Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Marabá

Rios de Encontro ganha espaço na sessão da Câmara Municipal e diz “não” à Hidrelétrica de Marabá

A participação se deu em razão do Dia da Amazônia, que transcorre nesta terça-feira, 5 de setembro

Por Eleutério Gomes – de Marabá

Pelo transcurso do Dia da Amazônia, nesta terça-feira (5), o Projeto Rios de Encontro, coordenado pelo ativista cultural galês Dan Baron, teve espaço de 30 minutos na sessão da Câmara Municipal de Marabá, durante o qual fez o encerramento do Fórum Bem Viver, evento que iniciou no último dia 28 de agosto com várias atividades culturais.

Voltado para a defesa do meio ambiente, à preservação dos bens naturais e, consequentemente, do ser humano, o discurso de abertura de Baron defendeu um amplo debate acerca dos grandes projetos para o município e região, com destaque para a Hidrelétrica de Marabá e a derrocagem do Pedral do Lourenção, no Rio Tocantins, em Itupiranga.

Ele afirma que esse modelo de desenvolvimento é falido, norteado pela ganância de poder político de grupos que não têm compromissos com as comunidades atingidas. Lembra de Belo Monte e cita Altamira, onde o que ficou depois da implantação da hidrelétrica foi a pobreza a e violência.

Participou também da apresentação, o vereador Leonardo Santana, da Câmara Municipal de São João do Araguaia, cidade que será atingida pela Hidrelétrica de Marabá. Ele disse que não quer a barragem, afirmando que o empreendimento não só enterrará a história do município com destruirá as raízes do povo são-joanense. “Queremos o rio para a vida e não o rio da morte”, exclamou, encerrando sua fala.

Em seguida falaram a dançarina colombiana Claudia Giraldo e o músico equatoriano Oscar Paredes, ambos também ambientalistas, que protestaram contra o modelo de desenvolvimento que destrói florestas, rios e desaloja comunidades, disseminando a violência e a pobreza. O discurso foi o mesmo de um terceiro ativista, este norte-americano. Aconteceram também apresentação de música de percussão e dança, executados por jovens que participam do Rios de Encontro.

O que é o Rios de Encontro?

É um projeto desenvolvido na comunidade ribeirinha afrodescendente do Cabelo Seco, bem na ponta entre os Rios Tocantins e Itacaiúnas, o bairro matriz da cidade de Marabá. Nele, Dan Baron procura transformar a riqueza cultural adormecida, pela formação artística, gestão cultural e produção transcultural, em uma proposta que integra quatro gerações da comunidade, gestores do poder público e profissionais de educação, saúde, cultura e segurança.

Formado por um núcleo gestor de jovens artistas de microprojetos artístico-culturais da comunidade Cabelo Seco, apoiados por um núcleo gestor de suas mães produtoras na sua Casinha de Cultura, o Projeto hoje atua em sete frentes: o grupo musical Latinhas de Quintal; a companhia de dança AfroMundi Pés no Chão, o projeto de jornalismo social Nem Um Pingo; o coletivo audiovisual Rabeta Vídeos, um Cine Coruja, e Folhas da Vida: bibliotecas familiares.

Cultura

Marabá ganha uma “Casa dos Rios” independente

Bairro pioneiro da cidade, Cabelo Seco sediará teatro e espaço de formação internacional

Por Ulisses Pompeu – de Marabá

O projeto eco-cultural e socioeducativo Rios de Encontro, enraizado no bairro Cabelo Seco, em Marabá, realizará residências artísticas em maio e julho deste ano, recebendo membros da Academia de Teatro e Dança em Amsterdã e da Companhia Trailler em Movimento, de São Paulo.

A “Cia Trailler em Movimento” visitou Nova Ipixuna na semana passada para pesquisar a extrativista e educadora Maria Silva, assassinada em 2011, defendendo a Amazônia. Os cinco integrantes de uma das companhias mais experientes no Brasil visitaram o projeto Rios de Encontro para conhecer e discutir seu novo espetáculo “Amanajé Caá – a Trajetória de Um Grito Suspenso”.
Edgar Castro, diretor teatral da companhia, afirma que foi uma prioridade encontrar com Dan Baron e Manoela Souza”, que coordenam o Rios de Encontro. “Maria Silva estudou Pedagogia do Campo com eles durante sete anos, na Unifesspa.”

Durante cinco horas, Edgar gravou histórias sobre Maria. Inspirada pelo projeto, a companhia estreará o novo espetáculo no teatro em construção na ‘Casa dos Rios’, no bairro Cabelo Seco. “A noite com Rios de Encontro nutriu de beleza nossa passagem na região. Seu trabalho é uma referência e os convidamos para serem nossos interlocutores em Marabá”.

Manoela Souza, gestora do projeto Rios de Encontro, revela que os jovens artistas do Cabelo Seco – um bairro pobre e marginalizado – querem estudar artes cênicas. “Em 2017, queremos que trabalhem com companhias profissionais. A colaboração com artistas sérios de São Paulo também fortalecerá a Amazônia. Edgar Castro apresentará também seu solo ‘Dezuó’ sobre a violência sofrida pelo Rio Tapajós. Em troca, levaremos nossos espetáculos a São Paulo, para promover uma Amazônia livre de devastação industrial”, diz Manoela.

Rios de Encontro vem fomentando parcerias internacionais para finalizar e equipar a ‘”asa dos Rios”, seu novo espaço de performance e formação independente. Nesta semana também, dois estudantes de teatro de Amsterdã, na Holanda, confirmaram sua residência em maio para vivenciar a cultura afro-contemporânea e criar um novo espetáculo comunitário no Cabelo Seco.

A universidade holandesa ajudará captar recursos para abastecer a “Casa dos Rios” com energia solar. “Eles querem aprender com Amazônia. Em troca, vão participar do nosso projeto “Rios de Criatividade” e ajudar transformar o celular em energia criativa. Juntos, vamos ampliar a defesa do Rio Tocantins”, explica Dan Baron, coordenador do intercâmbio.

Dan aprofunda: “Os oito anos com nossos jovens arte educadores de Cabelo Seco oferecem uma ‘ressonância magnética cultural’ da atual crise mundial. Antecipamos um período doloroso de desintegração das instituições corruptas. Porém enxergamos potenciais invisíveis ao olho nu, capazes de costurar redes sustentáveis. Nesta transição, necessitaremos de comunidades de boa saúde, bem alimentadas e criativas, livres da doença, obesidade, vícios e todo tipo de violência, as sequelas da exclusão, fome e escravidão. Assim, transformaremos conivência em autonomia.”

Em março próximo, Rios de Encontro celebrará tudo que foi realizado em seu Barracão de Cultura pela biblioteca Folhas da Vida, Rabetas Vídeos, Cine Coruja e AfroMundi. “Realizamos diversas oficinas, ensaios, rodas e apresentações desde o final de 2012, quando as Latinhas de Quintal construíram o Barracão de Cultura e transformaram uma ruína em referência mundial. Mas crescemos, e a saída do Barracão já provocou mudanças necessárias. Agradecemos a família Botelho pelo apoio e esperamos que o barracão que estamos doando ao novo GAM continue beneficiando Cabelo Seco e Marabá. Nossa ‘Casa dos Rios’ será exemplo da Amazônia que queremos”, diz Camylla Alves, jovem que é protagonista do Rios de Encontro.