Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Canaã dos Carajás

Processo Seletivo é anunciado pela Prefeitura de Canaã dos Carajás

Processo Seletivo é para Assistente de Alfabetização Voluntário.

A Prefeitura Municipal de Canaã dos Carajás – PA torna público Processo Seletivo para Assistente de Alfabetização Voluntário.

Os aprovados de nível superior e magistério de nível médio serão lotados em unidades escolares vulneráveis ou não vulneráveis, com carga horária de 5h ou 10h, e remuneração no valor de R$ 150,00 ou R$ 300,00, podendo o voluntário assistir o máximo de 4 ou 8 turmas por semana.

Inscrições devem ser realizadas na sede de cada unidade escolar municipal cadastrada no Programa Mais Alfabetização, até o dia 27 de abril de 2018, das 8h às 16h.

Esta seleção compreenderá Análise de Currículo e Entrevista Situacional.

Para obter mais informações, consulte o edital disponível aqui.

Educação

Artigo: Os professores – Valter Hugo Mãe

“Um país que não se ocupa com a delicada tarefa de educar, não serve para nada. Está a suicidar-se. Odeia e odeia-se.”

Achei por muito tempo que ia ser professor. Tinha pensado em livros a vida inteira, era-me imperiosa a dedicação a aprender e não guardava dúvidas acerca da importância de ensinar. Lembrava-me de alguns professores como se fossem família ou amores proibidos. Tive uma professora tão bonita e simpática que me serviu de padrão de felicidade absoluta ao menos entre os meus treze e os quinze anos de idade.

A escola, como mundo completo, podia ser esse lugar perfeito de liberdade intelectual, de liberdade superior, onde cada indivíduo se vota a encontrar o seu mais genuíno, honesto, caminho. Os professores são quem ainda pode, por delicado e precioso ofício, tornar-se o caminho das pedras na porcaria do mundo em que o mundo se tem vindo a tornar.

Nunca tive exatamente de ensinar ninguém. Orientei uns cursos breves, a muito custo, e tento explicar umas clarividências ao cão que tenho há umas semanas. Sinto-me sempre mais afetivo do que efetivo na passagem do testemunho. Quero muito que o Freud, o meu cão, entenda que estabeleço regras para que tenhamos uma vida melhor, mas não suporto a tristeza dele quando lhe ralho ou o fecho meia hora na marquise. Sei perfeitamente que não tenho pedagogia, não estudei didática, não sou senão um tipo intuitivo e atabalhoado. Mas sei, e disso não tenho dúvida, que há quem saiba transmitir conhecimentos e que transmitir conhecimentos é como criar de novo aquele que os recebe.

Os alunos nascem diante dos professores, uma e outra vez. Surgem de dentro de si mesmos a partir do entusiasmo e das palavras dos professores que os transformam em melhores versões. Quantas vezes me senti outro depois de uma aula brilhante. Punha-me a caminho de casa como se tivesses crescido um palmo inteiro durante cinquenta minutos. Como se fosse muito mais gente. Cheio de um orgulho comovido por haver tantos assuntos incríveis para se discutir e por merecer que alguém os discutisse comigo.

Houve um dia, numa aula de história do sétimo ano, em que falamos das estátuas da Roma antiga. Respondi à professora, uma gorduchinha toda contente e que me deixava contente também, que eram os olhos que induziam a sensação de vida às figuras de pedra. A senhora regozijou. Disse que eu estava muito certo. Iluminei-me todo, não por ter sido o mais rápido a descortinar aquela solução, mas porque tínhamos visto imagens das estátuas mais deslumbrantes do mundo e eu estava esmagado de beleza. Quando me elogiou a resposta, a minha professora contente apenas me premiou a maravilha que era, na verdade, a capacidade de induzir maravilha que ela própria tinha. Estávamos, naquela sala de aula, ao menos nós os dois, felizes. Profundamente felizes.

Talvez estas coisas só tenham uma importância nostálgica do tempo da meninice, mas é verdade que quando estive em Florença me doíam os olhos diante das estátuas que vira em reproduções no sétimo ano da escola. E o meu coração galopava como se tivesse a cumprir uma sedução antiga, um amor que começara muito antigamente, se não inteiramente criado por uma professora, sem dúvida que potenciado e acarinhado por uma professora. Todo o amor que nos oferecem ou potenciam é a mais preciosa dádiva possível.

Dá-me isto agora porque me ando a convencer de que temos um governo que odeia o seu próprio povo. E porque me parece que perseguir e tomar os professores como má gente é destruir a nossa própria casa. Os professores são extensões óbvias dos pais, dos encarregados pela educação de algum miúdo, e massacrá-los é como pedir que não sejam capazes de cuidar da maravilha que é a meninice dos nossos miúdos, que é pior do que nos arrancarem telhas da casa, é pior do que perder a casa, é pior do que comer apenas sopa todos os dias.

Estragar os nossos miúdos é o fim do mundo. Estragar os professores, e as escolas, que são fundamentais para melhorarem os nossos miúdos, é o fim do mundo. Nas escolas reside a esperança toda de que, um dia, o mundo seja um condomínio de gente bem formada, apaziguada com a sua condição mortal mas esforçada para se transcender no alcance da felicidade. E a felicidade, disso já sabemos todos, não é individual. É obrigatoriamente uma conquista para um coletivo. Porque sozinhos por natureza andam os destituídos de afeto.

As escolas não podem ser transformadas em lugares de guerra. Os professores não podem ser reduzidos a burocratas e não são elásticos. Não é indiferente ensinar vinte ou trinta pessoas ao mesmo tempo. Os alunos não podem abdicar da maravilha nem do entusiasmo do conhecimento. E um país que forma os seus cidadãos e depois os exporta sem piedade e por qualquer preço é um país que enlouqueceu. Um país que não se ocupa com a delicada tarefa de educar, não serve para nada. Está a suicidar-se. Odeia e odeia-se.

Valter Hugo Mãe – Valter Hugo Mãe é o nome artístico do escritor português Valter Hugo Lemos. Além de escritor é editor, artista plástico, apresentador de televisão e cantor. Em 2007 atingiu o reconhecimento público com a atribuição do Prêmio Literário José Saramago, durante a entrega do qual o próprio José Saramago considerou o romance O remorso de baltazar serapião um verdadeiro tsunami literário.

Parauapebas

Ação conjunta poderá trazer residência médica a Parauapebas

Discussões sobre a vinda da Universidade Estadual do Pará para o município continuam

Após ter dado celeridade à assinatura do convênio entre a Prefeitura de Parauapebas, empresa Vale e Universidade Estadual do Pará (Uepa), parado há anos, o presidente da Câmara Municipal, vereador Elias da Construforte (PSB), o prefeito Darci Lermen (MDB), o secretário Municipal de Educação, Raimundo Neto, e outros representantes dos poderes Legislativo e Executivo, estiveram em Belém, na tarde desta quarta-feira (21), reunidos com o professor Rubens Cardoso, reitor da UEPA, para tratarem sobre os cursos que serão ministrados em Parauapebas.

O objetivo principal foi a criação de um grupo de trabalho, formado por representantes da Secretaria Municipal de Educação, Secretaria Municipal de Saúde e da Câmara Municipal, que deverá avaliar as áreas acadêmicas necessitadas de otimização no município, além de elencar os cursos já existentes, para que as opções de ensino superior sejam ampliadas. “Queremos avaliar os cursos já disponíveis aqui para que possamos ofertar outros,” explicou o presidente da Casa de Leis.

Elias da Construforte afirmou ainda que, a médio prazo, o objetivo da gestão é transformar Parauapebas em um polo universitário, referência na região. Para isso, o prefeito Darci está empenhado na imediata construção do campus, em área já disponibilizada, com obra já licitada.

Residência médica

No topo da lista dos estudantes universitários, estão as áreas de saúde, mas, enquanto esses cursos não chegam ao município, muitos jovens vão para outras cidades e estados para estudar. Alguns destes retornam sem residência, e os que a fazem em outras localidades, muitas vezes não retornam à Parauapebas.

Essa realidade, no entanto, logo mudará, uma vez que, um dos acordos firmados pela parceria do município com a Universidade Estadual do Pará, prevê a disponibilização de residências em Clínica Médica, Cirurgia Geral e Pediatria.

CEUP

Foi discutida a possibilidade de disponibilização de alguns cursos da universidade já no ano que vem, sendo eles ministrados no Centro Universitário de Parauapebas (CEUP), enquanto o campus da UEPA não fica pronto, como já ocorre com alguns da Universidade Federal do Pará.

A alternativa será estudada pelo professor Rubens Cardoso, junto ao seu corpo docente, mas ele garantiu uma resposta à gestão municipal o quanto antes.

“Nosso objetivo é que, ainda este ano, ocorra um vestibular e que, em 2019, muitos jovens possam ingressar numa universidade pública de qualidade, garantindo oportunidade de qualificação superior para todos,” almeja Elias, que avaliou positivamente os resultados alcançados nesta primeira empreitada.

Marabá

Concurso para professor do Estado tem 177 vagas para Marabá e região

Governo do Pará lançou nesta terça-feira edital com 2.112 vagas para 12 disciplinas; Matemática tem a maior quantidade de oportunidades com salário que pode chegar a R$ 4.500,00

A Secretaria de Estado de Administração (Sead) e a Secretaria de Estado de Educação (Seduc) do Pará divulgaram nesta terça-feira, 20, realização de concurso público para provimento de cargos efetivos da carreira de Magistério da Educação Básica da rede pública de ensino.

São 2.112 vagas para o cargo de professor Classe I, Nível A. As inscrições serão feitas exclusivamente via internet a partir do dia 26 de março até o dia 2 de maio, no site www.consulplan.net.

Os docentes irão ministrar aulas nas disciplinas: Artes, Biologia, Educação Física, Filosofia, Física, Geografia, História, Inglês, Português, Matemática, Química e Sociologia. As provas serão aplicadas em 20 municípios paraenses.

A Região Metropolitana de Belém, com sete municípios, ficou com a maior quantidade de vagas: 669 no total, sendo 276 para matemática e 206 para Língua Portuguesa. A segunda Unidade Regional de Ensino (URE) mais bem aquinhoada com vagas é a de Marabá, que abrange 17 municípios da região sudeste. Das 177 vagas ofertadas para esta região, 50 são para matemática, 38 para Língua Portuguesa, 18 para Inglês, 15 para História, 12 para Filosofia, 10 para Sociologia, 9 para Geografia, 7 para Química, 6 para Física, 2 para Biologia, 2 para Educação Física. Do total, 13 vagas são destinadas a portadores de necessidades especiais.

Os municípios que compõem a URE de Marabá são Marabá, Parauapebas, Abel Figueiredo, Bom Jesus do Tocantins, Brejo Grande do Araguaia, Canaã dos Carajás, Curionópolis, Eldorado do Carajás, Itupiranga, Jacundá, Nova Ipixuna, Palestina do Pará, Piçarra, Rondon do Pará, São Domingos do Araguaia, São Geraldo do Araguaia e São João do Araguaia.

A remuneração é constituída de vencimento base que varia entre R$ 963,81 (novecentos e sessenta e três reais e oitenta e um centavos) para o cargo de Professor, Classe I, Nível A, 20 horas;  1.445, 89 (mil quatrocentos e quarenta e cinco reais e oitenta e nove centavos) para o cargo de Professor, Classe I, Nível A 30 horas; e R$ 1.927,37 (um mil, novecentos e vinte e sete reais e trinta e sete centavos) para cargo de Professor, Classe I, Nível A, 40 horas; ambos acrescidos de 80% de Gratificação de Escolaridade e 10% de Gratificação de Magistério, além de Auxílio Alimentação no valor de R$ 525,50. Com as gratificações, o salário pode chegar a mais de R$ 4.500,00.

As Provas serão realizadas nos municípios de Abaetetuba, Altamira, Bragança, Breves, Belém, Cametá, Capanema, Capitão Poço, Castanhal, Conceição do Araguaia, Itaituba, Mãe do Rio, Marabá, Maracanã, Monte Alegre, Óbidos, Santa Izabel, Santarém, Soure e Tucuruí, no Estado do Pará.

Com informações da Agência Pará
Ensino Superior

Unifesspa clama por R$ 9,5 milhões para concluir maior obra da educação do Pará

Obra está 73% concluída e caso os recursos sejam liberados ela poderá ser finalizada ainda este ano. Com área total de 13.603 m², o prédio vai contar com 64 salas

A Unifesspa possui uma das maiores obras de construção civil em andamento no sul e sudeste do Pará, sendo considerada a mais importante para a educação em curso no Estado. Trata-se de um prédio de cinco pavimentos que terá capacidade para atender mais de 1.500 alunos de graduação e pós-graduação, além de contar com espaços administrativos e o centro de atendimento ao servidor.

Para garantir a continuidade e conclusão da obra, ainda este ano, o reitor da Unifesspa protocolou ofícios no Ministério da Educação solicitando a descentralização de recursos no valor de R$ 9,5 milhões. Na manhã desta quinta-feira (22), Maurílio Monteiro foi recebido pelo secretário adjunto de Educação Superior, Mauro Luiz Rabelo e pelo coordenador-geral de Planejamento e Orçamento das Instituições Federais de Ensino, Weber Gomes de Souza, no Ministério da Educação, ocasião em que apresentou também a necessidade de liberação de recursos para custeio da Unifesspa.

Nos documentos apresentados ao MEC, a Unifesspa solicita liberação de Termos de Execução Descentralizada (TEDs) no valor de R$ 3 milhões de orçamento de custeio, oriundo da ação Reestruturação e Expansão de Instituições Federais de Ensino Superior – Nacional, que concentra orçamento destinado às Instituições Federais de Ensino Superior. Os recursos de custeio solicitados são para o cumprimento de obrigações com despesas em contratos de serviço de vigilância, fornecimento de energia elétrica e contrato de serviços de limpeza e conservação da Unifesspa.

O dirigente da Unifesspa justifica a necessidade de descentralização de recursos pela drástica redução do orçamento ao longo dos últimos anos, mesmo período em que a Unifesspa registra aumentos significativos no número de estudantes e ampliação da área física, aspectos próprios de uma universidade recém-criada, em processo de consolidação.

“É notório que a regressão do orçamento de custeio entre 2015 e 2018 (-6,44%) tem agravado sobremaneira os impactos oriundos da ampliação do número de alunos e da área física, de 49,09% e 191,72%, respectivamente”, destaca o ofício 026/2018, da Unifesspa encaminhado ao MEC. Os gestores do Ministério receberam a demanda apresentada pela Unifesspa e comprometeram-se a analisar o pleito.

Apoio da bancada paraense

Os parlamentares que integram a bancada federal paraense também manifestaram apoio aos pleitos da Unifesspa. Numa articulação política encabeçada pelos senadores Paulo Rocha e Flexa Ribeiro, será entregue ao MEC um ofício da bancada federal manifestando pleno apoio ao pedido de liberação de recursos de investimento para a conclusão do prédio multiuso de cinco pavimentos da Cidade Universitária do Campus de Marabá, além de descentralização de custeio no valor de R$ 3 milhões para a Unifesspa.

No documento, os parlamentares destacam a importância da obra para o processo de implantação e consolidação da Universidade. “O atendimento ao pleito da Unifesspa reveste-se de suma importância, uma vez que a falta dos recursos solicitados ensejará completa paralisação da obra, trazendo sérias consequências ao processo de implantação da Universidade”, destacam os parlamentares em um trecho do ofício.

A obra está 73% concluída e caso os recursos sejam liberados ela poderá ser finalizada ainda este ano. Com área total de 13.603 m², o prédio vai contar com 64 salas, laboratórios de ensino e áreas de convivências para o funcionamento dos cursos de Agronomia, Ciências Econômicas, Saúde Coletiva, Ciências Biológicas, Psicologia, as Licenciaturas em Matemática, Física, Química e Ciências Naturais, cursos de Pós-Graduação em quatro áreas do conhecimento, abrigando também o Centro de Saúde do Servidor.

Curionópolis

Professores da Rede Pública de Curionópolis recebem bônus de R$5.000,00

Bônus representa valorização dos servidores por parte da gestão municipal

Todos os professores da rede pública municipal de ensino recebem, nesta quinta-feira (28), um bônus especial de R$ 5.000,00. Esta é mais uma demonstração de valorização dos servidores por parte da gestão municipal, que coroa um ano de muitos avanços e melhorias na Educação Pública de Curionópolis, graças aos investimentos realizados pela Prefeitura.

“A palavra que define todas as melhorias na Educação de Curionópolis em 2017 é gratidão! Sabemos que não há como consertar falhas passadas em um passe de mágica, mas tivemos avanços maravilhosos! Em primeiro lugar, para os professores, destaco o salário, que dobrou. Uma maravilha!”, compartilhou a pedagoga Antônia Oliveira da Silva, que é concursada na rede desde 2005.

“Firmamos um compromisso na campanha de investir pesado na Educação e valorizar os professores, que tem um papel fundamental no desenvolvimento da nossa sociedade. Desde que assumimos a gestão do município temos nos empenhado em cumprir esse compromisso”, destacou o prefeito, Adonei Aguiar.

Melhorias na Educação

Em janeiro o governo pagou 1/6 de férias, algo histórico no município. Também foi pago o valor da pós-graduação dos professores concursados de 2015, referente ao ano vigente.

Ainda sobre a remuneração dos professores, foi pago o triênio dos concursados de 2005 e cumprido o Piso Nacional dos Professores, o que não acontecia desde 2005 em Curionópolis; também foi agregado ainda o pagamento de 27% da hora-atividade, tudo isso resultou em um salário mais digno para os professores. Outro ganho para os servidores foi o pagamento do salário dentro do mês vigente, isso não ocorria nos anos anteriores.

Nos aspectos pedagógicos houve avanços significativos também com a retomada das formações pedagógicas para professores da Educação Infantil e Ensino Fundamental, implantação do conselho de classes dentro do calendário letivo e o desenvolvimento do Programa Educacional de Resistência às Drogas (PROERD), em parceria com o governo estadual, por meio da Polícia Militar.

Além disso, foram adquiridos para o município seis novos ônibus escolares, para melhorar o transporte dos alunos, um deles destinados a atender o transporte de alunos que fazem faculdade em Parauapebas. Foi criada a Lei do Sistema de Educação, melhorada a qualidade da merenda escolar, compradas duas mil novas carteiras escolares, contemplando toda a rede, assim como mesas e cadeiras novas para os professores trabalharem com mais dignidade.

E não apenas a rede municipal foi beneficiada, a gestão do prefeito Adonei Aguiar tem trabalhado também por melhorias na rede estadual, que atende os alunos do Ensino Médio. Por meio de convênios, foi possível disponibilizar servidores municipais para apoio na limpeza das escolas estaduais e a merenda escolar.

Além disso, a gestão municipal tem atuado fortemente para que seja concluída a construção da Escola Estadual de Serra Pelada e implantado na localidade o Ensino Regular, em substituição ao Ensino Modular.

E as melhorias irão continuar em 2018, com a implantação dos Programas Mais Educação, Programa Segundo Tempo e Programa de Esporte e Lazer da Cidade (PELC), em parceria com o governo federal, que possibilitará aos alunos ficarem mais tempo na escola para a prática de atividades esportivas. Todos esses programas já foram aprovados junto ao governo federal, neste ano.

Fonte: Assessoria de Comunicação de Curionópolis

Marabá

Câmara Municipal de Marabá aprova fim das eleições diretas para diretor de escola

Sessão extraordinária ocorreu com tranquilidade, mas o resultado foi considerado pelos professores um retrocesso na educação e na política

Por Eleutério Gomes – de Marabá

Por dezesseis votos a três, a Câmara Municipal de Marabá (CMM) aprovou, em segundo turno, na tarde desta terça-feira (26), em sessão extraordinária, o Projeto 68/2017, de autoria do Executivo, que altera o Inciso VI do Artigo 253 da Lei Orgânica Municipal (LOM) e revoga as Lei Municipal 17.691/2015. Assim, a escolha de diretores de escolas municipais, que desde 2014 era feita por eleições diretas, envolvendo a comunidade escolar, volta a ser feita por indicação do prefeito. Ou seja, não haverá mais eleições diretas para diretor nem vice na rede municipal.

A escolha feita pelos alunos, professores e pais de alunos foi instituída no governo do então prefeito João Salame (PMDB), por meio da Lei 17.609/2013, aperfeiçoada pela Lei 17.691/2015, com base no Artigo 253 da LOM, na Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB) e na Constituição Federal de 1988.

Porém, para derrubar as eleições, o Executivo, por meio da Procuradoria Geral do Município (Progem), argumentou que as leis de 2013 e 2015 são inconstitucionais. Para tal, ele se baseou em decisão da justiça que acabou com as eleições diretas para diretor no município do Rio de Janeiro (RJ), consideradas inconstitucionais.

Votaram pelo fim das eleições diretas os vereadores Pedro Correa Lima (PTB), Cristina Mutran (PMDB), Pastor Ronisteu (PTB), Márcio do São Félix (PSDB), Nonato Dourado (PMDB), Gilson Dias (PC do B), Beto Miranda (PSDB), Edinaldo Machado (PSC), Mariozan Quintão (PPS), Tiago Koch (PMDB), Cabo Rodrigo (PRB), Badeco do Gerson (PTN), Irmão Morivaldo (PSC), Frank da 28 (PSB), Miguel Gomes Filho (PPS) e Ray Athie (PC do B).

Contra-argumentos

Os vereadores Irismar Melo (PR), Ilker Moraes (PHS), Marcelo Alves (PT), que votaram contra o fim da eleição para diretor, e o Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública no Pará (Sintepp) afirmam que o argumento do Executivo Municipal não é válido, uma vez que, no Rio, a lei caiu por que deveria ter sido proposta pelo governo municipal, mas o projeto foi de um vereador. E, em Marabá, foi diferente, foi o Executivo, em 2013, que criou as eleições. Portanto, não seriam ilegítimas.

Para Joyce Cordeiro Rebelo, coordenadora da subsede do Sintepp em Marabá, “é um absurdo, um retrocesso político e para a Educação”. “Eles votaram de forma rápida, sem nenhum debate, dizendo que já debateram nas comissões. Na semana passada não liberaram a tribuna para o Sintepp, alegando que nos dariam voz quando fosse acontecer a votação do projeto do fim da eleição direta. Hoje esse projeto foi votado e aprovado e o Sintepp não
teve a oportunidade de se pronunciar”, desabafou ela.

Joyce conta que agora o Sintepp vai buscar os pareceres das comissões pelas quais o projeto do Executivo teria de passar e, caso não tenha passado por essas comissões, se articular com os três vereadores de oposição para que eles peçam a anulação da sessão de hoje. Quanto à jurisprudência que serviu de argumento para o Executivo, o sindicato promete entrar na justiça para derrubar essa justificativa e, consequentemente, o projeto que foi aprovado. “[Os vereadores] já estão com uma lista de diretores para serem nomeados”, afirmou ela.

Voz destoante

Ouvido pelo Blog, Luiz Gonzaga Oliveira de Almeida, filiado ao PC do B, partido que lutou pelas eleições diretas nas escolas em 2013, e diretor eleito de uma escola municipal, disse ser contra o fim das eleições diretas, mas afirma entender os motivos Executivo.

Segundo ele, muitos diretores eleitos em 2014 e 2016 não souberam administrar as vantagens que a democratização da Educação proporcionou. Gonzaga afirma que grande parte dos diretores “se acham donos da escola porque foram eleitos”, não se preocupam em promover melhorias no ensino e negligenciam na direção das escolas: “A Educação não evoluiu em Marabá; não houve o trabalho que se esperava com a eleição dos diretores”.

Outros, ainda de acordo com Luiz, criaram grupos políticos nas escolas e passaram a hostilizar colegas do grupo que saiu derrotado na eleição. “Além disso, eles não respeitam a hierarquia. Não respeitam o Secretário de Educação, não respeitam o prefeito, não respeitam ninguém”, afirmou ele.

Educação

UNAMA está com as inscrições abertas para mestrado e doutorado

Editais são para os programas de Administração; Comunicação, Linguagens e Cultura; Desenvolvimento e Meio Ambiente Urbano e Direitos Fundamentais

Estão abertas as inscrições de processos seletivos para turmas de 2018 dos Programas de Mestrado e Doutorado em Administração; Comunicação, Linguagens e Cultura; e Desenvolvimento e Meio Ambiente Urbano da Universidade da Amazônia (UNAMA). Os editais estão disponíveis no site da instituição.

As inscrições podem ser realizadas no site da universidade até o dia 8 de janeiro de 2018, de 14h às 21h, ou nas secretarias dos programas. A exceção é o programa de Administração, que segue com inscrições até dia 29 de dezembro. As etapas são compostas por prova discursiva, análise de projeto de dissertação ou tese, entrevista e análise de currículo.

De acordo com a Pró-Reitora de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão da UNAMA, Dra. Ana Vasconcellos, a universidade segue rigorosamente as orientações da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), fundação do Ministério da Educação (MEC), para o processo seletivo. “Os cursos de mestrado e doutorado têm por objetivo formar recursos humanos em alto nível para atuar em pesquisa, ensino, desenvolvimento científico e tecnológico e, ainda, no campo de trabalho onde se exige cada vez mais profissionais capazes de responder a problemas práticos complexos”, afirma.