Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Marabá

Polícia Civil desencadeia Operação Themis em Marabá

O objetivo é prender 10 acusados de homicídio. A ação acontece em todo o Estado

A Polícia Civil do Pará desencadeou, na manhã desta sexta-feira (25), em todo o Estado, a Operação Themis, cujo objetivo é cumprir Mandados de Prisão de pessoas acusadas de homicídio. Em Marabá, estão sendo cumpridas 10 ordens. Até o final da manhã haviam sido presos Letícia de Souza Pinto, no Bairro São Félix; e Jackson Leandro Pereira da Silva, na Folha 35, Nova Marabá.

Segundo o delegado Vinícius Cardoso das Neves, diretor 21ª Seccional Urbana de Polícia Civil, em coletiva hoje mais cedo, as equipes estão nas ruas, em busca de cumprir todos os mandados.

Themis é a deusa da Justiça na mitologia grega, representada por uma mulher de olhos vendados, carregando uma espada na mão direita e uma balança na mão esquerda.

Assaltantes

Também foram presos, mas acusados de envolvimento em assalto a uma loja especializada em parafusos, crime, inclusive, gravado em vídeo de divulgado nas redes sociais, Rairison Alves Costa Benício, o “Niboa”, e a mulher dele Carla Ferreira Nascimento. O ataque ao estabelecimento ocorreu no último dia 16 e, de lá para cá a polícia estava no encalço dos assaltantes, capturados ontem, dia 24.

Segundo o delegado Vinícius, foi “Niboa” que forneceu a arma e a moto Honda XRE empregadas no assalto. No momento da prisão, ele estava com um revólver calibre 38, um dos celulares levados da loja, dinheiro e o capacete rosa que aparece no vídeo, para esconder a identidade de um dos assaltantes. Já a mulher carregava o outro celular roubado da loja de parafusos.

No dia do assalto, todo o dinheiro do caixa foi levado e os funcionários coagidos sob a mira do revólver dos assaltantes, um deles de boné. O Disque Denúncia, logo após a divulgação do vídeo, postou as imagens dos assaltantes

Polícia Federal

Polícia Federal deflagra Operação Entice em Marabá e Redenção

Estão sendo cumpridos 07 mandados judiciais, sendo um de Prisão Preventiva, um de Prisão Temporária e cinco de Busca e Apreensão, e ainda duas Decisões Judiciais de afastamento das funções públicas.

A Polícia Federal, com o apoio do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), deflagrou, na manhã de hoje (08), a Operação Entice (seduzir, em inglês) com o objetivo de desarticular uma quadrilha especializada em fraudar benefícios de Seguro Desemprego em Marabá e Redenção. Estão sendo cumpridos sete mandados judiciais, sendo um de Prisão Preventiva, um de Prisão Temporária e cinco de Busca e Apreensão; e duas Decisões Judiciais de afastamento das funções públicas. Os mandados de busca e apreensão estão sendo realizados nas residências dos investigados e no Sine da cidade de Marabá, onde trabalhavam os servidores cooptados.

As investigações iniciaram-se a partir de um grande número de fraudes denunciadas por trabalhadores na Delegacia de Polícia Federal de Marabá. A fraude investigada consistia em aliciar servidores do Sistema Nacional de Emprego (Sine), a fim de que esses, através de seus usuários, acessem e/ou permitam o acesso de terceiros, de forma remota, aos sistemas de concessão do benefício do MTE.

Uma vez com acesso ao sistema, os servidores e/ou os aliciadores demitiam ficticiamente trabalhadores que se encontravam com vínculos de trabalho ativo, os quais muitas vezes só tomavam conhecimento das fraudes quando eram demitidos de fato e ao requererem seus benefícios eram informados que esses já haviam sido sacados de forma fraudulenta por terceiros.

Toda a fraude era realizada de forma eletrônica, muitas vezes com a criação de números de PIS (Programa de Integração Social) falsos. Além disso, os fraudadores, valendo-se de fragilidades existentes na sistemática de emissão do cartão cidadão, obtinham a segunda via desse, e efetuavam saques nas mais diversas cidades do país. Em alguns dos casos investigados, observou-se que o mesmo benefício de seguro desemprego teve parcelas sacadas nas cidades de São Paulo (SP), Aparecida de Goiânia (GO), Belém (PA) e São Luís (MA).

Os servidores do Sine eram cooptados a fazer parte de tal esquema de fraudes através da promessa de ganhos vultosos e fáceis. Em um dos casos investigados, um aliciador chegou a prometer que um servidor ganharia uma média de R$ 90.000,00 por período de 15 semanas. Para tanto, bastaria apenas que o servidor deixasse sua máquina “logada” no sistema do Seguro Desemprego por um determinado período de horas diariamente.

De acordo com levantamentos realizados pelo Ministério do Trabalho, o prejuízo potencial causado pelas fraudes investigadas, de agosto de 2016 até março de 2018, foi de aproximadamente R$26.886.067,97.

Diz-se potencial, uma vez que o Projeto Antifraude implementado pelo Ministério do Trabalho, bloqueou pagamentos. Do montante total dos valores fraudados, só foram efetivamente subtraídos pelos fraudadores a quantia de R$4.630.091,00, sendo o restante dos pagamentos bloqueados pelo sistema antifraude.

Os investigados responderão pelos crimes de associação criminosa, corrupção ativa e passiva, inserção de dados falsos em sistemas de informações e estelionato. Ao todo as penas pelos crimes investigados podem alcançar mais de 30 anos. Os presos serão encaminhados para presídios da cidade de Marabá (PA), onde ficarão detidos à disposição da Justiça Federal.

O nome da operação é uma alusão a forma sedutora como os aliciadores cooptavam os servidores do Sine com a promessa de ganhar muito dinheiro, de forma rápida e de forma fácil, para fazer parte de tal esquema de fraudes. Assessoria de Comunicação Social Superintendência da Polícia Federal no Pará.

Logo mais, às 10h, os delegados encarregados do caso concedem entrevista coletiva sobre o assunto, na Delegacia de Polícia Federal, em Marabá, a qual será acompanhada pelo Blog.

Redenção

Mulher esfaqueia homem após ele não entregar bicicleta

Segundo testemunhas, a acusada queria tomar a bicicleta da vítima. No local do incidente a autora estava aparentemente nervosa.

No início da tarde do último domingo (29), Daiane da Silva Rego, de 24 anos de idade, foi conduzida a delegacia de Polícia Civil de Redenção por Policiais Militares (PM). Ela é acusada de esfaquear Raimundo Medrado de Oliveira, em frente ao supermercado Araguaia, na Avenida Brasil, no centro da Cidade.

De acordo com informações, Daiane estaria sobre efeito de álcool e teria tentado tomar a bicicleta de Raimundo, que se negou a entregá-la. Após ele dizer não, foi golpeado com uma faca de mesa.

“A mulher estava bastante transtornada. Vi só o momento em que ela puxou a faca e desceu no braço do homem e ele logo gritou” informou Carla da Silva, uma vendedora ambulante que trabalha nas imediações.

Logo após a ação, uma viatura da Polícia Militar que passava pelo local efetuou a prisão de Daiane em flagrante e a conduziu para a delegacia de Polícia Civil. Ao chegar à Depol, Daiane inverteu à conversa dizendo que só esfaqueou Raimundo porque ele a havia enforcado, alegando que assim agiu para sua segurança e em legitima defesa.

Raimundo, a vítima, foi levado pelo SAMU até o Hospital Iraci e após ser atendido, foi liberado em seguida.

Polícia

Polícia prende, em SP, homicida de professora de Cumaru morta em Redenção em 2015

Maria Helena foi sequestrada quando fazia uma transação bancária em Redenção e foi levada para um cativeiro em Conceição do Araguaia.

Em 10 de dezembro de 2015, a professora Maria Helena, funcionária do sistema de educação de Cumaru do Norte foi sequestrada e em sua conta foi retirada a quantia de R$50 mil. Posteriormente, o corpo da professora foi encontrado nas imediações do município de Redenção. O crime chocou o pequeno município de Cumaru, visto que, no dia 15 de dezembro, a Polícia Civil do Pará prendeu Cleudiane Moura dos Santos, Lourival Gomes dos Santos e Maurício Oliveira. A primeira era superior hierárquica da vítima, trabalhava junto com ela e tinha sua inteira confiança.

Maria Helena foi sequestrada quando fazia uma transação bancária em Redenção e foi levada para um cativeiro em Conceição do Araguaia. De acordo com informações da Polícia Civil, à época, logo após a confirmação do depósito bancário no valor de R$ 50 mil, que pagaria o resgate, os criminosos mataram a vitima a pauladas.

Os três suspeitos confessaram o crime e indicaram o autor do homicídio: David Nunes Inácio. Contra David foi expedido um mandado de prisão preventiva pela justiça de Redenção.

Passados quase três anos, a polícia civil de Redenção, por meio da Superintendência Regional do Araguaia Paraense e em parceria com a Polícia Militar do Estado de São Paulo acaba de cumprir o mandado de prisão preventiva contra David Nunes Inácio, em Santa Izabel, na grande São Paulo, onde estava residindo.

Segundo o delegado Antonio Miranda, David será recambiado para Redenção o mais rápido possível e ficará preso à disposição da justiça para responder pelo crime.

Marabá

“Curicão” pega 7 anos de prisão 7 meses após ser preso com 18 papelotes de crack

Na sentença, juiz Alexandre Arakaki considerou grave o fato de o rapaz já ter antecedentes criminais e mandado de prisão em aberto

Rápida e implacável. Foi assim que a Justiça agiu nesta semana para com Josiel Ramos Paixão, popularmente conhecida como “Curicão”, preso no dia 5 de setembro do ano passado em companhia de Antônio Carlos Santos em um bar no Bairro Jardim União, em Marabá. Com o primeiro a polícia encontrou 18 papelotes de droga e com o segundo uma pistola calibre 380 com numeração raspada.

Segundo a acusação do Ministério Público, no dia 5 de setembro de 2017, policiais militares receberam informações, via Disque Denúncia, indicando um local onde pessoas estariam em posse de arma de fogo e de drogas. A fim de averiguar a delação, os agentes da lei foram ao local indicado e ao chegarem ali, passaram a realizar revista nas pessoas ali presentes. Durante estas buscas, encontraram com Antônio Carlos Santos Araújo uma pistola 380 com numeração suprimida, com 14 munições não deflagradas, e uma munição alimentada na câmara, pronta para o disparo, bem como um papelote da droga conhecida como maconha, contendo 1,5 gramas.

Dando continuidade às buscas pessoais, as autoridades policiais encontraram com Josiel Ramos Paixão 18 pequenas porções da droga conhecida como crack, que depois a perícia confirmou que 5,9 gramas do entorpecente. Logo em seguida, os agentes deslocaram-se à residência de Josiel e, após a revista, encontraram várias munições deflagradas e três ainda intactas, de calibre 380.

Apesar da acusação do Ministério Público, para o juiz Alexandre Hiroshi Arakaki não ficou claro que a pistola fora encontrada, de fato, em poder de Antônio Carlos Santos. Testemunhas relataram que ela estava próxima do acusado, mas não exatamente com ele. Por causa disso, ele foi considerado inocente e colocado em liberdade.

Todavia, o caldo engrossou para Josiel Curicão. As provas foram consideradas robustas contra ele, além do fato de não ser réu primário. Por isso, foi sentenciado a sete ano, nove meses e dez dias de prisão em regime fechado.

Em seu interrogatório, Josiel negou as práticas criminosas imputadas contra ele, afirmando ter sido vítima de um flagrante armado e arquitetado pelos policiais militares. “Acatar a tese do réu seria infirmar todos os depoimentos prestados pelas testemunhas advertidas e compromissadas nos termos da lei e ouvidas em contraditório.  Percebo na versão do acusado o caráter fantasioso e desarrazoado, pois trata-se de narrativa claramente inócua e dissociada de qualquer outro elemento de prova. Há, claramente, a tentativa de se esquivar da aplicação da lei penal”, disse o magistrado.

Como Josiel “Curicão” já cumpriu pena em regime fechado no Centro de Recuperação Agrícola Mariano Antunes (Crama) por assalto, e havia saído em 2014 e que também tinha um mandado de prisão em aberto pelo crime de homicídio, ele começará a responder a cumprir a pena em regime fechado. (Ulisses Pompeu)

São Felix do Xingu

Polícia Civil e MP deflagram operação de combate à corrupção em São Félix do Xingu

"Operação Tetrarca" prendeu o ex-prefeito João Cléber e outros três ex-funcionários da prefeitura por ordem da Vara de Combate ao Crime Organizado do TJPA

Na manhã desta terça-feira (10), às 6 horas, foi deflagrada a “Operação Tetrarca”, cuja investigações versam sobre crimes de desvios de recursos públicos e corrupção praticados por organização criminosa no município de São Felix do Xingu, no Pará.

A Polícia Civil e o Ministério Público Estadual cumpriram dez mandados judiciais, sendo quatro de prisão preventiva e seis de busca e apreensão. Foram presos: João Cléber de Souza Torres (prefeito de São Felix do Xingu à época dos fatos); Ana Claudia Rodrigues Feitosa (servidora da prefeitura, Chefe do Departamento de Tributos); Evani Geraldo de Oliveira (Secretário de Finanças à época); Antonio Ribeiro Neto (Secretário Adjunto de Finanças, responsável pelo recolhimento de tributos da prefeitura, à época).

Os mandados de Busca e Apreensão foram cumpridos nas residências dos réus, na Prefeitura de São Felix do Xingu e na sede da empresa Construtora e Agropecuária Santo Expedito Ltda EPP

Os crimes versam sobre desvios de recursos de origem própria do município referentes ao Imposto sobre Transmissão de Bens Imóveis (ITBI), cuja fonte arrecadadora e destinatária é o próprio Município. O Crime se dava da forma em que a organização criminosa, liderada pelo ex-alcaide, com a participação dos servidores, recebia em mãos os valores referentes ao tributo, deixando de recolher aos cofres públicos, mas dando quitação de próprio punho em boletos de pagamento, locupletando- se, dessa forma, indevidamente do erário.

As investigações foram realizadas pela Delegacia de Repressão a Defraudações Públicas – DRDP -, vinculada à Divisão de Repressão ao Crime Organizado – DRCO -, com atuação conjunta do Ministério Público do Estado do Pará e tiveram início após relato da vice prefeita de São Felix do Xingu, Cleidimar Gama Rabelo

Participaram da operação policial equipes da Divisão de Repressão ao Crime Organizado – DRCO e do Grupo de Pronto Emprego – GPE, da Polícia Civil, além do Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado – GAECO, do Ministério Público do Estado do Pará.

O Inquérito Policial é presidido pela Delegacia de Repressão a Defraudações Públicas – DRDP e do Ministério Público Estadual, que tramitou no Tribunal de Justiça do Estado do Pará, onde o prefeito à época possuía foro por prerrogativa.

Após o término do mandato de João Cleber, representou-se pelo encaminhamento à primeira instância, cujo procedimento investigativo passou a tramitar na Vara Especializada no Combate ao Crime Organizado, cujos juízes exararam as ordens judiciais de prisão preventiva e busca e apreensão.

A justiça autorizou, ainda, o sequestro e bloqueio, por meio do sistema BACENJUD, de valores existentes nas contas correntes, poupança, investimentos, aplicações financeiras, etc., até que se perfaça o montante, individual, de R$-2.068.362,84 (dois milhões, sessenta e oito mil, trezentos e sessenta e dois reais e oitenta e quatro centavos), em nome dos representados; o BLOQUEIO, no sistema RENAJUD, na modalidade “TRANSFERÊNCIA”, dos veículos que estejam em nome dos representados; além do sequestro imóveis em nome dos representados nos cartórios de imóveis de SFX até o valor, individual, de R$-2.068.362,84 (dois milhões, sessenta e oito mil, trezentos e sessenta e dois reais e oitenta e quatro centavos), com a devida inscrição no registro de gravames; À Junta Comercial do Estado do Pará – JUCEPA foi determinado que que proceda a inscrição do sequestro nas participações societárias de empresas em nome dos representados.

Os presos serão encaminhados ao Sistema Penal – SUSIPE -, órgão em que os presos ficarão à disposição da Justiça.

Os mandados foram assinados pelos juízes Libio Araújo Moura e Heyder da Silva Ferreira, da Vara de Combate ao Crime Organizado do Tribunal de Justiça do Estado do Pará.

O nome da Operação diz respeito à Tetrarquia de Herodes, o nome geralmente dado ao sistema de governo que se criou nos domínios de Herodes, o Grande depois de sua morte em 4 a.C. Ele deixou disposto em testamento o que pretendia que fosse feito do reino que conquistara e governara com mão de ferro. Segundo sua vontade, o reino seria dividido entre três dos filhos que ainda estavam vivos

Confira a integra da decisão:

Polícia Federal prende parauapebense com 12 barras de ouro no aeroporto de Boa Vista

O homem, que não teve sua identidade revelada pela PF, está à disposição da Justiça Federal em Roraima

Na primeira hora da madrugada de ontem, dia 29, agentes da Polícia Federal em Roraima, que atuam no Aeroporto Internacional de Boa Vista, Atlas Brasil Cantanhede, prenderam em flagrante E.A.S., de 41 anos, morador de Parauapebas-Pará, pela prática do crime contra a ordem econômica, como destaca o artigo 2 da lei 8.176/91.

Com o indivíduo foram apreendidas 12 barras metálicas de ouro, com peso total de 8 quilos e 971 gramas. O valor de mercado do material é de aproximadamente R$ 1.300.000,00 (um milhão e trezentos mil Reais).

Ainda no aeroporto, o homem recebeu voz de prisão, tendo em vista que tentava embarcar com destino a Brasília.

O minério foi identificado durante o procedimento padrão de raio-X.

O preso confessou o crime em interrogatório na Polícia Federal, mas não deu detalhes sobre a procedência do ouro apreendido em sua mala nem se sua extração se deu com prévia e competente autorização de órgão do Estado.

O homem preso foi encaminhado à Penitenciária Agrícola de Monte Cristo, onde ficará à disposição da Justiça Federal em Roraima. Pelas características da barra de ouro, que parece ter sido feita de forma improvisada, é possível que tenha sido extraído das regiões de garimpo ilegal do estado.

Policia

Polícia: Latrocínio, prisão de assaltantes e agressão foram registrados nesta quinta

Em Eldorado, vendedor de lanches foi morto por assaltantes; em Curionópolis, dupla que atacou van foi em cana; e. em Parauapebas, patrão espancou empegado que se diz explorado

Na madrugada desta quinta-feira (29), um jovem identificado como Bruno Martins foi vítima de latrocínio – roubo seguido de morte – em Eldorado do Carajás. Ele vendia lanches na rua e, após encerrar o expediente, deixou a esposa em casa e voltou para jogar sinuca em um bar. Por volta de 1h, estava voltando para casa, mas, ao chegar na Rua Guajará, em frente a um espetinho, no Km 100, foi atacado por dois desconhecidos, que o mataram a facadas levando a motocicleta em que ele estava.

Em Parauapebas, Ramon Ranieres Barros Silveira, 24, panificador, registrou Boletim de Ocorrência na Polícia Civil, comunicando que foi agredido fisicamente por um dono de panificadora identificado como Ari, que, inclusive, segundo o queixoso, teria tentado mata-lo por estrangulamento.

O motivo, segundo Ramon, foi ele ter abandonado o emprego na padaria de Ari, por não estar recebendo o que lhe foi prometido e ser obrigado a trabalhar mais de oito horas por dia, inclusive aos domingos, sem receber horas extras.

Em Curionópolis, o sargento Vanio Alex Mesquita, da Polícia Militar, na companhia do soldado Gomes, prendeu os irmãos Magno Tiel Lima da Silva e Samuel Lima da Silva, ambos acusados de terem assaltado uma van de transporte de passageiros em Eldorado, na quarta-feira (28). Com eles foram encontrados dois celulares, arma de fogo cano serrado por fora, munições de fabricação caseira.

Ao perceberem a aproximação do veículo policial eles tentaram fugir, mas acabaram presos. Segundo o sargento, a aparência física dos irmãos confere com as caraterísticas informadas pelas vítimas do assalto. A PM chegou aos acusados por meio de denúncia anônima.

Reportagens: Ronaldo Modesto