Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Pará

Cobra gigante é flagrada tentando escalar carro na UFPA (VÍDEO)

Continua depois da publicidade

Um vídeo que anda circulando nas redes sociais mostra uma cobra da espécie sucuri tentando um escalar um veículo no estacionamento da Escola de Aplicação da Universidade Federal do Pará (UFPA), o antigo Núcleo Pedagógico Integrado (NPI) no bairro da Terra Firme, em Belém-PA.

O tamanho do animal impressionou tanto os estudantes que a Polícia Ambiental precisou ser acionada para resgatar o réptil.

 

Tucuruí

UFPA analisa se hidrelétrica de Tucuruí atende normas de segurança de barragens

Eletronorte comprometeu-se a corrigir problemas identificados
Continua depois da publicidade

Graças ao apoio voluntário de professores da Universidade Federal do Pará (UFPA), o Ministério Público Federal (MPF) pôde cobrar da concessionária de energia elétrica Eletronorte providências para adequações à Lei da Política Nacional de Segurança de Barragem pela hidrelétrica de Tucuruí, no sudeste paraense.

A cobrança foi feita na última quinta-feira (07/06), em audiência extrajudicial na sede do MPF em Tucuruí com a participação dos pesquisadores da UFPA e de técnicos da Eletronorte e da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

A procuradora da República Thais Araújo Ruiz Franco estabeleceu prazo de 30 dias para que a concessionária apresente ao MPF a nomeação de equipe de técnicos responsáveis pela segurança da barragem no âmbito local da usina hidrelétrica.

A representante do MPF estabeleceu, ainda, que até o próximo dia 8 de outubro a empresa deve apresentar a versão atualizada do plano de ações de emergência.

‘Perícia primorosa’ – A falta de indicação de equipe técnica de segurança e a inadequação do plano de ações emergenciais foram falhas apontadas em relatório elaborado pelos professores Fernanda Pereira Gouveia, Aarão Ferreira Lima Neto e Marlon Braga dos Santos, e pela mestranda Raphaela Goto.

O grupo atuou por meio do Programa de Pós-graduação em Engenharia de Barragem e Gestão Ambiental (PEBGA) do Núcleo de Desenvolvimento Amazônico em Engenharia (NDAE), da UFPA.

“Faço aqui um agradecimento público do MPF a esse grupo de especialistas por terem aceito de forma voluntária e não onerosa o encargo de peritos e terem elaborado trabalho técnico primoroso e indispensável para subsidiar a atuação ministerial no inquérito civil que trata do caso”, ressalta a procuradora da República Thais Araújo Ruiz Franco.

Cobrança ao Dnit – Na audiência o MPF decidiu encaminhar ofício ao Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) para solicitar que a autarquia também comprove o cumprimento da legislação referente à segurança de barragens, tendo em vista que o Dnit é responsável pelas eclusas da usina hidrelétrica de Tucuruí.

A cobrança será feita por ofício porque o Dnit não enviou representante à audiência, apesar de a autarquia ter sido convidada.

Assim que receber oficialmente a solicitação, o Dnit terá 30 dias para apresentar relatórios de inspeção de segurança e relatórios de programas de manutenção planejada.

Canaã dos Carajás

Profissionais de Educação Infantil de Canaã concluem especialização

Parceria entre a UFPA e a prefeitura proporcionou a formação de 30 profissionais agora capacitados para melhor desempenho na educação das crianças
Continua depois da publicidade

Trinta profissionais de Educação Infantil, 13 de Canaã dos Carajás e 17 de municípios vizinhos, receberam na noite de ontem (16), o Certificado de Conclusão do Curso de “Profissionalização em Educação Infantil”. Ministrado pela UFPA (Universidade Federal do Pará) em parceria com a Prefeitura Municipal, a especialização teve, como principal objetivo, formar especialistas capazes de ter uma visão mais ampla sobre o processo educacional de crianças. Cleomar Rodrigues, coordenador do curso pela UFPA, destacou o trabalho das concluintes e a importância das parcerias. “Ver essas mulheres se formando com tanta garra me enche de alegria.”

As aulas de Especialização em Docência na Educação Infantil, que iniciaram em 2014, tiveram como objetivo capacitar os profissionais para um melhor desempenho em sala de aula no processo educacional de crianças da rede pública.

Com a presença de diversas autoridades, como o prefeito Jeová Andrade, a cerimônia de entrega de certificados foi realizada no Centro de Formação de Profissionais da Educação. “A meta número um do nosso governo é melhorar o nosso ensino. Conseguimos avançar bastante em infraestrutura, valorização salarial e agora precisamos de melhores índices”, disse o gestor municipal.

Ainda segundo ele, a educação infantil é a base de tudo: “Todos nós queremos que nossos alunos tenham, no futuro, boas formações e se recordem que tudo começou com um bom ensino na escola pública”, afirmou.

Edilson Valadares, secretário de Educação, parabenizou as concluintes. “O governo tem a preocupação de ajudar esses profissionais em suas qualificações. Essa certificação vale muito para o município. Parabenizo a todos por essa busca de conhecimento”.

Marabá

Nova Cartografia Social dos babaçuais será lançada amanhã na Unifesspa

Pesquisa atual estima que existam 27 milhões de hectares de babaçuais e desafio é garantir às quebradeiras de coco acesso à terra e babaçuais
Continua depois da publicidade

O lançamento do mapa da “Nova Cartografia Social dos babaçuais: mapeamento social da região ecológica do babaçu” é parte do Programa de Pós-Graduação em Cartografia Social e Política da Amazônia (PPGCSPA), sendo uma realização da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (Unifesspa), Universidade Federal do Pará (UFPA) e Universidade Estadual do Maranhão (Uema), com apoio da Ford Foundation, será realizado amanhã, dia 8 de maio, no auditório da Unidade I do Campus de Marabá, às 14 horas.

A programação iniciará com o acolhimento que se dará com cantos de resistências e lutas das quebradeiras de coco babaçu.

A coordenadora do Movimento Interestadual das Quebradeiras de Coco (MIQCB) Francisca Silva Nascimento, coordenadora do MIQCB Regional Pará – Jucilene Rodrigues de Souza, coordenadores do PNCSA – Alfredo Wagner de Almeida e Rosa Elizabeth Acevedo Marin, coordenador do Projeto de Cartografia Social dos Babaçuais: mapeamento social da região ecológica do babaçu – Jurandir Santos de Novaes, coordenadora do projeto na Unifesspa – Rita de Cássia Costa, além de representações institucionais da Unifesspa, Emater, Comissão Pastoral da Terra (CPT), Programa Territórios da Cidadania (Codeter), Cofama e Ministério Público participarão do evento.

Haverá a sessão de apresentação do mapa “Nova Cartografia Social dos babaçuais: mapeamento social da região ecológica do babaçu”, com a participação do professor Alfredo Wagner de Almeida e da representante do MIQCB – Francisca Silva Nascimento, com o auxílio das coordenações regionais do MIQCB do Piauí, Pará Maranhão e Tocantins.

Em seguida, haverá debate com os participantes da plenária. Logo após os presentes participarão do momento de “Diálogos de pesquisa: Quebradeiras de coco babaçu e nova cartografia social”.

Este projeto resulta de pesquisa, com trabalho de campo, georreferenciamento e a realização de reuniões e encontros de movimentos sociais e pesquisadores para levantamento e debate das questões em situação de pesquisa. Foi feita a retomada de mapas produzidos no âmbito da nova cartografia social da Amazônia e de fontes externas.

Já em laboratório, foram feitas reelaboração e elaboração de novos mapas, com que se dá o processo de construção do mapa que será apresentado.

O trabalho junto às quebradeiras de coco babaçu iniciou em 2014 e se estendeu até 2017, com o objetivo de mapear as organizações, situações sociais aos aspectos que lhe são relevantes e com foco nas áreas de incidência dos babaçuais e na configuração e reconfiguração da “região ecológica do babaçu”, com abrangência nos estados do Maranhã, Piauí, Tocantins e Pará.

O mapa assinala para uma área de babaçuais superior apontadas em mapeamentos anteriores. A pesquisa atual estima que existam 27 milhões de hectares de babaçuais. O mapa elaborado consiste em um instrumento de mobilização e de reconhecimento para as quebradeiras de coco babaçu, suas lutas por acesso à terra e babaçuais. Indica que os babaçuais, se renovam, ressurgem e resistem às práticas de devastação, pela derrubada, queima, envenenamento, entre outras.

O mapeamento dá visibilidade a estas situações socioambientais e à floresta de babaçu, nas áreas pesquisadas e no sudeste do Pará, que passa sucessivamente pela derrubada da floresta nativa, especialmente dos castanhais e também dos babaçuais, levando-se em consideração, os dois projetos realizados no período.

comércio

Com bom público, distrito empresarial é lançado em Canaã dos Carajás

Evento de lançamento reuniu autoridades da política e empresários de toda a região
Continua depois da publicidade

Agora é oficial: o Distrito Empresarial Antônio José de Araújo foi lançado na tarde desta sexta-feira (2) em Canaã dos Carajás. O empreendimento deverá abrigar empresas de pequeno, médio e grande porte. Para o lançamento do complexo empresarial, a presença do público surpreendeu a todos. O auditório reservado para o evento ficou completamente lotado e muita gente precisou acompanhar em pé a cerimônia oficial de lançamento. Algumas autoridades políticas estiveram presentes, entre elas, o prefeito Jeová Andrade, o vice Alexandre Pereira e os deputados estaduais Gesmar Costa e João Chamon.

Com mais de um milhão de metros quadrados, o tão sonhado Distrito Empresarial de Canaã dos Carajás nasce com a missão de tornar o município independente da mineração. A expectativa é que empresas de vários segmentos se instalem no local, com incentivos fiscais da Prefeitura Municipal, e construam um novo modelo econômico para a cidade. A esperança que nasce com o complexo é de que renda extra seja gerada para o município e que a população possa ser beneficiada com vagas de emprego.

Conhecida outrora por ser uma terra de oportunidades, Canaã viveu no último uma das piores crises empregatícias de sua história. A desmobilização do Projeto S11D acabou provocando mais de 7 mil demissões só no ano passado. O distrito empresarial chega à Terra Prometida em um momento crucial de retomada da economia na cidade. A ideia é que os novos empreendimentos coloquem Canaã novamente no mapa do crescimento econômico.

Outra grande aposta do governo é a inauguração, também, do tão esperado polo universitário. A estrutura educacional também ficará localizada na mesma área. Representantes de diversas instituições já interessadas em se instalar no município estiveram presentes. Entre as principais instituições de ensino representadas, UFPA, UEPA, IFPA, Famap, Unigran, Uniub, Dínamo e Faculdade Carajás. Presente no evento, o secretário de educação André Wilson falou sobre a importância do novo passo para a educação em Canaã: “A gestão de Canaã tem priorizado a educação. Tenho certeza que o polo será um grande sucesso, vai gerar empregos e também renda para o município, além de promover mais qualidade de ensino, pois algumas dessas instituições poderão formar nossos colaboradores. Nossas expectativas são as melhores.”

Toda a estrutura do distrito empresarial e do polo universitário foi doada pela empresa Vale ao fim das obras no canteiro sudeste. Representando a mineradora, Leonardo Neves também concedeu entrevista: “Eu diria que esse é um momento importantíssimo para toda a região. Essa área foi utilizada para a construção do S11D. No momento da desmobilização, entendemos que essa área poderia ser um grande ativo para o município e deu certo. A Prefeitura comprou a ideia, a diretoria da Vale também autorizou toda a doação. Muitos investimentos foram feitos aqui e esse é o grande diferencial, pois isso facilita a entrada de novos negócios, já que o empreendedor não precisa gastar muito.”

À frente da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, pasta responsável pela elaboração e gestão do projeto, Jurandir José disse que o lançamento do distrito é o início de uma nova história para a Terra Prometida: “Esse é um marco histórico para o desenvolvimento econômico da cidade. Esse é um espaço adequado para receber qualquer tipo de empresa que queira se instalar aqui e gerar empregos para a nossa população. Estou muito feliz, pois este é realmente um passo largo para uma nova história em nossa cidade.”

Anderson Mendes, vereador e presidente da Associação Comercial de Canaã, falou sobre a importância histórica do momento: “Essa é uma luta minha através da ACCIACA já há mais de cinco anos. Agora, com o apoio da Vale, esse grande sonho está acontecendo. Esse é o primeiro passo para que a gente possa trazer empresas, empregos e cursos superiores para que o jovem de Canaã não precise ir embora para estudar.”

Representando a classe empresarial da região, Roberto Paulinelli, dono do Frigorífico Rio Maria, com uma recém-adquirida filial em Canaã, foi convidado a fazer parte da mesa de honra e também fez o uso da palavra: “Estou chegando agora em Canaã e estou impressionado com o que tenho visto por aqui. A atenção que tive aqui é realmente diferenciada. Estou muito feliz por estar no município. Acredito que outras empresas virão para cá e se instalarão aqui no complexo, o que vai melhorar e muito a economia da cidade.”

Por fim, o prefeito Jeová Andrade falou sobre a felicidade em poder lançar o tão aguardado distrito: “Estou, na verdade, ganhando um presente de aniversário antecipado. Acredito que temos que preparar Canaã para viver com e sem o minério, pois todos nós sabemos que esse recurso não se renova. Aqui no distrito, nascerá a chance de uma cidade forte, independente e tenho certeza que será um grande sucesso.”

A família do falecido empresário Antônio José de Araújo, que deu o nome ao empreendimento, foi convidada ao palco para a inauguração oficial. Em um momento de muita emoção, a fita foi retirada e a placa com o rosto do empresário homenageado foi aplaudida pelos presentes

Depois da cerimônia oficial, um ciclo de palestras voltadas para o empresariado e para a educação superior também aconteceu. A cerimônia foi transmitida ao vivo pelo Facebook oficial da Prefeitura Municipal de Canaã e chegou a alcançar mais de 100 mil pessoas em todo o mundo.

Educação

UFPA divulga listão de aprovados do Vestibular 2018

Cronograma de matrículas será publicado em breve. Seleção foi exclusiva para quem fez o Enem.
Continua depois da publicidade

A Universidade Federal do Pará (UFPA) publicou na manhã desta quinta-feira, 25 de janeiro, o listão de aprovados do Processo Seletivo (PS) 2018 via Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

Confira os aprovados na UFPA

O edital de matrículas não foi divulgado até o momento pela UFPA.

A UFPA ofereceu 5.908 vagas em 177 cursos distribuídos em Belém, Bragança, ltamira, Cametá, Breves, Mocajuba, Oeiras do Pará, Ananindeua, Castanhal, Salinópolis,Tucuruí, Soure, Abaetetuba, Limoeiro do Ajuru, Capanema, Baião, Bagre,Tomé-Açu e Porto de Moz.

A universidade registrou 109.907 candidatos na disputa pelas vagas, sendo 90.759 pelo Sistema de Cotas. Da reserva de vagas, 1.240 vestibulandos se candidataram como pessoas com deficiência.

Seleção

A seleção geral foi realizada com base no aproveitamento das notas do Enem 2017. Foi preciso obter 400 pontos nas provas objetivas e 500 em cada redação.

Os cursos de Dança e Música tiveram, ainda, as provas de habilidades específicas como etapa complementar.

Mais informações no Edital

fonte: mundo educação
Regularização Funciária

UFPA debate realidade fundiária urbana da Região Norte

Confirmaram a participação representantes do AC, RJ, SP, RN, DF e Pará, além de membros de secretarias estaduais do Pará, gestores e técnicos das prefeituras paraenses
Continua depois da publicidade

A Universidade Federal do Pará, em parceria com o Ministério das Cidades e a Universidade Federal do Rio de Janeiro, abre no dia 6 de dezembro, a partir das 9 horas, no auditório do Instituto de Ciências Jurídicas, Campus Profissional, em Belém, a Oficina Regional Norte: Avanços e Perspectivas para a Regularização Fundiária Urbana na Amazônia.

O objetivo do evento é debater e capacitar os participantes para os desafios da implementação da Lei Federal 13.465/2017, novo marco de regularização fundiária urbana e rural e os seus desdobramentos nos sete Estados da região Norte. Myrian Cardoso, coordenadora Técnica Operacional do Projeto Moradia Cidadã da Comissão de Regularização Fundiária da UFPA, explica que a nova legislação exige a adoção de novos paradigmas para implementar a regularização nas cidades na Amazônia Legal.

O Brasil possui 5. 570 municípios e a Região Norte ocupa aproximadamente 4 mil km², com uma população estimada em 17,92 milhões de habitantes, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia Estatística (IBGE), em 2017, correspondente a cerca de 8% da população brasileira. Dos 450 municípios existentes na região Norte, a Subsecretaria de Regularização Fundiária na Amazônia Legal (Serfal) repassou o domínio das terras para 127 cidades, facilitando o desenvolvimento urbano e o acesso aos recursos para combater as desigualdades regionais. As demais não têm o domínio das suas terras, o que dificulta o acesso a recursos para implementar políticas públicas.

Dados do Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Continua (Pnad) do IBGE, de 2016, revelam que apenas 18,9% dos domicílios da Região Norte estão conectados à rede de esgoto, além de predominar o uso da fossa (68,1%). Cerca de 33% dos domicílios da Região Norte são abastecidos por água de poço, enquanto a média nacional é de 2,1% de casas nesta situação. “Esta realidade precisa ser enfrentada para superar as desigualdades regionais e os conflitos de ocupação em áreas sem infraestrutura urbana”, afirma.

Na abertura da Oficina, serão apresentados os resultados dos trabalhos de regularização realizados em Mãe do Rio, Ipixuna do Pará, Capitão Poço, Concórdia do Pará, Nova Esperança do Piriá e Tomé-Açu, que resultaram na consolidação e enquadramento de 18 mil lotes com novas dimensões sociais, jurídicas, urbanísticas e ambientais. Deste total, 13.424 foram consolidados, aprovados nas prefeituras e protocolados nos cartórios para abertura de matrícula dos lotes nas cidades do Nordeste paraense. “O desafio é consolidar esforços para garantir o direito ao primeiro registro gratuito para as famílias de baixa renda com a liberação dos selos emitidos pelo Tribunal de Justiça do Estado (TJE) ”,  pondera a coordenadora.

A partir das 16 horas, haverá o debate sobre as Inovações e Desafios da Lei 13.465, de 2017, com foco na regularização fundiária urbana na Amazônia Legal. Participam da atividade José Cristiano, analista de Infraestrutura do Ministério das Cidades; Ana Paula Carvalho, da Subsecretaria de Regularização Fundiária na Amazônia Legal (Serfal); Cleomar Moura, da Associação dos Notários e Registradores do Brasil (Anoreg), e Aracely Evangelista, da Superintendência do Patrimônio da União (SPU).

No dia 7 de dezembro, a partir das 9 horas, ocorrerá a realização de uma oficina para gestores públicos e privados sobre a regularização, com base na Lei 13.465/2017. Luly Fischer, do Instituto de Ciências Jurídicas da Ufpa, abordará os aspectos jurídicos da questão fundiária na Amazônia. Por sua vez, Raphael Bischof Santos, professor e pesquisador da Universidade Federal do ABC, apresentará um diagnóstico do Programa Papel Passado, do governo federal, com dados de 95 cidades, em 23 estados brasileiros. No Pará, segundo Bischof, as vistorias envolveram as cidades de Ourém, Peixe-Boi, Barcarena e Belém, cuja ação busca garantir a regularização administrativa e jurídica da posse dos imóveis em benefício dos moradores.

Confirmaram a participação representantes do Acre, Rio de Janeiro, São Paulo, Rio Grande do Norte, Brasília e Pará, além de membros de secretarias estaduais do Pará, gestores e técnicos das prefeituras paraenses, representantes das associações municipais do Estado, professores e discentes de instituições de ensino público e privado.

Ascom-CRF- UFPA – Texto: Kid Reis – Fotos: Arquivo CRF-UFPA
Belém

Pará com foco em Sustentabilidade

Importantes iniciativas para o desenvolvimento social, sustentabilidade e pesquisa em biodiversidade serão destaque no dia 31, na capital.
Continua depois da publicidade

No dia 31 de outubro, Belém receberá dois eventos relevantes no campo da sustentabilidade: Seminário do BRC – Biodiversity Research Consortium (Consórcio de Pesquisa em Biodiversidade Brasil- Noruega) – que acontecerá no Museu Emílio Goeldi, e a Conferência Ethos, que acontecerá no Estado pela primeira vez.

Além destes dois importantes eventos, a data também foi escolhida para a assinatura da renovação do acordo de colaboração que renova o investimento no BRC por mais cinco anos. A parceria envolve a Universidade Federal do Pará (UFPA), a Universidade Rural da Amazônia (UFRA), o Museu Paraense Emilio Goeldi, a Universidade de Oslo (UiO) e empresa Norsk Hydro.

Colaboração internacional de pesquisa sobre biodiversidade

Desde 2013, a iniciativa proposta e mediada pela Hydro, companhia global de alumínio, com três empresas instaladas no Pará – a Hydro Alunorte e Albras, em Barcarena, e a Hydro Paragominas – já alcançou resultados inéditos no Nordeste do Estado – região onde a empresa opera a lavra da bauxita – com foco na reabilitação florestal e no levantamento das espécies, entre fungos, insetos, seres aquíferos e mamíferos.

Na primeira etapa do convênio, nos últimos quatro anos, os estudos apoiados pelo convênio registraram duas espécies novas de insetos na Amazônia: uma vespa e um percevejo. Além de ter possibilitado a descoberta de três novas espécies de fungos, oito novas ocorrências de espécies de fungos no Brasil e três novas ocorrências de espécies de fungos para a Amazônia.

A parceria também gerou treze projetos de pesquisas aprovados, relacionados a diversos temas: gases de efeito estufa, fungos, crustáceos, peixes, aves, mamíferos, flora, botânica solos, insetos, entre outros. No total, participam do convênio cerca de 100 profissionais: doutores, mestrandos, estudantes de graduação e técnicos, que vêm produzindo trabalhos científicos, com cinco dissertações de mestrado concluídas e outras 22 pesquisas, que serão publicadas ainda este ano.

“A Hydro é consciente de seu compromisso com o desenvolvimento sustentável e de longo prazo. Por isso, acreditamos a importância deste convênio que promove a colaboração, buscando soluções que recuperem as áreas degradadas e devolvendo à natureza um ambiente igual ou melhor do que encontrado antes de uma operação de mineração”, acredita Silvio Porto, Vice-Presidente Executivo, Bauxita & Alumina da Hydro.

Para a cerimônia de renovação do consórcio BRC, estarão presentes o embaixador da Noruega, Nils Martin Gunneng, as lideranças da Hydro no Brasil, autoridades do Governo do Estado e os reitores e diretores das instituições de pesquisa, que assinam o acordo e viabilizam o programa por mais cinco anos, demonstrando os esforços da Hydro em estabelecer pesquisas na Amazônia.

Conferência Ethos 360 – Sustentabilidade e Desenvolvimento Social em discussão

Em linha com os esforços da Hydro de contribuir no desenvolvimento de soluções sustentáveis para a cadeia do alumínio no Pará, a empresa é uma das patrocinadoras da Conferência Ethos 360 Belém, primeira edição promovida na capital paraense, que acontecerá no mesmo dia da assinatura do convênio BRC, na próxima terça-feira, 31, no Hangar.

A Conferência Ethos é um dos mais importantes fóruns de discussão e engajamento de empresas do País, reunindo cases bem-sucedidos de empreendimentos responsáveis.

A Hydro terá participação em três painéis para discussão de temáticas socioambientais. A começar pelo painel Grandes obras, crescimento e impactos socioambientais, trocando experiências ao lado de outras grandes empresas que operam no Estado, e lideranças de comunidades tradicionais.  “O compromisso da Hydro com o estado do Pará é de longo prazo e isso nos leva a uma busca incessante pelo desenvolvimento de técnicas e soluções que resultem numa operação responsável, que dê sustentabilidade aos projetos e desenvolva as comunidades do entorno”, disse de Domingos Campos, diretor de HSE & CSR das operações da Norsk Hydro no Brasil.

À tarde, a Hydro apresenta o painel Governança territorial: um caminho para a sustentabilidade e engajamento das comunidades, levando os exemplos e os desafios de operar com responsabilidade uma das maiores lavras de bauxita do mundo e a maior refinaria de alumina do planeta, a Hydro Alunorte.

Para encerrar a participação na Conferência com chave de ouro, a Hydro apresenta o painel. O estímulo à pesquisa e iniciativas de reabilitação florestal, biodiversidade e clima reunindo experiências das empresas na área do conhecimento sobre a Amazônia, com integrantes do próprio BRC, que nos últimos quatro anos apresentou resultados relevantes, e que vem contribuindo para o desenvolvimento de estudos na recuperação de florestas em áreas mineradas. “No momento que vivemos no Brasil, acreditamos que é ainda mais importante obter apoio dos pesquisadores, especialmente com o foco em um tema tão relevante como o reflorestamento na Amazônia”, completa Domingos.

A Hydro e o Pará – Para Sempre

A Hydro é uma empresa global de alumínio, com uma história substancial no Pará. Embora sediada na Noruega, os maiores e mais importantes ativos da companhia estão no estado do Norte do Brasil: em Paragominas, sudeste paraense, fica a mina de bauxita e, em Barcarena, na região nordeste, está a refinaria de alumina Hydro Alunorte e a fábrica de alumínio primário Albras. Juntas, essas empresas constituem um dos exemplos mais fortes de verticalização atualmente no estado.

Em 2014, a Hydro apresentou seu posicionamento estratégico, o “Para Sempre”, e o compromisso de ficar no estado que acolheu a empresa.  A Hydro investiu cerca de R$ 9,5 bilhões nos últimos 12 anos no Pará, e atualmente emprega – direta e indiretamente – 8.500 pessoas nas unidades Hydro Paragominas, Hydro Alunorte e Albras.