Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Futebol

Paysandu e Remo derrotam São Raimundo e Independente, respectivamente, e estão na final do Parazão 2017

Bergson marcou três gols e garantiu o Papão na final. Já o Leão passou sufoco, mas venceu o Galo Elétrico nos pênaltis

Por Fábio Relvas

O Paysandu foi o primeiro finalista do Parazão 2017 ao vencer o São Raimundo, por 3 a 1, na noite do sábado (22/04), no estádio Olímpico Edgar Proença, o Mangueirão, em Belém. O atacante Bergson foi o nome do jogo marcando os três gols do Papão, aos 13 minutos do 1º tempo e aos 21 e 27 minutos do 2º tempo, enquanto que o meia Alexandre marcou o gol do Pantera aos seis minutos do 2º tempo. O Paysandu chega a duas finais em menos de uma semana, sendo finalista da Copa Verde e do Campeonato Paraense.

A partida: Paysandu 3 x 1 São Raimundo

A chuva que caiu na capital Belém afastou o público do estádio Mangueirão, que foi abaixo do esperado. Como a partida de ida terminou empatada em 0 a 0, em Santarém, ninguém estava com a vantagem para o jogo da volta e um novo empate levaria a decisão da vaga para os pênaltis. Nem bem começou o jogo e quase o São Raimundo chegou ao gol, após cruzamento da esquerda, a zaga do Paysandu não conseguiu cortar e a bola sobrou para Alexandre que sozinho chutou e acertou a trave do goleiro Emerson. Isso aos 20 segundos de partida.

O Papão deu o troco quando Alfredo recebeu lançamento na direita e chutou cruzado, o atacante Bergson chegou atrasado e não conseguiu completar para o gol. Aos 11 minutos, o Pantera reclamou de pênalti, quando a bola foi cruzada rasteira na área do Paysandu, mais uma vez a zaga não cortou e Alexandre foi derrubado dentro da área por Rodrigo Andrade e nada foi marcado. O time bicolor foi para o contra-ataque e chegou ao gol. Após cruzamento de Hayner pela esquerda, a bola caiu nos pés do atacante Bergson, que dominou e fuzilou para o fundo da meta do goleiro Roger Kath, aos 13 minutos, 1 a 0 Paysandu. Foi o sexto gol de Bergson, artilheiro isolado do Parazão.

Um minuto depois, o São Raimundo teve tudo para empatar o jogo, depois de um lance de ataque, a bola sobrou para Tiago que chutou e o zagueiro Perema salvou em cima da linha. O jogo era eletrizante no Mangueirão. Em outro lance do Pantera Santareno, Chaveirinho chutou cruzado da esquerda e Emerson defendeu bem. O Papão respondeu com Ayrton que tentou marcar colocado, mas Roger Kath atento espalmou para escanteio. Em jogada rápida pela direita, Erick Foca recebeu e de frente para o gol bicolor, chutou fraquinho em cima de Emerson. E o movimentado 1º tempo terminou com o a vitória parcial do Papão.

No 2º tempo o São Raimundo não tinha outra alternativa a não ser buscar o ataque para chegar a igualdade no placar. Logo aos seis minutos, Alexandre recebeu lançamento pelo meio e ficou sozinho com o goleiro Emerson, o meia teve calma e mandou para o fundo do gol, tudo igual no Mangueirão: 1 a 1. Festa da pequena torcida mocoronga que foi ao estádio. No lance seguinte, Alexandre teve mais uma chance para virar o jogo em favor do Pantera, mas de frente mandou a bola pela linha de fundo.

O Paysandu tentava reagir, mas não levava tanto perigo à meta adversária. Até que Bergson dominou na área e foi derrubado pelo zagueiro Vanderlan, pênalti para o Papão. O próprio Bergson cobrou no canto de Roger Kath e correu para o abraço, marcando o seu sétimo gol no Campeonato Paraense, aos 21 minutos, 2 a 1. Agora a festa era da Fiel Bicolor. O São Raimundo sentiu o gol e o Paysandu se aproveitou. Em um contra-ataque rápido, o lateral esquerdo Hayner fez um carnaval, driblando dois adversários e sofrendo pênalti de Leandrinho. Mais uma vez Bergson cobrou, o goleiro Roger Kath fez a defesa e na sobra o mesmo Bergson, o homem do jogo, mandou para o fundo da meta santarena, oitavo gol do atacante bicolor no Parazão, aos 27 minutos, 3 a 1.

O São Raimundo tentava chegar em bolas paradas, mas sem sucesso. Em lançamento no ataque bicolor, o goleiro Roger Kath saiu mal do gol e a bola sobrou para Leandro Carvalho, que tentou por cobertura e mandou pertinho da trave, seria o quarto gol do Papão. O Paysandu só administrou a boa vantagem e esperou o apito final para comemorar a vitória e a vaga na final do Parazão 2017. “Vou levar a bola pra casa, foi uma noite mágica pra mim e pela primeira vez como profissional marquei três gols em um jogo”, comemorou o atacante Bergson do Paysandu, artilheiro isolado do Parazão com oito gols marcados.

“Fico feliz em mais uma vez está trabalhando por uma equipe do interior e chegar entre os quatro melhores. O time foi muito melhor que o Paysandu no 1º tempo. No 2º tempo o time chegou ao empate, mas o primeiro pênalti foi um lance normal e o árbitro marcou. Ao nosso favor ele não marcou no 1º tempo um pênalti claro. Como se diz: dois pesos e duas medidas, foi o critério utilizado pelo árbitro”, desabafou o técnico Lecheva do São Raimundo.

O outro duelo da semifinal do Parazão 2017 ocorreu no domingo (23/04), entre Remo x Independente, partida também realizada no estádio Olímpico Edgar Proença, o Mangueirão, em Belém. Um jogo cheio de polêmicas pelo lado azulino, devido a uma declaração de Eduardo Ramos, meio campo do Leão, onde afirmou que jogaria até com uma perna e que a comissão técnica foi que não quis escalá-lo. Eduardo não teve sua lesão 100% cicatrizada, que é de grau dois no músculo posterior da coxa direita e segundo a diretoria remista, foi o departamento médico do clube o responsável em vetar o jogador.

Com um público tímido, a desconfiança da torcida do Remo era visível nas arquibancadas do Mangueirão, devido ao placar favorável para o Independente, onde venceu a partida de ida em Tucuruí, por 2 a 0. Antes da bola rolar o Fenômeno Azul gritava :“Eu acredito”. E parecia que estavam pressentindo a classificação, que ficou longe após o gol de Magno Ribeiro, aos 13 minutos, que marcou 1 a 0 para o Independente. O Remo só reagiu aos dois minutos do 2º tempo com o gol do zagueiro Igor João e chegou a virada e a vitória com dois gols relâmpagos, Tsunami aos 40 e João Victor aos 42 minutos do 2º tempo. Na decisão por pênaltis, o Leão Azul venceu, por 10 a 9, com Val Barreto marcando o último pênalti e garantindo o Remo na final do Parazão.

O jogo: Remo 3 x 1 Independente – Nos pênaltis: 10 a 9 Leão Azul

O Remo começou o jogo sufocando o Independente nos primeiros minutos. O árbitro Dewson Fernando Freitas da Silva, mostrou três cartões amarelos em cinco minutos de partida para o time do Galo Elétrico. Mas foi o time de Tucuruí que quase abriu o placar com atacante Magno Ribeiro, quando recebeu na esquerda e chutou cruzado, a bola bateu na trave. Na segunda tentativa, Magno Ribeiro acertou um chutaço de fora da área, no canto do goleiro André Luis, aos 13 minutos de jogo: 1 a 0 Independente. Foi o sexto gol de Magno no Parazão para a festa da torcida do Galo Elétrico.

O gol atordoou o time do Remo dentro de campo. Wellington Cabeça cobrou falta venenosa para o Independente, o goleiro André Luis rebateu e na sobra Magno Ribeiro chutou para a defesa do goleiro remista, que salvou com o pé mandando para escanteio. O técnico Josué Teixeira realizou duas mudanças relâmpagos no Leão Azul, tirando os laterais Jackinha e Léo Rosa, colocando Lucas Vitor e João Victor, respectivamente.

A torcida começou a pegar no pé do time remista, que tentava chegar de qualquer maneira à meta adversária. Em uma das tentativas, a mais clara do Remo no jogo, Jayme cruzou da direita, a bola passou do goleiro Evandro Gigante, mas o atacante João Victor não alcançou na tentativa de marcar de cabeça. Na blitz total azulina no final do primeiro tempo, Tsunami encontrou Gabriel Lima, que na grande área chutou para a defesa de Evandro Gigante, na sobra Edgar mandou um chutaço para mais uma grande defesa do arqueiro do Galo Elétrico.  Na última chance do Remo, Lucas Vitor pegou uma sobra dentro da área e mandou para fora. A reação azulina deu esperança a torcida para o segundo tempo.

O segundo tempo começou igual ao primeiro, com o Remo tomando a iniciativa. No primeiro minuto, Marquinhos cobrou falta perigosa por cima da meta de Evandro Gigante. Logo aos dois minutos, a bola foi alçada na área do Independente, João Victor cabeceou para a pequena área e o zagueiro Igor João também de cabeça mandou para o fundo do gol, tudo igual no Mangueirão: 1 a 1. O Leão Azul seguiu em cima, depois que Igor João cruzou da direita para a cabeçada de João Victor, o goleiro Evandro defendeu.

O Independente respondeu com o sempre perigoso atacante Magno Ribeiro, que após uma boa jogada individual, mandou um balaço para a defesa de André Luis. O técnico Josué Teixeira foi para o tudo ou nada, tirando o meia Marquinhos e colocando o atacante Val Barreto. Com isso, o Remo estava com cinco atacantes em campo. A essa altura, a pressão era total do Leão Azul, que teve a chance da virada com Lucas Vitor, quando ficou de frente para a meta adversária, mas chutou em cima do goleiro.

Sem esquema tático e mais na vontade, o Remo não deixava o Independente passar do meio de campo. O atacante Jayme roubou uma bola na entrada da área, mas na hora de finalizar pegou mal e o goleiro Evandro defendeu com facilidade. O Leão Azul errava muitos passes, o que dificultava sua chegada à meta adversária. As bolas que chegavam na área do Galo Elétrico, não levavam tanto perigo. A não ser após um escanteio cobrado para a cabeçada de Gabriel Lima, o goleiro Evandro defendeu uma bola venenosa.

Mais uma vez Gabriel Lima tentou desempatar o jogo em um chutaço de fora da área, o goleiro Evandro Gigante, muito bem na partida, espalmou para escanteio. Depois do escanteio, Tsunami subiu mais alto e cabeceou firme para virar a partida, 2 a 1 Leão, aos 40 minutos. O Remo ampliou aos 42 minutos, com atacante João Victor, após cruzamento na área apareceu livre e de cabeça mandou para o fundo do gol, 3 a 1, com o Fenômeno Azul enlouquecendo no Mangueirão.

O Leão Azul quase conseguiu a classificação no balaço de Gabriel Lima, o goleiro Evandro fez um verdadeiro milagre espalmando para escanteio. Em outra tentativa dos azulinos, o zagueiro Igor João mandou um chutaço, Evandro defendeu. O árbitro encerrou a partida aos 49 minutos. Como o placar agregado foi de 3 a 3, a decisão da vaga foi para os pênaltis. A torcida do Remo vibrou muito já que confiava no goleiro André Luis, que até então na temporada, havia pegado três pênaltis, de cinco cobrados em cima dele.

O Independente começou cobrando com Anderson Preto, que cobrou bem e abriu o placar: 1 a 0; João Victor bateu para o Remo e telegrafou a cobrança, o goleiro Evandro defendeu; Dudu com muita tranquilidade converteu, 2 a 0 Galo Elétrico; Val Barreto cobrou forte e diminuiu para o Leão Azul, 2 a 1. Martony bateu firme no canto e ampliou, 3 a 1. Gabriel Lima cobrou no alto e marcou o segundo do Leão, 3 a 2; Wellington Cabeça cobrou bem e marcou 4 a 2 Independente; Tsunami mandou um chute forte e diminuiu para 4 a 3; Wesley Bigu teve tudo para classificar o Galo Elétrico, mas chutou por cima; Edgar estava com a esperança azulina e bateu com muita categoria deixando tudo igual, 4 a 4. As cobranças foram para a série alternada e Diego Lira marcou para o Independente, 5 a 4; Lucas Vitor cobrou bem para o Leão e deixou sua marca, 5 a 5; Mocajuba tirou do alcance do goleiro e fez, 6 a 5 Galo Elétrico; Elizeu cobrou para o Remo, o goleiro Evandro tocou na bola, mas ela entrou, 6 a 6; Ezequias cobrou e o goleiro André Luis defendeu para o Leão Azul; A sorte do Remo estava nos pés do zagueiro Henrique, que bateu mal e Evandro Gigante defendeu; Chicão com estilo marcou para o Galo Elétrico, 7 a 6; Jayme apesar do cansaço, mandou um balaço e empatou para o Remo, 7 a 7; Monga bateu e a bola passou embaixo do goleiro, 8 a 7; Igor João cobrou com muita categoria e empatou para os azulinos, 8 a 8; O goleiro Evandro Gigante cobrou para o Galo Elétrico e fez 9 a 8; André Luis também cobrou para o Remo e empatou novamente 9 a 9; Anderson Preto bateu forte e isolou mandando por cima da meta remista; Val Barreto estava com a responsabilidade de garantir a classificação e bateu com estilo, Remo 10 a 9.

Leão classificado para a final do Parazão. “Pra mim significa muito pela minha trajetória dentro do clube marcar o gol da classificação. Todo mundo batalhou e isso foi importante para o grupo e vamos com tudo para conseguir o nosso objetivo”, comemorou o atacante Val Barreto do Clube do Remo. “Nos gostaríamos muito de está na final, mas parabéns ao Clube do Remo que foi muito grande hoje, apesar de seus bastidores conturbados antes do jogo”, declarou Léo Goiano, técnico do Independente.

Remo e Paysandu vão decidir o título do Parazão em dois jogos marcados para o estádio Olímpico Edgar Proença, o Mangueirão, em Belém, nos dias 30 de abril e 7 de maio. Já São Raimundo e Independente estarão disputando o terceiro lugar do Campeonato Paraense em dois jogos, um em Santarém, e outro em Tucuruí. As datas serão nos dias 29 de abril e 6 de maio.

Esporte

Projeto social promove o desenvolvimento de adolescentes e jovens a partir do esporte

O bom desempenho em sala de aula é quesito obrigatório para que as crianças participem do projeto.

Fruto do trabalho voluntário de dois desportistas, Walace dos Santos Lima e Vanderson Maciel Borba, a Escolinha de Futebol Antônio Matos Filho, fundada há mais de um ano, atende dezenas de adolescentes e jovens de Parauapebas, que aprendem as técnicas do futebol de salão, ao mesmo tempo em que são estimulados a alcançar bom desempenho em sala de aula.

“Eu melhorei muito, tanto em casa quanto na escola. O Walace é como se fosse um pai pra gente. Minha mãe é muito feliz por eu participar desse projeto. No início eu não sabia nada de futebol de salão, hoje já até participo de campeonatos”, relatou o Tiago Monteiro, que tem 15 anos e faz o primeiro ano do ensino médio na escola Antônio Matos Filho, localizada na VS-10.

“A cada três meses fazemos reuniões com os pais e pedimos que tragam as notas dos filhos e que compartilhem o desenvolvimento escolar deles conosco. Aqueles que começam a desandar nas notas ficam suspensos por um período das nossas atividades esportivas”, informou o coordenador do projeto, Walace dos Santos.

Além de possibilitar aos participantes a oportunidade de praticar um esporte, o projeto também contribui no processo de integração entre os jovens da comunidade. “Este bairro é considerado muito perigoso, difícil de fazer amizades, mas aqui no projeto muita gente se tornou amigo” disse Bruno Reis de Oliveira, que estuda o 2º ano do ensino médio e está na escolinha de futebol há um ano.

Atualmente a Escolinha de Futebol Antônio Matos atende mais de 200 adolescentes e jovens, as atividades esportivas são praticadas na quadra da escola que tem o mesmo nome da escolinha. Os meninos que integram o projeto têm entre 7 e 17 anos, já as mulheres têm idades mais variadas, entre 16 e 30 anos. O grupo se reúne em subgrupos distribuídos nas terças, quintas e sábados para treinamento. Cada participante colabora com uma taxa mínima de R$ 10 por mês para as depesas da esolinha.

Como tudo começou

“Eu jogo em um time da segunda divisão do campeonato municipal aqui de Parauapebas e nossos treinos sempre foram aqui na quadra da escola. Eu e meu parceiro do projeto começamos a observar que muitos meninos vinham acompanhar os nosso treinos. Um deles, um dia, sugeriu que a gente abrisse uma escolinha e gostamos da ideia. Começamos com 12 meninos”, relatou Walace dos Santos.

Os coordenadores do projeto dizem que no início foi tudo muito difícil. Depois eles começaram a contar com mais apoio de pessoas, empresas e instituições,  e organizaram melhor seu planejamento e estão se estruturando. “Nosso objetivo é descobrir talentos e ajudar famílias carentes”, finalizou Walace.

Futebol

Paysandu vira para cima do Santos de Macapá no Mangueirão e está classificado para a final da Copa Verde

Papão chega à sua terceira final em quatro edições da Copa Verde. O adversário sai do confronto entre Luverdense-MT x Rondoniense-RO

Por Fábio Relvas

O primeiro finalista da Copa Verde 2017 saiu do confronto entre Paysandu e Santos-AP realizado nesta terça-feira (18/04), no estádio Olímpico Edgar Proença, o Mangueirão, em Belém. O Papão venceu, por 3 a 1, e avançou para a final da competição. O surpreendente Peixe da Amazônia saiu na frente com o gol de pênalti marcado pelo atacante Fabinho, aos 16 minutos do 1º tempo. Na etapa derradeira, o Papão mudou a postura e virou rapidamente o placar com gols de Hayner aos 6, Diogo Oliveira aos 13 e Alfredo aos 24 minutos do 2º tempo.

O jogo: Paysandu 3 x 1 Santos-AP de virada!

A partida começou com uma forte marcação das equipes, apesar de jogar pelo 0 a 0, o Paysandu tomou a iniciativa nos primeiros minutos, mas não achava espaço. Em um lance confuso da arbitragem, Antônio Neuriclaudio marcou pênalti em favor do Santos de Macapá, após a bola tocar no braço do zagueiro Gilvan dentro da área. O pênalti foi muito contestado pelos jogadores do Papão. O atacante Fabinho cobrou bem e abriu o placar logo aos 16 minutos do 1º tempo. O gol do Peixe da Amazônia calou a Fiel Bicolor no Mangueirão.

O Paysandu sentiu o gol do adversário e começou a errar passes, a torcida não perdoou e vaiou a equipe. Até que Bergson chutou e a bola desviou na zaga santista e foi para fora, os jogadores do Papão pediram pênalti pedindo toque de mão. Logo após, Alfredo mandou um balaço e parou na boa defesa do goleiro Axel. Os bicolores tiveram uma falta frontal, quase em cima da linha da grande área, mas Hayner pegou mal na bola e chutou por cima da meta.

As coisas não estavam dando certo para o time paraense, que visivelmente estava nervoso e sem personalidade em campo. As poucas chances que surgiam, eram mal aproveitadas pelos jogadores do Papão. Por sua vez, o Santos tocava a bola e em certo momento, envolveu os donos da casa. O atacante Fabinho, autor do gol, resolveu arriscar de longe, mas mandou para fora da meta defendida por Emerson.

O Paysandu tentou empatar ainda no primeiro tempo com Diogo Oliveira, que mandou um balaço de fora da área e na sobra do goleiro Axel, o atacante Bergson finalizou para fora. Na descida para os vestiários, os jogadores do Papão receberam as vaias da torcida, que pegou no pé do time inteiro e do técnico Marcelo Chamusca.

No 2º tempo, o Papão mudou até de uniforme para ver se dava sorte e não é que as coisas começaram a mudar. Logo aos seis minutos, o lateral-esquerdo Hayner invadiu a área e bateu rasteiro, o zagueiro Jeferson Jari ainda tentou cortar, mas a bola foi para o fundo da meta santista, gol do Papão, tudo igual: 1 a 1. O gol levantou a torcida nas arquibancadas que acreditava na virada bicolor. A Fiel Bicolor estava certa e a virada não demorou muito. Aos 13 minutos, Jhonnatan chutou cruzado para a área e Diogo Oliveira fuzilou para o fundo da meta do goleiro Axel, 2 a 1 Paysandu de virada. A avalanche bicolor explodiu de alegria no Mangueirão. A porteira definitivamente abriu. Diogo Oliveira cruzou na medida para a cabeçada certeira na pequena área do atacante Alfredo, 3 a 1, aos 24 minutos. No lance que originalizou o terceiro gol do Paysandu, o meio Campo Balão Marabá do Santos, recebeu o segundo cartão amarelo e depois o vermelho e foi expulso de campo.

Com um a menos em campo, o Peixe da Amazônia tentava chegar, mas sem força no ataque. A não ser quando o meia Rafinha do Santos ficou de cara e mandou um balaço, o goleiro Emerson do Papão fez um milagre colocando para escanteio. O Paysandu começou a administrar a partida e tocava a bola, deixando o adversário correr atrás. O Papão esperou o apito final e avançou para a decisão da Copa Verde. O adversário do Paysandu sai do confronto entre Luverdense-MT x Rondoniense-RO, que jogam nesta quinta-feira (20/04), às 20h30, no estádio Passo das Emas, em Mato Grosso.

Ficha Técnica

Paysandu: Emerson; Ayrton, Perema, Gilvan e Hayner (Willian Simões); Augusto Recife, Wesley, Jhonnatan (Rodrigo Andrade) e Diogo Oliveira; Bergson e Alfredo (Will). Técnico: Marcelo Chamusca

Santos-AP: Axel; Diego Carajás, Jefferson Jari, Dedé e Roberto Batata (Bruno Maranhão); Lessandro, Balão Marabá e Rafinha, Bruno Lopes (Talysson), Fabinho e Luciano (Jean Marabaixo). Técnico: Elcio do Rosário

Árbitro: Antônio Neuriclaudio (AC)

Assistentes: Rener Santos (AC) e Fábio Pereira (TO)

Cartões amarelos: Gilvan, Jhonnatan e Hayner (Paysandu); Balão Marabá e Rafinha (Santos- AP)

Cartão vermelho: Balão Marabá (Santos-AP)

Gols: Fabinho aos 16 minutos do 1º tempo para o Santos, Hayner aos 6, Diogo Oliveira aos 13 e Alfredo aos 24 minutos do 2º tempo para o Paysandu

Local: Estádio Olímpico Edgar Proença, o Mangueirão, em Belém

Renda: R$ 202.700.00

Pagantes: 9.534

Credenciados: 1.320

Total: 10.854

Futebol

Paysandu e Santos-AP empatam em São Luís e a decisão da vaga para a final da Copa Verde ficará para o Mangueirão

As duas equipes fizeram uma partida equilibrada e agora vão decidir a vaga na final em Belém na próxima terça-feira

Por Fábio Relvas

Santos-AP e Paysandu entraram em campo na noite deste sábado (15/04), valendo pelo jogo de ida da semifinal da Copa Verde. O mando de campo era do Peixe da Amazônia (como é chamado o time do Amapá), mas a partida foi jogada em campo neutro, no estádio Castelão, em São Luís, no Maranhão, pelo fato do estádio Olímpico Zerão, em Macapá, não ter capacidade para no mínimo 10 mil pessoas, como pede o regulamento da competição, quando entra na fase semifinal. O estádio Zerão tem capacidade para apenas 5 mil torcedores.

O Papão se sentiu em casa, já que a Fiel Bicolor invadiu o Castelão para empurrar o time.

Várias caravanas saíram da capital Belém rumo a São Luís. Mas a festa bicolor foi frustrada pela boa equipe do Peixe da Amazônia, que abriu o placar aos 18 minutos do 1º tempo com o meia Rafinha. O Paysandu chegou ao empate ainda na primeira etapa com o gol do atacante Leandro Carvalho, aos 37 minutos.

As duas equipes voltam a campo na próxima terça-feira (18/04), às 20h30, no estádio Olímpico Edgar Proença, o Mangueirão, em Belém. Quem vencer vai para a final da Copa Verde. Se o placar terminar com empate de 0 a 0, classifica o Papão. Placar de 1 a 1 a decisão vai para os pênaltis. Em caso de empate de 2 a 2 em diante, a vaga fica com o Peixe da Amazônia.

Na outra semifinal da Copa Verde, o Luverdense-MT derrotou o Rondoniense-RO, por 2 a 1, no

estádio Arena da Floresta, em Rio Branco, no Acre. O time do Mato Grosso abriu uma boa vantagem para garantir sua classificação. Ricardo e Bágio marcaram os gols do Luverdense, aos 14 e 26 minutos do primeiro tempo, respectivamente. Enquanto que Careca descontou para o Rondoniense, aos 31 minutos do segundo tempo. A partida da volta está marcada para a próxima quinta-feira (20/04), às 20h30, no estádio Passo das Emas, em São Lucas do Rio Verde.

O jogo: Santos-AP 1 x 1 Paysandu

As duas equipes começaram se respeitando e um adversário estudando o outro. Mas com melhor posse de bola, o Paysandu começou a atacar o Santos. Leandro Carvalho puxou contra-ataque pela direita para o Papão, chutou para o gol, a bola desviou na zaga e sobrou para Daniel Sobralense, que também finalizou travado, a chance voltou para Leandro Carvalho, que chutou para fora.

Com incentivo da Fiel Bicolor, o Paysandu foi para pressionar o adversário. Desta vez, o atacante Bergson recebeu na área e chutou forte, a bola bateu na rede, mas pelo lado de fora.

O Santos jogava no contra-ataque e em um deles, Rafinha pegou a bola, avançou pelo meio e mandou um balaço de fora da área, sem chances para o goleiro Emerson, um golaço do Peixe da Amazônia, 1 a 0, aos 18 minutos. O Papão tentou reagir, quando Ayrton cruzou da direita para a cabeçada de Bergson, a bola foi para fora. Hayner fez boa jogada pela esquerda, chutou cruzado e Leandro Carvalho não alcançou. O atacante Leandro Carvalho tentou resolver sozinho, quando em jogada individual passou por dois adversários santistas, mas finalizou fraco em cima de Axel. Depois de alguns minutos, o Santos voltou a atacar sem muito perigo no chute de fora da área desferido por Batata, o goleiro Emerson pegou.

O Peixe da Amazônia começou a crescer e perdeu uma grande oportunidade de ampliar, quando Rafinha foi lançado nas costas da defesa bicolor, chegou na cara do gol, mas mandou chute para fora. Quando a torcida do Papão começou a vaiar o time, Leandro Carvalho pegou a bola no meio de campo, saiu driblando os adversários pela frente e mandou um belo chute de fora da área, outro golaço no jogo, 1 a 1, aos 37 minutos. O Santos não sentiu o gol do time paraense e quase marcou o segundo com Luciano, após uma bola alçada na área bicolor, o atacante santista chutou forte, a bola explodiu em Perema e sobrou para o próprio Luciano, que mandou a segunda tentativa por cima da meta de Emerson. E o primeiro tempo equilibrado terminou empatado.

No segundo tempo, o Paysandu marcou a saída de bola do Santos e dificultou a equipe amapaense a sair para o jogo. O Papão aproveitou para atacar com Hayner pela esquerda, que avançou e foi derrubado por Diney dentro da área, o árbitro Dyorgines Padovani mandou seguir. O Peixe da Amazônia não deixou por menos e Balão Marabá mandou um chutaço de fora da área, o goleiro Emerson defendeu em dois tempos. O sempre perigoso atacante Fabinho, arrancou pela direita e cruzou rasteiro na área bicolor, o zagueiro Perema cortou antes da chegada de Luciano.

O Paysandu resolveu acordar no jogo, em uma falta cobrada por Daniel Sobralense, o zagueiro Gilvan cabeceou firme e a bola explodiu no travessão, mas a arbitragem marcou falta de ataque. O time santista arriscou com Luciano, que mandou de fora da área e o goleiro Emerson sem dificuldade defendeu. O lateral-direito Ayrton do Papão, tentou jogar na área, mas pegou mal na bola que foi pela linha de fundo. O meia Diogo Oliveira, que entrou no lugar de Daniel Sobralense, cobrou uma falta com estilo, a bola caprichosamente tocou na trave e saiu pela linha de fundo, levantando o torcedor do Paysandu no Castelão. De novo o Papão com Wilkerson, que foi lançado pela esquerda, cruzou para a área e Leandro Carvalho desviou mandando por cima da meta de Axel. Diogo Oliveira entrou bem na partida, em um contra-ataque bicolor, recebeu passe na área santista, girou e chutou, a bola passou assustando por cima da meta de Axel.

O Papão buscou a vitória até o final. Em outra jogada de ataque, Wilkerson arrancou em velocidade pela esquerda, rolou para Bergson que arrumou e chutou, o zagueiro Jeferson se atirou contra a bola, cedendo escanteio. Nos acréscimos, Leandro Carvalho cruzou rasteiro para Bergson e o zagueiro Diney derrubou o atacante bicolor dentro da área, o árbitro mais uma vez não marcou nada e os jogadores do Paysandu pediram o pênalti. Placar final em São Luís: 1 a 1!

Ficha Técnica

Santos-AP: Axel; Diego, Jeferson, Diney e Batata; Lessandro, Balão Marabá (Renato), Denilson (Bruno Lopes) e Rafinha; Luciano (Jean) e Fabinho. Técnico: Elcio do Rosário

Paysandu: Emerson; Ayrton, Perema, Gilvan e Hayner; Wesley, Rodrigo Andrade (Augusto Recife) e Daniel Sobralense (Diogo Oliveira); Leandro Carvalho, Alfredo (Wilkerson) e Bergson. Técnico: Marcelo Chamusca

Gols: Rafinha (Santos-AP, aos 18 minutos do 1º tempo); Leandro Carvalho (Paysandu, aos 37 minutos do 1º tempo)

Cartões amarelos: Rafinha e Bruno Lopes (Santos-AP); Ayrton, Leandro Carvalho e Perema (Paysandu)

Árbitro: Dyorgines Padovani (ES)

Assistentes: Fabiano da Silva Ramirez e Ramires Santos Cândido, ambos do Espírito Santo

Local: Estádio Castelão, em São Luís (MA)

Parazão 2017

Semifinal: São Raimundo e Paysandu ficam no empate, enquanto que o Independente abriu boa vantagem contra o Remo

Os jogos da volta acontecem no estádio Olímpico Edgar Proença, o Mangueirão, em Belém. A situação do Remo é mais complicada.

Por Fábio Relvas

São Raimundo e Paysandu abriram as semifinais do Parazão 2017 na última terça-feira (11/04), no estádio Jader Barbalho, o Barbalhão, em Santarém. Apesar do empate sem gols, o jogo de ida entre as duas equipes foi bastante movimentado com chances para os dois lados.  Segundo a crônica esportiva, foi um dos melhores jogos do Campeonato Paraense deste ano. Os dois times voltam a campo no sábado (22/04), às 18h30, no estádio Olímpico Edgar Proença, o Mangueirão, em Belém. Quem vencer avança para a final, caso de qualquer resultado de empate a vaga será decidida nos pênaltis.

O jogo: São Raimundo 0 x 0 Paysandu

A partida começou com forte marcação, mas com os dois times se lançando ao ataque. O Paysandu foi o primeiro a chegar a meta adversária, depois que Leandro Carvalho arrancou pelo meio, tocou na direita para Bergson, que devolveu com Leandro dentro da área para finalizar, mas acabou chutando em cima da marcação, perdendo uma grande chance.

O São Raimundo tinha mais posse de bola e começou a assustar o Paysandu. Em uma falta ensaiada cobrada por Chaveirinho, a bola foi desviada pela zaga do Papão, passando perto da meta do goleiro Emerson. Logo em seguida, Denis Pedra cruzou da esquerda e o atacante Tiago conseguiu perder um gol feito de frente para o crime.

Os mais de quatro mil torcedores empurraram o Pantera, que cresceu em campo e buscava abrir o placar. Em outra jogada pela esquerda, Tubarão cruzou na medida para a cabeçada do sempre perigoso Chaveirinho, a bola caprichosamente foi na trave bicolor. O Paysandu reagiu depois que Leandro Carvalho fez um carnaval na defesa adversária, mas finalizou em cima do goleiro Roger Kath.

O Pantera respondeu, depois de um chute cruzado, a bola foi desviada e sobrou para Tiago que encheu o pé e o lateral-direito Ayrton tirou quase de cima da linha o que seria o primeiro tento dos donos da casa. O movimentado primeiro tempo terminou sem gols.

Na segunda etapa, os times acabaram se entranhando em algumas jogadas e o clima esquentou com muita confusão no gramado de jogo, mas ninguém foi expulso pelo árbitro Gustavo Ramos Melo. Em uma cobrança de falta de muito longe, o atacante Bergson do Paysandu arriscou, mas parou no goleiro Roger Kath bem posicionado. Anderson do São Raimundo resolveu chutar de fora da área e Emerson segurou para o Papão.

O atacante Leandro Carvalho teve duas chances seguidas de mudar a história do jogo em favor do Paysandu. Na primeira, recebeu passe de Bergson e errou na finalização chutando muito alto. Na segunda tentativa, fez jogada individual, mas chutou fraco para a defesa do goleiro.

Nos acréscimos, o Pantera teve a bola do jogo, em uma jogada na área bicolor o chute saiu fraco e Emerson garantiu o placar de 0 a 0.

Na outra semifinal, Independente e Clube do Remo se enfrentaram no estádio Navegantão,

em Tucuruí, na noite desta quarta-feira (12/04). Com a chuva que caiu momento antes da bola rolar, o estado do gramado foi prejudicado. Melhor para o Galo Elétrico, que venceu o Leão Azul, por 2 a 0, e abriu uma boa vantagem por uma vaga na final. Os gols foram marcados pelo volante Chicão, aos 23 minutos do 1º tempo e pelo atacante Monga, aos quatro minutos do 2º tempo, chegando aos cinco gols no Parazão, sendo um dos artilheiros. A partida de volta está marcada para domingo (23/04), com o Independente jogando pelo empate e podendo perder por até um gol de diferença, já o Remo terá que vencer por três gols para avançar ou dois gols para levar a disputa para os pênaltis.

O jogo: Independente 2 x 0 Remo

Com muita lama e gramado pesado, os jogadores de ambas as equipes começaram a partida escorregando muito. Em uma recuperação de bola, o Remo tentou surpreender no chute de longe de Lucas Vitor, o goleiro Evandro pegou com facilidade. O Independente respondeu um minuto depois, quando Monga lançou para Wegno, que na hora da batida foi travado pela defesa. Rodrigo Siqueira teve outra chance para os donos da casa, quando recebeu na lateral direita, mas chutou muito alto.

A bola parada foi uma alternativa para as equipes. O Leão teve uma falta no meio da rua, Tsunami mandou para longe do estádio. No lance seguinte, a falta foi para o Galo Elétrico, após bola alçada na área, o zagueiro Martony se antecipou ao goleiro André Luis e marcou o gol de cabeça, mas o assistente assinalou impedimento. Aos 23 minutos, não teve jeito. Após cobrança de escanteio, o zagueiro Henrique furou o corte e o volante Chicão aproveitou para marcar, 1 a 0 Independente.

Dois minutos depois, a zaga do Remo voltou a fazer lambança. Rodrigo Siqueira jogou na área, Henrique se atrapalhou, mas o atacante Monga não conseguiu marcar e a bola ficou com o goleiro André Luis. A primeira chegada perigosa do Leão Azul foi na cobrança de escanteio de Fininho, a bola caiu com Lucas Vitor que emendou, Jackinha tentou aproveitar a sobra, mas a zaga afastou o perigo. Em uma boa triangulação remista, o lateral-esquerdo Jackinha mandou um chutaço cruzado pela linha de fundo.

Na etapa derradeira, os azulinos começaram arriscando com Fininho, a bola subiu demais. Mas quem marcou mesmo foi o Independente. Depois de um lançamento na área, Tsunami escorregou na frente do atacante Monga, que ficou livre e fuzilou para o fundo do gol, 2 a 0 Galo Elétrico, aos quatro minutos. Logo depois, o Remo tentou diminuir quando Léo Rosa cruzou, Edgar tentou e a bola sobrou para Henrique que mandou de cabeça, mas foi pela linha de fundo.

Leão Azul foi para o tudo ou nada, em mais uma bola na área, o goleiro Evandro tirou de soco o perigo. Em uma cobrança de falta frontal, Léo Rosa mandou por cima da meta do Independente. De novo o Remo, após o cruzamento de Jackinha da esquerda, Jayme meteu de cabeça e a bola foi para fora. O atacante Jayme, que entrou no lugar do meia Fininho, queria jogo, desta vez recebeu e tocou para Gabriel, que furou no momento de concluir.

O Independente voltou ao ataque com Magno, que em velocidade tocou com Diego Lira e recebeu na frente, mas o chute saiu fraco em cima do goleiro remista. O Leão Azul começou a arriscar de fora da área, Marquinhos e Elizeu mandaram dois chutaços em lances seguintes. O atacante Edgar recebeu passe e tentou cavar um pênalti ao se atirar dentro da área, o árbitro Joelson Nazareno Ferreira Cardoso, mandou seguir.

Sem muita alternativa no jogo, o Remo continuou tentando. Marquinhos mandou outro balaço de fora da área, a bola passou perto da meta de Evandro. Mais uma bola alçada na grande área do Galo, depois do bate e rebate, o atacante Gabriel Lima tentou diminuir, mas o zagueiro Martony tirou de qualquer maneira. O time azulino seguiu em cima no final da partida, Igor João recebeu cruzamento e meteu de cabeça para uma defesa milagrosa do goleiro Evandro que salvou o time da casa. Na outra tentativa do Leão, Marquinhos cobrou falta no primeiro pau e a zaga cortou. Na última chance dos azulinos, Gabriel Lima cabeceou fraco nas mãos do goleiro. Placar final: Independente 2 x 0 Remo.

Futebol

Paysandu, São Raimundo, Remo e Independente garantem classificação para a semifinal do Parazão 2017

Pinheirense e São Francisco foram rebaixados para a Segundinha do Campeonato Paraense

Por Fábio Relvas   

A última rodada da fase de classificação do Parazão 2017 começou no domingo (02/04) com o clássico Rai x Fran no estádio Colosso do Tapajós, o Barbalhão, em Santarém. O São Raimundo venceu o São Francisco, por 2 a 0, com gols de Erick Foca, aos 31 e Bilau, aos 40  minutos do 2º tempo. O Pantera se garantiu na semifinal do Campeonato Paraense com 17 pontos dentro do Grupo A1, já o Leão Santareno com apenas 7 pontos no Grupo A2, foi rebaixado para a Segundinha.

Para complementar a 10ª rodada, mais quatro jogos foram realizados neste sábado (08/04).

No estádio Leônidas Castro, a Curuzu, em Belém, o Paysandu voltou a receber o Águia de Marabá, sendo a terceira partida consecutiva entre as equipe em uma semana: dois confrontos pela Copa Verde e um pelo Parazão. Com o Papão já classificado para semifinal, o técnico Marcelo Chamusca colocou um time misto em campo. O time bicolor abriu o placar com o atacante Leandro Cearense, aos 18 minutos do 1º tempo. O Azulão não se intimidou e aos 22 minutos da primeira etapa, Erick marcou um belo gol de falta. Com o resultado de 1 a 1, o Paysandu ficou em 1º lugar no Grupo A1 com 20 pontos, enquanto que o Águia chegou aos 15 pontos no Grupo A2 e foi eliminado da competição, mas segue na elite do futebol paraense.

No estádio Olímpico Edgar Proença, o Mangueirão, em Belém, o Pinheirense recebeu o Castanhal precisando vencer e torcer por outros resultados para se manter na elite. O técnico Júnior Amorim, do General da Vila, colocou o time em cima do Japiim da Estrada. Mas quem marcou foi o time visitante com Augusto, aos 24 minutos do 1º tempo e Willian Sarôa, aos 24 minutos do 2º tempo, decretando o rebaixamento do Pinheirense para à Segundinha, quando somou apenas 5 pontos no Grupo A1. Com a vitória, por 2 a 0, o Castanhal foi a 15 pontos no Grupo A2 e se manteve na 1ª divisão.

Cametá e Independente se enfrentaram no estádio Parque do Bacurau, em Cametá. O Marapá remoso precisava vencer o clássico para escapar do rebaixamento. A torcida teve que esperar um pouco para comemorar, já que os donos da casa só marcaram no 2º tempo com Rodrigo, aos 16 e Rafael Paty, aos 18 minutos. Placar final: 2 a 0. O Cametá foi para 9 pontos no Grupo A1 e se garantiu na elite, enquanto o Independente somou 18 pontos no Grupo A2 e está nas finais do Parazão.

Pressionado após o vexame na Copa Verde, quando foi eliminado para o Santos-AP, o Remo enfrentou o Paragominas, na Arena do Município Verde, em Paragominas. O técnico Josué Teixeira do Leão colocou um time diferente pelo fato de está classificado e por problemas de contusões e suspensões. Já o Jacaré, do técnico e presidente Charles Guerreiro, ameaçado pelo rebaixamento, colocou força máxima para buscar a vitória. O time da casa abriu o marcador com atacante Pimenta, aos 24 minutos do 1º tempo. A equipe alternativa do Clube do Remo teve dificuldades com o gramado de jogo devido às falhas e muita lama. O Leão Azul chegou ao gol de empate com o atacante Gabriel Lima, muito criticado na última partida pela Copa Verde. Após escanteio cobrado por Fininho, o garoto da  base mandou com estilo de cabeça para o fundo da meta adversária, aos 27 minutos do 1º tempo, tudo igual: 1 a 1. O Remo segue como único invicto no Parazão e chega a semifinal com 22 pontos no Grupo A2, enquanto que o Paragominas foi para 8 pontos no Grupo A1 e se livrou do rebaixamento.

Classificação do Parazão

GRUPO A1

1º Paysandu: 20 Pontos

2º São Raimundo: 17 Pontos

3º Cametá: 9 Pontos

4º Paragomeinas: 8 Pontos

5º Pinheirense: 5 Pontos

GRUPO A2

1º Remo: 22 Pontos

2º Independente: 18 Pontos

3º Águia de Marabá: 15 Pontos

4º Castanhal: 15 Pontos

5º São Francisco: 7 Pontos

SEMIFINAL

São Raimundo X Paysandu (Terça-feira – 11/04 – Colosso do Tapajós –  20h30)

Paysandu X São Raimundo  (Sábado –  22/04 – Curuzu – 18h30)

Independente X Remo (Quarta-feira – 12/04 – Navegantão – 20h30)

Remo X Independente (Domingo – 23/04 – Mangueirão – 16 horas)

Esporte

Convênio entre Liga Esportiva de Parauapebas e Semel é explicado para presidentes de clubes de futebol

Durante uma reunião amistosa realizada na noite desta quinta-feira (6), no ginásio poliesportivo foi apresentado aos presidentes dos 20 times vinculados à Liga Esportiva de Parauapebas (LEP) o formato do convênio que está sendo firmando entre a entidade e a Secretaria Municipal de Esporte e Lazer (Semel).

“A Liga Esportiva de Parauapebas é uma referência. Juntos, Semel, Liga, os clubes e a sociedade, iremos tentar resgatar o futebol amador em Parauapebas e a grandiosidade que era”, afirmou o titular da Semel, Laoreci Diniz. Informações sobre valores do convênio e sua devida aplicação foram repassados durante o evento.

O foco principal do convênio é garantir a realização, até o final, do Campeonato Municipal de Futebol Amador com todas as condições necessárias para que os atletas e seus respectivos times possam atuar. “Quanto às melhorias no Estádio Rosenão, só podemos realizar após assinarmos o convênio”, informou o secretário.

“É um momento decisivo para o futebol amador de Parauapebas. Hoje ficou selada a parceria entre a LEP e a Semel. Vamos trabalhar juntos, para resgatar o futebol amador em nossa cidade. Nós, enquanto Liga Esportiva, devemos muito ao Darci, que é um apaixonado pelo esporte. Aquele nosso Estádio Rosenão foi construído no mandato dele”, destacou Eldemarte dos Santos, presidente da LEP. “Dia 20 ou 21 de maio já devemos iniciar as competições, com o apoio total da gestão municipal. Mas faremos também com responsabilidade e respeito ao dinheiro público e ao torcedor, que é a pessoa mais importante desse processo”, acrescentou o presidente da LEP.

“Essa reunião está muito boa porque ninguém está fazendo promessas. Estão nos passando a realidade e as condições para trabalharmos com o que amamos, que é o futebol. Temos que aproveitar essa oportunidade que temos à frente da Semel pessoas que já foram jogadores dos nossos times e conhecem bem a nossa realidade”, disse o presidente do Floresta Futebol Clube, Cleonilson Souza.

Futebol

Santos-AP e Paysandu avançam para a semifinal da Copa Verde 2017

Remo e Águia de Marabá foram derrotados no jogo da volta e estão fora da Copa Verde. Paysandu agora é o único representante do Pará

Por Fábio Relvas

O Clube do Remo entrou em campo na noite da última segunda-feira (04/04), no estádio Zerão, em Macapá, sem muita inspiração. Com um time apático, o Leão Azul foi presa fácil para o Santos do Amapá, que sem muitas dificuldades derrotou os paraenses, por 3 a 0, obtendo um placar histórico em seus 43 anos de fundação. Fabinho, Denilson e Batata, foram os autores dos gols da façanha do Peixe da Amazônia, classificado para a semifinal da Copa Verde.

A partida: Santos 3 x 0 Remo

Como havia perdido o primeiro jogo, por 2 a 1, em Belém, o time da casa se atirou para o ataque, apesar da torcida ser praticamente toda do Remo. A pressão do Peixe da Amazônia surtiu efeito logo aos 13 minutos, quando o paraense Balão Marabá deu belo passe para o atacante Fabinho, que por cobertura, matou o goleiro André Luis e marcou o primeiro, 1 a 0 Santos. Com o gol sofrido, o Leão teria que pelo menos tentar empatar para buscar a classificação, mas perdeu algumas chances com o atacante Gabriel Lima e o com o lateral-esquerdo Jackinha.

No segundo tempo, o técnico Josué Teixeira colocou o time do Remo em cima do adversário. Gabriel Lima teve tudo para marcar, após a lambança do goleiro Axel, que em um tiro de meta mal cobrado, jogou a bola nos pés do atacante remista, mas o chute do atleta azulino foi para fora. A bola do Remo insistia em não querer entrar. Com o Leão totalmente apático e perdido em campo, o Santos foi para cima. Em um contra-ataque fulminante, Fabinho em alta velocidade cruzou da direita para Denilson, que na grande área fuzilou para o fundo da meta azulina, aos 30 minutos, 2 a 0 Peixe da Amazônia.

Com o resultado adverso de 2 a 0, o Remo precisava marcar pelo menos um para decidir a vaga nos pênaltis. A coisa só piorou quando o zagueiro Igor João foi expulso de campo.Atordoado e sem forças, o Leão tentou surpreender em bola parada. Léo Rosa cobrou uma  falta venenosa, a bola passou pertinho da meta amapaense. O time do Santos também teve uma falta, mas não desperdiçou. Batata cobrou com categoria e decretou a façanha, aos 40 minutos, festa no estádio Zerão: Santos 3 x 0 Remo.

Já no confronto paraense das quartas de final da Copa Verde, o Paysandu voltou a vencer o Águia de Marabá, desta vez, por 1 a 0, na noite de terça-feira (04/04), no estádio Olímpico Edgar Proença, o Mangueirão, em Belém. O gol único do jogo foi marcado logo aos nove minutos do 1º tempo pelo zagueiro Fernando Lombardi. O Paysandu encara o Santos-AP na semifinal da competição marcada para os dias 16 e 19 de abril. A CBF (Confederação Brasileira de Futebol) vai realizar o sorteio dos mandos de campo na próxima quinta-feira (06/04).

O jogo: Papão 1 x 0 Águia de Marabá

Empurrado pela Fiel Bicolor que compareceu em um bom número no Mangueirão, o Paysandu iniciou a partida em cima do adversário, apesar de ter vencido o jogo de ida por 2 a 1, em Marabá. O volante Rodrigo Andrade quase abriu o placar em uma arrancada fulminante, mas na hora da finalização foi travado pelo adversário. Na outra tentativa, o Papão abriu o marcador. Após escanteio da direita, o zagueiro Gilvan meteu o soco na bola, o árbitro deixou seguir o lance e o zagueiro Fernando Lombardi, mesmo caído, mandou para o fundo da meta aguiana, 1 a 0, aos nove minutos.

Tímido no jogo, o Azulão tentou empatar com o volante Mael, mas o chute carimbou a zaga bicolor. O atacante Tiago Mandi arriscou de fora da área e o goleiro Emerson fez a defesa para o Paysandu. Em outro lance do Águia, o atacante Eric dividiu com o lateral-direito Ayrton dos donos da casa e caiu na área, a turma da equipe do sudeste do Pará pediu pênalti, nada foi marcado. Outro lance questionado pelos visitantes foi quando atacante Vinícius recebeu na área, arrancou na velocidade e disparou para o fundo da meta bicolor, mas a arbitragem parou sinalizando impedimento.

No segundo tempo, o técnico João Galvão foi para o tudo ou nada. Precisando marcar gols, mandou o Águia para o ataque. Em duas oportunidades, Tiago Mandi quase marcou. Na primeira cobrou falta perigosa, a bola passou perto. Na segunda tentativa, invadiu a área e bateu colocado, mandando pela linha de fundo. Tinhoso, o Azulão queria o gol de empate, desta vez foi o meia Kaíque que chutou forte da entrada da área, o goleiro Emerson espalmou e na sobra Ayrton tirou antes da chegada do ataque marabaense.

O Paysandu tentava sair rápido no contra-ataque e em um deles Daniel Sobralense deixou Wilkerson na boa dentro da área, o atleta bicolor foi derrubado e mais uma vez o árbitro mandou seguir. A resposta do Águia veio depois de um cruzamento da direita para Vinícius que testou no meio de dois marcadores para fora. Com um jogo aberto, o Papão encontrou brecha para atacar. Augusto Recife tocou para Aslen na área e na hora de finalizar foi travado pela zaga marabaense. Na última chance real de gol, Daniel Sobralense cobrou escanteio para o cabeceio do zagueiro Gilvan, que mandou para fora. Final de jogo: Paysandu 1 x 0 Águia. O Paysandu é o único time paraense que permanece na Copa Verde.