Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
polícia

Jacundá: Conhecido das redes sociais é preso após assalto

Trata-se do mesmo elemento que há meses atrás fez um vídeo se vangloriando de ser ladrão e desafiando a polícia

Hoje com 19 anos de idade, Lucas Alves de Sousa tornou-se conhecido na cidade após gravar e divulgar um vídeo caseiro com mais dois amigos desafiando a Polícia Militar de Jacundá. E na noite de quarta-feira, 21, ele protagonizou mais um desafio ao roubar um aparelho celular de uma mulher que transitava pela Rua Duque de Caxias. Acabou preso pelos desafiantes.

“Policiais, olha aqui pra vocês, toma um golinho”, dizia Lucas com os amigos no vídeo. Em outro vídeo, publicado alguns dias depois, ele aparece pedindo perdão pelo ato. Mas na noite de quarta-feira, por volta de 19h20, Lucas demonstrou está enfiado no submundo do crime e praticou mais um delito. “De posse de uma arma caseira rendeu uma senhora em via pública e anunciou o assalto, onde subtraiu o aparelho celular, e ainda com requintes de crueldade lhe desferiu um golpe na cabeça da vítima”, explicou o capitão Rogério Pereira, comandante da 18º CIPM.

“Trata-se do mesmo elemento que há meses atrás fez um vídeo se vangloriando de ser ladrão e desafiando a polícia, posteriormente foi preso e pediu desculpas dizendo que nunca mais iria roubar, porém voltou ao crime e mais uma vez perdeu pra polícia”.

A vítima, uma mulher de 49 anos, Celândia Maria de Sousa Santos, residente na Rua Duque de Caxias, teve o aparelho celular roubado por Lucas em companhia de um comparsa, que ainda aplicaram uma coronhada com cabo da arma. Ferida, a mulher jogou uma cadeira na dupla. Os dois caíram e abandonaram a moto, e Lucas correu para um terreno baldio e pulou vários muros das residências próximas.

Com informações de onde Lucas poderia estar escondido, os policiais fizeram cerco na área. Os policias militares cabos Carvalho, Costa, Brito e soldado Breno, que com as informações repassadas pela vizinhança ao cabo Orlando conseguiram localizar Lucas dentro de um banheiro. Acusado, objetos e motocicleta em que o meliante estava no ato do roubo foram apresentados na Depol. Quando sai o próximo vídeo?

polícial

Parauapebas: Mecânico executado à luz do dia com cinco tiros no Bairro dos Mineiros

Kennedy Sena da Silva tinha passagem pela polícia acusado pelo crime de receptação

Mais uma execução à luz do dia acontece em Parauapebas. Desta vez a vítima foi o mecânico de motos Kennedy Doracy Sena da Silva, 29 anos, foi executado com cinco tiros quando trabalhava em sua oficina, na Avenida 1, divisa dos bairros Dos Mineiros e Cidade Jardim. Ele foi executado por volta das 17h30 de ontem, sexta-feira (16), por um desconhecido que estava em uma moto Honda Bros, preta, pilotada pelo comparsa. A Polícia Civil investiga para tentar localizar os matadores e descobrir o que motivou o assassinato. O que se sabe, por enquanto, é que Kennedy tinha passagem pela polícia acusado de receptação.

De acordo com o sargento Gilson, da Polícia Militar, a guarnição comandada por ele realizava patrulhamento na área quando foi informada pelo Centro de Controle Operacional de um tiroteio que estaria ocorrendo em uma oficina de moto no Bairro dos Mineiros.

Ao averiguar as informações a guarnição se deparou com o corpo do mecânico já sem vida na área aberta da oficina. Segundo informações colhidas no local, dois indivíduos chegaram em uma moto, o passageiro desceu, caminhou em direção a Kennedy, sem dizer nada, disparou contra ele. Após a execução, ambos fugiram.

Os tiros, segundo o policial militar, provavelmente foram disparados de revólver calibre 38. A maioria atingiu a cabeça do mecânico, causando a morte instantânea.

(Caetano Silva)
CPI

Prédio da Câmara Municipal de Tucuruí é alvo de atentado

Oito tiros foram disparados contra as janelas do plenário, na tentativa de intimidar os vereadores que devem aprovar CPI contra o prefeito afastado Artur Brito

As polícias Civil e Militar de Tucuruí estão investigando quem são os autores do ataque ao prédio da Câmara Municipal ocorrido nesta madrugada, por volta das 4h30. Oito tiros foram disparados contra as janelas do plenário onde acontecerá a votação que decidirá, hoje, às 10h, se a CPI que poderá cassar o prefeito Artur de Jesus Brito (PV), que está afastado do cargo por determinação da justiça, será criada ou não.

O presidente interino da Câmara Municipal, Rony Santos (PSC) disse ao Blog que está claro que é uma tentativa de intimidar os vereadores e adiar a sessão extraordinária. O presidente informou que todas as medidas de segurança já foram tomadas para garantir a segurança dos parlamentares e da população, que se aglomera em frente ao prédio do legislativo desde as 6h30 desta sexta-feira (24).

Santos disse que apenas o vigia estava no local, mas não chegou a ver o incidente, que aconteceu no local oposto de onde ele estava no momento. “Estamos temerosos em tudo o que está acontecendo e ficamos preocupados com a integridade física de todos. A situação está complicada, mas confiamos que as autoridades policiais farão a segurança dentro e fora do prédio”, observou o legislador, que foi enfático em afirmar que, apesar das ameaças, a sessão extraordinária vai acontecer às 10h. Ele explicou que os vereadores não vão cassar o prefeito hoje, desmentindo informações que estão sendo divulgadas na cidade, principalmente em aplicativos de mensagens.

Rony Santos explicou que hoje (24) acontece a votação para a abertura ou não do processo que poderá cassar o mandato do prefeito afastado. “A matéria será votada conforme o Regimento Interno e os suplentes já estão confirmados e inteirados sobre as denúncias. São cinco dias úteis para formação da Comissão, mais cinco dias para a análises e investigações. Daí, segue mais 10 dias para a defesa ampla do prefeito. Todo o processo pode durar até 90 dias, conforme o Regimento Interno. Portanto, seguindo a Lei, não vamos cassar o prefeito hoje, mas sim discutir se o processo que pode culminar  na cassação dele será aberto” , explica.

O pedido foi feito pelo vereador Weber Galvão (PMDB), irmão do ex-prefeito assassinado Jones William. O documento expõe indícios da existência de interesse de Artur na morte de seu antecessor, assassinado em julho deste ano enquanto vistoriava uma obra na estrada de acesso ao aeroporto.

A mãe do prefeito, Josineide Brito, está presa preventivamente por suspeita de envolvimento no assassinato do prefeito anterior. Mais três pessoas foram presas durante a operação que investiga a morte de Jones William.

Rony Santos (PSC), presidente interino da Câmara, disse que a população quer uma resposta da Casa de Leis, mas lembrou que é preciso cumprir o Regimento Interno, e por isso a decisão foi adiada para a esta sexta-feira. Ele explicou que foram convocados os suplentes dos vereadores Weber Galvão, o denunciante, e Lucas Brito, irmão do prefeito afastado Artur Brito e também citado na denúncia, já que os envolvidos não poderão votar.

Polícia

Polícia prende, em Goiás, suspeito de ter contratado e pago o pistoleiro que matou o prefeito de Tucuruí

Jones William, então prefeito de Tucuruí, foi morto a tiros em 25 de julho deste ano.

A Polícia Civil do Pará informou que foi preso ontem (15), no Assentamento Umuarama, na Zona Rural de São Miguel do Araguaia-GO, por agentes da Divisão de Homicídios, da Polícia Civil do Pará, o nacional identificado como Flávio Rodrigues Porto (foto), de 49 anos. Ele é apontado como intermediário da morte do prefeito de Tucuruí, Jones William. De acordo com o delegado-geral Rilmar Firmino, que acompanha de perto o inquérito, ele teria contratado e pago o pistoleiro que matou a tiros o prefeito em 25 de julho deste ano.

Flávio Rodrigues Porto é natural de Rondon do Pará e viveu grande parte de sua vida em São Miguel do Araguaia, informou a Polícia.

Segundo a Rádio Floresta, de Tucuruí, no dia 06 de setembro deste ano o fazendeiro José David de Lucas, conhecido na região como “Zé Davi”, de 76 anos, foi assassinado a tiros enquanto dirigia pela BR-422. Após a morte do fazendeiro, Flávio, que segundo informações trabalhava em uma fazenda de “Zé Davi”, teria desaparecido da região sudeste do Estado o que causou estranheza e levantou suspeitas sobre ele.

Agora, transcorridos mais de três meses da morte do prefeito, Flávio foi preso. Ele foi encaminhado à capital paraense para prestar depoimentos e deve chegar a tarde e segue direto para a Delegacia-Geral, onde o delegado-geral Rilmar Firmino e o diretor da Divisão de Homicídios, delegado André Costa devem falar com a imprensa às 17 horas sobre a prisão de mais um envolvido na morte do gestor municipal. Para a polícia, esse foi mais um passo importante para a elucidação do caso, que chocou a região sudeste do estado.

Em menos de dois anos, três prefeitos foram assassinados na região: Russo, de Goianésia do Pará, Diego Kolling, de Breu Branco e Jones William, de Tucuruí.

Para o delegado-geral Rilmar Firmino, as investigações avançaram muito nos últimos 20 dias e com isso, já se pode considerar, que o caso está mais de 80% elucidado.

Tucuruí

Caso Jones William: Em Tucuruí, vereador Weber Galvão vai pedir a cassação de Artur Brito (prefeito), e do vereador Lucas Brito

A mãe do atual prefeito foi presa por envolvimento na morte de Jones William no início da semana.

Em desabafo publicado em sua página pessoal no Facebook, cuja a capa é uma foto de Jones William com os dizeres “Eu quero Justiça”, o vereador Weber Galvão (PMDB), irmão do prefeito assassinado de Tucuruí disse que vai entrar com um processo de cassação dos mandados do prefeito Artur Brito (PV) e do vereador  Lucas Brito (PV), já que, a atitude da mãe dos políticos, Josy Brito, foi o que favoreceu a ascensão de Artur ao cargo. Para o vereador Weber Galvão, Artur Brito deveria renunciar imediatamente ao cargo, herdado às custas da morte do irmão por atitudes da mãe. Confira a nota:

Polícia

Servidor público municipal armado é preso por discutir com a esposa e disparar tiros em Parauapebas

Ele foi detido com uma arma 9 mm, de uso exclusivo das Forças Armadas e ainda será indiciado pela Lei Maria da Penha

O radiologista concursado da Prefeitura Municipal de Parauapebas lotado na Secretaria de Saúde, João Batista Silva do Nascimento foi preso nesta madrugada no Cidade Jardim depois de discutir e disparar dois tiros em sua residência. Segundo a Polícia Militar, uma vizinha acionou o policiamento depois de escutar os tiros na residência do servidor por volta das 2h50 desta quarta-feira (25). “Um dos disparos da arma do servidor foi em direção da esposa, que estava sentada na cama, e passou de raspão. O outro disparo foi na garagem”, relatou a PM, que efetuou a prisão de João Batista.

A esposa, Karine das Dores Silva disse à polícia que recebeu também alguns socos no estômago e teve o dedo da mão machucado, sendo agredida mesmo estando se recuperando de uma cirurgia. De acordo com o delegado José Aquino, “João Batista vai responder na justiça pela lei Maria da Penha, por ameaçar sua companheira, e pela Lei do Desarmamento, porte ilegal de arma, por disparar com uma arma 9 milímetros, que é de uso restrito das Forças Armadas. Este crime é inafiançável”, declarou. O delegado informou ainda que a arma estava com numeração raspada, o que pode agravar a situação do servidor.

O advogado de defesa do servidor público, Antônio Araújo, reforçou que a prisão não passa de um mal entendido. “Pela manhã ele chegou em casa, fez um disparo e só vai responder por porte ilegal de arma. Ele não tem antecedentes, é trabalhador, tem histórico social em Parauapebas positivo e nunca fez nada que pudessem duvidar da sua índole. Ele é um sujeito de boa índole. Estamos trabalhando para ele responder esse processo em liberdade”, defendeu o advogado.

A defesa também justificou que a arma será periciada pelo Instituto Médico Legal para se afirmar se a numeração estava realmente raspada.

Segundo o delegado José Aquino, o crime de porte de arma de uso exclusivo é inafiançável e João Batista será encaminhado à carceragem do bairro Rio Verde, em Parauapebas, onde aguardará a justiça.

Polícia

Homem preso em Parauapebas por roubo de cabo de cobre é foragido da cadeia de São Félix do Xingu

Acusado de homicídio em São Félix do Xingu, "tatu" tem facilidade em cavar túneis, informou o delegado.

Foi encaminhado nesta segunda-feira, dia 16, para a Cadeia Pública de Parauapebas, José Augusto Silva Santos, de 25 anos, mais conhecido como “Tatuado”. Ele foi preso pela polícia militar, no último sábado, quando furtava de dentro de uma empresa, os cabos revestidos de fios de cobre. A polícia descobriu que José Augusto é foragido da Cadeia Pública de São Félix de Xingu, onde é acusado de assassinato.

O delegado da polícia civil de Parauapebas, Fabrício Andrade, informou que o acusado é morador da cidade de Curionópolis, mas durante um trabalho no município de São Félix do Xingu, ele teria matado um homem. “Ele confessou o homicídio e justificou o crime dizendo que estava sendo ameaçado de morte. Mas, segundo as investigações, foi um acerto de contas por causa de drogas. Ele foi preso no dia 25 de junho deste ano, mas conseguiu fugir depois que fez um buraco na cela”, disse o delegado, que já foi alertado pela polícia de São Felix que José Augusto tem facilidade em cavar buraco para fugir da cadeia e por isso ficou conhecido por “Tatu”.

O acusado já foi pronunciado ao Tribunal de Júri e deve ser julgado pelo crime de homicídio. Mas, José Augusto vai permanecer em Parauapebas porque foi preso em flagrante, e só deve ser transferido para São Felix quando for requisitado pela justiça para comparecer às audiências públicas.

Violência

Polícia Civil vai interrogar preso acusado de matar o cabo PM Santarém em Parauapebas

O delegado Guilherme Macedo, da Divisão de Homicídios de Belém, responsável pelo inquérito, irá interrogar o suspeito.

A Polícia Civil do Pará vai interrogar, nesta semana, o preso Eduardo Araújo Barbosa, 20 anos, acusado de envolvimento no assassinato do cabo PM Raimundo Nonato Oliveira de Souza, que era conhecido como Santarém, e que foi morto após ser torturado em casa, em Parauapebas, no dia 11 de setembro passado.

Ele foi preso na madrugada de sexta-feira por policiais militares, após recebimento de informação sobre o endereço onde o acusado estava escondido no município. O preso tem mandado de prisão temporária requisitada pelo delegado Guilherme Macedo, da Divisão de Homicídios de Belém, responsável pelo inquérito.

Após passar por exame de corpo de delito, o preso foi recolhido na Unidade de Superintendência do Sistema Penitenciário em Parauapebas. O delegado vai seguir de Belém até Parauapebas para interrogar o preso dentro do inquérito do caso.