Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!

Em Parauapebas, fazendeiros utilizam área pública da prefeitura para pastagem de animais

Inconformados, membros da Fetraf invadiram a área e foram retirados pela PM. Revoltados, interditaram a PA-160

Uma área de 126 hectares, localizada na PA 160, adquirida em 2014 pela gestão Valmir Mariano destinada à construção de um polo universitário, incluindo o Campus da UEPA, que seria construído em parceria com a Vale está sendo utilizada por fazendeiros para pastagem de animais. Nem o polo universitário foi implantado até então e nem a obra da UEPA foi construída.

A área foi ocupada semana passada por um grupo liderado pela Federação dos Trabalhadores da Agricultura Familiar (FETRAF) e formado por cerca de 200 trabalhadores rurais.

Na manhã desta quarta-feira (15) a área foi desocupada, depois de uma ação que contou com integrantes da Polícia Militar, Guarda Municipal e Secretaria de Serviços Urbanos (Semurb).

O estranho é que a ação foi realizada sem apresentação de um mandado de reintegração de posse. Ainda assim, os ocupantes saíram de forma pacífica do local. Porém, prometem retornar. “Quem disse pra gente vir pra cá foi o Darci. Vamos nos organizar para fechar alguns pontos principais da cidade, inclusive o acesso à Prefeitura. Essa vai ser a nossa forma de manifestar”, afirmou um dos integrantes da Fetraf.

“Aqui tem um monte de gente desempregada, que tem procurado na terra um meio de sobrevivência. São pais e mães de família que têm filhos para sustentar. É injusto uma área dessas ser ocupada por fazendeiros e nós, que somos trabalhadores, que não temos condições, termos que sair daqui com a polícia nos ameaçando. Nós só queremos um pedaço de chão para trabalhar”, disse um dos ocupantes.

O Blog entrou em contato com o advogado que representa a entidade para esclarecer alguns pontos, e ele questionou a ação de desocupação sem o respaldo da justiça. “As relações de posse só podem e devem ser provadas por meio de ação judicial”, informou o advogado Antônio Araújo de Oliveira, mais conhecido como Tony.

“Qualquer um pode ir lá e constatar que tem gado pastando na área que deveria ser direcionada para cultivo. O que o movimento não entende é isso, pois há um desvio de finalidade, o que inclusive implica em improbidade administrativa por parte da gestão. A área está sendo utilizada para uma finalidade totalmente distinta da qual foi criada, beneficiando terceiros. Quando o nosso pessoal foi realizar a ocupação, os fazendeiros vizinhos, inclusive, resistiram por que já se sentem proprietários da área. O movimento não concorda é que áreas públicas sejam destinadas para atender necessidades de fazendeiros. Isso nós não aceitamos. Isso é imoral, e ilegal. A gente discorda veementemente da atitude de um governo que se diz ser do povo utilizar-se dessas situações a mando e desmando da polícia, para efetuar reintegração de posse de forma arbitrária e sem mandado judicial”, acrescentou o advogado.

Com relação ao assunto, a Assessoria de Comunicação da Prefeitura, enviou a seguinte nota:

A Prefeitura de Parauapebas, por meio da Secretaria Municipal de Urbanismo (Semurb), esclarece que realizou a desocupação de uma área pública localizada na zona rural, entre os municípios de Parauapebas e Canaã dos Carajás, na manhã desta quarta-feira, 15, de forma pacífica.

A Semurb esclarece ainda que a referida área, além de ser pública, já possui destinação específica. As equipes da Semurb já haviam notificado os populares no local, orientando os mesmos a respeito da irregularidade na ocupação.

Portanto, após o esclarecimento, equipes da Semurb, juntamente com a Polícia Militar (PM) e Guarda Municipal (GMP), novamente dialogaram com os populares, que por sua vez não apresentaram qualquer resistência.

Por fim, os populares concordaram em liberar o espaço de forma ordeira e respeitosa, levando consigo seus pertences, inclusive seus veículos.

No local havia abrigos provisórios, que foram retirados do espaço. A Semurb ressalta a importância em dialogar com os populares, garantindo a segurança de todo cidadão, no cumprimento da lei, em conformidade com a administração pública.

Interdição

Logo que deixaram a área da prefeitura de Parauapebas, revoltados com a situação, os ocupantes interditaram a PA-160 na altura da entrada da VS-10, na Zona Rural do município de Parauapebas, provocando um grande congestionamento. A PM esteve no local para negociar a desobstrução da pista, que liga os municípios de Canaã dos Carajás e Parauapebas e dá acesso ao Projeto S11-D, mas até o fechamento dessa matéria a PA continuava interditada.

Os animais de particulares continuam na área. Agora sem serem incomodados pelo grupo da Fetraf.

O Blog consultou o conceituado advogado Wellington Valente para esclarecer se a retirada dos ocupantes foi de forma arbitrária, já que não havia uma ordem judicial de desocupação. Ele, que já ocupou o cargo de Procurador Geral do município na gestão da então prefeita Bel Mesquita, respondeu que a ação foi absolutamente legal. Para tanto citou o artigo 1210 do Código Civil, que diz:

Art. 1.210. O possuidor tem direito a ser mantido na posse em caso de turbação, restituído no de esbulho, e segurado de violência iminente, se tiver justo receio de ser molestado.

§ 1o O possuidor turbado, ou esbulhado, poderá manter-se ou restituir-se por sua própria força, contanto que o faça logo; os atos de defesa, ou de desforço, não podem ir além do indispensável à manutenção, ou restituição da posse.

§ 2o Não obsta à manutenção ou reintegração na posse a alegação de propriedade, ou de outro direito sobre a coisa.

Para o advogado o uso da PM na ação também foi legal, já que a Polícia Militar fez a garantia da ordem pública.

Vestibular

Uepa divulga lista de repescagem. Mais 50 candidatos de Marabá foram convocados

Os estudantes têm até terça-feira, dia 14, para efetivarem a matrícula. Caso contrário, perdem a vaga na Universidade

A lista dos classificados na repescagem dos Processos Seletivos de 2017 está no endereço http://zip.net/bmtFRw. O resultado foi divulgado há pouco, em Belém, pela Uepa (Universidade do Estado do Pará) e é a terceira relação de candidatos convocados.

A matrícula acontece no início da semana que vem, segunda-feira (13) e terça-feira (14), quando os estudantes convocados devem comparecer à coordenação do campus para o qual foi aprovado, nos horários de 8h ao meio-dia e de 14h às 18h, com a documentação exigida para realizar a matrícula. Em Marabá a Uepa fica na Avenida Hileia, Agrópolis do Incra – Cidade Nova.

Caso o estudante não compareça no período e horário especificados ou não apresente a documentação obrigatória, perde o direto ao ingresso na Universidade.

Na ocasião, devem levar os originais (para confirmação) e as cópias dos seguintes documentos: carteira de identidade; Cadastro de Pessoas Físicas (CPF); certidão de nascimento ou casamento; certificado de alistamento militar (candidatos do sexo masculino); uma foto 3 x 4 recente (colorida); título de eleitor, acompanhado do comprovante de votação na última eleição ou certificado de quitação eleitoral; histórico escolar do ensino médio; certificado de conclusão do ensino médio; comprovante de residência (recente e que contenha CEP). (Eleutério Gomes)

Ensino superior

UEPA implanta 1º Mestrado Profissional em Marabá

Curso em nível stricto sensu oferece 12 vagas em duas linhas de pesquisa

Por Ulisses Pompeu – de Marabá

Em parceria com a Unimed Sul do Pará, a Universidade do Estado do Pará (UEPA) apresentou a proposta de Programa de Pós-Graduação Mestrado Profissional em Cirurgia e Pesquisa Experimental (Cipe), da Universidade do Estado do Pará (Uepa). São ofertadas 12 vagas, divididas em duas áreas de concentração: Cirurgia Experimental e Pesquisa Experimental.

A proposta foi apresentada esta semana a profissionais da Unimed Sul do Pará pelo médico Antonio Márcio Nunes Alves, professor do curso de Medicina da UEPA em Marabá, a qual foi acatada e assinada pelos diretores da Unimed Sul do Pará, Jorge Bichara Neto, Juarez Dias Brito e Tarcízio Franzosi, pelo coordenador do mestrado professor doutor Marcus Vinícius Henriques Brito e o reitor da UEPA, professor doutor Juarez Simões Quaresma.

Sob coordenação do professor Marcus Vinicius Henriques Brito, este é um dos três melhores mestrados profissionais do Brasil.

A metade das vagas será disputada pela ampla concorrência. A outra metade pelos servidores da Uepa, sendo três vagas para os lotados em Belém e três vagas para os demais servidores lotados nos campi dos municípios do Estado.

A Uepa esclarece que o curso terá uma inserção social de alto impacto na região para ensino, pesquisa e extensão. Esta é quarta turma do mestrado, mas a primeira a ser realizada em Marabá. Podem participar médicos, enfermeiros e outros profissionais da área de saúde.

A seleção ocorrerá em três etapas. A primeira será uma Prova Objetiva de conhecimentos específicos, realizada amanhã, 10 de fevereiro, às 14h, e terá a duração de 4h. A segunda fase é de Análise de Documentos e do Currículo Lattes. A terceira, de entrevista. O resultado final será divulgado em 17 de março próximo. Segundo a coordenação, há 87 inscritos e 21 deles são de Marabá.

O professor doutor Marcus Vinícius esclarece que este mestrado possui duas áreas: cirurgia experimental e outra em pesquisa experimental. “O curso é credenciado pela Capes (Comissão de Aperfeiçoamento de Pessoal do Nível Superior), o órgão do Ministério da Educação responsável pelo reconhecimento e a avaliação de cursos de pós-graduação stricto-sensu (mestrado profissional, mestrado acadêmico e doutorado) em âmbito nacional.

Alguns profissionais de Marabá já formaram nas primeiras turmas e alguns já defenderam suas dissertações. Boa parte deles já está atuando em cursos de Medicina, Enfermagem e Saúde Coletiva, ministrados em Marabá pela UEPA, Faculdade Carajás e Unifesspa, respectivamente. “Em breve, outras turmas serão abertas e mais profissionais terão oportunidade de ampliar seus conhecimentos e melhorar o currículo”, diz o professor doutor Marcus Vinícius.

Engenharia ambiental

Em Marabá, compostagem usa tecnologia para transformar restos da merenda escolar em adubo

Acadêmicos da Universidade do Estado do Pará - UEPA - aplicam protótipo eletrônico integrado a uma plataforma digital para melhorar o serviço

Um projeto inovador em Marabá começou como embrião entre acadêmicos de Engenharia Ambiental do campus local da Universidade do Estado do Pará (UEPA) e está conquistando estudantes do Ensino Fundamental. Eles perceberam que mais da metade de todo lixo produzido no Brasil é constituída por resíduos orgânicos, como restos de frutas, legumes e folhagens. Todo esse material acaba indo para os lixões a céu aberto ou aterros sanitários, decompondo-se de forma inadequada. Além de gerar mau cheiro, esses resíduos atraem animais causadores de doenças e aumentam os riscos de contaminação de lençóis freáticos e do solo.

Para reduzir a poluição ambiental e aproveitar as sobras da merenda escolar, de folhas que caem das árvores, de papéis jogados no lixo e todo o resto de resíduos orgânicos gerados nas Escolas de Ensino Fundamental Oneide de Sousa Tavares e Doutor Inácio de Sousa Moita, em Marabá, os egressos do curso de Engenharia Ambiental Jamerson Silva Soares, 26, e Igor Conceição Ribeiro, 25, desenvolveram um tipo de composteira que usa recursos tecnológicos para elevar a qualidade do adubo produzido. A pesquisa deles é orientada pela professora Aline Souza Sardinha.

A composteira é o recipiente no qual são acondicionados os resíduos orgânicos para dar início ao processo conhecido como compostagem, que consiste em deixar fermentar e decompor resíduos orgânicos – agrícolas, florestais, domésticos ou urbanos – misturados ou não em terra vegetal, para obter um material rico em nutrientes e minerais, chamado de “composto”, usado como adubo natural.

O diferencial da compostagem inteligente, proposta do projeto de Jamerson e Igor, é a possibilidade de mensurar os níveis de temperatura e umidade do material orgânico em decomposição. Essa identificação ocorre por meio de um protótipo eletrônico integrado à Plataforma Arduino.

A Plataforma Arduino é composta por uma placa controladora (hardware) e um sistema integrado (software). Ao ser colocado em contato com a composteira, o protótipo móvel irá detectar se os níveis de temperatura e umidade estão altos ou baixos, emitir alertas sonoros, de luzes e mensagens na tela de LCD, indicando qual procedimento seguir.

“O protótipo avisa na tela de LCD se a umidade está alta ou baixa, se é para adicionar mais água, fazer a mistura ou acrescentar mais material orgânico. É interessante poder ver e controlar a temperatura e umidade em tempo real”, destaca Jamerson Soares.

O projeto realizado nas escolas de Marabá custou R$ 20.000,00 e foi financiado pelo Banco da Amazônia por meio de um edital de patrocínio em 2016. Desenvolvido de junho do ano passado a janeiro do corrente ano, o trabalho incluiu palestras de educação ambiental, orientações sobre separação dos resíduos e domínio da Plataforma Arduino, entre os alunos do 8º e 9º ano.

Também foram entregues nas duas escolas lixeiras para a coleta de resíduos úmidos e secos e os depósitos para a compostagem. O projeto também foi tema de estudo do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) de Jamerson e Igor, que no Prêmio Melhor TCC 2015, ganharam o segundo lugar com o tema “Sistema de monitoramento inteligente da temperatura e umidade no processo de compostagem: protótipo baseado na Plataforma Arduino”.

A atividade de educação ambiental terá continuidade em 2017 com o acadêmico de Engenharia Ambiental Vinícius Soares. A partir das pesquisas será feito o monitoramento do processo de transformação dos resíduos orgânicos em adubo. “Esta é uma alternativa para evitar que mais resíduos sejam dispostos no aterro controlado de Marabá. As Composteiras Inteligentes ficarão abrigadas nas escolas. O Vinícius vai avaliar o processo de educação ambiental dentro das instituições, se as pessoas estão se educando para separar o lixo, e também avaliará a qualidade do composto”, ressalta a professora Aline Sardinha.

Parauapebas

Cerimônia de Assinatura de Convênio para implantação do Campus da UEPA em Parauapebas

Nesta quinta-feira (10), às 10 horas da manhã, acontece a cerimônia de assinatura do Convênio de Cooperação entre o município de Parauapebas, a empresa Vale e a Universidade do Estado do Pará (Uepa). O convênio visa à construção e implantação do Campus Universitário da UEPA no município de Parauapebas. O evento será realizado no auditório do Centro Administrativo da Prefeitura, 3º piso.

Atualização: Em virtude do mal tempo, a aeronave que traria o vice-governador Zequinha Marinho e o reitor da UEPA até Marabá não conseguiu aterrissar, o que impede a realização da cerimônia às 10 horas. A mesma foi adiada para a parte da tarde, em horário a ser confirmado pela Ascom. 

Uepa divulga data de matrícula para convocados em repescagem

A Universidade Estadual do Pará divulgou a data de matrícula para os candidatos que foram convocados na segunda chamada, conhecida como repescagem, do Processo Seletivo 2016 (Prosel) e do Programa de Ingresso Seriado (Prise) Subprograma XVII (3ª etapa) da Universidade do Estado do Pará (Uepa).

As matrículas devem ser realizadas no período de 24 a 26 de fevereiro de 2016, de 8h às 12h e de 14h às 18h no campus específico para o qual os candidatos foram aprovados. Por não haver mais candidatos classificados para o preenchimento de vaga no PRISE em algumas localidades e cursos, estas vagas foram remanejadas para o PROSEL/2016 e os candidatos convocados obedecendo a ordem de classificação.

Segundo orientação no próprio site da Uepa, os candidatos convocados devem apresentar cópias dos seguintes documentos:

Carteira de Identidade; Cadastro de Pessoas Físicas (CPF); Certidão de Nascimento ou Casamento; Certificado de Alistamento Militar (candidatos do sexo masculino); uma foto 3×4 recente (colorida); Título de Eleitor, acompanhado do comprovante de votação na última eleição; Histórico Escolar do Ensino Médio; Certificado de Conclusão do Ensino Médio e Comprovante de Residência (recente que contenha CEP). O candidato deve apresentar os originais para comprovar os dados.

As vagas são para os campi da universidade espalhados por todo o estado. Em Marabá, por exemplo, houve segunda chamada para os cursos de Biomedicina, Engenharia Ambiental, Engenharia de Produção, Engenharia Florestal, Licenciatura em Ciências Naturais – Biologia, Medicina e Tecnologia de Alimentos.

Veja o edital de convocação dos candidatos do Prosel aqui.

Veja o edital de convocação dos candidatos do Prise aqui.

Veja o edital de convocação dos candidatos do Prise, cujas vagas de algumas localidades do foram remanejadas para o Prosel aqui.

Parauapebas

Paraense nota 1.000 se surpreende com resultado

Júlia disse  que gostou da prova como um todo, mas não esperava tirar a  nota máxima em Redação. “Eu estudava e me dedicava para todo o Exame,  para me sair bem como um todo. A nota 1.000 foi uma surpresa. Uma amiga   viu o resultado e mandou pelo celular. Fiquei sem acreditar”.

A estudante sempre teve um bom desempenho nas redações, mas nunca com notas tão altas. Inclusive no Enem do ano passado fez cerca de 800 pontos. Na demais área do Exame, para a estudante, suas notas foram “boas”.

Sobre o tema da Redação deste ano, que tratou de violência contra mulher, Julia disse que adorou.   “Fiquei       muito feliz, muito mesmo. É sempre pertinente tratar sobre a violência contra a mulher”.

Júlia aguarda o resultado dos processos seletivos da Universidade Federal do Pará (UFPA) e Universidade do Estado do Pará (Uepa), onde concorre a vagas nos cursos de Arquitetura e de Design, respectivamente.

Fonte: Dol.

Marabá

Parauapebas: mais de 200 estudantes realizam prova do Prise

prise

A terceira etapa do Programa de Ingresso Seriado (Prise), da Universidade do Estado do Pará (Uepa), ocorreu na manhã desta segunda-feira (07). Em Parauapebas, 48 estudantes realizaram a prova com 54 questões objetivas de conhecimentos gerais e uma redação valendo 30 pontos.  De acordo com a Uepa, o candidato que obtiver menos de 12 pontos na prova objetiva e menos de seis pontos na prova de redação será automaticamente eliminado.

O candidato Pedro Silva, de 18 anos, conta que se preparou estudando na escola e em casa, e está confiante na aprovação para o curso de Matemática. “Fiquei um pouco nervoso na hora da prova, mas mesmo assim acredito que alcancei uma boa pontuação”, comenta.

A prova aplicada na Escola Estadual Eduardo Angelim, no bairro Rio Verde, aconteceu também na manhã do último domingo (06), quando 161 estudantes participaram da segunda fase do processo. Os candidatos tiveram cinco horas para responder 60 questões objetivas de conhecimentos gerais e Língua Estrangeira.

Os cursos mais concorridos na terceira etapa do Prise são da área de saúde. 1º lugar: Medicina em Marabá com 19 candidatos para uma vaga; 2º lugar: Biomedicina em Belém, com 12,7 candidatos; e 3º lugar: Fisioterapia também na capital com 10,8 concorrentes para uma vaga, na categoria de não cotista.

Para a condição de cotista, a concorrência apresenta em 1º lugar: Enfermagem em Tucuruí, com 6,5 candidatos por vaga; 2º lugar: Medicina em Marabá, com 6,2 candidatos por vaga; 3º lugar: Fisioterapia em Belém, com 5,8 candidatos para uma vaga.

O resultado da terceira fase está previsto para o final de janeiro de 2016, pois a Universidade aguarda a divulgação do resultado do Enem para anunciar a lista de aprovados do  Prise e do Prosel juntos.