Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Canaã dos Carajás

Horário de atendimento nos postos de saúde é ampliado em Canaã dos Carajás

Trata-se de uma proposta inovadora em todo o Pará e por isso é preciso uma parceria para a adaptação
Continua depois da publicidade

A mudança que também vai pôr fim às longas filas durante a madrugada em frente às Unidades Básicas de Saúde da Família (USF) em Canaã dos Carajás, segundo a secretária de saúde, Daiane Celestrini, deve desafogar o atendimento no hospital municipal Daniel Gonçalves, que poderá se concentrar nos atendimentos de urgência e emergência.

Pela primeira vez, uma cidade da região norte implanta esse sistema na área da saúde.

Na zona urbana, os atendimentos que antes iniciavam às 7hs e seguiam até às 17hs com pausa para almoço, a partir desta segunda-feira, 16, irão começar às 8hs e seguem de forma ininterrupta até as 17 h, sem a necessidade de distribuição de senhas aos usuários. “Somos pioneiros no Estado nesse modelo, depois de muito tempo trabalhando e fazendo pesquisas nesse sentido, decidimos apostar. Todos terão uma escuta qualificada, serão ouvidos e direcionados para o atendimento. Ninguém vai sair sem esse direcionamento e a nossa proposta é que tenhamos resolubilidade em até 72 horas”, explicou.

Atualmente, Canaã dos Carajás dispõe de 11 unidades básicas de saúde e para que o novo modelo atinja 100% de seu bom funcionamento, a secretária explica que é necessário o apoio da população. “Trata-se de uma proposta inovadora em todo o Pará e por isso é preciso uma parceria para a adaptação”, concluiu.

Parauapebas

Servidores públicos do Pronto Socorro se manifestam contra desativação da unidade

Continua depois da publicidade

Após comunicado da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) informando que o atendimento de urgência e emergência do município será realizado exclusivamente na Unidade de Pronto Atendimento (UPA), a partir da próxima segunda-feira (24), e que o Pronto Socorro (PS) será desativado, os profissionais que atuam na unidade de saúde realizaram na tarde desta terça-feira (18) manifestação contrária a decisão.

“A nossa preocupação é com os usuários, com a dificuldade de deslocamento das pessoas que vão procurar serviços de saúde em um lugar tão distante. A acessibilidade da população. Além disso, provavelmente a capacidade de atendimento será reduzida, já que hoje temos duas frentes de serviço e com a mudança permanecerá apenas uma”, destacou o enfermeiro Danilo Alves, que trabalha no PS e faz parte do Sindicato dos Enfermeiros do Estado do Pará e também integra o Conselho Municipal de Saúde.

Quando questionado sobre a real motivação da manifestação ser o fato da provável redução das remunerações dos servidores em função da diminuição de plantões, o enfermeiro falou apenas por si. “Minha motivação é exclusiva em prol do bem estar da população, até por que, com a situação econômica do município, tenho ciência de que os plantões seriam reduzidos de qualquer forma”, afirmou Danilo Alves.

De acordo com os organizadores da manifestação os serviços não foram paralisados no PS. “Os profissionais que estavam de plantão atenderam normalmente os pacientes e aqueles que estavam de folga vieram para manifestação. Fizemos tudo sem causar tumulto, apenas informamos aos usuários o que está ocorrendo”, relatou Danilo Alves.

Na próxima quinta-feira (20), os profissionais que atuam no PS deverão participar da reunião do Conselho de Saúde, que se realizará no período da tarde no Ceup, para deliberarem quais outras ações serão realizadas no sentido de sensibilizar a gestão quanto a essa decisão.

O outro lado

O secretário de saúde, Juranduy Soares Granjeiro esteve presente durante as manifestações e explicou os motivos da mudança. “Hoje nós temos uma estrutura de primeira qualidade subtilizada em sua capacidade, que é a UPA. Para melhorar o atendimento à nossa população e também para reduzir os custos, em função da queda na receita do município, a gestão entendeu que os atendimentos de urgência e emergência serão melhores realizados na UPA e os casos de trauma serão encaminhados direto para o HGP”, informou o secretário.

Desde a sua inauguração até o final do mês de agosto, pouco mais de 24 mil pessoas passaram pela sala de classificação de risco da UPA, uma média de 117 atendimentos diários, número bem distante da capacidade de 500 atendimentos por dia que a estrutura da unidade tem condições de atender. Boa parte dos profissionais do PS será direcionada para atender na UPA, ampliando ainda mais a capacidade de atendimento.

Para facilitar o acesso da população ao serviço, a Secretaria Municipal de Segurança Institucional e Defesa do Cidadão (Semsi) está em conversa com a Cooperativa da Central de Vans para destinar linhas específicas para a UPA, já que a demanda por serviços na unidade vai aumentar consideravelmente.

Porém, para se consolidar o que disse o secretário será preciso melhorias no atendimento até hoje apresentado na UPA. Segundo Helio Rubens Pinho Pereiro, promotor de justiça em Parauapebas, apesar de apresentar estrutura física de excelência, existem várias denúncias de que o atendimento aos que procuram a UPA está deficitário, já que os pacientes demoram de duas a quatro horas para serem atendidos. Preocupado com essa situação, o promotor diligenciou-se ontem a noite até à UPA e verificou que realmente o atendimento não estava satisfatório. O promotor gravou alguns depoimentos que confirmam as denúncias e deverá instaurar procedimento para que a Semsa explique os motivos da demora nos atendimentos.

No prédio do PS funcionará a sede da Semsa, com os seguintes departamentos: gabinete do secretário; vigilância em saúde, que compreende a vigilância sanitária, vigilância epidemiológica e o controle de endemias; direção da atenção básica e as respectivas coordenações das redes de atenção à saúde e dos distritos de saúde; diretoria de planejamento; diretoria administrativa; diretoria do Fundo Municipal de Saúde; contabilidade; diretoria de gestão de pessoas e humaniza SUS.

Marabá

Marabá: Promotoria constata situação alarmante em escolas e postos de saúde do município

Continua depois da publicidade

A 6ª Promotoria de Justiça de Marabá, representada pela promotora Mayanna Silva de Souza Queiroz e sua equipe, realizou, no período de 11 a 15 de maio, inspeção em escolas e postos de saúde da zona rural de Marabá, sudeste do Pará. As inspeções foram motivadas após denúncias de que escolas estariam funcionando sob situação precária.

Durante esse período a equipe do Ministério Público percorreu mais de 500 quilômetros de estrada de chão, avaliando as condições dos prédios escolares e das merendas escolares.

A promotora de Justiça Mayanna Queiroz identificou situações alarmantes tais como condições insalubres para o ensino-aprendizagem, merenda escolar vencida, falta de produtos alimentícios no cardápio e a ausência de profissionais nos postos de saúde da zona rural.

Entre as escolas inspecionadas, destacam-se: Castro Alves na Vila São Pedro, escola Estrela da Manhã na Vila Forquilha, Caminho da Liberdade na Vila Seca e a escola União do Povo na Vila Macaco Careca.

A promotora de Justiça Mayanna Queiroz registra, “Agendei reuniões para os dias 27 e 29 de maio com os secretários de educação e saúde. O MP fará recomendações e, se não forem atendidas, entraremos com ações judiciais”. (MP-PA)