Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Eventos

Núcleo de Articulação e Cidadania realiza encontro com integrantes do terceiro setor em Marabá

A diretora geral do NAC, Daniele Khayat, e o secretário Extraordinário de Estado de Integração de Políticas Sociais, Heitor Pinheiro, participam do evento.

Nos dias 11 e 12 de maio, o Núcleo de Articulação e Cidadania (NAC), realiza, em Marabá, o “Encontro do Plano Existir” e o “II Encontro: Desafios para o Terceiro Setor – Região de Carajás”. O evento do Existir vai ocorrer a partir das 8h30 de quinta-feira, 11, no auditório da Secretaria Municipal de Educação de Marabá com o objetivo de conhecer e implementar a rede de atenção à pessoa com deficiência no município. A diretora geral do NAC, Daniele Khayat, e o secretário Extraordinário de Estado de Integração de Políticas Sociais, Heitor Pinheiro, participam do evento.

Haverá também uma mesa redonda com o tema “Os desafios para as políticas de atendimento à pessoa com deficiência”, com a participação da secretária adjunta da Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa), Heloisa Guimarães, e a professora doutora da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (UNIFESSPA), Lucélia Cardoso Cavalcante Rabelo. Em seguida a coordenadora do Comitê Gestor do Plano Existir, Meive Piacesi, fará a formação da rede de atenção à pessoa com deficiência de Marabá, encerrando o evento.

Ainda no dia 11, a partir das 13 horas, no plenário da Câmara de Marabá, iniciará o credenciamento para o “II Encontro: Desafios para o Terceiro Setor – Região de Carajás”. A abertura do evento será às 14 horas com o painel “Pará Sustentável – Um modelo de desenvolvimento para o Estado” com o secretário Heitor Pinheiro, que vai falar sobre sustentabilidade, parceria e governança compartilhada, e a coordenadora da diretoria de projetos estratégicos da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Mineração e Energia (Sedeme), Marjorie Moriya, sobre o projeto Pará 2030, planejamento estratégico desenvolvido pelo governo estadual para melhorar a economia paraense.

Às 16h acontecerá a palestra “Desafios e Perspectivas para o Terceiro Setor”, com Nailton Cazumbá, que é especialista em contabilidade para Organizações do Terceiro Setor, e em Auditoria e Controladoria. Ele também é professor em cursos de pós-graduação. coordenador da Comissão do Terceiro Setor do Conselho Regional de Contabilidade da Bahia e colunista no portal Nossa Causa.

Já na sexta-feira, 12, a programação inicia às 8h30 com a palestra “Comentários sobre a Regulamentação Estadual da Lei nº 13.019/14” com o auditor geral do Estado, Paulo Amoras. Em seguida inicia o mini-curso “Lei 13.019/2014 e suas Alterações na Relação entre o Poder Público e Organizações da Sociedade Civil”, com José Alberto Tozzi, Mestre em Administração com foco no Terceiro Setor pela PUC SP. As inscrições para os dois eventos podem ser feitas no site: http://www.nac.pa.gov.br

Unifesspa

Flexa Ribeiro e bancada do Pará conseguem liberação de Concurso Público para a Unifesspa

A contratação de mais servidores para a Unifesspa era um pleito antigo do reitor, Maurílio Monteiro, que defendia a liberação das vagas como forma de dar continuidade aos cursos em desenvolvimento nos campus de Rondon do Pará, Santana do Araguaia, São Félix do Xingu e Xinguara.

O ministro do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, Dyogo Oliveira, garantiu à bancada do Pará que irá liberar a realização de concurso público para o preenchimento de vagas para a Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (Unifesspa). A confirmação se deu durante reunião, realizada na noite de ontem, a pedido do senador Flexa Ribeiro (PSDB-PA). Além da demanda da universidade, os parlamentares paraenses defenderam a suplementação no orçamento das BRs-155, 158 e 163, principais corredores logísticos do Pará e do Brasil.

A contratação de mais servidores para a Unifesspa era um pleito antigo do reitor da Unifesspa, Maurílio Monteiro, que defendia a liberação das vagas como forma de dar continuidade aos cursos em desenvolvimento nos campus de Rondon do Pará, Santana do Araguaia, São Félix do Xingu e Xinguara. Dada a importância para o Estado, a demanda foi acolhida por toda a bancada, que passou a defendê-lo junto ao governo. No início deste ano, o senador Flexa Ribeiro esteve reunido com o ministro da Educação, Mendonça Filho, para apresentar a necessidade real da instituição de ensino. “De pronto o ministro Mendonça acatou nosso pleito por entender a importância das vagas para a consolidação dos cursos já em andamento. Apesar do seu apoio, o titular do MEC nos havia informado que a decisão estaria condicionada a uma autorização do Planejamento. Marcamos a reunião e saímos com a informação de que o governo vai liberar as vagas”, comemorou o senador Flexa Ribeiro.

A Unifesspa solicita, em caráter emergencial, a liberação de 156 vagas, sendo 90 para técnicos alocados na sede e 66 para professores dos cursos de Medicina Veterinária e Zootecnia, no campus de Xinguara; Engenharia Civil, em Santana do Araguaia; Jornalismo, na unidade de Rondon do Pará; e Letras/Espanhol, no campus de São Félix do Xingu.

De acordo com o ministro Dyogo, técnicos do Planejamento entrarão em contato com servidores do Ministério da Educação já nos próximos dias para dar andamento a liberação do concurso público. “Tem todo nosso apoio. Vamos manter contato com o MEC e dar andamento a essa questão. Nosso objetivo é garantir que as coisas em andamento tenham continuidade”, afirmou.

Rodovias – A urgência nas obras de pavimentação dos principais corredores logísticos do Pará foi outro tema defendido pela bancada junto ao ministro do Planejamento. Os parlamentares pediram ao ministro a suplementação do orçamento do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) como forma de dar celeridade às obras de pavimentação das BRs-155, 158 e 163, consideradas as principais vias de escoamento dos grãos produzidos no sudeste do Pará e na região centro-oeste do Brasil.

Em reunião realizada com a bancada do Pará no início do mês, o diretor-geral do Dnit, Valter Casimiro, disse que seria preciso a suplementação de R$ 200 a R$ 300 milhões no seu orçamento para dar celeridade às obras no Estado. “Essa suplementação é necessária para que o Dnit possa dar velocidade nas construções e reparos na 158 e 155, incluindo as pontes, e também acelerar o processo da 163, de tal forma que ela esteja concluída até o final de 2018. Metade será feita nesse verão e a outra metade no verão do próximo ano. Saímos da reunião com o apoio do ministro para que, junto com o Ministério dos Transportes, ele possa fazer a suplementação desse orçamento”, comemorou o senador Flexa.

Além de Flexa Ribeiro, participaram da reunião com o ministro do Planejamento, o senador Paulo Rocha (PT), e os deputados federais Beto Salame (PP), Joaquim Passarinho (PSD), Júlia Marinho (PSC) e Zé Geraldo (PT).

Educação superior

CGU faz auditoria na Unifesspa sobre PNAES e contratos com fundações

Auditores fiscalizam os anos de 2015 e 2016

Servidores da Controladoria Regional da União no Estado do Pará estão na Unifesspa, desde o último dia 6 de fevereiro, realizando trabalho de auditoria de acompanhamento da gestão, referente à execução do Programa Nacional de Assistência Estudantil – PNAES e ao relacionamento da Unifesspa com fundações de apoio, no período de 2015 a 2016.

No que se refere aos convênios com fundações, estão sendo observados, entre outros aspectos, a consistência dos contratos, controles e rotinas adotados na análise das prestações de contas. Em relação ao PNAES, foram verificados, por amostragem, os benefícios concedidos, a transparência dos processos seletivos e se priorizam o público em situação de vulnerabilidade social.

“O objetivo desta ação que acontece não só na Unifesspa, mas em outras universidades do país é dar transparência à aplicação dos recursos relacionadas ao PNAEs e nas relações com as fundações de apoio. O objetivo maior é o aprimoramento dos processos visando a eficiência da gestão”, destacou a coordenadora da equipe de auditoria.

A Unifesspa disponibilizou à equipe de auditores, formada por três servidores da CGU, uma sala reservada com computadores com acesso à internet, impressora, além de todas as informações, processos e documentos necessários ao trabalho de fiscalização e avaliação de gestão. Também foi designado como interlocutor o administrador da Unifesspa, Manoel Enio Almeida Aguiar, para atender às demandas da CGU durante o período de auditoria.

Posse
Em uma solenidade realizada no Campus III, em Marabá, a Unifesspa empossou 33 novos servidores nos cargos de Engenheiro Civil, Engenheiro Sanitário, Técnico de Laboratório/Área: Química, Técnico de Laboratório/Área: Mineração, Secretário Executivo, Contador, Técnico em Tecnologia da Informação, Analista de Tecnologia da Informação, Técnico em Tecnologia da Informação, Assistente Social e Arquiteto e Urbanista; e professores do magistério superior nas classes Adjunto A e Assistente, que irão atuar nos diferentes institutos da Unifesspa nos campi de Marabá, Rondon do Pará, Xinguara, São Félix do Xingu e Santana do Araguaia.

Os novos professores e técnicos foram acolhidos pelo reitor da Unifesspa, Maurílio de Abreu Monteiro e pelo pró-reitor de Desenvolvimento e Gestão de Pessoas, Marcel Ferreira Miranda, que desejaram boas-vindas. A nomeação dos próximos candidatos aprovados está prevista para acontecer no dia 24 de fevereiro de 2017.

O reitor falou sobre a expectativa da chegada dos novos servidores que, segundo ele, vem reforçar o processo de consolidação da Unifesspa. Ele falou também sobre os canais de participação democrática existentes na Instituição e incentivou o envolvimento efetivo de cada um na construção do futuro da Universidade. “Que tenhamos um ambiente estimulante, de transformação e que todos possam estar fortemente engajados na missão de promover o ensino superior de qualidade que, efetivamente, muda a vida das pessoas”, afirmou.

Educação

Rondon do Pará: autoridades participam de inauguração de campus da Unifesspa

Prédio abriga cursos de Administração e Ciências Contábeis, tem 2.670 m² e custou R$ 4 milhões.

Segmentos expressivos da sociedade de Rondon do Pará e da região Sul e Sudeste do Estado estiveram presentes nesta sexta-feira, 3, na solenidade de inauguração do novo prédio do ICSA (Instituto de Ciências Sociais Aplicadas), da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará. O instituto oferece, atualmente, os cursos superiores de Administração e Ciências Contábeis.

A solenidade contou com a visita das instalações do prédio de quatro pavimentos; execução de vídeo sobre o resgate histórico do processo de implantação de ensino superior em Rondon até a criação do ICSA; execução do Hino Nacional, composição da Mesa de Honra suprapartidária e discursos das autoridades políticas, educacionais, religiosas e comunitárias.

Centenas de professores, técnicos administrativos, alunos, pais de alunos e incentivadores da educação compareceram a este momento histórico para o ensino superior em Rondon do Pará. O prédio inaugurado tem quatro andares, distribuídos em doze salas de aula, três mini auditórios, biblioteca, salas de estudos, laboratório de informática, salas administrativas – todas devidamente climatizadas – e banheiros em todos os andares, inclusive para pessoas com deficiência, masculino e feminino.

O prédio conta com sistema de elevador, hidrante e extintores contra incêndios em todos os andares; centrais de ar condicionado em todas as salas e pisos em mármore claro nas principais salas e dependências. O sistema de corrimão foi instalado para auxiliar as pessoas que optarem pela troca de andar pelas escadas. Portas e janelas de vidros reforçadas foram amplamente utilizadas interna e externamente para dar maior luminosidade natural aos ambientes comuns durante o dia, economizando no uso de energia elétrica.

O espaço construído foi de 2.670 metros quadrados, envolvendo recursos federais da ordem de R$ 4 milhões, numa arquitetura projetada para dar maior comodidade, conforto e bem-estar aos alunos, técnicos administrativos, professores e visitantes que frequentam suas dependências. Uma área de estacionamento para veículos automotores foi destinada na frente do prédio do ICSA.

O projeto inicial do ICSA prevê a possibilidade de pelo menos cinco cursos universitários em Rondon do Pará, explicou o reitor Maurílio de Abreu Monteiro. “O propósito da Unifesspa é de transformar a sociedade para um Brasil mais justo”, completou Maurílio. “Por isso o nosso compromisso, de professores, técnicos e alunos por uma educação superior, pública e de qualidade”.

História do Campus

O ICSA surgiu a partir de um embrião da educação superior existente em Rondon do Pará datado de 1988, que oferecia, inicialmente, cursos modulares de Letras e Matemática oferecidos pela Universidade Federal do Pará (UFPA). Nessa época, levou-se em consideração a importância estratégica de Rondon do Pará na produção e no escoamento da produção de outros municípios pela BR 222 – que corta o Município –, a vontade manifesta da população e as cobranças de suas lideranças políticas e comunitárias em melhorar o nível da educação das pessoas direcionando o saber para a formação das novas gerações.

Em Rondon fixou-se o Núcleo Universitário Regional Estratégico da BR-222 com cursos de universidades públicas e privadas. Mesmo com esse esforço inaugural, as demandas por educação superior persistiam, de forma que a UFPA integrada à sociedade civil organizada e a classe política se articularam para ampliar o suporte de educação superior no Sul e Sudeste do Pará.

Dessa união, manifestada em abaixo-assinado com mais de cem mil assinaturas, entregue a então presidente Dilma Rousseff e discursos no Congresso Nacional surgiu a Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (Unifesspa) com campus em Rondon do Pará, Marabá, Xinguara, São Félix do Xingu e Santana do Araguaia. A natureza da Unifesspa é de uma universidade multicampi.

A criação da Unifesspa se deu por meio da Lei Federal nº 12.824, de 05 de junho de 2013, a partir do desmembramento do Campus da UFPA de Marabá. Desde então, a Unifesspa tem trabalhado para pautar-se por princípios orientadores de integração da região e o desenvolvimento de municípios que compõem sua vasta área de influência com abrangência nos estados do Maranhão, Tocantins e Mato Grosso.

Autoridades presentes

Estiveram presentes à solenidade o professor doutor e reitor Maurílio de Abreu Monteiro; a vice-reitora, professora doutora Idelma Santiago os pró-reitores de Administração, Leandro de Oliveira Ferreira; pró-reitora de Pesquisa e Inovação Tecnológica, Fernanda Ferreira; pró-reitor de Ensino de Graduação, Elias Fagury Neto; próximo pró-reitor de Extensão e Assuntos Estudantis, Diego; e pró-reitor de Gestão de Pessoas, Marcel Ferreira, diretora do Campus de Rondon do Pará, Érica Júcio dos Reis, professores, técnicos administrativos, alunos e pais de alunos.

Do campo político se fizeram presentes o prefeito de Rondon do Pará, Arnaldo Ferreira Rocha; os deputados federais Roberto Salame Filho, o Beto Salame e Arnaldo Jordy Figueiredo; os deputados estaduais Dirceu Ten Caten, Hildegard Nunes e João Chamon, este último representou, também, o ministro da Integração Nacional, Helder Barbalho; o ex-deputado Wander Cock, representando o Governo do Estado do Pará; a ex-prefeita de Rondon do Pará, Cristina Malcher, que representou na solenidade o senador Flexa Ribeiro; o padre Juraci, pároco de Rondon do Pará; prefeitos da região, ex-prefeitos e ex-prefeitas, vereadores, ex-vereadores, lideranças políticas e a imprensa local e regional. (Com informações da Ascom Unifesspa)

Educação superior

Unifesspa oferece 1.100 vagas pelo Sisu em 32 cursos de Graduação

Inscrições vão de 24 a 27 de janeiro e são válidas para os campi de Marabá, Rondon do Pará, Xinguara, São Félix do Xingu e Santana do Araguaia.

Os candidatos que sonham com uma vaga na Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (Unifesspa) devem ficar atentos aos prazos de inscrições do Sistema de Seleção Unificada (Sisu). As inscrições devem ser feitas pelo site do Sisu, no período de 24 a 27 de janeiro. Para 2017, a Universidade disponibilizou 1100 vagas distribuídas nos 32 cursos de graduação, nos campi de Marabá, Rondon do Pará, Xinguara, São Félix do Xingu e Santana do Araguaia.

Para participar, os estudantes devem ter feito o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), em 2016, e ter tido nota diferente de zero na redação. Os candidatos podem se inscrever em até duas opções entre as vagas ofertadas pelas instituições participantes do Sisu, e também devem definir se desejam concorrer a vagas de ampla concorrência ou a vagas destinadas às cotas.

No campus da Unifesspa em Marabá são ofertados os cursos: Agronomia, Ciências Econômicas, Direito, História, Ciências Sociais, Geografia, Pedagogia, Física, Matemática, Química, Ciências Naturais, Sistemas de Informação, Geologia, Engenharia de Materiais, Engenharia de Minas e Meio Ambiente, Engenharia Civil, Engenharia Elétrica, Engenharia Mecânica, Engenharia da Computação, Engenharia Química, Psicologia, Ciências Biológicas, Saúde Coletiva, Letras – Ligua Inglesa, Letras- Língua Portuguesa e Artes Visuais.

No Campus de Xinguara será ofertado o curso de História; no Campus de Rondon do Pará serão oferecidas vagas nos cursos de Administração e Ciências Contábeis; no Campus de Santana do Araguaia o curso de Matemática e no Campus de São Félix do Xingu, o curso de Letras-Língua portuguesa.

Inclusão regional (Bonificação de 20%)

Em 2017, a Unifesspa manteve a bonificação de inclusão regional para candidatos que tenham cursado pelo menos um ano do ensino médio nas regiões de influência nas cidades onde a Unifesspa possui campus instalado, além de Imperatriz e Araguaína. Para esses candidatos, será atribuído um acréscimo de 20% na nota final do ENEM.

A Unifesspa também adota, para todos os cursos, a reserva de 50% das vagas para estudantes que tenham cursado integralmente o ensino médio em escolas públicas, em cumprimento à lei  12.711/2012 (Lei das Cotas). Demais informações podem ser conferidas no edital. O resultado da primeira chamada será divulgado no dia 30 de janeiro, no site do Sisu.

Confira o cronograma do Sisu:

24/01 a 27/01 – Período de inscrições

30/01 – Resultado da chamada regular

30/01 a 10/02 – Prazo para participar da Lista de Espera

03/02 a 07/02 – Matrícula da chamada regular

16/02 – Convocação dos candidatos em lista de espera pelas instituições a partir desta data

Ensino superior

Unifesspa anuncia oferta de 1.100 vagas para 2017

Vagas são para os campus de Marabá e Xingura

A Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (Unifesspa) vai ofertar 1.100 novas vagas em 32 cursos de graduação, em 2017. O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão (Consepe) aprovou durante a última reunião ordinária realizada no mini auditório do PDTSA, a minuta do edital do processo seletivo de ingresso nos cursos de graduação por meio do Sistema de Seleção Unificada (SiSU) para o ano que vem. O edital deve ser divulgado até o final de novembro.

Serão ofertados no campus de Marabá os cursos: Agronomia, Ciências Econômicas, Direito, História, Ciências Sociais, Geografia, Pedagogia, Física, Matemática, Química, Ciências Naturais, Sistemas de Informação, Geologia, Engenharia de Materiais, Engenharia de Minas e Meio Ambiente, Engenharia Civil, Engenharia Elétrica, Engenharia Mecânica, Engenharia da Computação, Engenharia Química, Psicologia, Ciências Biológicas, Saúde Coletiva, Letras – Língua Inglesa, Letras- Língua Portuguesa e Artes Visuais.

No Campus de Xinguara será ofertado o curso de História; no campus de Rondon do Pará serão ofertados os cursos de Administração e Ciências Contábeis, Matemática; no campus de Santana do Araguaia o curso de Matemática. No Campus de São Félix do Xingu, o curso de Letras-Língua portuguesa.

Bonificação de 20%

O Consepe aprovou a resolução N.º 94/2016, que estabelece parâmetros para a utilização do SiSU em 2017, mantendo a bonificação de inclusão regional. A medida tem como objetivo estimular o acesso à universidade pelos estudantes que residem nos municípios que integram as regiões de influência nas cidades onde a Unifesspa possui campus instalado, além de Imperatriz e Araguaína. Para esses candidatos que tenham cursado pelo menos um ano do ensino médio nessas regiões, será atribuído um acréscimo de 20% na nota final do ENEM. A Unifesspa também adotará, para todos os cursos, a reserva de 50% das vagas para estudantes que tenham cursado integralmente o ensino médio em escolas públicas, em cumprimento à lei 12.711/2012 (Lei das Cotas).

Por maioria dos votos, os conselheiros aprovaram a manutenção do bônus, ressaltando a importância do critério de inclusão regional para a democratização do ensino superior. “Essa bonificação tem por trás um aspecto social e econômico muito importante, um significado, mostrando que a Unifesspa tem estratégias e mecanismos concretos que criam a possibilidade da inclusão”, defendeu o professor José Stênio, professor do Instituto de Estudos em Desenvolvimento Agrário e Regional (IEDS), acompanhado pela maioria dos conselheiros na votação pela manutenção do bônus.

Queixas

O Consur já manifestou recentemente posição contrária à Proposta de Emenda à Constituição 241/2016, recentemente renumerada para PEC 55/2016 no Senado Federal. Na visão da Unifesspa, A PEC 241, cujo teor configura o congelamento, por 20 anos, dos gastos públicos sociais, representa seríssimo retrocesso ao projeto de nação almejado pelo povo brasileiro. “Ela inviabilizará o cumprimento do Plano Nacional de Educação (PNE) que apresenta a meta de investimento mínimo na ordem de 10% do PIB na educação, bem como as metas referentes ao plano de expansão do ensino superior federal. Por conseguinte, essa grave retrogradação na agenda social estipulada às universidades federais atingirá sobretudo as mais novas”.

Com a sua existência, em pouco mais de três anos, dobrou-se o número de alunos, passando-se de 2.360 em 2013, para 4.678 em 2016. Ademais, foram criados 16 novos cursos de graduação e o número de servidores (professores do magistério superior e técnicos administrativos em educação) saltou de 182 para 483, nesse período.

Também, houve melhora na infraestrutura com a ampliação da área construída e a criação de novos laboratórios. Decerto, uma ampliação significativa para o processo de implantação, porém, ainda insuficiente para atender às necessidades da crescente comunidade acadêmica.

O fato, portanto, é que a Unifesspa ainda não está consolidada. Em 2017 e 2018, devem ingressar mais de dois mil alunos na graduação, dos quais mais da metade dos ingressantes serão dos cursos novos criados a partir de 2014, e que só registrarão as primeiras egressões em 2018.

“Para garantir a integralização dos novos cursos, são necessários mais de 80 laboratórios e a ampliação da área construída para 42 mil m². Também é urgente a contração de novos professores e técnicos administrativos”, diz nota do Consur.

PEC 55

Professores anunciam greve na Unifesspa e mais de 4 mil alunos ficam sem aula

Assembleia teve 55 votos a favor, 16 contra e 4 abstenções

Por Ulisses Pompeu – de Marabá 

Os mais de 4.600 alunos da Unifesspa (Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará) ficam sem aulas por tempo indeterminado a partir desta quinta-feira, 24. É que na noite desta quarta-feira, 23, o corpo docente da universidade aprovou em assembleia realizada pelo sindicato da categoria (Sindunifesspa), greve por tempo indeterminado em decorrência da discussão em torno do Projeto de Emenda Constitucional 55/2016, que ficou conhecida como PEC do Teto de Gastos, que tramita atualmente no Senado e limita os gastos públicos à variação da inflação do ano anterior  pelos próximos 20 anos.

Dentre os professores que participaram da reunião – acompanhada ainda por técnicos e estudantes – foram contabilizados 55 votos a favor, 16 contra e 4 abstenções.  “O objetivo da assembleia é discutir se os professores vão engrossar o movimento de greve que está sendo articulado em nível nacional pelos sindicatos dos docentes das universidades federais, estaduais e privadas, no sentido de se contrapor ao projeto em curso, relacionado aos gastos públicos”, comentou o professor do Curso de História, Fabio Pessoa.

De acordo com ele, a avaliação geral é que se deve apoiar a ocupação por parte dos estudantes que ocorre no Campus I há quase um mês, desde a madrugada do dia 26 de outubro, pelo mesmo motivo. “A gente deve deflagrar a greve por tempo indeterminado até a votação da PEC porque acreditamos que a aprovação dela será danosa para o serviço público de forma geral, mas especialmente para a Educação, uma vez que ela irá limitar os investimentos públicos para o setor pela inflação do ano anterior”.

De acordo com Fábio Pessoa, isso significa que os investimentos serão congelados, o que deve trazer grandes dificuldades para as instituições. “Significa dizer que os cursos terão dificuldade para se manter, que as bolsas dos alunos serão cortadas, que a ampliação da Unifesspa, por exemplo, terá problema em ser concluída”, destacou, se referindo aos prédios que estão sendo construídos atualmente no Campus III. Ele garantiu que a greve nada tem a ver com a discussão salarial da classe. “Pelo menos nos últimos anos houve um aumento real do salário para todas as categorias. Hoje não fazemos um movimento que luta por salário e sim para impedir o que, para nós, é o desmonte do serviço público”, disse.

“Daqui a 20 anos a universidade vai ter o mesmo investimento, mas a demanda por cursos e vagas vai continuar. O curso de Medicina, que seria implantado agora, por exemplo, corre risco de não acontecer por falta de investimento”, finalizou. O plenário do Senado Federal debateu, durante sessão temática realizada na terça-feira (22), a PEC 55.

São Geraldo do Araguaia

Ideflor-bio e Unifesspa se unem para preservar áreas de conservação ambiental

Um acordo de cooperação técnica foi firmado entre o Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade do Estado do Pará (Ideflor-bio) e a Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (Unifesspa) nesta segunda-feira (21), a fim de fortalecer a parceria entre as duas instituições em ações voltadas à proteção do Parque Estadual Serra dos Martírios-Andorinhas (Pesam) e da Área de Proteção Ambiental (APA) do Araguaia. O acordo é válido até 20 de novembro de 2018.

Com o trabalho conjunto, Ideflor-bio e Unifesspa farão o mapeamento, a caracterização e viabilização de trilhas com potencial turístico nos setores I, II, III e IV do Pesam e setores com potencial turístico da APA do Araguaia, e promoverão a integração das comunidades do entorno na gestão ambiental das unidades, por meio do uso sustentável e monitoramento participativo dos ecossistemas aquáticos pesqueiros.

O plano de trabalho conta com dois eixos de atuação. O primeiro, coordenado pelo Grupo de Estudos Espaço e Ambiente do Sudeste Paraense (Geeaspa), da Faculdade de Geografia, será voltado ao mapeamento, caracterização e viabilização das trilhas que podem ser utilizadas por turistas no parque estadual e na área de proteção.

O segundo eixo, coordenado pelo Núcleo de Educação Ambiental da Faculdade de Educação no Campo, tem como meta a sustentabilidade no uso dos recursos naturais, ficando responsável pelo monitoramento de ecossistemas aquáticos em comunidades ribeirinhas, localizadas na zona de amortecimento (área ao redor que minimiza impactos negativos, como poluição e avanço da ocupação humana) do Pesam.

Interesse público – O acordo de cooperação é um instrumento formal utilizado por instituições públicas para estabelecer um vínculo cooperativo ou de parceria, que tenham interesses e condições recíprocas ou equivalentes, com vistas a realizar um propósito comum voltado ao interesse público.

A iniciativa permite desenvolver estudos, projetos e ações que proporcionem avanços na infraestrutura, gestão, monitoramento, ensino, pesquisa e extensão, relacionados à implantação das unidades de conservação estaduais da Região do Araguaia, bem como à proteção da biodiversidade e aos espaços ecológicos.

A comissão formada para desenvolver e acompanhar as ações previstas no acordo é formada por Ernildo César da Silva Serafin e Evandra Priscila Souza da Silva Vilacoert, do Ideflor-bio, e Abraão Levis dos Santos Mascarenhas e Cristiane Vieira da Cunha, da Unifesspa.