Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Habitação

Deputado Beto Salame cobra do Banco Brasil conclusão das obras do Residencial Magalhães

Uma equipe se engenheiros do Banco do Brasil estará em Marabá na sexta-feira (26) para fazer vistoria na obra

Uma equipe de engenheiros do Banco do Brasil deve fazer uma vistoria no Residencial Magalhães Barata, em Marabá, até a próxima sexta-feira (26). Foi o que garantiu o gerente executivo do BB, Lúcio Bertoni, responsável pela Diretoria de Financiamentos e Créditos Imobiliários, ao deputado federal Beto Salame (PP/PA), em reunião na sede da instituição, em Brasília (DF), na última semana.

Beto Salame foi pedir explicações porque a obra está parada há meses. Lúcio Bertoni explicou que a empreiteira HF Engenharia, responsável pela construção do residencial, enfrentou problemas financeiros por demora no repasse de verbas, ora por problemas burocráticos ora pela crise econômica nacional, provocando atrasos até de mais de 90 dias para receber valores pelas medições.

Ele garantiu, entretanto, que a equipe técnica formada por engenheiros do banco estará em Marabá para fazer uma vistoria na obra. E, de acordo com o que a equipe constatar, se o BB não chegar ao consenso com a HF o “banco pode a substituí-la”, garantiu Lúcio Bertoni, acrescentando que está sendo providenciado um “plano B”, em caso de quebra de contrato com a HF, se alguma empresa se habilitar para a continuação das obras no residencial.

O Banco do Brasil é responsável pelo financiamento de 1.500 casas no Residencial Magalhães, que está sendo construído no Bairro São Félix. O deputado federal lembrou que o residencial tinha previsão de entrega de um pouco mais de dois anos, mas já está com mais de 40 meses.

Beto Salame lembrou ao gerente executivo do BB que a Caixa Econômica Federal, responsável pela outra metade das 3 mil moradias com o financiamento dividido, já resolveu as pendências com a HF, retomando os serviços, restando agora o lado do Banco. “Espero que o Banco do Brasil apresente a solução imediata para retomada e conclusão do residencial tão aguardado pelas famílias cadastradas ansiosas em receber a moradia e sair do aluguel” frisou o deputado.

Itupiranga

Beto Salame também mostrou preocupação com o Residencial Cidade Nova, de Itupiranga, a 42 km de Marabá, que pelo Programa Minha Casa Minha Vida, financiado pelo Banco do Brasil, deve atender mais de 400 famílias do município, mas também está com o cronograma de obras atrasado. O diretor executivo do Banco garantiu que a situação da empresa HF, em Itupiranga, é a mesma relatada sobre o residencial Magalhães, em Marabá.

Política

Deputado Beto Salame reivindica agências da Caixa Econômica Federal para o sul do Pará

Presidente do banco estatal prometeu fazer estudos de viabilidade a fim de atender à demanda.

O deputado federal Beto Salame (PP/PA) tem como um das prioridades do seu mandato trazer para as regiões mais distantes do Estado os equipamentos públicos disponibilizados pelo Governo Federal, a fim de melhor atender essas populações. Diante disso, ele esteve em audiência nesta terça-feira (18) com a presidência da Caixa Econômica Federal (CEF), em Brasília (DF), quando solicitou a instalação de agências nas cidades de Santana do Araguaia, São Félix do Xingu e ainda para os bairros de Morada Nova e São Félix, em Marabá.

Beto argumentou que tanto Santana quanto São Félix são municípios em crescente desenvolvimento, onde o agronegócio, com pecuária forte e a produção de soja em alta, atraem investidores de outras regiões do País, precisam de agências da Caixa, uma vez que muitos desses empreendedores mantêm contas e fazem negócios com nesse banco estatal.

“O município de Santana do Araguaia, com mais de 68 mil habitantes, cresce como um dos maiores produtores de soja no Pará. E São Félix do Xingu, com mais 120 mil habitantes, tem uma pecuária forte, sendo considerado um dos maiores produtores de gado do país”, informou Beto Salame ao presidente da Caixa, Gilberto Magalhães Occhi, que prometeu autorizar a realização de estudos de viabilidade para a implantação de agências nessas duas importantes cidades do sul do Estado.

Marabá

Para Marabá, onde a Caixa já mantém três grandes agências e uma Superintendência Regional, Beto Salame solicitou a expansão dessa rede, com a instalação de mais uma agência para atender aos moradores e comerciantes dos bairros Morada Nova e São Félix, ambos com comércio muito forte. Gilberto Occhi determinou que uma equipe técnica faça o levantamento desses duas regiões visando atender à demanda solicitada pelo deputado marabaense.

MCMV

Também preocupado com as políticas habitacionais para a região, Beto Salame aproveitou a reunião com o presidente da Caixa para se reportar sobre a conclusão dos Residenciais Magalhães Barata I e II, no Bairro São Félix, onde estão em construção 3 mil unidades habitacionais do Programa Minha Casa Minha Vida, 1.500 financiadas pela CEF e as demais pelo Banco do Brasil.

O presidente informou que as pendências entre a Caixa e a HF Engenharia, responsável pela execução da obra, estão solucionadas e os trabalhos já foram retomados. Quanto à outra parte com obras paralisadas, Beto Salame vai agendar audiência com a presidência do Banco do Brasil para tratar do assunto. (Com informações da Assessoria Parlamentar)

Política

Deputado Beto Salame viabiliza audiência entre vereadores de Jacundá e Ministro da Saúde

Eles foram reivindicar o funcionamento da UPA do município, cuja estrutura física já está pronta

Em audiência intermediada pelo deputado federal Beto Salame (PP/PA), o ministro da Saúde, Ricardo Barros, recebeu, na manhã desta terça-feira (10), dez vereadores da Câmara Municipal de Jacundá para tratar da situação da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) naquele município, que já está com sua estrutura física concluída, mas ainda não está em funcionamento.

A reunião foi solicitada ao deputado pelos vereadores Rafael Garrancho e Daniel dos Estudantes, ambos do Partido Progressista. Participaram também o presidente da Câmara, vereador Lindomar Marinho (PT), além dos vereadores Marta Costa (PT), José Wilson (PRB), Eliane Pinheiro (PR), Railane Santos (PSL), Edson Ferreira (PSL), Thales Borges (PR) e Marisa Alves (PDT). O gabinete do deputado Beto Salame, que se encontrava cumprindo agenda em Marabá, foi representado pelo ex-prefeito João Salame.

O vereador Rafael Garrancho explicou que apesar de ser Categoria 1, a mais básica, a estrutura física construída em Jacundá é muito maior e corresponde a UPA Categoria 3. Que é desejo do município instalar no local um Hospital de Pequeno Porte. O vereador Daniel dos Estudantes solicitou do ministro apoio para colocar a UPA e o Hospital em funcionamento, em parceria com o Governo do Estado e as prefeituras da microrregião.

Para o funcionamento da UPA estima-se gastos da ordem de 500 mil reais por mês. O Ministério da Saúde participa com cerca de 270 mil reais. O restante tem que ser bancado pelo Governo do Estado e prefeitura. Sobre os equipamentos para a UPA, o ministro Ricardo Barros sugeriu a destinação de emendas parlamentares ou parceria com o governo do Estado.

O ministro autorizou que uma parte do prédio seja usado para a UPA e a outra para o Hospital, mas exigiu que o atendimento seja 24 horas, como preconiza o programa. “Desde que esse requisito seja atendido, coma presença de pelo menos dois médicos ao dia, vocês estão autorizados a proceder as mudanças que estão reivindicando”, disse Ricardo Barros.

Na oportunidade ficou acertado que será realizada em Jacundá uma reunião com representantes da Prefeitura, da Secretaria de Saúde do Governo do Estado e técnicos do Ministério da Saúde, para debater qual a melhor equação para o funcionamento da UPA e acerca do pleito do hospital de pequeno porte microrregional.

O vereador Daniel dos Estudantes avaliou como extremamente positiva a reunião e agradeceu ao ministro e ao deputado Beto Salame pela iniciativa. “Saímos daqui esperançosos de darmos um salto de qualidade na saúde de Jacundá e agradecemos o empenho do deputado Beto Salame e do nosso ministro Ricardo Barros”, finalizou. (Com informações da Assessoria Parlamentar)

Política

Deputado Federal Beto Salame percorre municípios do nordeste do Pará

Em Capanema, Concórdia do Pará, Tomé-Açu, Santa Maria e São Domingos do Capim, ele se reuniu com lideranças políticas e anunciou emendas

Por Eleutério Gomes – de Marabá

No último fim de semana, de sexta-feira (7) a domingo (9), o deputado federal Beto Salame (PP/PA), acompanhado do ex-prefeito de Marabá, João Salame Neto, esteve na região nordeste do Estado, onde manteve reuniões com prefeitos, vereadores e lideranças políticas de vários municípios. As visitas visam fortalecer alianças e ouvir reivindicações que possam, pela intermediação dele, ser atendidas pelo governo federal.

“Nem sempre os prefeitos e lideranças podem ir a Brasília, em busca de melhorias em ministérios e secretarias especiais. Por isso, como um dos representantes do Pará no Congresso, venho até eles, ouvi-los e levar suas demandas ao poder central”, explica Beto Salame.

Em Tomé-Açu, ele participou de reunião do Partido Progressista (PP), com a presença da prefeita em exercício Aurenice Ribeiro, presidente da Câmara Municipal, para tratar das eleições suplementares de 4 junho próximo, quando será escolhido o novo prefeito do município, já que o prefeito eleito em outubro último, José Hildo Alves, foi cassado pelo TSE.

Nessa reunião, cujo objetivo foi debater a participação do PP no pleito, estiveram presentes também os ex-prefeitos José Alves e Gedeão Chaves, este também ex-deputado estadual, e o vereador Gedeão Chaves Jr.

Em Capanema, Beto Salame ouviu reivindicações da Apae (Associação dos Pais e Amigos dos Excepcionais) e participou de reunião política com a presença do prefeito Chico Neto.

“Quero, neste momento, reconhecer a sensibilidade e manifestar minha gratidão pela preocupação do deputado Beto Salame para com a saúde púbica de Capanema”, disse o prefeito Chico Neto, destacando ainda que, de todas as emendas parlamentares destinadas ao município, a de Beto “é uma das três maiores em benefício do povo”.

Em São Domingos do Capim. Ao lado do prefeito Paulo Elson da Silva e Silva – Elsinho – e do ex-prefeito de Bujaru, Emanoel Muniz, Beto discursou e disse que estava ali naquele momento para reafirmar os compromissos assumidos em campanha e confirmar a destinação de uma emenda de R$ 700 mil para investimentos no setor da saúde. “Vamos continuar trabalhando para ajudar o povo batalhador deste município. Quero dizer também que conseguimos ainda um caminhão basculante para a Secretaria de Obras e que continuaremos à disposição do povo de São Domingos do Capim, em Brasília”, manifestou-se Salame.

Eltinho, por seu turno, agradeceu ao apoio do deputado e lembrou de outros políticos que, em época de eleição, se dirigem ao município para pedir votos, depois desaparecem, “ao contrário do deputado Beto Salame, que sempre esteve de mãos dadas com São Domingos do Capim”.

Beto e João Salame também estiveram em Santa Maria do Pará, onde se reuniram ainda com o prefeito de Ourém, além de políticos e militantes do partido.

Na ocasião, o deputado disse que estava ali para refirmar seu compromisso de poder ajudar esses municípios. “Já destinei emenda parlamentar para a aquisição de uma retroescavadeira, a fim de ajudar na infraestrutura de Santa Maria”, afirmou Salame, que ouviu palavras de apoio e agradecimento, em seguida.

O deputado federal e o ex-prefeito de Marabá estiveram também em Concórdia do Pará, onde cumpriram a mesma rotina, de reforçar os laços político-partidários e declarar a apoio às demandas da população.

Infraestrutura

Deputado Beto Salame garante verba de R$ 60 milhões para obras na orla de Marabá

Recurso se destina à construção de um muro de arrimo na orla do Rio Itacaiúnas, sem que a prefeitura precise desembolsar um centavo sequer

Na manhã desta quarta-feira (22), o deputado federal Beto Salame (PP/PA) esteve reunido em Brasília com o Secretário de Recursos Hídricos do Ministério da Integração Nacional, Antônio de Pádua, para discutir o cronograma de execução das obras na orla de Marabá, em especial do muro de arrimo às margens do Rio Itacaiúnas.

A obra, requerida por Beto Salame ao ministro Hélder Barbalho, está avaliada em mais de R$ 60 milhões e não precisará de contrapartida do município. Ou seja, a Prefeitura de Marabá será a gestora do contrato, mas não irá investir um centavo para a execução desses serviços que deverão garantir a segurança das áreas que se estendem às margens direita e esquerda do rio, desde sua confluência com o Tocantins – região conhecida como “Pontão” – até próximo ao Cemitério São Miguel e à Vila Canaã, pela margem direita; e no Bairro Amapá, pela margem esquerda.

“Em fevereiro deste ano, eu e o João Salame estivemos com o ministro Hélder e mostramos a ele o quanto essa obra é necessária para evitar que, no futuro, desastres naturais venham a acontecer em Marabá”, explicou Beto Salame. “Agora, estamos discutindo com o secretário Antônio de Pádua a efetivação dessa obra, que começou a ser discutida quando eu exercia o cargo de Secretário de Planejamento de Marabá e o Pádua era o secretário de Obras da cidade. Durante o governo do João Salame, foi desejo nosso fazer essa obra, mas só agora graças ao apoio do ministro Hélder Barbalho e com a presença do Pádua no Ministério da Integração, este objetivo está sendo alcançado”, disse o deputado.

Nos próximos10 dias, uma equipe do Ministério da Integração Nacional estará em Marabá para as primeiras avaliações que embasarão os estudos técnicos. Logo após deverá ser licitada a obra que será executada graças aos recursos do Programa Nacional de Contenção de Encostas e Prevenção de Desastres Naturais.

O parlamentar comentou as próximas etapas dessa obra. Segundo ele, “um trabalho muito criterioso antecede a execução desse tipo de obra. Serão feitos os estudos e diversos testes que vão oferecer as informações essenciais para garantir a realização dos serviços”, disse o deputado. Beto Salame, que esteve acompanhado pelo Secretário de Obras de Marabá, Fábio Moreira e pelo ex-prefeito João Salame, disse estar feliz com a possibilidade de execução dessa obra.

“Está se aproximando o aniversário de Marabá e o melhor presente que posso dar para nossa cidade é trabalhar para torna-la cada dia melhor. Por isso, fico muito feliz em estar lutando para viabilizar a construção do muro de arrimo na Marabá Pioneira, uma obra que vai tornar ainda mais segura e bonita a orla da nossa cidade no Bairro Francisco Coelho, local onde nossa história começou e onde muita gente humilde poderá viver com mais segurança e dignidade”, afirmou Beto Salame. (Assessoria Parlamentar)

Informação

Deputados paraenses gastaram mais de meio milhão de Reais fretando avião entre 2015/2016

O Blog usou um aplicativo para celular criado para ajudar o cidadão a rastrear gastos e até as notas fiscais apresentadas pelos parlamentares.

Por Ulisses Pompeu – de Marabá

De voar em avião fretado por conta do dinheiro público o deputado federal Nilson Pinto de Oliveira (PSDB) entende muito bem. Em dois anos (2015-2016) dez dos 17 deputados federais do Pará usaram da prerrogativa de fretar uma aeronave para seus deslocamentos, isso sem contar as passagens aéreas em voos comerciais. Juntos, os 10 deputados gastaram R$ R$ 632.285,40 e Nilson Pinto foi responsável por consumir quase 50% desse recurso.

Todas as informações sobre os gastos dos deputados federais estão disponíveis em um aplicativo de celular criado por um grupo de jovens de uma faculdade de Porto Alegre. O “Meu Deputado” rastreia a vida do parlamentar e ainda faz comparações com outros colegas do mesmo estado.

Ele foi criada por alunos da Universidade Católica do Rio Grande do Sul para descomplicar a avaliação dos gastos de deputados federais.
No aplicativo é possível identificar onde foi investida a verba destinada aos políticos, como divulgação, combustível, passagens áreas, hospedagem, entre outros.

Outras informações, como a presença dos deputados nas sessões do Plenário e o posicionamento em relação a votações também estão disponíveis no “Meu Deputado”.

No caso do aluguel de aeronaves, o deputado Nilson Pinto pagou R$ 305.700,00 com aluguel de aeronave, o que daria para comprar 50% de um avião de pequeno porte. Apenas um fretamento consumiu R$ 19.000,00 num percurso a bordo de um Cessna 310 R, saindo de Belém, passando por Goianésia, Tailândia, Santa Maria, Prainha e retornando à capital. Os voos dele variam de modelo de avião, mas quase sempre é pela Stillus Táxi Aéreo ou Pilar Táxi Aéreo.

Outro deputado que é chegado a um fretamento de aeronave com dinheiro público é Francisco Chapadinha, que usou R$ 116.435,40 de seu “cotão” para fretar avião. Em terceiro lugar aparece o excêntrico Wladimir Costa, que gastou em dois anos R$ 70.500,00 com o serviço de táxi aéreo.

Lúcio Vale surge em quarto com R$ 48.300,00; Arnaldo Jordy R$ 26.550,00; Beto Salame R$ 17.000,00; Zé Geraldo e Júlia Marinho R$ 15.000,00; Elcione Barbalho R$ 13.800,00; Beto Faro R$ 4.000,00.

Passagens aéreas

Os gastos dos parlamentares paraenses com passagens aéreas nos anos de 2015 e 2016 não parecem absurdos, como o fretamento de aeronaves. Os 17 parlamentares desembolsaram e pediram retorno de despesas que chegam a R$ 93.963,58.

O deputado e delegado Eder Mauro lidera essa lista. Gastou R$ 18.514,18 no período, contra R$ 15.582,27 de seu colega Joaquim Passarinho, segundo colocado. Beto Salame surge em terceiro com gastos de R$ 11.000,93; Edmilson Rodrigues, um dos mais tímidos entre outros gastos, surge em quarto com R$ 10.755,54.

Beto Salame e as consultorias

Entre os 17 deputados federais, onze deles usaram recursos disponíveis através da chamada Cota para o Exercício da Atividade Parlamentar (CEAP) nos anos de 2015 e 2016 com consultorias. Beto Salame, de Marabá, foi o que mais gastou no biênio com pagamento de consultorias, pesquisas e trabalhos técnicos. Ao todo, entre 2015 e 2016, o irmão do ex-prefeito João Salame utilizou de seu “cotão” o valor de R$ 295.000,00 para pagar escritórios de advocacia de Belém para lhe auxiliar no mandato em Brasília.

O segundo colocado nesse ranking é o deputado Beto Faro, que fez uso de R$ 154.000,00 para esse mesmo serviço. Em seguida, em terceiro lugar, aparece Josué Bengston, com R$ 141.908,40. Hélio Leite gastou R$ 125.000,00; Simone Morgado R$ 91.000,00; Elcione Barbalho R$ 79.284,00; Francisco Chapadinha usou R$ 56.000,00; e Júlia Marinho R$ 3.050,00.

O aplicativo Meu Deputado faz até um ranking dos gastos mensais por atividade parlamentar. No caso das consultorias, Beto é líder absoluto, ocupando o primeiro lugar pelo gasto de R$ 41.000,00 no mês de julho de 2015, mas também detém o segundo lugar por utilizar R$ 37.000,00 em janeiro de 2016. No top 10, ele aparece, de novo, em 9º lugar nesse mesmo item com pagamentos iguais de R$ 18.500,00 nos meses de maio e junho de 2015.

No caso do representante marabaense na Câmara dos Deputados, seus gastos com assessorias foram avaliados a parte. Em 2015, contratou a empresa Bordalo e Botelho/Advocacia e Assessoria, de Belém, para lhe prestar, entre outras coisas, assessoramento jurídico junto às atividades da Comissão de Integração da Amazônia, formulação de nota técnica sobre a PEC 171 e até elaboração de requerimentos para o Ministério da Saúde e um simples pedido de audiência pública sobre o cumprimento das condicionantes para a construção da Alpa e ainda do sistema prisional brasileiro, por exemplo.

No ranking realizado pelo aplicativo Meu Deputado, avaliando os maiores “gastões” com pagamento para assessoria em um único mês, Beto Salame ocupa a 34º posição em nível nacional, tendo pago R$ 41.000,00 em junho de 2015.

Em julho do mesmo ano está registrada a maior despesa de Beto em um mês até aqui, no valor de R$ 73.542,09. Desse total, a maior fatia naquele mês foi abocanhada pela empresa Doxa Arte e Comunicação (R$ 23.000,00), a mesma que fez a pesquisa eleitoral para seu irmão João Salame em 2012. O valor foi pago à empresa, segundo recibo e notas fiscais disponíveis no site da Câmara dos Deputados, “para realização de uma pesquisa de opinião para avaliar a influência dos projetos minerais da Vale nos municípios de Canaã dos Carajás, Marabá, Parauapebas e Curionópolis”, sob a justificativa de subsidiar posicionamento do mandato parlamentar.

A mesma Doxa havia feito, um mês antes, uma outra pesquisa para o parlamentar marabaense. O valor foi de R$ 18.500,00 para pesquisar, entre os populares, a avaliação do tema “redução da maioridade penal” em Marabá, Xinguara e Curionópolis “para subsidiar posicionamento de mandato parlamentar”.

Brasil

Contenção de gastos públicos é fundamental para garantir Educação e Saúde, diz Beto Salame

O deputado federal Beto Salame (PP-PA) falou na manhã desta terça-feira (25), sobre a votação em segundo turno da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 241, que limita os gastos públicos.

Para Beto Salame, a PEC 241 é uma das mais importantes medidas já debatidas no Congresso Nacional. “Desde a Lei de Responsabilidade Fiscal, em 2000, esta casa não enfrenta um debate tão relevante. É urgente que a gente aprove a PEC 241, como forma de ordenar os gastos públicos. Do jeito que está, corremos o risco de quebrar o País”, disse Beto.

O deputado paraense lembrou que a dívida pública cresce duas vezes mais rápido que a atividade econômica. “Esse quadro de total descontrole acontece desde 1997, mas é preciso reconhecer que de 2010 a 2015, a dívida pública do Brasil saltou de 50% do PIB para mais de 70%”, afirmou Beto Salame.

Segundo Beto, a contenção dos gastos é a única alternativa para recolocar o País no rumo do crescimento.

“Vivemos a mais profunda recessão econômica da história e temos um exército de 12 milhões de desempregados. O resultado é a redução das receitas derivadas dos impostos. Como o governo costuma gastar muito e gastar mal, a conta não fecha. Em tempos de crise como o que vivemos é fundamental a contenção dos gastos públicos, como forma recuperar a confiança dos investidores, reequilibrar as contas públicas e preparar as bases para um crescimento econômico sustentável de forma responsável. E a única maneira de alcançar esses objetivos é aprovando a PEC 241”, explicou Beto Salame.

A oposição argumenta que áreas como Saúde e Educação serão penalizadas. Beto Salame rebateu as críticas e afirmou que isso não é verdade.

“Caso as regras atuais fossem mantidas, considerando a deterioração da atividade econômica e a consequente redução de receita da União, aí sim teríamos um enorme prejuízo à educação e à saúde. Defendo o controle de gastos, inclusive para garantir que a Educação e a Saúde não sejam ainda mais penalizadas”, disse.

Beto Salame exemplificou com números. Segundo ele, “em 2016, a Educação tem R$ 129 bilhões previstos para custear despesas e programas. Para 2017, mantido o teto de 18% da receita líquida, esse valor vai alcançar quase R$ 139 bilhões, um crescimento de 7%”.

De acordo com Salame, recursos para a Educação podem vir de outras fontes.

“As emendas parlamentares – individuais ou de bancada, serão instrumentos importantes para reforçar o caixa da Educação em cada Estado e Município”, disse Beto que mantém contato frequente com Maurílio Monteiro, reitor da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (Unifesspa) e Raimunda Monteiro, reitora da Universidade Federal do Oeste do Pará (UFOPA).

Beto lembrou que o seu mandato já vem usando essa estratégia.

“Desde o início do meu mandato, venho destinando recursos, através de emendas ao Orçamento, para apoiar projetos e ações da Unifesspa, ajudando a instituição na construção do restaurante universitário no Campus de Marabá, com uma Emenda no valor de R$ 671 mil e na ampliação das instalações em outros campi. Para o campus de Xinguara, por exemplo, já destinei Emenda no valor de R$ 1 milhão”, lembrou Beto.

Maurílio Monteiro, destacou a importância das emendas. “É enorme a gratidão da universidade pelo esforço dos parlamentares em destinar esses recursos para este projeto que foi construído com muito diálogo e ampla participação dos alunos e servidores desta Instituição. Esse evento é uma celebração da boa vontade, da cooperação de homens e mulheres que acreditam numa universidade pública de qualidade, capaz de transformar a vida das pessoas”, declarou.

Além da Unifesspa, Beto Salame lembrou que o IFPa também poderá ser beneficiado com recursos alocados através de emendas parlamentares.

“Tenho total disposição para discutir junto com a direção e a comunidade acadêmica do IFPA em Marabá, alternativas para ajudar a garantir que essa instituição importantíssima receba mais recursos e continue a prestar os seus bons serviços ao povo do Pará”, disse Beto.

O deputado também comentou a forma por vezes agressiva que as manifestações contra a PEC 241 assumiram.

“Eu entendo que vivemos em uma democracia plena, portanto reconheço como legítimas todas as formas de protesto e manifestação que estejam dentro da lei e da ordem, contudo manifestações violentas e agressivas vão receber sempre meu completo repúdio”, disse Beto Salame.

Beto finalizou reiterando seu compromisso histórico com a Educação. “Entendo que a melhor forma de demonstrar esse compromisso é apoiando a PEC 241 e, ao mesmo tempo garantindo, através de emendas parlamentares ao Orçamento da União, recursos para a Educação no meu Estado do Pará”, afirmou.

Marabá

PROS sai em defesa de Beto Salame no tocante à prestação de contas

A Assessoria do deputado diplomado Beto Salame (PROS) encaminhou nota da direção regional do partido em resposta ao post “ Irmão do prefeito de Marabá foi o campeão de gastos entre deputados federais eleitos na campanha de 2014”, publicado na semana que passou. Eis a íntegra da nota:

Em relação à matéria jornalística veiculada neste blog, no dia 8 de janeiro, a Direção Regional do PROS entende ser necessário esclarecer o que segue:

1 – O PROS – Partido Republicano da Ordem Social, tem por diretriz máxima o respeito absoluto à lei.

2 – Por conta desse compromisso, o PROS orienta os candidatos que concorrem pela legenda no sentido de que se portem com lisura absoluta no que se refere à arrecadação, gasto e prestação de contas de recursos dispendidos nas campanhas eleitorais.

3 – Um exemplo disso foi a campanha do jovem deputado federal Beto Salame que, graças à capacidade de articulação contou com a força política de Asdrúbal Bentes, João Salame Neto e tantos outros líderes, especialmente aqueles do sul e sudeste do Pará, para conduzir sua caminhada vitoriosa.

4 – O grupo político que organizou-se sob a legenda do PROS conseguiu perceber, com a devida antecedência, a necessidade em construir alternativa viável que garantisse a representatividade do interior do Estado, em especial, do sul e sudeste paraense, na Câmara Federal.

5 – Caso outros nomes – como o de Asdrúbal Bentes – não estivessem disponíveis, o que infelizmente acabou por acontecer, seria imprescindível termos um representante a disputar uma vaga na Câmara Federal com chances reais de vitória. Isso se refletiu em um cuidadoso planejamento que alcançou nada menos que 70 municípios, com bases organizadas e coesas. Desconhecer a força dessa articulação é lastimável e pode prejudicar qualquer análise .

6 – Por outro lado, a candidatura de Beto Salame sempre esteve nos marcos da discussão, necessária e inadiável, sobre a formação do futuro Estado do Carajás. Em suas palestras e reuniões, ao longo de mais de um ano, o deputado deixou claro que as dificuldades que enfrentam os municípios do interior do Pará são decorrentes da pouca importância que lhes é dada pela maioria dos políticos paraenses, quase todos comprometidos com suas bases na capital e cidades adjacentes. Sendo ele filho de Marabá, cidade-polo do Sul e Sudeste do Pará, nada mais natural que esteja por inteiro na luta pela criação do novo estado, sonho maior da população da região.

7 – A capacidade de articulação política e o discurso baseado na interiorização do desenvolvimento, criação do Estado do Carajás e valorização das médias e pequenas cidades do Pará despertaram o interesse de empresas que compartilham as mesmas ideias e que acreditam que a atuação de Beto Salame no Congresso Nacional vai contribuir para criar um ambiente de prosperidade econômica e equilíbrio social em nossa região. Este interesse se materializou na forma de doações.

8 – No que diz respeito à prestação de contas, enfatizamos que todas as doações foram devidamente identificadas e obedeceram rigorosamente ao que preceitua a legislação eleitoral.

9 – Todos os gastos de campanha foram devidamente comprovados através de farta documentação contábil.

10 – A conduta correta da campanha de Beto Salame, no que concerne à arrecadação de recursos, gastos e prestação de contas eleitorais, foi devidamente avaliada pela Justiça Eleitoral, única instituição apta a julgar este tipo de feito, sendo aprovada sem qualquer ressalva.

11 – É preciso expor a verdade dos fatos para impedir que ilações destituídas de qualquer base nos fatos sugiram gastos outros que não aqueles constantes na prestação de contas apresentada à Justiça Eleitoral ou uso de meios não idôneos para angariar votos.

12 – O PROS sabe que os quase 100 mil votos entregues pelos paraenses ao deputado federal Beto Salame serão honrados através de uma atuação parlamentar comprometida com o desenvolvimento do interior do Pará e que seu mandato será uma via facilitadora capaz de atrair mais e melhores investimentos para nossa região.

Marabá (PA), 12 de janeiro de 2015

Direção Regional do PROS/Pará