Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Acordo Coletivo

Nova Lei Trabalhista muda cenário de negociações entre Vale e Sindicatos

No dia em que a nova lei entra em vigor, funcionários querem aceitar proposta da empresa sem a intervenção do Sindicato. Conheça a proposta da Vale.

 

Nesta semana, Sindicato dos Trabalhadores da Mineração – Metabase – e a Mineradora Vale retornaram a rodada de negociações para definir o Acordo Coletivo Anual, que terminou no último dia 01 de novembro. Sem mudar absolutamente nada na proposta apresentada, a empresa prorrogou a validade dos benefícios até 30 de novembro.

O presidente do Metabase Carajás, Raimundo Amorim, conhecido como “Macarrão”, informou que as novas rodadas de negociação foram péssimas. “Todos os Sindicatos rejeitaram a contraproposta da Vale (Arquivo abaixo) e uma nova reunião foi agendada para o próximo dia 14, em Belo Horizonte”.

Com a nova lei trabalhista, que entra em vigor hoje (11), os funcionários já são unânimes em aceitar a proposta da empresa sem a intervenção dos Sindicatos. O Blog conversou com três funcionários de áreas diferentes da empresa, que pediram para não serem identificados. “Estamos correndo o risco de perder benefícios adquiridos, que a nova lei não coloca como exigência, por exemplo: Cartão Alimentação, Plano de Saúde, Auxílio Educação, entre outros. Para se ter uma ideia, nosso adicional noturno é de 65% e com a nova lei passará para 20%. Não podemos esperar mais dos Sindicatos”, desabafou um funcionário. Ele disse que esse é o sentimento geral entre todos no setor onde trabalha.

E uma outra funcionária exemplificou outro tipo de perda que pode acontecer se cancelarem os benefícios: “Um parto custa em média de R$6 a R$8 mil, dependendo se for normal ou cesariana. Quando tive meu filho não descontaram nem R$ 450,00. Não podemos perder esse ganho que acrescenta ao nosso salário. No meu setor estamos todos dispostos a aceitar a proposta da empresa”, avisou.

Outro funcionário foi ainda mais enfático: “Vendo a proposta apresentada pela empresa fico pensando em como ver idoneidade e credibilidade em um Sindicato que na semana anterior divulgou no jornalzinho uma série de solicitações que seriam levadas para a negociação com a empresa. E de todas as condições que o Sindicato jurava defender, absolutamente nenhuma foi atendida. E a proposta será aprovada assim. Não discordo da empresa, pois está utilizando o mercado atual brasileiro a seu favor, afinal, toda empresa de capital privado sobrevive de lucros. Mas essa postura do Sindicato chega a ser um abuso com a paciência alheia”, concluiu.

O presidente do Metabase Carajás pede um pouco mais de paciência dos funcionários. “Alertamos os trabalhadores para a importância da mobilização e não aceitarem qualquer forma de pressão para que possamos garantir um Acordo Coletivo justo”.

Para não perder a cobrança do imposto sindical, que já não é mais obrigatório, os sindicatos usam a estratégia de prorrogar a validade dos acordos coletivos ou para aproveitar as negociações das categorias com data-base neste fim de ano para incluir nas convenções cláusulas que garantam a manutenção da obrigatoriedade de homologação de demissões nos sindicatos e a cobrança de uma taxa de contribuição sindical.

Macarrão também disse que ontem (10) saiu o índice da inflação que será a base do aumento proposto no salário e cartão alimentação. O valor ficou 1,68%, acima do previsto, que era 1,52%. Numa simulação do Cartão de Alimentação, o valor aumenta um pouco mais de R$ 11,00, indo para R$ 711,00.

A Assessoria de Imprensa da Mineradora Vale não comenta negociações em andamento.

Segue abaixo a proposta:

Veja abaixo quais os efeitos da Reprovação ou Não Assinatura do ACT 2017/2018:

Reajuste salarial

Vale deve pagar mais de 30 milhões de reais de cartão alimentação nos próximos dias

Acordo Coletivo de Trabalho foi firmado entre a empresa e a Sindicato no dia 23 de novembro

O comércio de Parauapebas e região deve ser aquecido nos próximos dias com o pagamento dos valores referentes ao cartão alimentação dos funcionários da Vale. O montante, que passa dos R$ 30 milhões, é resultado do pagamento de R$ 2.400,00 que cada trabalhador da empresa receberá em dezembro.

Os mais de 13 mil trabalhadores da Vale representados pelo sindicato Metabase Carajás serão beneficiados com esses valores por força do Acordo Coletivo de Trabalho firmado entre a empresa e a entidade, no dia 23 de novembro, depois de várias rodadas de negociações.

Até então, o valor do cartão alimentação era de R$ 620,00. A partir de dezembro passa para R$ 700,00. Além disso, os trabalhadores terão direito ao mesmo valor referente ao 13° salário e mais um bônus de mil reais, totalizando os R$ 2.400,00, que serão pagos até no máximo dia 10 de dezembro, conforme estabelecido no Acordo. “Sem dúvida esse valor faz uma grande diferença agora no final do ano, período em que as despesas aumentam muito”, destacou o Operador de Máquinas, Valcim dos Santos.

Além do aumento no valor do cartão alimentação, o sindicato e a empresa chegaram ao percentual de 8,5% para reajuste salarial, firmado também no Acordo Coletivo, calculado com base no Índice de Preços ao Consumidor (INPC). Com esse aumento não teve ganho real para os trabalhadores, que passaram o ano de 2016 com os mesmos salários de 2015, já que não houve reajuste salarial no ano passado.

“Nossa expectativa de aumento era de pelo menos 10%, para amenizar um pouco as nossas perdas, mas, infelizmente, não conseguimos”, informou um funcionário que não quis se identificar. “Estamos em plena crise, e ainda assim conseguimos esse reajuste que, menos de 30% das categorias têm alcançado. E, quando conseguem, os valores são parcelados, no nosso caso o pagamento será integral”, reforçou Raimundo Nonato Amorim, presidente do Metabase Carajás.

error: Conteúdo protegido contra cópia!