Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Pará

Petistas marcam manifestação para hoje em Marabá e Parauapebas

No mesmo dia, governador Simão Jatene pousa na cidade para assinar convênios e inaugurar obras
Continua depois da publicidade

Motivados pelo ato público “Pernambuco quer Lula Livre”, agendado para esta sexta-feira, dia 6 de abril, petistas de Marabá e Parauapebas já se organizam para realizar movimentação nas duas principais cidades do sudeste do Pará.

O ex vice-prefeito de Marabá, Luiz Carlos Pies, publicou na manhã desta sexta-feira uma mensagem nas redes sociais conclamando petistas e simpatizantes para o ato desta tarde, agendado para uma via em frente ao Campus II da Unifesspa.

“Convidamos as companheiras e companheiros do PT, dos municípios próximos, para participarem (se possível, muita gente), do grande Ato Público, exigindo a imediata liberdade para LULA INOCENTE – hoje, às 03h00 da tarde, em frente ao Campus II da Unifespa, na Folha 17! Convidem seus amigos e familiares que moram em Marabá!

Na região, segundo a nota de Pies, além de Marabá, Parauapebas, Conceição do Araguaia, Canaã dos Carajas e Tucuruí já confirmaram que também irão realizar manifestações na tarde de hoje.

Também nesta sexta-feira, dia 6, está agendada uma entrevista coletiva em Marabá com a “caravana de Paulo Rocha e Zé Geraldo”. O objetivo, embora não revelado publicamente, é apresentar a candidatura de ambos ao governo do Estado e à Câmara Federal. A coletiva está agendada para a Sala de Comissões da Câmara Municipal.

Também nesta sexta-feira, que amanheceu sob forte chuva, está prevista a visita do governador Simão Jatene para assinatura de convênios, inaugurações e entrega de veículos.

Em verdade, a agenda de Jatene no sudeste do Pará começa às 9h, em Rio Maria, onde ele atenderá demandas de nove cidades atingidas pelas enchentes.

Nesta primeira etapa serão formalizados convênios com os seguintes municípios: Itupiranga, Pau d’Arco, São Félix do Xingu, Santa Maria das Barreiras, Eldorado do Carajás, Água Azul do Norte, Rio Maria, Bannach e Xinguara. Individualmente com a Prefeitura de Pau d’Arco, o governador também assinará um convênio para reforma do Hospital Municipal.

À tarde, ele desembarca em Marabá para dar início à operação da primeira etapa da Estação de Tratamento de Esgoto de Marabá (ETE). O encontro da comitiva do Estado será na Rua das Cacimbas, situada no bairro Amapá. Além desse serviço, o governador assinará o termo aditivo para aquisição de equipamentos de hemodiálise para o Hospital Regional do Sudeste do Pará (HRSP), inaugurará um bloco de saúde no campus da Universidade do Estado do Pará (Uepa) e entregará caminhões coletores de resíduos sólidos à prefeitura da cidade.

Obras e serviços que chegam ao município, como presentes pela passagem do aniversário de sua fundação, comemorado ontem, quinta-feira (5).

A ETE de Marabá custou mais de R$ 117 milhões, incluindo recursos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), por meio de empréstimo junto ao FGTS, no valor de R$ 78,20 milhões, e mais R$ 38,97 milhões do Tesouro do Estado, projeto gerenciado pela Companhia de Saneamento do Pará (Cosanpa). A Estação tem capacidade para atendimento de 86 mil habitantes, em uma estrutura com 368,75m² de área construída. Na primeira etapa foram instalados 35,85 Km de rede coletora, onde estão previstas 1.958 ligações intradomiciliares de esgoto, que devem atender 8.662 habitantes.

A obra já está pronta e a fase agora é de implantação das ligações intradomiciliares. Alguns bairros beneficiados são Amapá, Novo Horizonte e todo o núcleo da Nova Marabá, o que representa a maior cobertura de esgoto do estado. “É uma obra moderna, que traz no seu bojo toda uma concepção sustentável”, informou Cláudio Conde, presidente da Cosanpa.

Por Ulisses Pompeu
Tucuruí

Manifestantes bloqueiam rodovia PA-263, em Tucuruí

Com faixas cobrando justiça, manifestantes interditam o tráfego às proximidades da Usina Hidrelétrica de Tucuruí para exigir pagamentos de compensações financeiras e cobrar a resolução do assassinato do prefeito Jones William
Continua depois da publicidade

Pescadores, lideranças comunitárias, militantes do Movimento de Atingidos por Barragens (MAB) e membros do Movimento Justiça e Paz, fecharam a rodovia PA-263, em frente à UHE Tucuruí hoje pela manhã (12). Desde as 7h30, os manifestantes ocupam as proximidades da Usina para protestar contra a falta de pagamentos de compensações financeiras devidas pela Eletrobras Eletronorte e cobrar a resolução do assassinato do prefeito Jones William.

Com faixas cobrando justiça, os manifestantes exigem a presença das autoridades do município e representantes da Estatal para que o bloqueio seja encerrado.

Conforme um dos  lideres do MAB, o protesto é pacífico e a intenção é pressionar as autoridades e a Empresa a cumprirem o que já foi acordado há anos. “O que os membros do MAB cobram são os pagamentos de indenizações devidas há anos pela empresa, além do cumprimento das condicionantes que a Eletrobras Eletronorte não cumpriu, informou.

O bloqueio causou a revolta de passageiros e o congestionamento já havia chegado a cinco quilômetros. “Pedimos para eles liberarem a passagem. A gente entende o direito deles de protestar, mas o direito deles acaba quando o meu começa”, reclamou uma passageira.

O comando do 13º Batalhão de Polícia Militar está no local tentando negociar a retirada dos manifestantes do local para a liberação da via.

Canaã dos Carajás

Donos de farmácia fecham estrada que liga Canaã a Parauapebas

Protesto acontece contra o Conselho Regional de Farmácia e uma nova medida que exige salários mais altos para farmacêuticos
Continua depois da publicidade

O dia mal nasceu em Canaã dos Carajás, nesta quinta-feira (1), e vários empresários do ramo de farmácia já haviam fechado a rodovia que interliga a Terra Prometida à Parauapebas. A razão da obstrução da via é um protesto contra uma nova medida do Conselho Regional de Farmácia (CRF), que prevê salários mais altos para os farmacêuticos contratados no município. De acordo com o empresariado, a medida dificultará a sobrevivência do comércio de remédios em Canaã, e prejudicará ainda mais a população.

A via foi interditada pouco antes da Vila Planalto. Uma enorme fila de carros e ônibus que seguiam em direção à Parauapebas, ou que vinham para Canaã, acabou se formando e o transtorno acabou atrapalhando a vida de muita gente que seguia para o trabalho. Cartazes reclamando do Conselho e dizendo que “abuso de poder é crime” foram erguidos pelos empresários.

De acordo com José Roberto, empresário e um dos organizadores do protesto, a ação é um ato emergencial contra a retirada do direito dos empresários: “Estamos reivindicando nossos direitos a respeito do que o CRF está fazendo conosco. Eles estão nos explorando e tirando nosso direito de poder investir na cidade e trabalhar. Eles estão cobrando da gente um valor muito alto para que nós possamos ter todos os farmacêuticos em horário integral; em uma situação dessas, não tem como a gente aceitar. Caso aceitássemos, não daríamos conta e o comércio ia acabar fechando, pois a nossa cidade não está mais oferecendo lá essas coisas para mantermos uma despesa tão alta. O motivo desse protesto é exatamente esse.”

De acordo com o empresário, um representante do conselho esteve na cidade no último mês em reunião com os comerciantes: “Ele praticamente decretou que os farmacêuticos cobrassem de cada farmácia um valor abusivo, na verdade. Na região, as farmácias pagam bem menos que isso aí. Por essa razão, estamos correndo atrás para não pagar um valor acima do normal.”

O protesto é pacífico. De acordo com José Roberto, o presidente do conselho estará em Canaã nesta quinta-feira e o debate sobre a questão salarial será levado até ele. A estrada foi liberada por volta das 10 horas da manhã. Ainda segundo o empresário, o fechamento ou não da estrada nos próximos dias vai depender do que for decidido na reunião com o presidente.

Canaã dos Carajás

Ainda em busca de reajuste, servidores públicos lotam Câmara Municipal de Canaã dos Carajás

Greve continua e atos de manifesto acontecem durante todo o dia na frente das sedes do poder legislativo e executivo no município
Continua depois da publicidade

Canaã dos Carajás vive momentos de tensão desde a última semana. Os servidores públicos municipais estão em greve desde as primeiras horas da manhã desta segunda-feira (19); a principal reivindicação que motivou a paralisação é o reajuste de 31% no salário base. Na noite desta terça-feira (20), mais de 36 horas depois da deflagração da greve, os servidores lotaram mais uma sessão ordinária do legislativo. Os grevistas mantiveram os atos de protesto durante todo o dia, na frente da Câmara e da Prefeitura Municipal.

Na tarde de segunda, o Ministério Público afirmou que a greve tem fundamentação jurídica, desde que os serviços essenciais sejam mantidos. O governo marcou para a próxima sexta-feira (23) uma nova reunião com os sindicatos, para expor a real situação de Canaã e apresentar uma nova proposta. Mais uma vez, os vereadores presentes mostraram apoio à causa dos servidores.

Sheury Barros, presidente do Sindicato dos Servidores, disse que a luta continua: “Já são mais de 36 horas de greve; são 36 horas de luta e prejuízo à sociedade. Nós não estamos lutando só pelos nossos direitos, mas também por melhores condições de trabalho para atender melhor a população. A sociedade deveria fazer o mesmo que os servidores e lutar por seus direitos. Peço ao prefeito que se sensibilize e que se lembre que foi eleito por nós. Nós vamos construir uma história diferente em Canaã dos Carajás.”

Um fato curioso chamou a atenção e causou revolta em alguns vereadores: ao fim da fala da presidente, os centenas de servidores que lotavam a Casa de Leis deram as costas à sessão e foram embora do local. Visivelmente transtornado com o fato, o vereador Baiano do Hospital falou: “Isso é falta de respeito, de consideração, pois o aumento vai ser votado e vai sair dessa casa. Fiquei insatisfeito e vi uma falta de educação desses profissionais que só ficaram presentes até o que interessava a eles. Acompanhem as sessões, acompanhem os trabalhos até o final!”

Maria Pereira (PDT) também comentou o fato: “Eu achei que toda a categoria ouviria os vereadores, mas eles saíram. Mesmo assim, parabenizo todos os sindicatos pela luta pacífica e organizada. Quem paga pela greve são as pessoas que eu estou aqui para representar, é quem não tem dinheiro para pagar um plano de saúde, mas isso não é culpa do servidor. Espero que haja logo um acordo e que a sociedade não pague mais ainda o preço.”

A greve deve continuar nesta quarta-feira (21). No momento, o prefeito Jeová Andrade está em viagem a Brasília na busca por recursos e parcerias para o município. O gestor se reuniu na manhã de terça com o ministro de Minas e Energia, Fernando Bezerra Filho, e com alguns prefeitos de cidades mineradoras do país.

manifestação

Movimento popular contra cenário político de Jacundá

O movimento é apolítico e apartidário, e o que queremos é uma solução para essa indefinição política, pois ela está comprometendo a saúde, educação, infraestrutura, a economia e toda a nossa sociedade
Continua depois da publicidade

Desde julho do ano passado a população de 56 mil habitantes do município de Jacundá não sabe quem ficará definitivamente na cadeira de prefeito. Uma briga de poder iniciada pela Câmara de Vereadores vem causando a maior instabilidade política e o troca-troca de prefeitos está afetando a vida dos moradores. E insatisfeitos com essa situação criaram a “Frente popular por amor à Jacundá”, que ganhou às ruas da cidade no final da tarde desta segunda-feira, 19, com mais de mil pessoas.

Com faixas, cartazes, panelas e apitos nas mãos os manifestantes se concentraram em frente à Câmara Municipal, Prefeitura e Poder Judiciário. Ailton Lima, um dos organizadores, explicou que “o movimento é apolítico e apartidário, e o que queremos é uma solução para essa indefinição política, pois ela está comprometendo a saúde, educação, infraestrutura, a economia e toda a nossa sociedade”.

Entre os exemplos de como a alternância de prefeito está diretamente deixando as ações mais lentas, é citado atraso no pagamento da folha salarial dos servidores da secretaria de Saúde, falta de pagamento à empresa fornecedora de merenda escolar e ausência de ações nas áreas de infraestrutura, desenvolvimento econômico e social. “É um verdadeiro caos em nossa cidade”, aponta Gessynael Reis.

A “Frente popular por Amor à Jacundá” teve a adesão da Igreja Católica, Sintepp (Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Estado do Pará), Sintesp (Sindicato dos Trabalhadores em Saúde Pública do Estado do Pará), associações de moradores, dentre outros organismos populares.

Da Praça dos Três Poderes, o movimento saiu pela Avenida JK e entrou na Avenida Cristo Rei. Centenas de pessoas a pé e outros de motos e carros percorreram a principal avenida da cidade numa manifestação que durou mais de 2 horas. Ao final do evento, os organizadores elaboraram um documento a ser entregue para o Ministério Público do Estado.

A crise no cenário político de Jacundá teve origem em meados de junho do ano passado, após a Câmara de Vereadores abrir uma Comissão Processante para investigar atos do prefeito José Martins de Melo Filho, o Zé Martins, e o afastando do cargo. De lá pra cá a alternância de poder já se repetiu por várias vezes. A última vez aconteceu no dia 1º de fevereiro quando a Justiça determinou o afastamento do gestor e em seu lugar assumiu o vice-prefeito Ismael Barbosa. A cada mudança de prefeito, a equipe de governo também muda.

Canaã dos Carajás

Servidores públicos de Canaã lotam Câmara Municipal na 2ª Sessão Ordinária do ano

Com greve marcada para a próxima semana no município, servidores pedem reajuste salarial e comparecem em peso na sede do legislativo canaense
Continua depois da publicidade

A revolta dos servidores públicos municipais de Canaã dos Carajás chegou até o legislativo na noite desta quinta-feira (15) quando centenas de representantes do funcionalismo público municipal lotaram o plenário da Casa de Leis e mostraram completa insatisfação com a gestão municipal. Presentes desde as primeiras horas da manhã na porta da Prefeitura, os servidores querem o reajuste salarial acima do índice da inflação. As manifestações de quinta precedem a grande greve geral marcada para ter início na próxima segunda-feira (19).

A 2ª Sessão Ordinária do ano, adiada para a quinta-feira graças ao feriado de carnaval, foi marcada pelo amplo debate entre servidores e vereadores. Segundo os próprios legisladores, a Câmara Municipal está do lado dos funcionários públicos. Na ocasião, os parlamentares afirmaram também que a luta pelo reajuste é legítima. Dois representantes da classe puderam usar a tribuna em nome dos demais.

Valder Almeida, professor da Rede Municipal de Educação, falou sobre o teto salarial para os professores e expressou a revolta com a atual situação: “Não tem a menor condição de um município rico como esse passar por uma situação dessas. Até quando a falta de ISS vai ser uma justificativa para que não haja um reajuste nos salários?”

Sheury Barros, presidente do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Canaã dos Carajás (SISPUMCAC) também fez o uso da palavra: “Nosso foco é devolver a dignidade ao servidor público de Canaã dos Carajás. Nós não estamos de brincadeira. Se o Jeová não andar na linha com o servidor, ele arrumou um grande problema.” Em sua fala, que foi bastante aplaudida pelos seus representados, a presidente relatou que há denúncias de assédio moral no serviço público da cidade e se colocou à disposição dos servidores para lutar contra isso.

O presidente Junior Garra (PR) aproveitou o seu tempo de tribuna para fazer um desabafo: nos últimos dias, um áudio do próprio vereador circulou em vários meios de comunicação da cidade; Garra explicou que a frase reproduzida havia sido tirada de contexto e criticou alguns setores da imprensa local pela distorção de palavras: “o vereador Junior Garra é, e sempre foi, a favor do servidor público de Canaã dos Carajás e não contra, como disseram.” Ele pediu ainda que um vídeo com a fala original, sem cortes, fosse reproduzido no telão da Câmara Municipal.

O líder do governo, vereador Wilson Leite (PDT) também se pronunciou: “eu acredito em uma negociação que vai agradar as duas partes. Eu vejo que as coisas têm que ser colocadas com muita responsabilidade. A partir do momento que a pessoa se dispõe a ser gestor, ela tem que assumir todas as pendências e encarar os problemas de frente. O governo está disposto a sentar e fazer contas. Canaã é maior do que qualquer partido político. Precisamos juntar forças e salvar a cidade.”

O vereador João Batista (PT) afirmou que o seu mandato está à disposição do funcionalismo público: “Sempre estive do lado dos servidores e não vejo nenhuma resistência em sentar e se discutir passo-a-passo. Quem ganha com essas negociações é toda a sociedade de Canaã dos Carajás.”

O prefeito Jeová Andrade marcou para a manhã desta sexta-feira (16) uma reunião com os representantes do sindicato. O gestor municipal deve apresentar aos servidores uma nova proposta de ajuste salarial.

Vale

Justiça proíbe FNL de promover qualquer manifestação em propriedade da Vale

Em sua determinação, o juiz Manoel Carlos de Jesus diz que os integrantes do movimento devem manter a distância de 1 km das dependências da mineradora
Continua depois da publicidade

O juiz Manoel Carlos de Jesus Maria, da 3ª Vara Cível e Empresarial da Comarca de Parauapebas, atendendo solicitação da mineradora Vale, determinou ontem, dia 30, que Adriano Silva de Souza, Vanelma Rocha e Robson Carvalho da Silva, líderes da FNL (Frente Nacional de Lutas), evitem quaisquer atos de turbação ou esbulho na posse da empresa. Aí incluídas, ainda segundo a ordem judicial, a portaria de acesso à Floresta Nacional de Carajás, interdição das vias, queima de pneus ou quaisquer outros atos que impeçam o ir e vir das pessoas, “devendo se desmobilizar e manter distância de 1 km das dependências da Vale, advertindo-os sobre a responsabilização por crime desobediência”.

Para fundamentar a determinação, o magistrado justifica que a Vale juntou a pedido documentos e mídia contendo mensagens de áudio, enviadas por Adriano aos demais integrantes da FNL, na qual estaria convocando-os para uma concentração na Portaria de acesso à Floresta Nacional de Carajás.

O juiz também afirma que o Comando da Polícia Militar deve ser comunicado “para que destaque contingente necessário ao cumprimento das ordens já deferidas”. Ele também ordena que o delegado de Polícia Civil seja igualmente comunicado, a fim de promover as diligencias necessárias à apuração de crimes praticados pelos requeridos, tomando as medidas legais cabíveis. “Por fim, comunique-se o Conselho Tutelar e o Órgão Ministerial acerca da permanência de menores nos movimentos, objeto da presente ação”, encerra a determinação.

Procurada na tarde desta quarta-feira (31) pelo Blog, a líder Vanelma Rocha preferiu não se manifestar, disse apenas que, apesar de não ter se apresentado à polícia na última semana, não estava foragida e sim tratando de assuntos de interesse da Vila Contestado, com o secretário de Agricultura de Parauapebas, assim como Adriano.

Tucuruí

Grupo de Tucuruí faz manifestação em frente ao TJPA

Manifestantes fecharam rodovia em Belém para exigir solução nas investigações do assassinato de Jones William
Continua depois da publicidade

Uma comitiva formada por 40 pessoas ligadas ao Partido dos Trabalhadores (PT) e ao Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) realizaram um protesto nesta segunda-feira (22) em frente a sede do Tribunal de Justiça do Pará, na avenida Almirante Barroso, em Belém. O protesto é liderado por Roquevan Alves da Silva, líder do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), que em 2012 foi condenado a 12 anos de prisão em regime fechado pela invasão da usina hidrelétrica de Tucuruí em 2007.

A comitiva está na capital para exigir celeridade no processo que apura a morte do prefeito de Tucuruí, Jones William. A demonstração é composta, em sua maioria, por idosos e crianças.

Em alguns momentos, a avenida foi obstruída pelos manifestantes, mas logo em seguida, a liberaram.

Ainda hoje, por volta das 13h, a comitiva será recebida pela Comissão de Direitos Humanos da OAB; a reunião será para pedir que a Ordem dos Advogados siga acompanhando as investigações do caso.