Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Marabá

Promotora quer maior fiscalização para inibir menores dirigindo veículos em Marabá

Só nos três primeiros meses deste ano 13 menores entre 10 a 14 anos foram vítimas de acidentes no trânsito da cidade
Continua depois da publicidade

É uma cena quase comum encontrar menores de idade conduzindo volante de um carro ou guidão de uma motocicleta em Marabá. E o resultado disso é um grande número de acidentes envolvendo pessoas menores de 18 anos no município. Foi para discutir esse assunto preocupante que a 10ª Promotoria da Infância e Juventude realizou nesta quarta-feira, 23, uma audiência pública envolvendo representantes de diversos órgãos públicos e entidades da sociedade civil.

A audiência “Criança e Adolescente não dirige” foi realizada no auditório do MPE, conduzida pela promotora de Justiça Lígia Valente do Couto de Andrade Ferreira. Também participaram Elson Fidelis, delegado da 20ª Seccional de Polícia Civil de Marabá; Franklin Silva, chefe da Delegacia da Polícia Rodoviária Federal; Gilvan Santos de Souza, gerente do Detran em Marabá; Rogério Matias da Silva, coordenador de Educação para o Trânsito do DMTU; Valdelice Vieira, coordenadora do Samu; e Lohane Mesquita, coordenadora de Humanização do Hospital Regional do Sudeste do Pará.

 A promotora Ligia Valente explica que o objetivo, daqui para frente, é realizar várias ações de atuação extrajudicial e medidas destinadas à inserção social por parte do Ministério Público, entre as quais reuniões com a comunidade, campanhas de mobilização social, projetos sociais, fiscalizações e inspeções; termos de ajustamento de conduta e recomendações. “Hoje estamos dando um grande passo para conscientizar, fomentar e promover o debate sobre a relação Infância e Juventude x trânsito, com a participação do poder público e sociedade civil de Marabá”.

Ela também observou que quando chegou a Marabá foi informada sobre uma prática cultural de alguns pais presentearem filhos adolescentes com motocicleta ou carro, mesmo não tendo permissão da legislação para dirigir. “Precisamos acabar com essa cultura e já estamos fazendo palestras em escolas, mas precisamos desenvolver mais atividades para reduzir as estatísticas de acidentes envolvendo crianças e adolescente na direção de veículos automotores”.

Por outro lado, ela cobrou das autoridades de trânsito que elaborem e mantenham atualizados dados estatísticos de crianças e adolescentes na condução de veículos automotores. Ela também lembrou que é preciso alertar os pais de que eles poderão ser responsabilizados por eventuais danos que seus filhos venham a causar dirigindo sem habilitação para isso.

Dados de acidentes

Com base em informações das autoridades de trânsito locais, a promotora lembrou que em 2017, foram registrados 1.181 acidentes em Marabá, os quais deixaram 969 feridos e 59 mortos, contra 1.309 acidentes de 2016 com 62 mortes. No agregado dos últimos dois anos foram nada menos que 2.490 acidentes.

De janeiro a março deste ano, o DMTU contabilizou junto a vários órgãos a ocorrência de 242 acidentes e em pelo menos 13 deles as vítimas eram pessoas da faixa etária entre 10 a 14 anos e 25 de 15 a 19 anos. “Marabá tem uma frota de 110 mil veículos e o número de motocicletas passa de 60 mil veículos, um percentual muito alto. Muitas das vítimas lotam os leitos dos hospitais, sobretudo o Regional, que é de referência para traumas dessa natureza”, sustenta.

Rogério Matias reconheceu a gravidade do número de acidentes de trânsito nas vias de Marabá, mas sustentou que há um grande esforço do governo para que esses índices sejam reduzidos. Para isso, fortaleceu as equipes de fiscalização e também de educação para o trânsito. Esta última percorre escolas, empresas e órgãos públicos para conscientizar condutores sobre o grave risco de acidente.

Ao final da audiência, ficou definido que as autoridades vão se manter unidas para frear o número de menores de idade dirigindo veículos pela cidade.

Ulisses Pompeu – de Marabá
Marabá

Campanha Maio Amarelo quer puxar freio de mão dos acidentes

Para autoridades, fiscalização intensiva diminui até mesmo índice de homicídios, que é de 65 para cada grupo de 100 mil habitantes em Marabá.
Continua depois da publicidade

Durante a Sessão Ordinária desta quarta-feira, 2 de maio, representantes da segurança pública em Marabá participaram do lançamento da campanha Maio Amarelo, deslanchada pelo DMTU (Departamento Municipal de Trânsito), em parceria com a Polícia Rodoviária Federal, Polícia Militar e Polícia Civil. Durante todo o mês de maio, várias ações serão realizadas na cidade para conscientizar os condutores sobre o risco de acidente e formas de prevenção.

A campanha foi apresentada pelo diretor do DMTU, Jocenilson Silva, o qual lembrou que o símbolo é um laço amarelo usado no peito, representando o movimento internacional de segurança no trânsito. “No Brasil, enfatizou, ocorrem 23 mortes a cada 100 mil habitantes e a meta é reduzir para 11 mortes por 100 mil habitantes”.

Ele destacou que é preciso que a sociedade de Marabá se converta por um transito mais organizado e seguro, que salve vidas. Segundo ele, as ações que vêm sendo desencadeadas no município nos últimos meses conseguiu reduzir em 87% os leitos ocupados por vítima de acidentes de trânsito no Hospital Regional do Sudeste, num trabalho em conjunto dos órgãos de segurança.

Jair Guimarães, secretário de Segurança Institucional de Marabá, pondera que o movimento veio em boa hora, para combater a violência no trânsito. Morrem mais de 62 mil pessoas no trânsito no Brasil. “Em Marabá, temos investindo em equipamentos e fardamento para melhorar a estrutura e capacitação de nossos agentes, para que desempenhem um bom trabalho”, ressaltou.

Guimarães diz que 90% dos acidentes são de responsabilidade de quem dirige o veículo, por isso é importante falar e educar. Ele antecipou que este ano a SMSI vai adquirir uma van para trabalhar com o projeto Cinema Rodoviário, para aliar a fiscalização de trânsito à educação para o trânsito.

Franklin Jorge, chefe de segurança da Policia Rodoviária Federal em Marabá, fez uma proposta de trabalho de operações em conjunto na área de atuação dos dois órgãos fiscalizadores, para que os agentes do DMTU atuem na cidade e a PRF nas BR´s. “A educação vem primeiro, mas a fiscalização tem que vir a reboque. Esse movimento é para tentar diminuir os acidentes e preservar a vida”, ressalta o agente federal.

Coronel Roosevelt Fayal, comandante do 4° Batalhão de Polícia Militar reconheceu que o tema trânsito é muito complexo e envolve diversas variáveis e a PM não está alheia a isso. “Hoje, o crime anda em duas rodas e a grande maioria utiliza uma motocicleta. Temos um olhar firme em relação ao trânsito. A sociedade não deve ficar alheia a esse processo. Sou adepto à polícia comunitária. O modelo de segurança que só age reativamente está ultrapassado”, desabafou.

Segundo o militar, a média de homicídios em Marabá é de 14 por mês. Revela que em janeiro deste ano subiu para 27, mas a partir daí os órgãos de segurança agiram com mais firmeza e em fevereiro foram registrados 10 homicídios, média que permaneceu nos dois meses subsequentes. “Esse é o resultado do trabalho de todos os órgãos de segurança pública. A media nacional de índice de homicídios é 28,9 para cada grupo de 100 mil habitantes, enquanto a média de Marabá é de 65 homicídios por 100 mil habitantes”, compara.

A delegada Simone Felinto, nova superintende de Policia Civil do Sudeste, comunga do pensamento do coronel Roosevelt visualizaram a diferença e vitória no trabalho árduo da segurança. “É importante que sejam retiradas de circulação as motocicletas que são usadas em crimes. Os bandidos utilizam veículos de outros para cometerem crimes e, quando há fiscalização e apreensão, os índices de criminalidade e nós preservamos vidas”, sustenta.

O vice-prefeito Tony Cunha, presente à sessão, elogiou o trabalho de fiscalização que vem sendo feito na cidade, embora reconheça que quem trabalha no serviço público sempre sofrerá críticas. “Em Marabá a redução da violência no trânsito tem tido sucesso. Precisamos proteger o bem maior, que é a vida. É preciso ter bom senso, razoabilidade e educação, mas é preciso implementarmos as ações de fiscalização e a própria repressão”, sintetizou.

Os vereadores se manifestaram favoráveis à campanha do Maio Amarelo, mas fizeram concessões em relação à fiscalização que vem sendo feita de forma implacável pela cidade. Pedro Corrêa, presidente da Câmara, enalteceu o trabalho do DMTU e o trabalho de convergência de todos os órgãos de segurança para diminuir os índices de violência no município, conforme os dados apresentados.

Por Ulisses Pompeu
Marabá

Marabá: Proprietários de veículos combinam motim contra as blitzes do Detran e DMTU

Pelos grupos de WhatsApp, eles fazem convocação para quebra-quebra na prefeitura, na Câmara Municipal e no pátio de retenção
Continua depois da publicidade

Em mensagens de áudio postadas e compartilhadas em vários grupo de WhatsApp, durante esta segunda-feira (2), proprietários de carros e motocicletas de Marabá, revoltados com as blitzes frequentes do DMTU (Departamento Municipal de Trânsito e Transporte Urbano) e do Detran (Departamento Estadual de Trânsito), incitam uns aos outros a se reunirem em motim e investirem contra o poder público municipal a fim de frear à força as fiscalizações.

Eles ameaçam quebra-quebra na prefeitura, na Câmara Municipal, no pátio de retenção, de onde tirariam os veículos apreendidos, e manifestações ruidosas na porta casa do prefeito Tião Miranda e até na porta casa da mãe do gestor municipal.

Procurado pelo Blog, o DMTU, por meio de sua diretoria, informa que hoje, logo cedo, detectou essas mensagens, fez cópias dos áudios, inclusive com os números de celulares de onde foram originados nos vários grupos, e registrou Boletim de Ocorrência na 23ª Seccional Urbana de Polícia Civil. Em um dos áudios, a pessoa afirma que “as blitze estão demais” e, partir do momento em que apreendem o veículo “estão roubando” aquele patrimônio, já que não foram autorizados a rebocá-los. A pessoa argumenta que “ninguém vai deixar de comer pra pagar IPTU” e, por isso, milhares devem se reunir para lutar contra a blitze.

Em outro áudio, a pessoa aconselha que “a população de Marabá”, siga o exemplo de Goianésia, onde, segundo a gravação, o prefeito foi pressionado a mandar o Detran se retirar da cidade e ordenar que o Departamento de Trânsito daquela cidade suspendesse as fiscalizações. Em mais uma gravação outra pessoa diz: “Vamos reunir a galera
aqui de Marabá, bora lá pra Câmara Municipal, bora entrar lá, e vamos acabar com isso lá, no cacete. Entendeu? Bora, acabar com tudo, derrubar tudo. Entendeu?”.

A princípio, em uma das gravações, eles marcam a ação para sexta-feira (6), “que dá tempo de organizar uma galera boa”. “Tem que ir muita gente mesmo pra ver que nós não estamos de brincadeira. E bora pra cima”, ameaça.

Confira os áudios:

Marabá

Juíza defere liminar liberando automóvel que fazia transporte clandestino tipo Uber

A justificativa para a liberação se baseou no CTB, mas, o DMTU entende que a lei municipal é que deveria ter sido levada em consideração
Continua depois da publicidade

A juíza Maria Aldecy Pissolati, da 3ª Vara Cível e Empresarial de Marabá, deferiu pedido de Liminar em Mandado de Segurança impetrado pelo proprietário do veículo Chevrolet ONIX 1.0 OMT LT, Chassi: 9bgks48b0fg255204, Gilvan das Neves Lima, determinando a imediata liberação do automóvel pelo DMTU (Departamento Municipal de Trânsito e Transporte Urbano), que se encontra no Parque de Retenção do órgão. O veículo, segundo os autos do processo, foi apreendido e multado por estar fazendo transporte remunerado de passageiros, sem ter licença para isso. O carro era dirigido pelo condutor Francisco Souza Matos no ato da apreensão.

O DMTU, por meio de seu agente reteve o veículo e aplicou a multa, fundamentado no Artigo 48 da Lei Municipal 1033/2011, mas a juíza argumenta que o município, nesse caso, vai além da legislação federal, o CTB (Código de Trânsito Brasileiro), o qual não determina a apreensão do veículo, mas sim a retenção e liberação, após sanada a conduta irregular.

“Sendo o Código de Trânsito Brasileiro norma de caráter geral, exarada pela União Federal, dentro de suas competências para legislar sobre trânsito e transporte, não pode o município atribuir ao mesmo fato penalidade mais severa do que a prevista na norma geral. O entendimento sumulado no verbete 510 do STJ é: A liberação de veículo retido apenas por transporte irregular de passageiros não está condicionada ao pagamento de multas e despesas”, cita a magistrada em sua justificativa para liberar o veículo, “sem pagamento de taxas ou multas relacionadas ao auto de infração”.

Outro lado

Procurado pelo Blog, o diretor do DMTU, Jocenilson Souza Silva, disse que o carro em questão estava transportando passageiros como Uber. Por isso, foi apreendido e recolhido ao pátio de retenção.

“A juíza, ao sentenciar, entendeu que teríamos de fiscalizar esse tipo de situação pelo CTB (Código de Trânsito Brasileiro), mas, no nosso entendimento o município tem uma lei que regulamenta seu transporte público”, afirma Jocenilson Silva.

Segundo ele, pela lei municipal o Uber ainda não foi regulamentado para atuar em Marabá, então, por enquanto é considerado transporte clandestino de passageiros, pois não está cadastrado no DMTU. “Como a juíza determinou, nós liberamos o carro, sem o pagamento de multas e de diárias do pátio, e enviamos o caso à Progem (Procuradoria Geral do Município)”, disse o diretor do DMTU.

Por Eleutério Gomes – Correspondente em Marabá
Marabá

Vereadores criticam com veemência a atuação de agentes do DMTU

Diretor do órgão rebate. Afirma que o rigor da fiscalização fez com que diminuíssem o número de acidentes e de internações hospitalares de vítimas do trânsito na cidade
Continua depois da publicidade

Na sessão ordinária desta terça-feira (6), da Câmara Municipal de Marabá, o vereador Gilson Dias Cardoso (PC do B), subiu à tribuna e dirigiu veementes críticas à atuação dos agentes do DMTU (Departamento Municipal de Trânsito e Transporte Urbano). Os acusou de cometerem arbitrariedades no exercício da função, sobretudo na aplicação de multas e da retenção de veículos. Na oportunidade, ele solicitou ao presidente da Casa, vareador Pedro Correa Lima (PTB), que convoque para uma audiência o diretor do departamento, Jocenilson Silva Souza, e secretário municipal de Segurança Institucional, Jair Barata Guimarães, a quem o órgão de trânsito é subordinado.

Gilson Dias afirmou que, como vereador, tem sido interpelado por condutores que se sentiram de alguma forma prejudicados, a tomar uma providência, principalmente quanto à retenção de veículos no pátio, onde o valor da diária é considerado alto. “Alguém está sendo beneficiado com esse pátio de retenção, que é terceirizado”, disse o vereador, deixando suspeita no ar.

Em aparte, o também vereador Francisco Carreiro Varão (PSB) endossou as palavras de Dias, relatando que o carro de um médico conhecido dele foi rebocado nos últimos dias, aparentemente sem motivo, em área que não estava sinalizada.

Outro vereador, Marcelo Alves dos Santos (PT), questionou o valor das diárias no pátio e a forma como a empresa terceirizada foi contratada, sem que a Câmara tenha tido conhecimento.

Outro lado

Procurado pelo Blog, o diretor do DMTU, agente Jocenilson Silva Souza, explicou que, assim que assumiu o departamento, este não tinha competência para efetuar a fiscalização integral do trânsito, haja vista que vários atos eram de competência exclusiva do Detran (Departamento Estadual de Trânsito). Porém, com celebração do convênio com o órgão, os agentes tiveram ampliado o leque de ações a serem fiscalizadas, como, por exemplo, licenciamento e Carteira de Habilitação vencidos.

“Além desse convênio com o Detran, firmamos convênio com a Arcon (Agência de Regulação e Controle dos Serviços Públicos do Estado do Pará). Com dois convênios de fiscalização, conseguimos diminuir os índices de acidentes no nosso município e também o número de leitos ocupados nas casas de saúde pública, por acidentados de trânsito. Então, vale ressaltar que, não somente a fiscalização aumentou como tivemos uma melhoria na saúde pública”, destacou o diretor do DMTU.

Sobre as reclamações quanto ao comportamento dos agentes, Jocenilson Souza disse que o DMTU é transparente. “Estamos abertos a qualquer questionamento. Não há arbitrariedade, conheço o comportamento do usuário na via, pois estou diretor agora, mas sou agente”, afirmou ele.

“Se houver abuso de autoridade, quem se sentir ofendido procure abrir um procedimento contra o agente que porventura cometer. Não concordo com ilícitos no departamento”, enfatizou o diretor do DMTU.

Ele lembrou que só em 2017, os 89 agentes do DMTU foram reciclados várias vezes, passaram por quatro cursos de capacitação. “Fizemos reciclagem com um profissional reconhecido nacionalmente, Israel Moura, coronel da reserva da PM de Pernambuco e uma das maiores autoridades de trânsito do País, integrante do Contran”, relatou ele ao Blog.

Quanto ao pátio de retenção, com 40 mil metros quadrados e que hoje conta com quatro guinchos, Jocenilson disse que foi terceirizado para a empresa Puma, “tudo feito com licitação e publicado no Portal da Transparência”, cabendo à prefeitura e percentual de 20,03% sobre o que for arrecadado pela diárias e guincho.

Jocenilson informou que, conforme a tabela da empresa, para motos, o custo do guincho é de R$ 119,00 e a diária, R$ 23,00; para veículos até R$ 3.500 kg (automóveis), guincho R$ 261,00 e diária R$ 38,00; acima de 3.500 kg, guincho R$ 538,00 e diária R$ 140,00.

Sobre a sinalização, Jocenilson afirma que a cidade está sendo cada vez mais sinalizada e diz que não existe o fato de agente multar veículos em vias em que não há placas com os sinais de trânsito. “Eu, como diretor, não aceito esse tipo de comportamento”.

O diretor do DMTU lembra que hoje Marabá tem uma frota de 110 mil veículos, mais 35 mil de outros municípios que transitam diariamente na cidade, mesmo assim o número de acidentes diminuiu e esse fato foi, inclusive, “motivo de elogio por parte do Ministério Público Estadual”.

segurança

Conselho de Segurança instalado em Jacundá

O Conselho está coordenando a elaboração, a revisão e o acompanhamento da execução do plano Municipal voltado para o combate à violência
Continua depois da publicidade

Uma conquista da sociedade civil organizada do município começa a ganhar novos contornos. Trata-se do Conselho Interativo de Segurança Pública e Justiça de Jacundá (CISJUS), que já tem como presidente a professora Cristiane Ferreira Aguiar Dias, eleita na semana, com outros integrantes. Entre as finalidades do conselho está coordenando a elaboração, a revisão e o acompanhamento da execução do plano Municipal voltado para o combate à violência, bem como opinar acerca da proposta orçamentária destinada a política de atenção e prevenção à violência, assessorando o poder executivo municipal nos projetos e propostas de políticas de prevenção ao crime e recuperação de adolescentes criminalizados.

Zaqueu Catarino, relator do processo eleitoral, explica que o CISJUS é composto por titulares e suplentes, sendo 11 representantes de organizações da sociedade civil organizada e 1 representante do Poder legislativo, 1 representante do Poder Executivo, 1 representante da secretaria Municipal  de assistência social, 1 representante da secretaria Municipal de Cultura, desporto e lazer, 1 representante do Conselho tutelar , 1 representante do DMTU, 1 representante da policia civil, 1 representante da policia Militar, 1 representante do Poder Judiciário, 1 representante do Ministério Público Estadual.

Zaqueu detalha que após a nomeação realizada pelo chefe do Poder Executivo, o Conselho Interativo de Segurança Pública e Justiça de Jacundá CISJUS, reuniu- se para deliberar sobre a diretoria. Durante o processo eleitoral da mesa diretora foi eleito para presidente a servidora pública Cristiane Ferreira Aguiar Dias, represente da sociedade civil organizada (Primeira Igreja Batista de Jacundá), vice-presidente o Eduardo Valmini, representante governamental (Departamento Municipal de Trânsito Urbano) e secretário-geral vereador Daniel Siqueira, Representante de órgão governamental (Poder Legislativo).

“Este Colegiado tem o importante papel em parceria com a gestão municipal demais colaboradores, atuar enquanto órgão consultivo e deliberativo das atividades e programas referentes a promoção social de combate às drogas e política de enfrentamento a crimes, assaltos e da manutenção da ordem pública do município de Jacundá, bem como coordenar à elaboração, a revisão e o acompanhamento da execução do plano Municipal voltado ao combate à violência em nosso município em consonância com o Poder Legislativo”.

A criação e instalação do conselho é uma “luta da sociedade  civil  organizada  em parceria com o pode legislativo e deu origem a lei municipal n 2.514/2011, de 03 de Maio de 2011. Durante todo esse período a lei municipal não foi colocada em prática, motivo pelo qual  algumas lideranças da sociedade civil organizada (Zaqueu Catarino da igreja católica, Vera Lúcia do Sindicato dos trabalhadores rurais, José Maria do banco do Brasil e outros  representantes se mobilizaram e com apoio do Ministério Público Estadual a regulamentação da lei.

Marabá

DMTU inicia campanha para salvar vidas nos dias de festa de final de ano

A ação, em parceria com os Desbravadores, objetiva evitar que as pessoas dirijam alcoolizadas e percam a vida em acidentes
Continua depois da publicidade

Por Eleutério Gomes – de Marabá

O Departamento Municipal de Trânsito e Transporte Urbano (DMTU) de Marabá iniciou na manhã desta sexta-feira (22), nos três núcleos urbanos, a Campanha de Final de Ano, cujo objetivo é conscientizar para salvar vidas. Encabeçada pelo Coordenador de Educação de Trânsito do órgão, Rogério Matias, a ação educativa tem parceria com os Desbravadores, grupo de escotismo da Igreja Adventista do 7º Dia, e a participação dos agentes de trânsito.

“Este é um período complicado, conturbado, no qual os hospitais até se preparam com bolsas de sangue”, afirma Rogério, “mas essa preparação nem deveria haver porque a prevenção é o melhor remédio”.

Ele chama atenção para o fato de que tanto no Natal quanto no Ano Novo, o trânsito fica muito intenso após a meia-noite, quando o condutor sai de casa para visitar parentes e amigos e comprar mais bebida, após já ter ingerido álcool. “A partir daí, começa a ocorrer uma série de acidentes. No dia seguinte, a gente vai observar os números e, muitas vezes, eles são trágicos”, salienta.

Mito

Matias recorre às famílias desses condutores, lembrando que, para muitas, as noites do dia 24 e 25, que deveriam ser de alegria, se tornam datas trágicas: “E, por isso, nós apelamos: ‘se beber, não dirija’”, reforça ele, aconselhando que a pessoa passe o volante para outra que não esteja alcoolizada ou para um amigo que não bebe.

O coordenador também desmitifica a afirmação corriqueira entre pessoas que dirigem alcoolizadas, de que o condutor nesse estado dirige melhor: “Isso não existe, nenhuma estatística mostra isso”. Desmente ainda outra afirmação errônea, de que algumas pessoas morrem em acidentes porque não conseguiram se desvencilhar do cinto de segurança.

“Isso é uma exceção, mas tem gente que se aproveita dessas estatísticas de exceção para não usar o cinto. A regra é ‘o cinto salva’, a regra é ‘tem de andar dentro da velocidade permitida por lei’. Isso salva vidas, não beber antes de dirigir salva vidas. Então cuide de si, cuide do seu próximo, não permita que seu familiar saia de carro ou moto após ter ingerido bebida alcoólica”, apela Matias.

Menores

Ele alerta ainda para outro fato que pode terminar em tragédia: “Não entregue um veículo para menor de idade, isso não deve acontecer. Aqui em Marabá acontece uma coisa muito errada: geralmente, quando uma moça faz 15 anos, o pai pergunta se ela quer uma festa ou uma moto; isso é absolutamente ilegal. Não é maior de idade, não tem habilitação, não está apto a dirigir”, adverte.

Indagado pelo Blog se a mudança no Código de Trânsito Brasileiro, em relação ao maior rigor na punição para quem dirige alcoolizado, pode diminuir o número de acidentes, sobretudo em dias de festa e nos fins de semana, Matias disse que, certamente, isso vai acontecer, mas destacou que a educação no trânsito também é muito importante.

“O rigor da lei contribui muito, mas, em verdade, o que nós deveríamos ter – e temos de trabalhar para que isso aconteça agora – é uma sociedade educada. Nós não tivemos educação para o trânsito”, observa, inclusive, em relação a quem argumenta ter tirado a habilitação seguindo todas as instruções e os trâmites legais. “Isso faz a diferença? Faz, mas faz muito mais diferença a educação para o trânsito”.

“Wolverine”

Matias defende, inclusive, a ideia de que a educação para o trânsito deva ser incluída na grade curricular das escolas.
“Imagine como seria hoje se há 20 anos isso fosse matéria nas salas de aula?”, indaga, afirmando que essa é uma luta abraçada por quem trabalha com trânsito.

“Uma geração educada é totalmente diferente. Hoje lidamos com uma geração que não teve esse tipo de educação. Um condutor do tipo ‘Wolverine’ que, diante de qualquer abordagem, mostra as garras e pergunta ‘você sabe com quem está falando?’, ‘sabe de quem eu sou filho?’. Então, nós esperamos que o futuro seja melhor”, afirma Matias, citando “números de guerra”: mais de 60 mil pessoas morrendo no trânsito a cada ano e gerando prejuízos, com transporte, internação e previdência social, que chegam a R$ 52 bilhões anualmente no país.

A ação, que começou na Via Principal 8, à altura da Folha 27, Nova Marabá, seguiu na Cidade Pioneira, Bairro Liberdade e Bairro da Paz. Na próxima semana, reinicia nos demais núcleos da cidade.

Caio Rodrigues, um dos seis voluntários dos Desbravadores, afirma que é muito importante esse tipo de conscientização, a fim de evitar mortes no trânsito, e diz que os escoteiros sempre participam de campanhas cujo objetivo “é salvar vidas, como Outubro Rosa e Novembro Azul, entre outras’.

Verão

Secretaria de Segurança de Marabá divulga balanço da Operação Verão 2017. WhatsApp foi responsável por quase 70% dos acidentes em julho

Os resultados, considerados satisfatórios, foram frutos da integração entre DMTU, Guarda Municipal, Agentes Patrimoniais, PM, Policia Civil, PRF e Bombeiros
Continua depois da publicidade

Por Eleutério Gomes – de Marabá

A Secretaria Municipal de Segurança Institucional (SMSI) de Marabá divulgou, na manhã desta segunda-feira (21), os números da Operação Verão 2017, da qual participaram, além da Guarda Municipal, agentes do Departamento Municipal de Trânsito e Transporte Urbano e Agentes Patrimoniais, as polícias Militar, Civil e Rodoviária Federal e o Corpo de Bombeiros Militar. Um dado, porém, chamou atenção: 67,4% dos acidentes registrados foram causados por condutores que enquanto dirigiam trocavam mensagens no aplicativo WhatsApp.

De acordo com o inspetor Jocenilson Silva Souza, diretor do DMTU (Departamento Municipal de Trânsito e Transporte Urbano), essa infração é corriqueira, porém, considerada “gravíssima”, pelo Código de Trânsito Brasileiro (CTB), podendo subtrair do bolso do condutor R$ 293,00 de multa e somar sete pontos no prontuário da CNH (Carteira Nacional de Habilitação) dele. Ainda segundo os relatórios divulgados pela SMSI, em julho de 2016 os acidentes de trânsito somaram 27, já em 2017, devido ao trabalho de Educação de Trânsito e às blitzes preventivas realizadas durante o mês das férias, esse número caiu para 12 (55,6%).

Quanto às abordagens, por parte dos agentes do DMTU, foram 668, com 245 autuações por infrações de trânsito e 113 veículos removidos para o parque de retenção do órgão.

Além do WhatsApp, as demais causas de acidentes foram distância de segmento [distância entre a dianteira do veículo e a traseira do outro à frente] (24,7%), desobediência à sinalização  (2,25%), ultrapassagem indevida (3,4%), ingestão de álcool (1,12%) e outras (1,12%).

A área da cidade em que mais aconteceram acidentes foi o Núcleo Nova Marabá (49,4%), seguido do Núcleo Cidade Nova (41,5%), Velha Marabá (7,9%) e Bairro São Félix (1,12%).

A frota de automotores de Marabá atualmente é de 107 mil veículos, mas, diariamente, circulam pelas vias da cidade mais de 140 mil, se somados os 35 mil de outros municípios cujos condutores ou proprietários vêm a Marabá a trabalho, estudos, consultas médicas, compras ou comparecimento em órgãos estaduais ou federais com sede regional aqui.

A Guarda Municipal, por meio de seu comandante, o inspetor Roberto Lemos Dias, informou que em julho passado aconteceram 11 operações em praças, apreensão de 25 quilos de entorpecentes, um revólver calibre 32 e duas munições e uma imitação de arma de fogo, três prisões por tráfico de entorpecentes, uma prisão por assalto, 210 buscas pessoais e revistas em veículos, seis prisões, duas por porte ilegal de arma de fogo e uma por alcoolemia, um menor apreendido, um caso de furto na praia, um caso de estelionato e uma falsa comunicação de crime.

Ainda de acordo com Lemos, a Guarda Municipal recuperou dois veículos que haviam sido roubados, vistoriou 800 bagagens nos terminais “Pedro Marinho de Oliveira”, na Folha 32, e Miguel Pernambuco”, no Bairro Quilômetro Seis, e na Estação da Estrada de Ferro Carajás. Nesses locais ocorreram ainda 250 abordagens a pessoas e 170 veículos foram abordados nas áreas de embarque. Para o secretário municipal de Segurança Institucional, o inspetor Jair Barata Guimarães, o resultado da operação integrada foi muito satisfatório, na medida em que a diminuição do número de acidentes liberou mais leitos nos hospitais da cidade e fez menos vítimas. “Além dessa redução de vítimas nos hospitais, tivemos uma diminuição do número de crimes cometidos com motocicletas uma vez que foram apreendidos 130 desses veículos”, comemora Jair.

Ainda segundo ele, isso traz mais sensação de segurança à população, já que há quase oito meses a SMSI, por meio dos seus órgãos vem passando por completa reestruturação, com  Guarda Municipal, Agentes Patrimoniais e DMTU em prédios próprios e adequados, assim como uniformes novos, coletes e viaturas circulando, além de 10, das 45 câmeras de vigilância que estavam com defeito, recuperadas.