Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Parauapebas

SINE acata Recomendação do MPT sobre anúncio discriminatório de emprego

Em Parauapebas, Instituição divulgava vaga que exigia que candidato fosse do sexo masculino
Continua depois da publicidade

O Ministério Público do Trabalho em Marabá expediu Notificação Recomendatória ao Sistema Nacional de Emprego – SINE – de Parauapebas, após denúncia de que a instituição estaria divulgando vaga de emprego com teor discriminatório. O anúncio seria referente à oportunidade na área de auxiliar de Tecnologia da Informação e continha a exigência de que os candidatos fossem do sexo masculino.

O SINE acatou a recomendação feita pelo MPT, que previa a cessação de divulgação, por qualquer meio de comunicação, de anúncio de emprego ou estágio havendo referência ao gênero dos candidatos e quaisquer outras formas discriminatórias. A instituição deveria ainda retratar-se publicamente sobre o equívoco na delimitação da vaga denunciada e comunicar ao MPT caso alguma empresa a procure a fim de veicular anúncio de emprego ou estágio contendo restrição que caracterize discriminação de gênero, raça, idade, religião, orientação sexual etc.

No prazo de 15 dias após o recebimento da Notificação, o SINE Parauapebas apresentou ao MPT retratação pública e comprovou a interrupção da divulgação de anúncio de emprego discriminatório.

Recomendação

De acordo com a recomendação expedida pelo MPT, a ocorrência fere os artigos 5º, 7º e 231 da Constituição Federal, que estabelece a igualdade formal entre as pessoas, além de vedar todo e qualquer comportamento discriminatório, baseando-se na dignidade da pessoa humana e na busca de uma sociedade livre de qualquer preconceito, justa e solidária. A própria Organização Internacional do Trabalho – OIT, nas convenções 100 e 111, consideradas fundamentais, prevê a eliminação da discriminação em matéria de emprego e ocupação.

Mineração

Cinco tributos pagos pela Vale geraram arrecadação de R$4 bi aos governos

O Estudo, que trabalha com dados entre 2015 e 2017, diz que cerca de R$ 755 milhões foram gerados para Parauapebas com a produção de minérios em Carajás
Continua depois da publicidade

Em reunião com imprensa que aconteceu durante a tarde desta segunda-feira, diretores da Vale apresentaram um balanço do primeiro trimestre das operações da mineradora na região. Segundo a mineradora, o Pará tem hoje 24.754 trabalhadores Vale, com estimativa de 260.598 empregos indiretos e induzidos em todo o Estado. O município de Parauapebas conta com 14 mil empregados Vale (entre próprios e de terceirizadas), que geram no município o valor de R$100 milhões em massa salarial mensalmente..

2015/2017

Nos últimos três anos (2015 a 2017), cerca de R$ 4 bilhões foram pagos à União, ao Estado do Pará e aos seis municípios paraenses em que a Vale e a Salobo Metais estão presentes. O total refere-se ao pagamento de quatro dos vários tributos que incidem sobre a atividade empresarial entre elas, a Taxa Estadual de Recursos Minerais (TFRM), a Taxa Estadual de Uso de Recursos Hídricos (TFRH), o ICMS (Imposto sobre Circulação de Bens e Serviços) e o ISS (Imposto sobre Serviços), além da Compensação Financeira pela Exploração Mineral (CFEM).

A União recebeu mais de R$ 149 milhões oriundos da CFEM. Já para o Governo do Pará foram recolhidos mais de R$ 3 bilhões em ICMS, TFRM, TFRH e CFEM.

Fruto do recolhimento da CFEM e ISS ao município de Parauapebas, responsável por 37,7% das exportações do Pará, foram repassados mais de R$ 755 milhões e a Curionópolis, cerca de R$ 25 milhões. Já em Canaã, por meio da unidade de cobre do Sossego e do Complexo S11D (este com um ano de operação), foram recolhidos, de 2015 a 2017, mais de R$ 434 milhões.

No município de Marabá, onde se concentra a produção de cobre do Salobo, foram recolhidos R$ 270 milhões.

A produção de níquel em Ourilândia do Norte gerou por volta de R$ 12 milhões e São Félix do Xingu, cerca de R$ 4 milhões, o valor inclui CFEM e ISS.

Social

A Vale investe na formação e aperfeiçoamento da mão de obra local, para torná-la qualificada para acessar as oportunidades de emprego da região. Como exemplos temos o Programa de Formação Profissional. Em fevereiro último, 116 selecionados ingressaram na empresa através do Programa Jovem Aprendiz, incluindo 23 pessoas com deficiência.

A Vale assinou em março passado dois convênios com a Prefeitura de Parauapebas para investimentos sociais no município que ultrapassam R$10 milhões. Por meio de um dos convênios, a Vale doou R$3 milhões para a construção de escola que atenderá a mais de 1200 alunos.

Ainda em março, a comunidade Nova Carajás inaugurou a sua sede e o novo ateliê de costura com o apoio da Vale. Além disso, 22 mulheres foram capacitadas na área de corte e costura por meio de parceria com a Associação de Moradores. O projeto é fruto dos Comitês de Diálogo mantidos pela empresa com a comunidade.

Segundo a mineradora, ela mantém 25 projetos, em 9 comunidades, em Parauapebas, que beneficiaram 12 mil pessoas através do desenvolvimento de Planos de Relacionamento Social com tais comunidades.

Sobre a implantação efetiva do Centro Cultural doado pela Vale através de acordo judicial com o MPT, João Coral, gerente executivo de sustentabilidade da Vale, informou que pelo acordo a mineradora deverá gerir o espaço, mas um convênio que busca uma gestão compartilhada com a prefeitura de Parauapebas está sendo elaborado, prevendo que em até 90 dias ele seja assinado entre as partes, liberando o local para o uso da população.

Meio ambiente

As operações da Vale ocupam apenas 1,4% das Unidades de Conservação, e a mineradora informou investir anualmente R$20 milhões com equipes e estruturas para atuar 24 hora no combate ao garimpo ilegal, desmatamentos e preservação a incêndios florestais, ajudando a preservar, em parceria com o ICMBio, cerca de 765 mil hectares de floresta nativa.

Somente a Floresta Nacional de Carajás tem uma área de 412 mil hectares, o que corresponde a 577 mil campos de futebol, maior que países como Cobo Verde e Polinésia Francesa.

O viveiro mantido pela Vale em Carajás produziu 204.855 mudas de 125 espécies nativas em 2017. No mesmo ano, a mineradora adquiriu 2.062 sementes de espécies nativas junto a Cooperativa dos Extrativistas da Flona de Carajás (Cooex), gerando, assim, emprego e renda na região.

Compras locais

Segundo o diretor de Ferrosos Norte da Vale, Antonio Padovesi, a mineradora adquiriu cerca de R$945 milhões só no Estado do Pará no primeiro trimestre de 2018. Parauapebas (R$331 milhões), Marabá (R$282,9 milhões), Canaã dos Carajás (R$231,74 milhões), Ourilândia do Norte (R$21,89 milhões) e Belém (3,22 milhões) foram os municípios beneficiados.

Carajás

Ainda segundo Padovesi, a Vale continua fazendo pesquisas que potencializem suas reservas minerais registradas. O diretor informou que com o atual cenário e sem contar volumes minerais ainda não registrados, Carajás tem vida útil prevista para até 2.041, portanto, por mais 23 anos.

Emprego

Fapespa e Seaster apresentam dados do Trabalho e Renda do Pará no 1° semestre de 2017

Em Marabá, o setor da Construção Civil foi o que mais gerou postos de trabalho.
Continua depois da publicidade

A Fundação Amazônia de Amparo a Estudos e Pesquisas (Fapespa), em parceria com a Secretaria de Trabalho e Renda (Seaster), divulgou na terça-feira, 05 de setembro, o conteúdo analítico relacionado ao desempenho do Mercado de Trabalho no 1° semestre de 2017. Os dados apresentados estão relacionados ao desempenho do setor a partir da movimentação do emprego celetista no estado, com base nas admissões, desligamentos e saldo, além da identificação do perfil do trabalhador celetista paraense admitido e desligado quanto ao sexo, escolaridade e faixa etária. A base de dados utilizada como referência da movimentação de emprego no mercado de trabalho formal foi o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) disponibilizado pelo Ministério do Trabalho (MT), sistematizados pela Fundação.

Após dois anos de resultados negativos no Mercado de Trabalho do Brasil, para o primeiro semestre, a geração de emprego voltou a ser positiva em 2017, comportamento que totalizou saldo de 76.680 novos vínculos trabalhistas nos seis primeiros meses deste ano, cenário semelhante vem se reproduzindo no Pará nos últimos dois meses. Das 27 unidades federativas, 14 apresentaram resultados de incremento no saldo de emprego, influenciando na variação positiva de aproximadamente 0,18% no estoque de empregos nacional.

Apesar do saldo negativo no acumulado do primeiro semestre, alguns municípios registraram geração de emprego, entre eles, Marabá, que se destacou com o maior incremento, 1.058 novos vínculos empregatícios, seguido de Paragominas com 554 novos contratos formais de trabalho. Com o terceiro melhor saldo de emprego, Xinguara se destacou com 291 vínculos adicionais no estoque de trabalhadores com carteira assinada no município.

No município de Marabá, o setor da Construção Civil foi o que mais gerou postos de trabalho, com 628 novos trabalhadores empregados, bem como o mesmo setor apresentou destaque em Paragominas com a geração de 178 novos vínculos empregatícios. Dos 144 municípios analisados, 67 apresentaram saldos positivos.

Ao analisar o Mercado de Trabalho paraense com relação às ocupações com maiores movimentações de emprego no primeiro semestre, verifica-se que a ocupação “Vendedor de Comercio Varejista”, ligada ao setor do Comércio, foi a que registrou a maior movimentação, com 16.711 vínculos; seguida por Servente de Obras (ligada ao setor da Construção Civil), com movimentação de 13.845 vínculos; e na sequência aparece Auxiliar de Escritório em Geral, respondendo por 11.848 vínculos.

O presidente da Fapespa, Eduardo Costa, acrescentou que, “comumente, a movimentação de emprego no segundo semestre é maior que no primeiro, porém, dado a tendência dos últimos meses indicando um possível aquecimento da economia nacional e regional, a expectativa é de um saldo anual ainda negativo, embora em um patamar menor do que o alcançado em 2016″

Quanto ao porte dos empreendimentos constituídos no estado, apenas o recorte das empresas que empregam até quatro funcionários registrou saldo positivo, com 12.473 novos vínculos.

De acordo com o secretário adjunto da Seaster, Everson Costa, “em geral, as perspectivas de politica pública do estado focadas na geração de emprego, apoiada até por impressões externos como segmento empresarial, apresentam caminhos que podem atenuar esse cenário de desemprego no estado e melhorar as expectativas para o nosso mercado de trabalho”, disse.

Parauapebas

Para pressionar Vale, moradores da Vila Palmares interditam rodovia

Continua depois da publicidade

Um grupo de moradores interditou a estrada de acesso à comunidade de Palmares II, em Parauapebas ontem (14). A ação ocorreu como forma de protesto ao não cumprimento de acordos firmados com a Vale referente à contratação de trabalhadores que moram na comunidade.

Segundo Romário Alves da Silva, um dos coordenadores da manifestação, foi realizada, em 3 de abril, uma reunião entre a comunidade e a Diretoria de Relações com a Comunidade da Vale. Na ocasião, foram feitos alguns acordos, incluindo a contratação de 68 trabalhadores da comunidade de Palmares no mês de abril. Segundo os moradores, a Vale se comprometeu a contratar, no total, pelo 400 trabalhadores locais.

20150414114200

“Estamos esperando que a Vale compareça para cumprir o acordo feito, e que também insira a contração de pelo menos 20% de mulheres no número de trabalhadores”, disse Silva.

Por meio de nota enviada por e-mail ao site Notícias da Mineração do Brasil, a Vale informou que mantém um diálogo permanente com as comunidades situadas na área de influência do projeto sobre o status das obras e, inclusive, sobre as vagas disponíveis e afirma que a prioridade da companhia é a contratação de mão de obra local, aliada à competência técnica para o cargo.

“Como em toda atividade de construção civil, as vagas são temporárias e limitadas à demanda gerada conforme o avanço físico das atividades e a estratégia de implantação do empreendimento”, disse a mineradora em nota.

A Polícia Militar esteve no local da manifestação e, diante da resistência dos populares ao ato de desocupação da rodovia, a ação terminou em confronto com quatro feridos. O coordenador da Comissão de Trabalho Emprego e Renda da Apropcar, Antônio Marcos da Conceição Santana, afirmou que as ações para cobrar a mineradora vão aumentar.

De acordo com o Tenente-coronel Queiroz, comandante do 23º Batalhão de Polícia Militar em Parauapebas, durante a interdição da via um carro de propriedade de uma das empresas que presta serviços para a Vale acabou foi incendiado.

O município de Parauapebas (PA) foi o maior exportador brasileiro e teve o maior superávit comercial do Brasil em 2014. Segundo a balança comercial dos municípios, Parauapebas (PA) teve o maior volume de exportação no ano passado e o maior valor, atingindo US$ 7,619 bilhões. (NMB)

Brasil

FADESP abre inscrição para concurso público para a prefeitura de Parauapebas. Serão ofertadas 1.311 vagas

Continua depois da publicidade

A Fundação de Amparo e Desenvolvimento de Pesquisa – FADESP – publicou hoje em seu site o edital para a realização de Concurso Público destinado ao preenchimento de vagas de cargos de nível médio e cargos de nível fundamental do quadro de pessoal efetivo da Prefeitura de Parauapebas. Serão ofertadas 1.109 vagas para os cargos de nível médio e fundamental, e 202 vagas para os cargos de nível superior, sendo:

  • Nível médio: Auxiliar Administrativo, Técnico de Enfermagem, Técnico de Enfermagem do Trabalho e Técnico de Segurança do Trabalho
  • Nível fundamental: Eletricista e Agente de Combate a Endemias (ACE).
  • Nível Superior: Administrador, Assistente Social, Economista, Enfermeiro, Enfermeiro do Trabalho, Engenheiro Civil, Engenheiro Eletricista, Engenheiro Sanitarista, Engenheiro de Segurança do Trabalho, Médico do Trabalho, Nutricionista, Psicólogo e Sociólogo.

A remuneração para os cargos de nível fundamental e médio vai de R$ 1.091,46  a R$ 2.070,91 e as inscrições poderão ser feitas de 04/12/14 a 06/01/15 a uma taxa de R$ 50,00 (nível Médio) e R$ 40,00 (nível Fundamental), que deverá ser quitada até o dia 07/01/15.  Os cartões de inscrição serão retirados de 26 a 30/01/15.

A prova objetiva será realizada em 08/02/15, no turno da manhã, das 8h às 12h (horário local) para os cargos de nível médio de Auxiliar Administrativo, Técnico de Enfermagem, Técnico de Enfermagem do Trabalho e Técnico de Segurança do Trabalho, e, no turno da tarde, das 14h30 às 18h30 (horário local) , para os cargos de nível fundamental de Eletricista e Agente de Combate a Endemias (ACE).

Candidatos a cargos ACE terão 1ª etapa (prova objetiva) e 2ª etapa, aos aprovados, com nova prova objetiva após curso introdutório de formação inicial de ACE, no período de 23 a 27 de março de 2015, no município.

Nível Superior
Para os cargos de nível superior, a remuneração é de R$3.901,70 a R$ 5.537,88 e as inscrições poderão ser feitas até 22/12/14 e com taxa de inscrição será de R$ 70,00 e deverá ser paga até o dia 23/12/14. O cartão de inscrição será retirado entre os dias 13 e 16/01/15.

Para o nível superior o candidato fará uma prova objetiva e uma redação no dia 25/01/15, no turno da manhã ( 8h às 12h), para todos os cargos.

Confira aqui o Edital para o concurso.

Notícias

Mulheres ganham espaço na mineração

Continua depois da publicidade

Mão de obra feminina na Vale cresce 28% em 2011; elas são 12,3% dos funcionários da maior mineradora do país. Com avanço da tecnologia, estigma do setor como trabalho somente para homens vai ficando para trás

Quando ingressou no curso de engenharia de minas, na Universidade Federal da Paraíba, Lúcia Oliveira, 36 anos, tinha duas colegas de turma, mas foi a única mulher a receber o diploma.

Da Paraíba, mudou-se para o Pará e, há dez anos, empregou-se num projeto de cobre da Vale, onde hoje é gerente de planejamento de mina, com uma equipe de 53 pessoas -90% homens.

De lá para cá, ela conta que a realidade mudou muito: o estigma da mineração como um trabalho exclusivamente masculino começa a cair por terra e mais e mais mulheres buscam um emprego no setor. “Tinha até o mito que mulher dava azar em mina. Isso já não existe mais.”

Em 2011, a força de trabalho feminina da Vale cresceu 28%, acima da expansão total do número de empregados (7,4%). Apesar de ganharem espaço nos quadros da empresa, elas ainda representem só 12,3% do total -em 2009, eram 10%.

O crescimento ocorreu em todas as categorias profissionais, inclusive em cargos de gerência e mesmo nos de operação. Um exemplo é da operadora de motoniveladora (equipamento pesado que nivela o solo) Leidiane Fernandez, 30.

“Sempre gostei de dirigir caminhões. Comecei com caminhão-caçamba e fiz treinamento para outras máquinas. Mas confesso que fui atraída também pelos melhores salários e pela estabilidade no emprego”, afirma ela, cuja meta é dirigir os imensos caminhões-fora-de-estrada, usados para movimentar volumes gigantescos de terra em minas a céu aberto.

Para o consultor José Mendo, o avanço tecnológico e a automação dos equipamentos abriram espaço para as mulheres na mineração. “Os sistemas são hidráulicos ou computadorizados. Antes, só um homem forte conseguia manobrar um caminhão.”

Mendo diz que o fato de os salários na mineração serem mais altos do que em outras ocupações típicas de mulheres (como as de comércio e serviços) também atrai o público feminino.

Até agora, diz a Vale, o crescimento da presença feminina na companhia foi espontâneo. Mas a mineradora começa a trabalhar num programa para qualificar e ampliar a mão de obra feminina.

PRESIDÊNCIA GLOBAL
A Anglo American já faz isso e contabiliza 37% de mulheres entre seus empregados na área de minério de ferro no país. No mundo, elas são 14% da força de trabalho da companhia -a mais “célebre” é a presidente global, Cynthia Carroll.

Em 2013, quando o projeto Minas-Rio (mina, mineroduto e terminal portuário no porto do Açu, norte fluminense) entrar em operação, a companhia pretende contratar mais 300 mulheres, das 1.200 vagas previstas.

“O objetivo é mapear, atrair e manter a mão de obra feminina. Preferimos mulheres para cargos como o de operador de usina de beneficiamento e soldador. Elas têm mais habilidades manuais e uma atenção mais concentrada do que a dos homens”, afirma a gerente de RH do projeto, Claudiana Silva.

Fonte: UOL

Parauapebas

Pará gerou mais de dois mil postos de trabalho em maio. Parauapebas lidera.

Continua depois da publicidade

O Estado do Pará gerou 2.216 novos postos de trabalho durante o último mês de maio, registrando uma variação positiva de 0, 32% em relação ao mês anterior. O setor de Serviços, com 660 novos postos de trabalho, foi o grande responsável pelo bom resultado, seguido pela Indústria de Transformação (596) e pela Construção Civil (493 postos). Os números são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) do Ministério do Trabalho e Emprego, sistematizados no Boletim Mensal do Mercado de Trabalho paraense, elaborado pelo Instituto de Desenvolvimento Econômico, Social e Ambiental do Pará (Idesp).

De acordo com o documento, o Comércio e o setor Extrativo Mineral também tiveram saldos positivos, com 356 e 309 novos empregos formais gerados, respectivamente. Os setores que tiveram variação negativa foram Administração Pública (-2), Serviços Industriais de Utilidade Pública (-28) e Agropecuária (-132). Já, entre os municípios paraenses, os dez que mais se destacaram na geração de empregos foram Parauapebas (613), Altamira (482), Belém (322), Canaã do Carajás (320), Ulianópolis (309), Itaituba (170), Santarém (144), Redenção (127), Paragominas (117) e Novo Progresso (78).

Aqueles que tiveram maiores saldos negativos foram Almeirim (-327), Ananindeua (-221), Mojú (-133), Tucuruí (-99), Barcarena (-98), Marabá (-87), Castanhal (-58), Abaetetuba (-56), Santa Maria das Barreiras (-38) e Anapú (-36). Ainda segundo o boletim, o Pará também apresentou crescimento nos cinco primeiros meses do ano (14.424 postos) e nos últimos doze meses (52.210), correspondendo a acréscimos de 2,08% e 7,98%, respectivamente, em relação aos registros de 2011, mantendo-se como o maior gerador de empregos da Região Norte.

Parauapebas

Parauapebas, a cidade dos trabalhadores

Continua depois da publicidade

Por Lima Rodrigues
Terça-feira que vem, 1º de maio, será comemorado mais um Dia do Trabalhador. Parauapebas é uma cidade de trabalhadores. Trabalhadores esses que vem de todos os lugares do País, sendo que maioria é oriunda do Maranhão. Em parceria com a Prefeitura Municipal de Parauapebas, o Serviço Nacional de Emprego – SINE do município, atende em média de 200 a 300 pessoas diariamente. A maior procura é para a função de ajudante (servente e auxiliar de serviços gerais).

“O nosso problema ainda é a falta de qualificação. O mercado em Parauapebas é muito exigente. Todos os dias, atendemos pessoas que acabaram de chegar à cidade. Muitos aparecem no SINE ainda com as suas malas, ficam dormindo no terminal rodoviário, porque vem pra cá na ilusão que chegando, logo serão encaminhados e efetivados e não é bem assim”, explicou o Coordenador do SINE de Parauapebas, Antônio Cruz Gomes Ferreira, o Tom, em entrevista exclusiva.

Segundo ele, “devido à presença da mineradora VALE e consequentemente das empresas que prestam serviços pra ela, a nossa cidade é um celeiro de emprego e vem sempre crescendo”. De acordo com dados do SINE, de Janeiro até março deste ano “foram efetivados um total de 8.550 pessoas só pelo Serviço Nacional de Emprego”.

Tom aproveitou a oportunidade para enviar uma mensagem aos trabalhadores pelo seu Dia. “O SINE, a Prefeitura de Parauapebas e a SEMAS (Secretaria de Assistência Social) parabenizam a todos os trabalhadores pelo seu dia, em 1º de maio”.