Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Política

MP Eleitoral pede cassação da prefeita de Nova Ipixuna

O Ministério Público entende que a prefeita Maria das Graças arrecadou R$30.985,00 de forma ilícita em sua campanha.

Por Ulisses Pompeu – de Marabá

O processo eleitoral ainda não terminou para a prefeita eleita e empossada de Nova Ipixuna, Maria das Graças Medeiros Matos (PMDB), a Dra. Graça, como é conhecida no município. É que o Ministério Público Eleitoral ingressou, no último prazo para recursos, com uma representação contra ela por arrecadação e gastos ilícitos.

É que foram detectadas irregularidades na prestação de contas da agora prefeita Doutora Graça durante a campanha do ano passado. Conforme Parecer Técnico Conclusivo do Cartório Eleitoral, foi constatada irregularidade grave que denota a não identificação da origem ou a ilicitude dos recursos aplicados na campanha dela.

Segundo a representação, assinada pela promotora eleitoral Mayanna Souza Silva Queiroz, foram detectadas doações à campanha da prefeita no montante de R$ 30.985,00, perfazendo o valor corresponde a 29,26% da movimentação total em campanha.

Em sua defesa, a prefeita Maria das Graças juntou comprovante de rendimentos e de imposto de renda, argumentando que estava fazendo economias com essa finalidade há dois anos. Contudo, segundo o MP, ela omitiu informações relativas a tais recursos (economia) em sua declaração de bens juntada ao seu Requerimento de Registro de Candidatura (RRC), o que frustrou a fiscalização da Justiça Eleitoral. “Com isso, ficou comprovada grave irregularidade, gerando a desaprovação das contas conforme sentença proferida nos autos da prestação de contas”, explica a promotora.

Para Mayanna Queiroz, estão configuradas a gravidade da situação e a flagrante ilicitude na captação de recursos, tendo sido necessária a Representação para “coibir as condutas à margem do legalmente modulado, tendo em vista que o bem jurídico protegido é a higidez ou a regularidade da campanha eleitoral”.

O MP entende que o montante arrecadado de forma ilícita deve ter relevância jurídica, o que inegavelmente está caracterizado no bojo da prestação de contas da ora representada, pois, não conseguiu comprovar a origem do montante de R$30.985,00, equivalente a 29,26% do total de gastos da sua campanha.

Este mesmo valor, considerado no contexto da campanha eleitoral em que Doutora Graça movimentou R$ 105.885,00 é grave o suficiente para atrair a sanção prevista no §2º do art. 30-A da Lei nº 9.504/97.

“As despesas acima referenciadas são consideradas gastos eleitorais sujeitos a registro e aos limites fixados em lei. Consequentemente, a não identificação da origem ou a ilicitude dos recursos próprios aplicados em campanha, sem que os pagamentos correlatos sejam provenientes de conta bancária específica, havendo escancarada violação à norma prevista no art. 22 da lei 9.504/97, caracterizam arrecadação e gasto ilícito de campanha”. Por isso, o MP Eleitoral pediu à Justiça adoção do rito procedimental vertido no art. 22 da Lei Complementar n° 64/90; Pediu que seja aplicada à atual prefeita a penalidade prevista no §2º do art. 30-A da Lei 9.504/97, negando-se-lhe o diploma, ou cassando-o, se já outorgado.

A Reportagem do blog tentou falar com a prefeita Maria das Graças para ampliar a versão dela sobre o caso, mas o telefone celular apontava para a caixa de mensagens na manhã desta quarta-feira, 18. Assim que conseguirmos o contato publicaremos sua versão.

Exclusivo

Tião Miranda vai decretar estado de calamidade em Marabá assim que assumir

Confirmação veio com exclusividade ao blog durante a cerimônia de diplomação ocorrida na manhã desta quinta-feira, 15

Por Ulisses Pompeu – de Marabá

Anunciada como possibilidade em primeira mão aqui pelo blog há uma semana, o estado de calamidade financeira será mesmo decretado em Marabá logo no início de 2017. O prefeito eleito do município, Sebastião Miranda Filho, o Tião Miranda, confirmou com exclusividade ao blog durante a cerimônia de diplomação ocorrida na manhã desta quinta-feira, 15 de dezembro, no Fórum Eleitoral de Marabá, que vai mesmo publicar um decreto com este teor assim que assumir a Prefeitura em 1º de janeiro, portanto daqui a 16 dias.

Esta semana, Tião reuniu-se com dois grupos distintos de vereadores eleitos – um na terça e outro na quinta-feira, dias 13 e 14.

Na primeira reunião, ele disse aos noviços ainda não rebeldes que seu secretariado terá um perfil técnico diante da necessidade de resolver os problemas que afetaram todos os setores do município. Para esses vereadores, Tião informou que os dados levantados pela equipe de transição apontam para uma crise financeira sem precedentes na história do município.

Por outro lado, mostrou-se otimista para que no segundo semestre, quando a Cevital deve começar as obras de implantação de sua siderúrgica, Marabá poderá melhorar sua arrecadação e, consequentemente, sua capacidade de investimento.

Ao final de uma entrevista coletiva ocorrida na manhã de hoje, após a diplomação, o repórter do blog perguntou de forma isolada para Tião se o decreto de calamidade era real. Ele disse que sim, “por causa do grande problema que vamos enfrentar logo no início”.

Tião repetiu um discurso que vem adotando desde sempre: o foco principal de sua gestão será equilibrar receitas e despesas. “Eu me comprometi com a população. As dificuldades existem e não podemos recuar. Vamos publicar todos os meses a receita e despesa do município no portal da transparência e em um jornal local para que a população saiba onde o dinheiro público vai ser aplicado.

O prefeito negou boatos de que assim que for eleito vai entregar o cargo para o vice Toni Cunha para ir atrás de tratamento de saúde. Ele disse que seu compromisso continua firme com o povo de Marabá e que pretende também ter a Câmara como aliada no processo. “Conversei com os novos vereadores. Eles viram que minha equipe será técnica, não política. Vamos cumprir a lei e dar o melhor para Marabá”.

Questionado sobre qual percentual de secretário já está definido, ele saiu pela tangente, dizendo que “ainda não fiz as contas, mas grande parte já está definida”.

Além da lista de possíveis secretários já publicada aqui pelo blog, um interlocutor direto de Tião garantiu que ele já bateu o martelo que o atual secretário de Meio Ambiente, Válber Araújo, deverá permanecer no cargo. Além disso, o médico e pecuarista Adailton de Sá, amigo pessoal de Tião, deverá assumir a Secretaria Municipal de Agricultura. “Vamos ter de fazer grandes ajustes. A Prefeitura vai passar por mudanças radicais para equilibrar as finanças e voltar a pagar os servidores em dia, além de ter capacidade de investimento”, disse.

O que é o Estado de Calamidade Financeira?

O termo “Estado de Calamidade Financeira” é definido por um decreto de 2010, editado pelo então presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O texto, que também define o “estado de emergência”, menos grave, descreve as características e pré-requisitos para esse tipo de medida.

O estado de calamidade pública pode ser decretado por prefeituras, Estados e União. Geralmente, ele é acionado em casos grandes desastres naturais, com diversas vítimas, como fortes chuvas, deslizamentos e incêndios. “Situação anormal, decretada em razão de desastre, que em razão da magnitude dos danos, requer auxílio direto e imediato do Estado ou da União para as ações de socorro e de recuperação”, define um documento do Ministério de Integração.

Entre os tipos de ajuda, estão o envio pela União de equipes da Força Nacional, a solicitação de cooperação de regiões vizinhas, além de recursos financeiros.

No caso, como a crise é financeira e administrativa – tudo vai depender dos argumentos utilizados no decreto a ser publicado por Tião Miranda. Seus interlocutores dizem que o documento já estaria pronto. Caso isso não seja possível, uma alternativa, que consta no decreto, é a de que os secretários municipais adotem “medidas excepcionais de racionalização de serviços públicos”, como corte de gastos. No limite, portanto, essa medida pode afetar a população.

Com a decretação de estado de calamidade pública, algumas barreiras e impeditivos legais para a concessão de novos socorros e empréstimos podem ser superadas, e até financiamentos de órgãos federais poderiam ser liberados. Além disso, recursos carimbados para determinadas áreas podem ser remanejados para outros compromissos. Outra ação comum a entes que decretam estado de calamidade são compras sem a obrigação de licitação.

Diplomação

Marabá: em diplomação, juiz adverte eleitos para não errarem como antecessores

"Tenho esperança que vocês farão diferente”, disse o magistrado Murilo Simão aos eleitos.

Por Ulisses Pompeu – de Marabá

A cerimônia de diplomação de eleitos de Marabá e Bom Jesus do Tocantins, ocorrida na manhã desta quinta-feira, 15, lotou o auditório do Fórum Eleitoral de Marabá, em uma manhã em que alguns vereadores e prefeito (Tião Miranda) chegaram atrasados e molhados por causa da chuva.

A diplomação foi presidida pelo juiz da 100ª Zona Eleitoral, Murilo Simões Lemos, com a participação da promotora Josélia Leontina de Barros Lopes e do chefe de Cartório Marcus Ilha Tristão. Com um discurso “frio” no início do evento, o magistrado advertiu que aquela era uma cerimônia simples e não uma festa. Todavia, após a entrega dos diplomas, foi mais leve e até admitiu comemoração, mas não sem antes alertar os eleitos dos dois municípios para que foquem seu trabalho em prol da comunidade da região, que espera muito deles.

“Particularmente, acho difícil os senhores cumprirem tudo o que prometeram, com melhorias nos serviços de saúde, educação, saneamento básico, urbanismo, entre outras políticas públicas. O desafio é imenso, e as promessas de mudança vieram de vários outros candidatos antes de vocês, mas por diversos motivos os problemas continuam os mesmos. Apesar desse momento de profunda crise política que vivemos, do descrédito de várias instituições públicas, a população espera demais de vocês. Até agora, o que foi feito pouco atendeu à comunidade carente, abandonada e sem acesso aos serviços mais básicos. A esperança que é colocada na mão de vocês é grande. Exerçam esse cargo valorizando a comunidade e a oportunidade que receberam para fazer diferente. O estado de coisas, às vezes, impede de fazer o que é melhor pelos compromissos engendradas durante a campanha eleitoral. Mas, se pensarem na comunidade, não exerçam esse mandato visando benefícios próprios, enriquecimento”.

Por fim, o juiz Murilo Simão, pediu aos prefeitos e vereadores eleitos de Marabá e Bom Jesus do Tocantins: “honrem seus nomes, valorizem o cargo que ocuparão a partir de janeiro. Não cometam os mesmos erros, abusos e descompromissos dos antecessores que foram noticiados e até chancelados pela Justiça. Tenho esperança que vocês farão diferente”, disse o magistrado.

A promotora Josélia Leontina de Barros, bastante e sucinta em suas palavras, avisou ao prefeito eleito João Rocha, de Bom Jesus, e a Tião Miranda, de Marabá, assim como aos vereadores dos dois municípios, que o MP, quando age, o faz em nome da comunidade. “Vocês foram eleitos para servir ao povo. Exerçam o mandato para o povo sofrido e necessitado que precisa de vocês. Façam isso todos os dias que sentarem na cadeira para a qual foram escolhidos”.

Todos os 21 eleitos foram diplomados, apesar de quatro de Marabá terem suas contas desaprovadas pela Justiça Eleitoral e oito aprovados com ressalvas. A cerimônia de posse está marcada para o dia 1º de janeiro, às 18 horas, no Plenário da Câmara Municipal de Marabá.

Eleições 2016

Em Parauapebas, diplomação dos candidatos eleitos é marcada pelo discurso contra a corrupção

Prefeito eleito Darci Lermen pretende ser o "regente de uma partitura construída junto com os vereadores "

O discurso contra a corrupção foi pesado durante a diplomação do prefeito, vice e vereadores eleitos para o próximo mandato em Parauapebas, realizada na manhã desta sexta-feira (09), no Fórum Eleitoral.

“Hoje é um dia emblemático e eu não o escolhi à toa para a diplomação, pois em nove de dezembro é comemorado o Dia Mundial Contra a Corrupção”, disse a juíza eleitoral Eline Salgado Vieira, responsável pelo evento. “Eu coloco nas mãos de vocês a responsabilidade por todos os anseios da população, e o papel de vocês é fiscalizar”, disse a juíza se direcionando aos vereadores. Já para o prefeito eleito, o recado da magistrada foi ainda mais contundente: “a tua função é deixar um legado para essa cidade. Você já tem a experiência de oito anos. Os 139 mil eleitores e os 300 mil habitantes de Parauapebas esperam que você faça um bom governo”.

A juíza Eline Salgado também destacou em sua fala a necessidade dos eleitos buscarem reforços de recursos para o município e cobrarem mais a presença do Estado.

O promotor Hélio Rubens, também presente na diplomação, fez um alerta para a nova realidade financeira enfrentada pela cidade. “A partir de agora é necessário arregaçar as mangas, cumprir o que foi prometido. Quando se tinha muitos recursos a necessidade de gestão era menor. Agora, com a redução das receitas, é necessário mais trabalho, planejamento e eficiência para fazer mais com menos”, orientou o representante do Ministério Público (MP).

Sobre corrupção, o promotor reforçou a necessidade de cada um atuar dentro do seu papel, para o qual foi eleito. “O Brasil está mudando e cobra uma elevação do padrão moral e ético de todos. Os vereadores têm um papel muito parecido com o do MP, que é de fiscalizar. Por isso não devem indicar seus parentes como, por exemplo, filho, para ser secretário. Como um pai vai fiscalizar o próprio filho? Isso não acontece de fato. Quem é o chefe do executivo é o prefeito. Ele é quem deve montar sua equipe, sem sofrer interferências do legislativo nesse aspecto”, acrescentou Hélio Rubens.

O prefeito diplomado, Darci Lermen (PMDB), disse que está empenhado em buscar melhorias para o município. “Já estamos indo atrás de novos recursos e vamos cobrar sim mais atuação do Estado em nossa cidade. Conto com o apoio dos vereadores para isso. Vamos começar nosso governo fazendo o feijão com arroz. Depois a gente incrementa. Com a experiência que tivemos, já disse, os secretários do meu governo não serão pequenos prefeitos. A partitura da música a gente constrói juntos, porém, eu não abro mão de ser o regente” destacou Darci Lermen.

“Eu espero que toda essa fala contra a corrupção não seja esquecida pelo tempo e que norteie nossas ações. O contexto da cidade agora exige essa coesão e muito planejamento para que se possa fazer o muito com pouco. Eu não acredito que Parauapebas está derrotada. Eu creio que estamos passando por dificuldade, mas sou otimista. Se não fosse assim eu não iria querer ser prefeito. Acredito que Parauapebas é a melhor cidade para se viver”, finalizou o prefeito eleito.

Vereadores diplomados

Dos 15 vereadores eleitos, 14 foram diplomados nesta sexta-feira. O vereador eleito Joel do Sindicato passou mal e foi liberado pela juíza para realizar o procedimento em outro momento.

A Câmara Municipal contará a partir de 2017 com edis que atuarão no legislativo pela primeira vez e ainda com outros que tiveram a oportunidade de atuar no mandato atual por um período, em função do afastamento de alguns vereadores, e com os veteranos.

Os neófitos são: Joel do Sindicato (DEM); Elias da Construforte (PSB); Luiz Castilho (PROS); Horário Martins (PSD); Francisca Ciza (DEM); Kelen Adriana (PTB) e José das Dores Couto (PMDB).

Já os eleitos que tiveram a oportunidade de atuar na legislatura atual foram: Joelma Leite (PSD), que substituiu José Arenes; Zacarias Marques (PSDB) que atuou no lugar do Devanir Martins; Marcelo Parceirinho (PSC), que entrou na vaga do Odilon Sanção e foi o único a finalizou o mandato. Todos os vereadores substituídos foram afastados em decorrência da Operação Filisteus.

Os veteranos são: João do Feijão (PV), que vai para a terceira legislatura; Ivanaldo Braz (PSDB), atual presidente da Câmara e que irá para o segundo mandato; Maridé Gomes (PSC), que está afastado no atual mandato por conta das investigações de envolvimento com o mensalinho da Câmara; Eliene Soares (PMDB) e Francisco do Amaral Pavão (PSDB), ambos vão para o segundo mandato.

Fotos: Chocolate

 

Marabá

Doze secretários de Tião Miranda já estão definidos

Conheça a lista extra-oficial dos secretários escolhidos pelo prefeito eleito de Marabá

Ulisses Pompeu – de Marabá

O Blog levantou junto ao grupo político do deputado estadual Tião Miranda, eleito prefeito de Marabá, a maior parte de seu secretariado. As principais secretarias já estão definidas, enquanto as demais o novo gestor ainda está alinhavando nomes para sua composição.

A primeira bomba relógio chamada Semed (Secretaria Municipal de Educação) será administrada pelo advogado e atual presidente da Cosanpa Luciano Dias, um fiel escudeiro de Tião e considerado uma pessoa serena, capaz de lidar com o emblemático PCCR (Plano de Cargos, Carreira e Remuneração) do Magistério, que contribuiu para deixar a secretaria ingovernável e ajudou a manchar a imagem da gestão de João Salame.

Para a Secretaria de Saúde, o nome cotado inicialmente – de Adailton de Sá – não vingou, porque o médico-fazendeiro simplesmente não quis assumir a pasta, outra bomba-relógio que o governo de Tião terá de desarmar. Depois, vários outros nomes foram ventilados, mas ninguém aceitou. Nesta quarta-feira, todavia, segundo dois interlocutores de Miranda, Dr. Adailton teria aceitado iniciar como secretário, mas em seguida passaria a pasta para o advogado Marcone Leite. Os dois são de extrema confiança do prefeito eleito.

Para a SDU (Superintendência de Desenvolvimento Urbano), Tião escalou o também advogado Mancipor Oliveira Lopes, que já ocupou o cargo de juiz no TRE-PA.

Fábio Moreira, da Construfox deve ir para a menina dos olhos de Tião Miranda: a Secretaria de Obras.

Múcio Eder Andalécio, que trabalhou na campanha de Tião, será o secretário municipal de Urbanismo.

Rubens Sampaio, que já exerceu o cargo de secretário de Agricultura na última gestão de Tião Miranda, estará de volta à função.

A Congem (Controladoria Geral do Município) seria ocupada pelo vice-prefeito Antônio Cunha, delegado licenciado da Polícia Federal e que vem pregando a realização de um governo transparente e intransigente com a corrupção. Todavia, no início da tarde desta quarta-feira chegou a informação de que ele deve abrir mão deste cargo, apenas indicando a Tião uma pessoa de sua confiança para o cargo. Assim, Toni ficaria mais livre para transitar por todas as secretarias.

Para a Secretaria Municipal de Administração o escolhido é um servidor de carreira que já ocupou essa função em outras duas administrações de Tião Miranda: José Nilton de Medeiros.

Karam El Hajjar, presidente do IPASEMAR (Instituto de Previdência Social dos Servidores de Marabá) desde as gestões anteriores de Tião Miranda, vai para a Seplan (Secretaria Municipal de Planejamento).

O nome mais cotado para assumir o Ipasemar, órgão que tem as digitais de Karam, é Silvania Ribeiro, possivelmente apontada pelo próprio Karam. Ela é servidora de carreira e atua, desde 2013, como diretora de Benefícios do Instituto Previdenciário.

O agente da Polícia Rodoviária Federal, Jair Barata, seria o nome indicado por Toni Cunha para a Secretaria de Segurança Institucional, que ainda não está definido se será mantida ou extinta. Mesmo assim, restariam para ele DMTU e Guarda Municipal.

As secretarias de Meio Ambiente, Cultura, Gestão Fazendária e Assistência Social ainda não estão definidas. Houve especulação de que Márcia Paz, esposa de Ítalo iria ocupar esse cargo, mas essa possibilidade foi deletada esta semana.

A Secretaria de Indústria, Comércio e Mineração, deverá ser ocupada por Ricardo Plugliese, ex-Sinobras, uma indicação de Ítalo Ipojucan, ex-vice de Tião e hoje quase-sogro de Toni Cunha.

No pacote do “adeus secretaria” entram Turismo, Esporte e Ações Comunitárias. Turismo e Esporte seriam transformadas em departamentos da Secretaria de Cultura. A aglutinação e extinção visam diminuir custos com aluguéis e salários.

Ao analisar a lista de secretários, é possível perceber que faltam ainda nomes tradicionais e que são aliados políticos de Tião Miranda. É o caso de Vanda Américo, Wilson Teixeira e Jedean Milhomem, por exemplo, que poderão ocupar cargos no segundo escalão.

TSE

Eleições 2016: campanhas para prefeito movimentaram mais de cinco milhões de reais na região de Carajás

As campanhas para os cargos de prefeito nas cidades do entorno de Carajás (Marabá, Parauapebas, Canaã dos Carajás, Curionópolis e Eldorado dos Carajás) movimentaram um total de R$5.857,863,40, conforme os dados divulgados pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). A maior parte dos valores foi empregada em propaganda e realização de comícios.

Entre as cidades, Parauapebas foi a que teve o maior volume de movimentação financeira no que diz respeito às despesas contratadas durante a campanha. Somando-se os gastos dos cinco candidatos que pleitearam a vaga de prefeito no município, chega-se ao valor de R$3.492.993,05, o que representa 60% do total gasto na região com campanha para o cargo de chefe do executivo. A diferença é muito grande para o município que ficou em segundo lugar no ranking, Marabá, onde os quatro candidatos gastaram R$897.416,63.

Mas, quando se leva em consideração as despesas das campanhas dos candidatos versus o número de eleitores, o município de Curionópolis se destaca. Por lá, a soma de tudo o que os candidatos gastaram foi de R$ 606.543,02. Esse valor, dividido pelos 16.221 eleitores que o município tem, resulta em um custo médio por cada voto de R$ 37,39.

Fazendo esse mesmo cálculo com os números dos municípios da região, chega-se aos seguintes resultados para custo médio de cada voto: R$ 23,35 em Parauapebas; R$16,69 em Eldorado dos Carajás; R$ 13,25 em Canaã dos Carajás; R$5,64 em Marabá.

Números de Parauapebas

Valmir Mariano, do PSD, foi o candidato à prefeito com maior custo de campanha, foram R$ 1.360.441,55 gastos, e o principal financiador foi ele próprio, que investiu R$ 908.750,00. Darci Lermen, do PMDB, candidato eleito, gastou R$ 1.115.947,41, seu principal financiador de campanha foi Rafael Saldanha de Camargos. Ele, ao lado de outras duas pessoas que também tem o sobrenome Saldanha, investiram R$ 692.500,00.

O candidato que ficou em terceiro lugar nas urnas, Marcelo Catalão, do DEM, gastou R$800.276,54, seguido por Dr. Hipólito, do PRTB, que declarou uma despesa de R$206.327,55 em sua campanha e Chico das Cortinas, do PPS, que declarou ter gasto apenas R$10.000,00.

Justiça

Presidente do Tribunal de Justiça do Pará mantém decisão do juiz local e João Salame continua afastado do cargo de prefeito de Marabá

O Desembargador Constantino Augusto Guerreiro, presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Pará, em decisão publicada hoje (24) negou a suspensão da liminar que afastou o prefeito de Marabá, João Salame Neto (foto) do cargo. Na mesma decisão, o Desembargador manteve a decisão lavrada pelo juízo da 3ª Vara Cível e Empresarial da Comarca de Marabá nos autos da Ação Civil Pública de Improbidade Administrativa que tornou indisponíveis os bens do prefeito João Salame.

João Salame Neto foi afastado do cargo por 180 dias em maio de 2016 por decisão do juiz César Leandro Pinto Machado. Segundo a Justiça, ele deve alguns milhões para o Instituto de Previdência Social dos Servidores Públicos de Marabá.

Clique aqui e leia o inteiro teor da decisão proferida pelo Desembargador Constantino Guerreiro.

 

Brasil

Em Parauapebas, prefeito empossa professores para as áreas de Pedagogia, Ciências e Educação Física

O prefeito Valmir Mariano empossou, na manhã desta sexta-feira (9), 93 novos servidores aprovados no último concurso para professor do município, realizado em abril de 2014. Educadores das áreas de Pedagogia, Educação Física e Ciências receberam o Termo de Posse das mãos do gestor de Parauapebas e outras autoridades.

Na cerimônia, que aconteceu no auditório do Centro Administrativo, a secretária de Educação, Juliana de Souza, fez questão de dar boas vindas aos novos profissionais e ressaltou o comprometimento da atual gestão com a melhoria contínua da qualidade de ensino/aprendizagem. “Crescemos muito, mas temos o compromisso de aumentar o IDEB [Índice de Desenvolvimento da Educação Básica] em 30% até o ano de 2017”, afirmou.

Mais de 5 mil candidatos se inscreveram no concurso para as áreas de Pedagogia, Língua Portuguesa, Matemática, Educação Física, Ciências, História, Geografia, Artes, Religião e Inglês. Desde setembro do ano passado, a Prefeitura vem convocando os aprovados para tomarem posse de seus cargos. Este foi o terceiro grupo a ser chamado.

Um desses aprovados é Vanderley Lima da Silva, professor de Educação Física, que já mora há dois anos no município, mas que sempre trabalhou em academias em Belém e Parauapebas. Ele elogiou a organização do concurso e da recepção por parte da Prefeitura. “Ficamos um pouco ansiosos para sermos chamados, mas tudo foi muito organizado e sempre fomos bem atendidos aqui por parte da equipe da CTRH [Coordenadoria de Treinamentos e Recursos Humanos]”, garantiu.

“O processo seletivo usou critérios muito rígidos, mas acredito que isso acabará refletindo na qualidade do ensino”, essa foi a avaliação da pedagoga Irlen Sousa, que já fazia parte do quadro de funcionários da Secretaria de Educação, mas que agora passa a ser servidora efetiva. Feliz com a aprovação, ela conta que veio da capital paraense há quatro anos, mas já se considera cidadã parauapebense.

Em seu discurso, Valmir Mariano parabenizou os aprovados e afirmou que “educação é a mola que impulsiona o desenvolvimento de um país”. Ele declarou que o “governo municipal tem investido nas estruturas das escolas, nos alunos e educadores”. Tudo isso para que o município seja referência nacional em educação de qualidade.