Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Marabá

Preso em Marabá homem que matou menina a facadas em Parauapebas

A Justiça determinou a prisão dele, que estava em Marabá e foi localizado pela Polícia Civil
Continua depois da publicidade

A Polícia Civil prendeu na noite de ontem (9), em Marabá, Jairo Pinheiro de Oliveira, o “Salsicha”, acusado de ter matado a facadas, em 26 de maio último, a menina Wilka Afonso Pereira, 12 anos, cujo corpo foi jogado no córrego Sebosinho, no Bairro Novo Brasil, em Parauapebas. Encarregado do caso, o delegado Felipe Oliveira, baseado em informações de testemunhas que presenciaram a brutalidade e elementos colhidos durante as investigações, pediu ao Poder Judiciário a decretação da prisão do acusado e foi atendido.

A partir daí as buscas pela localização de “Salsicha” se iniciaram a fim de cumprir o Mandado de Prisão. Na noite de ontem, policiais civis de Marabá entraram em contato com o delegado Felipe informando que haviam localizado o acusado.

Imediatamente, o delegado enviou a Marabá cópia do mandado e “Salsicha” foi preso e deve ser recambiado para Parauapebas nas próximas horas, já que deve responder pelo crime no distrito da culpa, conforme manda a lei.

De acordo com o delegado Felipe Oliveira, Jairo de Oliveira matou a menina porque ela teria denunciado práticas criminosas cometidas por ele.

Parauapebas

Assaltante em fuga atira contra PMs e morre baleado em Parauapebas

Rodrigo Alencar, na companhia do comparsa, um adolescente, cometeu seu último assalto e assinou sua sentença de morte
Continua depois da publicidade

O assaltante identificado como Rodrigo Alencar de 19 anos, tombou na noite desta quinta-feira (9), em confronto com uma guarnição da Polícia Militar, da Rocam (Rondas com o Auxílio de Motos). O caso aconteceu por volta das 20 horas, na esquina das Ruas São Francisco e Sol Poente.

Segundo o cabo Freitas, a guarnição fazia ronda de rotina quando foi procurada por uma vítima de assalto. Ela ressaltou que havia acabado de ser atacada por dois indivíduos armados de revólver, na Praça do Cidadão.

A mulher, cujo nome não foi revelado, perdeu para a dupla dois celulares e a moto Honda Bros 160, em que estava com a mãe, no momento da abordagem. Os assaltantes estavam escondidos atrás de um carro e, quando elas passavam, os dois saíram já apontando uma arma de fogo e as atacaram.

Socorrida pelos policiais militares, a mulher descreveu o tipo físico e a fisionomia dos bandidos e a motocicleta roubada. Com essas informações, a guarnição não tardou a encontrar os marginais, que, ao receberem a ordem para parar, aceleraram o veículo e fugiram.

 Os PMs, entretanto, seguiram a dupla e, ao emparelharem com eles, novamente mandaram que parassem. Porém, Xaolin, que estava na garupa, atirou nos policiais, que revidaram a atiraram nele também. O marginal já caiu morto no asfalto, enquanto o piloto da moto, um adolescente, foi apreendido e apresentado na 20ª Seccional de Polícia Civil.

Jacundá

Trio é preso após arrombamento fazer limpa em residência de Jacundá

Os três foram localizados pela Polícia Civil e já estão devidamente guardados numa das celas da DP
Continua depois da publicidade

Marcelo Rodrigues Leite, 27 anos, Douglas Oliveira Neres, 19, e Lucas Lima Souza, 19, foram presos após arrombar uma residência no Bairro Eletronorte, na semana passada. Aparelho de TV, barracas de acampamento, pistola de aplicar vacinas em animais, dinheiro e joias foram roubados do imóvel. Uma investigação da Polícia Civil de Jacundá levou ao paradeiro do trio.

O dono da residência, que pediu para não ser identificado, contou à Reportagem que estava com a família numa propriedade rural e, quando retornou à cidade, encontrou o imóvel com uma das janelas arrombadas. No interior da casa percebeu o sumiço de diversos objetos, aparelhos eletrônicos e dinheiro. Um televisor de 42 polegadas também foi roubado. O caso aconteceu no dia 3 deste mês.

Após registrar Boletim de Ocorrência na Depol de Jacundá, policiais civis iniciaram uma investigação com o objetivo de localizar o trio de assaltantes. Dois dias depois, o grupo estava preso e já está à disposição da Justiça. Um aparelho de aplicar injeção em animais e barracas de acampar foram recuperados e entregues ao proprietário, que lamenta o prejuízo.

Xinguara

Homicida pega 16 anos de prisão no 1º caso de feminicídio de Xinguara

Alex Batista dos Santos cometeu o bárbaro crime em janeiro do ano passado dentro da residência do casal
Continua depois da publicidade

O primeiro caso de feminicídio da comarca Xinguara resultou na condenação do réu, Alex Batista dos Santos, durante sessão no Tribunal do Júri realizada na última segunda (6). O Conselho de Sentença acatou, por maioria de votos, duas das três qualificadoras apresentadas e sustentadas pelo Ministério Público do Estado do Pará (MPPA), rechaçando as teses defensivas suscitadas pelos advogados de defesa, tendo o juiz que presidiu a sessão aplicado ao condenado a pena definitiva de 16 anos e 6 meses de reclusão, a ser cumprida inicialmente em regime fechado.

O julgamento, que foi presidido pela juíza Ana Carolina Barbosa Pereira, teve como representante do MPPA o Promotor de Justiça Titular da 2ª Promotoria de Justiça do município, Diego Libardi Rodrigues, que pleiteou a condenação de Alex Batista dos Santos, pelo crime praticado contra a companheira do réu, Cinthia Daniele Delfino, por motivo fútil, mediante recurso que dificulte ou torne impossível a defesa do ofendido e por razões de condição de sexo feminino por envolver violência doméstica e familiar.

O crime ocorreu na cidade de Xinguara, no Pará, no dia 1º de janeiro de 2017, tendo a denúncia sido oferecida em 23 de janeiro de 2017. A sessão do júri teve início às 8h da manhã, ocasião em que foram realizadas as inquirições das testemunhas, o interrogatório do réu, bem como a produção de provas, que são os atos necessários para a elucidação do caso concreto aos juízes.

O julgamento terminou às 15:55 horas, com expedição de sentença homologatória da decisão do júri, que acolheu, parcialmente, o pedido do Ministério Público. O Promotor de Justiça Diego Libardi Rodrigues sustentou a condenação do acusado pelo crime de homicídio qualificado por motivo fútil, praticado mediante utilização de recurso que dificultou ou tornou impossível a defesa da vítima, bem como pelo feminicídio, caracterizado por ser crime hediondo, praticado contra o gênero feminino.

Na decisão, o juiz acolheu os argumentos utilizados pelo promotor de justiça, que sustentou que o bárbaro crime fora cometido no âmbito doméstico, bem como pelo fato da vítima ser mulher, subjugada física, psicológica e socialmente pelo réu. Na sessão, o promotor de Justiça também requereu ao júri a rejeição das teses apresentadas pela defesa, de homicídio privilegiado, de legítima defesa e de inimputabilidade do réu. A condenação do réu foi o primeiro caso de feminicídio julgado na Comarca de Xinguara, nos moldes da reforma trazida pela Lei nº 13.104/15 que introduziu a qualificadora do feminicídio no inciso VI do rol do §2º, do Artigo 121 do Código Penal Brasileiro (CPB), como forma de garantir maior rigor em relação à reprimenda dos réus, por ocasião dos julgamentos de delitos desta natureza.

A sessão solene do tribunal do Júri foi considerada histórica para os cidadãos da comarca, que abrange os municípios de Água Azul do Norte, Sapucaia e Xinguara.

Jacundá

Agência do Banco Bradesco sofre tentativa de roubo em Jacundá

Os ladrões chegaram a entrar no prédio, mas o alarme tocou e a PM não tardou a chegar. Um bandido foi preso em um automóvel e a polícia encontrou todo o ferramental que seria empregado no roubo
Continua depois da publicidade

Ação da Polícia Militar de Jacundá conseguiu frustrar um roubo à agência do banco Bradesco durante a madrugada desta quarta-feira (8), após um grupo de assaltantes ter conseguido entrar no prédio. O alarme disparou e os policias prenderam um dos envolvidos com diversos equipamentos e ferramentas. À Reportagem, o comandante da 18ª CIPM (Companhia Independente da Polícia Militar), major Fábio Rayol, explicou que era por volta de 3h da madrugada quando foi acionado pela Central de Monitoramento do Bradesco sobre o disparo do alarme. “Imediatamente acionamos duas viaturas sob o comando do tenente S. Cruz para averiguar a situação, onde foi constatado o arrombamento”.

No telhado do edifício os policiais encontraram um cilindro de gás e mais duas bolsas contendo várias ferramentas. O gerente do banco foi comunicado sobre o fato e compareceu à agência para abri-la. “Fizemos um levantamento preliminar internamente e constatamos que os infratores não conseguiram ter acesso aos cofres e fugiram possivelmente quando o alarme disparou, sem levar dinheiro”.

Próximo da agência, os militares detiveram o motorista Francisco de Assis Gonçalves Pereira, que estava em um automóvel Citroen C3, de placas PUB-4681 de Fortaleza (CE). Com ele diversas ferramentas. Aos policiais, o suspeito disse que o grupo era composto por três homens e o restante estaria em um hotel da cidade. No hotel não havia registro dos hospedes, o que impossibilitou a identificação do grupo.

Mas, um fato intrigou os militares. Após a prisão, o suspeito recebeu uma mensagem por meio do celular, de um homem identificado por Daniel. “Este dizia se ele fosse pego, era para ele dizer que estava no local dormindo e que estava apenas de passagem”.

Francisco de Assis foi conduzido à Delegacia de Polícia Civil de Jacundá com o veículo, equipamentos e ferramentas. Segundo o delegado Sérgio Máximo, o suspeito foi atuado em flagrante. Um inquérito já foi aberto para apurar a situação e a Justiça comunicada sobre o fato. Participaram da prisão o tenente S. Cruz, sargento Vânia e Batista e os cabos Jarmerson, Geovane, Pinheiro e Sena.

MATERIAIS APREENDIDOS

Três extensões de energia elétrica

Um transformador (3000 at)

Dois alicates

Três chaves de fenda

Dois óculos de proteção

Uma marreta

Um martelo demolidor(De Walt)

Uma lixadeira (De Walt)

Uma furadeira (Bosch)

Um arco de pua

Três ponteiras

Três brocas

Uma fonte

Uma antena

 16 Jammer (bloqueador de celular 3g e 4g)

32 discos de lixadeira (intactos)

Uma manta térmica

Quatro bolsas

Um celular (Iphone)

Uma carteira porta cédulas

Três cartões de seque (dois do Bradesco e um do Liber)

Uma CNH

Um CRLV (documento de veículo)

Um veículo Citroën C3 de cor branca (Placa PUB-4681/Fortaleza-CE)

Marabá

4º Batalhão de Polícia Militar comemora 40 anos de criação em Marabá

Solenidade no quartel da 4º BPM marcou a data e reuniu autoridades civis e militares. Na oportunidade, integrantes da tropa e outras autoridades foram agraciados com medalhas e certificados
Continua depois da publicidade

Aconteceu na manhã desta terça-feira (7) solenidade militar em homenagem aos 40 anos de criação do 4º Batalhão de Polícia Militar (4º BPM), em Marabá. A cerimônia foi presidida pelo tenente-coronel Heriberto Clauber dos Santos Furtado, subcomandante do Comando de Policiamento Regional II (CPR-II), que, ao mesmo tempo, representou o comandante do CPR-II, coronel Mauro Sérgio Marques da Silva, que se encontrava em outra atividade; e o comandante do 4º Batalhão, tenente-coronel Franklin Roosevelt Fayal, que está adoentado.

Com a presença de autoridades civis e militares, a tropa entoou, ao som da Banda do 4º BPM, o Hino da Polícia Militar e Hino do Batalhão, assim como participou de formatura e desfilou em homenagem à importante data. Em breve discurso, o tenente-coronel Furtado dirigiu palavras de agradecimento a todos os que estavam prestigiando aquele momento e aos policiais que integram o 4º BPM, do qual ele disse
ter orgulho de pertencer, e agradeceu aos parceiros que acreditam na PM, “formada por policiais sérios e competentes”, que trabalham para que Marabá e os nove municípios de abrangência do 4º Batalhão “sejam lugares cada vez melhores para se viver”.

Durante a solenidade, vários policiais e também civis foram homenageados com a Láurea do Mérito Pessoal, Medalha General Sotero de Menezes, Certificado de Destaque Operacional, Certificado de Bons Serviços Prestados e Certificado de Amigos do Batalhão. (Ver relação abaixo).

Parceria rende bons frutos para a segurança

Ao Blog, a superintendente Regional de Polícia Civil do Sudeste do Pará, delegada Simone Felinto, disse que o 4º BPM está de parabéns pelos 40 anos de existência, pois muito tem contribuído para Marabá e região, por meio de seus homens e mulheres que se dedicam dia e noite em prol da segurança da população.

“Hoje é um dia festivo e de muita alegria para todos nós da Segurança Pública. As operações integradas com a Polícia Militar estão produzindo bons frutos e a prova disso é a queda do número de homicídios, roubos e furtos. E nós queremos cada vez mais fortalecer essa parceria”, comemorou ela.

O vereador Rodrigo Lima da Silva (PR), da Câmara Municipal de Marabá, o Cabo Rodrigo, que serviu a PM em Marabá por 19 anos e oito meses, também comemorou a data e disse que, entre suas propostas, conseguiu aprovar a realização de Sessão Solene em Homenagem às Forças Militares. Ele destacou ainda outra proposta, esta já em andamento, que é a instalação da Escola Militar em Marabá: “A comunidade da Folha 13 e corpo docente Escola Rio Tocantins já veem a diferença, com a presença da PM ali, assim como os pais já notam diferença no
comportamento dos filhos”, ressaltou ele, que disse sempre defender a categoria. “Não esqueço nunca de defender o nome na PM, que é uma instituição bicentenária”.

O terceiro-sargento Arielson de Jesus Ramos, com 30 anos de serviços prestados à PM em Marabá, afirma que sente um orgulho muito grande de ter cumprido com sua obrigação para com o Estado e à sociedade marabaense. “Agradeço a Deus e à minha família, amo a minha profissão e a minha família, sempre cumpri com as minhas obrigações, minha ficha corrida é limpa, nunca tive problemas com a Justiça com nem com a Justiça Militar”, salienta ele.

Orgulho de servir ao Estado e à sociedade 

Indagado sobre o qual foi o momento mais crítico dos 30 anos de carreira, sargento Arielson  conta que, em 1995, ao tentar prender um homem em Itupiranga, este atirou contra ele, o ferindo em uma das pernas: “Mesmo assim, mesmo ferido, consegui dominá-lo e prendê-lo. Não revidei não disparei contra ele, que foi condenado a nove anos de prisão e acabou me pedindo muito perdão”, relata o sargento, que está prestes a se aposentar. “Por esse ato, fui elogiado e até condecorado com Medalha de Honra ao Mérito por Bons Serviços Prestados”, lembra Arielson, que novamente indagado, desta vez, sobre qual sua maior alegria responde: “É todo dia estar em casa, com a minha esposa, meus filhos e minhas netas. Sair de casa e voltar sabendo que todos estão bem”.

Na oportunidade, o secretário Regional de Governo, Jorge Bittencourt, antecipou ao Blog que, dos 536 concursados excedentes que já foram chamados pelo governo do Estado, 98 virão para Marabá, juntar-se aos 133 que foram empossados recentemente e já estão nas ruas.

Atualmente, o 4º BPM conta com 700 integrantes distribuídos em Marabá, Itupiranga, Nova Ipixuna, São João do Araguaia, São Domingos do Araguaia, Brejo Grande do Araguaia, Palestina do Pará, Piçarra e São Geraldo do Araguaia.

 

Condecorações

Láurea do Mérito Pessoal: segundo-sargento Gilmar Lopes da Silva, primeiro-sargento Lilamar Silveira Oliveira e segundo-sargento Eduardo Carlos Ribeiro de Jesus.

Medalha General Sotero de Menezes Comemorativa a Feito Heroico: terceiro-sargento Luiz Ferreira dos Santos Filho e cabo Manoel Pereira de Almeida.

Certificado de Destaque Operacional: cabo Danilo Porfiro Alves Ferreira, soldado Warley Fernandes Monção e soldado Jorge da Silva Martins.

Certificado de Bons Serviços Prestados: segundo-sargento José de Deus da Paz Monteiro da Silva, segundo-sargento Raimundo Nonato Brito da Silva, terceiro-sargento Jorge Silva Ribeira, terceiro-sargento Luiz Ferreira dos Santos Filho, terceiro-sargento João Rêmulo dos Santos Carneiro e terceiro-sargento Arielson de Jesus Ramos.

Certificado Amigos do Batalhão: tenente-coronel Heriberto Clauber dos Santos Furtado, tenente-coronel Benedito Tobias Sabbá Corrêa, major Cláudio Marino Ferreira Dias, delegado de Polícia Civil Vinícius Cardoso das Neves, Hellen Cristina Machado de Araújo, diretora do Disque-Denúncia, Jocenilson da Silva Souza, diretor do DMTU e o empresário José de Sousa Diniz Filho.

Por Eleutério Gomes – Correspondente em Marabá
Breu Branco

Operação Burserina: Breu Branco é alvo de nova ação da Polícia Civil

Ainda é reflexo do assassinato do prefeito Diego Kolling, em maio de 2017, quando foi constatada a prática de atos ilícitos contra a administração por meio de fraudes em licitações. Três pessoas foram presas
Continua depois da publicidade

A Polícia Civil, por meio da Delegacia de Repressão a Defraudações Públicas (DRDP), vinculada à Divisão de Repressão ao Crime Organizado (DRCO), deflagrou na manhã desta terça-feira (7), em Breu Branco, Tucuruí e Belém, a primeira etapa da Operação Burserina. O objetivo foi o cumprimento de três Mandados de Prisão Preventiva contra Ricardo José Peçanha Lauria, Evanoel Almeida de Araújo e Neilton Carlos da Silva Sena; e seis Mandados de Busca e Apreensão em residências e repartições públicas de Breu Branco.

As investigações iniciaram há cerca de um ano e decorrem da Operação Hades, coordenada pela Divisão de Homicídios, que apurou a morte do prefeito Diego Kolling. Por surgirem informações de ocorrência de crimes de atribuição da Delegacia de Repressão a Defraudações Públicas, essa Unidade Policial iniciou investigação que levasse à autoria e materialidade de crimes contra a administração pública municipal.

Durante as investigações da DRDP ficou constatado que algumas empresas eram constituídas unicamente para compor quórum para instalação de licitação na Prefeitura de Breu Branco, enquanto outras, previamente ajustadas, garantiam a vitória no certame licitatório a fim de contratar com o ente público e fazer valer, dessa forma, seus interesses econômicos.

Ricardo Peçanha, mais conhecido na região por “Ricardo Chegado”, já havia sido preso em razão da acusação da morte de Diego Kolling, crime ocorrido em 16 de maio de 2017, quando ele andava de bicicleta em um trecho da Rodovia PA-263, que liga as cidades de Tucuruí e Goianésia do Pará.

Ainda durante as buscas da Operação Hades, a equipe policial da Defraudações apreendeu vasto material que revelava a atuação fraudulenta de Ricardo Peçanha com a participação dos outros empresários, através das empresas MAK Empreendimentos, Construções (CNPJ 22.910.863/0001-39), DNR Construções (CNPJ  10.195.504/0001-68) e Atitude Empreendimentos (CNPJ 18.486.556/0001-03).

O delegado Carlos Vieira, titular da Delegacia de Repressão a Defraudações Públicas, presidente do inquérito policial, representou pelas medidas cautelares de prisão preventiva contra os investigados, que teve parecer favorável do promotor de Justiça Francisco Charles Pacheco Teixeira. As decisões judiciais foram exaradas pelo juiz Pedro Enrico de Oliveira.

O esquema criminoso ocorria quando as empresas, em nome de “laranjas”, eram representadas por pessoas contratadas apenas par esse fim de atuarem em procedimentos licitatórios na administração pública.

Dessa forma, por meio de acordo prévio, ocorria a escolha fraudulentamente da empresa vencedora da licitação, a qual contratava com a prefeitura com desvantagem para o erário, culminando do o desvio de recursos públicos.

Grande quantidade de material probatório foi colhido durante as buscas nos domicílios dos presos, de outros investigados e nos órgãos da prefeitura. Os presos ficarão custodiados na Susipe, onde permanecerão à disposição da Justiça.

A operação policial contou com a participação de unidades da Diretoria de Polícia Especializada, DRCO (DRDP e DEILD) e Polinter, além de equipes da Diretoria de Polícia do Interior (Superintendência Regional do Lago de Tucuruí – 9ª RISP, através da Seccional Urbana de Tucuruí) e do Grupo de Pronto Emprego (GPE).

Marabá

Polícia está na caça de homem que matou professor do IFPA em Marabá

Ederson Costa foi alvejado com 2 tiros na cabeça depois de dar cavalo de pau na rodovia Transamazônica e discutir com seu algoz
Continua depois da publicidade

O Departamento de Homicídios da Polícia Civil em Marabá está na caça do homem que matou o professor Ederson Costa dos Santos, depois de uma discussão de trânsito, na Rua Pedro Marinho, em frente o Sesi, em Marabá. O crime ocorreu por volta de 1 hora da madrugada de sábado para domingo, dia 5.

Em entrevista na manhã desta segunda-feira, 6, o delegado de Polícia Civil, Ivan Pinto da Silva, informou que os investigadores da Divisão de Homicídios estão empenhados em elucidar o crime do professor Ederson Costa, e revelou que a polícia já dispõe de um vídeo com imagens da câmera de um consultório em frente ao local onde ocorreram as discussões e o assassinato.

O delegado disse ainda que já foram ouvidas algumas testemunhas, entre elas duas jovens que seriam alunas do professor Ederson Costa no Campus Industrial do Instituto Federal do Pará (IFPA). “As imagens das cenas do crime estão sendo tratadas e temos indícios de que o homicídio tem relação com uma discussão de trânsito. O professor fez uma manobra não permitida (cavalo de pau) próximo à Tertúlia, na Rodovia Transamazônica. O carro que estava atrás acabou se chocando contra o do professor”.

Ainda segundo o delegado, Ederson vinha de um bar, onde estava com amigos e estaria levando duas alunas para casa. Depois de dar o cavalo de pau e chocar-se com o outro veículo, ele não parou para prestar auxílio e preferiu empreender fuga, mas acabou parando seu carro próximo ao Sesi, no bairro Novo Horizonte. Neste local, chegou a discutir por cinco minutos com uma mulher e um rapaz (ambos jovens), mas ainda sem identidade revelada.

Quando a discussão parecia ter cessado, o professor foi alvejado com dois tiros de pistola pelo homem com quem discutiu.  “Vamos chegar à autoria desse homicídio. Temos testemunhas que passaram pelo local durante o episódio, as quais estão sendo intimadas. Estamos aguardando o homicida comparecer à delegacia. Ainda não temos o nome dele, mas possuímos elementos suficientes para chegar até ele, inclusive a placa e modelo do veículo que estava dirigindo”.

A câmera do consultório, ainda segundo o delegado Ivan Pinto, filmou tudo, inclusive a chegada dos policiais, do SAMU e a retirada do corpo do local do crime.

Luto até quarta-feira

Nesta segunda-feira não houve aula no Campus do IFPA. A direção declarou luto e divulgou uma nota de pesar com o seguinte teor: “É com muita tristeza que o Campus Marabá Industrial informa o falecimento do professor Ederson Costa dos Santos. A instituição enfatiza o empenho e dedicação no excelente trabalho prestado nesses quatro anos como servidor do Instituto Federal do Pará (IFPA).

O professor Ederson nasceu no dia 27 de agosto de 1988 e faleceu na madrugada deste sábado, 4 de agosto de 2018. O Marabá Industrial decretou luto oficial e as atividades do instituto ficam suspensas até a próxima quarta-feira, 8”.

Nas redes sociais, dezenas de pessoas, entre familiares, colegas de trabalho e alunos deixaram mensagens, demonstrando o quanto o professor era querido.

Selma Rodrigues, também servidora do IFPA, postou a seguinte mensagem: “É muito triste e doloroso perder um ente querido, amigo, colega de trabalho. A violência está cada vez mais presente em nosso dia-a-dia. Saímos de casa e não sabemos se voltaremos para o aconchego de nossa família. Meus sentimentos aos familiares e aos servidores do campus Marabá Industrial”.

Ulisses Pompeu – de Marabá