Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Trânsito

2017 registra uma queda no número de acidentes no trânsito de Parauapebas

Amanhã acontece a abertura oficial da Semana Nacional de Trânsito em Parauapebas, com o tema “Minha escolha faz a diferença”

Nesta sexta-feira, 15, será realizada a abertura oficial da Semana Nacional de Trânsito, com o tema “Minha escolha faz a diferença”, no Centro Universitário de Parauapebas (CEUP), às 8h30. A campanha nas ruas busca sensibilizar os motoristas, condutores e pedestres da responsabilidade em seguir as normas de trânsito para evitar acidentes.

Um levantamento feito pelo Departamento Municipal de Trânsito apontou que de janeiro a julho de 2017 foram registrados 381 acidentes no trânsito da cidade, enquanto que em 2016, no mesmo período, foram 547 ocorrências. Uma redução de 30,34% no registro dos boletins de ocorrência.

O acidente envolvendo as motocicletas também diminuiu de 222, em 2016, para 179 ocorrências em 2017. Embora os dados indiquem uma queda nos acidentes com motos, um dado chamou atenção e preocupa: em 2016, as ocorrências com motos correspondiam a 40,6% do total de acidentes. Já este ano, correspondem a 47% do total de ocorrências registradas. Esse aumento sinaliza que há mais motos envolvidas em ocorrência no trânsito do que os automóveis.

A queda no número de acidentes com carros foi significativa, de 325 em 2016 para 202 acidentes em 2017. Sobre os atropelamentos de pedestres, o departamento registrou 3 em 2017, enquanto que no ano passado foram quatro vítimas.

Campanha de Conscientização

Para manter a queda dos índices de acidentes, o Departamento Municipal de Trânsito, através do Núcleo de Educação para o Trânsito, começa na próxima segunda-feira, e segue até o dia 25 de setembro, a programação com blitzes educativas, panfletagens e palestras nas escolas. A proposta é chamar a atenção para a humanização no trânsito, principalmente porque a cidade registrou um aumento na frota de carros e motos. Dados do Detran mostram que em 2016, foram 80.324 veículos registrados na cidade, sendo que há 28.650 motocicletas e 21.594 carros, fora os outros veículos com quem o pedestre disputa espaço na hora de circular por Parauapebas.

Comércio

No Pará, venda de caminhões tem o maior índice de crescimento entre os veículos novos

Os dados foram divulgados pelo Sindicato das Concessionárias e Distribuidoras de Veículos do Pará e Amapá (Sincodiv PA/AP)

 

O Pará registrou 7.839 emplacamentos de veículos no mês de julho, segundo dados divulgados pelo Sindicato das Concessionárias e Distribuidoras de Veículos do Pará e Amapá (Sincodiv PA/AP). O balanço divulgado contempla vendas de automóveis, comerciais leves, caminhões, ônibus, motocicletas, implementos rodoviários e outros.

O melhor resultado foi verificado na venda de caminhões, que apresenta crescimento no último trimestre. Quando comparado com o mesmo período do ano passado, o segmento registra crescimento de 21,74% neste mês de julho. Já os emplacamentos de automóveis e comerciais leves somaram 3.075 unidades no mês passado, registrando crescimento de 0,16%% em relação a julho do ano passado, quando foram emplacados 3.070 veículos no Pará.

Para o presidente do Sincodiv PA/AP, Leonardo Pontes, os resultados mostram uma previsão positiva para o mercado. “Vamos experimentar um crescimento contínuo. O mercado está crescendo ainda de forma tímida, mas vislumbramos um crescimento melhor para este ano e para os próximos”, pontua.

VENDAS POR CATEGORIA DE VEÍCULOS

– Automóveis: 2.372

– Motos: 4.452

– Caminhões: 112

– Ônibus: 25

– Veículos comerciais leves: 703

– Implementos rodoviários: 25

– Outros: 150

Comércio

Aumento de tributos pode derrubar venda de veículos no Pará, diz Sindicato

Em comunicado, a entidade criticou duramente a decisão do Governo Federal e disse que a alta nos tributos penaliza a população.

A alta no PIS/Cofins dos combustíveis, em vigor após decreto do presidente Michel Temer, deve dificultar ainda mais o crescimento do setor, já combalido pela crise econômica do país. É o que diz a Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave). Em comunicado, a entidade criticou duramente a decisão do Governo Federal e disse que a alta nos tributos penaliza a população. “O atual Governo, lançou mão de mais um açoite tributário ao povo brasileiro, penalizando empresários, consumidores e trabalhadores, que terão, mais uma vez, que arcar com o ônus de investir e tentar sobreviver no Brasil”, diz a nota.

O Sindicato das Concessionárias e Distribuidoras de Veículos do Pará e Amapá (Sincodiv PA/AP) manifesta apoio ao posicionamento da Fenabrave e expressa preocupação com a decisão do Governo Federal. Leonardo Pontes, presidente do Sindicato, disse que o decreto pode levar a uma retração nas vendas de automóveis no estado, que registrou alta nos meses de maio e junho. “Ao invés de cortar gastos e tentar diminuir os custos da administração pública, o presidente aumenta impostos e pode, com isso, prejudicar ainda mais o setor”, lamenta Pontes.

O presidente do Sincodiv lembra que o balanço mais recente de vendas de automóveis mostra o estado com crescimento de vendas, portanto na contramão do cenário nacional. O aumento dos impostos pode impactar fortemente os dados do setor. “No mês de junho, as vendas de veículos novos no Pará cresceram 7,25% em relação a maio. Esse resultado é muito bom se comparamos com outros estados, mas com essa decisão do presidente de aumentar os impostos sobre dos combustíveis, pode levar esse cenário mudar”.

Comércio

Venda de veículos no Pará registra crescimento no mês de junho

Emplacamento de ônibus e caminhões teve o melhor resultado, com índice de crescimento superior ao nacional

As vendas de veículos novos no Estado do Pará no mês de junho cresceram 7,25% em relação a maio. Foram 8.192 emplacamentos de veículos no sexto mês do ano enquanto maio registrou 7.638 veículos emplacados. Os dados divulgados pelo Sindicato das Concessionárias e Distribuidoras de Veículos do Pará e Amapá (Sincodiv PA/AP) contemplam automóveis, comerciais leves, caminhões, ônibus, motocicletas, implementos rodoviários e outros e indicam a retomada de aquecimento do setor.

O melhor resultado foi registrado no segmento de ônibus e caminhões, que cresceu 25,71% no estado, o que sugere bom desempenho econômico de negócios que utilizam esse tipo de veículo para fins comerciais. Os números do Pará nessa categoria superam os dados nacionais, que indicam que as vendas em junho cresceram 5,63% em relação ao mês de maio.

Os emplacamentos de automóveis e comerciais leves somaram 3.252 unidades no mês passado, registrando crescimento de 5,79% em relação ao mês anterior. No comparativo entre junho de 2017 e o mesmo período do ano anterior, quando foram emplacados 2.789 veículos no Pará, o crescimento foi de 16,6%.

Detran

Frota de Parauapebas fechou 2016 com 80.324 veículos registrados

40,86 % dos veículos com registro em Parauapebas estão em situação irregular, informou o Detran-PA

De acordo com o Núcleo de Estatísticas do Detran/PA, Parauapebas fechou o ano de 2016 com 80.324 veículos registrados na cidade, mais do que o dobro do número registrado em 2011, que era de 35.182 veículos. Apesar da quantidade expressiva, de 2015 para 2016 houve redução no numero de registros, enquanto a média de 2012 à 2015 foi de 8.136 novos veículos, em 2016 esse número fechou em apenas 5.671. De janeiro à abril de 2017, foram 1.781 registros de veículos com emplacamento na cidade.

Sobre os dados referentes à emissão, renovação ou troca de categoria da Carteira Nacional de Habilitação (CNH), em 2016 a agência de Parauapebas realizou 13.863 atendimentos de validação desses processos. Em 2017, até maio, já foram 7.183 atendimentos de serviços relacionados à CNH. “Se o ritmo se manter assim fecharemos o ano com mais de 17 mil procedimentos realizados, um aumento considerável em relação ao ano passado”, informa Rivelino Oliveira, gerente do Ciretran, acrescentando que “há muita demanda de transferências de pessoas de outros estados, de jurisdição estadual, pessoas que vêm trabalhar e se instalam na cidade”.

O aumento desse número de atendimento também é reflexo das melhorias gerenciais realizadas no órgão estadual no último ano. Antes, para conseguir realizar qualquer procedimento, o usuário precisava enfrentar filas enormes e chegar bem cedo à sede do Detran. Havia denúncias, inclusive, de venda de vaga nas filas de espera. Depois que foi implantado o sistema de agendamento online, serviço disponível apenas em Belém, Parauapebas e Marabá, o fluxo de atendimento ficou melhor organizado e não há necessidade de filas.

“Quem fez o agendamento basta chegar uns dez minutos antes do horário marcado que o atendente chamará o usuário pelo nome, conforme cadastrado em nosso sistema. Enfatizo que não é por ordem de chegada e sim pelo horário marcado”, disse o gerente do Ciretran. É possível agendar os seguintes serviços: primeira habilitação, renovação, mudança ou inclusão de categoria; prova prática de legislação.

“No exame prático, de carro e moto, antes a inscrição era feita pela manhã e só no período da tarde faziam o teste. Agora, tudo é resolvido até o meio-dia. Antes a pessoa perdia o dia todo”, acrescentou Rivelino Oliveira, informando também que a aquisição de cinco novos computadores para a realização de prova teórica online, junto à Coordenação das Ciretrans deu mais celeridade no atendimento.

Inadimplência de documentação e apreensão de veículos

Outro dado apresentado no relatório é relacionado ao atraso no pagamento da documentação de veículo, que são o licenciamento e o IPVA. Parauapebas tem um índice de 40,86% de inadimplência, “um percentual menor do que o do Estado, que atualmente está na casa dos 50%”, afirma o gerente do Ciretran.

Várias Blitz do Detran têm sido realizadas no município. Durante as abordagens o número de veículos roubados apreendidos também têm crescido, e quando são identificados no momento da blitz já são conduzidos diretamente para a delegacia de polícia. Os demais veículos são destinados para o pátio de uma empresa contratada pelo Detran para este fim. “Recebemos muitas pessoas pedindo liberação do carro com documento atrasado, mas não temos como fazer isso, pois fere a legislação”, afirmou o gerente do Ciretran.

Desafios

Aumento do efetivo, para ampliar e melhorar ainda mais o atendimento. Esse é o principal desafio apontado por Rivelino Oliveira, que destaca a importância do convênio com a Prefeitura que cede servidores para o órgão. “Temos uma parceria muito grande com a Prefeitura municipal na cessão de servidores. Se não tivesse esse apoio a situação geral do Detran local estaria mais complicada”.

“Estamos em conversa com a coordenação e diretoria geral do Detran para a implantação de uma gráfica local, para que os documentos de veículos (CRLV, o licenciamento do veículo, e CRV, que é o DUT) e CNH sejam impressos na cidade. Eles estão sensibilizados com a nossa demanda. A Andréa Hass, diretora geral do órgão esteve conosco, em reunião na última sexta-feira (2), para tratarmos desses temas”, disse o gerente do Ciretran.

Comércio

Vendas de veículos no Pará iniciam o ano em queda, afirma Sincodiv

Segundo o Sincodiv, o Pará comercializou/emplacou durante o mês de janeiro 6.961 unidades entre automóveis, comerciais leves, caminhões, ônibus, motocicletas, implementos rodoviários e outros. Em janeiro de 2016 haviam sido 8.466. Já em dezembro, as vendas somaram 11.169 unidades.

O primeiro mês do ano ainda não apresentou um prenúncio do crescimento esperado para este ano no Pará na venda de veículos novos. Em janeiro, o número de emplacamentos fechou com queda de 17,78% em relação ao mesmo período do ano anterior e de 37,68% na comparação com mês de dezembro de 2016, conforme dados divulgados pelo Sindicato das Concessionárias e Distribuidoras de Veículos do Pará e Amapá (Sincodiv PA/AP).

Segundo o sindicato, o Pará comercializou/emplacou durante o mês de janeiro 6.961 unidades entre automóveis, comerciais leves, caminhões, ônibus, motocicletas, implementos rodoviários e outros. Em janeiro de 2016 haviam sido 8.466. Já em dezembro, as vendas somaram 11.169 unidades.

Para Leonardo Pontes, presidente do Sincodiv, tradicionalmente, janeiro é um mês mais fraco nas vendas de veículos em função da antecipação de compras em dezembro e dos compromissos da população no início do ano. “O início de ano é marcado por muitos compromissos financeiros para as famílias, como IPVA, matrícula e material escolar, entre outros. Com isso, o consumidor se retrai para fazer novos investimentos no primeiro mês do ano, o que não quer dizer que teremos um ano difícil. A expectativa ainda é boa”.

Todos os principais segmentos levantados pelo sindicato – entre automóveis, comerciais leves, caminhões, ônibus, motocicletas, implementos rodoviários – com exceção de implementos rodoviários, encerraram o primeiro mês de 2017 com retração. O de maior peso no mercado, pela participação no volume de vendas, os automóveis, recuaram 40,60%, ao passarem de 3.813 unidades emplacadas em dezembro de 2016 para 2.265 unidades no mês passado. Se comparado com janeiro do ano passado (2.450 unidades), o resultado aponta queda de 7,55%.

A Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave) acredita que as vendas no mercado nacional vão continuar a crescer, mas o ritmo vai ser bem mais moderado este ano. Antecipa um aumento de apenas 2% este ano, repetindo-se o ritmo de crescimento em 2018.

Entre os veículos pesados, o segmento de caminhões registrou vendas de 45 unidades, ao passo que o segmento de ônibus, registrou a comercialização de oito unidades. As vendas e o licenciamento de ciclomotores, motocicletas e motonetas, a partir de 50 cilindradas, somaram 4.500 unidades. O segmento de implementos rodoviários foi o único que apresentou crescimento de 56,25% em relação ao último mês de 2016.

O município de Castanhal se destacou na venda de caminhões, representando 44,44% do total vendido em janeiro, em comparação com dezembro de 2016. Belém vem em seguida com 20% das vendas. As informações são da Assessoria de imprensa do Sincodiv-PA/AP.

Comércio

Vendas de veículos voltam a crescer em novembro no Pará

Depois de passar por alguns meses amargando quedas consecutivas, em novembro o licenciamento de veículos zero-quilômetro voltou a crescer na comparação com o mês anterior.

O Sindicato das Concessionárias e Distribuidoras de Veículos do Pará e Amapá (Sincodiv) divulgou o balanço das vendas de veículos novos no Pará, no mês de novembro. Ao todo, foram comercializadas 8.077 unidades, entre automóveis, comerciais leves, caminhões, ônibus, motocicletas, implementos rodoviários e outros, contra as 6.378 unidades, em outubro.

Na comparação com outubro, o volume representou um crescimento de 26,64%. No acumulado do ano, a soma de todos os segmentos aponta para uma retração de 26,27% na comparação com o mesmo período de 2015.

Depois de passar por alguns meses amargando quedas consecutivas, em novembro o licenciamento de veículos zero-quilômetro voltou a crescer na comparação com o mês anterior. Com isso, de janeiro a novembro, os emplacamentos de automóveis, por exemplo, somam 2.162 unidades, um fôlego de 21,80% no crescimento das vendas, ante o resultado de outubro. Entre as motos, o aumento é maior, sendo o setor que apresentou o maior crescimento nas vendas, com 4.945 comercializadas, representando 32,11%.

Para o presidente do Sincodiv, Leonardo Pontes, “é natural que os últimos meses do ano aqueçam o setor, por conta do 13º salário, mas isso também representa que as vendas estão se fortalecendo. Esperamos um 2017 de recuperação”.

No entanto, se comparado com novembro do ano passado (10.359 unidades), houve queda de 22,03%. O setor de ônibus, que em outubro apresentou um grande crescimento, foi o que obteve o maior percentual negativo em novembro, com queda de 53,66%.

Belém se destacou novamente nos setores de automóveis, comerciais leves, caminhões e motos e o município de Parauapebas obteve a maior venda de ônibus, com 26,32%.

Marabá

Mais um mês de recuperação para o setor automotivo no Pará. Marabá e Parauapebas se destacam

Sindicato das Concessionárias e Distribuidoras de Veículos do Pará divulga o balanço das vendas de veículos novos em julho. Marabá e Parauapebas se destacam na venda de comerciais leves. 

O setor automobilístico paraense apresentou um mês positivo nas vendas de automóveis no mês de julho, seguindo a mesma tendência nacional. É o que revela o fechamento de vendas fornecido pelo Sindicato das Concessionárias e Distribuidoras de Veículos do Pará (Sincodiv).

Analisando os segmentos de automóveis e comerciais leves, houve crescimento de 10,08% em julho sobre junho. Foram emplacadas 3.070 unidades, contra 2.789 em junho. No entanto, se comparado com julho do ano passado (4.629 unidades), o resultado aponta uma baixa de 33,68%. No acumulado do ano, esses segmentos caíram 30,70%. Foram comercializadas 19.901 unidades, de janeiro a julho de 2016, contra 28.718 no mesmo período de 2015. Marabá e Parauapebas se destacaram na venda de comerciais leves, ficando atrás apenas da capital. Marabá alcançou a segunda posição com 7,29% das vendas e Parauapebas com a terceira posição, vendendo 5,71% do total.

Outro seguimento com expressivo crescimento em julho foi de ônibus, com aumento de 88,46% em relação a junho. Foram vendidas 49 unidades em julho e 26 em junho, com destaque para o município de Santa Bárbara do Pará, que vendeu 30,77% deste total, seguido por Belém, com 23,08%.

Para o presidente do Sincodiv, Leonardo Pontes, a economia brasileira em recuperação também favorece o crescimento moderado do setor. “Apesar das projeções da Fenabrave ainda representarem queda, as concessionárias estão mais confiantes e investindo muito em promoções. O percentual de queda vem diminuindo. Desta forma, até o fim do ano a redução das vendas deve ser menor do que a verificada nos primeiros meses”, explica.

A nova projeção da Fenabrave indica que a baixa deve chegar a 18,2% na comparação com 2015, com mercado interno de 2,09 milhões de unidades, entre leves e pesados.

Números

Para motocicletas, em julho, foram 4.917 veículos emplacados, uma queda de 15,96% em relação a junho. A marca Honda novamente conquistou maior market share no Pará.

No segmento de caminhões, em julho, foram vendidos 79 veículos, 39,23% a menos em relação a junho e 53,25% de queda face igual período de 2015.

Foram vendidos 24 veículos da categoria de implementos rodoviários no mês. O segmento apresentou diminuição de 40% nas unidades emplacadas na comparação com junho e recuo de 60% ante o mês de julho do ano passado. Na comparação do acumulado deste ano com o mesmo período de 2015, houve queda de 41,12%.

error: Conteúdo protegido contra cópia!