Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Marabá

Entidades preparam vasta programação para Semana do Meio Ambiente

ICMBIO, Uepa, Unifesspa Prefeitura de Marabá, entre outras entidades, têm agenda definida para atividades na próxima semana
Continua depois da publicidade

A data de 5 de junho é conhecida como Dia Mundial do Meio Ambiente. E em Marabá uma vasta programação está agendada pelas entidades que atuam neste segmento. O ICMBio, por exemplo, organiza a II Gincana Ambiental Interescolar da Floresta Nacional do Tapirapé-Aquiri, junto às escolas beneficiadas com o projeto em Marabá.

O evento contará com a participação das escolas envolvidas no programa de educação ambiental crítica da Floresta Nacional do Tapirapé-Aquiri, denominado “A Comunidade Vai à Floresta”, tendo como objetivos principais o fortalecimento das ações praticadas até então na criação de valores sustentáveis junto aos envolvidos, além de promover maior integração entre instituições de ensino locais e a consequente aproximação destas ao Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, órgão gestor da unidade, no fortalecimento da gestão participativa.

As escolas participantes são Anísio Teixeira, Pedro Peres Fontenelle, Gabriel Sales Pimenta;

Escola São Francisco, Escola Martinho Motta; Deuzuita Melo de Albuquerque, João Anastácio de Queiroz, IFPA – Campus Industrial de Marabá e Escola Família Agrícola.

PROGRAMAÇÃO DA UEPA
A poluição atmosférica causa 12,6 milhões de mortes por ano. Aproximadamente 23% de todas as mortes prematuras são causadas por problemas de degradação ambiental. Os dados são da Organização das Nações Unidas e alertam a população mundial sobre os graves riscos da degradação e não preservação do meio ambiente.

Como podemos manter o futuro incerto diante dessas questões socioambientais? É por meio da politica ambiental efetiva, maior fiscalização ou das mudanças no padrão de consumo da sociedade? Para analisar esse cenário, com o tema “Pensar no agora para manter o futuro”, o Campus da Universidade do Estado do Pará (Uepa) em Marabá realizará entre os dias 4 e 8 de junho de 2018, a sua Semana do Meio Ambiente.

Organizado pelos professores de engenharia ambiental e florestal do campus de Marabá, com apoio do centro acadêmico, o evento pretende debater as questões socioambientais junto a estudantes, pesquisadores e profissionais da área.

A programação da Semana do Meio Ambiente da Uepa em Marabá é composta por três categorias: mesas redondas e atividades de extensão; oficinas; e minicursos. Entre as temáticas abordadas estão o empreendedorismo, a restauração ambiental, a fitopatologia (estudo das doenças das plantas) e o monitoramento ambiental.

NA UNIFESSPA
Na quarta-feira, dia 6 de junho de 2018, acontece na Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (Unifesspa) mais uma edição da Feira dos Povos do Campo. O objetivo da feira é criar um espaço de sociabilidade e comercialização direta entre os sujeitos do campo que produzem e reproduzem seus modos de vida nos territórios que ocupam, enquanto resistem aos processos de expropriação capitalista, e a comunidade acadêmica que recorrentemente estabelece interlocução com os mesmos, por meio de ações de pesquisas e/ou extensão.

Para está 7ª edição da feira virão agricultores de assentamentos da região de PA Alegria, PA Três Ilhas, PA 26 de Março, PDS Porto Seguro e PAE Praia Alta Piranheira, entre outros, estarão na Tenda do NEAm, comercializando seus produtos como: maracujá, mamão, limão, laranja, biribá, murici, abacaxi, carambola, diversas variedades de banana, polpa de frutas (cupuaçu, acerola, cajá/taperebá, goiaba, manga), coco verde, farinha branca e de puba, goma, massa puba, macaxeira na casca e descascada, abóbora na casca e descascada, inhame, jiló, quiabo corante, molho de pimenta, pimenta-do-reino, pimenta-de-cheiro, cheiro-verde, temperos caseiros, tucupi, azeite de coco, castanha-do-pará, feijão verde e seco debulhado, leite, massa de milho verde, pamonha, pato e frango caipira abatidos, bolos e doces, vinagreira/cuxá, couve e produtos de andiroba.

Na Prefeitura de Marabá, a Secretaria Municipal de Meio Ambiente prepara uma programação educativa para escolas e comunidade em geral. A cidade, que tem pouca arborização, precisa rediscutir o plantio de mudas de árvores em diversas vias.

Ulisses Pompeu – de Marabá
Marabá

Últimos dias para assentados se inscreverem em curso de agroindústria no Sul do PA

A iniciativa é uma parceria com o Incra, por meio do Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária (Pronera).
Continua depois da publicidade

Serão finalizadas, em 28 de maio, as inscrições para o processo seletivo do Curso Técnico em Agroindústria Subsequente do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará (IFPA), no Campus Rural de Marabá. A iniciativa é uma parceria com o Incra, por meio do Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária (Pronera).

Podem se candidatar às 40 vagas ofertadas jovens e adultos provenientes de famílias de assentamento criados ou reconhecidos pelo Incra e do Programa Nacional de Crédito Fundiário. O interessado deve comparecer ao IFPA – Campus Marabá Rural, localizado na Rodovia BR-155, KM 25, Projeto de Assentamento 26 de Março, zona rural do município para realizar a inscrição.

Entre os documentos necessários está a declaração de vínculo com a terra, fornecida pela equipe do Pronera do Incra em Marabá. Os demais estão listados no Edital Nº01/2018 (clique aqui para acessá-lo).

Uma comissão avaliará critérios específicos para estabelecer a ordem de classificação dos interessados e o resultado será divulgado no dia 4 de junho. A matrícula ocorrerá entre 6 e 12 de junho e a previsão de início das aulas é o dia 6 de agosto deste ano. O Curso Técnico em Agroindústria Subsequente terá duração mínima de 18 meses e carga horária mínima de 1.480 horas.

A parceria entre a Superintendência Regional do Incra no Sul do Pará e o IFPA – Campus Marabá Rural visa fortalecer a educação nas áreas de reforma agrária, utilizando metodologias voltadas para as especificidades do campo. O foco é contribuir para a promoção do desenvolvimento com base nos princípios da sustentabilidade econômica, social e ambiental dessas comunidades rurais.

Fonte: Assessoria de Comunicação Social do Incra/Marabá

Pará

Unifesspa e IFPA assinam acordo de cooperação técnica para ações de ensino

Reitor da universidade, em discurso empolgado e veemente, afirma que o fundamental na construção de uma Nação e o ensino público de qualidade, mas, para isso, é preciso eliminar as assimetrias
Continua depois da publicidade

A Unifesspa (Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará) e o IFPA (Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará) assinaram na manhã desta segunda-feira (23) Acordo de Cooperação Técnica tendo em vista ações conjuntas que assegurem a realização de atividades de interesse das duas instituições. O Plano de Trabalho do acordo visa o desenvolvimento tecnológico regional, por meio de ensino, pesquisa e extensão. Num primeiro momento estão previstas um conjunto de ações envolvendo o IGE (Instituto de Geociências e Engenharia), pela Unifesspa; e o Campus Tecnológico e Marabá, pelo IFPA.

A cooperação será dividida em etapas independentes, em níveis crescentes de inserção, que podem ser desde visitas técnicas às instituições, pesquisa, uso de equipamentos, espaço físico ou, até mesmo, aulas experimentais.

O IFPA, visando a melhoria na qualidade do ensino tecnológico na região, discutiu a ampliação da área de atuação e obteve recursos material, físico e humano para o Campus Avançado de Marabá, enquanto o IGE apresenta demandas de laboratórios e profissionais qualificados.

Esforço conjunto

Logo, o Acordo de Cooperação Técnica entre as duas instituições viabiliza estrutura comum para o desenvolvimento das atividades relacionadas a ensino, pesquisa e extensão, como gerador de conhecimentos na região. O aspecto relevante disso será a fixação de profissionais na região, além do desenvolvimento de tecnologias por esses mesmos profissionais.

Ao falar à plateia do auditório do Campus 1 da Unifesspa, formada pro acadêmico, professores e funcionários da universidade, o diretor-geral do IFPA – Campus Industrial de Marabá, Marcelo Edgar Maia, destacou que a assinatura do Acordo de Cooperação foi a culminância de eventos que já há algum tempo vêm acontecendo, por meio do esforço das duas instituições para se unirem oficialmente.

“Em verdade essa união, essa cooperação já existe informalmente, há alguns anos. Eu diria que não é uma coisa que precisa dar certo, pois vem dando certo, só precisava oficializar mesmo”, salientou Marcelo, acrescentando que, ao tornar oficial a parceria a tendência é ampliar essa cooperação, por meio da área de ensino, de graduação e até de pós-graduação.

Crescer junto

“Nós temos muito que crescer aqui na nossa região, as duas instituições são novas e estão crescendo. Então temos de crescer juntas. Ninguém cresce sozinho e, nós, que estamos já há algum tempo aqui em Marabá, sabemos que, quanto mais nos unirmos, mais vamos crescer”, enfatizou o diretor-geral do IFPA, reafirmando não ter dúvida de que isso vai acontecer “e, agora, de maneira bem mais rápida”.

O reitor do IFPA, Cláudio Alex Jorge da Rocha, em seu discurso, lembrou que a Unifesspa tem sido parceira constante do instituto, e que este precisa dessas oportunidades. Salientou que as instituições estão vivendo um declínio acentuado de investimentos públicos na Educação, o que impede, por exemplo, de fazer ampliações, “impactando as ações dos campi, principalmente do Campus Industrial, que está limitado num espaço físico, que, se fosse maior, já teria crescido muito mais”.

Cláudio Alex disse ainda esperar que essa relação com a Unifesspa continue cada vez mais estreita, a fim de que as duas instituições possam melhorar, se aperfeiçoar, ampliar o intercâmbio de professores e alunos das duas instituições e que o IFPA possa promover cursos de stricto senso, em parceria, sempre com foco no desenvolvimento da região.

Construindo uma Nação

“A gente acredita, todos nós acreditamos que é a Educação que vai transformar o mundo. A educação que nós oferecemos, tanto a universidade quanto os institutos, tem dentro do seu contexto não só o ensino, o que alavanca ainda mais esse desenvolvimento, afirmou o reitor, completando: “O nosso forte é a pesquisa, a extensão e a inovação”.

Maurílio Monteiro, reitor da Unifesspa, por seu turno, disse que será muito bom ter alunos do IFPA convivendo diuturnamente com os alunos da Unifesspa, porque essa convivência dá o sentido de ensino generalizado. “É muito importante essa integração”, reforçou ele.

O reitor discorreu ainda sobre as vantagens que encerra a Cooperação, para as duas instituições, se empolgou com mais essa parceria, dirigiu palavras de elogio ao colega Cláudio Alex e aos demais membros do corpo docente do IFPA, lembrando que, no início da cerimônia foi executado e cantado o Hino Nacional, e dizendo que aquilo não era uma mera formalidade, enfatizando: “Nós estamos aqui em nome de um projeto de Nação. Nós procuramos diminuir as assimetrias. Os alunos que estão aqui têm de ter as mesmas condições de um aluno de uma escola privada de São Paulo. Isso é o que constrói uma Nação”, assinalou, acrescentando que “para conseguir isso é preciso ser criativo”.

Simetria

“A simetria significa que nós tenhamos as condições iguais. Ou seja, melhor ensino, melhores laboratórios, melhor qualificação dos professores e integração para construir um projeto de Nação. E, nesse projeto de Nação, uma coisa é fundamental: a educação pública de qualidade. E o que nós estamos fazendo aqui é isso, um esforço criativo para obter, no projeto de Nação, viva, presente e crescente a perspectiva de diminuir as assimetrias com um ensino público de qualidade”, frisou Maurílio Monteiro.

Participaram ainda da cerimônia: Elias Fagury, pró-reitor de Ensino e Graduação da Unifesspa; Carlos Vinícius de Paes Santos, diretor substituto de Ensino do IFPA – Campus Industrial de Marabá; Riguel Feltrin Contente diretor de Pesquisa, Extensão, Pós-Graduação e Inovação Tecnológica do IFPA – Campus Industrial de Marabá; e José de Arimatéia Costa de Almeida, diretor do IGE da Unifesspa, além de representantes do Exército e outras autoridades.

Por Eleutério Gomes – Correspondente em Marabá
Tucuruí

IFPA/Campus Tucuruí abre inscrições para processo seletivo

Instituto oferece 205 vagas em diversos cursos técnicos. Valor da inscrição é R$ 50,00.
Continua depois da publicidade

As inscrições do Processo Seletivo 2018-1 do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará – IFPA/Campus Tucuruí abrem na próxima quarta-feira (14) e podem ser realizadas até às 23h59 de 01 de abril de 2018 pelo site www.concursos.ifpa.edu.br. São 205 vagas para cursos de educação profissional técnica de nível médio, gratuitos, na modalidade presencial, disponíveis na forma de ensino integrado (o aluno faz o Ensino Médio e o curso técnico ao mesmo tempo). O valor da inscrição é R$ 50,00.

No ato da inscrição, o candidato precisa possuir CPF e RG próprios e optar pelos seguintes cursos: Agrimensura, Edificações, Eletrotécnica, Manutenção e Suporte em Informática, Meio Ambiente e Saneamento. Há oportunidades para manhã e tarde. As informações sobre os cursos mencionados estão disponíveis no anexo II do edital.

Os candidatos de baixa renda que comprovem não ter condições de pagar a taxa de inscrição podem solicitar a isenção, no prazo de 14/03 a 20/03, obedecendo os critérios informados no item 6 do edital. Além disso, o Processo Seletivo também reserva parte das vagas a candidatos de escola pública, pessoas com deficiência e àqueles autodeclarados pretos, pardos e indígenas, conforme orientações do item 3.

Segundo o cronograma do processo seletivo, a realização da prova acontecerá no dia 15 de abril de 2018, das 08h30 às 12h15, sendo que o candidato deve chegar ao local da prova com antecedência de 01 hora. Os assuntos a serem estudados podem ser conferidos no anexo III do edital.

Com informações da ASCOM IFPA/Campus Tucuruí

Vale inicia programa de formação para 116 jovens em Parauapebas

A seleção foi realizada em seis etapas, todas eliminatórias, que contemplaram análise de documentos, prova online, entrevista coletiva, dinâmica de grupo, avaliação psicológica e exames médicos.
Continua depois da publicidade

Nesta segunda-feira (19/2), 116 jovens participam da aula inaugural do Programa Jovem Aprendiz 2018 da Vale. A programação acontece no auditório do Instituto Federal do Pará (IFPA), a partir das 15h30. Nesta edição, a turma contará ainda com 26 pessoas com deficiência, que receberão formação profissional durante dois anos.

Ao longo da formação, os aprendizes receberão qualificação nas áreas de Mecânica e Elétrica, passando pela formação teórica, no Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) e pela fase prática, em áreas operacionais da Vale, no Complexo de Carajás. A experiência permitirá que os aprendizes vivenciem a rotina de trabalho e os conteúdos vistos em sala de aula.

O Programa Jovem Aprendiz é um dos programas Porta de Entrada da Vale e tem como objetivo a preparação para o mercado de trabalho. Todos os aprendizes terão direito a bolsa-auxílio, assistência médica, seguro de vida e transporte. Além disso, receberão vale-alimentação na fase prática.

A seleção

O processo seletivo do Programa Jovem Aprendiz 2018 foi iniciado em outubro do ano passado, com a abertura das inscrições. A seleção foi realizada em seis etapas, todas eliminatórias, que contemplaram análise de documentos, prova online, entrevista coletiva, dinâmica de grupo, avaliação psicológica e exames médicos.

Aula Inaugural do Programa Jovem Aprendiz 2018 da Vale

Quando: 19/2 (segunda-feira)

Onde: Auditório do IFPA, na Rodovia PA 275, s/n, bairro União

Horário: 15h30

comércio

Com bom público, distrito empresarial é lançado em Canaã dos Carajás

Evento de lançamento reuniu autoridades da política e empresários de toda a região
Continua depois da publicidade

Agora é oficial: o Distrito Empresarial Antônio José de Araújo foi lançado na tarde desta sexta-feira (2) em Canaã dos Carajás. O empreendimento deverá abrigar empresas de pequeno, médio e grande porte. Para o lançamento do complexo empresarial, a presença do público surpreendeu a todos. O auditório reservado para o evento ficou completamente lotado e muita gente precisou acompanhar em pé a cerimônia oficial de lançamento. Algumas autoridades políticas estiveram presentes, entre elas, o prefeito Jeová Andrade, o vice Alexandre Pereira e os deputados estaduais Gesmar Costa e João Chamon.

Com mais de um milhão de metros quadrados, o tão sonhado Distrito Empresarial de Canaã dos Carajás nasce com a missão de tornar o município independente da mineração. A expectativa é que empresas de vários segmentos se instalem no local, com incentivos fiscais da Prefeitura Municipal, e construam um novo modelo econômico para a cidade. A esperança que nasce com o complexo é de que renda extra seja gerada para o município e que a população possa ser beneficiada com vagas de emprego.

Conhecida outrora por ser uma terra de oportunidades, Canaã viveu no último uma das piores crises empregatícias de sua história. A desmobilização do Projeto S11D acabou provocando mais de 7 mil demissões só no ano passado. O distrito empresarial chega à Terra Prometida em um momento crucial de retomada da economia na cidade. A ideia é que os novos empreendimentos coloquem Canaã novamente no mapa do crescimento econômico.

Outra grande aposta do governo é a inauguração, também, do tão esperado polo universitário. A estrutura educacional também ficará localizada na mesma área. Representantes de diversas instituições já interessadas em se instalar no município estiveram presentes. Entre as principais instituições de ensino representadas, UFPA, UEPA, IFPA, Famap, Unigran, Uniub, Dínamo e Faculdade Carajás. Presente no evento, o secretário de educação André Wilson falou sobre a importância do novo passo para a educação em Canaã: “A gestão de Canaã tem priorizado a educação. Tenho certeza que o polo será um grande sucesso, vai gerar empregos e também renda para o município, além de promover mais qualidade de ensino, pois algumas dessas instituições poderão formar nossos colaboradores. Nossas expectativas são as melhores.”

Toda a estrutura do distrito empresarial e do polo universitário foi doada pela empresa Vale ao fim das obras no canteiro sudeste. Representando a mineradora, Leonardo Neves também concedeu entrevista: “Eu diria que esse é um momento importantíssimo para toda a região. Essa área foi utilizada para a construção do S11D. No momento da desmobilização, entendemos que essa área poderia ser um grande ativo para o município e deu certo. A Prefeitura comprou a ideia, a diretoria da Vale também autorizou toda a doação. Muitos investimentos foram feitos aqui e esse é o grande diferencial, pois isso facilita a entrada de novos negócios, já que o empreendedor não precisa gastar muito.”

À frente da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, pasta responsável pela elaboração e gestão do projeto, Jurandir José disse que o lançamento do distrito é o início de uma nova história para a Terra Prometida: “Esse é um marco histórico para o desenvolvimento econômico da cidade. Esse é um espaço adequado para receber qualquer tipo de empresa que queira se instalar aqui e gerar empregos para a nossa população. Estou muito feliz, pois este é realmente um passo largo para uma nova história em nossa cidade.”

Anderson Mendes, vereador e presidente da Associação Comercial de Canaã, falou sobre a importância histórica do momento: “Essa é uma luta minha através da ACCIACA já há mais de cinco anos. Agora, com o apoio da Vale, esse grande sonho está acontecendo. Esse é o primeiro passo para que a gente possa trazer empresas, empregos e cursos superiores para que o jovem de Canaã não precise ir embora para estudar.”

Representando a classe empresarial da região, Roberto Paulinelli, dono do Frigorífico Rio Maria, com uma recém-adquirida filial em Canaã, foi convidado a fazer parte da mesa de honra e também fez o uso da palavra: “Estou chegando agora em Canaã e estou impressionado com o que tenho visto por aqui. A atenção que tive aqui é realmente diferenciada. Estou muito feliz por estar no município. Acredito que outras empresas virão para cá e se instalarão aqui no complexo, o que vai melhorar e muito a economia da cidade.”

Por fim, o prefeito Jeová Andrade falou sobre a felicidade em poder lançar o tão aguardado distrito: “Estou, na verdade, ganhando um presente de aniversário antecipado. Acredito que temos que preparar Canaã para viver com e sem o minério, pois todos nós sabemos que esse recurso não se renova. Aqui no distrito, nascerá a chance de uma cidade forte, independente e tenho certeza que será um grande sucesso.”

A família do falecido empresário Antônio José de Araújo, que deu o nome ao empreendimento, foi convidada ao palco para a inauguração oficial. Em um momento de muita emoção, a fita foi retirada e a placa com o rosto do empresário homenageado foi aplaudida pelos presentes

Depois da cerimônia oficial, um ciclo de palestras voltadas para o empresariado e para a educação superior também aconteceu. A cerimônia foi transmitida ao vivo pelo Facebook oficial da Prefeitura Municipal de Canaã e chegou a alcançar mais de 100 mil pessoas em todo o mundo.

Alimentação

Alimentos biofortificados são plantados em área piloto em Marabá

A Embrapa já lançou oito cultivares biofortificadas com maior teor de vitamina A, ferro, zinco e carotenoides, como o betacaroteno.
Continua depois da publicidade

Batata doce, macaxeira, milho e feijão-caupi biofortificados são as cultivares desenvolvidas pela Embrapa com maior teor de ferro, zinco e vitamina A, que começaram a se plantadas em uma área piloto de quatro hectares desde a última quarta-feira, 28, no município de Marabá. O plantio ocorre até a semana que vem no campus rural do Instituto Federal Tecnológico do Pará (IFPA), local no qual funcionará uma unidade de demonstração e capacitação para o cultivo desses alimentos.

O trabalho deverá atender inicialmente 60 famílias localizadas em sete assentamentos no entorno de Unidades de Conservação e Áreas de Proteção Ambiental nos municípios de Marabá, São Félix do Xingu e Parauapebas. As famílias receberão as sementes e mudas biorfortificadas e serão capacitadas para o cultivo.  O coordenador do Núcleo da Embrapa em Marabá, Daniel Mangas, explica que essa área experimental servirá para capacitar técnicos que apoiarão as famílias nos assentamentos. O próximo passo, continua o coordenador, é firmar a parceria com a Prefeitura de Marabá para o fornecimento desses alimentos para a merenda escolar do município.

A biofortificação é resultado de um processo de cruzamento de plantas da mesma espécie, gerando cultivares mais nutritivas. “É importante ressaltar que não é alimento transgênico (onde há incorporação de genes de outro organismo no genoma da planta) e que o próprio produtor tem a autonomia para reproduzir sua semente ou muda”, destaca Daniel Mangas.

A ação faz parte do Projeto Mosaico, coordenado pela Embrapa Amazônia Oriental e Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), e os parceiros do trabalho são Instituto Federal Tecnológico do Pará – Campus Rural Marabá (IFPA), Secretaria de Estado de Desenvolvimento Agropecuário e da Pesca, Emater, Ideflor-Bio e as Prefeituras de Marabá, São Félix do Xingu e Parauapebas.

Ações iniciais – A ação no município de Marabá é a segunda no estado do Pará. A Embrapa Amazônia Oriental já realizou um curso para o cultivo de alimentos biofortificados na sede da instituição no final de agosto. Os primeiros agricultores familiares do estado que receberam treinamento para o cultivo desses produtos foram dos municípios de Bujarú, Capanema e São Caetano de Odivelas. O objetivo é melhorar a dieta da população paraense, especialmente a mais carente.

De acordo com dados da Rede Biofort – um conjunto de projetos na área coordenados pela Embrapa, as deficiências de ferro e vitaminas, são as formas mais comuns de má nutrição com consequências na saúde pública. No Brasil cerca de 50 % das crianças em idade escolar sofrem de algum tipo de deficiência em ferro.

A Embrapa já lançou oito cultivares biofortificadas com maior teor de vitamina A, ferro, zinco e carotenoides, como o betacaroteno. Para se ter uma ideia, a batata doce biofortificada tem 115 microgramas (µg) de betacaroteno por grama de raízes frescas enquanto que a convencional tem 10 µg; o milho biofortificado tem o dobro de vitamina A que o convencional; já o feijão caupi biofortificado tem 77 mg de ferro por kilo e o convencional tem 50 mg.

Pesquisadores de 15 Unidades da Embrapa em diferentes regiões do Brasil trabalham na Rede BioFORT visando a segurança nutricional da população brasileira, tendo o foco direcionado aos alimentos básicos como arroz, feijão, feijão-caupi, mandioca, batata-doce, milho, abóbora e trigo.

Educação

IFPA oferece 80 vagas para cursos técnicos em Parauapebas

As inscrições para os cursos de Eletromecânica e Meio Ambiente serão realizadas nos dias 11 e 12 de maio, na sede da instituição.
Continua depois da publicidade

A partir desta quinta-feira (11), o campus Parauapebas do Instituto Federal do Pará (IFPA) abre inscrições para dois novos cursos técnicos subsequente, em Eletromecânica e Meio Ambiente. Ao todo, o IFPA oferece 80 vagas para ingresso nos cursos subsequente, respeitando a distribuição de vagas pelo Sistema de Cotas. As aulas dos dois cursos ocorrerão no turno noturno e têm duração de 2 anos.

As inscrições são gratuitas e podem ser realizadas, presencialmente, das 8h às 12h e das 14h às 18h, na sede do campus, localizada na PA 275, S/N, próximo à portaria da Floresta Nacional de Carajás. Para se candidatar a uma vaga, é necessário que o interessado tenha concluído o Ensino Médio ou equivalente. O preenchimento do formulário de inscrição e do formulário socioeconômico é de inteira responsabilidade do candidato.

Para se inscrever no processo seletivo, o candidato deve apresentar, no ato da inscrição, Cadastro de Pessoa Física (CPF); certificado de conclusão do Ensino Médio ou equivalente; histórico escolar de conclusão de Ensino Médio ou ensino equivalente; documento oficial com foto e assinatura. No ato da inscrição, o candidato deverá escolher apenas um único curso ofertado.

O processo seletivo tem duas etapas. Sendo a primeira a fase de inscrições e a segunda a realização de redação em Língua Portuguesa, a ser realizada no dia 14 de maio. A sala e horário das provas serão divulgados em breve pela instituição. Os candidatos aprovados no processo seletivo deverão fazer a matrícula nos dias 19 e 22 de maio.

Como técnico em Eletromecânica, o profissional é habilitado a executar serviços de manutenção e reparos em equipamentos mecânicos e instalações elétricas em baixa tensão; atuar na execução de serviços de manutenção em equipamentos elétricos e eletrônicos, inclusive em equipamentos de acionamentos de cargas em processos industriais; executar e supervisionar a execução dos serviços de manutenção; auxiliar na elaboração e avaliar planos de manutenção; e administrar equipes, metas e resultados de manutenção eletroeletrônica industrial, comercial e predial.

Já o técnico em meio ambiente compreende os processos de gestão ambiental nos ecossistemas naturais, os impactos ambientais e poluições ambientais, processos produtivos e saúde coletiva para garantir a preservação e conservação do meio ambiente natural através do controle nos estabelecimentos urbanos e rurais. Tem a função de gerenciar esses diversos segmentos para garantir o desenvolvimento social, econômico e político da região, atua na organização de programa de educação ambiental, redução, reuso e reciclagem. Identifica os problemas ambientais, analisa suas consequências, operacionaliza e executa ações de preservação, conservação, otimização, minimização e remediação dos efeitos e causas.

Os cursos da forma subsequente são organizados e planejados para proporcionar formação profissional técnica de nível médio ao aluno, ampliando a qualificação profissional e inserção no mundo do trabalho. Ao concluir o curso, o aluno recebe diploma de técnico de nível Médio.

PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

Os candidatos com deficiência que desejarem participar do Processo Seletivo devem solicitar, por meio de formulário, atendimento especial nos dias 11 e 12 de maio e, também, laudo médio original e expedido no prazo máximo de 12 meses, atestando o topo e o grau de deficiência, com referência ao código correspondente da Classificação Internacional de Doenças (Cid) e provável causa da deficiência. As pessoas com deficiência terão igualdade de condições com os demais candidatos no que se refere ao processo e critérios de aprovação. Com informações da Assessoria de Comunicação do IFPA – campus Parauapebas.