Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Cotidiano

Praça do Alvorá ainda é a escolha de lazer pra muita gente em Parauapebas

Apesar dos problemas pontuais com a estrutura, lançada em 2013, o local ainda é a escolha de muita gente que busca uma área para a prática de atividades esportivas e de lazer.

No final da tarde e início da noite, a área pública de atividades esportivas e de lazer localizada no Loteamento Alvorá, nas proximidades do Partage Shopping Parauapebas recebe muitas pessoas que gostam da estrutura disponibilizada no local, que conta com duas quadras de areia, duas quadras poliesportivas e um campo de futebol com grama natural e tamanho oficial. Além disso a estrutura conta também com área de alimentação, parquinho infantil, pista de Cooper e alguns aparelhos de academia ao ar livre. “Eu gosto muito daqui, acho o espaço agradável. Até o clima melhora. Acho que é por que fica perto dessa parte de reserva ambiental, onde ainda tem muitas árvores”, relata a dona de casa Marismar Pereira.

O treinador de um time de futebol feminino, Leodício Pereira diz que treina sua equipe há mais de um ano no local. “A gente usa a quadra sem problema, toda terça e quinta, a partir das sete da noite. Não precisamos reservar com ninguém. É só chegar e treinar, se tiver ocupada a gente aguarda liberar”. Leodício Pereira diz que as quadras poliesportivas ainda estão um pouco preservadas, mas alguns pontos da área têm sido depredados. “Os brinquedos do parquinho já estão quase todos quebrados, a tela do campo de futebol também já foi tirada quase toda, sem falar na academia ao ar livre que quase nem exista mais. Pelo menos a limpeza é bacana e cortaram a grama”, relata.

Apesar desses problemas com a estrutura, o local ainda é a escolha de muita gente que busca uma área para a prática de atividades esportivas e de lazer. A vendedora Renata Costa mora em um bairro próximo da área e diz que traz sempre sua filha para patinar. “Aqui tem esse pista que dá pra ela brincar com tranquilidade e segurança”.

PPP

Marabá: Congem e Ascom se pronunciam sobre PPP da iluminação

A reportagem foi baseada em documentos da Congem apresentados pelo vereador Guido Mutran Júnior

Reportagem publicada aqui no blog sobre a intenção do atual governo municipal de Marabá de assinar um contrato milionário com duração de 25 anos para o serviço de iluminação com um consórcio de empresas através de uma PPP (Parceria Público Privada) por concessão, causou ampla repercussão em Marabá e a Procuradoria, Controladoria e Assessoria de Comunicação da Prefeitura se manifestaram sobre o assunto em notas independentes.

A reportagem foi baseada em documentos da Congem apresentados pelo vereador Guido Mutran Júnior, que apresentou o assunto e sua preocupação em relação ao contrato a ser assinado na tribuna da Câmara Municipal de Marabá.

A Reportagem do blog também procurou a equipe de governo que de Tião Miranda, que assumirá a gestão municipal em janeiro próximo. Embora um dos membros da equipe de Tião tenha dito em off que há um clima de preocupação, eles preferiram não se manifestar sobre o caso, por considerar que estariam entrando numa seara que não é de sua responsabilidade ainda.

Abaixo, seguem as notas da Ascom e Congem:

NOTA DA ASCOM

PPP NÃO ESTÁ SENDO FEITA AO APAGAR DAS LUZES E VAI GARANTIR SOBREVIVÊNCIA DO PARQUE DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA DE MARABÁ, ENTRE OUTROS BENEFÍCIOS.

Nos últimos anos, percebe-se, cada vez mais clara, a incapacidade dos municípios brasileiros, do Governo Federal e dos Governos

Estaduais em desenvolver suas funções administrativas a fim de suprir a crescente demanda da população em geral, por serviços públicos. Isso decorre de inúmeros fatores, como, por exemplo, as dificuldades financeiras, decorrentes da falta de investimentos em determinadas áreas.

Para solucionar o mau funcionamento da máquina da administração pública, viram-se os governos obrigados a desenvolver alternativas que possibilitassem a restauração de uma administração satisfatória do bem público. Uma dessas alternativas é a criação de uma parceria entre o setor público, que dispunha da competência de administrar, e o setor privado, que dispunha de capital, as Parcerias Público-Privadas (PPPs).

Diante dessa nova realidade, os governos têm recorrido a investimentos privados para conseguir desenvolver a sua função administrativa. Essas parcerias envolvem investimentos em áreas vitais para manutenção da ordem e para efetivação de garantias constitucionais, sendo estas: transporte, saneamento básico, segurança pública, saúde, iluminação pública, entre outros.

As PPPs já funcionam em muitos países na Europa, desde a década de 1990, e no Brasil estão sendo o início de uma nova perspectiva de crescimento e de progresso.

Marabá, frente a essa realidade buscou nas parcerias público-privadas a alternativa para a garantia de investimentos e estruturação dos serviços públicos, conforme tem sido adotado em diversos municípios brasileiros, criando a própria lei de PPPs, aprovada pela Câmara Municipal.

Neste momento Marabá, pode se sentir privilegiada na proposta de uma PPP de iluminação pública, visando garantir investimentos pelo parceiro privado no valor aproximado de R$ 400 milhões, sendo 30% no primeiro ano de contrato. Esses investimentos envolvem projetos de iluminação pública em LED, gestão do

parque de iluminação pública, climatização das escolas e prédios públicos, eficiência racional de energia dos prédios públicos e até venda de energia para o sistema, pelo excedente produzido pela energia solar produzida, além de garantir a eficiência na destinação dos recursos da Contribuição de Iluminação Pública e economia nas despesas com energia elétrica dos prédios públicos.

Todo o processo, desde o seu início, em março de 2015, foi conduzido de modo transparente, podendo todo cidadão ter acesso no portal da Prefeitura de Marabá na Internet, bem como no endereço eletrônico ppp.maraba.pa.gov.br, além da consulta e audiência pública realizadas.

O processo se encontra em fase de adjudicação e homologação pela Comissão Especial de Licitação e posterior envio ao Prefeito para decisão.

A Prefeitura Municipal, como vários municípios brasileiros, não está fazendo nada no apagar das luzes. Afinal, um projeto dessa grandeza, de seu início, amadurecimento e conclusão demanda de um a dois anos, deixará o legado da eficiência de prestação de serviços públicos de iluminação pública garantindo bem estar, segurança e cidadania à população marabaense. (ASCOM-PMM)

NOTA DA CONGEM:

“Com referência à matéria veiculada em 24 de novembro de 2016, no blog do Zé Dudu, em razão de inúmeras divergências constatadas, a Controladoria Geral do Município de Marabá vem esclarecer, primeiramente, que é um órgão que compõe a estrutura da Administração Pública Municipal de Marabá, cujo papel é assegurar a transparência e a segurança aos atos administrativos.

Cumpre informar também que não há qualquer disputa ou desentendimento com a Procuradoria Geral do Município, uma vez que se tratam de órgãos com competências específicas. Ressalta-se que a Controladoria Geral sempre respeitou os pareceres jurídicos da Procuradoria Geral, inclusive recorrendo frequentemente às suas opiniões quando se trata de assuntos jurídicos. Desta forma, a PROGEM emite parecer no início do procedimento administrativo para análise jurídica, enquanto o parecer do controle interno ocorre para análise do procedimento até a sua homologação, uma vez que se trata de documento obrigatório a ser encaminhado ao Tribunal de Contas dos Municípios.

Portanto, os dois Órgãos atuam de forma autônoma em defesa dos interesses do Município de Marabá, cada qual nos limites de sua competência, zelando pela regularidade dos atos de gestão quanto à legalidade, legitimidade, economicidade e eficiência na utilização de recursos públicos.

E, por fim, este órgão declara que em nenhum momento a atual Administração Pública Municipal desrespeitou qualquer parecer técnico do controle interno. (JULIANA DE ANDRADE LIMA – Controladora Geral do Município)

Marabá

Praças em obras viram objeto de discórdia entre Legislativo e Executivo

Por Ulisses Pompeu – de Marabá

Como num filme que já tinha roteiro descrito antes mesmo de ser rodado, a atual situação das obras de três praças em Marabá tinha sido descrita em uma profecia apregoada pela vereadora Vanda Américo no final do ano passado: “nenhuma delas será concluída até o final deste governo”.

E é exatamente isso que está acontecendo com as praças São Francisco, no bairro Cidade Nova; São Félix, na Marabá Pioneira; e Praça da Juventude, no Km 7, Nova Marabá. As obras estão paradas ou em ritmo muito lento e jamais serão concluídas em menos de 45 dias.

A situação mais polêmica, atualmente, é a da Praça São Francisco, cujas obras iniciaram em março deste ano e deveriam ser concluídas no dia 15 deste mês de novembro, ao custo espantoso de R$ 3.154.273,55. A obra está sendo executada em banho-maria pela empresa Cactus Construções Ltda. Passados quase dez dias após o prazo de entrega, até agora só foram executados 20% do total. Quando os tapumes foram retirados da parte que estava em obra, a comunidade foi tomada pelo espanto: a praça se transformou em um deserto de concreto sem nenhuma benfeitoria que justificasse o emprego de mais de R$ 1 milhão até agora.

Além da demora para execução das obras, o tema Praça São Francisco deixou vereadores irritados. Entre eles, Guido Mutran resolveu ir atrás. Convocou o engenheiro civil Charles Augusto dos Santos, contratado pelo Legislativo para acompanhar obras executadas pelo o município, e pediu um laudo. Charles identificou várias falhas na obra, como rachadura no piso por falta de junta de dilatação. “O piso é em concreto estampado no qual apresentam diversas trincas, falhas entre as etapas de execução e ausência de junta de dilatação”, concluiu. O engenheiro também ficou espantado com a ausência de bancos para assento no trecho da obra já concluída até aqui, sem contar que falta iluminação, pois à noite aquele trecho da praça fica no escuro.

Nesta terça-feira, 21, alguns bancos apareceram na praça, mas Charles os condenou, dizendo que não há encosto e são fáceis de serem roubados porque não estão fixos no chão.

Por fim, ele avaliou que até agora, cada metro quadrado da obra está custando R$ 536,44. Como só foram executados 1.960 metros quadrados dos 5.880, o deserto de concreto já custou mais de R$ 1.050.000,00. “O dinheiro do município está sendo mal empregado em uma obra que não acaba nunca e que tem qualidade questionável”, vocifera Guido Mutran.

O parecer do engenheiro Charles não destoa do assinado por seu colega de profissão Laércio Moussallem, da Controladoria Geral do Município. Moussallem também identificou rachaduras e alertou para a necessidade de resolver o problema. “A contratada deve dar continuidade à correção das trincas e rachaduras nas placas moldadas dos tentos em concreto, que se deslocaram do piso novo ou sofreram acomodação no terreno por ação das chuvas ou tráfego prematuro nas proximidades”.

O engenheiro da Congem recomendou celeridade nas obras para equilibrar o cronograma físico e o investimento maior de insumos e mão de obra no empreendimento. “Além disso, recomendamos primar pela qualidade na execução dos eventos planilhados, atendendo da melhor forma a expectativa da comunidade e da municipalidade”.

Nesta terça-feira, o secretário de Urbanismo, Claúdio Feitosa Felipeto, responsável pela obra das praças São Francisco e São Félix, não compareceu à Câmara para reunião com os vereadores. Enviou um ofício alegando que estava viajando e não informou quando poderia ir ao Legislativo.

A vereadora Irismar Araújo Melo disse que Feitosa lhe revelou no último sábado que não é mais secretário de Urbanismo do município. Ontem, em conversa com o prefeito João Salame, este confirmou ao Blog que Cláudio está pedindo para sair do cargo desde a última semana, mas apenas nesta quarta-feira ele, Salame, deve retornar ao município e resolver a situação.

Guido Mutran disse que já tentou em vários órgãos municipais, mas não consegue informações sobre a Praça São Félix, que tinha custo estimado inicialmente de R$ 600 mil, mas o edital já teria sido aditado para mais de R$ 1 milhão e não foi concluída até agora. “Agora, a Câmara vai convocar o secretário Cláudio Feitosa. Não será mais convite”, destacou.

Resposta da Prefeitura

Através da Assessoria de Comunicação, a Prefeitura de Marabá se manifestou da seguinte forma:

Praça São Francisco (Cidade Nova)

  1. A parte reformada representa cerca de 22% da obra e sequer consumiu R$ 300 mil do orçamento de mais de R$ 3 milhões.
  2. Essa área pertence à Igreja Católica, mais exatamente à Paróquia de São Francisco de Assis, cujos representantes, em reunião com a prefeitura e representantes da comunidade, de comum acordo, solicitaram a retirada do chafariz para que a Igreja pudesse ali realizar seus eventos, a exemplo do Natal Encantado. O que não significa que a população também não possa utilizar o espaço.
  3. A obra ainda não foi recebida oficialmente pela prefeitura, que ali mantinha um engenheiro fiscalizando. Ou seja, a prefeitura só receberá a obra e pagará a construtora após analisar as medições, de acordo com o que for observado pelo fiscal.
  4. Ainda faltam na parte reformada a implantação de bancos, paisagismo e dois postes de iluminação.
  5. Com a reforma foram criadas mais vagas para estacionamento e está prevista também a colocação de grades no entorno da área de eventos.
  6. A prefeitura ainda não conseguiu entregar a reforma na sua totalidade, devido a crise econômica que se abate sobre o país, atingindo não só Marabá, mas 3.800 municípios; e ao afastamento do prefeito João Salame durante 90 dias.

Praça São Félix de Valois (Velha Marabá)

– A obra será concluída antes do final da atual administração e não houve aditivos no seu valor. Ao contrário, o custo será menor do que foi orçado e com a mesma qualidade.

Praça da Juventude (Bairro Km-7)

– A construtora responsável abandonou e retomou a obra em várias ocasiões, sempre que cobrada pela prefeitura. Porém, por último, a administração municipal recorreu à Justiça e conseguiu a anulação do contrato. Agora, nova licitação está sendo aberta para a continuidade da obra.

Marabá

Comunidade reclama de praças “detonadas” em Marabá

Por Paulo Costa – correspondente do Blog em Marabá

Uma triste realidade povoa as principais praças de Marabá e a população reclama da falta de conservação de logradouros e pontos turísticos da cidade. Praça da Criança, Praça da Liberdade, Paço Municipal, Praça do bairro São Félix e até na orla do Rio Tocantins, principal cartão postal da cidade, o cenário é o mesmo: bancos quebrados, peças de metal enferrujadas e parquinhos infantis destruídos, além de uma ornamentação com mato alto.

Orla depredadaNa orla Sebastião Miranda, os canteiros estão tomados pelo mato, os bancos estão quebrados e as quadras esportivas estão com telas de proteção rasgadas.

Segundo Antônia Silva Dias, moradora do Bairro Liberdade, a população se propôs a firmar uma parceria com o poder municipal diante da dificuldade financeira que a prefeitura alegou. “Nós propusemos que a comunidade, junto com os empresários locais e até de outros bairros, iria disponibilizar a verba financeira e os materiais para reformar toda a praça”, conta.

Na Praça da Criança, na Nova Marabá, o principal monumento, um brinquedo em forma de foguete espacial, está todo enferrujado. As escadas estão soltas e o balanço está amarrado com uma sacola plástica. Estefani Ketlen, de 9 anos, reclama das condições do brinquedo. “É um perigo a gente subir, porque a gente pode cair, escorregar”.

Na praça Osório Pinheiro, conhecida como Praça da Prefeitura, por ficar em frente a sede de administração municipal, funcionava uma academia ao ar livre e os equipamentos para exercícios eram feitos de madeira. Por falta de manutenção, todos estão quebrados.

Segundo o coordenador de engenharia da secretaria de obras, Tiago Koch, um projeto está sendo elaborado para reformar as praças e a revitalização da orla. “[Vamos] reorganizar, fazer com um orçamento que seja viável para o município, que são recursos próprios que serão envolvidos nessas obras, e no cronograma nosso de trabalho apresentar até abril uma proposta que envolve oito praças na área urbana para que o prefeito aprove e encaminhe para licitação”.

Tiago garante que até abril de 2014 vai apresentar um planejamento para reforma e revitalização dos espaços de lazer.

Por enquanto, o velho ditado de que “a praça é nossa”, está ficando no passado.

Parauapebas

Parauapebas: celebração religiosa marca a inauguração da Praça da Bíblia

Um culto religioso marcou a inauguração da Praça da Bíblia, realizada quarta-feira, 26, no Morro dos Ventos, com a presença de várias autoridades políticas e religiosas. Durante a celebração, um dos momentos mais tocantes, foi a apresentação do Coral dos Servidores Públicos Municipais de Parauapebas com a música Grandioso És Tú.

O mais novo espaço de lazer de Parauapebas é composto por quiosques, lanchonetes, área de eventos, mirante e playground. Por estar localizada no cume do monte, é possível aos visitantes contemplar a cidade de vários ângulos.

Maria Leidiane Constantino Pereira, moradora do bairro Altamira, ficou curiosa e veio para a inauguração da Praça conferir se o espaço de lazer era bonito mesmo. Acompanhada do seu esposo e dos três filhos ela contemplou do alto toda a beleza da cidade e as crianças aproveitaram para se divertir.

O Prefeito, Darci Lermen, enfatizou em seu discurso de inauguração a importância desse novo espaço de lazer para a cidade, reforçando que a segurança será uma prioridade, para que dessa forma a família possa usufruir de todos os benefícios que o local oferece. Ele também adiantou que já está organizando uma programação especial de natal para a Praça.

A Praça da Bíblia integra o Projeto da Estação Ambiental Morro dos Ventos, que proporcionará a população da cidade e aos turistas mais opções de lazer, entretenimento, atividades físicas e de contato com a natureza por meio de trilhas ecológicas.

Fonte e fotos: ASCOM PMP

Parauapebas

Praça da Bíblia será inaugurada nesta quarta-feira, 26

Nesta quarta-feira, a Prefeitura de Parauapebas realiza cerimônia de inauguração do mais novo espaço de lazer da cidade, a Praça da Bíblia, localizada no Morro dos Ventos. O evento ocorrerá a partir das 17 horas e contará com a presença de autoridades políticas e religiosas.

A programação ocorrerá em dois momentos: a primeira parte terá início com a apresentação do Coral Municipal dos Servidores Públicos da Prefeitura de Parauapebas e logo em seguida as autoridades farão seus pronunciamentos. Já no segundo momento será realizado um culto religioso.

A Praça da Bíblia, que integra o Projeto da Estação Ambiental Morro dos Ventos, é composta por quiosques, lanchonetes, área de eventos, mirante e playground. Por estar localizada no cume do monte, será possível aos visitantes contemplar a cidade de vários ângulos.

Serviço: Inauguração da Praça da Bíblia
Data: 26/9 ( quarta-feira)
Horário: 17h
Local: Praça da Bíblia, Morro dos Ventos

Parauapebas

Prefeitura inicia construção da Estação Ambiental do Morro dos Ventos

PRAÇA DA BIBLIA 04

Em breve, a população de Parauapebas contará com mais um espaço de lazer. A prefeitura de Parauapebas já iniciou a construção da Estação Ambiental Morro dos Ventos, que proporcionará contato com a natureza e uma bela vista da cidade.

Reconhecendo que Parauapebas necessita de áreas de lazer e descontração, a Prefeitura desenvolveu o projeto da Estação, que será composta pela Praça da Bíblia e por trilhas ecológicas. Neste primeiro momento será construída a Praça da Bíblia, espaço que terá quiosques, lanchonetes, área de eventos e mirante. As trilhas ecológicas fazem parte da segunda etapa da construção.

A Praça da Bíblia ficará localizada próxima as torres de transmissão das TV’s locais. O espaço de evento ficará localizado de tal forma, que permitirá uma visualização inesquecível de qualquer ângulo da cidade. A topografia e terraplanagem do espaço em que funcionará a praça, já foram concluídas. O próximo passo é a construção do corpo do projeto. A previsão é que a obra seja concluída em seis meses.

error: Conteúdo protegido contra cópia!