Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Futebol

Paysandu goleia o Interporto na Curuzu e avança para às quartas de final da Copa Verde

O Papão não tomou conhecimento e atropelou o Tigre do Tocantins pelo placar de 4 a 0 com direito a estreia do atacante Walter

Por Fábio Relvas

O Paysandu não teve muitas dificuldades para avançar às quartas de final da Copa Verde de 2018 e goleou o Interporto-TO, por 4 a 0, na noite desta terça-feira (20), no Estádio Leônidas Castro, a Curuzu, em Belém. Os gols do Papão foram assinalados por Mike e Pedro Carmona, aos 20 e 43 minutos do primeiro tempo, respectivamente, enquanto o atacante Cassiano fechou a conta, marcando mais dois gols para o time bicolor na etapa final, aos 11 e aos 20 minutos.

Agora, o time do Paysandu aguarda o vencedor do confronto entre Santos-AP e Atlético-AC para conhecer seu adversário nas quartas de final da Copa Verde.

O jogo: Paysandu 4 x 0 Interporto – Massacre Bicolor

O técnico Dado Cavalcanti repetiu o mesmo time do Paysandu que venceu o Parauapebas no Rosenão pelo Parazão, com exceção do goleiro Renan Rocha, que substituiu o até então titular Marcão. O Papão chegou a marcar aos 17 minutos de jogo: depois da cobrança de falta, o zagueiro Diego Ivo cabeceou, e o atacante Mike completou para o fundo do gol, mas a assistente Eliane Nogueira dos Santos, do Amazonas, assinalou impedimento.

Na outra chegada bicolor, não teve jeito: Maicon Silva cruzou da direita na cabeça do atacante Mike, que subiu livre e testou para o fundo do gol aos 20 minutos, 1 a 0 Paysandu. O time bicolor cresceu no jogo e Wylliam tentou marcar em uma arrancada pela esquerda; após o chute, o goleiro Carlão defendeu e mandou a bola para lateral. Em outra tentativa, também pelo lado esquerdo, Mateus Muller chutou quase da entrada da área e parou na grande defesa do goleiro do Tigre.

Tímido no jogo, o time tocantinense só assustou depois de uma cobrança de falta por intermédio de Ildemar, que soltou o pé, obrigando o goleiro Renan Rocha a espalmar para fora. Após uma bola na área, a zaga do Interporto se complicou, quando Paganelli tirou de carrinho e quase enganou o goleiro Carlão. O atacante Mike sentiu uma contusão na coxa e deu lugar a Peu, ex-Fluminense-RJ. Na primeira bola que Peu tocou no jogo, levantou da esquerda na cabeça de Pedro Carmona, que mandou para o fundo do barbante, enlouquecendo a Fiel Bicolor, aos 43 minutos, 2 a 0 Papão.

No segundo tempo, a tradicional chuva da capital Belém chegou ao Estádio da Curuzu. O Paysandu quase marcou o terceiro com Cassiano que, sozinho dentro da área, acabou perdendo o gol, cabeceando para fora da meta de Carlão. O time do Interporto pouco conseguia chegar tocando, então Netinho resolveu chutar e acertou uma pancada no travessão do goleiro Renan Rocha.

O terceiro gol do Papão saiu depois de um chutão para frente: o zagueiro Alisson e o goleiro Carlão, não se entenderam e fizeram uma verdadeira lambança, melhor para o atacante Cassiano que ficou livre com a bola e disparou para a meta vazia, 3 a 0, aos 11 minutos. Em mais uma falha da defensiva do Tigre, outra vez Cassiano recebeu e soltou uma bomba, sem chances para o goleiro Carlão; goleada na Curuzu, 4 a 0, aos 20 minutos.

A Fiel Bicolor era só alegria com o resultado elástico. O Interporto tentou chegar em cobrança de falta, mas Renan Rocha espalmou para escanteio. O famoso atacante Walter entrou no posto de Cassiano, para delírio do torcedor. O atacante, visivelmente fora de forma, quase marcou seu gol, quando começou a jogada e aguardou cruzamento na área, a bola veio na direção de Walter, mas o jogador não alcançou. Mesmo assim, recebeu os aplausos da torcida. Placar final: Paysandu 4 x 0 Interporto.

FICHA TÉCNICA

PAYSANDU: Renan Rocha; Maicon Silva, Perema, Diego Ivo e Mateus Müller; Nando Carandina, Willyam (Cáceres) e Pedro Carmona; Mike (Peu), Moisés e Cassiano (Walter).
Técnico: Dado Cavalcanti

INTERPORTO: Carlão; Polegar, Paganelli, Alisson e Yuri; Rodrigo, Afonso e Luiz Henrique (Pasa); Ildemar (Netinho), Roni (Antônio Flávio) e Jonas.
Técnico: Jadson Oliveira

Árbitro: Ivan da Silva Guimarães Junior-AM
Assistentes: Alexsandro Lira de Alexandre e Eliane Nogueira dos Santos, ambos do Amazonas

Cartão amarelo: Alisson (Interporto)
Gols: Mike, aos 20 minutos e Pedro Carmona, aos 43 do 1º tempo; Cassiano, aos 11 e aos 20 minutos do 2º tempo para o Paysandu

Local: Estádio Leônidas Castro, a Curuzu, em Belém
Renda: R$ 96.155
Público pagante: 2.656
Sócio-torcedor: 2.875
Credenciados: 1.207
Público total: 6.738

Futebol

No retorno de Dado Cavalcanti, Paysandu vence o Parauapebas no Estádio Rosenão pela 6ª rodada do Parazão

Cassiano e Fábio Matos marcaram os gols do Papão, enquanto Gilberto descontou para o PFC

Por Fábio Relvas

As duas equipes precisavam pontuar devido a queda de rendimento dentro do Campeonato Paraense. O técnico Dado Cavalcanti estava retornando ao time bicolor. O Paysandu chegou logo no início com o gol de Maicon Silva, mas o árbitro marcou falta do lateral-direito bicolor. Pedro Carmona resolveu experimentar o goleiro Bruno do Parauapebas, mas errou o alvo. O PFC atacou, depois da lambança da zaga do Papão, Luiz Fernando recebeu passe e mandou um chutaço: a bola explodiu no travessão do goleiro Marcão.

Com mais posse de bola, o Papão era superior ao adversário. Willyam entrou livre pela direita e cruzou rasteiro para Mike; o atacante bicolor deu um toque sútil na bola, mas o goleiro Bruno defendeu. Em um contra-ataque do Paysandu, Moisés tocou para Cassiano, que bateu de primeira e abriu o placar para o Papão, aos 26 minutos, 1 a 0, para festa da Fiel Bicolor no Rosenão.

O time da capital Belém cresceu após o gol e Matheus Muller arriscou de fora da área; a bola passou assustando. Na melhor chance do Parauapebas, Rafinha foi lançado na esquerda, tirou do goleiro Marcão, mas chutou muito fraco, dando tempo para o zagueiro Diego Ivo cortar quase em cima da linha. Na cobrança de escanteio, Gilberto apareceu livre na primeira trave e tocou de cabeça; Marcão pegou no susto, salvando o Papão.

O Paysandu respondeu com Moisés, que serviu bem Maicon Silva na direita, no chute forte, o goleiro Bruno salvou para escanteio. Na sequência, após a cobrança, Perema tocou livre e sozinho mandou para fora. Antes do final da primeira etapa, ainda deu tempo de mais uma chegada bicolor, com o atacante Moisés, que disparou à direita da meta do goleiro Bruno do PFC.

Na segunda etapa, o Papão quase voltou a marcar com Moisés, um dos seus jogadores mais perigosos; o chute passou perto. O lateral-esquerdo Rafinha tentou marcar para o time da casa, mas Marcão segurou firme. No lance seguinte, uma blitz total do Paysandu com duas chances do atacante Mike contra a meta de Bruno: na primeira, bateu firme no alto e o goleiro espalmou, a bola voltou e após outro chute rasteiro, o arqueiro do PFC salvou com os pés.

Querendo ampliar o placar, o time bicolor seguiu em cima tentando. Cassiano recebeu e chutou para fora. Rodrigo teve a chance para o Gigante de Aço, mas isolou contra a meta adversária. Em mais uma tentativa de Cassiano, o goleiro Bruno defendeu. Magno Ribeiro, ex-Parauapebas, entrou no jogo e quase marcou um belo gol por cobertura. O time do PFC estava dando muito espaço ao Papão que tocava e chegava com facilidade. Willyam achou uma brecha e chutou, mas mandou alto.

A bola parada poderia ser a solução do Gigante de Aço: em uma falta de muito longe, o meia Luiz Fernando soltou o pé e a bola passou assustando o goleiro Marcão. O Paysandu quase ampliou com Cassiano, que parou no goleiro Bruno. O meia Fábio Matos, que entrou no segundo tempo pelo Papão, simulou um pênalti e foi advertido com cartão amarelo pelo árbitro Gustavo Ramos Melo.

O técnico Léo Goiano colocou o atacante Maninho, quase deixando tudo igual na primeira jogada, mas perdeu um gol de cara: Magno Ribeiro pegou uma sobra e chutou por cima da meta de Bruno. De tanto insistir, o Papão chegou ao segundo gol. Magno Ribeiro recebeu na direita, cruzou rasteiro para Cassiano, que ajeitou para o chute de Moisés, mas o atacante não pegou bem na bola e Fábio Matos ficou com a sobra e estufou as redes do goleiro Bruno, 2 a 0, aos 43 minutos.

O time bicolor começou a cadenciar a partida e tocar a bola. Fábio Matos perdeu um gol sozinho. O Gigante de Aço conseguiu chegar ao seu gol: aos 47 minutos do segundo tempo, após cobrança de escanteio, Gilberto dominou e fuzilou para dentro da meta de Marcão. Placar final: Parauapebas 1 x 2 Paysandu.

Com a vitória, o Papão foi para a liderança da Chave A1 com 13 pontos. Já o PFC segue na lanterna com apenas cinco pontos na Chave A2.

FICHA TÉCNICA

PARAUAPEBAS: Bruno; Rodrigo, Cris, Lucas e Rafinha (Evandro); Gilberto, Djalma, Augusto Recife e Luiz Fernando (Maninho); Monga e Jhon Lennon.
Técnico: Léo Goiano

PAYSANDU: Marcão; Maicon Silva, Perema, Diego Ivo e Matheus Muller; Nando Carandina, Willyam (Cáceres) e Pedro Carmona (Fábio Matos); Mike (Magno Ribeiro), Moisés e Cassiano.
Técnico: Dado Cavalcanti

Árbitro: Gustavo Ramos Melo
Assistentes: Hélcio Araújo Neves e José Ricardo Guimarães Coimbra
Quarto-árbitro: Raimundo Gilson Brito

Cartões amarelos: Cris, Rafinha e Gilberto (Parauapebas); Diego Ivo e Fábio Matos (Paysandu)
Gols: Cassiano, aos 26 minutos do 1º tempo e Fábio Matos, aos 43 minutos do 2º tempo para o Paysandu; Gilberto, aos 47 minutos do 2º tempo para o Parauapebas;

Local: Estádio José Raimundo Roseno Araújo, o Rosenão, em Parauapebas
Renda: R$ 38.670,00
Pagantes: 1.654
Credenciados: 700
Total: 2.354

Este slideshow necessita de JavaScript.

Parauapebas terá três desfalques para o duelo diante do Paysandu no Estádio Rosenão

André Ribeiro, Max Carrasco e Wellington Cabeça, cumprirão suspensão automática devido aos cartões
Por Fábio Relvas

Depois de duas semanas só de treinamentos, o Parauapebas Futebol Clube (PFC), volta a campo pelo Campeonato Paraense de 2018. O Gigante de Aço encara o Paysandu Sport Club na tarde deste sábado (17), às 16h, no Estádio José Raimundo Roseno Araújo, o Rosenão. A partida é válida pela sexta rodada da competição estadual e com as duas equipes precisando pontuar.

O tempo foi precioso para o time do PFC, que conseguiu recuperar jogadores lesionados, é o caso do zagueiro Cris e dos volantes Gilberto e Augusto Recife, que estavam no Departamento Médico (DM), e se tornaram opção para o técnico Léo Goiano. A diretoria aproveitou a pausa do campeonato devido ao carnaval para fortalecer o elenco, depois da derrota na última partida diante do Bragantino. Foram contratados para o time, o meio-campo Djalma (ex-Paysandu), os atacantes Jhon Lennon (ex-ABC-RN) e Léo Paraíba (ex-Clube do Remo).

O certo é que o time não vai contar com três jogadores considerados titulares como: o zagueiro André Ribeiro e o volante Max Carrasco, que levaram o terceiro cartão amarelo e o meio-campo Wellington Cabeça, expulso na última partida. O trio vai cumprir suspensão automática. A diretoria ainda aguarda por regularizações de jogadores com transferência internacional, como a do atacante Tiago Pedra, que iniciou os trabalhos desde a pré-temporada e ainda não conseguiu estrear com a camisa do PFC.

Com vários treinamentos variando do complexo esportivo para o Estádio Rosenão, o técnico Léo Goiano segue fazendo mistério quanto à onzena titular que vai encarar o Papão da Curuzu. O comandante segura ao máximo a escalação e só divulga minutos antes da bola rolar. Mas no decorrer da semana, o time formou com: Bruno; Rodrigo, Lucas, Cris e Rafinha; Gilberto, Augusto Recife, Djalma e Luiz Fernando; Monga e Jhon Lennon.

“Nós vamos enfrentar uma grande equipe, uma equipe muito poderosa e que vem muito motivada com mudança de comando, mas queremos vencer dentro de casa até porque a nossa condição dentro do campeonato não é muito boa e nos faz ligar o alerta e irmos com tudo e fazer um grande resultado aqui dentro do Rosenão. Esperamos que a arbitragem não possa influenciar no resultado, porque isso foi recorrente em outros jogos onde fomos prejudicados, mas isso é passado e vamos pensar no presente e no futuro”, disse Léo Goiano, técnico do PFC.

Serviço

Os ingressos para a partida entre Parauapebas e Paysandu já estão disponíveis no Estádio Rosenão e nas farmácias Zero Hora (Cidade Nova, Cidade Jardim, Novo Horizonte e bairro da Paz). Os valores custam antecipadamente até sexta-feira (16) – R$ 15 geral (arredores do alambrado) e R$ 25 arquibancada. No sábado (17), dia do jogo, os ingressos custarão R$ 20 e R$ 30, respectivamente.

A Federação Paraense de Futebol (FPF) realizou o sorteio da arbitragem para o duelo entre Parauapebas e Paysandu. Apita o jogo, Gustavo Ramos Melo, sendo auxiliado por Hélcio Araújo Neves e José Ricardo Guimarães Coimbra. O quarto-árbitro fica por conta de Raimundo Gilson Brito.

esporte

Paysandu demite o técnico Marquinhos Santos e contrata Dado Cavalcanti em menos de 24 horas

Dado Cavalcanti vai ser apresentado nesta quarta-feira. O treinador tem duas passagens pelo Papão e dois títulos conquistados
Por Fábio Relvas

Em menos de 24 horas após anunciar a saída do técnico Marquinhos Santos, a diretoria do Paysandu Sport Club já confirmou a volta de Dado Cavalcanti ao comando do time para o restante da temporada de 2018. O treinador está retornando ao estádio da Curuzu, depois de 15 meses e tendo duas passagens pelo Papão: 2015 e 2016. A apresentação oficial do novo comandante vai acontecer nesta quarta-feira (14/02).

Sendo assim, Dado Cavalcanti vai comandar o clube bicolor já na partida diante do Parauapebas Futebol Clube, que é o próximo adversário do Paysandu pela 6ª rodada do Campeonato Paraense, no estádio Rosenão. Também estão retornando ao atual bicampeão estadual, o auxiliar técnico Wilton Bezerra e o preparador físico Fred Pozzebom. Além do Parazão, o time da capital Belém ainda tem a disputa da Copa Verde e o Brasileirão da Série B.

Em suas passagens pelo Paysandu, Dado Cavalcanti acumula dois títulos: um do Parazão e outro da Copa Verde, ambos na temporada de 2016. O técnico de 36 anos nasceu na cidade de Arcoverde, interior de Pernambuco e treinou diversos clubes na carreira como: Ulbra-RO, Brazsat-DF, Santa Cruz-PE, América-RN, Central-PE, Icasa-CE, Ypiranga-PE, Luverdense-MT, Mogi Mirim-SP, Paraná-PR, Coritiba-PR, Ponte Preta-SP, Náutico-PE, Ceará-CE e por último estava comandando o CRB-AL.

Demissão de Marquinhos Santos

A situação do técnico Marquinhos Santos só piorou após a sequência negativa a frente do comando do Paysandu. O time bicolor não sabe o que é vencer há quatro jogos e tendo uma eliminação precoce na Copa do Brasil. Após começar o Parazão arrasador com três jogos e três vitórias, o Papão começou a cair pelas tabelas e com isso o treinador não era mais unanimidade pelo estádio da Curuzu.

Primeiramente derrota para o Clube do Remo no clássico pelo Parazão, por 2 a 1, de virada e nos acréscimos. Na mesma semana, derrota para o Novo Hamburgo-RS, também por 2 a 1, e eliminação ainda na primeira fase da Copa do Brasil. Na sequência, outra partida pelo estadual e um empate sem gols diante do Paragominas, tirando o Papão da liderança da Chave A1. E por último, outro empate com placar em branco, desta vez contra o modesto Interporto-TO, partida válida pela Copa Verde.

Marquinhos Santos chegou na tarde desta última segunda-feira (12/02) no estádio da Curuzu para trabalhar, quando foi chamado pelo presidente Tony Couceiro e dispensado do comando técnico. O comandante chegou ao Paysandu em junho de 2017 para substituir Marcelo Chamusca na disputa da Série B do Campeonato Brasileiro. De lá para cá, Marquinhos Santos comandou o Papão em 35 jogos, conquistando 13 vitórias, 8 empates e 14 derrotas, tendo 45% de aproveitamento.

futebol

Paysandu empata sem gols com o Interporto-TO pela Copa Verde e segue sem vencer há quatro jogos

As duas equipes voltam a se enfrentar no Mangueirão pelo jogo da volta valendo uma vaga nas quartas de final. Quem vencer leva e empate com gols é do Tigre do Tocantins
Por Fábio Relvas

Apesar de disputada, a partida foi bastante fraca tecnicamente. As equipes do Tigre e do Papão, não levaram tanto perigo as metas adversárias. Quem chegou primeiro foi o Interporto com o meia Iuri, que disparou para o gol e errou o alvo. O Paysandu assustou após escanteio cobrado pelo volante Nando Carandina, o zagueiro Diego Ivo subiu de cabeça e quase abriu o placar.

Já no segundo tempo, o time da casa tentou surpreender saindo rápido no contra-ataque: o meio-campo Iuri recebeu na frente e chutou levando perigo a meta do Papão. Com algumas mudanças feitas pelo técnico Marquinhos Santos, o time paraense deu uma melhorada e quase chegou ao gol da vitória aos 42 minutos, com atacante Moisés, que sozinho perdeu a chance do jogo. Placar final: Interporto-TO 0 x 0 Paysandu. O jogo foi realizado no estádio General Sampaio, em Porto Nacional no Tocantins, válido pela primeira fase da Copa Verde.

Com o resultado, o time do Interporto segue invicto na temporada de 2018. O Tigre venceu duas partidas na fase preliminar da Copa Verde diante do Princesa do Solimões-AM e empatou contra o Juventude-RS pela primeira fase da Copa do Brasil. Em relação ao Paysandu, a equipe de Belém segue pressionada sem vencer há quatro jogos. Antes do empate diante do time do Tocantins, o Papão perdeu o clássico para o Clube do Remo pelo Parazão, saiu precocemente da Copa do Brasil ao ser derrotado pelo Novo Hamburgo-RS e ficou em outro empate sem gols diante do Paragominas pelo estadual.

O jogo da volta entre Paysandu e Interporto está marcado para o dia 20 de fevereiro, às 19h30, no estádio Olímpico Edgar Proença, o Mangueirão, em Belém. O Papão precisa vencer para avançar na Copa Verde. Um novo empate sem gols leva a disputa para os pênaltis e empate com gols, a vaga fica com o Tigre do Tocantins. Quem passar para as quartas de final enfrenta o Atlético-AC ou Santos-AP.

Futebol

Meio-campo Djalma, ex-Paysandu, já está treinando no Parauapebas Futebol Clube para a disputa do Parazão

O atleta chegou nesta quinta, treinou com o restante do grupo, e está à disposição do técnico Léo Goiano para a próxima partida justamente contra o seu ex-clube

Por Fábio Relvas

Após dispensar cinco atletas do elenco: Tiago Baiano (lateral-direito), Ângelo, João Grilo, Will (meias) e Heliton (atacante), a diretoria do Parauapebas Futebol Clube (PFC) anunciou a contratação do meio-campo Djalma, que é fruto da base do Paysandu Sport Club. O atleta chegou nesta quinta-feira (8) na capital do minério e já foi treinando no Estádio Rosenão com o restante do grupo, ao comando do técnico Léo Goiano.

Benedito Moia Varela, ou simplesmente Djalma, tem 25 anos e é natural da cidade de Cametá, do interior do estado do Pará. Iniciou sua carreira na base do Paysandu Sport Club e tem no currículo dois títulos do Campeonato Paraense: 2010 e 2013, além de dois acessos com o clube paraense para a Série B: em 2012 e 2014. Inclusive, na conquista do estadual de 2013, marcou o primeiro gol bicolor no jogo de ida, contra o Paragominas, quando o Papão goleou, por 4 a 0, na Arena Verde; depois, o alviceleste voltou a vencer, por 3 a 1, no Mangueirão e foi campeão.

Djalma atuou em mais de cem jogos com a camisa do Paysandu, e sua é toda voltada ao futebol: seu irmão Fabricio também foi jogador, além de seu tio Varela, que atuou com a camisa do Clube do Remo na década de 90. Depois do Papão, o jogador ainda teve passagens pelo ASA-AL, Barretos-SP e São Raimundo-PA.

O atleta chega ao PFC com as melhores expectativas e explica por que é chamado de Djalma: “Djalma é um apelido de infância que um amigo meu colocou e ficou até hoje; graças a Deus, porque narrar Benedito seria muito esquisito. Sou sobrinho do Varela, jogador que atuou no Remo. Em relação ao PFC, a expectativa é muito boa. Os jogadores me receberam muito bem e eu já conhecia o professor Léo Goiano. A expectativa é que a gente já possa, com todo respeito à equipe do Paysandu, conseguir o objetivo que são os três pontos nesse próximo jogo, já que perdemos o último dentro de casa. Esperamos que, a cada jogo, possamos conquistar o nosso objetivo e classificar o time para a semifinal”, afirmou o meia.

O presidente João Luiz, popularmente conhecido como “Uai”, sabe que o time não vai bem dentro do Parazão de 2018, e alguma coisa teria que ser feita para tentar melhorar o desempenho do PFC em sua campanha no estadual. Sendo assim, a primeira medida tomada foi liberar alguns atletas e buscar outros nomes para fortalecer o plantel, almejando uma possível vaga na semifinal.

“A situação em que nos encontramos dentro do campeonato é um pouco incômoda; nós temos que mexer, temos que fazer algo, temos que trabalhar. Esses atletas que dispensamos, foram porque a gente trouxe, eles trabalharam, mas não deram o rendimento técnico que esperávamos; é normal dentro de um time de futebol, a gente estar dispensando e contratando. Estamos trabalhando para trazer novos nomes, atletas com o nível mais alto, para realmente dar o resultado que esperamos. Trouxemos o Djalma, ex-Paysandu e agora estamos atrás de um atacante para definir jogos”, disse Uai.

Futebol

Paysandu perde para o Novo Hamburgo no estádio do Vale e está eliminado da Copa do Brasil

O time bicolor não jogou o suficiente para arrancar pelo menos o empate e saiu logo na primeira partida da competição

Por Fábio Relvas

O Paysandu Sport Club é mais um time paraense eliminado da Copa do Brasil de 2018. O Papão da Curuzu perdeu para o Novo Hamburgo-RS, por 2 a 1, na noite desta quinta-feira (1) no estádio do Vale, e saiu logo no primeiro jogo da competição. Os gols da partida só saíram na segunda etapa: pelo Noia, como é chamado o time gaúcho, marcaram Talis e Juninho Silva, aos 5 e 13 minutos, respectivamente; Mike marcou o único gol bicolor, aos 24 minutos.

O jogo: Novo Hamburgo 2 x 1 Paysandu – Mas já Papão?

Por ter melhor ranking que o adversário, o Paysandu jogava por um simples empate para avançar na Copa do Brasil; o time do Novo Hamburgo tinha que sair para o jogo e foi o que aconteceu. Em uma jogada de bola parada após dois lances, o levantando foi para dentro da área do Papão, Assis mandou de cabeça e errou por muito, saindo pela lateral. Mais um levantamento na área bicolor, o zagueiro Perema cortou mal e a bola quase foi para dentro da meta do time paraense.

A pressão era do Noia. Em um escanteio, a bola sobrou limpa para o zagueiro Talis, que chutou firme, assustando a meta defendida pelo goleiro Marcão. O Papão chegou com Pedro Carmona, que errou o chute, mas a bola sobrou para Fernando Timbó, que soltou um foguete, o goleiro Michel Alves defendeu no susto. O campeão gaúcho tentou chegar em mais uma bola alçada na área, no rebote, Zotti mandou para fora.

A equipe bicolor chegou em dois lances seguidos já no final da primeira etapa. Em uma cobrança de falta, Derlan cabeceou para o chão e o goleiro Michel Alves espalmou, cedendo tiro de canto ao time de Belém. Na cobrança de escanteio, Cassiano tocou de cabeça na primeira trave; atento, Michel Alves fez a defesa. A segunda etapa começou movimentada, com o Noia quase marcando logo no primeiro minuto. Assis arriscou de longe, Marcão defendeu para o Papão.

O Novo Hamburgo finalmente chegou ao primeiro gol: após lançamento na esquerda, Assis bateu forte cruzado, o goleiro Marcão defendeu e na sobra, o zagueiro Talis mandou para o fundo do gol, aos cinco minutos; 1 a 0 Noia. O segundo não demorou a sair: cruzamento veio da direita na cabeça de Juninho Silva, que sozinho testou para o fundo do barbante bicolor, 2 a 0, aos 13 minutos.

O Paysandu teve que sair mais e tentou reagir, quando Maicon Silva cruzou na medida para o atacante Moisés, que meteu a cabeça na bola e mandou para fora. No lance seguinte, cruzamento na área, Fábio Mattos tocou de cabeça para a chegada do atacante Mike, que bateu consciente, marcando o gol do time paraense aos 24 minutos e diminuindo a vantagem do Noia.

O gol animou os bicolores. Moisés se livrou da marcação e bateu para a defesa do goleiro Michel Alves. Ele cruzou da esquerda para Cassiano chegar batendo na bola, novamente Michel Alves apareceu bem no jogo. E foi só: Novo Hamburgo 2 x 1 Paysandu. O Papão foi eliminado da Copa do Brasil.

Futebol

Eliélton marca no final do jogo, Remo vence de virada o Paysandu e quebra os 100% de aproveitamento do rival no Parazão

O Leão marcou aos 47 minutos do 2º tempo e disparou na liderança da Chave A2 do Parazão com nove pontos

Por Fábio Relvas

Mais um clássico para entrar na história do Re x Pa: na tarde deste domingo (28), o Clube do Remo virou para cima do Paysandu por 2 a 1, no Estádio Olímpico Edgar Proença, o Mangueirão, em Belém, e quebrou os 100% de aproveitamento do rival. O Papão bem que saiu na frente com o gol assinalado pelo zagueiro Diego Ivo, aos 41 minutos do 1º tempo, mas veio o segundo tempo e o Leão virou a partida. Isac cobrando pênalti empatou aos 20 minutos e Eliélton, que havia entrado um minuto antes, marcou aos 47, virando o placar para os azulinos. O jogo foi válido pela quarta rodada do Parazão.

Com o resultado, o Clube do Remo chegou aos nove pontos na Chave A2, liderando absoluto; o Paysandu também segue líder da Chave A1, com os mesmos nove pontos, no Campeonato Paraense de 2018. O Clube do Remo dá uma pausa no Parazão e foca na Copa Verde na próxima quarta-feira (31): o Leão Azul encara o Manaus-AM, às 22h, na Arena da Amazônia, em Manaus, valendo pelo jogo de ida da primeira fase da competição. O Paysandu enfrenta o Paragominas no próximo domingo (04), às 20h, no Estádio Arena do Município Verde, pela quinta rodada do Campeonato Paraense.

O clássico: Leão de virada no Mangueirão!

A chuva veio forte para dar as boas-vindas ao primeiro clássico do ano entre Remo e Paysandu no Estádio Mangueirão. No inicio da partida, as duas equipes tiveram dificuldades de fazer a bola rolar no gramado pesado, a bola parada poderia ser a solução para as equipes. Em uma falta cobrada por Pedro Carmona do Paysandu, a bola chegou venenosa na área remista, o atacante Moisés chegou a desviar, mas atento o goleiro Vinícius fez a defesa para o Remo.

O Leão respondeu com Adenilson, que alçou bola na área, Isac desviou de cabeça e o zagueiro Mimica pegou a sobra mas isolou, perdendo uma grande chance para os azulinos. O time bicolor chegou tocando, Pedro Carmona recebeu no meio da área, mas na hora de chutar foi atrapalhado por uma poça d’água e a bola chegou fácil para Vinícius, que fez a defesa. De novo, o Papão chegou, num chutaço de fora da área desferido por Moisés, Vinícius espalmou para frente salvando o Remo.

O Clube do Remo também resolveu arriscar e Geandro disparou de longe por cima da meta de Marcão. O Paysandu foi no contra-ataque com Moisés, que rolou de lado para a chegada de Pedro Carmona, mas o chute se perdeu pela linha de fundo. O atacante remista Felipe Marques chutou, a bola foi em cima do goleiro Marcão. A chuva não parava no Mangueirão, o chamado “toró”, caía na capital Belém no clássico Rei da Amazônia.

Esquerdinha do Remo alçou bola na área para Isac, mas o atacante remista não conseguiu desviar para o gol. Em uma blitz total do Papão dentro da área, a bola sobrou para Moisés, que disparou desviando nas costas de Geandro e se perdendo para escanteio. Na cobrança do escanteio, Pedro Carmona levantou na medida para o zagueiro Diego Ivo, que testou forte para o fundo da meta azulina, abrindo o placar para o Paysandu aos 41 minutos, 1 a 0.

Logo no início da etapa final, os jogadores do Papão pediram pênalti na jogada em que a bola foi levantada na área por Victor Lindenberg: Moisés dominou e acabou caindo, alegando que teria sido tocado dentro da área, o árbitro carioca Marcelo de Lima Henrique, mandou seguir. Cassiano tentou surpreender o goleiro Vinícius, mas mandou longe da meta azulina. Atrás do empate, o Leão Azul começou a chegar com mais perigo à meta bicolor. Adenilson levantou na área e Isac cabeceou para fora.

O atacante Felipe Marques, em alta velocidade, deixou a marcação para trás e chutou, Isac desviou no meio do caminho e quase empatou o jogo. A pressão do Remo deu resultado: Isac arriscou o chute, a bola tocou no braço do lateral-direito Maicon Silva dentro da área bicolor, o árbitro não titubeou e assinalou pênalti para o Leão. Isac cobrou forte no canto direito do goleiro Marcão, que chegou a tocar na bola, mas não evitou o empate, tudo igual no
Mangueirão, 1 a 1, aos 20 minutos.

O gol animou os azulinos que seguiram em cima. Fernandes tentou a virada, mas errou o alvo em um chute sem direção. Levy partiu para cima da marcação, passou e chutou cruzado, a bola desviou na zaga bicolor e foi para escanteio. A torcida do Remo ficou no “uh”. Em um contra-ataque rápido, Felipe Marques ficou sozinho com o goleiro Marcão, o chute rasteiro acertou a trave bicolor e na sobra, Leandro Brasília conseguiu chutar por cima da meta do Papão. Pressão total do Remo, Jefferson Recife cruzou na área e Geandro livre cabeceou para fora.

O atacante Jayme foi lançado e ficou sozinho com Marcão, mas ambos acabaram se chocando na jogada e bola foi afastada. O árbitro Marcelo de Lima Henrique deu três minutos de acréscimo, tempo suficiente para o Leão virar o jogo. O atacante Eliélton entrou aos 46 minutos, e aos 47, recebeu lançamento, dominou na área, driblou o goleiro Marcão e chutou forte no alto, marcando um golaço no Mangueirão, explodindo o Fenômeno Azul nas arquibancadas. Placar final: Paysandu 1 x 2 Remo.

“O time se entregou o tempo todo, infelizmente pegamos um gol no final do jogo. Temos que corrigir isso, e agora é trabalhar para o próximo jogo. O gramado atrapalhou e muito os dois times”, afirmou Cassiano, atacante do Paysandu.

“Que jogo! Meu primeiro Re x Pa, graças a Deus, ele me honrou. Na primeira participação minha no jogo fui feliz na conclusão e fiz o gol. [Ney da Matta] pediu para eu entrar e marcar ali atrás e pediu para eu tentar um contra-ataque. O jogo só termina quando o juiz apita. Muito feliz com a torcida espetacular que nos empurrou do início ao fim”, disse Eliélton, atacante do Remo.

FICHA TÉCNICA

PAYSANDU: Marcão; Maicon Silva, Perema, Diego Ivo (Derlan) e Victor Lindenberg; Renato Augusto, Cáceres (Fábio Matos), Nando Carandina e Pedro Carmona; Cassiano e Moisés (Magno).
Técnico: Marquinhos Santos

REMO: Vinícius; Levy, Bruno Maia, Mimica e Esquerdinha; Fernandes, Leandro Brasília, Geandro e Adenilson (Jefferson Recife); Felipe Marques (Eliélton) e Isac (Jayme).
Técnico: Ney da Matta

Árbitro: Marcelo de Lima Henrique (RJ)
Assistentes: Carlos Henrique Alves de Lima Filho e João Luiz Coelho de Albuquerque, ambos do Rio de Janeiro

Quarto, quinto e sexto, árbitros: Andrey da Silva e Silva, Luiz Diego Nascimento Lopes e Elaine da Silva Melo, respectivamente, todos do estado do Pará
Cartões amarelos: Moisés, Maicon Silva e Cassiano (Paysandu); Bruno Maia, Felipe Marques e Isac (Remo)
Gols: Diego Ivo, aos 41 minutos do 1º tempo para o Paysandu; Isac, aos 20 e Eliélton, aos 47 minutos do 2º tempo para o Remo

Local: Estádio Olímpico Edgar Proença, o Mangueirão, em Belém
Renda total: R$ 1.057.570,00
Pagantes: 31.123
Não pagantes: 2.830
Público total: 33.953

Outros resultados da 4ª rodada do Parazão 2018

Bragantino 0 x 1 Castanhal
Águia 0 x 1 Parauapebas
São Raimundo 2 x 2 Independente
Cametá 0 x 2 Paragominas

Classificação do Parazão 2018

Chave A1

Paysandu: 9 pontos
Independente: 8 pontos
Bragantino: 6 pontos
Águia: 4 pontos
Cametá: 2 pontos

Chave A2

Remo: 9 pontos
Parauapebas: 5 pontos
Paragominas: 4 pontos
São Raimundo: 4 pontos
Castanhal: 4 pontos

error: Conteúdo protegido contra cópia!