Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Agricultura

Produtores de farinha de Parauapebas pedem apoio para consolidação do setor

Em média são produzidos 25 sacos de farinha por dia, comercializados no mercado de Parauapebas e até no vizinho município de Canaã dos Carajás.

Durante uma reunião realizada na quarta-feira (9) entre representantes da Cooperativa de Produtores de Alimentos da Palmares (Coopa) e o titular da Secretaria Municipal de Produção Rural (Sempror), Eurivan Martins, o Totô, o grupo reivindicou mais apoio da prefeitura para o setor.

As cobranças por melhorias e mais assistência para a expansão e consolidação do setor de produção de farinha, em especial, foram recebidas pelo secretário. “Aqui reafirmamos nosso compromisso com o setor e não mediremos esforços para que os benefícios cheguem, afinal, abrir mercado para os produtores oriundos da agricultura familiar é o nosso foco”, afirmou Eurival Martins.

A Cooperativa tem se destacado por produzir farinha de primeira qualidade. Atualmente, um núcleo de produção se organizou e hoje vive o desafio de expandir a atividade agrícola. Em média são produzidos 25 sacos de farinha por dia, comercializados no mercado de Parauapebas e até no vizinho município de Canaã dos Carajás.

De acordo com a Sempror, a plantação de mandioca faz parte do cultivo da maior parte dos produtores da zona rural de Parauapebas. Estima-se que quase todas as 1.500 propriedades, cadastradas pela equipe técnica da secretaria, têm mandioca plantada em suas terras.

O apoio do poder público municipal para a Cooperativa e demais produtores, de acordo com a Sempror, vai desde a assistência técnica oferecida, cursos de formação, disponibilização de horas de tratores para arar a terra e o transporte da produção para o Centro de Abastecimento de Parauapebas (CAP). A gestão da pasta afirma também que “serão implantados projetos que somam 15 milhões de Reais em investimento público a custo zero para o produtor, conforme a aptidão natural de cada região, isso com estudo de mercado para organizar a produção, pois o município ainda é abastecido com produtos agrícolas do Centro e do Sul do país”.

Regularização Fundiária

Secretaria de Produção Rural reúne com Iterpa para viabilizar regularização fundiária em Parauapebas

Será formada uma Comissão Mista com representante do Iterpa, Prefeitura (Sempror e Departamento de Terras), Cartório, Câmara Municipal e Assembleia Legislativa, para acompanhar o processo de regularização e facilitar o trâmite burocrático para os produtores rurais .

As políticas públicas adotadas pelo governo militar na década de 70 para ocupação do território amazônico deixou sequelas profundas que até hoje causam transtornos na vida dos municípios. Parauapebas é um exemplo disso. Quando a União passou para o estado do Pará parte de suas terras, este, através do ITERPA – Instituto de Terras do Pará -, não fez o procedimento conhecido como Processo de Arrecadamento. Com isso, extensas porções do território no município, principalmente as áreas identificadas atualmente como Colônia Paulo Fonteles, Vila Sansão e outras comunidades, não foram ainda regularizadas.

Para tentar resolver a situação, a Prefeitura Municipal de Parauapebas, por meio da Secretaria de Produção Rural agendou com o Iterpa uma reunião para iniciar o processo de regularização das áreas no município. A primeira reunião aconteceu no final do mês de junho e contou com ampla participação dos envolvidos, entre eles o deputado Gesmar Rosa, os vereadores Ivanildo Brás (PSDB), Luiz Castilho (PROS), Joelma Leite (PSD) e Marcelo Parceirinho (PSC), além de Carlos José de Sousa, do Cartório de Registro de Imóveis de Parauapebas, o representante da Colônia Paulo Fonteles, Wantuir Silva, os representantes Departamento de Terras Evaldo e Josimar.

A reunião foi coordenada pelo Secretário de Produção Rural de Parauapebas Eurival Martins, o Totô, que expôs a problemática de quem vive na área há quase trinta anos e não tem acesso às linhas de crédito para produzir, devido à falta de titulação das terras. Após muito debate, Totô sugeriu encaminhamentos que foram aceitos pelo chefe de gabinete do Iterpa, senhor José Cezario e também pela Procuradoria do Órgão.

Ficou acertado que:

1) Será formada uma Comissão Mista com representante do Iterpa, Prefeitura (Sempror e Departamento de Terras), Cartório, Câmara Municipal e Assembleia Legislativa, para acompanhar o processo de regularização e facilitar o trâmite burocrático para os produtores rurais .

2) Será solicitado ao Iterpa o mapa oficial das Glebas Ampulheta (só Gleba Ampulheta possui em torno de 7.000 hectares) e Água Azul, com a atualização do georreferenciamento que foi feito para confrontar as informações conflitantes.

3) Será estudado pelo município um Termo de Cooperação técnica com o Estado para o Iterpa se instalar no município. O Objetivo é facilitar a vida do agricultor, uma vez que há uma reclamação generalizada quanto ao distanciamento e abandono do órgão na região.

“Para os moradores da região, esse é um sonho de quem espera há décadas esta regularização e tem o desejo de ser o legitimo dono da terra. Faremos o possível para concluir este trabalho o mais breve possível, garantindo a cidadania a todos os agricultores da região”, disse o gestor da Sempror ao Blog.

Agricultura

Parauapebas sedia curso Sistema Cupuaçuzeiro para o Sudeste do Pará

O curso em Parauapebas teve a articulação de Totô, da Sempror

Começou nesta terça-feira (04) o Curso Sistema  de Cupuaçuzeiro para o Sudeste do Pará,  com o renomado especialista da Embrapa Raphael Moises Alves,  autoridade nacional no assunto.

O Curso, promovido pela Secretaria de Produção Rural de Parauapebas, vai até quinta-feira, quando acontecerá a parte prática nos cupuzais da vila Sororó.

Participam do evento técnicos, produtores rurais, alunos e professores da UFRA.

Parauapebas é um dos maiores produtores da fruta, e no ano passado a Cooper comprou dos produtores locais 200 toneladas de cupuaçu.

A vassoura de bruxa, tipo de doença ou sintoma de doença de plantas em que ocorre um desenvolvimento anormal do tecido meristemático ou superbrotamento da planta, tem tomado conta das plantações regionais.

No PA Palmares Sul, em Parauapebas, uma produtora que possui em torno de 800 pés do fruto teve sua plantação infestada pela vassoura de bruxa. Ela participa do curso para aprender a fazer a poda e enxertia para tentar salvar a produção.

Perfil

Conheça quem são os gestores de Parauapebas (final)

Saiba quem são Cláudio Moraes (PGM), Maria Ivani (Sehab), Eurival Martins Carvalho (Sempror) e Jorge Guerreiro (Semas)

Desde  o início do ano, o Blog vem publicando uma séria de matérias com o perfil dos novos gestores municipais. Nessa última, apresenta os titulares das seguintes pastas: Procuradoria Geral do Município (PGM), Secretaria Municipal de Habitação (Sehab); Secretaria de Produção Rural (Sempror) e Secretaria Municipal de Assistência Social (Semas).

Apesar de inúmeras tentativas de adequar à agenda do secretário de saúde, Dr. Francisco Segundo, não foi possível entrevistá-lo, e tampouco houve interesse por parte da assessoria dele em responder as perguntas via WhatsApp, talvez por não ter muito o que falar em virtude da dificuldade com que passa a área da saúde em Parauapebas. Outro que preferiu não participar foi o Assessor de Comunicação, Laércio de Casto. Este alegando que preferia não aparecer, já que sua função é fazer com que as ações do governo apareçam.

PGM

Advogado e eterno estudante, como ele afirma ser, Cláudio Moraes, de 36 anos foi o escolhido para ocupar uma posição estratégica e de confiança no governo Darci Lermen, a de Procurador Geral do Município. Residente em Parauapebas desde 2013, o novo gestor da PGM começou a atuar pelo PMDB no início de 2016, quando intensificou o seu envolvimento com o grupo político que venceu as eleições em Parauapebas no último pleito.

Sua especialidade é direito eleitoral e público. Natural de Belém, Cláudio Moraes é casado, não tem filhos, e deixou a capital do Estado para se instalar na região sul e sudeste do Pará, implantando no início de 2010 um escritório de advocacia em Redenção. A partir de então, percorreu dezenas de municípios durante os períodos pré-eleitorais e de campanhas, advogando, na maior parte desse tempo, pelo PTB. Já atuou como procurador da Adepará e em assessorias jurídicas para alguns municípios.

De origem humilde, Cláudio Moraes morou em palafitas no bairro Marambaia, em Belém, durante a infância, e diz que se surpreendeu com a indicação para o cargo. Será a primeira vez que irá ocupar um cargo de gestão. Sobre a pasta, Moraes diz ter recebido a Procuradoria altamente organizada e com um corpo técnico excelente. Ele pretende trabalhar de forma integrada com a equipe e dar autonomia para que os procuradores responsáveis pelos setores que integram a PGM (administrativo, fiscal e judicial) montem suas equipes de trabalho. Sua filosofia é: ninguém faz sucesso sozinho.

SEHAB

A nova ocupante da pasta da Habitação é gestora empresarial e tem uma forte atuação em trabalhos sociais desenvolvidos na comunidade em que participa por meio da Igreja do Evangelho Quadrangular. Maria Vani Caetanto Alves, de 45 anos, tem dois filhos e uma neta, reside em Parauapebas há 30 anos e é filiada ao PTB, partido que a indicou para o cargo.

Com experiência profissional restrita à área privada, principalmente na área financeira, Maria Vani tem como principal desafio, nesta primeira oportunidade de atuação no setor público, trabalhar para reduzir o déficit habitacional do município. A secretária diz que recebeu uma pasta organizada e enxuta, com apenas 64 servidores, o que a impressionou diante do intenso trabalho que é desenvolvido e dos grandiosos projetos habitacionais como, por exemplo, o Residencial Alto Bonito.

De acordo com a gestora, neste semestre serão entregues os 1.008 apartamentos da 1° fase do Alto Bonito e também 301 casas do Residencial Vila Nova, 76 delas construídas exclusivamente com recursos municipais. Com relação ao Residencial Nova Carajás XI, que está parado, a secretária afirma que está tomando conhecimento da situação para só então o município decidir os encaminhamentos com relação ao projeto, que é financiado pelo Banco do Brasil. Uma equipe da Sehab também está sendo formada para ir em busca de mais recursos para que novos projetos habitacionais sejam desenvolvidos no município, já que essa é uma área que integra o social e deve ser alvo de forte atuação do governo municipal.

SEMPROR

Eurival Martins Carvalho, mais conhecido como Totô, apelido que ganhou na infância, é o responsável pela pasta da produção rural. Com 49 anos, solteiro, pai de cinco filhos, provavelmente foi escolhido para ocupar o cargo por conta da sua longa experiência com o campo e com os movimentos sociais, principalmente o MST. Já atuou também pelo Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Parauapebas. Totô é filiado ao PT, partido que não apoio Darci Lermen, e conhece o atual prefeito desde a época das cantinas comunitárias e da implantação da Cooper – Cooperativa Mista de Produtores Rurais da Região de Carajás.

É a primeira vez que Totô atuará no serviço público. Segundo o novo gestor, a Sempror é uma secretaria organizada e sem dívidas, tem uma equipe técnica competente e apenas melhorias no prédio precisam ser feitas.

Totô pretende continuar e aperfeiçoar a dinâmica de trabalho implantada na última gestão no que diz respeito ao trabalho da equipe técnica junto aos produtores rurais. A Zona Rural foi dividia em seis regiões, que contam cada uma com uma equipe multiprofissional integrada por: zootecnista, médicos veterinários, técnicos agrícolas, entre outros.

Com um orçamento ampliado para R$40 milhões, a Sempror terá condições de dar mais suporte ao homem do campo. Totô afirma que vai investir pesado para que os pequenos produtores tenham condições de desenvolver em larga escala a produção de frutas (fruticultura), e vai dar o suporte que for possível, principalmente com sistemas de irrigação. A meta é que a produção rural do município se potencialize, abasteça o mercado consumidor interno e transforme-se paulatinamente em alternativa econômica para a cidade.

SEMAS

Jorge Antônio Benício, mais conhecido como pastor Jorge Guerreiro, é o titular da Assistência Social. Casado, com 47 anos de idade, pai de dois filhos e avô de quatro netos, residente em Parauapebas há dois anos. Jorge Antônio é líder religioso na Igreja Universal. Sua indicação ao cargo se deu pelo partido ao qual é vinculado, o PRB.

Já atuou como chefe de gabinete de vereador no Maranhão e em empresas de segurança privada. Dentre os principais desafios que aponta à frente da pasta está a necessidade de organização administrativa da Semas, tendo em vista que na última gestão vários projetos sociais ficaram comprometidos.

Trabalhar eficientemente com o orçamento da pasta, apenas R$ 20 milhões é também um grande desafio, já que, só com folha de pagamento, a previsão é que se gaste cerca de R$ 17,8 milhões em 2017. Para tentar resolver essa equação e fazer com que os projetos sociais sejam continuados no município, uma equipe técnica está sendo formada para buscar novos recursos junto ao governo federal.

Leia também:

Conheça quem são os gestores de Parauapebas (parte 1)

Conheça quem são os gestores de Parauapebas (parte 2)

Conheça quem são os gestores de Parauapebas (parte 3)

Conheça quem são os gestores de Parauapebas (parte 4)

Conheça quem são os gestores de Parauapebas (parte 5)

Conheça quem são os gestores de Parauapebas (parte 6)

 

Parauapebas

Parauapebas: produtores rurais aprendem sobre ferramentas de controles financeiros

_MG_4907Com a proposta de proporcionar mais conhecimento e visando um melhor gerenciamento da renda em propriedade rural, a Prefeitura de Parauapebas através da Secretaria Municipal de Produção Rural (Sempror), em parceria com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) ofereceu para os produtores rurais, no período de 23 a 27 de novembro, a oficina  “Como controlar meu dinheiro no campo”.

A iniciativa aconteceu em todas as sete regiões da zona rural do município.  De acordo com o consultor do Sebrae, Roberto Pacheco, a proposta  vem de encontro com à necessidade do produtor rural de controlar o seu dinheiro. São ferramentas de controles financeiros, como: controle de caixa, contas a pagar e receber e ainda caixa futuro.

“Por menor que seja sua propriedade é uma atividade. As ferramentas que estamos mostrando são para saber fazer um controle de caixa, registrar a renda da propriedade. Com os lançamentos do dia a dia, o produtor saberá qual o resultado do mês. São ferramentas simples, que proporcionarão um grande resultado, com ele, o produtor saberá o melhor investimento e a hora de reduzir custos”, explicou o consultor.

Para os produtores, a oficina chegou em boa hora e vai ajudar no gerenciamento de suas atividades. “Administrar dinheiro é muito difícil. Na agricultura não temos esse controle. Esse curso com certeza vai me ajudar na organização, do dinheiro que entra e saí na propriedade. Espero colocar em prática tudo que aprendi e dessa maneira melhorar meus lucros”, declarou o produtor rural Erilvelton Botelho, da região do Cedere.

A produtora rural, Neuza de Araújo, com propriedade na VS 17, da comunidade Santo Antônio na região do Cedere, ficou muito satisfeita com o conhecimento adquirido. “Aprendi muito, será uma boa ajuda nos negócios. Eu não tenho nenhum tipo de controle. A partir de agora terei como saber se gasto mais, do lucro com minhas atividades. Vou começar a  fazer meu controle de caixa”, comentou a Neuza.

O secretário de Produção Rural, Horácio Martins, esteve na abertura da oficina e falou da importância da capacitação para a área rural. “Precisamos acompanhar as novas formas de gerenciamento através de ferramentas acessíveis ao produtor rural. Esse é mais um incentivo que o  governo municipal oferece para o produtor e vamos continuar buscando maneiras  de contribuir com o desenvolvimento da agricultura familiar do município”, disse o secretário. (Ascom)

Parauapebas

Serviço de Inspeção Municipal: trabalhando a prevenção e promoção da saúde pública

IMG_0743Você conhece a procedência da carne que chega à sua mesa? Em Parauapebas, o trabalho desenvolvido pelo Serviço de Inspeção Municipal (SIM) busca garantir a sanidade e qualidade dos produtos de origem animal, esta presente nas indústrias, no caso de frigoríficos de abate, desde o recebimento dos animais até a expedição da carne para o comércio.

O município conta apenas com um frigorífico regularizado de carne bovina, que tem capacidade para realizar 350 abates por dia, atendendo a demanda de Parauapebas e outros municípios vizinhos.

Vinculado à Secretaria Municipal de Produção Rural (Sempror), o Serviço de Inspeção Municipal possui profissionais que desenvolvem o trabalho de controle de qualidade, bem estar do animal e a inspeção dos produtos. A médica veterinária Márcia Ferro, que há seis anos trabalha na área de controle e qualidade, fala da importância do serviço.

“Cerca de 120 animais são abatidos por dia. Por lei é obrigatória a permanência do médico veterinário, responsável pela inspeção durante todo o processo de abate, liberando para consumo os produtos devidamente embalados e identificadas. No caso de lacticínios e industrias artesanais a fiscalização é realizada desde o recebimento da matéria prima até o beneficiamento e a produção de alimentos”, explica.

IMG_0590

A veterinária comenta ainda que não é permitida a venda de produtos de origem animal sem a inspeção. “Nosso papel é orientar, informar aos produtores locais sobre os riscos de um alimento contaminado. Os cuidados com os alimentos devem continuar no comércio e na casa do consumidor visando principalmente evitar a contaminação do produto. Trabalhamos a saúde pública”, enfatiza Márcia Ferro.

Ítalo Alfaia, médico veterinário responsável pela inspeção dos produtos, acrescenta ainda que é preciso cumprir a lei para comercialização de um produto de qualidade. “No início do serviço era mais complicado, hoje é algo natural para os proprietários que trabalham dentro da legalidade. Encontramos doenças como tuberculose, brucelose, cisticercose – doença sistêmica ou localizada – toda carne doente é retirada da mesa do consumidor”, afirma o veterinário.

Os profissionais orientam o consumidor que, ao comprar qualquer tipo de alimento, observe a embalagem com o rótulo indicando o endereço do fabricante, data de fabricação e prazo de validade. Para os alimentos resfriados, deve ser verificada a temperatura de conservação. Alimentos de origem animal, como carnes, ovos, leite, queijos e embutidos em geral devem possuir o carimbo de inspeção, seja municipal, estadual ou federal, garantindo a sua qualidade.

De acordo com o coordenador geral do SIM, Antônio Júnior Gomes, além do frigorifico de bovinos, o SIM inspeciona o frigorífico de aves onde aproximadamente 450 aves são abatidas diariamente e também de carne suína com cerca de 100 abates por semana. Fiscaliza ainda os produtores artesanais de queijo, uma fábrica de charque, linguiça e dois lacticínios com produção diária de 10 mil litros de leite.  

Parauapebas

Agricultura: Parauapebas produz cebola de cabeça pela primeira vez

Essa semana foi especial para o produtor rural, Raimundo da Silva, da região da Palmares I, que realizou a primeira colheita de sua plantação de cebola de cabeça. Pioneiro no município por ter tido a iniciativa desse tipo de plantio, o agricultor conseguiu fazer a colheita de cerca de 8 toneladas de cebola.

IMG_9199“Muitas pessoas me disseram que não conseguiria plantar cebola nesta terra, devido ao clima. Nessa colheita consegui cerca 8 toneladas de cebola para vender, uma vitória”, comemora o agricultor, que está entre os produtores rurais atendidos pela Prefeitura de Parauapebas, através da Secretaria Municipal de Produção Rural (Sempror). 

O prefeito Valmir Mariano acompanhado do secretário de Produção Rural, Horácio Martins, além do Presidente da Câmara Municipal, Ivanaldo Braz e do vereador Zacarias Marques visitaram a propriedade para conhecer in loco a iniciativa. “É gratificante saber que colaboramos com iniciativas que trazem novas alternativas econômicas para o homem do campo; isso é desenvolvimento para o nosso município. Seu Raimundo é um exemplo de perseverança e trabalho”, disse o prefeito.

IMG_9174

Com o apoio da equipe técnica da Sempror, o agricultor destaca que está satisfeito com o resultado de sua plantação. Este ano, Raimundo também já plantou maracujá, melancia, feijão, cheiro verde e goiaba, tendo realizado, inclusive, a colheita dessas frutas e verduras.

IMG_9188

De acordo com o secretário de Produção Rural, Horácio Martins, a ideia é diversificar a produção do município.  “Já temos boas experiências com fruticultura [banana, maracujá, melancia] e queremos expandir e diversificar a agricultura local. Essa experiência de plantar cebola de cabeça é inovadora em nosso município, estamos muito felizes com o resultado positivo, pois demostrou a viabilidade econômica e produtiva. Agora vamos incentivar outros produtores no plantio desse tipo de cebola”, declara Horácio Martins. (ASCOM PMP)

Parauapebas

Agricultura familiar muda a realidade de produtores rurais da Palmares I

Aumentar a renda, esse é o sonho de todo produtor rural que acorda cedo todos os dias para trabalhar. Em Parauapebas, os agricultores já vivem essa realidade. O programa de incentivo do Governo Municipal, por meio da Secretaria Municipal de Produção Rural (Sempror), proporciona aos produtores uma mudança de vida completa.

IMG_3688llll

Raimundo Vieira, 51 anos, tem uma propriedade na área da Palmares I. O produtor que chegou a Parauapebas há 3 anos, sempre trabalhou com agricultura familiar, mas nunca teve incentivo nos negócios. “Aqui é diferente, a prefeitura nos apoia. Já recebi muitos benefícios: adubo, sementes e os técnicos da Sempror sempre estão à disposição para nos auxiliar”, comenta.

Ele trabalha com o plantio de melancia, maracujá, goiaba, milho, cheiro verde, abóbora e cebola. Para o agricultor, o conhecimento e a assistência técnica qualificada fizeram a diferença na sua plantação. Atualmente, ele consegue fazer a colheita de melancia, por exemplo, duas vezes ao ano.

A segunda colheita de melancia foi realizada na última quinta-feira (2), com a presença do secretário de Produção Rural, Horácio Martins, equipe da Sempror, e alguns produtores da região da Palmares I, que conheceram a propriedade, a plantação dos frutos e ainda as técnicas utilizadas pelo agricultor.

“Antes eu fazia o trabalho com a inchada e isso levava muitos dias. Agora é feito com as máquinas custeadas pela prefeitura, o que facilita demais nosso trabalho. A prefeitura também me concedeu o transporte da mercadoria até a cidade. Minha renda aumentou, então, estou muito feliz com esses incentivos e hoje mais ainda pela presença do secretário na minha propriedade”, completa.

IMG_3617mmm

Com uma plantação de 5 mil pés de quiabo, cheiro verde, cebolinha, feijão, pimenta de cheiro e mamão, o então produtor Leandro Batista, 35 anos, mudou sua vida quando decidiu voltar a trabalhar como agricultor. Leandro conta que atuava como assalariado na cidade e há 7 anos decidiu investir em uma propriedade na zona rural.

“Agora tenho meu próprio negócio, duas vezes por semana levo os produtos para vender na cidade. Essa é minha única fonte de renda e já tenho uma pessoa que trabalha comigo. Minha vida mudou muito com a agricultura familiar”, afirma o produtor, que já plantou mais 3 mil pés de quiabo para aumentar sua produção.

De acordo com o coordenador da região da Palmares I, Alcides de Sousa, mais de 300 produtores recebem incentivos do Governo Municipal, através da Sempror, com mecanização, distribuição de mudas, adubo, ureia, assistência técnica e construção de tanques de piscicultura.

O titular da Sempror, Horácio Martins, falou para os agricultores sobre o potencial de produção que o município possui e o trabalho que vem sendo realizado para aumentar a produtividade. “Fico feliz em constatar o sucesso de nossos agricultores. Já aumentamos a produtividade de milho e diversos produtos, e vamos continuar. Saímos de 3 % de produtos da agricultura familiar que fornecíamos para a merenda escolar, atualmente, estamos com 33% de fornecimento. O nosso município tem potencial de produção, não vamos precisar vender frutos vindo de outras regiões. Nós vamos produzir melancia suficiente para atender o nosso município e comercializar para outros também, assim como quiabo, couve, cebola, entre outros produtos”, ressalta o secretário.

error: Conteúdo protegido contra cópia!