Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Marabá

Escola Família Agrícola promove seminário para lançar projeto

O Projeto Produção e Educação Agroecológica a partir da EFA de Marabá tem financiamento do Basa e colaboração de diversos parceiros
Continua depois da publicidade

A Escola Família Agrícola (EFA) “Professor Jean Hébette”, por meio do Instituto de Promoção Ecológica e Social (IPÊS), promove, na próxima quinta-feira (21), a partir das 16h, o Seminário de Lançamento do Projeto: Produção e Educação Agroecológica a partir da Escola Família Agrícola de Marabá – Pará (Proefa). O evento acontece em sua sede, localizada no km 23, da Rodovia BR 230 – Transamazônica (sentido Itupiranga), em Marabá.

O projeto foi apresentado em setembro de 2017, no âmbito do edital de patrocínio 2018 do Banco da Amazônia. Após aprovação, passando pela tramitação legal, foi celebrado o contrato 083/2018, que prevê o repasse, pelo banco, de R$ 18 mil, a ser executado de maio a dezembro de 2018, os resultados esperados são: implantação de um biodigestor, a criação de duzentas galinhas caipiras em sistema semi-intensivo visando à produção de ovos e carne e criação de dez mil peixes da espécie tambaqui.

O Proefa tem como bases os aspectos: produtivo e educativo ancorados na Agroecologia e visa a promoção educacional de jovens agricultores, de forma participativa e integrada com as famílias e as comunidades, fundamentada na Pedagogia da Alternância e nos princípios da Educação do Campo. Com a crença de que “é possível produzir conhecimentos e alimentos agroecológicos” a partir das Unidades Produtivas e Educativas (UPEs) da EFA.

O Banco da Amazônia patrocina projetos que difundam a cultura da Amazônia, estejam aliados às políticas públicas e sejam realizados em parceria com os diversos atores sociais, além da valorização aos projetos comprometidos com o desenvolvimento e que respeitem sempre a sustentabilidade econômica, social e ambiental da região amazônica como meio de valorizar a sociedade e promover o desenvolvimento de sua população.

A EFA tem como parceiros a Prefeitura de Marabá, por meio da Secretaria Municipal de Educação (Semed), a quem está vinculada, mas recebe o apoio de outras secretarias. Para suporte técnico e realização das oficinas de capacitação conta com assessoria da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado do Pará (Emater).

Na solenidade de abertura está prevista a participação do vice-prefeito de Marabá, Toni Cunha, e representantes das instituições parceiras. O Seminário encerra com Sarau Junino com apresentações de quadrilhas e expressões artísticas e culturais.

A comunidade escolar da EFA está muito alegre com esse patrocínio, e outros projetos que estão em tramitação visando a consolidação do Proefa nas suas diversas Unidades Produtivas e Educativas (UPEs).

(Fonte: Ipês)
Marabá

Projeto sobre desperdício de água em bebedouro de escola vai à Brasília

Aluno de 14 anos sensibiliza colegas a evitar desperdício e ganha respaldo em conferência estadual
Continua depois da publicidade

No dia 14 de junho próximo, Ronaldo Brito Simões Filho, de 14 anos de idade, vai viajar para Brasília, levando na bagagem um projeto simples, mas representativo para participar da V Conferência Nacional Infantojuvenil do Meio Ambiente. O delegado estadual vai mostrar para pessoas de todo o País como ações educativas básicas estão contribuindo para mudança de comportamento que envolve colegas de sua escola (Heloísa Souza Castro) e ainda sua família.

Para chegar a Brasília, o projeto de Ronaldo venceu uma etapa municipal durante a Conferência Infantojuvenil do Meio Ambiente no início deste ano letivo, depois foi a Belém, em março, onde foi selecionado para representar o Pará no evento nacional.

A coordenadora pedagógica da Escola Heloisa Souza Castro, Edilene Dias Fernandes, vibra com o alcance do projeto e diz que a participação daquela instituição foi estimulada por uma formação ofertada pela SEMED (Secretaria Municipal de Educação) em parceria com a Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Cosanpa, tendo como base o fato de 2018 ser o ano mundial da água.

“Junto com o professor José Anasion Moreira, de Ciências, participei daquela formação e decidimos desenvolver um projeto em nossa escola, onde contamos com o envolvimento do professor de Geografia, Antônio Batista. Deu certo, porque aliamos essa temática à 5ª Conferência Infantojuvenil e inserimos duas turmas”, relembra.

Os educadores elaboraram junto com os alunos o projeto “Água Viva para a Vida”, com o objetivo de mostrar para a comunidade escolar a grande importância da água, que embora ainda seja abundante na Amazônia, corre o risco de acabar um dia. “Este projeto está contribuindo com a formação de jovens cidadãos conscientes, aptos a tomarem decisões e atuarem diante da realidade em que o planeta terra e a nossa região vem enfrentando com a poluição e escassez da água, provocada pelo comportamento humano”, diz a coordenadora.

ÁGUA DO BEBEDOURO
Na primeira etapa do projeto, professores e Ronaldo voltaram a atenção para o bebedouro da escola, onde há três torneiras com água gelada e alguns copos. Ali, os cerca de 900 alunos revezam o uso desses copos plásticos e aqueles que não queriam fazer uso do mesmo utensílio, usavam as mãos como concha e bebiam, derramando muita água.

A partir dessa observação, Ronaldo começou uma campanha nas salas de aula para que todos os alunos trouxessem de casa seu próprio copo, o que garantia a não transmissão de várias doenças. Além disso, o desperdício de água no bebedouro caiu bastante. “Ao compartilhar um copo, é possível pegar herpes, hepatite A, amigdalite e também viroses respiratórias”, observa Edilene Fernandes.

SOU JOVEM MULTIPLICADOR
Ronaldo Simões, apesar da pouca idade, sabe que tem responsabilidade de sensibilizar outros colegas da escola a evitar o desperdício da água. Revela que precisou, primeiro, mudar o próprio comportamento, e isso refletiu também em sua casa, onde sua família passou a gastar menos água no chuveiro e na pia. Ele revela que na escola, os alunos das séries iniciais assimilam as informações mais facilmente e mudaram de comportamento, levando os próprios copos para a escola e usando quando necessário no bebedouro. “Parece uma coisa simples, mas a gente deixa de desperdiçar água potável e tratada. Eu e outros colegas somos jovens multiplicadores dessa mudança de atitude”, comemora.

Na continuação do projeto, professores e alunos estão mobilizados para construir uma horta hidropônica na escola para contribuir com a merenda escolar e compartilhar com os estudantes um conceito simples de sustentabilidade.

Paralelamente, outros projetos importantes estão sendo desenvolvidos na Heloisa de Souza Castro, como “Judiciário na Escola” e “Xadrez Inclusivo”, por exemplo.

Esportes

Parauapebas recebeu a cerimônia de abertura dos JEPS

Jogos Estudantis Paraenses começam nesta quinta-feira (24) e vai reunir alunos das cidades do sul e sudeste do Pará
Continua depois da publicidade

O Ginásio Poliesportivo de Municipal de Parauapebas recebeu na noite desta quarta-feira (23), a cerimônia de abertura oficial dos Jogos Estudantis Paraenses (JEPS), que serão realizados de 24 a 27 de maio. Atletas de nove cidades do sul e sudeste do estado do Pará estarão disputando jogos nas modalidades de futsal, voleibol, basquetebol e handebol, no masculino e feminino. Destaque para a delegação de Parauapebas, que irá participar com 157 atletas.

A cerimônia de abertura contou com as execuções dos hinos do Brasil, do estado do Pará e da cidade de Parauapebas, além da apresentação das meninas do balé, que fazem parte do projeto da Secretaria Municipal de Esporte e Lazer (SEMEL), onde recentemente conquistaram bons resultados em evento realizado em Marabá. Também houve o juramento do atleta e a tocha simbólica dos JEPS foi acesa pela estudante Emilly Mota.

“Eu me senti maravilhada pela primeira vez carregar uma tocha. É um orgulho para todos, tanto para o meu time, como representando todos os municípios que estão aqui nesse momento”, falou Emilly Mota.

O evento contou com a presença de alunos, professores, organizadores, autoridades locais e os secretários da SEMED e SEMEL, que juntos estão em parceira no evento que é realizado pelo governo do estado do Pará.

 “Um momento importante para a nossa cidade, para os nossos atletas e não deixa de ser importante também para as cidades vizinhas. Um momento de integração, um momento de esporte que com certeza vai ficar marcado na vida de todos esses alunos”, afirmou Laoreci Diniz, secretário da SEMEL.

As escolas vencedoras dos JEPS da etapa regional garantem vaga para a próxima fase estadual, que será realizada na capital Belém no final do ano. Quem for bem na capital vai participar da etapa nacional.

“Quem se classificar nessa etapa regional vai para a fase estadual, que vai ser em Belém e esse ano vão reunir as duas categorias e nós vamos realizar as finais no Ginásio Mangueirinho, na Arena Guilherme Paraense, e será transmitida ao vivo por uma emissora”, afirmou Ana Glória Guerreiro, diretora geral dos jogos.

A partir desta quinta-feira (24), as escolas estarão participando de jogos acirrados e contará com alunos das cidades de Parauapebas, Bom Jesus do Tocantins, Canaã dos Carajás, Jacundá, Marabá, Nova Ipixuna, Pacajá, Rondon do Pará e São Geraldo do Araguaia.

Marabá

PM inicia processo para transformar escola em Colégio Militar em Marabá

CAIC, na periferia da cidade, com 900 alunos, terá uniforme e disciplina militar a partir de agosto
Continua depois da publicidade

As primeiras ações práticas para transformar a escola Rio Tocantins, conhecida popularmente como CAIC, na Folha 13, em colégio militar, estão sendo dadas esta semana, com reuniões entre o comando da Polícia Militar com gestores da SEMED (Secretaria Municipal de Educação) e educadores da própria unidade escolar.

Na segunda-feira, 23, o secretário de Educação, Luciano Lopes Dias, acompanhado de técnicos da SEMED, participou de uma reunião com oficiais da Polícia Militar que atuam no projeto Polícia Comunitária, para discutir a metodologia de trabalho e os próximos passos a serem dados para a concretização da implantação do colégio militar.

Pela PM, participaram o coronel Mauro Sérgio Marques Silva, comandante do Comando de Policiamento Regional II; tenente coronel Leno Márcio do Carmo, da Polícia Comunitária; e o capitão Harley Alves, do CPR II. Também esteve na reunião a diretora do colégio CAIC, Hellen Nyde da Silva e Souza.

O secretário Luciano Dias observa que as discussões estão sendo feitas em conjunto para que não haja atropelos, inclusive com representantes do Estado, porque a mudança na configuração da escola vai alcançar não apenas o Ensino Fundamental, mas também o Ensino Médio, de responsabilidade do governo do Estado. “Discutimos os atos preparatórios para essa nova configuração tão aguardada pela comunidade”.

No mesmo dia, os militares mantiveram um diálogo com o corpo docente da escola CAIC, para que tivessem conhecimento do que será implantado e a atribuição da PM no contexto escolar como forma de fortalecer o trabalho dos educadores.

Também esta semana a Polícia Militar realizou reunião com 42 PM’s para selecionar 25 homens que irão trabalhar na Escola CAIC, em regime de revezamento. Haverá um oficial de referência, que comandará as ações educativas que serão realizadas no ambiente escolar diariamente.

Ainda esta semana, a SEMED vai definir o padrão de uniforme dos alunos do CAIC e logomarca. Em junho, está prevista a apresentação dos uniformes para a comunidade escolar. Em agosto, quando reinicia o ano letivo, está prevista a implantação definitiva da Escola Militar. “Neste momento, o governo está finalizando o orçamento da reforma de toda a unidade escolar e teremos nos próximos dias a licitação para essa obra, a fim de que os trabalhos sejam executados até o final de julho”, explica.

No dia 12 de maio próximo, haverá mais uma ação de militares, que vão participar da programação do Dia da Família na Escola, para apresentar o projeto para os pais e responsáveis pelos alunos. “Nessa ocasião, teremos um grupo bem representativo de policiais na Escola CAIC, que farão várias apresentações”, antecipa.

Paralelamente, segundo o secretário, a SEMED está elaborando um Manual do Aluno, que conterá os direitos e deveres dos mais de 900 estudantes daquela escola.

O diálogo sobre a mudança vai se estender, no mês de maio, ao Conselho Municipal de Educação, Conselho Tutelar e Ministério Público Estadual, para esclarecer os documentos e a forma de funcionamento da escola. “Nossa intenção é termos uma leitura conjunta e bem qualificada dos órgãos sobre as ações que serão implantadas no Colégio Militar”.

A diretora Hellen Nyde se mostra radiante com a transformação do CAIC em escola militar e afirma que todos os educadores estão motivados para realizar um trabalho em parceria com a PM. “Antes mesmo de o projeto começar, já percebemos uma mudança no comportamento dos alunos e na postura da comunidade com toda a perspectiva de melhoria nos meses seguintes. “Muitos dizem que já estão se sentindo mais seguros. E a chegada dos militares vai possibilitar melhores condições de trabalho para nossa equipe pedagógica”, prevê ela.

O coronel Leno do Carmo antecipa que a pretensão da Polícia Militar é lançar, em 12 de maio, no Dia da Família na Escola, uma contagem regressiva para os 100 dias do lançamento do Colégio Militar. “Não faremos interferência no trabalho pedagógico dos professores. Trabalharemos com a disciplina e, acreditamos, ela terá influência na melhoria do desempenho escolar dos alunos”, diz o oficial.

Ulisses Pompeu
Marabá

Lançado em Marabá o Projeto Conhecendo a Constituição em Miúdos

Dez escolas farão parte de um programa piloto que pretende levar para as salas de aula a Constituição, em linguagem acessível aos adolescentes
Continua depois da publicidade

Aconteceu na manhã desta sexta-feira (9), na Câmara Municipal de Marabá, o lançamento do Projeto Conhecendo a Constituição em Miúdos, uma parceria entre a Elmar (Escola do Legislativo de Marabá) e a Semed (Secretaria Municipal de Educação). O objetivo é levar a Constituição Federal de 1988, que está completando 30 anos, para dentro das salas de aula. A proposta, agora em prática em 10 escolas de Ensino Fundamental de Marabá, foi inspirada no livro “Constituição em Miúdos”, de autoria da servidora pública Madu Macedo, de Pouso Alegre (MG), que explica a Constituição em forma de diálogos dirigidos ao público adolescente.

Segundo Gabriela Silva, diretora da Elmar, trata-se de um Projeto Piloto com 10 escolas do município, para classes do 6º ao 9º ano. “É importante conhecer a Constituição porque ela é que serve de base para todas as leis e ordenamentos que os alunos vão seguir ao longo da vida”, disse ela.

Por ser uma leitura muito complexa, que proporciona várias interpretações, a autora do livro, Madu Macedo, procurou transmiti-la em linguagem mais simples. “Ficou muito boa, vocês vão poder observar”, disse Gabriela aos professores e estudantes que compareceram ao lançamento.

Ela explicou os passos seguintes do projeto, que vai iniciar com palestras proferidas nas escolas, envolvendo não só os alunos, mas também pais e professores.

Vários vereadores se pronunciaram sobre o programa, entre eles, o presidente da Câmara Municipal, Pedro Correa Lima (PTB). Ele falou da importância que é conhecer a Lei Maior do País, para que cada um saiba quais os seus direitos de deveres. Na oportunidade, Pedro anunciou que vai apresentar projeto de lei propondo que a Constituição Federal seja incluída na grade curricular das escolas do município.

O também vereador Marcelo Alves dos Santos (PT), presidente da Comissão de Educação da Câmara Municipal de Marabá, comemorou aquele momento, afirmando que se trata de um dos mais importantes projetos que já passou pela Casa. Afirmou que, levado às escolas, vai ajudar a formar cidadãos de bem e levá-los a conhecer seus diretos, deveres e também conhecer as atribuições dos poderes Legislativo, Executivo e Judiciário.

As primeiras 10 escolas a serem beneficiadas com o projeto, selecionadas pela Semed, são: Irmã Theodora, Josineide Tavares, Geraldo Veloso, Salomé Carvalho, Paulo Freire, São Félix, Pedro Peres Fontenelle, Deuzuita Melo de Albuquerque, Martinho Mota da Silveira e Judith Gomes Leitão.

As escolas vão receber, inicialmente, 2 mil exemplares do livro “Constituição em Miúdos”, cuja impressão foi viabilizada pelos senadores paraenses Paulo Rocha (PT) e Flexa Ribeiro (PSDB). “Espero que todos estejam envolvidos nesse projeto, porque ele só vai acontecer se professores e alunos abraçarem a causa”, disse Gabriela.

Por Eleutério Gomes – Correspondente em Marabá
Marabá

MP leva “Quintal da Vovó” e sustentabilidade para escolas de Marabá

Projeto de horta será levado a todas as escolas do município para promover segurança alimentar e boas práticas ambientais
Continua depois da publicidade

Um projeto que nasceu no Ministério Público Estadual e alcançou diversos parceiros chegou esta semana a cinco escolas municipais em Marabá. Denominado de “Quintal da Vovó”, ele foi implantado no Núcleo de Educação Infantil Maria Clara Machado e ainda nas escolas de ensino Fundamental Raimundinho, Doralice de Andrade Vieira, Ida Valmont e São José (zona rural).

O projeto visa à implantação de hortas nas escolas, fazendo com que os próprios alunos tenham contato com a terra, e aprendam a plantar e a cultivar alguns alimentos. A iniciativa prevê também o plantio de árvores nas áreas externas da escola.

A idealização e a apresentação do projeto ocorreram em outubro e novembro de 2017, quando as promotoras de justiça de Marabá Mayanna Queiroz e Josélia Leontina de Barros realizaram reuniões para a criação de um grupo com a responsabilidade de criar um projeto, visando resgatar o verde nas escolas públicas do município.

A parceria envolve representantes do MPPA, Secretária Municipal de Educação de Marabá (Semed), Secretaria Municipal de Agricultura (Seagri), Embrapa, Sebrae, Emater, com apoio da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (Unifesspa).

Segundo a promotora Mayanna Queiroz, a ideia do projeto surgiu como forma de fortalecer a merenda escolar, para que as escolas públicas sejam sustentáveis, produzindo parte de seu próprio alimento e saladas, dando mais condições nutritivas para as crianças. “Também objetiva envolvê-las nas questões ambientais, com hortaliças e árvores frutíferas. O nome surgiu em comum acordo e visa resgatar a influência de nossos avós na produção de hortaliças nos quintais de casa. Aliás, os estudantes serão incentivados a motivar os pais a fazer isso”, explica a promotora.

Motivada, Mayanna Queiroz revela que outras escolas estão sendo escolhidas e ainda este ano o projeto será levado para essas comunidades. “Queremos que o “Quintal da Vovó” chegue a outros municípios da região e do Estado como exemplo de boas práticas na relação entre o MP e outros órgãos das esferas municipal e estadual”.

Leonardo Araújo da Silva, servidor da Semed e engenheiro agrônomo, explica que o secretário de Educação, Luciano Dias, recebeu com muito entusiasmo a ideia do projeto do Ministério Público e colocou uma equipe à disposição para que ele se tornasse realidade. “Juntos, todos os parceiros, fomos modelando um projeto que contemplasse a parte lúdica, de educação ambiental, aproveitamento de resíduos e sustentabilidade”, conta Leonardo.

Ele destaca também que ficou definido que a horta não ficaria isolada em cada escola, mas que se tornaria um combo da sala de aula, gerando várias aulas atrativas.

Em cada escola foi escolhido um conselho do meio ambiente, coordenado por um servidor que tenha afinidade com a atividade    e com participação também de pais e alunos que tenham interesse.

EXPERIÊNCIA DA UNIFESPPA
Leonardo revela que foi buscar a experiência que o colega engenheiro agrônomo Igor Vinícius de Oliveira, servidor da Unifesspa, tinha com hortas orgânicas no interior da universidade e o convidou para ajudar a implantar o “Quintal da Vovó” nas escolas.

Igor conta que a Reitoria de Extensão da Unifesspa lançou um programa de bolsas de extensão, e foi através dele que aprovou um projeto, com o qual selecionou dois bolsistas do curso de Agronomia, que associam o conhecimento da academia com a prática. “Mantemos uma horta na universidade, com minhocário, e desenvolvemos outras ações. Nas escolas, os dois bolsistas auxiliam com palestras educativas para os estudantes. Com as hortas nas escolas, a gente está trazendo segurança alimentar para as pessoas, porque não usamos produtos químicos”, diz.

Na visão de Igor, a horta é uma sala de aula a céu aberto, onde os professores podem ministrar aulas de ciências, matemática, entre outras, estimulando a responsabilidade dos alunos.

educação

Crise política afeta merenda escolar em Jacundá

Nilva Alves, do Conselho Municipal de Educação, procurada pelo Blog afirmou que está ciente do problema e que “marcou uma reunião com os conselheiros para tratar sobre o assunto. A reunião está prevista para acontecer amanhã, às 11h, na sede do conselho”.
Continua depois da publicidade

O início das aulas no município de Jacundá está comprometido por falta de merenda escolar nas escolas da rede municipal de ensino. A explicação seria a ausência de licitação para a compra de produtos alimentícios. Amanhã, sexta-feira, 9, o Conselho Municipal de Educação faz reunião para tratar sobre o assunto. A secretária de Educação, Leila Barbosa, não se pronunciou.

Anteriormente as aulas estavam previstas para começar no dia 25 de janeiro. Na ocasião o secretário era o professor Elias Gomes, exonerado do cargo no dia 2 deste mês quando Ismael Barbosa Assumiu a Prefeitura. Para o cargo, voltou Leila Barbosa, que havia sido exonerada no dia 27 de dezembro de 20147. Então, as aulas começaram parcialmente em algumas escolas e nem para todos os alunos. Creches e alunos do ensino infantil continuam em casa. As estatísticas do número de alunos não foram liberadas.

Durante a manhã de hoje a Reportagem visitou duas escolas da rede municipal. “Aqui os alunos estudam apenas no primeiro horário. Em seguida vão embora porque não temos merenda”, disse uma servidora que pediu para não ser identificada. Os freezers e os depósitos das escolas estão vazios. “É grave a situação”, comentou F.S.

É notório o medo que os servidores da rede municipal têm de sofrer alguma represália ao emitir qualquer manifestação pública. “Não quero entrar nessa questão, pois não sabemos quem estará amanhã ou depois na cadeira de prefeito ou à frente da secretaria de Educação”, afirmou outro servidor.

Nilva Alves, do Conselho Municipal de Educação, procurada pela Reportagem afirmou que está ciente do problema e que “marcou uma reunião com os conselheiros para tratar sobre o assunto. A reunião está prevista para acontecer amanhã, às 11h, na sede do conselho”.

Na secretaria de Educação (Semed), a secretária não atendeu a Reportagem. Foi deixado recado com sua assistente, porém, até o fechamento desta matéria não havia retornado. No site da Semed o calendário escolar continua o de 2017. Entramos também em contanto com ex-secretário Elias Gomes, e este não foi encontrado na cidade.

Uma fonte dentro da Semed, informou em off, que a falta de merenda escolar está relacionada ao entra e sai de prefeito e substituição dos gestores da Semed. “Todas as licitações estão com problemas”, garantiu.

Concurso

Prefeitura de Parauapebas e MP firmam TAC que prevê a realização de concurso para professor no município

O TAC prevê que o concurso seja realizado até o dia 31 de janeiro de 2018.
Continua depois da publicidade

O Ministério Público do Pará, por meio do Promotor de Justiça Hélio Rubens Pinho Pereira, firmou Termo de Ajustamento de Conduta com o Município de Parauapebas, através do Secretário Municipal de Educação, Raimundo Neto e da PGM,  para a realização de concurso para professor do ensino fundamental, nas zonas urbana e rural.

O acordo prevê 300 cargos para todas as disciplinas.

O TAC também teve a preocupação de combater o serviço temporário irregular. Desta forma, o Município ficou obrigado a não ultrapassar o limite de 10% da folha com temporários, e desde que a necessidade seja excepcional e temporária.

Por fim, o TAC estabeleceu a impossibilidade de servidores temporários ocuparem cargo de diretor e vice-diretor de escola.

O TAC prevê, ainda, que o concurso seja realizado até o dia 31 de janeiro de 2018.

O promotor de justiça Hélio Rubens afirmou que o acordo representa uma grande vitória: “Ele garante, por um lado, a seleção de professores melhor capacitado, elevando a qualidade da educação e, por outro, prestigia o respeito à regra do concurso público”, concluiu.