Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Marabá

Enforcamento no cárcere desafia a polícia em Marabá

Corpo de presidiário foi encontrado na manhã desta segunda-feira com sinais de enforcamento, mas polícia vai investigar se foi suicídio ou homicídio
Continua depois da publicidade

Na manhã desta segunda-feira, dia 9 de julho, a equipe de homicídios da Delegacia de Marabá foi acionada para atender um caso de possível suicídio no CTM (Centro de Triagem Masculino) que funciona na Folha 31, ao lado da própria delegacia.

A vítima é Iago Teixeira Araújo e a morte teria ocorrido por volta das 6 horas da manhã, em um banheiro no interior da cela. “Vamos investigar, porque um suicídio dentro de uma unidade prisional envolve sempre suspeita de possível homicídio e precisamos esclarecer esse caso. Mas geralmente, na cadeia, o preso se suicida no banheiro, onde há uma cortina e os demais presos não têm acesso para impedir o enforcamento”, diz o delegado Ivan Gomes da Silva, da equipe de Homicídio, o qual lembrou que sempre há discussões entre facções rivais no presídio e que, por isso, a hipótese de homicídio não pode ser descartada no primeiro momento.

Serão ouvidos todos os presos que estavam na mesma cela, assim como os agentes prisionais de plantão e outros servidores que estavam de plantão no CTM.

OUTRO CASO

Na última sexta-feira, dia 6, ocorreu outro caso de suicídio na Folha 6, Nova Marabá. Francisco Pereira tinha um histórico de depressão e acabou dando cabo à própria vida, também por enforcamento.

No mesmo dia, uma ocorrência na Folha 17 mobilizou a equipe de homicídios da Delegacia de Marabá para começar a investigar o assassinato de Fernando Almeida dos Santos. Segundo o delegado Ivan Gomes da Silva, a princípio trata-se de um crime com motivações passionais. Ele não quis dar maiores esclarecimentos para não dificultar o trabalho de seus agentes.

Já no sábado, dia 7, o corpo de Jealisson Rodrigues Baldez foi encontrado na Avenida das Torres, entre os bairros Coca-Cola e Fanta, Nova Marabá. Esse crime é outro que lança desafios para a polícia, porque o corpo do rapaz foi encontrado em local ermo, não há testemunhas até agora. “Este será um caso difícil para apontar a autoria, porque a única coisa que se sabe é que na noite anterior os moradores da região ouviram dois tiros e só. Pedimos a quem tiver conhecimento desse caso, que ligue para o Disque Denúncia para ajudar a polícia a identificar e prender os autores deste homicídio”, clama o delegado Ivan.

Ulisses Pompeu – de Marabá

Preso acusado de estupro é encontrado morto em cela da Delegacia de Polícia de Parauapebas

Corpo de João Carlos Dias, 34 anos, garçom, foi encontrado enforcado na grade da cela de transição da 20ª Seccional de Parauapebas
Continua depois da publicidade

O garçom João Carlos Lima, 34 anos, foi preso em flagrante na tarde da segunda-feira (19) em sua residência acusado de, em companhia de um homem conhecido por “Salgado”, estuprar uma jovem em Parauapebas.  “Salgado não foi encontrado pela polícia.

Aparte os detalhes da prisão, efetuada pela Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher, João Carlos foi encontrado morto logo após seu recolhimento. O corpo do garçom estava pendurado por uma camisa presa às grades da cela de transição, onde o preso, sozinho, aguardava para passar por audiência de custódia.

De imediato, o IML foi acionado para periciar o local. Logo após, o corpo foi removido para o IML local onde aguarda a chegada dos familiares para os atos fúnebres. Segundo informações, o garçom não possuía parentes no município, mas foram localizados alguns no Estado de São Paulo.

Comunicada, a Corregedoria de Polícia Civil do Estado do Pará enviou agentes à Parauapebas para ouvir a equipe da Delegacia Especializada ao Atendimento a Mulher (DEAM) sobre as circunstâncias da morte de João Carlos.

O Auto de prisão em flagrante de João Carlos Lima foi remetido à 1ª Vara Criminal de Parauapebas na manhã desta terça-feira com pedido de inclusão de prioridade de tramitação.

O Blog não conseguiu contato com a direção da 20ª Seccional de Polícia Civil de Parauapebas para esclarecer os fatos.