052 de zika vírus.

Informação – No período de abrangência do Informe Epidemiológico não houve registro de mortes no Estado em função dessas doenças. A Sespa continua pedindo às secretarias municipais de Saúde que informem, no período de 24 horas, a ocorrência de casos graves e mortes que podem ter sido causadas pelas doenças transmitidas pelo Aedes aegypti.

Para confirmar a causa da morte é necessária a investigação epidemiológica, com aplicação do Protocolo de Investigação de Óbito do Ministério da Saúde, que prevê exames específicos em laboratórios credenciados, como o Laboratório Central (Lacen) e o Instituto Evandro Chagas (IEC), preconizados pelo Programa Nacional de Controle da Dengue. O procedimento garante o correto encerramento de casos graves e óbitos no Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan).

Monitoramento – As ações de combate à dengue competem aos municípios, que devem cumprir metas. Entre os procedimentos essenciais estão vistorias domiciliares por agentes de controle de endemias. Paralelamente, a Sespa faz o monitoramento dos 144 municípios, que receberam o incentivo do Ministério da Saúde para vigilância, prevenção e controle da dengue, e orienta as prefeituras sobre o uso correto de inseticidas (larvicidas e adulticidas).

A Secretaria de Saúde Pública também promove visitas técnicas aos municípios para assessoramento das ações do programa de combate à dengue, além de apoiar a capacitação para o atendimento de casos de febre chikungunya e zika.

Quando há necessidade, a Sespa faz o controle vetorial, como bloqueio de transmissão viral nas localidades, e articula ações com órgãos municipais de saneamento e limpeza urbana, tendo em vista a melhoria da coleta e destinação adequada de resíduos sólidos. Também são realizadas ações educativas e de mobilização, para incentivar a participação da população no controle da dengue.

Sintomas – Os vírus da dengue, chikungunya e zika são transmitidos pelo mesmo vetor, o Aedes aegypti, e provocam sintomas parecidos, como febre e dores musculares. Mas as doenças têm gravidades diferentes. A dengue é a mais perigosa, devido aos quatro sorotipos diferentes do vírus, causando febre repentina, dores musculares, falta de ar e indisposição. A forma mais grave da doença é caracterizada por hemorragias e pode levar à morte.

A chikungunya caracteriza-se principalmente pelas intensas dores nas articulações. Os sintomas duram entre 10 e 15 dias, mas as dores podem permanecer por meses, e até anos. Complicações sérias e morte são muito raras. Já a zika apresenta sintomas que se manifestam, no máximo, por sete dias.

A população também deve continuar combatendo possíveis criadouros do mosquito. Se houver dificuldade, as pessoas devem acionar os programas municipais de controle da dengue mantidos pelas prefeituras. As equipes de profissionais capacitados visitam as casas para inspecionar possíveis criadouros do mosquito, com o objetivo de eliminar os focos e orientar os moradores sobre prevenção e controle do Aedes aegypti.