Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Futebol

Paysandu e São Bento empatam com gol de pênalti no final do segundo tempo

O artilheiro Cassiano tirou o Papão do sufoco e empatou no final, deixando o time bicolor invicto na Série B

Por Fábio Relvas
Fotos: Fernando Torres/Ascom Paysandu

Foi no sufoco, mas o Paysandu segue invicto no Campeonato Brasileiro da Série B. Em partida realizada na tarde deste sábado (19), no Estádio Leônidas Castro, a Curuzu, em Belém, o Papão ficou no empate, em 1 a 1, diante do São Bento-SP, em jogo válido pela sexta rodada da competição nacional. O resultado colocou o time bicolor no G4 da competição, com 12 pontos.

O time do interior paulista abriu o placar com o ex-bicolor Diogo Oliveira, que acertou um chute no ângulo, aos 15 minutos do primeiro tempo. O gol de empate do Papão só saiu aos 45 minutos do segundo tempo, em pênalti convertido pelo artilheiro Cassiano.

O próximo compromisso do Paysandu será contra o Avaí-SC, na sexta-feira (25), às 19h15, no Estádio da Ressacada, em Florianópolis.

O jogo: Tudo igual na Curuzu

Embalado pelo título de bicampeão da Copa Verde no meio de semana, o Paysandu partiu para cima do adversário. O atacante Claudinho fez boa jogada individual e cruzou, mas ninguém do Papão chegou para finalizar o lance. Quem chegou para marcar foi o São Bento: o ex-bicolor Diogo Oliveira recebeu livre na direita e soltou o pé no ângulo do goleiro Renan Rocha, marcando um golaço na Curuzu, aos 15 minutos de jogo, 1 a 0.

A perigosa equipe do interior paulista foi para o ataque novamente quando Walterson recebeu na área e, mesmo marcado por Diego Ivo, conseguiu rolar para trás; Diogo Oliveira chegou batendo para a grande defesa do goleiro Renan Rocha. O time bicolor teve a chance na cobrança de falta de Thomaz, mas desta vez foi o goleiro Rodrigo Viana que apareceu bem salvando os paulistas.

Em outra jogada do time paraense, o atacante Claudinho deu uma de pivô para Thomaz, que chegou batendo de primeira e a bola passou assustando contra a meta do goleiro Rodrigo Viana. Aparecendo bem na partida, Thomaz cruzou na área para o toque de cabeça de Diego Ivo, mas a bola foi para fora. A torcida do Papão não gostou do rendimento da equipe e vaiou o time na descida para os vestiários.

Na segunda etapa, o time bicolor teve dificuldades de entrar na defesa adversária. Quem quase voltou a marcar foi o São Bento, novamente com o meia Diogo Oliveira, que conseguiu abrir espaço para chutar e mandou um bolaço; a bola ainda desviou na zaga do time paraense.

O Papão tentou chegar com Moisés, que cruzou para a boa defesa de Rodrigo Viana. Em uma falta cobrada por Pedro Carmona, o atacante Cassiano subiu para cabecear, mas a bola foi por cima da meta paulista.

O meia Pedro Carmona, que entrou no intervalo, pediu para sair e o técnico Dado Cavalcanti colocou o inglês Ryan Williams, que finalmente fez sua estreia com a camisa do Paysandu, para a vibração da Fiel Bicolor. O time paraense chegou com Moisés, que cruzou para a bicicleta do zagueiro Edimar; atento, o goleiro Rodrigo Viana fez a defesa. Se os atacantes não estavam resolvendo, os zagueiros do Papão começaram a se arriscar lá na frente. O inglês Ryan Williams abriu a jogada na esquerda e Diego Ivo mandou para o gol, mas a bola foi em cima do goleiro.

O Paysandu voltou ao ataque com Moisés, que deu passe para Thomaz, mas a bola bateu na mão do lateral-direito Éverton Silva e o árbitro Elmo Alves Resende Cunha, de Goiás, assinalou pênalti. O atacante Cassiano, artilheiro do Papão na temporada, cobrou no canto direito; o goleiro Rodrigo Viana tocou na bola, mas não evitou o empate, aos 45 minutos, 1 a 1, para a explosão da Fiel Bicolor na Curuzu.

O árbitro acrescentou mais cinco minutos. Em uma confusão entre os jogadores no meio de campo, o volante do Papão Renato Augusto, acabou recebendo cartão vermelho. Placar final: Paysandu 1 x 1 São Bento-SP.

FICHA TÉCNICA

PAYSANDU: Renan Rocha; Edimar, Perema (Pedro Carmona) (Ryan Williams) e Diego Ivo; Matheus Silva, Renato Augusto, Nando Carandina, Thomaz e Carlinhos (Moisés); Claudinho e Cassiano.
Técnico: Dado Cavalcanti

SÃO BENTO: Rodrigo Viana; Éverton Silva, Luizão, Douglas Assis e Paulinho; Fábio Bahia, Dudu Vieira, Doriva e Diogo Oliveira (Lucas Crispim); Walterson e Zé Roberto.
Técnico: Paulo Roberto Santos

Árbitro: Elmo Alves Resende Cunha (GO)
Assistentes: Edson Antônio de Sousa (GO) e Tiago Gomes da Silva (GO)

Cartões amarelos: Thomaz, Nando Carandina e Claudinho (Paysandu); Zé Roberto, Paulinho, Walterson, Doriva, Dudu Vieira e Lucas Crispim (São Bento)
Cartão vermelho: Renato Augusto (Paysandu)
Gols: Diogo Oliveira, aos 15 minutos do 1° tempo para o São Bento; Cassiano, de pênalti, aos 45 minutos do 2° tempo para o Paysandu

Local: Estádio Leônidas Castro, a Curuzu, em Belém
Renda: R$ 88.665,00
Pagantes: 5.331
Sócio Bicolor: 3.000
Credenciados: 1.490
Total: 6.821

Futebol

Paysandu empata com o Atlético-ES no Mangueirão e é bicampeão da Copa Verde

O Papão contou com o apoio de 35 mil torcedores, que fizeram a festa com mais uma conquista alviceleste

O Paysandu Sport Club conquistou o título de bicampeão invicto da Copa Verde de 2018. A conquista veio na noite desta quarta-feira (18), após o empate em 1 a 1, diante do Atlético-ES, no Estádio Olímpico Edgar Proença, o Mangueirão, em Belém. Como havia vencido o primeiro
jogo em Cariacica, por 2 a 0, o time paraense levantou mais um troféu da competição nacional e garantiu vaga nas oitavas de final da Copa do Brasil de 2019.

A torcida do Papão lotou o Mangueirão com 35 mil pessoas e ainda fez uma linda festa exibindo um mosaico. A renda da partida foi mais de um milhão de reais, com o Paysandu lucrando também com a premiação do título da Copa Verde, o equivalente a R$ 168 mil. O Atlético de Itapemirim saiu na frente, ainda na primeira etapa, com o gol assinalado pelo atacante Eraldo, aos 39 minutos. O Paysandu chegou ao empate, aos 27 minutos da etapa final, com o gol do meia Pedro Carmona.

Em oito partidas, o Papão conquistou seis vitórias e dois empates, marcando 18 gols e sofrendo sete. O atacante Cassiano do Paysandu foi o artilheiro da competição, com nove gols marcados e deixou seu nome na história como o maior artilheiro até então da Copa Verde.

O jogo: Paysandu 1 x 1 Atlético-ES – Papão bicampeão invicto da Copa Verde

Logo no início de jogo, o atacante bicolor Mike entrou na área e tentou marcar por cobertura, o goleiro Bambu fez a defesa. O Atlético reagiu, quando Paulinho cruzou na área, o zagueiro Edimar cortou errado, mas Pikachu não acreditou muito na falha da zaga e acabou não alcançando a bola. Após boa troca de passes do time do Paysandu, Cassiano abriu na direita para Matheus Silva, que chutou cruzado para a boa defesa de Bambu.

O Papão foi para a pressão para tentar abrir o marcador. O atacante Moisés arrancou bem pelo meio e chutou forte de fora da área, a bola passou por cima da meta do goleiro Bambu. Outra vez o bicolor estadual chegou com Victor Lindenberg, que cruzou da esquerda, a defesa
cortou e a bola sobrou para Moisés, que errou o chute e a jogada voltou para Victor Lindenberg, que alçou de cavadinha na área, e o goleiro Bambu afastou de soco o perigo que rondava sua meta.

Na chegada mais perigosa da equipe do Espírito Santo, Pikachu levantou na área, Eraldo raspou de cabeça, mas o goleiro Renan Rocha fez a defesa sem problema. Na segunda chegada foi fatal. Após cruzamento de Franklin pela direita, o atacante Eraldo oportunista, subiu firme e
cabeceou para o fundo do barbante do goleiro Renan Rocha, aos 39 minutos, 1 a 0, para o Galo da Vila.

Logo em seguida, quase o Paysandu chegou ao empate, quando Victor Lindenberg entrou de cara para o gol e cruzou na área, a zaga cortou e na sobra, o zagueiro Perema foi derrubado antes de finalizar. Na falta cobrada, Bambu subiu de soco e cortou para o Atlético-ES. Quando
o árbitro Anderson Daronco-RS, da FIFA, apitou o final do primeiro tempo, alguns torcedores vaiaram e outros aplaudiram o time bicolor na descida para os vestiários.

Na etapa derradeira, o Papão foi para cima e na primeira jogada dentro da área, Victor Lindenberg se enroscou com o zagueiro Rhayne, os jogadores e a torcida do Paysandu pediram pênalti, mas o árbitro Anderson Daronco mandou seguir o jogo. O zagueiro Diego Ivo deu uma de atacante e chutou para o gol, Bambu defendeu em dois tempos. Em uma jogada de ataque, Cassiano sofreu falta quase que frontal. O próprio Cassiano cobrou e mandou longe da meta do Galo da Vila.

Em um contra-ataque bicolor, Moisés recebeu na esquerda e cruzou rasteiro para o meio da área, a zaga chegou para cortar antes do chute de Nando Carandina. Aos 11 minutos, o árbitro Anderson Daronco paralisou o jogo devido a um laser que estava sendo apontado para o rosto do goleiro Bambu do Atlético-ES. Em um ataque do time de Itapemirim, a bola sobrou para Araruama, que disparou para fora.

O meia Pedro Carmona, que entrou no lugar do atacante Moisés foi decisivo para o Paysandu. No primeiro lance, Carmona cobrou falta da direita na cabeça de Mike, que testou firme e Bambu defendeu no reflexo. Aos 27 minutos, a zaga do Atlético saiu jogando errado, Nando
Carandina cortou de cabeça e a bola chegou nos pés de Pedro Carmona, que acertou um chutaço, sem chances de defesa para Bambu, 1 a 1, explodindo a Fiel Bicolor no Mangueirão.

O Galo da Vila foi para o tudo ou nada. Em uma boa descida de Fabiano, o meia cruzou na área, Mateus Müller cortou para o meio e bola sobrou para Eraldo, que pegou de primeira, mas mandou longe da meta de Renan Rocha. Em um escanteio cobrado da direita, o atacante
Henrique cabeceou e a bola passou ao lado do gol bicolor, sem muito perigo. A essa altura do jogo o torcedor do Papão já gritava nas arquibancadas “bicampeão, bicampeão, bicampeão”.

Eraldo ainda conseguiu girar da marcação, mas o chute foi para fora.

O juiz Anderson Daronco-RS, da FIFA, levou até aos 49 minutos, quando a torcida do Papão da Curuzu pôde soltar o grito de bicampeão invicto da Copa Verde de 2018. Placar final: Paysandu 1 x 1 Atlético-ES.

Ficha Técnica

PAYSANDU: Renan Rocha; Diego Ivo, Edimar, Perema; Matheus Silva (Maicon Silva), Renato Augusto, Nando Carandina e Victor Lindenberg (Mateus Müller); Mike, Moisés (Pedro Carmona) e Cassiano. Técnico: Dado Cavalcanti.

ATLÉTICO-ES: Bambu; Paulinho, Rhayne, Kleber Viana (Pedrão) e Marcos Felipe; Araruama, Franklin e Júnior Santos (Henrique), Eraldo, Fabiano e Pikachu (Bruno). Técnico: Zé Humberto.

Árbitro: Anderson Daronco-RS (FIFA)

Assistentes: Alessandro Álvaro Rocha de Matos-BA e Tatiane Sacilotti dos Santos Camargo-SP

Cartões amarelos: Diego Ivo (Paysandu); Júnior Santos, Pedrão e Rhayne (Atlético-ES)

Gols: Eraldo, aos 39 minutos do 1° tempo para o Atlético-ES; Pedro Carmona, aos 27 minutos do 2° tempo para o Paysandu

Local: Estádio Olímpico Edgar Proença, o Mangueirão, em Belém

Renda: R$ 1.239.000,00

Pagantes: 28.900

Sócio Bicolor: 4.000

Por Fábio Relvas – Fotos: (Wagner Santana / Diário do Pará) e (Jorge Luiz / Ascom Paysandu)

Esportes

Paysandu deixa escapar a vitória no finalzinho, mas segue invicto na Série B

O time bicolor não conseguiu segurar a pressão, e com um jogador a menos, cedeu o empate

Com um time misto, o Paysandu Sport Club encarou o Juventude-RS, na noite desta sexta-feira (11), no Estádio Alfredo Jaconi, em Caxias do Sul. A partida foi válida pela 5ª rodada do Campeonato Brasileiro da Série B e terminou empatada em 1 a 1. O Papão saiu na frente com o gol de Thomaz, após um contra-ataque fulminante, aos 42 minutos do 1° tempo. A equipe gaúcha suou a camisa e conseguiu o empate através do atacante Yuri Mamute, aos 36 minutos do 2° tempo. O time paraense terminou a partida com um jogador a menos, devido a expulsão do meia Alan Calbergue.

Com o resultado, o Paysandu segue invicto e no G4 da Série B, com 11 pontos e no momento é o vice-líder da competição nacional. O Papão volta a campo contra o Atlético-ES, na próxima quarta-feira (16), pela final da Copa Verde, às 21h30, no Estádio Olímpico Edgar Proença, o Mangueirão, em Belém. No primeiro jogo, o time bicolor venceu, por 2 a 0, em Cariacica-ES.

O jogo: Juventude 1 x 1 Paysandu – Papão segue invicto!

A primeira chance foi do Juventude com Caio Rangel, que tentou driblar o zagueiro Edimar e foi desarmado, mas a bola saiu pela linha de fundo, ganhando o primeiro escanteio logo no comecinho. O atacante Yuri Mamute fez uma jogada individual, girou em cima da marcação bicolor, e mandou para fora. O Paysandu tentou chegar com o atacante Claudinho, que passou na marra pelo meio de dois e ganhou arremesso lateral.

Outra vez o Papão, agora com o meio-campo Thomaz, que tentou se livrar da marcação e foi derrubado perto da grande área. O mesmo Thomaz pediu preferência e cobrou a falta, mas a bola passou sem susto contra a meta adversária. Alan Calbergue do time paraense deu carrinho em Jair e recebeu cartão amarelo. Após bola na área, a zaga alviceleste falhou e Choco tentou marcar, mas errou a cabeçada e a bola ficou com o goleiro Renan Rocha.

O Juventude tentava chegar nas bolas paradas e em uma delas, Fred cobrou falta com curva, a bola passou por todo mundo e ninguém conseguiu o desvio. Yuri Mamute invadiu a área e caiu, o atacante pediu pênalti, mas o árbitro mandou seguir o jogo. Outra chegada da equipe de Caxias do Sul com Fellipe Mateus, que disparou direto para fora. O Papão respondeu no chute de Renan Gorne, o goleiro Matheus Cavichioli salvou para escanteio.

Em um escanteio cobrado por Thomaz, o zagueiro bicolor Douglas Mendes subiu de cabeça e mandou para fora. O Juventude teve a chance em cobrança de falta disparada por Fred, o goleiro Renan Rocha teve que se virar defendendo em dois tempos. Em um contra-ataque fulminante, Renan Gorne avançou e tocou para a chegada de Thomaz, o meia bicolor chutou forte no canto esquerdo e correu para o abraço, aos 42 minutos, 1 a 0 Paysandu.

Na segunda etapa o time da casa começou pressionando. Caio Rangel fez um carnaval na zaga bicolor passando por três marcadores, mas parou na defesa de Renan Rocha que saiu bem do gol e fechou o ângulo. Claudinho do Papão fez um cruzamento aberto e quase surpreendeu o goleiro Matheus Cavichioli, que salvou o que poderia ser um gol por cobertura. Em outra tentativa, Caio Rangel recebeu dentro da área e chutou, a bola passou de Renan Rocha e a zaga bicolor afastou quase em cima da linha.

O zagueiro Edimar do Paysandu se arriscou ao ataque, fez uma tabela com Claudinho, mas disparou para fora. O time paraense chegou em cobrança de falta de Mateus Muller, a bola passou no meio da barreira e se perdeu pela linha de fundo. Outra falta para o bicolor estadual, desta vez foi Thomaz que cobrou e o goleiro Matheus Cavichioli foi buscar no ângulo, salvando o Juventude.

Caio Rangel recebeu na pequena área e chutou para a grande defesa de Renan Rocha, na sobra de bola, a zaga do Papão aliviou o perigo que rondava a meta. Alan Calbergue pelo lado do time paraense arriscou de fora da área, mas mandou longe. O Juventude recuperou uma bola, Jair lançou para Caio Rangel, que disparou para fora. O meia Alan Calbergue deu um outro carrinho imprudente no jogador adversário, recebeu o segundo cartão amarelo e consequentemente o vermelho, deixando o Paysandu com um jogador a menos, aos 32 minutos.

O Juventude, com um jogador a mais, partiu para cima. Em uma bola na área, Fred sozinho cabeceou para fora, perdendo a chance do empate para o time do jaconeiro. Pará cruzou na área e Ricardo Jesus sozinho cabeceou por cima outra vez. De tanto insistir, os gaúchos chegaram lá. Yuri Mamute recebeu e chutou forte, a bola passou por baixo de Renan Rocha, deixando tudo igual, aos 36 minutos, 1 a 1.

A torcida da casa começou a incentivar o time rumo à virada. Em uma bola na área, Renan Rocha passou lotado e a bola passou por todo mundo, mas o goleiro bicolor chegou a tocar e a arbitragem marcou escanteio. Yuri Mamute teve a chance de virar, quando recebeu outra bola, se livrou da marcação, mas chutou fraco facilitando a defesa de Renan Rocha. Placar final: Juventude 1 x 1 Paysandu.

FICHA TÉCNICA

JUVENTUDE: Matheus Cavichioli; César Martins (Leandro Lima), Bonfim, Fred e Pará; Matheus Bertotto, Choco, Jair e Fellipe Mateus (Tony); Yuri Mamute e Caio Rangel (Ricardo Jesus). Técnico: Julinho Camargo

PAYSANDU: Renan Rocha; Matheus Silva, Edimar, Renato Augusto, Douglas Mendes e Mateus Muller; Luís Cáceres (Willyam), Alan Calbergue e Thomaz (Dionathã); Claudinho (Magno) e Renan Gorne. Técnico: Dado Cavalcanti

Árbitro: Emerson de Almeida Ferreira (CBF-MG)

Assistentes: Márcio Eustaquio Sousa Santiago (MG) e Celso Luiz da Silva (MG)

Cartões amarelos: Bonfim, Pará, Matheus Bertotto, Caio Rangel, Bruno Ribeiro e Leandro Lima (Juventude); Matheus Silva, Douglas Mendes, Renato Augusto, Alan Calbergue (2) e Renan Gorne (Paysandu)

Cartão vermelho: Alan Calbergue (Paysandu)

Gols: Thomaz, aos 42 minutos do 1° tempo para o Paysandu; Yuri Mamute, aos 36 minutos do 2° tempo para o Juventude

Local: Estádio Alfredo Jaconi, em Caxias do Sul (RS)

Por Fábio Relvas
Foto: Arthur Dallegrave/E.C. Juventude)
Futebol

Paysandu fica no empate diante do Sampaio Corrêa no Estádio Castelão pela Série B

A partida foi válida pela quarta rodada e o resultado deixou o Papão como vice-líder com dez pontos

Por Fábio Relvas
Foto: Lucas Almeida / TV Sampaio

O Paysandu Sport Club voltou a campo, na noite desta sexta-feira (4), pelo Campeonato Brasileiro da Série B. Os bicolores enfrentaram o Sampaio Corrêa-MA e ficaram no empate em 1 a 1, no Estádio Castelão, em São Luís, em partida válida pela quarta rodada do Brasileirão da Série B. Com o resultado, o Papão assumiu a vice-liderança da competição com dez pontos, enquanto que o Tubarão é o 14° colocado com apenas quatro pontos.

Os gols da partida foram marcados no início de jogo. O Sampaio abriu o marcador quando Danielzinho cobrou falta na cabeça do zagueiro Maracás, que não perdoou e marcou, aos dois minutos. O Paysandu reagiu e empatou logo em seguida, depois que Mike cobrou falta no segundo pau para o toque de cabeça do zagueiro Perema, aos nove minutos de bola rolando.

O Papão volta a campo contra o Juventude-RS, na próxima sexta-feira (11), às 19h15, no Estádio Alfredo Jaconi, em Caxias do Sul.

O jogo: Tubarão 1 x 1 Papão

Nem bem a bola começou a rolar no Estádio Castelão e o Sampaio Corrêa foi logo abrindo o placar. Danielzinho cobrou falta e o zagueiro Maracás subiu firme de cabeça, mandando para o fundo do gol bicolor, 1 a 0, aos dois minutos. Só que o Paysandu deu o troco na mesma moeda e logo empatou: Mike cobrou falta no segundo pau e o zagueiro Perema cabeceou para o fundo do barbante da Bolívia maranhense, 1 a 1, aos nove minutos.

O Sampaio voltou a atacar com Bruno Moura, que arrancou pela direita e cruzou rasteiro para o chute de primeira do zagueiro Joécio; a bola passou muito perto da meta de Renan Rocha. Novamente o Tubarão, o atacante Alvinho dominou na área, driblou a marcação e chutou, mas o goleiro Renan Rocha desviou pela linha de fundo. A torcida começou a empurrar o time da casa, que voltou a chegar com muito perigo, quando Alvinho novamente recebeu passe de William Oliveira e acertou um chute na trave. Chance desperdiçada.

No segundo tempo, o jogo começou pesado, com as equipes cometendo faltas; sendo assim, os times pouco criaram chances. Quem se aproximou mais de marcar foi o Paysandu, que quase virou o placar quando Danilo Pires recebeu passe e ficou de frente com o goleiro Warleson, mas o chute foi para fora. Em um escanteio para o Sampaio, a bola foi desviada e apareceu o zagueiro Maracás tocando quase de joelho; a bola passou muito perto da meta de Renan Rocha.

Aos 39 minutos, o Sampaio quase chegou à vitória: depois da boa jogada de Esquerdinha e Danielzinho, a bola chegou para Bruno Moura, que finalizou para a defesa milagrosa de Renan Rocha, salvando no limite com a ponta dos dedos. O árbitro Wagner Reway, do Mato Grosso, levou a partida até aos 49 minutos e mais ninguém mexeu no marcador. Placar final: Sampaio Corrêa 1 x 1 Paysandu. Depois do apito final, a torcida do Tubarão vaiou o time na descida para os vestiários.

FICHA TÉCNICA

SAMPAIO CORRÊA: Warleson; Bruno Moura, Joécio, Maracás e Alyson (Fernando Sobral); William Oliveira, César Sampaio, Danielzinho e João Paulo (Esquerdinha); Uilliam (Carlão) e Alvinho.
Técnico: Francisco Diá

PAYSANDU: Renan Rocha; Edimar, Douglas Mendes e Perema (Danilo Pires); Matheus Silva, Nando Carandina, Renato Augusto e Mateus Muller; Mike (Thomaz), Cassiano e Claudinho (Magno).
Técnico: Dado Cavalcanti

Árbitro: Wagner Reway (MT)
Assistentes: Kléber Lúcio Gil (SC) e Fábio Rodrigo Rubinho (MT)

Cartões amarelos: Alyson, Bruno Moura e William (Sampaio Corrêa); Douglas Mendes (Paysandu)
Gols: Maracás, aos dois minutos do 1° tempo para o Sampaio Corrêa; Perema, aos nove minutos do 1° tempo para o Paysandu

Local: Estádio Castelão, em São Luís (MA)
Renda: R$ 45.800,00
Pagantes: 4.119

Esportes

Parauapebas é goleado pelo Paysandu no Campeonato Paraense Sub-17

A partida foi realizada no CEJU (Centro de Treinamento da Juventude) e agora o PFC encara o Remo no Rosenão

Após vencer o Atlético Barbarense na primeira rodada do Campeonato Paraense da categoria Sub-17, o Parauapebas voltou a campo na manhã desta terça-feira, 1° de maio, feriado do dia do trabalhador. O time do PFC encarou o Paysandu Sport Club, e acabou sendo goleado pelo placar de 4 a 1, com partida realizada no CEJU (Centro de Treinamento da Juventude), que fica localizado no entorno do Estádio Olímpico do Pará, o Mangueirão, em Belém.

Nem bem a bola começou a rolar no gramado do CEJU, e o PFC, em erro individual, acabou sofrendo o primeiro gol, logo aos 26 segundos, 1 a 0 Papão. Não demorou muito para o time bicolor ampliar a vantagem, aos 20 minutos da primeira etapa. O técnico João Paulo começou a arrumar a casa ainda com o jogo em andamento e o Parauapebas começou a reagir assustando o adversário em alguns lances.

Na volta para o segundo tempo, o PFC começou a jogar de igual para igual e diminuiu o placar através do meio campista Isaías, aos 26 minutos. O Gigante de Aço encurralou o Paysandu e logo depois perdeu um gol cara a cara com o goleiro adversário. Mas em outra falha individual, o Papão chegou ao terceiro tento, aos 40 minutos. O time parauapebense sentiu e logo depois, aos 43 minutos, levou o quarto gol da equipe bicolor.

“Lamentavelmente foi um placar amplo para o que foi o jogo. A derrota faz parte da formação também, estamos só na terceira semana de trabalho, ainda conhecendo o grupo. Nos 10 a 15 minutos finais, a fadiga acumulada da viagem e do jogo de sábado, também dificultou. Vamos treinar e com certeza fazer um grande jogo contra o Remo dia 10. Vamos contar também com quatro jogadores titulares que não caíram no bid, sendo um deles o Tauan, grande destaque da equipe. Além do zagueiro Thiago, do lateral-direito Kelfthi e do volante Marcelo”, analisou João Paulo, técnico do Parauapebas.

O Parauapebas entrou em campo contra o Paysandu escalado pelo técnico João Paulo com o futebol de: Júnior; Reinaldo, Wendel, Marcos e Errickar; Maiquel, Ramon, Carlos e Rickelme; Will e Janiel. A próxima partida do PFC vai ser diante do Clube do Remo valendo pela terceira rodada e a partida está marcada para o dia (10/05), data do aniversário da cidade de Parauapebas, às 18h, no Estádio José Raimundo Roseno Araújo, o Rosenão.

Por Fábio Relvas
Remo

Paysandu vence o Brasil de Pelotas pela Série B. Remo perde na Série C e sai do G4

A dupla Re-Pa entrou em campo nesse sábado pelo Campeonato Brasileiro e só um pôde comemorar

Os dois maiores rivais do estado do Pará, entraram em campo neste sábado (28). O Paysandu recebeu o Brasil de Pelotas-RS no Estádio da Curuzu, em Belém, e venceu pelo placar de 2 a 1. Os gols do Papão foram assinalados por Renato Augusto, aos 20 minutos e pelo artilheiro Cassiano, de pênalti, aos 24 do 1º tempo. O Xavante descontou ainda na primeira etapa com Lourency, aos 27 minutos. A vitória deixou o time bicolor com 100% na Série B, com nove pontos, em quarto lugar. O Paysandu volta a campo na próxima sexta-feira (04), às 19h15, diante do Sampaio Corrêa, no Estádio Castelão, no Maranhão.

O Clube do Remo não teve a mesma sorte e acabou perdendo para o Juazeirense-BA, por 1 a 0, gol marcado por Rayllan, de voleio, aos três minutos do 2º tempo. A partida foi realizada no Estádio Adauto Moraes, em Juazeiro, interior da Bahia. O revês tirou o campeão paraense do G4 do Grupo A1 da Série C do Campeonato Brasileiro. Agora os azulinos estão em oitavo lugar com apenas três pontos. O próximo compromisso do Remo será contra o Santa Cruz, no domingo (06), às 19h, no Estádio Olímpico, Edgar Proença, o Mangueirão, em Belém.

O jogo: Paysandu 2 x 1 Brasil de Pelotas

O Brasil de Pelotas começou assustando, depois de um cruzamento de Lourency, a zaga do Paysandu cortou para escanteio. O Papão tentou chegar, quando uma bola foi invertida para o lateral-direito Matheus Silva, só que o jogador não teve domínio e deixou passar, furando feio no lance. Outra vez o bicolor, Claudinho cruzou e Cassiano não conseguiu cabecear, e a bola passou. Em outra bola alçada na área, Renato Augusto cabeceia firme no canto, o goleiro Marcelo Pitol não alcança, 1 a 0, aos 20 minutos.

Logo em seguida, Matheus Silva invadiu a área pela direita e foi derrubado com um carrinho de Rafael Vitor, pênalti assinalado. O atacante Cassiano cobrou e deslocou o goleiro Marcelo Pitol, aos 24 minutos, 2 a 0, para o delírio da Fiel Bicolor. O Xavante acordou e foi logo diminuindo o placar, com o atacante Lourency, que recebeu passe livre dentro da área e teve muita tranquilidade para tirar do alcance de Renan Rocha, 2 a 1, aos 27 minutos.

O Paysandu não sentiu o gol do adversário e seguiu atacando. Em uma invertida de bola do lateral-direito Matheus Silva para o lateral-esquerdo Mateus Muller, o canhoto bicolor chegou chutando e mandou para longe. O time gaúcho quase empatou com Michel, que recebeu lançamento e chutou para a defesa do goleiro Renan Rocha e na sobra, o mesmo Michel carimbou a trave paraense.

O Xavante queria empatar ainda na primeira etapa, após cruzamento de Zé Augusto, Lourency
chegou de peixinho, mas a arbitragem já estava assinalando impedimento. O atacante Mike do Papão deu um chapéu no zagueiro Rafael Dumas e lançou para Claudinho, o jogador foi atropelado com uma falta próximo da área. Na segunda etapa, o Brasil de Pelotas se mandou para o ataque, em uma boa oportunidade para o cruzamento, Éder Sciola pegou mal e mandou diretamente pela linha de fundo.

O time bicolor voltou a atacar, quando Mateus Muller recebeu e mandou diretamente para fora, perdendo a chance de trabalhar mais a bola. Em seguida, Claudinho recebeu, se livrou da marcação e chutou por cima. O Xavante levantou a bola na área do Papão e Michel cabeceou na trave da meta de Renan Rocha. Em uma pressão total do Paysandu, Mateus Muller cruzou, o goleiro Marcelo Pitol tirou de soco, a bola voltou para Matheus Silva, que chutou e carimbou a zaga, na sobra o mesmo Matheus Silva cruzou e a zaga aliviou o perigo.

Outa vez o bicolor estadual, Cassiano foi lançado e chutou forte para a boa defesa de Marcelo Pitol. Em mais uma tentativa dos donos da casa, Mike cruzou para Cassiano, o zagueiro Leandro Camilo chegou cortando. O meia Thomaz cruzou rasteiro para trás para o  chute de primeira de Mateus Muller, a bola explodiu na trave, o que seria o terceiro gol do Papão. Matheus Silva cruzou na área para Renato Augusto, que desviou de cabeça e mandou para fora, outra chance desperdiçada. O lateral-esquerdo Artur cometeu falta no atacante Magno, recebeu o segundo cartão amarelo e consequentemente o vermelho. Placar final: Paysandu 2 x 1 Brasil de Pelotas.

O jogo: Juazeirense-BA 1 x 0 Clube do Remo

Afim de começar a pontuar fora e com vitória, o Clube do Remo se mandou para o ataque. O meio-campo Everton carregou bem a bola em um contra-ataque e tocou para Elielton, o atacante remista tentou a devolução, mas o goleiro Tigre atento fez a defesa. Em outro contra-ataque do Leão, Felipe Marques lançou para Isac, mas a  arbitragem assinalou impedimento do atacante azulino.

O Juazeirense finalmente deu as caras e quase abriu o marcador. Juninho Tardelli cruzou da linha de fundo, a bola chegou até Patrick, que ajeitou para Toni, que furou na finalização e na sobra, Jussimar não conseguiu completar para o gol. Juninho Tardelli dominou uma bola na entrada da área e mandou para o gol, o chute acertou na trave do goleiro Vinícius. Patrick recebeu a bola, se livrou da marcação azulina, mas chutou muito alto sem perigo.

O Leão voltou a atacar, quando Esquerdinha deu lançamento para Elielton, que saiu na cara do gol, mas a arbitragem cortou o barato e assinalou novo impedimento contra o Remo. O Cancão do Sertão voltou a assustar, em cobrança de escanteio, Patrick mandou fechado e o lateral-direito Gustavo cortou de cabeça, o que seria gol olímpico em Juazeiro. Rayllan recebeu, cortou a marcação e chutou por cima da meta de Vinícius.

O Clube do Remo com pouca inspiração, tentava surpreender em bolas alçadas na área e em uma delas, Esquerdinha cruzou na segunda trave para o toque de cabeça de Elielton, mas a bola se perdeu pela linha de fundo. O meia Everton cobrou falta e o goleiro Tigre defendeu para os donos da casa. O Juazeirense começou a gostar também de bolas alçadas, Rayllan tocou de cabeça para o meio da área, o zagueiro Bruno Maia cortou providencial antes da chegada de Jussimar.

Na etapa final, o Juazeirense foi com tudo para cima. Na primeira chegada, Juninho Tardelli cruzou para a cabeçada de Emílio, que sozinho mandou por cima da meta de Vinícius. Na segunda tentativa, Calinhos cruzou da linha de fundo, o zagueiro Bruno Maia desviou e a bola sobrou para Rayllan, que emendou um voleio sensacional e matou a chance de defesa do goleiro Vinícius, um golaço, aos dois minutos, 1 a 0. O gol levantou a torcida e animou os donos da casa, que chegaram outra vez com Jussimar, mas o chute passou por cima do travessão.

O Remo começou a ceder espaço ao adversário e o Cancão do Sertão foi se aproveitando. Carlinhos cruzou outra vez, Rayllan cabeceou livre e mandou para fora. O Leão conseguiu um contra-ataque, Elielton cruzou e a zaga cortou antes da chegada de Isac. Esquerdinha cruzou para o atacante Isac, que meteu de cabeça, a bola explodiu na marcação, quase o empate. O Remo foi para a pressão, Adenilson cobrou escanteio, a zaga desviou e a bola sobrou para Dudu, que cabeceou para fora.

Outra descida azulina, Elielton cruzou na medida para Isac, que na pequena área conseguiu cabecear para fora. Outra bola cruzada na área do Juazeirense, Isac dominou de peito e tentou marcar de sem pulo, o goleiro Tigre soltou e fez a defesa. Toni Galego foi fazendo fila na zaga azulina, se livrou de dois marcadores, mas na hora de finalizar parou no zagueiro Mimica, que fez o corte, quase o segundo gol.

O Leão Azul insistia em lançamentos, em uma bola para Felipe Marques, a arbitragem assinalou outro impedimento. Em um cruzamento na área, a bola sobrou limpa para Felipe Marques, antes da finalização, Carlinhos conseguiu cortar e salvar a pátria dos donos da casa. Em um contra-ataque, Carlinhos foi lançado, entrou na área e chutou, a bola explodiu na trave de Vinícius e saiu pela linha de fundo.

O Remo não desistia do empate, Adenilson clareou a jogada e chutou de fora da área, o goleiro Tigre defendeu para o Juazeirense. Juninho Tardelli cruzou para Emílio, que ganhou no alto de Dudu, mas cabeceou para fora, quase outro gol do Cancão do Sertão. Adenilson mandou bola na área, o atacante Jayme sozinho dominou e sem muita tranquilidade, mandou um chute para lateral. Felipe Marques recebeu a bola, cortou a marcação para o meio e chutou para a defesa de Tigre. A situação do Leão ficou pior quando o zagueiro Bruno Maia recebeu o segundo cartão amarelo, em seguida o vermelho, e foi expulso de campo. Placar final: Juazeirense-BA 1 x 0 Remo.

Por Fabio Relvas

Futebol

Paysandu vence o Atlético-ES e coloca a mão na taça da Copa Verde

O time bicolor não tomou conhecimento do adversário e venceu dentro de Cariacica por dois gols, no jogo de ida da final

Por Fábio Relvas

O Paysandu Sport Club ficou bem perto do bicampeonato da Copa Verde na noite desta quarta-feira (25). O Papão venceu o Atlético-ES, por 2 a 0, no Estádio Kleber Andrade, o Klebão, em Cariacica, no Espírito Santo, e colocou a mão na taça. Foi o jogo de ida entre as equipes, que voltarão ao campo para a grande decisão no dia 16 de maio, às 20h, no Estádio Olímpico Edgar Proença, o Mangueirão, em Belém.

O atacante Cassiano foi o destaque do Papão na partida, marcando os dois gols. No primeiro deles, aos nove minutos do segundo tempo, aproveitou a lambança do zagueiro Kleber Viana e tocou na saída do goleiro Bambu. No segundo, recebeu lançamento e ganhou do zagueiro Rhayne, marcando aos 27 minutos da etapa derradeira.

O jogo: Galo 0 x 2 Papão – Paysandu com a mão no bicampeonato da Copa Verde

O time do Atlético de Itapemirim, jogando em Cariacica, tomou a iniciativa do jogo: Uálisson Pikachu cruzou para Eraldo e a zaga do Paysandu chegou cortando para escanteio, com menos de um minuto de bola rolando. Logo depois,  o Papão começou a equilibrar as ações e se mandou para o ataque com Matheus Silva, que se livrou da marcação e cruzou para a chegada de Cassiano; a zaga prensou o chute e a bola se perdeu pela linha de fundo.

Em uma bobeira do adversário, o time bicolor roubou a bola com Moisés e partiu para o contra-ataque; após fazer tabela com Cassiano, o mesmo Moisés acabou chutando para fora, sem muito susto para o goleiro Bambu. O time da casa respondeu com Paulinho, que lançou para o destaque da equipe, Uálisson Pikachu, mas o chute explodiu no zagueiro Perema e, novamente, a bola se perdeu pela linha de fundo.

Outra vez, Uálisson Pikachu chegou com perigo: o atacante cruzou para Eraldo, que na hora de concluir, furou o chute, possibilitando o corte da zaga bicolor. O Paysandu voltou a atacar quando Matheus Silva cobrou escanteio e Perema cabeceou para fora. O Galo respondeu da mesma forma quando Uálisson Pikachu cobrou escanteio na medida para Kleber Viana, mas o zagueiro Edimar cortou, livrando a barra bicolor.

A última chance do primeiro tempo foi do time paraense: Mateus Muller cobrou falta, o zagueiro Kleber Viana cortou para escanteio e o árbitro Rodolpho Toski Marques, do Paraná, terminou a etapa inicial sem deixar o Papão cobrar o escanteio. Na segunda etapa, o Paysandu abriu o placar logo aos nove minutos, quando o atacante Cassiano roubou a bola do zagueiro Kleber Viana, arrancou e tocou na saída do goleiro Bambu, 1 a 0.

O time do Espírito Santo tentou reagir após sofrer o gol. Uálisson Pikachu cobrou escanteio, o goleiro Renan Rocha saiu mal de sua meta, a bola bateu no zagueiro Kleber Viana e tocou na rede pelo lado de fora; a torcida do Galo chegou a gritar gol no estádio. Pressão do Atlético: Marcos Felipe chutou, a bola passou por todo mundo e sobrou para Uálisson Pikachu, que passou da marcação e cruzou; o goleiro Renan Rocha deu um tapa na bola e, na sobra, Franklin chutou para outra defesa do arqueiro bicolor, que mandou para escanteio.

A torcida do Galo começou a acreditar em um possível empate. Uálisson Pikachu tocou para Paulinho, que cruzou para a cabeçada de Eraldo, mas a bola se perdeu pela linha de fundo. O Papão saiu em contra-ataque com Mateus Muller, que tocou para Moisés; o atacante bicolor descobriu Mike, que recebeu, driblou e chutou para fora. Na outra tentativa bicolor, foi fatal: Cassiano recebeu lançamento, ganhou na velocidade do zagueiro Rhayne e estufou as redes de Bambu, 2 a 0, aos 27 minutos. Foi o nono gol de Cassiano, artilheiro isolado da Copa Verde.

O atacante Magno Ribeiro entrou no jogo e na primeira bola que pegou, saiu driblando e chutou forte para a defesa do goleiro Bambu, seria um golaço bicolor. O árbitro Rodolpho Toski Marques, do Paraná (FIFA), levou até aos 49 minutos e não mostrou nenhum cartão durante toda a partida. Placar final: Atlético-ES 0 x 2 Paysandu.

FICHA TÉCNICA

ATLÉTICO-ES: Bambu; Paulinho, Rhayne, Kleber Viana e Marcos Felipe; Vitor, Araruama (Charles) e Fabiano (Pagode); Franklin, Uálisson Pikachu (Chiquinho) e Eraldo.
Técnico: Zé Humberto

PAYSANDU: Renan Rocha; Diego Ivo (Douglas Mendes), Edimar e Perema; Matheus Silva (Willyam), Nando Carandina, Renato Augusto e Matheus Muller; Moisés, Mike (Magno) e Cassiano.
Técnico: Dado Cavalcanti

Árbitro: Rodolpho Toski Marques (PR)
Assistentes: Fabricio Vilarinho da Silva (GO) e Bruno Raphael Pires (GO)
Quarto-árbitro: Dyorgines Jose Padovani de Andrade (ES)
Quinto-árbitro: Fabiano da Silva Ramires (ES)

Gols: Cassiano, aos 9 minutos e aos 27 do 2º tempo para o Paysandu

Local: Estádio Kleber Andrade, o Klebão, em Cariacica, no Espírito Santo

Este slideshow necessita de JavaScript.

Futebol

Com direito a apagão, Paysandu vence o Londrina e segue 100% na Série B

O gol único do jogo foi assinalado pelo atacante Mike e, com a vitória, o time bicolor ficou na vice-liderança do Brasileirão

Por Fábio Relvas
Foto: Fernando Torres / Ascom Paysandu

O Paysandu Sport Club voltou a vencer pelo Campeonato Brasileiro da Série B, em jogo válido pela segunda rodada da competição nacional. O Papão passou pelo Londrina-PR, por 1 a 0, na noite desta sexta-feira (20), e assumiu a vice-liderança, com seis pontos, em dois jogos disputados. A partida foi realizada no Estádio Leônidas Castro, a Curuzu, em Belém.

O jogo ficou paralisado por 32 minutos, após um apagão dos refletores do Estádio da Curuzu. O único gol da partida foi assinalado pelo atacante Mike, após falha do goleiro Vagner e da defesa do Tubarão paranaense, em um cruzamento que chegou do atacante Moisés pela esquerda, aos 62 minutos do primeiro tempo.

O Paysandu volta a campo diante do Atlético-ES, na próxima quarta-feira (25), às 21h30, no Estádio Kléber Andrade, em Cariacica, pelo jogo de ida da grande final da Copa Verde de 2018.

O jogo: Papão 1 x 0 Tubarão

As duas equipes entraram em campo motivadas, já que estrearam com vitória na Série B do Campeonato Brasileiro. O Londrina chegou primeiro: em cobrança de falta, o goleiro Renan Rocha pegou bem no centro do gol. Outra vez o Tubarão, Marcelinho chegou até a linha de fundo e cruzou, o zagueiro Edimar se esticou e cortou de cabeça. Nando Carandina arriscou de longe, mas a bola passou sem susto para a meta do goleiro Vagner.

Melhor na partida, a equipe paranaense chegou com perigo outra vez, quando Moisés Gaúcho deu um belo lançamento para o atacante Marcelinho, que entrou livre para marcar, mas arbitragem assinalou impedimento; lance no mínimo duvidoso. Em uma falta frontal à meta bicolor, Thiago Primão cobrou na barreira e, na sobra, tocou na frente para Marcelinho, mas outra vez a arbitragem parou o ataque do Tubarão e marcou impedimento.

O Papão reagiu quando Renato Augusto mandou um chutaço de fora da área e a bola passou raspando o travessão do goleiro Vagner. Novamente, o Paysandu: Cassiano em jogada individual chutou para o gol, a bola desviou na zaga e, na sobra, Mike disparou sem muita força para a defesa de Vagner. Os jogadores do time paraense foram para cima da arbitragem pedindo pênalti no primeiro lance.

Imediatamente o Londrina respondeu com Marcelinho, que recebeu passe e, na hora de finalizar, acabou escorregando, mas, mesmo assim, a bola passou assustando a meta defendida por Renan Rocha. Roberto avançou bem pela esquerda e foi derrubado pelo zagueiro Perema, do Paysandu. A turma paranaense ficou na bronca com a arbitragem, pelo fato do defensor já ter recebido um cartão amarelo; apenas a falta foi marcada.

Aos 29 minutos do primeiro tempo, uma parte da iluminação do Estádio da Curuzu apagou e o árbitro Dênis da Silva Ribeiro Serafim, de Alagoas, paralisou a partida. Após muita espera das equipes, os refletores foram acessos e a partida reiniciou aos 61 minutos, ou seja, 32 minutos depois. Melhor para o time bicolor, que chegou ao gol logo em seguida: após bola alçada na área, a zaga do Londrina bateu cabeça e o atacante Mike, sozinho, apenas teve o trabalho de empurrar para o fundo do barbante: 1 a 0 Papão, aos 62 minutos.

Depois do gol, a Fiel Bicolor se animou nas arquibancadas e começou a empurrar mais o time. Cassiano roubou a bola e foi para cima da marcação, recebendo uma falta. Após cobrança da falta, o goleiro Vagner cortou mal e a bola caiu nos pés de Moisés, mas o chute do atacante bicolor passou longe. O Tubarão respondeu quando Reginaldo cruzou na cabeça de Alisson Safira, que testou firme para a defesa quase que milagrosa do goleiro Renan Rocha, que
espalmou para escanteio.

Pressão paranaense, a defesa do Paysandu afastou mal e a bola sobrou para Diego Lorenzi, que chutou forte estourando no zagueiro Diego Ivo. Em uma cobrança de falta, o lateral-esquerdo Roberto cobrou por cima da meta de Renan Rocha. Em um contra-ataque bicolor, Moisés arrancou e cruzou para Cassiano, que, com um leve toque, tirou do goleiro Vagner, mas a bola foi para fora. No último lance perigoso no movimentado primeiro tempo, Thiago Primão lançou para Alisson Safira; a bola passou do atacante, mas sobrou para Dudu, que não conseguiu acertar a finalização.

No segundo tempo, o técnico Dado Cavalcanti mexeu no time bicolor: entrando Willyam e Alan Calbergue, saindo Matheus Silva e Renato Augusto, respectivamente. Mateus Muller cobrou falta fechada para a cabeçada de Mike, mas o goleiro Vagner espalmou para fora, salvando o Londrina. Na sequência do escanteio, o zagueiro Perema desviou e, outra vez, o goleiro Vagner apareceu bem e defendeu para o Tubarão.

O Paysandu teve outra chance, agora em cobrança de falta, mas o meia Alan Calbergue, mandou por cima da meta de Vagner. Outra vez, o bicolor estadual: Alan Calbergue deixou para Willyam, que cruzou direto para o gol e quase surpreendeu o goleiro Vagner. Pressão bicolor: Alan Calbergue cobrou um escanteio com efeito, mas a arbitragem paralisou o lance, dizendo que a bola fez a curva por fora antes de chegar na área.

Em outra roubada de bola, o atacante Cassiano avançou e chutou, mas mandou para fora a chance de ampliar para o Papão. O Paysandu pressionava a saída de bola do Londrina, mas o zagueiro Lucas Costa conseguiu dar um chapéu no atacante Mike, do time paraense. O Tubarão chegou depois que Dudu cruzou para a cabeçada de Alisson Safira; a bola passou por cima da meta de Renan Rocha.

O Londrina tentou ir para o tudo ou nada e Wesley, que tinha acabado de entrar, se livrou da marcação, mas mandou para fora, sem muito perigo. No último lance de perigo do jogo, o Tubarão teve um escanteio: a zaga do Papão cortou mal e Moisés Gaúcho, na segunda trave e sem goleiro, conseguiu mandar para fora a chance de ouro da equipe paranaense. Placar final: Paysandu 1 x 0 Londrina.

FICHA TÉCNICA

PAYSANDU: Renan Rocha; Edimar, Diego Ivo e Perema; Matheus Silva (Willyam), Nando Carandina, Renato Augusto (Alan Calbergue) e Mateus Muller; Moisés, Mike (Magno) e Cassiano.
Técnico: Dado Cavalcanti

LONDRINA: Vagner; Reginaldo, Luizão, Lucas Costa e Roberto; Moisés Gaúcho, Diego Lorenzi (Wesley), Dudu e Thiago Primão (Patrick Vieira); Marcelinho (Dalberto) e Alisson Safira.
Técnico: Marquinhos Santos

Árbitro: Dênis da Silva Ribeiro Serafim-AL
Assistentes: Pedro Jorge Santos de Araújo e Rondinelle dos Santos Tavares, ambos de Alagoas
Cartões amarelos: Perema (Paysandu); Luizão, Moisés, Marcelinho, Diego Lorenzi e Patrick Vieira (Londrina)
Gol: Mike, aos 62 minutos do 1º tempo para o Paysandu

Local: Estádio Leônidas Castro, a Curuzu, em Belém
Renda: R$68.190,00
Pagantes: 4.209
Sócio Bicolor: 2.375
Credenciados: 1.438
Total: 5.647