Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Saúde

Por Manoel Veloso: O que aconteceria após a liberação das drogas no Brasil?

Não é possível imaginar que o uso do canabidiol, uma das substâncias extraídas da maconha, seja o causador de toda polêmica
Continua depois da publicidade

Primeiro cabe pensar na questão da saúde. Não é possível imaginar que o uso do canabidiol, uma das substâncias extraídas da maconha, seja o causador de toda polêmica! Ora, toda e qualquer substância que possa auxiliar efetivamente a saúde dos pacientes deve ser usada. Isso é consenso em qualquer lugar do mundo. E não importa a reputação da planta ou o uso que se faça dela, contanto que se possa utilizar o canabidiol em benefício dos doentes.

Outra questão relacionada à saúde é o tratamento dos dependentes. Concordamos que as drogas fazem mal, as pessoas adoecem com o seu uso e a saúde pública tem esta demanda, inevitavelmente. Então seria razoável pensar que com a legalização, o governo teria como taxar as vendas e assim investir este dinheiro no tratamento dos dependentes. Mas como estimar o custo da saúde e também da segurança pública se houver um aumento da demanda, algo bem provável após a legalização? Outra questão importante é a “guerra contra as drogas” que acontece há décadas no Brasil, onde a violência tem aumentado constantemente, fazendo milhares de vítimas, enquanto o consumo das drogas nunca se reduz.

Bem, parece que a saúde será apenas um pano de fundo da questão, quando analisamos as consequências econômicas e políticas. Senão, vejamos:

Existem duas formas de o governo atuar, no caso de legalização. A primeira seria como protagonista, se responsabilizando pela produção, comercialização, distribuição etc. Para começar, já teríamos uma nova estatal. O Brasil reconhece o inchaço da máquina pública e a criação de outra estatal acarretaria em aumentar o custo do Estado e abrir um novo espaço para a corrupção. Considerando o péssimo funcionamento das estatais, é possível imaginar que a atuação seria deficitária. Ou seja: assim como o cigarro e as bebidas já legalizados, haveria um enorme “contrabando”, com um mercado negro já habituado a atender na clandestinidade. E para combater este mercado negro, teríamos que retomar a “guerra das drogas”. Hoje, sabemos que apenas 40% do mercado estão nas mãos do governo do Uruguai, que optou pela legalização há alguns anos e não viu o fim do tráfico.

Caso opte pelo livre mercado, abrindo espaço para que empresas atuem na produção, comercialização e distribuição, é evidente que os atuais traficantes estariam melhor preparados que qualquer empresário. Os traficantes seriam vencedores de qualquer licitação, pois já dispõem de toda a logística necessária para o empreendimento. Mas seria viável deixarmos para trás todo um passado de crime e violência contra a sociedade e transformá-los em cidadãos de bem e empresários de sucesso?

E mesmo que os traficantes sejam impedidos de participar do negócio legalizado, o Estado teria que assumir o compromisso de que o empresário vencedor não sofra concorrência do mercado negro dos traficantes. E novamente a “guerra contra as drogas” estaria de volta!

Há ainda o risco sério de que os traficantes transformem suas facções em partidos políticos, a exemplo da Farc colombiana. Neste caso, o Brasil corre um sério risco de ser literalmente entregue aos bandidos.

Por todas estas considerações acredito que a legalização das drogas seja inoportuna e que a sociedade brasileira não deve ser exposta a este enorme risco.

 

*Dr. Manoel Cláudio Furtado Veloso é formado em medicina pela Universidade Federal de Juiz de Fora (MG). Cardiologista, atende em uma das mais tradicionais clínicas de Marabá, fundada por seu pai, o ex-prefeito Manoel Veloso.

Polícia Civil

Polícia Civil prende três meliantes com 16 kg de maconha em Parauapebas

As prisões foram possíveis após trabalhos investigativos realizados pela PC. A droga seria distribuída em Parauapebas
Continua depois da publicidade

A Polícia Judiciária Civil do Estado do Pará, através do Núcleo de Apoio à Investigação – NAI/Sudeste – e da Seccional de Polícia Civil de Parauapebas apreendeu, hoje (23), aproximadamente 16 (dezesseis) quilos de drogas tipo “Maconha” prensada, além de certa quantia em dinheiro e 03 munições de calibre 38. O produto delituoso estava em poder dos autuados João Pedro da Silva Lima, Alaui dos Santos Melo, e do adolescente de iniciais P.T.M.S.

Eles foram conduzidos à delegacia local para serem autuados pelos crimes de tráfico de drogas e associação ao tráfico, além do crime posse ilegal de munições.

As prisões foram possíveis após trabalhos investigativos realizados pelos policiais civis que participaram da operação. Segundo restou apurado as drogas apreendidas seriam distribuídas na cidade de Parauapebas.

Redenção

Jovem de Redenção/PA é apreendido com 68 tabletes de maconha em ônibus na BR-153

A droga (55kg) teria saído de Uruaçu com destino a Redenção. O jovem receberia R$1 mil pelo transporte, informou a polícia
Continua depois da publicidade

Um rapaz de 17 anos de idade foi apreendido pela Polícia Civil e Polícia Rodoviária Federal na noite deste domingo(28) na BR 153 (Belém-Brasília), em Porangatu, transportando 68 tabletes de maconha.

O jovem que é residente em Redenção, no Estado do Pará, viajava em um ônibus que faz a rota Goiânia/Redenção e foi parado em abordagem de rotina da Polícia Rodoviária Federal em conjunto com a Polícia Civil, e ao checar as bagagens dos passageiros do veículo,  os agentes encontraram duas malas e uma caixa de papelão carregadas com 68 tabletes de maconha.

Após consultar as bagagens e poltronas do coletivo, os agentes constataram que pertenciam a um garoto, um menor de 17 anos.

Segundo depoimento do rapaz, ele é morador de Redenção/PA e veio até a cidade de Uruaçu onde recebeu as bagagens com a droga para transportá-las até a cidade paraense.

Ele informou ainda que pelo transporte da droga receberia cerca de um mil reais. Após serem pesados, os tabletes renderam 55 kg de maconha. Ocorrência encaminhada à Delegacia de Polícia Civil em Uruaçu.

Parauapebas

Polícia Militar apreende maconha pronta para ser comercializada em Parauapebas

O traficante, que é reincidente, fugiu antes que a polícia chegasse
Continua depois da publicidade

A apreensão de 3,5 kg de maconha prensada e já sendo preparada para circular no mercado do tráfico em Parauapebas se deu por  volta das 15 horas de ontem, quarta-feira (14), quando uma guarnição da Polícia Militar flagrou um menor de 14 anos portando uma pequena porção de maconha. Os policiais indagaram, então, onde o menor havia comprado a droga e ele deu o endereço, no Bairro União.

A guarnição, comandada pelo tenente Freitas, se dirigiu ao endereço indicado, mas, ao chegar, não encontrou o responsável pela boca de fumo. Na casa, foram encontrados tabletes da droga, balança de precisão, material para embalagem a Carteira de Identidade do dono da boca, Romário da Silva de Sousa, 21 anos, que, na pressa para escapar de ser preso, deixou até o documento para trás.

Segundo o tenente Freitas, Romário já foi preso pelo mesmo crime, mas acabou ganhando liberdade e já é conhecido da polícia. “Vamos continuar as buscas, porém, e assim que ele for localizado será preso novamente”, disse o oficial.

A equipe que fez a apreensão da droga é formada ainda pelo sargento Pinto, cabo Batalha e soldado Décio.

Reportagem: Ronaldo Modesto

polícia

PM tira das ruas mais uma dupla que estava vendendo maconha

Na 20ª Seccional eles foram autuados por tráfico e encaminhados à Justiça
Continua depois da publicidade

O delegado José Euclides Aquino da Silva, da 20ª Seccional Urbana de Polícia Civil, autuou na noite de ontem (16), Ricardo da Silva Santos Filho e Carlos Eduardo dos Santos, ambos de 18 anos de idade, no Artigo 33 da Lei 11.343/2006 (Lei Antidrogas). A dupla foi flagrada pela Polícia Militar portando maconha. Na delegacia, os dois tentaram, em princípio, dizer que o entorpecente era apenas para consumo, mas não convenceram a autoridade e agora estão à disposição da Justiça. Se condenados, podem pegar pena que varia de 5 a 15 anos de prisão.

Ricardo e Carlos foram capturados pela guarnição formada pelo cabo Machado e soldados Ferrais e Lázaro, por volta das 18h40, quando caminhavam pelo Bairro Liberdade II, às proximidades do Rio Parauapebas. Abordados e revistados, com o primeiro foram encontradas 23 trouxinhas de maconha, que ele carregava escondidas na cueca; o segundo carregava em um dos bolsos da bermuda mais três trouxinhas.

Ricardo admitiu, na hora da captura, que estava traficando o entorpecente para conseguir dinheiro a fim de sustentar uma filha dele. Informou que comprou a maconha na Vila Cedere, mas disse não saber o nome do fornecedor.

Quanto a Carlos, os PMs levantaram que ele completou a maioridade recentemente, antes, passou seis meses cumprindo medida socioeducativa por roubo e ganhou a liberdade há dois meses. Com os dois foram apreendidos ainda dois telefones celulares. O delegado Aquino elogiou o trabalho da Polícia Militar, “que vem se empenhando diariamente para tirar das ruas traficantes que trazem o mal a Parauapebas”, e disse que agora a dupla vai se entender com a Justiça.

Marabá

Polícia civil intercepta carregamento de 70 tabletes de maconha em Marabá

Continua depois da publicidade

A Polícia Civil do Estado do Pará, através da Superintendência de Marabá e em conjunto com as Seccionais de Parauapebas e Marabá com apoio do Núcleo de Apoio à Investigação – NAI, também de Marabá, prendeu em flagrante Ogeis Moura Almeida, de 37 anos, natural de Marabá.

A polícia civil recebeu informações através de um colaborador que uma quantidade significativa de droga iria chegar de ônibus na cidade. Desde então intensificou as revistas nos ônibus que entravam no município. A campana deus certo. Ogeis trazia consigo três caixas de papelão contendo aproximadamente 70 tabletes de maconha.

Participaram da operação o DPC Marcelo Dias, Gabriel Henrique, Marcio Maio, Leandro Vilas Boas, investigadores Paulino Sousa, Rodrigo Bonfim, Renato Carvalho, Sandro Bitencourt, Tiago Mangas, Kleber Machado e o Papiloscopista Jhonatas.

Parauapebas

Polícias Civil e Militar apreendem 170 quilos de maconha em Parauapebas

Continua depois da publicidade

As polícias Civil e Militar de Parauapebas apreenderam nesta quarta-feira (21) 170 quilos de maconha prensada e prenderam duas pessoas pelos crimes de tráfico de drogas e posse ilegal de arma de fogo.

20151021145551 

A droga foi apreendida em uma fazenda localizada a 50 quilômetros do centro da cidade, onde também foram presos Ilton Carlos Martins e Djalma Coelho. Ilton Martins, conhecido como “Latrozin”, é foragido da carceragem de Pedrinhas (MA) e já responde pelos crimes de latrocínio e roubo majorado. Após o interrogatório, o acusado levou a equipe policial até o local em que foi encontrada a droga.

Lá, dando continuidade à operação, as Polícias Civil e Militar de Parauapebas prenderam em flagrante delito o nacional Antônio Paulo Rodrigues Sampaio,  que, além de participar do tráfico de drogas na região, também tem participação no último roubo a banco do Brasil em Curionópolis, que ocorreu neste último mês de agosto

Segundo informações do delegado Thiago Carneiro, essa é a maior apreensão de drogas em Parauapebas dos últimos cinco anos, e só foi possível chegar até o local após intenso trabalho de investigação. Os acusados estão recolhidos à disposição da justiça.

Parauapebas

Polícia de Parauapebas apreende 60 quilos de maconha prensada na zona rural do município

Continua depois da publicidade

Por Fábio Relvas

A Polícia Militar em parceira com a Polícia Civil do Município de Parauapebas, localizado no sudeste do Pará, estão trabalhando firme no combate as drogas. Nesta quinta-feira (26), os policiais da 20ª Seccional Urbana de Polícia Civil de Parauapebas, apreenderam 60 quilos de maconha prensada.

foto0322A apreensão foi feita após denúncias anônimas de moradores da zona rural do munícipio conhecido como Cedere I, já no limite com a cidade de Canaã dos Carajás. Chegando ao local da denúncia, os policiais efetuaram a prisão de três homens suspeitos de tráfico de drogas na região.

Também foi informado aos policiais que haveria uma plantação da erva naquela localidade, mas chegando ao lugar indicado, nada foi encontrado. O caso foi semelhante ao do dia 13 de março deste ano, quando os policiais apreenderam 15 mil pés de maconha, totalizando mais de 400 quilos, na mesma zona rural.

Naquela ocasião, foi feita a incineração da droga autorizada pelo juiz Líbio Araújo Moura, titular da Vara Penal da Comarca de Parauapebas. Segundo informações dos policiais do município, os 15 mil pés e os 60 quilos de maconha apreendidos, foram os maiores caso da droga na região.

Os policiais da 20ª Seccional Urbana de Polícia Civil de Parauapebas pedem para que a população do município continue denunciando este tipo de situação. Quem souber de alguma pista sobre a identificação de traficantes, ou de alguma plantação de maconha é só denunciar no 3346-2250, ou procurar uma autoridade policial.