Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Eventos

Sebrae realiza Seminário Desafios do Crescimento em Parauapebas na próxima quarta-feira (8)

Grande sucesso de público em 2016, o seminário Desafios do Crescimento traz a Parauapebas especialistas em motivação, vendas e liderança.

Os empresários de Parauapebas terão uma ótima oportunidade de conhecer alguns caminhos para ampliar as vendas e oferecer o melhor atendimento aos seus clientes. O assunto será debatido durante o Seminário Desafios do Crescimento, promovido pelo Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas – Sebrae no Pará na próxima quarta-feira, 08, às 18h, no auditório do Instituto Federal do Pará (IFPA). As inscrições podem ser feitas gratuitamente.

Com a tríade inovação, motivação e vendas, o evento traz à cidade duas referências nacionais no assunto e que trarão aos participantes. Janderson Santos é Administrador, especialista em marketing e vendas, Coach e Analista Comportamental, escritor, empresário, palestrante e ilusionista. Janderson Santos é um dos mais jovens palestrantes a se destacar no cenário nacional, sendo reconhecido por seu carisma, criatividade e domínio total de conteúdo e plateia ao falar de vendas e atendimento.

Bruno Miranda é uma das grandes referências no Brasil, Coach com 4 certificações Internacionais, Engenheiro e Administrador com Pós-Graduação e MBA, já foi assistido por mais de 300 mil pessoas nos últimos 4 anos, é empresário, empreendedor e apaixonado por inspirar pessoas.

O evento conta com o apoio da Associação Comercial Empresarial de Parauapebas (Acip) e Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL).

SEMINÁRIO
O seminário é uma solução diferenciada dos programas nacionais Sebrae Mais e Na Medida, criada para apresentar novos temas e tendências em gestão para pequenas empresas.

Trata-se de um evento de oportunidades para os pequenos negócios, que continuam crescendo e se desenvolvendo, apesar do cenário atual. A proposta é promover o debate entre empresários para o aprimoramento da gestão, com vistas ao desenvolvimento e à expansão dos negócios.

Desde a sua criação, em 2015, cerca de 5 mil pessoas já participaram dos seminários, que foram realizados em 13 municípios: Belém, Capanema, Bragança, Castanhal, Paragominas, Juruti, Redenção, Xinguara, Marabá, Tucuruí, Cametá, Barcarena, Rurópolis.

O evento também será realizado em Canaã dos Carajás no dia 09/11.

Serviço: Seminário Desafios do Crescimento com palestra sobre “A Mágica das Vendas” com Janderson Santos.

Dia 08/11 (quarta-feira), das 18h às 22h, no auditório da IFPA (Rodovia PA 275, s/n – União- Parauapebas).

Meio Ambiente

Mosaico Carajás participa de Seminário sobre turismo em áreas protegidas da Amazônia

O Seminário teve como objetivo discutir ações para desenvolver o turismo em Unidades de Conservação na região Amazônica.

 

O Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) representou as unidades de conservação do Mosaico de Carajás no IV Seminário de Turismo em Áreas Protegidas da Amazônia, realizado no Centro de Artes da Universidade Federal do Amazonas (UFAM), em Manaus (AM), durante os dias 18 a 20 de abril.

O Seminário teve como objetivo discutir ações para desenvolver o turismo em Unidades de Conservação na região Amazônica.

O evento é resultado do programa de Parceria para a Conservação da Biodiversidade na Amazônia estabelecido entre os governos do Brasil e Estados Unidos.

Promovido pela Universidade Estadual do Amazonas e o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio/DF), o Seminário contou também com parcerias de instituições internacionais, nacionais e representantes da iniciativa privada. Durante a programação, várias experiências sobre o desenvolvimento do turismo e visitação em unidades de conservação norte americanas, colombianas e brasileiras foram compartilhadas.

Palestrantes internacionais e nacionais abordaram temas como a diversificação do uso público, trilhas aquáticas, pesca esportiva e turismo de base comunitária.

Para o coordenador-geral do Uso Público no ICMBio, Pedro Meneses, o turismo deve ser considerado instrumento de conservação ambiental e uma ferramenta de negócios, como estratégia econômica para a região.

“A participação da Floresta Nacional de Carajás no Seminário foi de extrema importância para enriquecer o programa de uso público que já é desenvolvido na nossa região. As unidades de conservação do Mosaico de Carajás, vem ganhando muito destaque pelo potencial cênico e os atrativos turísticos únicos no sul e sudeste do Pará. Essas experiências poderão ser aplicadas através de parcerias com o município em Parauapebas e nos outros municípios do entorno dessas unidades”, disse o chefe substituto da Floresta Nacional de Carajás, Marcel Machado.

O Mosaico de Carajás é composto pela Área de Proteção Ambiental do Igarapé Gelado, a Floresta Nacional de Carajás, Floresta Nacional do Itacaiúnas, Floresta Nacional do Tapirapé-Aquiri e Reserva Biológica do Tapirapé.  São áreas legalmente instituídas pelo Governo Federal para proteger a biodiversidade onde é possível o uso de seus atributos naturais pela comunidade para pesquisa científica, ações de educação ambiental e recreação, através do turismo ecológico.

Pará

Prefeitos eleitos e reeleitos do Pará participam de Seminário em Brasília

Nos próximos dias 24, 25 e 26 de outubro, os prefeitos eleitos e reeleitos do Pará terão uma de suas primeiras atividades na agenda. Eles participarão do Seminário Novos Gestores, que acontece no Centro Internacional de Convenções do Brasil, em Brasília.

O evento será realizado pela Confederação Nacional de Municípios – CNM, em parceria da Federação das Associações dos Municípios do Pará – Famep, juntamente com suas Associações e Consórcios Regionais.

O objetivo é capacitar os prefeitos para uma gestão de qualidade, para isso, serão apresentados os desafios, caminhos e sugestões para auxiliar na administração municipal durante os próximos quatro anos. O encontro receberá também os demais prefeitos das Regiões Norte e Centro-Oeste.

Na programação articulada pela Famep, os gestores terão também a oportunidade de reunir com ministros e com a bancada federal da Câmara de Deputados e Senado, em busca de fechar parcerias para a nova gestão.

Serviço

Seminário Novos Gestores
Data: 24, 25 e 26 de outubro
Hora: 8h
Local: CICB (Centro Internacional de Convenções do Brasil)
End.: SCES Trecho 2, Conjunto 63, Lote 50 – Asa Sul, Brasília/DF.

Notícias

Seminário jurídico marca os 20 anos da Justiça Federal em Marabá nesta quinta-feira

Um seminário jurídico aberto a autoridades, advogados e acadêmicos de cursos de Direito vai marcar, nesta quinta-feira (30), os 20 anos de instalação da Justiça Federal em Marabá, na região sul do Pará. A vice-diretora do Foro, juíza federal Carina Bastos de Senna, participará do evento representando a Seção Judiciária do Pará.
O seminário, intitulado “20 Anos da Justiça Federal no Sul do Pará”, constará de duas palestras. A primeira será proferida pelo diretor da Subseção e juiz federal da 1ª Vara, Marcelo Honorato, que discorrerá sobre “Responsabilidade criminal em acidentes aéreos”. O juiz federal Heitor Moura Gomes, da 2ª Vara, vai abordar o tema “A Justiça Federal e a desapropriação para fins de reforma agrária”.
O diretor do Foro da Seção Judiciária do Pará, juiz federal Sérgio Wolney de Oliveira Batista Guedes, que não poderá estar presente ao seminário em virtude de compromissos inadiáveis em Belém, congratulou-se com magistrados, servidores e terceirizados da Subseção.
“Registro minhas homenagens à Subseção Judiciária de Marabá, por sua história e relevantes serviços prestados ao sul do Pará, sobretudo aos magistrados e servidores que nela cumpriram honradamente o seu dever, conduzindo-a aos dias atuais, bem assim saúdo os magistrados e servidores atuais pela excelente iniciativa do seminário”, disse o magistrado.
O diretor da Subseção, Marcelo Honorato, também ressaltou a importância da Justiça Federal no interior do Pará, sobretudo numa região como o Sul do Pará, onde muitos jurisdicionados ainda enfrentam muitos obstáculos, inclusive de ordem geográfica, para procurar seus direitos.
“Desde a década de 70, a região sul do Estado do Pará é centro de muito conflitos, região em que a segurança jurídica nem sempre foi seu forte. Somente com a maior proximidade do Estado brasileiro é que o cenário vem se modificando, em especial com a interiorização da Justiça Federal. Temos um grande caminho ainda a percorrer, mas já colaboramos bastante com a melhoria desse cenário”, destacou Marcelo Honorato.
Duas varas – Instalada em 21 de junho de 1996, a Vara de Marabá teve como juiz instalador Antônio de Paula Oliveira, então titular da 3ª Vara da Seção Judiciária do Estado de Minas Gerais. Sua 1ª Vara possui competência geral e Juizado Especial Federal Adjunto – tanto cível como criminal. Em 2011, foi instalada a 2ª Vara, que possui competência para processar e julgar todas as ações (cíveis, criminais e de execuções fiscais) de todas as classes e ritos que, direta ou indiretamente, versem sobre Direito Ambiental ou Agrário.
Atualmente, a Subseção conta com 88 colaboradores (entre servidores, estagiários, terceirizados e conveniados), aprecia cerca de 9,9 mil processos e tem jurisdição sobre os seguintes municípios – num total de 16 – da região sul do Pará: Abel Figueiredo, Bom Jesus do Tocantins, Brejo Grande do Araguaia, Canaã dos Carajás, Curionópolis, Eldorado dos Carajás, Itupiranga, Marabá, Nova Ipixuna, Palestina do Pará, Parauapebas, Piçarra, Rondon do Pará, São Domingos do Araguaia, São Geraldo do Araguaia e São João do Araguaia. (Justiça em Foco)
Marabá

Em seminário realizado na Câmara Municipal de Marabá, empresário defende hidrelétrica sem eclusa.

Divaldo Santos“Marabá não deveria ter o menor interesse na construção de eclusa, pois não beneficiaria o município. Caso isso ocorra, corremos o risco de a indústria vertical da soja não se instalar aqui”. Divaldo Santos, empresário.

Não é só de hidrovia com eclusa que vivem os argumentos em defesa do desenvolvimento de Marabá. Na tarde desta terça-feira, 24, durante palestra que apresentou para vereadores e servidores da Câmara Municipal de Marabá, o empresário Divaldo Santos, ex-proprietário da siderúrgica Simara e que está investindo na construção de um porto particular para embarque de grãos, falou durante três horas e opinou, de forma polêmica, que para Marabá, é mais importante que a hidrovia venha sem eclusas e que a verticalização mineral, nos moldes da Alpa, não seria interessante para a cidade.

De acordo com o palestrante, isso tornaria Marabá, necessariamente, um entreposto de soja, criando uma cadeia produtiva em torno do produto. “Marabá não deveria ter o menor interesse em que se construa eclusa, pois não beneficiaria o município. Com esse modelo, as barcaças com produtos vindos do Mato Grosso e Goiás tirariam Marabá da posição de entreposto comercial e indústria vertical da soja não se instalará aqui”.

Divaldo apresentou ainda informações macro de mercado de produção do Brasil e do mundo, afirmando que é necessário que se fomente logística para o escoamento da produção nacional e, nesse cenário, a hidrovia do Tocantins Araguaia seria fundamental. Ele apresentou um estudo que indica que o Brasil, em 2020, será o maior supridor do mercado mundial.

O empresário informou que a produção de soja mundial é dominada por Brasil, Estados Unidos e Argentina, e nessa trilogia o Brasil é quem tem o maior espaço para crescimento. “Nosso país gasta 92 dólares na produção de soja, e nos EUA e Argentina o custo é bem menor. Cerca de 54% da produção nacional de soja advém do Norte e Nordeste, e é exportado pelo porto de Santos, e São Francisco do Souza. O destino da exportação brasileira é prioritariamente para China, que fica com 50% da soja e do milho”, observou.

Divaldo ainda explanou sobre o custo médio dos modais de transportes, enfatizando que a hidrovia é 120% mais barata que a ferrovia e 430% do que a rodovia. “Não tenho medo de dizer que a Baía do Guajará (situada no norte paraense) será o maior entreposto de soja do mundo”.

Por fim, o palestrante disse ser fundamental que Marabá crie uma Agência de Desenvolvimento no município, com suporte e condições de fomentar seu crescimento e atrair investidores.

Em seguida, os vereadores fizeram alguns questionamentos e se posicionaram sobre o tema explorado na reunião. Por sugestão do presidente do Legislativo, a cada pergunta o palestrante respondia em seguida.

A vereadora Irismar Melo advertiu que é preciso que a Agência de Desenvolvimento pense não apenas na questão do crescimento econômica, mas tenha também uma visão macro das necessidades sociais e ambientais. “Marabá já viveu vários ciclos, todos eles de exploração e extrativistas, deixando ônus social para a população”, lamentou a vereadora.

Pedro Correa reconheceu que a CMM está propondo um seminário para debater os grandes empreendimentos em Marabá e opinou que a Associação Comercial de Marabá (ACIM), por muitas vezes deixa aquele poder fora das discussões, e ressalvou que é preciso socializar mais as informações.

O presidente da Câmara, Miguel Gomes, contrapôs a argumentação do palestrante de que a hidrovia sem eclusas é mais interessante para Marabá. “E eu penso na hidrovia Araguaia Tocantins como um todo, gerando desenvolvimento para toda a região, diminuindo a pobreza, que é predominante no sul e sudeste do Estado”, ponderou.

Por Ulisses Pompeu – Correio do Tocantins

Canaã dos Carajás realiza seminário sobre desenvolvimento municipal

Adnan DemachkiNa noite de desta quarta-feira, 25, o secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico, Mineração e Energia (Sedeme), Adnan Demachki (foto) fará a palestra de abertura do Seminário de Desenvolvimento Municipal de Canaã dos Carajás  abordando os desafios de se administrar um município minerador. A intenção do secretário é apresentar estratégias para a união de forças entre a administração pública, sociedade civil organizada e a iniciativa privada, para o enfrentamento das dificuldades naturais de um município com vocação minerária.

O estreitamento dos diálogos com municípios mineradores, explica Adnan Demachki, é uma das estratégias previstas no Plano Estadual de Mineração, para estimular esses municípios a trabalhar outras atividades econômicas para além da mineração, procurando levar o município ao seu desenvolvimento e a não depender exclusivamente da atividade minerária.

Brasil

Especialistas debatem desenvolvimento local na Amazônia

O tema será abordado no seminário da série Diálogos Capitais Metrópoles Brasileiras, que ocorre nesta terça-feira no Hangar

A Amazônia tem 51% do território brasileiro, 25% da população e responde por 8% do PIB (Produto Interno Bruto) do país, segundo dados Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Para colocar em pauta a relevância da região e aprofundar a discussão sobre o desenvolvimento, envolvendo atores importantes, como o poder público, empresas privadas e entidades do terceiro setor, Belém recebe nesta terça-feira (09), o seminário da série Diálogos Capitais Metrópoles Brasileiras, que abordará o tema “Geração de Renda e Desenvolvimento Local”. O evento será realizado pela revista CartaCapital, sob curadoria do Instituto Envolverde, às 8h, no Hangar Centro de Convenções e Feiras da Amazônia e será aberto ao público.

Dal MarcondesPara o jornalista Dal Marcondes, colunista de CartaCapital e diretor executivo do Instituto Envolverde, o seminário Diálogos Capitais dá a oportunidade de se debater políticas públicas que normalmente não são tratadas pela mídia ou ao menos com um enfoque diferente. “Queremos lançar um olhar isento de ranços partidários sobre temas fundamentais para a qualidade de vida e o desenvolvimento das grandes cidades brasileiras. A série Diálogos Capitais – Metrópoles Brasileiras tem sido uma experiência importante ao lançar luz sobre temas relevantes”, destaca o jornalista, informando que após o evento serão produzidas matérias especiais que serão publicadas, posteriormente, pela revista CartaCapital.

A série teve início em 2014, com encontros realizados em São Paulo, Belo Horizonte, Recife e Porto Alegre. Em São Paulo foram abordados diversos temas, como habitação, segurança e mobilidade, enquanto nas outras capitais os diálogos foram focados em um único tema. Belo Horizonte debateu mobilidade urbana, Recife assistiu um relevante diálogo sobre segurança pública e Porto Alegre discutiu cidadania e economia criativa.

Em Belém, serão discutidos temas relacionados ao desenvolvimento local, como os desafios da Amazônia e o papel da agricultura e da pecuária. A abertura do seminário será realizada pelo prefeito de Belém, Zenaldo Coutinho, seguida da palestra “Modelos de desenvolvimento para a Amazônia e para o Brasil”, que será ministrada pelo Secretário Executivo da Rede Nossa Belém, José Francisco Ramos. A Rede atua junto ao poder público local em questões de desenvolvimento urbano e social.

Após a palestra magna será realizado o diálogo “Geração de renda e desenvolvimento local”, com a participação de Suênia de Souza, diretora do Centro Sebrae de Sustentabilidade, João Meirelles, diretor do Instituto Peabiru e João Coral, diretor de Energia e Institucional da Vale  no Pará. O diálogo será mediado pelo jornalista Dal Marcondes.

O ambientalista João Meirelles, diretor geral do Instituto Peabiru, ressalta que o encontro ampliará a abordagem de questões fundamentais para a região. “O evento dá a oportunidade de se discutir temas ‘invisíveis’ para a metrópole e que precisam ser abordados como segurança alimentar, educação de qualidade e segurança fundiária”, observa.

Dal Marcondes frisa a importância do seminário da série Diálogos Capitais chegar a Belém. “A cidade é uma metrópole cosmopolita e entrada para a Amazônia brasileira, além de ser a capital de um dos estados mais dinâmicos da região, com uma economia que ainda busca caminhos menos predatórios em relação ao ambiente e ao desenvolvimento social. Um evento na cidade tem o potencial de chamar a atenção para novos formatos de desenvolvimento”, acredita.

Programação

  • 8h-9h – Credenciamento e wellcome coffee
  • 9h1-9h40– Abertura Zenaldo Coutinho – Prefeito de Belém
  • 9h40- 10h30 – Palestra “Modelos de desenvolvimento para a Amazônia e para o Brasil” – José Francisco Ramos, Secretário Executivo da Rede Nossa Belém
  • 10h30-10h45 – Coffee Break
  • 10h45 – 12h15 – Mesa de Diálogos“Geração de renda e desenvolvimento local”
    Suênia de Souza – Diretora do Centro Sebrae de Sustentabilidade
    João Meirelles – Diretor do Instituto Peabiru e Escritor
    João Coral – Diretor-Executivo de Recursos Humanos, diretor de Energia e Institucional da Vale, no Pará
    Mediação – Dal Marcondes, jornalista Envolverde/Carta Capital

Notícias

Câmara de Marabá sedia seminário da UVB esta semana

Evento vai reunir vereadores de várias partes do País para discutir setores de mineração e geração de energia

logouvb-sitebarraNesta quarta-feira, a Câmara de Marabá será palco para o Seminário Nacional de Sustentabilidade Mineral e Energética, da União dos Vereadores do Brasil (UVB), que vai receber palestrantes de renome e dezenas de vereadores de várias regiões do País para discutir temas de grande relevância para o País: produção energética e mineração.

Além de anfitriã do evento, a Câmara de Marabá colaborou com a mobilização de outras câmaras do sudeste do Pará, em parceria com os legislativos de Parauapebas e Canaã dos Carajás.

Da abertura do seminário vão participar diversas autoridades do Executivo municipal, estadual, deputados federais e o presidente da UVB, Gilson Conzatti, que fará a abertura da programação, que inicia às 9 horas. Segundo Gilson, a proposta é a UVB ir ao encontro dos vereadores, mostrar a importância da entidade nacional em defesa do fortalecimento do Poder Legislativo Municipal Brasileiro e provocar discussões sobre temas de interesse nacional e principalmente regional, onde, segundo o presidente da UVB, o vereador tem a obrigação de estar atento e presente na busca de soluções, juntamente com os demais segmentos da sociedade.

O evento também busca mobilizar os legisladores para a Marcha dos Vereadores, que acontece de 2 a 5 de dezembro, em Brasília, evento para o qual a entidade pretende contar com a presença de dois mil vereadores na capital federal.

O primeiro palestrante do Seminário de Sustentabilidade Mineral será o economista Paulo Haddad, que já foi ministro da Economia. Ele vai falar sobre a Mineração e seus impactos positivos e negativos.

Em seguida, o mesmo tema será ampliado com enfoque no Marco Regulatório da Mineração, com palestras apresentadas pelo deputado federal Leonardo Quintão e Helenilson Pontes, vice-governador do Pará.

O segundo tema, a Politica de Compensação e o Modelo de Construção de Hidroelétrica na Amazônia terá como palestrantes Niciais Ribeiro e o reitor da Unifesspa, Maurílio Monteiro. (Ascom Câmara Municipal de Marabá)