Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Tecnologia

Redenção: Ministro lança Programa Internet para Todos no Sul do Pará

Iniciativa já investiu mais de 3 bilhões de reais em todo o território nacional
Continua depois da publicidade

A cerimônia de apresentação aconteceu na manhã deste sábado, 24, no Plenário da Câmara Municipal de Redenção e reuniu centenas de pessoas, como o Ministro da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações, Gilberto Kassab, entidades políticas, como prefeitos e vereadores da região Sul do Pará, secretários de governo, além de empresários e a sociedade civil.

O programa é uma iniciativa do Governo Federal e tem como objetivo promover o atendimento a localidades e distritos onde inexista oferta de acesso à internet em Banda Larga, por meio do Programa Governo Eletrônico – Serviço de Atendimento ao Cidadão – GESAC.

“Esse momento é histórico, quando conseguimos trazer o ministro para lançar esse programa, e claro, estou lisonjeado com essa novidade. Há 5 anos nós pagávamos cerca de 8 mil reais para termos Internet em nossa empresa, e hoje a gente vê que esse recursos, essas torres, Internet por fibra ótica serão retiradas, serão deixadas para trás, e as grandes empresas certamente terão custos menores e em razão dessa nova tecnologia, iremos ser privilegiados com a instalação de novos geradores de emprego na nossa região, e isso vai dar um ‘bum” no sul do Pará”, declarou o prefeito de Redenção, Carlo Iavé.

O deputado federal, Joaquim Passarinho, PSD, disse que a região precisava de boas novas e declarou que a comunicação hoje é prioridade para a sociedade. “As pessoas aqui dessa região não têm tido direito à comunicação. Se sairmos dez quilômetros do núcleo urbano já não temos mais como nos comunicar. Antigamente, se falava em saúde e educação, hoje, o primeiro ponto é a comunicação, precisamos nos comunicar. As pessoas precisam ter o direito de se comunicar com o mundo, e nós agora teremos esse direito. O sul do Pará precisava de boas novas”, finalizou o deputado.

O Internet Para Todos, segundo o Ministro da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações, levará banda larga para escolas, hospitais e localidades sem conectividade a partir do Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações estratégicas (SGDC), em órbita desde maio de 2017.  Desde sua fase de implantação no Brasil, foram investidos mais de 3 bilhões de reais e o programa funcionará por meio de convênios com as prefeituras.

“Hoje nós estamos fazendo aqui o lançamento do programa que poderá instalar até 200 antenas por dia, com isso, atender à todas as localidades que hoje não conseguem estabelecer comunicação alguma. Queremos alcançar a todos os lugares e proporcionar uma maior comodidade para a população”, afirmou Kassab.

O deputado estadual Gesmar Costa (PSD) disse que ” o programa de acessibilidade à banda larga trará agricultura de precisão às áreas rurais, melhorando a eficiência da produção rural e conectará a população dessa região do Estado ao mundo, garantindo a inclusão social e, consequentemente, a melhoria na qualidade de vida da nossa gente”.

Logo após o evento, o ministro, em companhia dos deputados Gesmar Costa e Joaquim Passarinho, participou de uma reunião com correligionários políticos da região.

Tecnologia

WhatsApp deixa de funcionar em vários smartphones a partir do dia 1º, veja quais

Versões do BlackBerry e do Windows Phone perderão suporte na virada do ano
Continua depois da publicidade

A partir do dia 1º de janeiro de 2018, próxima segunda-feira, o aplicativo de mensagens instantâneas WhatsApp vai deixar de funcionar em alguns dispositivos antigos, como o BlackBerry OS e o BlackBerry 10, além de todos os aparelhos que rodam o Windows Phone 8.0, da Microsoft.

Na prática, não será mais possível criar novas contas ou verificar as já existentes nos aparelhos obsoletos. Além disso, a empresa anunciou que, por não mais desenvolver para essas plataformas, “alguns recursos podem deixar de funcionar a qualquer momento”.

De acordo com a equipe do aplicativo de mensagens, “estas plataformas não têm a capacidade necessária para suportar futuras funções ”. O conselho aos poucos usuários dos modelos afetados é “adquirir um telefone Android com um sistema operacional 4.0 ou superior, Windows Phone 8.1 ou superior, ou um iPhone com iOS 7 ou superior”.

Além disso, o WhatsApp vai deixar de funcionar no próximo ano nos dispositivos que rodam com sistema operacional Nokia S40.

Recentemente, o mensageiro instantâneo também anunciou que versões do Android anteriores a 2.3.7 não terão mais suporte a partir de fevereiro de 2020.

A intenção é concentrar a equipe no desenvolvimento de mais e melhores funcionalidades (e que recolham mais dados) para as plataformas que totalizam mais de 99% do mercado, ou seja as versões mais recentes dos sistemas operacionais do Google, Apple e Windows Phone.

Atualmente, o aplicativo de mensagens já não oferece suporte para o Android 2.3.3 e anteriores, além do iOS 6 (iPhone 3GS) e Nokia Symbian S60.

Parauapebas

CarajásNet investe em tecnologia e disponibiliza novos serviços aos seus clientes

Ao completar dez anos, a empresa inova ao fornecer serviços de TV por assinatura
Continua depois da publicidade

O provedor de internet CarajásNet completou na última sexta-feira (7), dez anos de atuação no mercado parauapebense, empregando diretamente 70 profissionais. Seu proprietário, o baiano Alan Carneiro Pinheiro, de 36 anos, mostra desde cedo seu talento para o empreendedorismo. “Quando eu era pequeno queria um videogame novo e meu pai disse que não iria me dar. Perguntei a ele se eu poderia então alugar o meu, para tentar conseguir dinheiro e comprar um novo; ele permitiu e assim eu fiz. Foi como surgiu o meu primeiro negócio: uma locadora de games. Consegui uma renda que dava para comprar até dois videogames novos”, compartilhou o empresário.

Natural de Feira de Santana, aos dois anos de idade Alan mudou-se para o interior do Maranhão, onde ficou até os quinze anos. Em seguida, foi estudar na capital do estado. Alguns anos depois, abriu uma loja de celulares em Marabá e, em 2006, uma unidade em Parauapebas. Foi quando percebeu a demanda de mercado para provedor de internet na cidade.

Ele conta que a internet se fazia necessária para um melhor atendimento dos clientes nas lojas de celulares, e sua insatisfação com os serviços disponíveis na cidade o levaram ao investimento. “Fiz alguns contatos e pesquisei o segmento; entendi que valeria a pena investir em um provedor, e assim o fiz”. Inicialmente, o plano era atender apenas as suas lojas, mas, em função da carência em Parauapebas, passou a prestar serviços como provedor de internet e a empresa começou a crescer cada vez mais.

O que seguiu foi a decisão de abrir mão das lojas de celulares, tomada tanto pelo sucesso do provedor, quanto em função das perdas decorrentes de roubos. “Sofremos três assaltos em nossas lojas em 20 dias; decidi fechar. Assumimos as dívidas da loja de celular, o que nos atrapalhou um pouco no novo negócio, mas depois de dois anos conseguimos nos recuperar e, de fato, investir, ” explica Alan.

Novos investimentos e serviços

Para comemorar os 10 anos de existência, a empresa disponibiliza à Parauapebas internet de ultra velocidade, possível graças à distribuição de mais de 600 quilômetros de cabos de fibra ótica em toda a cidade e outros 200 quilômetros interligando Parauapebas à Marabá.

A partir de agora, os clientes dos bairros Cidade Nova, União, Primavera, Chácaras, Maranhão, Liberdade I e II e Rio Verde terão acesso de até 100 megabytes de internet. “Em alguns casos, estamos multiplicando em até 10 vezes o que está sendo entregue, com o mesmo preço”, informa Alan Carneiro, detalhando que o processo de mudança do sinal – de antenas via rádio para fibra ótica – já começou.

De acordo com o empresário, nos próximos meses os bairros da Paz, Guanabara, Beira Rio I e II, Park dos Carajás, Loteamento Amazônia, Novo Brasil, Paraíso e Wtorres também contarão com serviço de internet de alta velocidade. Os investimentos possibilitarão a oferta de serviços de telefonia fixa e, em 90 dias, TV por assinatura – onde será possível assistir às emissoras locais e canais abertos até em smartphones. A partir de janeiro de 2018, os canais fechados serão disponibilizados. “Testes de campo já estão sendo feitos,” afirma o empreendedor.

Para garantir a estabilidade e disponibilidade do sinal, a empresa está concluindo uma segunda rota de 450 quilômetros de cabos de fibra óptica até Imperatriz, no Maranhão. “Fizemos assim para que, caso haja um problema no fornecimento em Marabá, tenhamos fonte alternativa em Imperatriz”, explicou Alan.

O CarajásNet foi o ganhador do Prêmio Empresário do Ano 2017, entregue pela Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) da cidade, graças à sua história de empreendedorismo e aos investimentos para oferecer à população atendimento de qualidade e internet com mais velocidade para seus clientes. Ganhou ainda, por mais um ano, a estatueta Deusa da Fortuna, durante o mérito lojista desse ano. A coleção de prêmios recebidos pela empresa é uma prova de que os clientes estão satisfeitos com os serviços prestados, uma vez que a escolha das melhores empresas por segmento é feita através do voto popular. “Agradeço à população de Parauapebas, que nos recebeu de braços abertos, e aos funcionários da empresa sem os quais não seria possível o nosso sucesso,” reconhece o proprietário.

Tecnologia

Grupo de WhatsApp “Umbora” propõe mais atividades presenciais e menos interação virtual

Três amigos criaram o “Umbora”, grupo de WhatsApp que ironicamente promove a diminuição do uso do aplicativo.
Continua depois da publicidade

O WhatsApp é o aplicativo de interação social mais famoso dos últimos tempos, considerado como umas das mais poderosas ferramentas de mídia social. A maior parte dos seus usuários utiliza grupos criados no aplicativo com assuntos específicos para se comunicar, trocar informações, comprar, entreter-se, trabalhar, e assim, cumprir com o objetivo principal de um grupo, que é a interação, e isto faz com que as pessoas fiquem ligadas, uma boa parte do seu tempo, no WhatsApp.

Indo na contramão deste objetivo e com uma proposta de fazer com que as pessoas se desconectem um pouco do mundo virtual e vivenciem mais a interação presencial, três amigos criaram o “Umbora”, grupo de WhatsApp que ironicamente promove a diminuição do uso do aplicativo.

“Estávamos voltando de um passeio em uma cachoeira, na Vila Sanção. A experiência foi tão boa. Daí, durante as nossas conversas sobre como deveríamos fazer isso mais vezes, o Carlos teve a ideia de criar o grupo”, disse Wesley de Almeida Guedes, um dos idealizadores do grupo.

“Percebemos que quando a gente sai, todo mundo fica ligado no WhatsApp. A ideia foi criar um grupo que pudesse estimular as pessoas a se desconectar um pouco mais desse mundo virtual, a se movimentar, e assim, promover mais interação presencial”, disse Carlos Alessander, criador do grupo. Atualmente são 45 integrantes do Umbora, e o detalhe interessante é que todos são administradores.

Praticamente todo grupo tem regras de participação. No Umbora, os integrantes não devem: cumprimentar, apresentar-se, postar correntes ou informações comerciais. Somente enviar convites para eventos, passeios, viagens ou mesmo para uma caminhada ou para ajudar em uma mudança de casa.

O convite para eventos ou qualquer tipo de atividade deve ser feito a partir da criação de um subgrupo, desta forma já foram criados o Umbora para o cinema, Umbora para a cachoeira, Umbora na roça, Umbora para Belém, Umbora fazer uma mudança, Umbora caminhar, entre outros subgrupos desde a criação do grupo principal, em 28 de agosto de 2015. Não importa o tipo de atividade, o objetivo é tirar os integrantes do WhatsApp por um período e proporcionar mais contato presencial.

No início de janeiro deste ano teve o Umbora Docenorte, clube de esporte e lazer localizado em Carajás e, recentemente, foi criado o Umbora Rio de Janeiro, uma viagem que promete muitas aventuras e um belo passeio pela cidade maravilhosa à um custo impressionantemente baixo.

“Eu encontrei passagens à R$ 250,00, ida e volta, de Carajás para o Rio de Janeiro. Logo que postei essa informação no grupo o pessoal se interessou e agente começou a organizar a viagem. Conseguimos também um hotel, em Copacabana, por R$ 225,00 para cada pessoa, sete dias de hospedagem”, comemorou Wesley Guedes. Onze pessoas estão programadas para o Umbora Rio de Janeiro, que será entre os dias 8 e 15 de março.

“Conheci a ideia do grupo através de uma boa e velha carona do Carlos. Me interessei principalmente porque estava há apenas dois meses na cidade e queria me enturmar. Participei de várias atividades. Muita gente entrou e depois saiu por não compreender a metodologia. Hoje posso dizer que o Umbora é o melhor grupo do meu aplicativo, não é chato. Sei que quando começa a chegar mensagens é por que vai rolar algo, daí eu opto por participar ou não, sem estresse, sem cobranças. Com o grupo conheci mais pessoas, lugares e comidas diferentes”, disse a enfermeira Lígia Miranda.

O jovem servidor público Abimael Oliveira Sousa mora sozinho em Parauapebas e também esteve envolvido na criação do grupo. Ele conta que a partir de sua participação conseguiu estabelecer novas amizades na cidade, “achei uma ideia inovadora, pois tira as pessoas do ‘zap’ e faz a gente ter experiências legais”, acrescentou.

“Fico sem palavras ao refletir sobre todas as histórias do grupo e ver que o objetivo foi cumprido: de sair do isolamento da vida moderna e usar a tecnologia para juntar as pessoas, fazendo com que todos se percebam numa grande família”, relatou Carlos Alessander.

Tecnologia 4G

Empresa de telefonia amplia rede 4G no interior do Pará

Parauapebas é a mais nova cidade a contar com tecnologia de quarta geração
Continua depois da publicidade

A rede de quarta geração está se expandindo rápido para o interior do Pará. Já são 20 cidades com 4G ativos pela TIM. Parauapebas é a mais nova cidade a contar com a tecnologia. A operadora segue trabalhando para levar a cada vez mais consumidores a melhor experiência em navegação na internet móvel. A companhia encerrou 2016 na liderança disparada da cobertura 4G no Brasil, presente em mais do que dobro de municípios alcançado pela operadora que está na segunda colocação. A empresa atingiu a marca de 1.246 cidades com sua rede de quarta geração, um incremento de 200% em relação ao número de municípios cobertos no fim de 2015.

Para reforçar esse protagonismo no setor e incentivar a migração de novos clientes, a TIM lançou sua primeira grande campanha de 2017 destacando a liderança em 4G, mostrando um comparativo com as demais teles. O filme estreou neste final de semana (veja aqui).

“Investimos fortemente em infraestrutura e avançamos rapidamente na cobertura 4G. Fechamos o ano com mais de 1.200 cidades cobertas, proporcionando uma experiência diferenciada de navegação para os moradores dessas localidades. Em vários desses municípios, somos a única empresa a oferecer a tecnologia de quarta geração. Queremos que os consumidores conheçam esse trabalho, vejam nossos esforços e entendam a relevância desse protagonismo da TIM no setor”, destaca Pietro Labriola, COO da TIM Brasil.

Municípios cobertos com tecnologia 4G no Pará

Belém
Ananindeua
Castanhal
Igarapé-Açú
Marabá
Santarém
Bragança
Marituba
Benevides
Capanema
Abaetetuba
Bonito
Goianésia do Pará
Marapanim
Salinópolis
Salvaterra
Santa Maria do Pará
Cametá
Parauapebas
Altamira

Marabá

Parceria entre e Embrapa e Sebrae leva tecnologias ao EEITS em Marabá

Continua depois da publicidade

Marabá recebe nos dias 21 e 22/10 o Encontro Estadual de Inovação, Tecnologia e Sustentabilidade (EEITS), promovido nacionalmente pelo Sebrae, por ocasião da 12ª Semana Nacional de Ciência e Tecnologia de 2015. A Embrapa Amazônia Oriental participa ativamente desta programação com nove palestras sobre diversos temas, tendo como foco o desenvolvimento do agronegócio e da agricultura familiar na região sudeste do Pará.

A Embrapa atua em 21 municípios da região, direta e indiretamente, por meio do Núcleo de Apoio a Pesquisa e Transferência de Tecnologias do Sudeste Paraense (NAPT-Sudeste Paraense), localizado em Marabá.

Segundo Daniel Mangas, supervisor do NAPT em Marabá, a proximidade com o Sebrae tem fomentado o agronegócio na região e visa ainda a melhoria da qualidade de vida dos agricultores familiares. Ele explicou que desta parceria, aliada às demandas recebidas do setor produtivo local, foram elencados os diversos temas para a participação no EEITS 2015, em Marabá.

Ao todo, nove palestras serão ministradas pela Embrapa, na sede do Senai de Marabá, que abrigará o evento.  No dia 21 os temas serão pimenta-do-reino, bovinocultura, açaí irrigado em terra firme, e ainda valoração e prospecção tecnológica. Já no dia 22 serão duas participações, com palestras sobre o cultivo de cupuaçu resistente à vassoura de bruxa e Sistemas Agroflorestais (SAFs) com uso de fruteiras.

De acordo com o Sebrae, o objetivo da EEITS é levar conhecimentos sobre negócios aos empresários e potenciais empresários e novos empreendedores, além do fomento à cultura da inovação, ao desenvolvimento tecnológico e à inserção das dimensões da sustentabilidade na gestão dos pequenos negócios.

O público alvo da programação é composto por microempreendedor individual; micro empresário; empresário de pequeno porte; produtor rural; acadêmicos; entusiastas de startups; programadores; investidores; empresas incubadas.

Brasil

CurtaCarajás 2014

Continua depois da publicidade

CurtaCarajas-2013---foto_Felipe_Borges-3Dezembro chegou trazendo um panorama recente da produção cinematográfica brasileira de filmes em curta-metragem, é o CURTACARAJÁS 2014 – 6º Festival de Cinema de Parauapebas que acontece de 01 a 06 em Parauapebas na Plenária Cultural da Cidade Nova (antiga câmara municipal) e de 11 a 13 de Dezembro de 2014 na Casa da Cultura de Canaã dos Carajás com programação de exibição dos filmes a partir das 19:30h.

O festival é uma importante janela de difusão do cinema brasileiro no estado do Pará e na região norte do país, tendo como foco principal o curta-metragem. Este ano teve mais de 200 filmes foram inscritos sendo selecionados 24 curtas que irão competir nas seguintes premiações:

  • PRÊMIO IPÊ – MELHOR CURTAMETRAGEM – R$ 5.000,00
  • PRÊMIO GAVIÃO REAL – MELHOR CURTA DOCUMENTÁRIO – R$ 4.000,00
  • PRÊMIO XIKRIN – MELHOR CURTA FICÇÃO – R$ 4.000,00
  • PRÊMIO AMAZÔNIA ANIME – MELHOR CURTA DE ANIMAÇÃO –  R$ 4.000,00
  • PRÊMIO PARAUAPEBAS – MELHOR CURTAMETRAGEM JÚRI POPULAR – R$ 3.000,00

Este ano o festival traz mais uma mostra competitiva de documentários feitos por realizadores dos estados que compreendem a Amazônia Legal, atualmente composta pelos estados do Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins e parte dos estados do Mato Grosso e Maranhão, a proposta é trazer para tela do festival a produção cinematográfica amazônica e promover acesso aos filmes feitos pelos realizadores desta região valorizando através do PREMIO KARAJÁS DE MELHOR DOC AMAZÔNICO – R$ 10.000,00.

Além disso, está fomentando a produção audiovisual paraense com PRÊMIO CURTACARAJÁS DE ESTÍMULO A PRODUÇÃO AUDIOVISUAL com R$ 10.000,00 para realização de web-documentários de até 15 min.

Acontecerão também palestras e oficinas durante o festival com toda a programação gratuita a população da região, possibilitando o acesso à cultura através do cinema.

A realização é do Labirinto Cinema Clube, coletivo audiovisual da Aliança Carajás de Cultura, Esporte e Tecnologia e tem o patrocínio da Vale.

Serviço:

  • CURTACARAJÁS 2014 – 6º Festival de Cinema de Parauapebas – Pará
  • Período: 01 a 06 Dez em Parauapebas / 11 a 13 de Dez em Canaã dos Carajás – PA.
  • Realização: Labirinto Cinema Clube – ACCET
  • Patrocínio: Vale
  • Apoio Cultural: Adriax Filmes, Casa da Cultura de Canaã, RBATV, SuperMídia, Coletivo 2.8 e HD Produções.
  • Site: www.curtacarajas.com contato: festival@curtacarajas.com
  • Rede social: www.facebook.com/curtacarajasfestcinema

Marabá

Vale investe R$ 4,7 Mi em sistema para monitorar clima

Continua depois da publicidade

A Vale desenvolveu um sistema para monitorar o clima em suas operações no Norte do país, que visa ampliar sua capacidade de prever intempéries. O objetivo da mineradora é reduzir riscos a trabalhadores e prejuízos à operação. O projeto, que teve início em 2011, receberá investimentos de R$ 4,7 milhões em pesquisa e infraestrutura até 2018.

Nomeado de Forecast Network, ou “rede de previsões”, o sistema de monitoramento começou a ser desenvolvido em 2011 pelo Grupo de Pesquisa em Mudanças do Clima do Instituto Tecnológico da Vale (ITV), em Belém (PA), e entrou em testes em agosto de 2013.

A ferramenta monitora as condições do tempo de maneira detalhada para as operações da mineradora, enquanto o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) faz previsões mais amplas.

Para as previsões do tempo, a Vale utiliza atualmente os dados de 22 estações meteorológicas do Inmet. O projeto prevê a construção de 12 estações próprias, sendo 10 meteorológicas e 2 hidrológicas, para controlar o nível de vazão dos rios. Até o fim deste ano, cinco delas serão inauguradas no Maranhão.

A produção e a logística de transporte do minério de ferro da Vale estão sujeitas a chuvas excessivas, aumento ou redução da vazão dos rios, ventos fortes e também a secas, que podem criar focos de incêndios ao longo das ferrovias.

Unidade do Instituto Tecnológico da Vale - em Belém

Em maio de 2009, uma enchente elevou o nível do Rio Vermelho, em Marabá (PA), e inundou parte da Estrada de Ferro Carajás. A ferrovia leva o minério de sua maior mina até o terminal portuário de Ponta da Madeira, no Maranhão.

O objetivo da companhia com o Forecast Network é minimizar custos provocados por eventos naturais extremos e, principalmente, gerar ganhos operacionais cotidianos, dando subsídios para que áreas como logística, porto, segurança e meio ambiente tomem decisões com menor grau de incerteza e risco.

Diante da perspectiva de uma chuva muito forte, por exemplo, é necessário reprogramar operações para realizar trabalhos de contenção de deslizamentos, drenagem ou sinalização. Quando há previsão de chuvas com descargas elétricas, por exemplo, a manutenção da ferrovia precisa imediatamente ser suspensa por questões de segurança.

O pesquisador titular do Grupo de Mudanças do Clima do ITV, Luiz Gylvan, afirmou que eventos como o da ferrovia de Marabá ou a perda de um guindaste após uma ventania no Espírito Santo são raros, mas têm um alto potencial de danos. “O que o sistema busca é melhorar o processo de tomada de decisão operacional para obter ganhos diários e na média do ano”, disse.

De acordo com Gylvan, a mineradora planeja replicar a ferramenta também no sistema sul da Vale, que inclui as operações em Minas Gerais. Para isso, entretanto, será preciso calibrar os modelos de previsão para o sistema meteorológico da região. O processo é complexo e requer a análise de estatísticas dos últimos 30 anos, por isso, a expansão do projeto deve levar algum tempo. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo