Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Marabá

Marabá: Celpa amplia capacidade de atendimento da Subestação de Morada Nova

Cerca de 15 mil clientes devem ser beneficiados com a obra, que deve trazer energia firme e de qualidade para a região

A subestação da Celpa em Morada Nova, distrito urbano de Marabá, foi ampliada e ganhou um novo transformador com potência de 9,4 MVA (Mega Volts Amperes), capacidade suficiente para atender cerca de 15 mil clientes da região. O transformador é o equipamento responsável por reduzir a tensão da energia que chega das usinas ou transmissoras e distribuí-la pelos circuitos elétricos até as residências. Com a instalação do transformador, a subestação está preparada para receber novos projetos que tenham maior demanda de consumo de energia. A cerimônia de inauguração ocorreu nesta segunda-feira (19), às 9 horas, na subestação Morada Nova, que fica localizada na Rodovia BR-222, KM 15, saída para Bom Jesus do Tocantins, ao lado da subestação da Eletronorte.

O valor investido na obra foi de aproximadamente R$1,8 milhões e o equipamento vai beneficiar o Distrito de Morada Nova, Vila Km 40 e a cidade de Bom Jesus do Tocantins com energia mais firme e de melhor qualidade, já que a tensão que chegará às casas será mais adequada. “A população nesses locais aumentou muito nos últimos anos com a construção de novos residenciais. E para não termos problemas com a qualidade da energia levada aos moradores, foi implantado esse novo transformador. A obra durou seis meses e ele já está em operação”, explica o executivo de Manutenção da Celpa, Igor Teixeira.

Também foi instalado na subestação de Morada Nova mais um alimentador de energia, com 12 quilômetros de extensão, beneficiando a região de São Félix. Além de melhor distribuição de cargas, aumenta a possibilidade das equipes realizarem serviços ou interligações em situações de emergência. “Agora, com o uso de dois alimentadores, é possível dividir a carga da área de São Félix e, se houver falha de um, o outro supre a necessidade, eliminando a falta de energia”, destaca o executivo.

Outras melhorias

Recentemente, a empresa também colocou em operação dois alimentadores de energia no município de Eldorado dos Carajás. A obra contemplou a construção de mais de 30 quilômetros de rede de distribuição, que se estende desde a subestação de Eldorado até as imediações da PA-150. A iniciativa beneficiou cerca de 7 mil famílias na região. A zona rural do município, como as Vilas Novo Paraíso e Vila Gravata, e os clientes rurais da BR-155 de Eldorado do Carajás, no sentido Marabá foram atendidos diretamente pela obra.

Em cinco anos que atua sob uma nova gestão, a Celpa alega que já investiu cerca de R$ 350 milhões na regional Sul, que compreende municípios como Marabá, Parauapebas, Canaã dos Carajás e Tucuruí, por exemplo. Só em Marabá, o investimento foi em cerca de R$ 103 milhões. São investimentos que refletiram em ações direcionadas a manutenção da rede, expansão e melhoria do sistema, atendimento ao cliente, ações de combate a perda de energia elétrica, entre outros. Os resultados foram expressivos na missão de oferecer um serviço de qualidade à população local. (Divulgação Celpa)

polícia

Polícias Civil e Militar impedem assalto a banco em São Félix do Xingu

Os presos também são suspeitos de participação no roubo a um supermercado no município, ocorrido no último final de semana, quando foram levados cerca de R$ 65 mil

Uma ação integrada de policiais civis e militares evitou o assalto a uma agência bancária em São Félix do Xingu, município do sul do Pará. Seis homens foram presos em flagrante nesta quinta-feira (15), em uma casa na sede municipal, portando armamento, munição, coletes, máscaras e cerca de 30 quilos de dinamite.

A operação policial começou por volta das 9 horas, após denúncia anônima recebida pela equipe de plantão da Delegacia de São Félix, sobre a presença de um grupo de criminosos na cidade, escondido em uma residência no Bairro Cai N’Água, que estaria planejando assaltar uma agência bancária.

Diante da informação, contou o delegado Pedro Andrade, titular da Superintendência de Polícia Civil na região do Alto Xingu, foi montada uma equipe de policiais civis e militares, sob o comando do delegado José Carlos Rodrigues e do major Montenegro, para fazer a abordagem. Os policiais localizaram na rua o proprietário da residência, o comerciante Germano Pereira Cruz Filho, dono de uma vidraçaria na cidade.

Detido, ele confirmou que no interior da casa estavam cinco homens armados, prontos para reagir. Os policiais aguardaram o momento apropriado para entrar na casa e prender os cinco suspeitos. Eles foram identificados como Cristiano Oliveira Martins, Gildival da Silva Alves, Edgar Vieira da Silva, Iran Ferreira do Carmo e Rafael Silva Nascimento.

No imóvel foram apreendidas duas pistolas calibres 380 e 9 mm; duas espingardas calibre .12; uma carabina .30; uma espingarda .20; mais de 1.000 cartuchos de vários calibres; quatro coletes à prova de balas; quatro máscaras tipo balaclava e cerca de 30 quilos de bananas de dinamite, que seriam usadas para explodir caixas eletrônicos e cofres.

O delegado Pedro Andrade informou ainda que os presos também são suspeitos de participação no roubo a um supermercado no município, ocorrido no último final de semana, quando foram levados cerca de R$ 65 mil. Diante dos materiais apreendidos, os acusados foram conduzidos à Delegacia local. (As informações são da Assessoria de Comunicação da Polícia Civil do Pará)

Polícia

Advogado é assassinado com 3 tiros na cabeça em São Félix do Xingu

Esse foi o segundo advogado assassinado em 2017 em São Felix do Xingu

O advogado Mario Pinto da Silva (OAB-PA nº 5921) foi assassinado hoje (07) por volta das 23 horas enquanto aguardava sua esposa sair de uma escola na qual é professora, em São Félix do Xingu. Ele estava dentro de seu carro quando dois meliantes, em uma moto, lhe desferiram três tiros na cabeça. O advogado teve morte instantânea.

Segundo as primeiras informações, a polícia de São Felix do Xingu determinou que o local do crime fosse preservado até a chegada da perícia do Instituto Renato Chaves, de Marabá, fato que só deverá acontecer na manhã da quarta-feira. Enquanto isso a polícia local não autorizou sequer que o veículo tivesse o motor desligado.

Este é o segundo advogado assassinado em São Felix do Xingu esse ano. Em 24 de setembro passado, a advogada e fazendeira Dilamar Martins da Silva foi encontrada morta em local próximo a sua fazenda, na Zona Rural de São Felix do Xingu.

Trãnsito

Com único objetivo de multar, São Felix do Xingu recebe operação do Detran

Município está há 1 ano e 3 meses sem receber uma banca examinadora sob a alegação de falta de recursos para diárias. Mas, pra multar o recurso apareceu?

Boa parte da população de São Felix do Xingu vive um dilema. É que por lá, assim como no restante do Pará e do Brasil, a Carteira Nacional de Habilitação – CNH – também tem vencimento, mas no município o Detran não passa de mera autarquia recolhedora de impostos.

Boa parte da população trafega em seus veículos sem a CNH, uma porque o documento venceu, outra porque há exatos um ano e três meses não aparece por aquelas bandas uma banca examinadora com médicos para a realização de psicotécnico, apesar de o Detran já ter várias vezes marcado a ida da banca para São Felix do Xingu.

A resposta pelo não comparecimento da banca é sempre a mesma, a falta de recursos do Detran para as diárias. A última ida da banca agendada pelo Detran foi para os dias 3 e 4 de novembro, mas o Detran local já emitiu comunicado cancelando.

Inexplicavelmente, e para deixar a população de São Felix do Xingu mais aborrecida ainda com o órgão de trânsito local, a Senhora Paula Ivana Freire da Fonseca, que é a diretora administrativa e financeira do Detran-PA, assinou portaria concedendo a 8 funcionários do órgão 29,5 diárias para o deslocamento e permanência no município de São Felix do Xingu e municípios vizinhos no período compreendido entre os dias 31/10 e 8/11 com o objetivo de realizar fiscalizações conforme cronograma do DTO.

Ou seja, dinheiro para diárias de médicos do Detran para o município com o objetivo de regularizar a situação dos usuários não tem, mas pra equipe ir multar tem.

É por essas e outras que a população do sul e sudeste do Pará vive dizendo que é esquecida pelo governo do Estado e já não aguenta mais ser lembrada apenas como fonte de recursos.

A população de São Felix do Xingu não quer o privilégio de andar em seus veículos sem documentos ou com eles vencidos, quer apenas que o governo faça a sua parte e dê condições para que se regularizem.

Polícia

Homem preso em Parauapebas por roubo de cabo de cobre é foragido da cadeia de São Félix do Xingu

Acusado de homicídio em São Félix do Xingu, "tatu" tem facilidade em cavar túneis, informou o delegado.

Foi encaminhado nesta segunda-feira, dia 16, para a Cadeia Pública de Parauapebas, José Augusto Silva Santos, de 25 anos, mais conhecido como “Tatuado”. Ele foi preso pela polícia militar, no último sábado, quando furtava de dentro de uma empresa, os cabos revestidos de fios de cobre. A polícia descobriu que José Augusto é foragido da Cadeia Pública de São Félix de Xingu, onde é acusado de assassinato.

O delegado da polícia civil de Parauapebas, Fabrício Andrade, informou que o acusado é morador da cidade de Curionópolis, mas durante um trabalho no município de São Félix do Xingu, ele teria matado um homem. “Ele confessou o homicídio e justificou o crime dizendo que estava sendo ameaçado de morte. Mas, segundo as investigações, foi um acerto de contas por causa de drogas. Ele foi preso no dia 25 de junho deste ano, mas conseguiu fugir depois que fez um buraco na cela”, disse o delegado, que já foi alertado pela polícia de São Felix que José Augusto tem facilidade em cavar buraco para fugir da cadeia e por isso ficou conhecido por “Tatu”.

O acusado já foi pronunciado ao Tribunal de Júri e deve ser julgado pelo crime de homicídio. Mas, José Augusto vai permanecer em Parauapebas porque foi preso em flagrante, e só deve ser transferido para São Felix quando for requisitado pela justiça para comparecer às audiências públicas.

Alimentação

Alimentos biofortificados são plantados em área piloto em Marabá

A Embrapa já lançou oito cultivares biofortificadas com maior teor de vitamina A, ferro, zinco e carotenoides, como o betacaroteno.

Batata doce, macaxeira, milho e feijão-caupi biofortificados são as cultivares desenvolvidas pela Embrapa com maior teor de ferro, zinco e vitamina A, que começaram a se plantadas em uma área piloto de quatro hectares desde a última quarta-feira, 28, no município de Marabá. O plantio ocorre até a semana que vem no campus rural do Instituto Federal Tecnológico do Pará (IFPA), local no qual funcionará uma unidade de demonstração e capacitação para o cultivo desses alimentos.

O trabalho deverá atender inicialmente 60 famílias localizadas em sete assentamentos no entorno de Unidades de Conservação e Áreas de Proteção Ambiental nos municípios de Marabá, São Félix do Xingu e Parauapebas. As famílias receberão as sementes e mudas biorfortificadas e serão capacitadas para o cultivo.  O coordenador do Núcleo da Embrapa em Marabá, Daniel Mangas, explica que essa área experimental servirá para capacitar técnicos que apoiarão as famílias nos assentamentos. O próximo passo, continua o coordenador, é firmar a parceria com a Prefeitura de Marabá para o fornecimento desses alimentos para a merenda escolar do município.

A biofortificação é resultado de um processo de cruzamento de plantas da mesma espécie, gerando cultivares mais nutritivas. “É importante ressaltar que não é alimento transgênico (onde há incorporação de genes de outro organismo no genoma da planta) e que o próprio produtor tem a autonomia para reproduzir sua semente ou muda”, destaca Daniel Mangas.

A ação faz parte do Projeto Mosaico, coordenado pela Embrapa Amazônia Oriental e Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), e os parceiros do trabalho são Instituto Federal Tecnológico do Pará – Campus Rural Marabá (IFPA), Secretaria de Estado de Desenvolvimento Agropecuário e da Pesca, Emater, Ideflor-Bio e as Prefeituras de Marabá, São Félix do Xingu e Parauapebas.

Ações iniciais – A ação no município de Marabá é a segunda no estado do Pará. A Embrapa Amazônia Oriental já realizou um curso para o cultivo de alimentos biofortificados na sede da instituição no final de agosto. Os primeiros agricultores familiares do estado que receberam treinamento para o cultivo desses produtos foram dos municípios de Bujarú, Capanema e São Caetano de Odivelas. O objetivo é melhorar a dieta da população paraense, especialmente a mais carente.

De acordo com dados da Rede Biofort – um conjunto de projetos na área coordenados pela Embrapa, as deficiências de ferro e vitaminas, são as formas mais comuns de má nutrição com consequências na saúde pública. No Brasil cerca de 50 % das crianças em idade escolar sofrem de algum tipo de deficiência em ferro.

A Embrapa já lançou oito cultivares biofortificadas com maior teor de vitamina A, ferro, zinco e carotenoides, como o betacaroteno. Para se ter uma ideia, a batata doce biofortificada tem 115 microgramas (µg) de betacaroteno por grama de raízes frescas enquanto que a convencional tem 10 µg; o milho biofortificado tem o dobro de vitamina A que o convencional; já o feijão caupi biofortificado tem 77 mg de ferro por kilo e o convencional tem 50 mg.

Pesquisadores de 15 Unidades da Embrapa em diferentes regiões do Brasil trabalham na Rede BioFORT visando a segurança nutricional da população brasileira, tendo o foco direcionado aos alimentos básicos como arroz, feijão, feijão-caupi, mandioca, batata-doce, milho, abóbora e trigo.

Justiça

Presidente da OAB-PA chega a São Félix do Xingu para acompanhar audiência de custódia de suposto assassino da advogada

Alberto Campos disse que é preciso que Kenny Neves seja mantido na cadeia e que se faça justiça

Por Eleutério Gomes – de Marabá

O presidente da OAB/PA (Ordem dos Advogados do Brasil – Seção Pará), Alberto Campos, está se deslocando neste momento para São Félix do Xingu. Ele vai participar, amanhã, terça-feira (26), pela manhã, da audiência de custódia do indivíduo Kenny Müller Barbosa Neves, que na manhã de hoje confessou com detalhes o assassinato da advogada Dilamar Martins da Silva, na última quarta-feira (20).

O corpo da advogada, que morava sozinha em uma fazenda de sua propriedade distante 60 km da sede do município foi encontrado carbonizado dentro de um pneu, na manhã de ontem, domingo (24). Após investigações, policiais civis da Superintendência Regional do Alto Xingu prenderam Kenny na manhã desta segunda-feira, quando ele se preparava para fugir pelo rio.

Em seu depoimento, ele contou que havia sido contratado pela advogada havia 45 dias, pelo valor de R$ 50,00 a diária, mas que Dilamar estava se recusando a fazer o pagamento e que ele estava percebendo que ela colocava veneno na comida dele. Disse que, por esse motivo, resolveu matá-la, primeiramente com um golpe de facão, mas, ela conseguiu correr, porém caiu mais adiante. Foi quando Kenny, segundo as próprias palavras, resolve dar o golpe de misericórdia armado com uma enxada. Depois, ainda segundo ele, arrastou o corpo 100 metros dentro da mata e o queimou usando um pneu como combustível.

Os policiais que interrogaram o rapaz disseram que ele apresentava sinais visíveis de transtorno mental quando do interrogatório.

Que se faça justiça

Ainda no Aeroporto de Parauapebas, onde foi recebido pelos presidentes das Subseções da Ordem em Tucumã e Parauapebas, Drs. Weder Coutinho Ferreira e Deivid Benasor da Silva Barbosa, respectivamente, Alberto Campos disse ao Blog que está indo a São Félix acompanhar a audiência de custódia que deve acontecer amanhã, pela manhã, para tentar manter o acusado na prisão.

“Depois, vamos nos se inteirar mais do caso. Pois, embora a versão que ele apresentou não tenha relação com a advocacia, a OAB tem de estar vigilante para que seus associados tenham a devida cobertura da Ordem. Temos de providenciar para que a justiça seja feita, observando o devido processo legal, para que nós possamos prestar contas aos familiares”, encerrou.

Polícia Civil do Pará

Preso suspeito do assassinato de advogada em São Félix do Xingu (Atualizada)

No momento ele está sendo interrogado pelo delegado Lenildo Mendes. Logo mais, notícias atualizadas sobre o caso

Por Eleutério Gomes – de Marabá

O delegado Lenildo Mendes dos Santos, da Superintendência Regional de Polícia Civil do Alto Xingu e a equipe comandada pelo delegado Pedro Henrique Alves Costa, acabam de prender o indivíduo Kenny Müller Barbosa, suspeito de ter matado a advogada e fazendeira Dilamar Martins da Silva. O corpo dela foi encontrado carbonizado, na tarde de ontem, domingo (24), em sua propriedade, a 50 quilômetros da sede de São Félix do Xingu.

Kenny seria empregado da fazenda e neste momento está sendo ouvido pelo delegado. Ele foi preso após buscas na região pela equipe de Lenildo Mendes, autodenominada de “Equipe Caveira”.

Dilamar estava desaparecida desde quarta-feira (20) e o que sobrou do corpo dela foi encontrado queimado em pneus, dentro da área da fazenda de propriedade da advogada. Ela já estaria aposentada da profissão de advogada, nunca advogou no Pará e o registro dela é de Goiás. Dilamar Martins da Silva morava só e ultimamente tratava apenas da propriedade.

Atualização às 11h10 – Informações da Polícia Civil do Pará

A Polícia Civil prendeu em flagrante, nesta segunda-feira, 25, Kenny Muller Barbosa Neves, de 18 anos, autor confesso do assassinato da advogada e fazendeira Dilamar Martins da Silva. Ele foi preso por uma equipe de policiais civis no momento em que tentava fugir do município de São Félix do Xingu, sudeste do Estado. Ele foi autuado em flagrante pelo crime de homicídio qualificado e ocultação de cadáver. Em depoimento, o preso confessou o crime, alegando que matou a vítima porque ela estaria lhe “perseguindo”, colocando veneno em sua comida, e também não teria pagado pelos seus serviços prestados como diarista na fazenda de propriedade da vítima.

Dilamar tinha registro de advogada da Ordem dos Advogados do Brasil em Goiás, mas não atuava como advogada havia mais de dez anos, e morava em São Félix do Xingu, onde era proprietária de fazendas. As investigações sobre o crime iniciaram ainda no domingo, dia 24, logo após a Polícia Civil tomar conhecimento do assassinato de Dilamar Martins da Silva. O corpo dela foi encontrado, ontem de tarde, por volta de 14 horas, por um trabalhador da fazenda. Estava totalmente carbonizado, dentro do terreno da fazenda de propriedade da vítima, de nome Maringá, a 50 metros da casa da vítima na propriedade rural. A fazenda fica a 60 quilômetros da sede do município. De imediato, o nome do suspeito, até então identificado como Wendell, chegou ao conhecimento da equipe de policiais civis, sob coordenação do delegado Lenildo Mendes, da Superintendência da Polícia Civil do Alto Xingu, em São Félix do Xingu, responsável pela investigação.

Segundo o delegado Pedro Andrade, titular da Superintendência, a vítima foi morta na quarta-feira passada e, no dia seguinte, o corpo teria sido queimado, segundo relatos já ouvidos nas investigações. As primeiras informações obtidas no curso das investigações foram de que o crime teria sido resultado de um desentendimento com a vítima. O acusado trabalhava para a vítima prestando serviços gerais de limpeza e manutenção da fazenda. Na quinta-feira passada, um dia após o crime, ele foi embora da fazenda sem falar com ninguém. No domingo, 24, o suspeito foi visto no município. O corpo foi removido para o Centro de Perícias Científicas de Marabá para ser periciado. No local do crime, foi apreendido o objeto que teria sido usado no crime, uma enxada usada para capinar o terreno da fazenda. A ferramenta foi levada para passar por perícia.

Durante as investigações, a equipe de policiais civis conseguiu informações sobre o paradeiro de Kenny Muller, que, nesta segunda-feira, foi localizado na beira do rio Xingu, no momento em que iria pegar um barco para fugir da cidade com destino a outra propriedade rural, para se esconder até “baixar a poeira”. Apresentado na Delegacia do município, o acusado apresenta visíveis sinais de transtornos mentais. Ao delegado Lenildo Mendes, o preso alegou que a vítima estaria lhe “perseguindo” não lhe deixando ir embora da fazenda. Ainda, em depoimento, Kenny alegou que a fazendeira estaria lhe envenenando. Ele também afirma que não teria recebido o pagamento pelos seus serviços prestados na fazenda Maringá. Assim, resolveu premeditar o crime. Na quarta-feira passada, resolveu matar a vítima a golpes de enxada e facão pelo corpo. Em seguida, arrastou o corpo cerca de 50 metros dentro do terreno, onde queimou o corpo, usando pneus. Ainda, conforme o delegado Pedro Andrade, o acusado agiu sozinho e fugiu sem nada levar da casa da vítima. Após a autuação, o preso vai ficar recolhido no município à disposição da Justiça.

error: Conteúdo protegido contra cópia!