Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
evento

Festival do Tucunaré abre neste domingo o 1º Circuito Gastronômico de Marabá

Inciativa do Sindhotel, com diversas parcerias, o evento gastronômico pretende manter o peixe-símbolo de Marabá mais presente nos cardápios dos restaurantes

Por Eleutério Gomes – de Marabá 

Abre neste domingo (1º) e vai até o dia 30 de outubro, o 1º Circuito Gastronômico de Marabá, que começa como o Festival do Tucunaré. O peixe-símbolo da cidade vai estar como prato principal em 12 restaurantes e será servido com uma entrada e sucedido de uma sobremesa, ambas feitas com frutas típicas da região. Um dos objetivos, de acordo com o presidente do Sindhotel (Sindicato dos Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares), Dauro Remor, é fortalecer a presença do tucunaré no cardápio dos restaurantes, uma vez que muitos turistas que chegam a Marabá querem experimentar o peixe. Outro objetivo é levar o consumidor para dentro do restaurante.

Para isso, recentemente uma chef de Belém esteve em Marabá capacitando mais de 20 cozinheiros quanto às diversas formas de preparo do tucunaré, a respeito das entradas e sobremesas com frutas locais e também em relação à apresentação dos pratos.

“Dentro da oficina de gastronomia foram criadas tantas oportunidades de complementar o prato, apresentá-lo melhor, e também as opções de sobremesa que foram sugeridas”, detalha Dauro, ressaltando que tudo o insumo empregado na preparação dos pratos será comprado no mercado local, nas feiras, onde todos os ingredientes estão disponíveis. “Nosso objetivo não é fazer um evento na praça, levar o pessoal para cozinhar na praça, nada disso. Nós queremos que o cliente conheça as iguarias regionais dentro do restaurante. E também é uma forma de criar o hábito nas pessoas de irem ao restaurante”, afirma.

Por isso, o Sindhotel, com a ajuda de diversos parceiros, buscou fortalecer os restaurantes para que ofereçam um produto de melhor qualidade e com apresentação diferenciada. “É também uma forma de resgatar o cliente que, em função da crise, se afastou um pouco do restaurante. Vamos oferecer um produto com preço adequado, estamos trabalhando com insumos que possibilitam trabalhar num preço bom, porque são produtos locais e com preço baixo, para não precisar aumentar. Não é só com preços altos que você vai conseguir qualidade”, analisa.

Indagado pelo Blog o que virá depois do Festival do Tucunaré, que vai durar 30 dias, Dauro Remor antecipou que o cliente vai fazer uma avaliação, responder uma espécie de miniquestionário, que lhe será entregue na hora em que fizer o pedido. E uma das perguntas é: “Você sugere algum outro tipo de prato para fazer um festival na cidade?”

“A gente está querendo identificar o que o consumidor quer, porque quem manda no nosso cardápio é ele. Nem sempre você consegue vender o que gostaria. A gente vende o que eles querem comprar. É uma forma de fazer uma avaliação do prato e sugerir um novo festival”, conclui o presidente do sindicato.

Para realizar o 1º Circuito Gastronômico o Sindhotel contou com a parceria do Senai (Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial), Senac (Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial), Acim (Associação Comercial e Industrial de Marabá), Sebrae (Sistema Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas), Sindicom (Sindicato Patronal do Comércio Varejista de Marabá), Comtur (Conselho Municipal de Turismo), Secretaria Municipal de Turismo e Secretaria de Turismo do Estado do Pará.

Onde encontrar o tucunaré

Os 12 restaurantes que participam do Festival do Tucunaré são: Bambu, Domani, Ilha Verde, Villa Itacaiúnas, Em Casa Buffet, Vó Bertina Pizzaria, Flutuante Scala, Maverick 73, Cia. Paulista de Pizza, Tertúlia Churrascaria e os restaurantes dos hotéis Hotel Del Príncipe e Tauari.

Turismo

Pará tem a gastronomia mais bem avaliada do Brasil

A gastronomia brasileira recebeu nota máxima de 95,4% dos visitantes internacionais e a de Belém chegou ao topo, com 99,2% de aprovação.

O estado do Pará é destaque na gastronomia do Brasil, com culinária de ingredientes da cultura indígena, temperada com influências portuguesa e africana. Estudo do Ministério do Turismo, realizado em 2016, revela que a capital, Belém, desponta como destino brasileiro mais bem avaliado pelos turistas estrangeiros.

De acordo com a pesquisa, a gastronomia brasileira recebeu nota máxima de 95,4% dos visitantes internacionais e a de Belém chegou ao topo, com 99,2% de aprovação. Maior parte dos visitantes chegaram à cidade no ano passado vindos da França (34%).

As avaliações positivas da gastronomia dos principais destinos brasileiros, com percentuais acima dos 93%, mostram que esse é um ativo importante do turismo brasileiro. Outros destinos bem avaliados são: Belo Horizonte (98,5%), Porto Alegre (98,2%), Paraty (97,7%) e São Paulo (97,5%).

Conheça alguns pratos da culinária paraense:

Pato no tucupi  – O tucupi é um caldo amarelo extraído da mandioca. O pato, depois de assado, é cortado em pedaços e fervido no tucupi, no qual fica de molho por algum tempo.

Maniçoba – À folha da planta da mandioca, depois de moída, é acrescentado o charque, toucinho, bucho, mocotó, orelha, pé e costelas salgadas de porco, chouriço, linguiça e paio, praticamente os mesmos ingredientes de uma feijoada completa.

Caruru – Feito com quiabo, camarões secos e inteiros, tempero verde (alfavaca e chicória), farinha seca bem fina e azeite de dendê.

Tacacá – O mingau quase líquido servido em cuias é constituído por uma mistura que leva tucupi, goma de tapioca cozida, jambu e camarão seco.

Chibé – A bebida, com um gosto levemente acidulado, leva farinha de mandioca e água. Considerada a mais paraense de todas as comidas.

Mujica – É um prato de espécie cremosa, que pode ser feita de farinha de peixe – conhecida como piracuí – massa de siri ou caranguejo.

Doces – As sobremesas paraenses são ricas em frutas, principalmente vindas da Amazônia, e licores. Os principais frutos que marcam a culinária regional são: açaí, cupuaçu, pupunha, guaraná e a manga.

Fonte: Ministério do Turismo

Eventos

Parauapebas sediará 1º Festival Gastronômico Sabores do Pará

Evento promove a capacitação de profissionais do segmento alimentício e concurso culinário com empresas instaladas na cidade

Durante todo o mês de agosto os moradores de Parauapebas e região terão a oportunidade de saborear pratos saborosos e diversos durante a realização do 1º Festival Gastronômico Sabores do Pará, promovido pelo Sindicato de Alimentação e Hospitalidade de Parauapebas e Região (SEAHPAR), em parceria com o setor público e privado da cidade.

O evento tem duas vertentes: a primeira voltada a capacitações dos profissionais vinculados ao segmento alimentício, e a segunda destinada ao público, por meio de um concurso culinário que apresentará ao consumidor de Parauapebas as especialidades das empresas neste segmento instaladas no município.

“O objetivo geral do evento é promover a gastronomia local, através da capacitação e visibilidade das empresas participantes, de forma a atrair novos públicos, popularizando a culinária local oferecida pelas empresas instaladas na cidade”, informa o presidente do Seahpar, Jânio Valadares Veras Júnior.

Os organizadores do festival têm como meta cadastrar 90 empresas para participar do evento e alcançar pelo menos 10 mil pedidos dos pratos cadastrados, o que resultará em R$ 500 mil de movimentação financeira, segundo a estimativa projetada, contribuindo assim para o aquecimento da economia local.

Concurso gastronômico

As empresas interessadas em participar do festival devem se inscrever pelo site www.festivalsaboresdopara.com.br, ou procurar o Seahpar. Cada empresa pode cadastrar um prato ou produto por categoria e definir qual percentual de desconto será dado ao cliente, respeitando o limite do concurso que é de 10% a 50%.

Para os clientes terem esse desconto e votar nas suas empresas preferidas, deverão baixar o aplicativo Sabores do Pará, também disponível no site do evento, e fazer um rápido cadastro, com nome, celular e e-mail. No aplicativo, haverá a opção “escolher” e “receber cupom desconto” − automaticamente o cliente receberá o telefone da empresa para pedido, se for o caso, ou o endereço para ir ao local onde é comercializado; nesta tela também vai aparecer a opção votar. Para a validação do voto será necessário um breve comentário sobre o prato.

Segundo Jânio Valadares, até agora já foram realizados 320 downloads do aplicativo, “e olha que ainda nem fizemos o lançamento oficial do projeto. Até agora são 25 empresas inscritas e 48 pratos cadastrados, e todos os dias estamos visitando e cadastrando novas empresas”.

O resultado final será validado por uma comissão julgadora, cujos os integrantes serão indicados pelos parceiros do evento. O resultado final será avaliado e divulgado dia 1º de setembro, quando a comissão vai apresentar os ganhadores e a quantidade de votos nas 30 categorias disponíveis no Festival.

A premiação ocorrerá no dia 2 de setembro, no hall do Partage Shopping, com a participação de todos os parceiros e a entrega dos títulos “Melhor da Categoria” e “Melhor Produto/Prato da Cidade”, eleitos dentre os vencedores de suas respectivas categorias.

Capacitação para profissionais

Os funcionários das empresas participantes do concurso gastronômico participarão gratuitamente de treinamentos ministrados no Sebrae e Senai, com 80 vagas disponíveis, e palestras realizadas em uma sala no Partage Shopping, preparada exclusivamente para esse objetivo; lá serão 250 vagas.

Turismo

Setur apresentou em Marabá o projeto da 8ª Feira Internacional de Turismo da Amazônia

Este ano o evento acontece em duas etapas, em São Paulo e no Hangar Centro de Convenções da Amazônia, em Belém

Por Eleutério Gomes – de Marabá

Aconteceu na noite de ontem, terça-feira (27) o Seminário Regional do Polo Araguaia-Tocantins, promovido pela Setur (Secretaria de Estado de Turismo), para apresentar o projeto da 8ª Feira Internacional de Turismo da Amazônia (8ª Fita), que este ano ocorre em duas etapas: em São Paulo, de 28 de agosto a 3 de setembro, e em Belém, de 21 a 24 de setembro, no Hangar Centro de Convenções da Amazônia. A Fita é um espaço de comercialização de destinos, produtos, rotas e roteiros turísticos do Pará.

Segundo Álvaro Negrão do Espírito Santo, diretor da Setur e organizador da Feira Internacional de Turismo, a média anual de turistas que visita o Pará é de um milhão de pessoas, a maioria delas vindas de São Paulo, daí o motivo de a primeira etapa do evento acontecer na capital paulista.

“Lá vamos ter a oportunidade de divulgar os insumos da culinária paraense, como o queijo do Marajó, a farinha de Bragança, o piracuí de Santarém, entre outros produtos que são iguarias do mercado gourmet”, afirma Álvaro, acrescentando: “Vamos apresentar ao público paulista os principais elementos que compõem os pratos utilizados pela alta gastronomia paraense”.

Gastronomia 

Paralelamente o isso, acontece um festival gastronômico no Restaurante Capim Santo, onde a Setur vai concentrar a parte de promoção do Pará para operadores de turismo de São Paulo.

No dia 31 de agosto acontece outro festival em que os convidados serão os principais operadores de turismo de São Paulo, cerca de 100, que num jantar conhecerão um pouco da culinária paraense. “Durante a tarde, antecedendo o jantar, eles terão um encontro comercial com os agentes de turismo receptivo de Belém”, conta o diretor.

Na segunda e maior etapa da 8ª Fita, de 21 a 24 de setembro, a Feira vai ocupar todo o espaço de exposição do Hangar, com estandes de todos os setores de turismo, como hotelaria, transporte e agentes de viagens.

Este ano a Fita terá uma área para o Passaporte Pará, um programa do Banpará com apoio da Setur e da Abav (Associação Brasileira dos Agentes de Viagem), que consiste em vender o Pará ao Pará, em que o banco vai financiar viagens para quem quiser sair do seu município e conhecer outras cidades paraenses.

Iguarias regionais

Também no Hangar haverá uma área gourmet com a apresentação de produtos dos seis polos turísticos do Estado. “Uma das minhas missões aqui é identificar qual a iguaria da região que possamos levar para a Fita. Também haverá um palco com apresentações culturais dos seis polos”, explica Álvaro do Espírito Santo.

Nos auditórios e nas salas multiuso, durante os três dias da 8ª Feira Internacional de Turismo da Amazônia, acontece a capacitação Oca do Conhecimento, com uma série de eventos, como convenção dos turismólogos, seminário para gestores municipais de turismo e uma oficina de embutidos defumados, para a qual virá um chefe de cozinha de Portugal para capacitar profissionais dessa área. “Estamos organizando as rotas gastronômicas e precisamos melhorar nossas iguarias, porém sem descaracterizar a tradição, mas, melhorando a qualidade”, salienta Álvaro.

Centro de Convenções

Ouvido pelo Blog, o secretário de Estado de Turismo, Adenauer Góes disse que a Setur espera que em Belém, os municípios, por meio dos polos de turismo, possam estar presentes apresentando aquilo o que estão fazendo em relação ao turismo como atividade econômica. “Particularmente, aqui no polo Araguaia-Tocantins, cujo portão de entrada é Marabá, temos um equipamento que muito em breve estará entrando em funcionamento. E a nossa expectativa é de que isso incentive de forma muito especial o turismo sob a ótica das feiras, dos seminários e congressos”, disse ele, se referindo ao Centro de Convenções do Governo do Estado, cuja previsão de inauguração é para o final de setembro próximo.

Adenauer não se limitou, porém aos eventos. Disse esperar que, com o Centro de Convenções e o impulso ao turismo de eventos, a cidade possa ganhar também sob a ótica do lazer e de outros tipos de segmentos turísticos em função de que um equipamento desse porte “efetivamente pode ajudar e contribuir muito para o desenvolvimento do turismo como atividade econômica no município e na região”.

Aquisição de conhecimento

Para o empresário do ramo de hotelaria Dauro Antônio Remor, presidente do Sindihotel (Sindicato dos Hotéis, Bares e Restaurantes de Marabá), participar de uma feira internacional como a 8ª Fita é um ganho para toda a vida, pois se adquire conhecimento e se conhece pessoas que não se tem oportunidade de conhecer estando no interior do Estado. “Quando há um evento de grande porte, você tem acesso a pessoas com informações que são essenciais para manter o negócio e desenvolver”, opina ele.  Na opinião de Dauro, a forma como a Fita vem se apresentando, desde a primeira, versão vem evoluindo de acordo com as demandas que o mercado está precisando: “O empresário tem de ir, sempre se traz alguma coisa para inovar”.

Captação de recursos

Também ouvido pelo Blog, o secretário de Indústria, Comércio, Ciência, Tecnologia e Mineração de Marabá, Ricardo Pugliese, sob a responsabilidade de quem também está o setor de Turismo do município, disse acreditar que o turismo de negócios é muito importante porque é a fonte de captação de turista. “E aí você, aproveitando a estrutura hoteleira, de belezas naturais, de lazer e de alimentação, deflagra outras oportunidades para o empresário do turismo aqui na cidade”, opina ele.

Para ele, o Centro de Convenções será o grande impulsionador do turismo local. Por isso – afirma Ricardo – a secretaria está trabalhando com as universidades para incluir todas as empresas de atividade turística no Cadastur, um órgão do Ministério do Turismo pelo qual os municípios podem captar recursos. Mas, para isso, precisam mostrar que a cidade tem toda uma estrutura turística.

“Hoje não temos nada do nosso parque turístico colocado no Cadastur. Então, vamos usar o pessoal da universidade para fazer um grande censo turístico e levar essas informações para esse site. A partir do momento em que solicitarmos recursos, o ministério entra lá e vê a nossa estrutura de hotéis, transporte, restaurantes, locadoras e todo o nosso suporte e avalia que, com a estrutura que temos, o município merece aporte de recursos”, detalha Pugliese.

“Esse é o trabalho principal que começa toda uma estruturação para que no futuro o turismo em Marabá realmente comece a galgar um patamar mais relevante do que tem hoje, é uma estruturação técnica”, conclui.

Os próximos 

O evento, que ocorreu na Sala de Convenções do Itacaiúnas Hotel, teve a participação de prefeitos de vários municípios do sul e sudeste do Estado, operadores de turismo, presidentes se associações e outras autoridades. Os próximos seminários acontecem no Polo Xingu, em Altamira, no dia 6 de julho próximo, e em Tucuruí, nova mente no Polo Araguaia-Tocantins, no dia 11. Antes de Marabá, onde aconteceu o quarto seminário, a 8ª Fita foi apresentada no Polo Marajó, em Soure; no Polo Amazônia Atlântica, em Salinópolis; e no Polo Tapajós, em Santarém.

Turismo

Feira Internacional de Turismo da Amazônia (FITA) será em setembro com nova formatação

A FITA 2017 terá também a Mostra Gastronômica do Pará e a Oca do Conhecimento, com apresentação de iguarias e produtos gourmet presentes nos territórios de rotas de turismo e gastronomia.

Com um formato renovado e que promete maior interação com o público consumidor, a Feira Internacional de Turismo da Amazônia (FITA) 2017 já tem data definida para ser realizado este ano. Entre os dias 21 e 24 de setembro, de 17 às 22 horas, no Hangar – Centro de Convenções e Feiras da Amazônia, a FITA reunirá a exposição de produtos e serviços de empresas de turismo e gastronomia, a Vitrine Cultural com produtos do arranjo produtivo local do programa Alimentação Fora do Lar e produção associada das rotas turísticas (Belém-Bragança, do Queijo do Marajó, do Cacau e Chocolate, do Vale do Xingu), espaço destinado ao Passaporte Pará para comercialização de destinos, rotas, roteiros e produtos turísticos do Estado, além de apresentações culturais de artistas dos seis polos de turismo paraense: Belém, Amazônia Atlântica, Araguaia Tocantins, Marajó, Tapajós e Xingu.

Entre as principais novidades pensadas e elaboradas pelo corpo técnico da Secretaria de Estado de Turismo, a fim de modernizar a feira e de colocar o evento em nova era e no mesmo patamar das mais importantes feiras de turismo nacionais, a renovada FITA terá também a Mostra Gastronômica do Pará e a Oca do Conhecimento. A Mostra terá apresentação de iguarias e produtos gourmet presentes nos territórios de rotas de turismo e gastronomia.

Já a Oca do Conhecimento promoverá eventos técnicos como seminários, fóruns, convenções, workshops e palestras, entre eles a Convenção dos Turismólogos, Seminário de Cooperação Pan-Amazônica para desenvolvimento do turismo e gastronomia, Oficina Culinária de Embutidos e Defumados, reunião do Fórum Técnico de Indicação Geográfica e Marcas Coletivas do Estado do Pará, workshop de inovação em Design Thinking, cases de sucesso da atividade turística, entre outros, envolvendo empresários do trade, profissionais do setor e gestores públicos, trocando experiências e conhecimentos para desenvolvimento da atividade turística paraense.

Ir até o consumidor final é o objetivo principal da nova FITA, fugindo dos modelos tradicionais para criar um ambiente atrativo e de interação entre público e quem vende, seja produtos, serviços ou conhecimento. “É o que pretendemos para a Feira Internacional de Turismo da Amazônia (FITA) em sua próxima e renovada versão. Mais do que conquistar, é preciso encantar o consumidor”, afirma o secretário de Estado de Turismo, Adenauer Góes.

Feiras tem a capacidade de mobilizar e promover uma grande circulação de pessoas e com isso gerar receita para praticamente todas as atividades transversais do turismo, como as redes de hotéis e restaurantes, agentes de viagens, transportadoras turísticas, companhias aéreas, centros de convenções, logística, etc. Um estudo do Sebrae, de 2013, o II Dimensionamento Econômico da Indústria de Eventos no Brasil revela que o setor movimentou R$ 209,2 bilhões, o que representa uma participação de 4,32% do PIB do Brasil.

Seminários Regionais – Para promover a FITA e mobilizar os atores envolvidos com a cadeia produtiva da atividade turística, a Setur está realizando Seminários Regionais para a apresentação do projeto FITA 2017 nos seis polos de turismo do Estado, com a parceria da Faciapa e associações comerciais locais. O primeiro seminário foi no último dia 13 deste mês, em Soure, no polo Marajó. Nesta segunda-feira (19), ocorre o segundo em Salinópolis, no Hotel Solar, cidade do polo Amazônia Atlântica. Já na próxima quarta-feira (21) quem recebe o evento de mobilização é o Tapajós, no auditório da Associação Comercial de Santarém.

“Todo esse trabalho que vem sendo desenvolvido pelas gestões públicas, quer do Estado quer seja dos municípios, e pelo empresariado, será mostrado muito brevemente na FITA. É importante que os polos turísticos possam se preparar para participar deste evento, estão todos sendo convidados, para que o Pará possa ver na realidade de uma forma bem objetiva tudo que é oferecido na economia do turismo”, conclui Adenauer Góes.

Pará

Fita terá Festival gastronômico com mostra da cozinha paraense

Pato no tucupi

O Governo do Pará, por meio da Companhia Paraense de Turismo (Paratur) e com apoio da Secretaria de Estado de Turismo do Pará (SETUR) promove a 7ª edição da Feira Internacional de Turismo da Amazônia (Fita), entre os dias 20 e 23 de maio. A novidade deste ano é que a programação da Fita também vai absorver o Festival Gastronômico Ver-o-Peso da Cozinha Paraense, realizado pelo Instituto Paulo Martins e que desde a sua concepção, há mais de 10 anos, conta com apoio da Paratur e o Congresso de Turismo, Hospitalidade e Gastronomia da Amazônia Legal.

O evento, que tem periodicidade bienal, é direcionado aos profissionais da área turística e a expectativa dos realizadores da feira, que tem apoio também do CNTUR – Conselho Nacional de Turismo, é de que o evento supere em resultados a edição de 2012, em que projetou um lucro ao Pará superior a US$ 60 milhões em negócios no setor. Na época foram agendados 299 encontros entre os suppliers e buyers e cerca de 600 profissionais participaram da programação nos quatro dias do evento, que aconteceu em junho de 2012, no Hangar, em Belém.

Esta 7ª. edição acontece na Estação das Docas, em Belém e deve reunir grandes marcas do turismo mundial, a exemplo da TAM, TAP. São esperadas participações de, no mínimo, 8 estados do Brasil e 14 países na programação, que terá foco principal na qualificação aplicada à excelência na prestação de serviços e comercialização de produtos turísticos.

Para garantir a participação do trade no evento a equipe de marketing da Paratur já promoveu o evento e o destino Pará este ano em diversas feiras nacionais e internacionais, a exemplo da FITUR em Madri, a BIT em Milão, a ITB em Berlim e a BTL de Lisboa.

TacacaNa BTL, por exemplo, entre o saldo positivo trazido pela equipe está um balanço de contatos diretos com cerca de 350 hosted buyers de 25 países, a exposição do Pará em um estande próprio, pela primeira vez, e em um ônibus promocional para o público de 65 mil pessoas que circularam na feira de 12 a 16 deste mês, no Parque das Nações.Cerca de 20 empresários paraenses acompanharam a Paratur no evento e tiveram a oportunidade de comercializar na Europa seus pacotes turísticos.

Os emissores de turismo almejados pelos realizadores da Fita no Brasil são os estados de São Paulo (São Paulo, Campinas, São José do Rio Preto, Ribeirão Preto, Santos), Minas Gerais (Belo Horizonte), Rio de Janeiro (Rio de Janeiro), Distrito Federal (Brasília), Paraná (Curitiba), Rio Grande do Sul (Porto Alegre), além dos estados da Amazônia vizinhos ao Pará que também terá o turismo interno estimulado com a Fita.Já o mercado internacional almejado pela Paratur envolve Portugal, França, Itália, Inglaterra, Espanha, Alemanha, Oslo-Noruega, Estocolmo-Suécia, Copenhagen-Dinamarca, Nova York, Los Angeles, Miami, Buenos Aires, Santiago-Chile, Guianas e Suriname.

Programação

A programação da Feira Internacional de Turismo da Amazônia vai envolver atividades técnico-científica com palestras, debates, painéis e outros. O ponto alto será a Bolsa de Negócios, com fechamento de negócios entre operadores nacionais e internacionais e suppliers da região amazônica.A programação também vai oferecer missões promocionais: visitas técnicas de decision makers, operadores turísticos nacionais e internacionais promovidas pela Paratur e trade turístico. Durante a FITA, os profissionais de outros estados e países conhecerão o roteiro turístico 8 dias/7 noites. Os operadores participarão da rodada de negócios de acordo com o interesse pelos produtos apresentados.

Pará

Gastronomia do Pará em evidência em nova edição da revista de bordo da TAP

A gastronomia do Pará, uma das mais fortes expressões da cultura paraense, é tema de uma edição especial da UP Magazine, revista de bordo da TAP  Portugal. A pauta está sendo executada pelo jornalista Miguel Pires e pelo fotógrafo Paulo Barata com  orientações dos chefes paraenses Felipe e Thiago Castanho. Os  profissionais da UP chegaram em Belém no último dia 24,  e incluíram em sua visitação o município de Soure, no Marajó, a ilha do Combu e pontos turísticos de referência em Belém, a exemplo do Complexo Ver-o-Peso.

A edição especial da UP Magazine tem apoio do Programa de Press Trip da Companhia Paraense de Turismo (Paratur) e do Hilton Belém. Acontece em um momento em que boas notícias estão sendo divulgadas sobre a histórica relação entre Portugal e o Pará, em especial o recente anúncio de um voo direto de Lisboa para Belém, ligando definitivamente a Amazônia à Europa através de Portugal.  O assunto foi tema de reunião na manhã desta terça-feira entre os profissionais de comunicação da UP, os chefes Thiago e Felipe Castanho com o presidente da Paratur, Marcelo Mendes.

Miguel falou sobre a experiência de conhecer pessoalmente lugares como o Marajó e a feira do Ver-o-Peso dos quais já tinha referências literárias e de relatos de chefes brasileiros, como Alex Atala, Paulo Martins e agora dos chefes Thiago e Felipe, que segundo ele, são jovens com um olhar mais contemporâneo da gastronomia”.

“Conhecer o mercado do Ver-o-Peso é extremamente importante e são essas pessoas que fazem com que outros venham conhecer o lugar”. Enalteceu Miguel, que também demonstrou encantamento com o que apreciou na região turística do Marajó, onde visitou fazenda de produção de queijo de búfala e praias. Miguel fez questão de ressaltar a importância do trabalho dos jovens chefes e da imprensa especializada para fortalecer os destinos turísticos.

Thiago Castanho explicou que a escolha dos lugares a serem visitados por Paulo Barata e Miguel Pires, que além de assinar a rubrica gourmet da UP Magazine é também uma referência na área da gastronomia em Portugal, teve como objetivo também uma leitura diferente da importância das pessoas envolvidas nesse segmento. É o caso de personagens como o empresário Leodoro Porto, proprietário do boteco Meu Garoto, que inventou em 2011 a cachaça de jambu e dona Nena, que chamou a atenção dos chefes paraenses e dos jornalistas portugueses pelo curioso trabalho artesanal de produzir chocolate. Nena já acompanha a Paratur em missões de promoção do turismo paraense, como a recente participação do Pará no Festival Gastronômico Rio Bom de Mesa, no Rio de Janeiro.

Thiago conta que desde que conheceu o produto feito por Nena acreditou nela e passou a divulgar e apoiar a comercialização. “A gente mostra o chocolate da Nena, que é bom e é muito forte, cem por cento cacau,  chefes que transformam em outros produtos”. Explicou Thiago, ao deixar claro que ao apoiar iniciativas como a de Nena e de produtores de farinha de Bragança também estão aprendendo com esses representantes da cultura do Pará.

O chef paraense, que entre outras premiações já conquistadas nos 15 anos que a família Castanho atua na gastronomia, este ano colocou o Remanso do Bosque na lista dos 50 melhores restaurantes  da América Latina eleitos pela revista britânica “Restaurant”, premiação que no Brasil Belém dividiu espaço apenas com São Paulo e Rio de Janeiro. Lembrou que o início de sua carreira contou com um incentivo de bons amigos, como Alberto Dória,  que hoje está desenvolvendo projetos em Paragominas, que abriu portas para que divulgasse seu trabalho em congressos e eventos nacionais e internacionais. Ressaltou projetos bem sucedidos, para os quais busca agora a parceria da Paratur, como o Visitas Gourmet, que traz ao Pará jornalistas especializados e chefes de renome internacional para trocas de experiências com a cultura paraense através dos ingredientes da gastronomia local.

O presidente da Paratur, Marcelo Mendes, que recebeu a comitiva acompanhado da diretora de Marketing Jacqueline Alves, falou da importância de poder contar com a TAP e com a UP Magazine na missão da Paratur de promover e divulgar os produtos turísticos paraenses, segundo as diretrizes do Plano Ver-o-Pará (Plano Estratégico de Turismo do Pará), que visualiza entre os mercados prioritários a Europa, especialmente Portugal, onde a Paratur já participa anualmente da BTL – Bolsa de Turismo de Lisboa. Parabenizou o excelente trabalho que os irmãos Castanho, com as marcas Remanso do Peixe e Remanso do Bosque estão fazendo em prol da gastronomia e do turismo do Pará. Marcelo colocou a Paratur à disposição para outras iniciativas do gênero.

“Vocês estão fazendo um trabalho grandioso. Vejo oportunidades de agregar valor ao turismo do Pará, à nossa cultura e a partir do momento que você temo  governo do Estado através da Paratur lhe apoiando as possibilidades vão ser ainda maiores. A Paratur quer valorizar a cultura por que é parte do turismo, gera emprego, gera renda. Com isso, quem ganha é o Pará”. Afirmou Marcelo

Também foi apresentada aos jornalistas a proposta de promoção e divulgação do Pará dos segmentos cultura, natureza, sol e paia, evento e negócios em que valores como criatividade, autenticidade, diversidade, originalidade e principalmente a sustentabilidade são os diferenciais e estão presentes, por exemplo, no roteiro de comercialização dos produtos turísticos paraenses Pará: Obra-Prima da Amazônia em 8 dias e 7 noites, que inclui os principais atrativos de Belém, Marajó e Tapajós.

Os profissionais de comunicação da UP Magazine deixam Belém nesta quarta-feira, dia 30. A expectativa de Paula Ribeiro, diretora de jornalismo da publicação portuguesa é de que a gastronomia do Pará seja destaque da UP nas primeiras edições de 2014 da revista, que circula em todos os voos da TAP, que tem conexões aéreas diretas com cerca de 80 destinos do Brasil e do mundo.  Praga, Nova Iorque, Barcelona, Sal, Rio de Janeiro, Funchal, Roma, Porto Santo e Amsterdã são alguns desses destinos.

Novo Voo
Anunciada no último dia 5 de outubro pelo vice-presidente da TAP, Luiz Gama Mór, a nova rota internacional da TAP para o Brasil, partindo de Belém para Lisboa, está prevista para ser inaugurada em junho de 2014.  São previstas  três frequências semanais, às terças e sextas-feiras e domingos. Os voos partirão de Lisboa às 9h30 e chegarão a Manaus às 13h40, seguindo então para Belém, aonde chegarão por volta das 17h40. As viagens de Belém a Lisboa sairão do Aeroporto Internacional de Val-de-Cans às 19h10 e chegarão à capital portuguesa às 6h45 do dia seguinte (horário Local), com cerca de sete horas de duração.

Fonte: ASCOM Paratur

Pará

Pará recebe o 1º Congresso de Turismo, Hospedagem e Gastronomia da Amazônia Legal

O 1º Congresso de Turismo, Hospedagem e Gastronomia da Amazônia Legal tem início, na próxima segunda-feira, dia 12, às 15 horas, no Hangar – Centro de Convenções e Feiras da Amazônia. O evento é resultado de uma articulação da Secretaria de Estado de Turismo do Pará (Setur-PA) em parceria com a Confederação Nacional do Turismo (CNTur).

Dirigentes públicos, parlamentares, especialistas, empresários e estudiosos da academia tem como objetivo principal consolidar o turismo sustentável como setor produtivo relevante no contexto do modelo de desenvolvimento para a Amazônia no cenário do século 21.

O congresso que vai até o dia 14 deste mês, terá em seu primeiro dia, a palestra “Turismo e Desenvolvimento Regional sob a Ótica Parlamentar”, ministrada pelo deputado federal do Amapá, Sebastião Bala Rocha, que também é coordenador da bancada da Região Norte da Câmara Federal. Em seguida, o professor doutor da Universidade de São Paulo (USP), Mario Carlos Beni, que fará conferência com o tema “Cenários do Século XXI e Turismo na Amazônia”.

O dia 13 reserva aos participantes do congresso, a palestra “O financiamento do Desenvolvimento do Turismo na Amazônia Legal”, com o diretor Comercial e de Distribuição do Banco da Amazônia, José Roberto Lima; a mesa redonda com o tema “Desafios e estratégias do setor público para o desenvolvimento sustentável do turismo na Amazônia”; a conferência “O Turismo de Interesse Especial: O Desejo de Conhecer a Amazônia, com Alexandre Panosso Netto, também da USP ; a mesa Redonda sobre “Boas Práticas do Setor Produtivo no Fomento ao Turismo Sustentável” e, por fim, a apresentação case de sucesso “Fortalecimento da Gestão das Micro e Pequenas Empresas do Turismo Brasileiro”, com o consultor do Sebrae, Luiz Carlos Barbosa.

O último dia do congresso começa com a terceira mesa redonda abordando o tema “Desafios e estratégias do setor privado para o desenvolvimento do turismo na Amazônia – sustentabilidade & rentabilidade”, prossegue com as reuniões de grupos de trabalho e encerra com a apresentação da Carta do Turismo Sustentável da Amazônia Legal e o lançamento do projeto Turismo Religioso da CNTur.

A Carta do Turismo Sustentável da Amazônia Legal servirá como documento de referência para a sociedade e para o mercado, tendo a sustentabilidade como premissa básica para atuação das organizações e das pessoas.

“Um time de palestrantes de primeira linha estará presente para expor e analisar as questões essenciais para fortalecer o turismo no contexto da estratégia de desenvolvimento da Amazônia. O evento é uma singular oportunidade para os atores regionais, públicos e privados, construírem um novo caminho para o turismo regional, em uma das regiões mais emblemáticas para o exercício de práticas concretas de sustentabilidade”, afirma o presidente da CNTur, Nelson de Abreu Pinto.

O evento realizado pela CNTur tem apoio institucional da Setur/PA – vinculada a Secretaria Especial de Desenvolvimento e Incentivo à Produção (Sedip) do Governo do Pará, Associação de Secretários e Dirigentes do Turismo de Capitais e Destinos Indutores (Anseditur), Bancada do Norte da Câmara dos Deputados e Agência de Desenvolvimento do Turismo da Macrorregião Norte (Adetur Amazônia).

Fonte: Brasilturis

error: Conteúdo protegido contra cópia!