Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Brasil

Especialistas debatem desenvolvimento local na Amazônia

Continua depois da publicidade

O tema será abordado no seminário da série Diálogos Capitais Metrópoles Brasileiras, que ocorre nesta terça-feira no Hangar

A Amazônia tem 51% do território brasileiro, 25% da população e responde por 8% do PIB (Produto Interno Bruto) do país, segundo dados Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Para colocar em pauta a relevância da região e aprofundar a discussão sobre o desenvolvimento, envolvendo atores importantes, como o poder público, empresas privadas e entidades do terceiro setor, Belém recebe nesta terça-feira (09), o seminário da série Diálogos Capitais Metrópoles Brasileiras, que abordará o tema “Geração de Renda e Desenvolvimento Local”. O evento será realizado pela revista CartaCapital, sob curadoria do Instituto Envolverde, às 8h, no Hangar Centro de Convenções e Feiras da Amazônia e será aberto ao público.

Dal MarcondesPara o jornalista Dal Marcondes, colunista de CartaCapital e diretor executivo do Instituto Envolverde, o seminário Diálogos Capitais dá a oportunidade de se debater políticas públicas que normalmente não são tratadas pela mídia ou ao menos com um enfoque diferente. “Queremos lançar um olhar isento de ranços partidários sobre temas fundamentais para a qualidade de vida e o desenvolvimento das grandes cidades brasileiras. A série Diálogos Capitais – Metrópoles Brasileiras tem sido uma experiência importante ao lançar luz sobre temas relevantes”, destaca o jornalista, informando que após o evento serão produzidas matérias especiais que serão publicadas, posteriormente, pela revista CartaCapital.

A série teve início em 2014, com encontros realizados em São Paulo, Belo Horizonte, Recife e Porto Alegre. Em São Paulo foram abordados diversos temas, como habitação, segurança e mobilidade, enquanto nas outras capitais os diálogos foram focados em um único tema. Belo Horizonte debateu mobilidade urbana, Recife assistiu um relevante diálogo sobre segurança pública e Porto Alegre discutiu cidadania e economia criativa.

Em Belém, serão discutidos temas relacionados ao desenvolvimento local, como os desafios da Amazônia e o papel da agricultura e da pecuária. A abertura do seminário será realizada pelo prefeito de Belém, Zenaldo Coutinho, seguida da palestra “Modelos de desenvolvimento para a Amazônia e para o Brasil”, que será ministrada pelo Secretário Executivo da Rede Nossa Belém, José Francisco Ramos. A Rede atua junto ao poder público local em questões de desenvolvimento urbano e social.

Após a palestra magna será realizado o diálogo “Geração de renda e desenvolvimento local”, com a participação de Suênia de Souza, diretora do Centro Sebrae de Sustentabilidade, João Meirelles, diretor do Instituto Peabiru e João Coral, diretor de Energia e Institucional da Vale  no Pará. O diálogo será mediado pelo jornalista Dal Marcondes.

O ambientalista João Meirelles, diretor geral do Instituto Peabiru, ressalta que o encontro ampliará a abordagem de questões fundamentais para a região. “O evento dá a oportunidade de se discutir temas ‘invisíveis’ para a metrópole e que precisam ser abordados como segurança alimentar, educação de qualidade e segurança fundiária”, observa.

Dal Marcondes frisa a importância do seminário da série Diálogos Capitais chegar a Belém. “A cidade é uma metrópole cosmopolita e entrada para a Amazônia brasileira, além de ser a capital de um dos estados mais dinâmicos da região, com uma economia que ainda busca caminhos menos predatórios em relação ao ambiente e ao desenvolvimento social. Um evento na cidade tem o potencial de chamar a atenção para novos formatos de desenvolvimento”, acredita.

Programação

  • 8h-9h – Credenciamento e wellcome coffee
  • 9h1-9h40– Abertura Zenaldo Coutinho – Prefeito de Belém
  • 9h40- 10h30 – Palestra “Modelos de desenvolvimento para a Amazônia e para o Brasil” – José Francisco Ramos, Secretário Executivo da Rede Nossa Belém
  • 10h30-10h45 – Coffee Break
  • 10h45 – 12h15 – Mesa de Diálogos“Geração de renda e desenvolvimento local”
    Suênia de Souza – Diretora do Centro Sebrae de Sustentabilidade
    João Meirelles – Diretor do Instituto Peabiru e Escritor
    João Coral – Diretor-Executivo de Recursos Humanos, diretor de Energia e Institucional da Vale, no Pará
    Mediação – Dal Marcondes, jornalista Envolverde/Carta Capital

Brasil

CartaCapital traz Diálogos Capitais a Belém

Continua depois da publicidade

Um relevante diálogo sobre desenvolvimento local na Amazônia, com a participação de especialistas de empresas, governo e ONGs, apontando problemas e as soluções disponíveis.

Após ter passado pelas capitais de São Paulo, Belo Horizonte, Recife e Porto Alegre, chega, pela primeira vez, em Belém o seminário da série Diálogos Capitais Metrópoles Brasileiras, trazendo o tema “Modelos de desenvolvimento para a Amazônia e para o Brasil”. O evento, promovido pela revista CartaCapital, em parceria com o Instituto Envolverde, será realizado no próximo dia 09, no Hangar Centro de Convenções e Feiras da Amazônia. O seminário será aberto ao público, com inscrição online pelo site www.dialogoscapitais.com.br/belem.

Na pauta um amplo diálogo sobre desenvolvimento local, com um olhar voltado para as grandes cidades da região Norte, os desafios da Amazônia e o papel da agricultura e da pecuária. Dentro da programação convidados dos campos político, governamental, empresarial e de organizações sociais que contribuem para o diálogo e compartilham ideias. A abertura do seminário será realizada pelo prefeito de Belém, Zenaldo Coutinho, seguida da palestra “Modelos de desenvolvimento para a Amazônia e para o Brasil”.

Também será realizado o debate “Geração de renda e desenvolvimento local”, com a participação de Suênia de Souza, diretora do Centro Sebrae de Sustentabilidade, João Meirelles, diretor do Instituto Peabiru e João Coral, diretor de Energia e Institucional da Vale,  no Pará. O debate será mediado pelo jornalista Dal Marcondes, colunista de CartaCapital e diretor da agência Envolverde. Marcondes, colunista de sustentabilidade de CartaCapital e diretor executivo do Instituto Envolverde. Recebeu por duas vezes o Prêmio Ethos de Jornalismo e é membro do Conselho de Ética do Fórum Amazônia Sustentável.

Dal Marcondes ressalta que a série Diálogos Capitais propõe a interação de governos, empresas privadas e sociedade civil para refletir sobre os principais problemas relacionados ao desenvolvimento local e juntos estabelecerem proposições que contribuam para a resolução dessas dificuldades.  “Queremos jogar luz sobre os principais problemas das megacidades e mostrar as soluções disponíveis”, destaca.

Serviço:

  • Seminário da série Diálogos Capitais Metrópoles Brasileiras
  • Dia: 09 de dezembro de 2014
  • Horário: 8h às 13h
  • Local: Hangar Centro de Convenções & Feiras da Amazônia – Av. Doutor Freitas, s/n.
  • Inscrições pelo site: www.dialogoscapitais.com.br/belem

Programação

  • 8h-9h – Credenciamento e wellcome coffee
  • 9h1-9h40– Abertura Zenaldo Coutinho – Prefeito de Belém
  • 9h40- 10h30 – Palestra Gilberto Carvalho – Secretaria Geral da Presidência da República
  • 10h30-10h45 – Coffee Break
  • 10h45 – 12h15 – Mesa de Diálogos“Geração de renda e desenvolvimento local”
  • Suênia de Souza – Diretora do Centro Sebrae de Sustentabilidade
  • João Meirelles – Diretor do Instituto Peabiru e Escritor
  • João Coral – Diretor-Executivo de Recursos Humanos, diretor de Energia e Institucional da Vale, no Pará
  • Mediação – Dal Marcondes, jornalista Envolverde/CartaCapital

Corpo de Campos é enterrado sob gritos de “guerreiro do povo brasileiro”

Continua depois da publicidade

aviaoveloriocampos

Mais de cem horas após o acidente aéreo que resultou na morte de Eduardo Campos e de mais seis pessoas, o corpo do ex-governador de Pernambuco foi enterrado há pouco ao lado do avô, Miguel Arraes, no Cemitério de Santo Amaro, em uma sepultura simples, sem luxo, rodeada apenas de flores e placas de mármore com identificação. Fogos de artifício e gritos de “Eduardo, guerreiro do povo brasileiro” marcaram o encerramento da cerimônia.

Nas ruas, nos bancos, nas calçadas em cima dos jazigos – alguns seculares de mármore –, cada metro do Cemitério Santo Amaro foi disputado pelos admiradores do ex-governador na chegada do caixão com os restos mortais do político. As vias próximas ao cemitério estavam cheias de ônibus com caravanas de várias cidades do estado. Segundo a Polícia Militar, 150 mil pessoas passaram pelo velório de Campos, na sede do governo de Pernambuco.

– Viemos prestar nossa solidariedade e agradecer tudo de bom que ele fez pela gente – disse Mikaela Kalina, de 26 anos, que saiu da cidade de Ribeirão, a aproximadamente 100 quilômetros do Recife. Com ela, mais 300 pessoas foram ao Recife na caravana de oito ônibus.

Próximo ao caixão, apenas a família e amigos. Houve chuva de flores. O último adeus ao pai, irmão, filho, tio, neto, sobrinho foi observado atentamente pela multidão, que gritava pedindo justiça e que as causas do acidente sejam esclarecidas. A esposa, Renata Campos, quatro dos cinco filhos do casal, a mãe de Campos, Ana Arraes, que estiveram ao lado do caixão desde a madrugada quando foi trazido de São Paulo, e o irmão, Antônio Campos estavam entre os mais emocionados.

O auxiliar de serviços gerais José Fernando de Souza, que há mais de 40 anos trabalha no cemitério, disse que nunca tinha presenciado movimentação tão intensa em um sepultamento.

Desde a última quarta-feira, dia do acidente, o cemitério passou por reparos para abrigar o corpo do ex-governador. Ao longo do percurso feito pelo cortejo fúnebre, centenas de coroas de flores enfeitaram as calçadas e ajudavam a confortar a dor da família pela perda inesperada.

Com o sepultamento do maior nome do partido, o PSB agora buscará unidade em torno do nome de Marina Silva para prosseguir a disputa pela Presidência da República.