Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Pará

Coordenador do Programa Terra Legal no Estado do Pará, James Frederico, sofre acidente em estrada

O veículo conduzido pelo coordenador se desgovernou numa curva esburacada e caiu a mais de 10 metros em uma ribanceira, dentro de um igarapé.
Continua depois da publicidade

O acidente ocorreu no início da tarde de ontem (31), na estrada que liga Novo Repartimento a Tucuruí. O veículo, uma camionete modelo Triton, da marca Mitsubishi, conduzida por Frederico, se desgovernou numa curva esburacada e caiu a mais de 10 metros em uma ribanceira, dentro de um igarapé.

Responsável pelas ações de Regularização Fundiária de áreas federais no estado do Pará, James Frederico Medeiros, seguia sozinho de Altamira para Marabá, onde se encontraria com o Deputado Federal Wladimir Costa, para participar, nesta segunda-feira (02), da programação de entrega de títulos de quatro vilas urbanas em Parauapebas.

James Frederico foi socorrido por uma equipe de motoqueiros que seguiam para um evento de trilha em Breu Branco. Apesar do grave acidente, Frederico sofreu apenas alguns arranhões. “O susto foi grande, mas a satisfação de promover a titulação de terras no Pará é mais forte. Deus no comando, sempre.” Respira aliviado.

O veículo foi içado com a ajuda de um “caminhão boiadeiro” que passava no local. A estrada ficou interdita por 40 minutos.

O trecho que liga Novo Repartimento a Tucuruí não é pavimentado. A estrada está em péssimas condições de trafegabilidade devido o intenso inverno amazônico, provocando inúmeros acidentes.

Saúde

Pará: Sespa divulga informe sobre dengue, zika e chikungunya em 2018. Não houve registro de mortes no ano

Até o dia 30 de janeiro deste ano foram contabilizados 28 casos de dengue, 24 de febre chikungunya e nenhum de zika.
Continua depois da publicidade

A Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa) divulgou nesta segunda-feira (19) o primeiro Informe Epidemiológico de 2018 sobre os casos registrados no Pará de dengue, zika e febre chikungunya, doenças transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti. Até o dia 30 de janeiro deste ano foram contabilizados 28 casos de dengue, 24 de febre chikungunya e nenhum de zika.

As maiores ocorrências de dengue são nos municípios de Marapanim (8), Abaetetuba (5), Marabá (3), Alenquer (2), Ananindeua (2), Palestina do Pará (2), Barcarena (1), Belém (1), Capitão Poço (1) e Marituba (1). Os municípios com maior número de casos de chikungunya são Ananindeua, Belém, Benevides, Barcarena, Jacundá e Novo Repartimento.

Em 2017, até 30 de dezembro, foram registrados 4.738 casos de dengue, 332 de zika e 6.734 de febre chikungunya. Em 2016, no mesmo período, foram confirmados 6.711 casos de dengue, 1.418 de febre chikungunya e 3.052 de zika vírus.

Informação – No período de abrangência do Informe Epidemiológico não houve registro de mortes no Estado em função dessas doenças. A Sespa continua pedindo às secretarias municipais de Saúde que informem, no período de 24 horas, a ocorrência de casos graves e mortes que podem ter sido causadas pelas doenças transmitidas pelo Aedes aegypti.

Para confirmar a causa da morte é necessária a investigação epidemiológica, com aplicação do Protocolo de Investigação de Óbito do Ministério da Saúde, que prevê exames específicos em laboratórios credenciados, como o Laboratório Central (Lacen) e o Instituto Evandro Chagas (IEC), preconizados pelo Programa Nacional de Controle da Dengue. O procedimento garante o correto encerramento de casos graves e óbitos no Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan).

Monitoramento – As ações de combate à dengue competem aos municípios, que devem cumprir metas. Entre os procedimentos essenciais estão vistorias domiciliares por agentes de controle de endemias. Paralelamente, a Sespa faz o monitoramento dos 144 municípios, que receberam o incentivo do Ministério da Saúde para vigilância, prevenção e controle da dengue, e orienta as prefeituras sobre o uso correto de inseticidas (larvicidas e adulticidas).

A Secretaria de Saúde Pública também promove visitas técnicas aos municípios para assessoramento das ações do programa de combate à dengue, além de apoiar a capacitação para o atendimento de casos de febre chikungunya e zika.

Quando há necessidade, a Sespa faz o controle vetorial, como bloqueio de transmissão viral nas localidades, e articula ações com órgãos municipais de saneamento e limpeza urbana, tendo em vista a melhoria da coleta e destinação adequada de resíduos sólidos. Também são realizadas ações educativas e de mobilização, para incentivar a participação da população no controle da dengue.

Sintomas – Os vírus da dengue, chikungunya e zika são transmitidos pelo mesmo vetor, o Aedes aegypti, e provocam sintomas parecidos, como febre e dores musculares. Mas as doenças têm gravidades diferentes. A dengue é a mais perigosa, devido aos quatro sorotipos diferentes do vírus, causando febre repentina, dores musculares, falta de ar e indisposição. A forma mais grave da doença é caracterizada por hemorragias e pode levar à morte.

A chikungunya caracteriza-se principalmente pelas intensas dores nas articulações. Os sintomas duram entre 10 e 15 dias, mas as dores podem permanecer por meses, e até anos. Complicações sérias e morte são muito raras. Já a zika apresenta sintomas que se manifestam, no máximo, por sete dias.

A população também deve continuar combatendo possíveis criadouros do mosquito. Se houver dificuldade, as pessoas devem acionar os programas municipais de controle da dengue mantidos pelas prefeituras. As equipes de profissionais capacitados visitam as casas para inspecionar possíveis criadouros do mosquito, com o objetivo de eliminar os focos e orientar os moradores sobre prevenção e controle do Aedes aegypti.

Região

Reportagem da Época destaca violência e assassinato de prefeitos da região

Matéria faz análise detalhada sobre os assassinatos dos prefeitos de Goianésia do Pará, Breu Branco e Tucuruí, ocorridos em 2017
Continua depois da publicidade

A edição da Revista Época deste domingo traz reportagem especial sobre a violência na região Sudeste do Pará: sob o título “Corrupção, pobreza e morte”, a matéria faz uma análise detalhada sobre os assassinatos dos prefeitos de Goianésia do Pará, Breu Branco e Tucuruí, ocorridos em 2017. A ameaça de morte do prefeito de Novo Repartimento também é um dos destaques da reportagem.

A circulação da revista vem causando embates acalorados nas redes sociais em Tucuruí. De um lado, os apoiadores do grupo que exige a resolução do caso do assassinato do prefeito Jones William; do outro, os apoiadores do prefeito afastado, Artur Brito, e sua família, acusados de serem mandantes do crime que chocou a população de Tucuruí.

A reportagem traz à tona, mais uma vez, detalhes das investigações, dando ênfase nos nomes dos suspeitos apontados pela policia como executores e mandantes. Em um dos trechos, o texto cita os motivos que teriam levado os investigadores a afirmarem que Josenilde Silva Brito, a Josi, mãe do prefeito afastado Artur Brito, fora a mandante do assassinato.

Um dos motivos teria sido a dívida com agiotas para bancar a campanha, via caixa dois: “depois da vitória, Josi apresentou a conta: o prefeito eleito tinha uma dívida de R$ 2 milhões com o esquema. Deveria saldar o compromisso contratando empresas de fornecimento de combustível, terceirização de pessoal e coleta de lixo ligadas a Josi e aos agiotas.

William consultou a mulher, Graciele, que havia cuidado do caixa na campanha. Pelas contas dela, o débito não passava de R$ 400 mil. O prefeito pagou a dívida diretamente ao primeiro agiota de quem o dinheiro fora tomado emprestado, ignorando os intermediários”, cita parte da reportagem.

“Os fatos irritaram e estremeceram a relação entre o prefeito, o vice Artur e a mãe deste, Josi”, é o que aponta o relatório final da Polícia Civil sobre a investigação, conforme a reportagem.

À reportagem, Artur Brito foi enfático ao declarar que ele e sua família são vítimas de “grande armação política”. “O prefeito estava envolvido num grande esquema de agiotagem, com muita gente de fora e muito perigosa”, disse Brito. “Temos testemunhas que, na hora certa, vão se manifestar. Ninguém vai botar esse crime nas nossas costas.”

Enquanto os fatos não são elucidados, a reportagem é um pouco mais de combustível em uma região onde grupos políticos rivais brigam pelo poder e estão em ponto de ebulição.

Tragédia

Três irmãos morrem afogados durante mudança no Lago de Tucuruí

Objetos e utensílios domésticos da família podem ter sobrecarregado o barco em que estavam
Continua depois da publicidade

Uma terrível tragédia ocorreu no final da tarde deste sábado (17), na região do Polo Pesqueiro, em Novo Repartimento. Três irmãos morreram afogados após a embarcação em que estavam ter afundado nas águas do lago da Usina Hidrelétrica de Tucuruí, no Rio Tocantins. As vítimas foram identificadas como Daniel dos Santos Ramos (10 anos), Jhonatan dos Santos Ramos (13 anos) e Dheividy dos Santos Ramos (15 anos).

Os garotos e sua família estavam fazendo mudança para uma ilha no polo, logo, a embarcação em que estavam viajava repleta de objetos e utensílios domésticos, o que pode ter sobrecarregado o barco. Em certa altura do trajeto, o barco virou e submergiu. Os garotos não sabiam nadar e morreram afogados.

Segundo informações, o barqueiro, identificado como Antônio Peixeiro, conseguiu nadar até uma ilha próxima e, ao retornar ao ponto onde o barco naufragou, não mais encontrou os meninos com vida.

Os pais dos adolescentes, de prenomes Manoel e Márcia, seguiam em outro barco. Foi um momento de muita aflição para a família, e aqueles que tomaram conhecimento do caso se mobilizaram para ajudar nas buscas aos corpos, que foram resgatados já pela noite.

A perda dos garotos é trágica, lamentável e comovente. A Reportagem está apurando mais informações sobre essa fatalidade a fim de manter os seguidores informados.

Fonte: Redação Novo Pará

polícia

Novo Repartimento: Cartorário Otaviano Caldas retirado de casa por homens armados e assassinado

Em princípio família e amigos imaginavam se tratar de sequestro, mas o empresário acabou morto
Continua depois da publicidade
Por Eleutério Gomes – de Marabá

Foi encontrado morto, na manhã desta quinta-feira (1º), o cartorário Otaviano Caldas, proprietário do Cartório Extrajudicial de Novo Repartimento. Ele foi arrancado de casa na noite de ontem (31), quando dois homens armados invadiram a fazenda em que ele morava com a família, renderam a todos, inclusive os empregados, os trancaram no banheiro e levaram o empresário na própria caminhonete Ford Ranger.

Em princípio, a família e amigos pensavam tratar-se de sequestro, pois Otaviano estava anunciando a realização de um grande empreendimento imobiliário em Novo Repartimento, o qual denominava de “Uma Cidade Planejada”. Isso teria chamado atenção dos sequestradores.

Porém, após a Polícia Militar encontrar a caminhonete, nas primeiras horas da manhã de hoje, em Novo Repartimento, o corpo do cartorário também foi encontrado na Rodovia BR-230 – a Transamazônica – também próximo daquela cidade, sentido Marabá.

O Blog segue apurando mais detalhes do caso.

comércio

Ideflor-bio vai cadastrar pescadores e compradores do Lago de Tucuruí

O cadastramento faz parte das atribuições prevista na lei de criação da APA Lago de Tucuruí
Continua depois da publicidade

O Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade (Ideflor-bio) vai realizar o cadastramento do todos os pescadores e compradores de pescado (intermediários) que utilizam os recursos pesqueiros do Mosaico de Unidades de Conservação Lago de Tucuruí.

O cadastro inicia por Tucuruí e Breu Branco a partir do dia 22 e seguindo até o dia 3 de fevereiro. Pescadores e compradores dos municípios de Novo Repartimento, Goianésia do Pará, Jacundá, Itupiranga, Nova Ipixuna e Marabá também deverão realizar o cadastro até o dia 10 de março, prazo final do cadastramento.

Mariana Bogéa, gerente do Mosaico do Lago de Tucuruí, explica que o cadastramento faz parte das atribuições prevista na lei de criação da APA Lago de Tucuruí e será integrado ao Sistema de Monitoramento do Desembarque Pesqueiro e Aquícola do Mosaico Lago de Tucuruí, que irá emitir o documento oficial de identificação dos usuários dos recursos pesqueiro do Mosaico, assim como o comprovante de produção dos pescadores. “O cadastro é gratuito, e os pescadores e comerciários não pagarão nenhuma taxa para efetivar o cadastramento e nem para adquirir a declaração junto às entidades do setor da Pesca”, enfatiza a gerente.

O Sistema de Monitoramento tem o apoio da Justiça Federal, Ministério Público Federal e da Polícia Federal, com o objetivo de auxiliar nas práticas adotadas por esses órgãos para coibir os ilícitos que envolvem o setor da pesca.

Os convocados deverão comparecer aos locais indicados no Chamado Público publicado no Diário Oficial do Estado do Pará n° 33527, de posse dos documentos pessoais e de específicos como o original e cópia da carteira de Pescador Profissional Artesanal (RGP); carteira da entidade de classe a qual é filiado; declaração da entidade representante de classe preenchida e assinada pelo representante legal da entidade; documento de comprovação de propriedade de embarcação, quando houver.

Mais informações:

Sede das colônias de Pescadores dos municípios envolvidos.

Sede do Ideflor-bio em Belém (AV. João Paulo II, s/n. Curió-Utinga) ou em Tucuruí (Rua Groelândia, n°01. Vila Marabá), de segunda a sexta-feira, das 8h às 14h.

Ou por meio do e-mail: grtuc.ideflorbio@gmail.com

Os cadastramentos serão realizados nos seguintes períodos e locais:

Período

Público

Local de cadastramento

Horário

22/01/2018 à 03/02/2018

Pescadores e Compradores dos municípios de Tucuruí e Breu Branco

Sede do Mosaico Lago de Tucuruí (Rua Groelência, n°01. Vila Marabá-Tucuruí)

08:00 às 12:00 e de 14:00 às 18:00 horas.

05/02 à 10/02/2018

Pescadores e Compradores do Município de Novo Repartimento

Barracão da Colônia de Pescadores Z-78 Novo Repartimento – Polo Pesqueiro.

12/02 à 17/02/2018

Pescadores e Compradores do município de Goianésia do Pará

Sede da Colônia de Pescadores Z-61 Goianésia do Pará, na Vila São Pedro.

19/02 à 24/02/2018

Pescadores e Compradores do município de Jacundá

Sede da Colônia de Pescadores Z-43 de Jacundá.

26/02 à 03/03/2018

Pescadores e Compradores do município de Itupiranga e Nova Ipixuna

Sede da Colônia de Pescadores Z-44 Itupiranga.

05/03 à 10/03/2018

Pescadores e Compradores do município de Marabá

Sede da Colônia de Pescadores Z-30 de Marabá.

Meio Ambiente

Polícia Civil deflagra “Operação Safe Forest” para combater desmatamento e transporte irregular de madeira no interior do Pará

Foram presos os IPCs Sidney de Souza Almeida e Regivaldo de Moraes Menezes e os PMs major Márcio (comandante da 23ª Companhia Independente de Novo Repartimento); Sargento França (comandante do Destacamento da PM no Distrito de Maracajá) e Cabo Joniel, da 23ª Companhia Independente de Novo Repartimento.
Continua depois da publicidade

A Polícia Civil deflagrou, nesta terça-feira, 12, a operação Safe Forest (floresta salva em inglês) para combate aos crimes de associação criminosa, falsificação de documento público e corrupção ativa relacionados ao desmatamento e transporte irregular de madeira, em Novo Repartimento, no sudeste do Estado. Cinco policiais – dois civis e três militares – foram presos em cumprimento a mandados judiciais de prisão preventiva acusados de receber pagamentos de madeireiros da região para dar suporte aos crimes ambientais. Dois madeireiros também acusados dos mesmos crimes foram presos. Ainda, durante a operação coordenada pela Superintendência Regional de Polícia Civil do Lago de Tucuruí, foram cumpridos mandados de busca e apreensão referentes ao inquérito.

A operação é resultante de investigação presidida pelo delegado Arthur Nobre responsável pelo inquérito instaurado para apurar os crimes. O delegado explica que as investigações foram iniciadas no ano passado, quando a operação foi deflagrada para combater crimes ambientais que contavam com conluio de agentes públicos ligados a madeireiros na região. No esquema criminoso, explica o delegado, os policiais recebiam propinas para fazer “vista grossa” diante dos crimes ambientais, como desmatamentos ilegais e transporte de madeira sem qualquer autorização legal. A partir das provas coletadas no inquérito, detalha o delegado Sandro Rivelino, titular da Superintendência do Lago de Tucuruí, foi desencadeado o cumprimento de mandados judiciais na cidade de Novo Repartimento.

Foram presos os madeireiros Itamar Oliarski e José Gonzaga Monteiro Barra Nova, em Novo Repartimento, com ordens de prisão preventiva expedidas pela Comarca do município. Foram presos também os policiais civis Sidney de Souza Almeida e Regivaldo de Moraes Menezes (investigadores) e os policiais militares major Márcio (comandante da 23ª Companhia Independente de Novo Repartimento); Sargento França (comandante do Destacamento da PM no Distrito de Maracajá) e Cabo Joniel, da 23ª Companhia Independente de Novo Repartimento. A operação contou com a presença de representantes das Corregedorias da Polícia Civil e da PM e ainda da Promotoria Militar do Ministério Público do Estado para atuar, de forma conjunta, na prisão de agentes públicos acusados das práticas criminosas investigadas.

Os policiais serão conduzidos ao presídio Coronel Anastácio das Neves em Santa Izabel do Pará. Já os madeireiros foram transferidos ao Presídio Regional de Tucuruí. A operação policial também foi deflagrada por equipes de policiais civis da Superintendência Regional de Altamira, no sudoeste do Pará, sob coordenação do delegado Vinícius Sousa Dias. Durante o dia, eles tentaram localizar outros dois acusados de envolvimento nos crimes em Vitória do Xingu e Uruará, cidades situadas na mesma região de Altamira, porém os dois acusados – os madeireiros Sivaldo Furtado Moraes e Jorge Luis Moisés, conhecido como “Jorge do Goiás” – não foram localizados e estão foragidos. As investigações continuam visando localizar e prender os foragidos. (ASCOM PCPA)

Meio Ambiente

Operação apreende 2,5 toneladas de pescado na região do lago de Tucuruí

Polícia tirou ainda de circulação João Batista Xavier Garcia, o Capadinho, um dos maiores atravessadores de pescado da região
Continua depois da publicidade

A ação integrada entre a Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas), o Ideflor-bio e as Secretarias de Meio Ambiente de Tucuruí e de Goianésia do Pará resultou na apreensão de mais de 2,5 toneladas de pescado. A apreensão do pescado irregular aconteceu nesta segunda-feira (11) na Vila das Placas, no município de Breu Branco.

Com o apoio do 13º Batalhão de Polícia Militar de Tucuruí foi detido um dos maiores atravessadores de pescado da região, João Batista Xavier Garcia, conhecido como Capadinho, que já foi conduzido à 15ª Zona de Policiamento de Tucuruí (Z-pol) para os procedimentos criminais.

Conforme o delegado de Tucuruí, Washington Santos de Oliveira, Capadinho é acostumado a cometer esse tipo de crime e somente ele já chegou a desviar e comercializar mais de 50 toneladas de pescado no período do defeso. O atravessador foi preso em flagrante e foi apreendido o veículo utilizado para transportar o pescado. “Já estávamos tentando fazer a prisão dele há algum tempo e o infrator evadiu do local abandonando o veículo que foi apreendido junto com o pescado, mas conseguimos pegar ele”, falou o delegado.

Mariana Bogéa de Souza, gerente do Mosaico Lago de Tucurui, falou sobre as diversas atividades de fiscalização que estão sendo realizadas na região do Mosaico. Até o mês de dezembro já foram apreendidos mais de 5 toneladas de pescado e somente nesta operação, três veículos de pequeno porte e dois caminhões foram apreendidos e os infratores foram conduzidos a delegacia. Todo o pescado foi doado para as comunidades e entidades que prestam serviços sociais.