Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Política e religião

A um ano da eleição, todos os caminhos levam a Belém

Nesta semana, a capital do Pará transformou-se em cenário de peregrinações: uma com milhares de católicos durante a passagem de Nossa Senhora do Nazaré, e outra, de políticos em busca de mais popularidade.

Nesta semana, a capital do Pará transformou-se em cenário de peregrinações: uma com milhares de católicos durante a passagem de Nossa Senhora de Nazaré, e outra, de políticos em busca de mais popularidade. Não fosse pela primeira romaria, a segunda provavelmente não aconteceria.

O Círio de Nazaré é um dos maiores eventos religiosos do mundo – estimativas oficiais falam em 2 milhões de devotos nas ruas de Belém. Por sua vez, os políticos querem surfar nessa onda, mostrar agendas positivas, tirar selfies com populares e aproveitar que a atenção dos católicos está voltada para a cidade.

Apareceram três nomes: o presidente Michel Temer (PMDB), o prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), e o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC) – os dois últimos são pré-candidatos à Presidência da República. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva também cogitou uma visita, mas acabou desistindo.

Temer foi o primeiro a pisar na capital e deu um agrado aos devotos de Nossa Senhora de Nazaré, padroeira do Estado. Em evento no centro de Belém, o peemedebista anunciou a doação de um terreno da União à Igreja Católica. A área, de cerca de 10 mil m², pertencia ao Exército e era um antigo pleito da arquidiocese paraense – que foi dona do imóvel até 1849.

Desde 2010, congressistas do Pará criam emendas parlamentares para beneficiar a troca de dono do terreno. Segundo Dom Alberto Taveira Corrêa, arcebispo de Belém, o dinheiro era entregue diretamente para o Exército, sem participação da Igreja – foram R$ 43 milhões. Faltava ainda a assinatura do presidente.

Temer classificou a cessão do terreno como “um ato religioso, e não administrativo”. Ressaltou também a rapidez com que o processo foi resolvido: foram sete dias para que todas as questões burocráticas – há anos paradas nos escaninhos do Planalto – fossem resolvidas e ele pudesse anunciar a doação às vésperas do Círio.

“Vejam, esse ato foi consolidado em sete dias desde que caiu na minha mão. Nosso governo é um governo rápido. Toda vez que você pratica um ato dessa natureza, você está fazendo uma religação espiritual”, disse Temer, em evento ocupado por líderes religiosos e políticos locais, como Jader Barbalho, ex-governador do Pará, e seu filho Helder, hoje ministro da Integração Nacional.

A agenda positiva, em semana de Círio, buscava melhorar a imagem do presidente na região Norte. Pesquisa Datafolha de setembro apontou que 93% dos moradores da área avaliam o governo Temer como regular, ruim ou péssimo. Apenas 4% acham a gestão boa ou ótima.

Críticas da Igreja

Também foi um agrado à Igreja Católica, que vem reiteradamente criticando Temer por meio da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). Em agosto, por exemplo, a Igreja repudiou o decreto presidencial que liberou a Reserva Nacional de Cobre e seus Associados (Renca), no Pará. Disse que ação “cedia aos grandes empresários da mineração” e que não houve consulta aos povos indígenas.

Nesta sexta, a CNBB se voltou novamente contra Temer e divulgou relatório com críticas à forma como seu governo vem tratando a violência contra indígenas. “No governo de Michel Temer”, diz o relatório, “há um processo em curso de ofensiva, articulado com a bancada ruralista do Congresso Nacional, que busca retirar direitos já conquistados (por povos indígenas) na Constituição de 1988”.

Essa foi apenas a segunda visita de Temer a um Estado da região Norte desde que assumiu o governo, em 12 de maio do ano passado, quando herdou o cargo de Dilma Rousseff (PT), destituída por impeachment. Ele não respondeu a perguntas da imprensa.

Para Edir Veiga, doutor em ciências políticas e professor da Universidade Federal do Pará, o aceno de Temer à Igreja, na semana do Círio de Nazaré, “quis mostrar uma agenda positiva, alegrar a Igreja nesse momento de homenagem a padroeira do Estado. É uma aposta que faz para tentar melhorar sua popularidade, que pode ter um salto caso a economia volte a crescer”.

Já Hilton Cesario Fernandes, cientista político e professor da Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo, acredita que a doação tenha mais efeito de consolidar alianças locais do que melhorar a imagem de Temer na região. “Ele só quer sobreviver politicamente e precisa se segurar para não perder poder depois do mandato. Ele precisa fortalecer essas lideranças locais. É um movimento que vai se repetir, para que depois do mandato ele não fique abandonado. A popularidade não dá mais para recuperar”.

Bolsonaro corre sozinho

Outro que buscou a multidão de Belém nesta semana foi o deputado Jair Bolsonaro, pré-candidato da direita conservadora.

No aeroporto, ele foi recebido por milhares de pessoas, como um “popstar”. Em suas falas, Bolsonaro voltou a temas recorrentes em seus discursos: pediu a prisão de Lula, prometeu o fim restrição ao porte de armas no país, fez elogios à ditadura e críticas à imprensa. Evangélico, o parlamentar falou que, caso eleito, vai respeitar todas as religiões e que admira “essa festa tão bonita que é o Círio de Nazaré”.

Pesquisa Datafolha divulgada nesta semana mostrou Bolsonaro na segunda posição em intenções de voto para presidente, com 16%. Lula vem em primeiro (36% ) e Marina Silva em terceiro (14%).

Bolsonaro não se encontrou com políticos importantes da região, como os da família Barbalho, o prefeito de Belém, Zenaldo Coutinho, ou o governador do Pará, Simão Jatene – ambos PSDB. O deputado foi recebido por seu colega Éder Mauro (PSD), ex-delegado no Pará, que foi quem bancou a visita.

O parlamentar conservador deu uma palestra na cidade – o evento acabou em confusão. Foram distribuídos 8 mil ingressos, mas o espaço só comportava mil pessoas. Do lado de fora, o público era formado principalmente por jovens e adolescentes.

Para o cientista político Edir Veiga, Bolsonaro tem grande potencial de votos entre os jovens da região Norte, “porque ele tem respostas simples para problemas complexos, como a violência. Ele acha que a melhor forma de combatê-la é matando bandido ou tornando o rito jurídico mais simples, por exemplo. A juventude alienada, que não discute politica de forma profunda, encontra nele um referencial, um super-herói”.

Já Hilton Cesario Fernandes acredita que Bolsonaro, quando viaja pelo país, está correndo praticamente sozinho nessa pré-campanha, por conta da indefinição de quais serão seus concorrentes em 2018. “Não se sabe se Lula será candidato (por conta de sua condenação por corrupção, ainda sem decisão da segunda instância). O PSDB não se definiu entre Geraldo Alckmin ou Doria. Marina Silva não está fazendo pré-campanha. Com isso, Bolsonaro está competindo sozinho e, onde ele vai, suas falas polêmicas repercutem”, diz o professor.

João Doria e os empresários

O prefeito de São Paulo, João Doria, desembarcou em Belém nesta sexta, sem a recepção calorosa de Bolsonaro. Foi recebido por empresários e ganhou o título de cidadão da capital paraense. Esse tipo de homenagem tem sido usado pelo tucano para justificar viagens país afora. Em São Paulo, há quem critique o método, dizendo que o político se ausenta da administração da cidade para compromissos não relacionados ao seu cargo de prefeito.

Doria afirma que não é “ainda” pré-candidato à Presidência. Um de seus concorrentes para ser o protagonista no PSDB é o governador Geraldo Alckmin, seu padrinho político. O prefeito defende que o nome da sigla na disputa seja escolhido por meio de prévias, no início de 2018.

Em evento com empresários, Doria fez suas tradicionais críticas ao PT e também elogios ao Pará e ao Círio de Nazaré. “Contem comigo para levantar a bandeira do Pará e do Brasil”, afirmou. Depois pediu para que os presentes cantassem o Hino Nacional e o hino do Estado. Neste sábado, o tucano participou do Círio de Nazaré em um barco da cantora Fafá de Belém, uma das maiores celebridades paraenses.

Para Hilton Cesario Fernandes, o tucano está “testando” sua imagem durante suas viagens. “Ele está tentando se colocar como uma alternativa, como um plano B caso Alckmin não seja candidato por algum motivo. O PT está fazendo a mesma coisa com o (ex-prefeito de São Paulo) Fernando Haddad”.

A visibilidade do Círio

Em 2014, a região Norte correspondeu a apenas 8% do total do colégio eleitoral brasileiro – 10,8 milhões de votos. O Sudeste ficou com a maior fatia e representou 44% (ou 62 milhões); e o Nordeste, 27% (38,3 milhões de votos).

Por conta dessa importância menor em número de votos, os postulantes à Presidência não devem priorizar a região em suas viagens de campanha. “Os candidatos costumam ir às grandes cidades dessa área, até por uma questão de logística e porque, para eles, não vale a pena chegar em cidades menores”, diz Cesario Fernandes.

Segundo ele, o Círio de Nazaré é um dos eventos que mais reúnem pessoas no país – daí sua relevância política. “É o momento de aproveitar a visibilidade do Círio, que é importante nacionalmente e localmente. A mídia está voltada para a cidade. É comum politico aparecer para tirar foto, que depois vai mostrar em propaganda, em vídeo na internet. É como aquela foto com o papa que político gosta de mostrar. Ele não tem contato efetivo nenhum com o papa nem com a cúpula católica, mas a foto representa que ele é importante”, diz o professor.

Por outro lado, o prefeito de Belém, Zenaldo Coutinho, afirmou que as presenças de Temer, Bolsonaro e Doria não têm relação com a religião. “Não dá para misturar o Círio de Nazaré com política, né? Eu não faço essa ligação. O que houve foi uma bela coincidência”, disse.

Polícia

Blog esclarece notícia sobre a morte do poeta e escritor Eduardo Castro

Primeira nota sobre o assassinato, dando conta de que ele foi liquidado a pauladas, estava correta.

Em respeito ao internauta-leitor, o blog esclarece acerca do noticiário do último domingo (26), sobre a morte do poeta e escritor Eduardo Castro, divulgada em primeira mão aqui neste espaço, dando conta de que ele havia sido assassinado a pauladas na noite de sábado (25), horas antes de um de seus filhos, Marlon Lima, ter sido eliminado a tiros.

Pois bem, minutos depois, após contato com fonte da polícia, porém de caráter não oficial, noticiamos que o escritor havia sido executado a tiros. Ao mesmo tempo, outro blog, cujo responsável entrara em contato com o delegado do caso, confirmou a versão. Baseados nessas duas informações, mantivemos a última nota.

Ontem (27), porém o Instituto Médico Legal “Renato Chaves” confirmou a primeira informação colhida e divulgada por este blog: Eduardo Castro foi assassinado a pauladas e seu filho morto à bala em suposto confronto com policiais militares.

Também, ao contrário do que se especulou em Marabá, a Polícia Civil não tem provas palpáveis de que Marlon tenha matado o pai antes de morrer baleado.

O corpo de Eduardo Castro foi sepultado ontem no Cemitério da Saudade, no Núcleo Nova Marabá, sob clima de muita tristeza e emoção dos amigos, familiares e classe artística local. O filho, Marlon também foi enterrado na mesma hora.

A Academia de Letras do Sul e Sudeste Paraense, da qual Castro foi presidente por duas vezes e atualmente ocupava a vice-presidência emitiu a nota abaixo

Alberto Fabrini é o novo Presidente do Conselho da Associação Brasileira de Alumínio

Milton Rego permanece como Presidente Executivo.

DSC_2148O Conselho Diretor da Associação Brasileira do Alumínio elegeu, por unanimidade, nesta segunda-feira 23 de novembro, Alberto Fabrini Junior, da Norsk Hydro, como seu Presidente para o biênio 2015/2017.

Para conduzir as decisões do novo Conselho, eleito em Assembleia Geral Ordinária no último dia 16 de novembro, o Presidente contará com a colaboração do 1º Vice-Presidente Mario Fernandez, da Recicla BR. Milton Rego permanece como Presidente Executivo.

Fabrini agradeceu a confiança e ressaltou a importância da participação da Hydro, pela primeira vez na presidência do Conselho da ABAL, bem como a rotatividade entre as associadas da entidade no cargo, para contribuir com os desafios da indústria do alumínio no Brasil. “Como presidente do Conselho, trabalharei para que a associação atinja seus objetivos prioritários, que são promover o desenvolvimento e a competitividade da indústria brasileira de alumínio, englobando com isso a manutenção de empregos, a geração de riquezas e defendendo a produção nacional frente aos produtos importados, entre outras ações. É uma indústria que precisa ter a sua relevância cada vez mais reconhecida para o país“, frisou.

De acordo com Milton Rego, as mudanças que foram realizadas na Associação no último mandato, com novo estatuto e governança mais participativa, abrem caminho para uma entidade mais dinâmica, capaz de responder com maior eficiência aos desafios de toda a cadeia. “A escolha do Conselho pela Norsk Hydro e pelo Grupo Recicla BR, empresas representativas de toda a cadeia do alumínio e que têm uma história recente de grandes investimentos, reforça esse posicionamento“, comenta.
Formação

Alberto Fabrini Junior é Vice-presidente executivo da Área de Negócios Bauxita & Alumina, responsável pelas operações da Hydro no Brasil e membro do Board Corporativo da companhia desde junho de 2014.

Anteriormente, Fabrini foi Diretor de Operações da área de Bauxita & Alumina, também na Hydro. Durante o ano de 2013, foi o Presidente da Albras, fábrica de alumínio primário, joint venture entre a Hydro e a NAAC- Nippon Amazon Aluminium Co. Ltd.

Fabrini conta com mais de 30 anos de experiência na indústria do alumínio, tendo sido CEO da fábrica da Hydro em Kurri Kurri, na Austrália e Diretor Geral das operações de bauxita e alumina da Jamalco, joint venture entre Alcoa e o Governo da Jamaica, e da Alpart, joint venture entre Hydro e Rusal. Ele ocupou ainda várias outras posições na empresa Alcoa.

Alberto Fabrini Junior é bacharel em engenharia mecânica pela Universidade Mackenzie, em São Paulo, com cursos de especialização de gerenciamento ambiental na York University Canada e curso de gerenciamento global na Thunderbird School of Global Management (Canadá e Estados Unidos).

MAIS UM GOVERNADOR TUCANO SE OPÕE AO IMPEACHMENT

images-cms-image-000432432 (1) 

O governador do Pará, Simão Jatene (PSDB), reforçou a tese da cautela contra a afobação de parlamentares do seu partido pelo afastamento da presidente Dilma Rousseff. Ele segue a linha dos tucanos Geraldo Alckmin (SP) e Marconi Perillo (GO).

O Brasil vive um momento crítico, fruto de muita bobagem feita nos últimos tempos (pela gestão petista), mas não será num estalar de dedos que se vai conseguir superar tudo isso. E eu entendo a preocupação de FHC, que é a minha também. Num cenário com o atual, acho importante não imaginar que existe um remédio único, uma panaceia, isso pode terminar levando a uma frustração posterior e a mais complicações.

Segundo ele, “um partido de oposição não poderia deflagrar este processo, chamariam de golpe.”

Jatene afirma que um dos problemas mais graves que o País enfrenta hoje é a perda de representatividade geral dos partidos. E ressalta ainda que a aliança nacional entre o PT e PMDB é insuficiente para garantir a governabilidade do País. “Ela (aliança) não é insuficiente no quesito numérico no Congresso, mas insuficiente no sentido de representar a sociedade, no sentido de ter a confiança da Nação, essa é a coisa mais séria.

Fonte : Brasil247

Novo presidente do TRE-PA toma posse hoje

Neste dia 28 de janeiro, os Desembargadores Raimundo Holanda Reis e Célia Regina de Lima Pinheiro estarão assumindo, respectivamente a presidência e vice-presidência do Tribunal Regional Eleitoral do Pará. A cerimônia será realizada no salão plenário do TRE, a Rua João Diogo, 288, na Cidade Velha, com início marcado para às 18 horas. A cerimônia será presidida pelo Desembargador Leonardo Tavares, que deixa a presidência da corte eleitoral, após o término de seu mandato.

Perfil do Desembargador Raimundo Holanda Reis

Desembargador Raimundo HolandaO Desembargador RAIMUNDO HOLANDA REIS, atual Corregedor Regional Eleitoral e Vice-Presidente do Tribunal Regional Eleitoral do Pará, é filho dos Senhores Arnaldo Lopes Reis e Edite Holanda Reis, nasceu no dia 16/09/1946, no Município de Belém, neste Estado do Pará.

É casado com a Senhora Alcélia Alves Reis. Os filhos do casal são: Adriana do Socorro Alves Reis, Dirceu Daniel Alves Reis e George Elias Alves Reis.

Graduou-se em Direito pela Universidade Federal do Pará – UFPA, em 07/1976. Participou como Advogado do Projeto Fundiário de Paragominas, no Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA, até o ano de 1980, bem como atuou em Escritório de Advocacia, no período de 1980 a 1982. Iniciou suas atividades como Juiz de Direito no Tribunal de Justiça do Estado do Pará, em 08/10/1982. No período de 21/10/1982 a 29/03/1993 atuou como Juiz de Direito da 4ª Vara Penal da Comarca de Santarém. No período de 1990 a 1991 atuou como Juiz de Direito da 2ª Vara Penal no Fórum Distrital de Icoaraci. No período de 29/03/1993 a 04/11/1993 atuou como Juiz de Direito da 1ª Vara Penal no Fórum Distrital de Icoaraci. No período de 04/11/1993 a 14/11/2003 atuou como Juiz de Direito da 10ª Vara Penal da Capital. Atuou como Juiz Eleitoral de primeiro grau em diversas Zonas:

  • De 20/06 a 03/08/1983, de 01/07 a 31/08/1984; de 01/03 a 26/04/1985, de 01/12/1986 a 14/01/1987 e de 01 a 31/07/1988, na 20ª ZE – Santarém;
  • De 23/08 a 18/09/1983 e de 01 a 30/07/1988, na 21ª ZE – Alenquer;
  • De 20/01 a 20/03/1985, na 22ª ZE (Óbidos) e na 38ª ZE (Oriximiná);
  • De 13/12/1986 a 31/12/1988, na 19ª ZE – Monte Alegre;
  • De 01 a 31/07/1990 e de 02 a 31/01/1992, na 28ª ZE – Belém;
  • De 01 a 31/01/1991 e de 01 a 31/07/1991, na 29ª ZE – Belém;
  • De 03 a 07/10/1998 e de 24 a 27/10/1998, na 37ª ZE – Moju;
  • De 01/03/2002 a 16/11/2003, foi Juiz Eleitoral da 76ª Zona Eleitoral, Comarca da Capital, assumindo a Diretoria do Fórum da Justiça Eleitoral da Capital.

Em 13/02/2003 foi designado para exercer as funções de Juiz Corregedor de Justiça da Corregedoria da Região Metropolitana de Belém, época em que presidiu a 1ª Turma Recursal dos Juizados Especiais da Capital. Em 14/11/2003, pelo critério de “merecimento” foi promovido ao cargo de Desembargador do Tribunal de Justiça do Estado do Pará, sendo lotado na 1ª Câmara Cível Isolada. Em 11 de agosto de 2005 recebeu do Tribunal de Justiça do Estado do Pará, a Ordem do Mérito Judiciário Grã-Cruz. No período de 2007/2008 foi Membro do Conselho da Magistratura. Passou a integrar a Corte do Tribunal Regional Eleitoral como Membro Substituto, na Classe de Desembargadores, em 31/03/2009 pra o exercício de seu primeiro biênio, 2009/2011. Respondeu pela Vice-Presidência do Tribunal de Justiça do Estado do Pará e pela Escola Superior de Magistratura, em exercício. Em 28/01/2013 tomou posse como Corregedor Regional Eleitoral e Vice-Presidente do Tribunal Regional Eleitoral do Pará. Atualmente é membro da 3ª Câmara Criminal Isolada, integrando ainda as Câmaras Criminais reunidas.

Perfil da  Desembargadora  Célia Regina de Lima Pinheiro

Celia Regina de Lima PinheiroDesembargadora CÉLIA REGINA DE LIMA PINHEIRO

Nascida no Pará,  24 de abril de1963, filha de Jorge Dias Pinheiro e Maria Celeste de Lima Pinheiro. Viúva do Desembargador Humberto de Castro.

Histórico: Ingressou no Poder Judiciário do Estado do Pará em 08 de novembro de 1991, após aprovação em concurso público de provas e títulos, a qual fora nomeada para exercer o cargo de Juiz substituto, por ato judicial e lotada na 9ª Região Judiciária, com sede na Comarca de São Miguel do Guamá. Atuou nas Comarcas de São Miguel do Guamá, Afuá e, depois promovida para 1ª Vara de Santarém (2ª Entrância). Também, promovida, pelo critério de merecimento, de 2ª Entrância para Comarca da Capital, em 21 de agosto de 1996, como Juíza Não Titular de Vara. Auxiliou na 14ª, 15ª e 21ª Varas Cíveis. Em 14 de agosto de 1998, fora titularizada na Vara Distrital do Mosqueiro. Após, assumiu como titular na 8ª Vara Cível da Comarca da Capital. Exerceu a função de Juíza da 2ª Turma Recursal dos Juizados Especiais. Cumpriu o seu mister como Juíza Corregedora das Comarcas do Interior, no biênio 2003 e 2004. Exerceu a função de Juíza Auxiliar da Presidência de 03 de fevereiro de 2005 a 28 de novembro de 2006. Ascendeu ao Desembargo, em 28 de novembro de 2006, pelo critério de merecimento, como membro integrante do Tribunal Pleno, Câmaras Cíveis Reunidas e 2ª Câmara Cível Isolada. Exerceu o cargo de Coordenadora Geral dos Juizados Especiais no Estado do Pará, no período de 01 de fevereiro de 2007 a 01 de fevereiro de 2011. Participou de diversas Comissões: Comissão Estadual Judiciária de Adoção Internacional – CEJAI; Comissão de Organização Judiciária, Regimento e Assuntos Administrativos e Legislativos; Comissão para Acompanhamentos dos processos ligados a direitos humanos junto as cortes internacionais e Comissão de Acompanhamento dos processos de ascensão e promoção por merecimento deste Tribunal de Justiça. Em 23 de março de 2011 fora eleita pelo Egrégio Tribunal Pleno membro substituto do Tribunal Regional Eleitoral, exercendo suas atividades em ambas as Cortes. Atualmente preside a 2ª Câmara Cível Isolada do Tribunal de Justiça do Estado do Pará.

Prefeito de Xinguara deverá ser apresentado como candidato a presidente da AMAT

O governador Simão Jatene entregou nesta sexta-feira (15), em Xinguara, no sul do Pará, a pavimentação das principais ruas que interligam oito bairros da sede municipal à Rodovia BR-155, via de entrada e saída da cidade. As obras somam 25 quilômetros de asfalto em TST (Tratamento Superficial Triplo), uma espécie de “asfalto frio”, e CBUQ (Concreto Betuminoso Usinado a Quente), e ainda se estendem aos distritos de Rio Vermelho e São José do Araguaia.

Na foto, o governador Simão Jatene e o prefeito de Xinguara, Osvaldinho Assunção.

FOTO: ELISEU DIAS/ AG. PARÁ
DATA: 14.11.14
XINGUARA-PARÁCom base na sua amizade e respeito junto ao governador Simão Jatene, o prefeito Osvaldinho Assunção de Xinguara, poderá ser apresentado aos demais prefeitos da região como o candidato à presidência da Associação dos Municípios do Araguaia e Tocantins AMAT. A eleição será no próximo mês.

A postura centrada do prefeito de Xinguara e a localização polo estratégica de seu município, – vista como facilidade na gestão da entidade –, são fatores que ajudaram a fluir sua candidatura nos bastidores do governo do estado e até mesmo entre os prefeitos.

Osvaldinho Assunção deverá chegar à disputa da entidade no momento que a mesma precisa de uma transformação e maior união em busca de resultados para os municípios dos sul e sudeste paraense.

Com sua ótima relação junto ao governo estadual e com a penetração positiva no governo federal, facilitada pelos deputados federais que o apoiam, o prefeito de Xinguara surge como uma grande força para chegar à frente da entidade.

Para alguns gestores, Osvaldinho é considerado como instrumento de apoio para aproximar demais prefeitos da região, ao governador Jatene.

Foto: Eliseu Dias/Agência Pará

Brasil

Carta para o futuro sobre o ano de 2014

Olá, seres humanos e espécies inteligentes vivendo em 2438. Meu nome é Guy Franco, escrevo do ano de 2014, de um lugar que um dia se chamou Brasil e que vocês provavelmente conhecem como Lula III. Como estão? Já dividiram o Pará em Carajás, Tapajós e Regina Casé?

Imagino que os adoráveis habitantes de Lula III já nem lembram o que aconteceu em 2014. Compreendo perfeitamente.

Nós estamos esperando, há anos, pelo iminente golpe comunista. O que nem eu nem George Orwell imaginava é que no mundo poderia surgir esquema muito pior: pau de selfie, pipoca gourmet, MC Pedrinho.

2014 foi o ano da Copa do Mundo no país, o evento que desencadeou nas crises dos elefantes brancos. Ano em que Dilma Rousseff, a primeira presidenta cosplay, foi reeleita.

A algazarra com dinheiro público veio à tona e resultou em estigma triste sobre o país, afastando investimentos e criando rótulos os mais injustos ao pobre do cidadão honesto.

A malvada Graça Foster, que parece vir de Eternia, e por isso boa capa de jornal, surgiu como vilã. Nestor Cerveró, uma mistura de vilão da Pixar com antagonista de Space Ghost, lembra personagem de Hanna-Barbera dos anos 80. Aldo Rebelo, para quem o processo de evolução a partir do macaco ainda não chegou, é anunciado como ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação. Em terra de tantos vilões, vale chamar Gabriel Medina de heroi.

Infelizmente, a grande promessa de civilização foi adiada mais uma vez. Em vez disso, entraram temas como marco civil da internet, cirurgia de redução do estômago, cirurgia de implantação de hidrogel, Tinder, ditadura do Photoshop, privilégio branco, volume morto, Petrolão, Itaquerão, juízes que se acham Deus e pudim de caneca.

O funk deixou o gueto. Hoje, não só os herdeiros de funcionários de Brasília podem fazer sucesso, qualquer moleque de 12 anos que sabe rimar piroca e buceta tem espaço também.
O ano de 2014 também foi marcado por questões. A questão gay, a questão lésbica, a questão trans, a questão Bruna Marquezine. Trocamos o português e a matemática por questões. Fazemos doutorados sobre questões.

Ano em que os pais saíram de férias. A mãe saiu de cena e deixou os filhos pequenos na mão de fiscais. Criamos leis que dizem “não” para as crianças no lugar dos pais, poupando o trabalho deles. Aqui, resolvemos os problemas assim, restringindo e regulando a vida privada.

Acabei de ver uma campanha contra assédio sexual no metrô. Aprendemos cidadania por cartazes (embora 40% dos alunos que terminam o ensino fundamental não consigam interpretar textos). O metrô faz o papel do pai; a educação que recebemos é transmitida via anúncio da próxima estação – “Trianon-Masp, não baixe a braguilha no trem”.

O transporte público é um inferno, o ônibus e o metrô são lotados. Nosso destino é ser encoxado.

Quando virá a educação? E o embargo no Brasil, quando acabará? Espero pacientemente, sentado na minha poltrona, pela chegada da civilização. Tenho fé, livros e games para aguentar mais três ou quatro séculos.

Fonte : Guy Franco

Brasil

Miguelito, do PP, presidirá a Câmara Municipal de Marabá no biênio 2015/2016

Vereador Miguelito - MarabáPor 13 votos a 8, o vereador Miguel Gomes Filho (foto), o “Miguelito”, que é o atual líder do governo João Salame na Câmara, foi eleito ontem (16) presidente da Câmara Municipal de Marabá para o biênio 2015/2016.

Miguelito, que é do Partido Progressista desde 2000, recebeu votos dos vereadores Alécio Stringari (PSB), Beto Miranda (PSDB), Edivaldo Santos  (PPS), Gerson do Badeco (PHS), Guido Mutran (PMDB), Irismar Sampaio (PR), Julia Rosa (PDT), Pedro Correa (PTB), Ronaldo da Yara (PTB), Toinha (PT), Ubirajara Nazareno (PROS), Vanda Américo (PSD).

O vereador Leodalto Marques (PROS), que bateu chapa com Miguelito, recebeu votos dos vereadores Adelmo de Lima (PTB), Cel. Araújo (PR), Irmã Nazaré (PSDB), João Iran (PPS ), Orlando Elias (PMDB), Pastor Eloi (PRB) e Sidney Ferreira (PSDB).

Miguelito foi eleito em 2012 com 2.310 votos, ou 2,07% dos votos válidos. Atualmente é presidente da Comissão de Administração, Serviços, Segurança Pública e Seg. Social da Câmara Municipal de Marabá. Além disso, é membro das seguintes Comissões:Trabalho, Indústria, Comércio, Agricultura e Economia; Justiça, Legislação e Redação; Desenvolvimento Urbano, Obras, Serv. Públicos e Transportes; e Finanças e Orçamento.

Vereador muito presente e participativo, Miguelito, 57 anos, está na sua sexta legislatura e só nessa foi autor de 240 Proposições na CMM, entre elas 15 Anteprojetos de Lei; 12 Projetos de Decreto Legislativo; 14 Projetos de Lei Ordinária; 3 Projetos de Resolução e 196 Requerimentos.

Essa será a quarta vez que Miguelito presidirá a Câmara Municipal de Marabá.

error: Conteúdo protegido contra cópia!