Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Comércio

Setor automobilístico reage e venda de carros cresce no Pará, em março

Parauapebas foi o segundo município na venda de veículos comerciais leves, com 14,27% do mercado

O mercado de carros novos deu sinal de reação em março. Segundo dados divulgados esta semana pelo Sindicato das Concessionárias e Distribuidoras de Veículos do Pará e Amapá (Sincodiv PA/AP), o mês passado fechou com venda acima de oito mil unidades. Foram comercializados, exatamente, 8.240 veículos no estado, a grande maioria (7.969) automóveis, comerciais leves e motos.

As vendas totais, representando todos os segmentos, entre automóveis, comerciais leves, caminhões, ônibus, motos e implementos rodoviários, subiram 37,56% em comparação com fevereiro, um mês tradicionalmente muito fraco. No entanto, o mês que passou ainda não conseguiu reverter o saldo negativo de 2017, agora em 21,46% e somando 21.191 veículos comercializados.

As vendas de comerciais leves, que são os carros utilitários, apresentaram 708 veículos emplacados contra 393 em fevereiro, aumento de 80,15%. Houve um expressivo crescimento também no emplacamento de motos, de 37,55% em um mês. Em março, foram vendidas 4.909 motocicletas novas contra 3.569 em fevereiro, mas em comparação com o mesmo período do ano passado, a queda é de 23,60%, já que em 2016 foram emplacadas 6.425 motos novas em março.

Segundo o presidente do sindicato, Leonardo Pontes, “houve uma pequena recuperação nas vendas, mas ainda é preciso esperar para saber como está o mercado, já que janeiro e fevereiro são meses tipicamente fracos nas vendas”. Ele acredita que para este ano a recuperação será gradual.

Dados municipais

Entre os municípios paraenses, Belém se destaca na venda de todos os segmentos, seguida por Ananindeua na venda de automóveis, com 9,44%; Parauapebas em segundo na venda de comerciais leves, com 14,27%; Paragominas em segundo na venda de caminhões, com 10,53%; novamente Parauapebas em segundo na venda de motos, com 6,11%; e Barcarena na vice-liderança na comercialização de ônibus, com 23,08%. 

Nacional

A Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) prevê uma alta de 4% nos negócios neste ano, com a venda de 2,13 milhões de veículos. Desde janeiro era esperado o início da recuperação, mas só agora as expectativas foram confirmadas.

Comércio

Ainda é viável investir em Parauapebas? O Sebrae responde.

É necessário que o empresário se prepare bem para conseguir entregar um produto ou serviço com diferenciação, seja no preço ou na qualidade, diz diretor do Sebrae em Parauapebas

O fluxo de abertura e fechamento de empresas sempre foi intenso em Parauapebas, de acordo com o gerente da agência do Sebrae na cidade, Raimundo Nonato de Oliveira. Mas, parece que com o aumento do desemprego e a escassez de oferta de vagas de trabalho em Parauapebas, tem crescido o movimento de abertura de novos negócios, principalmente no ramo de alimentação e desenvolvidos na informalidade.

O volume de demissões tem só aumentado. Em janeiro desse ano pelo menos 1.531 pessoas foram demitidas contra 1.036 contratações, o que resulta em um saldo negativo de 495 postos de trabalho, conforme os dados do Caged – Cadastro Geral de Empregados e Desempregados, do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). Ainda assim, até o início deste ano, Parauapebas contava com cerca de 40 mil empregos formais, o que representa um mercado consumidor potencial.

“Há um sentimento claro de que a procura por registro do Microempreendedor Individual (MEI) se intensificou nos últimos anos. Creio que há uma relação direta com o desemprego. São pessoas que pegaram um dinheiro e decidiram investir em um negócio. Também temos observado uma procura considerável por informações a respeito do agronegócio”, afirmou o gerente do Sebrae. Atualmente Parauapebas conta com 5.234 empresas cadastradas como MEI, e de acordo com o site empresômetro são 15.171 empresas formais instaladas no município.

“Antes da crise, o mercado em Parauapebas era predominantemente comprador. Quem teve dinheiro nesse período para investir e produzir teve ótimo lucro. A realidade hoje é bem diferente, temos um equilíbrio na oferta e procura. É necessário que o empresário se prepare bem para conseguir entregar um produto ou serviço com diferenciação, seja no preço ou na qualidade. É preciso também investir em atendimento”, afirma Raimundo Nonato.

Ainda é viável investir no município?

“Claro que sim! Porém, é preciso estar preparado, não dá mais para se lançar no mercado sem o conhecê-lo e sem definir uma boa estratégia. É preciso ter um plano de negócio bem estruturado e trabalhar para ser competitivo”, reforçou Raimundo Nonato, acrescentando que um grupo de empresários antigos da cidade tem reclamado muito diante das dificuldades enfrentadas para vender como antes. Já os empresários de fora, que chegam na cidade, acham que “aqui é o paraíso”.

“O empresário de fora chega com essa referência de competitividade, de tirar leite de pedra, e então consegue enxergar oportunidades de investimentos e negócios. Parauapebas é viável, tem um grande mercado consumidor e com dinheiro. Em alguns segmentos houve um equilíbrio entre oferta e procura, em outros um desequilíbrio, como no caso do setor imobiliário e de materiais de construção, o mercado saturou e quem não estava preparado teve que sair. Quando não se está em crise, o mercado esconde pontos desfavoráveis do negócio, em tempos de crise é preciso ser competitivo”, afirma o gerente do Sebrae.

No segundo semestre de 2016 o Sebrae realizou uma pesquisa nos principais municípios do Pará para identificar os segmentos mais promissores, tendo como base o comportamento dos consumidores, empresários locais e visitantes. De acordo com a pesquisa, os segmentos com maior índice de oportunidade em Parauapebas são: academias de ginástica; agência de turismo e viagens; cyber café; empresa de vigilância; curso de língua estrangeira; curso preparatório para concurso; curso profissionalizante; restaurante; transporte escolar.

No caso das academias de ginástica, por exemplo, de acordo com a pesquisa são 42 empresas na cidade, dividindo o total de habitantes pela quantidade de empresas dá um total de 4.522 pessoas para cada academia. O percentual de consumo desse serviço é bom e mais de 70% dos entrevistados na pesquisa tem interesse nele.

A pesquisa também realizou avaliação de satisfação de serviços, e nesse quesito, as 10 casas lotéricas da cidade foram muito mal avaliadas, pelo menos 32,1% das pessoas atendidas nesses locais reclamam de insatisfação no atendimento. Um dos segmentos que tem grande número de estabelecimentos é o de comércio de água mineral e bebidas, são 311 no total, já curso preparatório para concurso são apenas três na cidade.

Comércio

Vendas de veículos no Pará iniciam o ano em queda, afirma Sincodiv

Segundo o Sincodiv, o Pará comercializou/emplacou durante o mês de janeiro 6.961 unidades entre automóveis, comerciais leves, caminhões, ônibus, motocicletas, implementos rodoviários e outros. Em janeiro de 2016 haviam sido 8.466. Já em dezembro, as vendas somaram 11.169 unidades.

O primeiro mês do ano ainda não apresentou um prenúncio do crescimento esperado para este ano no Pará na venda de veículos novos. Em janeiro, o número de emplacamentos fechou com queda de 17,78% em relação ao mesmo período do ano anterior e de 37,68% na comparação com mês de dezembro de 2016, conforme dados divulgados pelo Sindicato das Concessionárias e Distribuidoras de Veículos do Pará e Amapá (Sincodiv PA/AP).

Segundo o sindicato, o Pará comercializou/emplacou durante o mês de janeiro 6.961 unidades entre automóveis, comerciais leves, caminhões, ônibus, motocicletas, implementos rodoviários e outros. Em janeiro de 2016 haviam sido 8.466. Já em dezembro, as vendas somaram 11.169 unidades.

Para Leonardo Pontes, presidente do Sincodiv, tradicionalmente, janeiro é um mês mais fraco nas vendas de veículos em função da antecipação de compras em dezembro e dos compromissos da população no início do ano. “O início de ano é marcado por muitos compromissos financeiros para as famílias, como IPVA, matrícula e material escolar, entre outros. Com isso, o consumidor se retrai para fazer novos investimentos no primeiro mês do ano, o que não quer dizer que teremos um ano difícil. A expectativa ainda é boa”.

Todos os principais segmentos levantados pelo sindicato – entre automóveis, comerciais leves, caminhões, ônibus, motocicletas, implementos rodoviários – com exceção de implementos rodoviários, encerraram o primeiro mês de 2017 com retração. O de maior peso no mercado, pela participação no volume de vendas, os automóveis, recuaram 40,60%, ao passarem de 3.813 unidades emplacadas em dezembro de 2016 para 2.265 unidades no mês passado. Se comparado com janeiro do ano passado (2.450 unidades), o resultado aponta queda de 7,55%.

A Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave) acredita que as vendas no mercado nacional vão continuar a crescer, mas o ritmo vai ser bem mais moderado este ano. Antecipa um aumento de apenas 2% este ano, repetindo-se o ritmo de crescimento em 2018.

Entre os veículos pesados, o segmento de caminhões registrou vendas de 45 unidades, ao passo que o segmento de ônibus, registrou a comercialização de oito unidades. As vendas e o licenciamento de ciclomotores, motocicletas e motonetas, a partir de 50 cilindradas, somaram 4.500 unidades. O segmento de implementos rodoviários foi o único que apresentou crescimento de 56,25% em relação ao último mês de 2016.

O município de Castanhal se destacou na venda de caminhões, representando 44,44% do total vendido em janeiro, em comparação com dezembro de 2016. Belém vem em seguida com 20% das vendas. As informações são da Assessoria de imprensa do Sincodiv-PA/AP.

Marabá

Mais um mês de recuperação para o setor automotivo no Pará. Marabá e Parauapebas se destacam

Sindicato das Concessionárias e Distribuidoras de Veículos do Pará divulga o balanço das vendas de veículos novos em julho. Marabá e Parauapebas se destacam na venda de comerciais leves. 

O setor automobilístico paraense apresentou um mês positivo nas vendas de automóveis no mês de julho, seguindo a mesma tendência nacional. É o que revela o fechamento de vendas fornecido pelo Sindicato das Concessionárias e Distribuidoras de Veículos do Pará (Sincodiv).

Analisando os segmentos de automóveis e comerciais leves, houve crescimento de 10,08% em julho sobre junho. Foram emplacadas 3.070 unidades, contra 2.789 em junho. No entanto, se comparado com julho do ano passado (4.629 unidades), o resultado aponta uma baixa de 33,68%. No acumulado do ano, esses segmentos caíram 30,70%. Foram comercializadas 19.901 unidades, de janeiro a julho de 2016, contra 28.718 no mesmo período de 2015. Marabá e Parauapebas se destacaram na venda de comerciais leves, ficando atrás apenas da capital. Marabá alcançou a segunda posição com 7,29% das vendas e Parauapebas com a terceira posição, vendendo 5,71% do total.

Outro seguimento com expressivo crescimento em julho foi de ônibus, com aumento de 88,46% em relação a junho. Foram vendidas 49 unidades em julho e 26 em junho, com destaque para o município de Santa Bárbara do Pará, que vendeu 30,77% deste total, seguido por Belém, com 23,08%.

Para o presidente do Sincodiv, Leonardo Pontes, a economia brasileira em recuperação também favorece o crescimento moderado do setor. “Apesar das projeções da Fenabrave ainda representarem queda, as concessionárias estão mais confiantes e investindo muito em promoções. O percentual de queda vem diminuindo. Desta forma, até o fim do ano a redução das vendas deve ser menor do que a verificada nos primeiros meses”, explica.

A nova projeção da Fenabrave indica que a baixa deve chegar a 18,2% na comparação com 2015, com mercado interno de 2,09 milhões de unidades, entre leves e pesados.

Números

Para motocicletas, em julho, foram 4.917 veículos emplacados, uma queda de 15,96% em relação a junho. A marca Honda novamente conquistou maior market share no Pará.

No segmento de caminhões, em julho, foram vendidos 79 veículos, 39,23% a menos em relação a junho e 53,25% de queda face igual período de 2015.

Foram vendidos 24 veículos da categoria de implementos rodoviários no mês. O segmento apresentou diminuição de 40% nas unidades emplacadas na comparação com junho e recuo de 60% ante o mês de julho do ano passado. Na comparação do acumulado deste ano com o mesmo período de 2015, houve queda de 41,12%.

Pará

Venda de praia em município paraense vai parar na justiça

Uma área de 224 mil metros quadrados de uma praia, em São Geraldo do Araguaia, região sudeste do Pará, teria sido vendida ilegalmente pela prefeitura a um empresário local por R$ 31 mil.

Segundo o defensor público agrário de Marabá, Rogério Siqueira, que apura o caso desde 2012, o empresário alugava a área a turistas que pagavam até 800 reais para montar barracas às margens do Rio Araguaia.

Diante das reclamações e da verificação de que a área pertence à Secretaria de Patrimônio da União,  semana passada a Defensoria Pública Agrária de Marabá ingressou com uma ação civil pública para desprivatizar a Praia da Gaivota.

Parauapebas

Comerciantes devem esticar horário de funcionamento para não perderem vendas neste fim de ano

Rio VerdeEm Parauapebas, para aumentar as vendas e deixar a crise cada vez mais longe de seus estabelecimentos, comerciantes devem esticar o horário de funcionamento a partir da próxima semana. Segundo o presidente do Sindicato dos Trabalhadores no Comércio de Parauapebas e Região (Sintracpar), Adenilton Alves de Freitas, o comércio não terá um limite de horário de funcionamento, visto que o Natal é a melhor data para o comércio.

“Não temos um acordo coletivo que trata do horário de funcionamento nesse período, como ocorre na cidade de Marabá. Aqui, cada comerciante atuará com a loja aberta enquanto tiver cliente para comprar”, informou Adenilton Alves, reforçando que os funcionários que permanecerão após às 18 horas nos estabelecimentos receberão horas extras.

Ainda conforme o Sintracpar, apenas nos dias 25 de dezembro e 1º de janeiro de 2016 supermercados e lojas não abrirão as portas.

Shopping

O Partage Shopping funcionará no próximo dia 20 (domingo) das 10h às 22h. Já no período de 21 a 23 de dezembro, as lojas do shopping fecharão uma hora mais tarde, ou seja, às 23h.

No dia 24, véspera de Natal, o Partage abrirá uma hora mais cedo, das 09h às 19h, e no dia 31, véspera de réveillon, o funcionamento será até as 18h. Somente no dia 1º de janeiro de 2016 o shopping não funcionará.

Marabá

Outubro: venda de veículos tem quedo no Pará, mas Marabá tem boa participação na venda de ônibus

O balanço mensal do Sindicato dos Concessionários e Distribuidores de Veículos do Pará e Amapá (Sincodiv PA/AP) aponta uma queda de 5,63% nas vendas de veículos em outubro, em comparação ao mês de setembro.

O setor automobilístico do Pará apresentou nova queda na vendas de veículos no mês de outubro. É o que aponta o balanço das vendas de veículos novos, divulgado pelo Sindicato dos Concessionários e Distribuidores de Veículos do Pará e Amapá (Sincodiv PA/AP) – válido para carros, comerciais leves, motos, ônibus e caminhões.

O levantamento aponta uma queda de 5,63% nas vendas, quando comparado ao desempenho obtido no mês de setembro. Foram emplacados 9.948 veículos em todo o estado. No acumulado de janeiro a outubro, as concessionárias do estado já venderam 112.723 unidades, representando queda de 10,87%. Quando comparado ao cenário geral de vendas no Brasil, este percentual de queda representa apenas metade, já que no acumulado do ano, a queda foi de 20,71% para todos os setores somados, no Brasil. Nos primeiros dez meses de 2015, foram emplacadas 3.300.400 unidades, contra 4.162.685 no mesmo período de 2014.

Segundo o presidente do Sincodiv, Leonardo Pontes, a queda nas vendas no setor acompanha a tendência nacional, que não acredita em uma recuperação de mercado nos dois últimos meses do ano, considerando a atual situação política e econômica do país. “O mercado está reduzido e, por conta disso, um novo cenário se configurou. Este é o novo mercado para os próximos anos, nem pior, nem melhor, apenas readaptado para um novo panorama político e econômico do Brasil. E os associados do Sincodiv estão elaborando estratégias para facilitar o acesso dos clientes a um veículo zero quilômetro”, destaca.

image

Números
Em outubro, apenas os segmentos de ônibus e motos tiveram aumento nas vendas. No setor de motocicletas foram comercializadas 6.377 unidades, 94 a mais que setembro. As marcas mais vendidas foram Honda e Yamaha. No acumulado de janeiro a outubro, já foram vendidas 69.012 motos em todo o Pará.

No setor de caminhões e ônibus, os resultados foram positivos só para a venda de ônibus, com 47 unidades, resultando em 692 emplacamentos em 2015, considerando-se o período de janeiro a outubro. Já a venda de caminhões apresentou queda de 8,67%, com 179 unidades comercializadas.

Para os carros e comerciais leves, as vendas caíram 17,15%, quando comparadas a setembro. Foram vendidos 3.165 automóveis. De janeiro a outubro, foram emplacados 39.218 carros.   

Municípios
Entre os municípios paraenses, Belém continua tendo a maior participação no volume de vendas, com pequena participação apenas nas vendas de ônibus. Os municípios com destaque nos emplacamentos de ônibus foram Ananindeua, Marabá e Barcarena.

No setor de automóveis, a capital respondeu por 45,63% dos emplacamentos, seguida do município de Ananindeua, com 8,86% das vendas. Na parte de caminhões, a capital paraense teve 17,88% de participação nas vendas, sendo seguida pelas cidades de Castanhal, que obteve 7,82%, e Ananindeua, que apresentou 6,7% do volume de vendas. Belém também liderou na venda de motocicletas, com 12,92% dos emplacamentos, seguida de Altamira, com 7,68% das vendas.

Setembro
Em setembro, o setor apresentou um pequeno crescimento de 0,96%, em relação a agosto. Neste mês, o setor de motos foi o único que apresentou queda, com apenas 6.283 unidades vendidas, representando 3,04%. Em outubro, o setor obteve um fôlego e voltou a crescer.  O maior crescimento em setembro foi no segmento de comerciais leves, com 17,30%, representando 895 unidades vendidas. As informações são do Sincodiv PA/AP.

Pará

Vendas de veículos crescem pelo segundo mês consecutivo, no Pará

Mesmo com a crise econômica no país, as vendas de veículos no Pará cresceram 32,02% no mês de julho, quando comparadas com o mês anterior e cerca de 20% acima da média nacional, que foi de 7,08% para o mesmo período.

Pelo segundo mês consecutivo, continuam aquecidas as vendas de veículos no Pará, segundo o balanço de vendas de veículos novos feito pelo Sindicato dos Concessionários e Distribuidores de Veículos do Pará e Amapá (Sincodiv PA/AP). De acordo com o levantamento, no mês de julho, foram vendidos 14.390 veículos, entre carros, motos, ônibus, caminhões e comerciais leves, representando aumento de 32,02%, cerca de 6,29% a mais do que o mesmo período de 2014 e 24,94% acima da média nacional, que é de 7,08% para o mesmo período.

Segundo o presidente do Sincodiv, Leonardo Pontes, o volume de vendas no mês passado é considerado muito positivo. “Mesmo com a recessão em vários setores da economia, o Pará está conseguindo superar e cresce a cada mês no ritmo de vendas, registrando junho e julho como os melhores meses de vendas deste ano”, destaca.

Números

Em julho, segundo o Sincodiv, o aumento das vendas foi generalizado, sendo o setor de ônibus responsável por 135 emplacamentos, superando em 62,65% as vendas do mês de junho. O segmento das motocicletas registrou 9.150 unidades vendidas, com crescimento de 45.89%, e o de carros e comerciais leves vendeu 4.629 veículos em julho deste ano, representando elevação de 10,87%. A única retração foi no segmento de implementos rodoviários, com queda de 21.05%.

No acumulado do ano, foram vendidos 81.792 veículos, representando queda de 8,45% em comparação com o primeiro semestre de 2014. O mês de julho contou com 23 dias úteis contra 21 dias no mês anterior, motivando este aumento nas vendas de veículos. Entre os municípios, Belém é líder de vendas de veículos em todos os setores. Ananindeua, Marabá e Altamira também figuram entre os municípios que mais venderam veículos. As marcas mais vendidas no segmento de automóveis foram Fiat, Volkswagen e General Motors.

Segundo a Fenabrave, continua a previsão de que não ocorrerá grande mudança nas vendas de veículos nos próximos meses, mantendo, assim, a projeção de queda de cerca de 20% para o setor em 2015. Algumas ações realizadas no mês de julho motivaram a comercialização de automóveis e comerciais leves. Entre as ações destacadas estiveram o Festival do Consorciado Contemplado e o Salão Auto Caixa, ambos direcionados a estimular a aquisição de veículos no país.

Confira, a seguir, mais detalhes do resultado dos emplacamentos do Pará em julho:

Automóveis e comerciais leves

No total, foram emplacadas 4.629 unidades de automóveis e comerciais leves em julho. O número representa aumento de 10,87% na comparação com junho de 2015 e recuo de 11,59% em relação a julho de 2014. Na comparação entre o acumulado deste ano com o anterior, os segmentos registraram retração de 6,72%.

Caminhões e ônibus

Segundo o Sindicato, 304 caminhões e ônibus foram emplacados em julho, número 29,36% superior ao registrado em junho. Na comparação com o mesmo mês de 2014, o número, no entanto, representou queda de 15,08%. No acumulado do semestre, as categorias apresentaram desempenho 18,31% abaixo do verificado de janeiro a julho de 2014.

Motos

O segmento de motocicletas teve um total de 9.150 unidades novas vendidas em julho, num aumento de 45,89% sobre junho de 2015. Na comparação com o mesmo período de 2014, o crescimento foi de 19,94%. De janeiro a julho, o segmento apresenta resultado de 9,31% negativos ante os primeiros seis meses de 2014.

Implementos rodoviários

Foram vendidos 60 veículos da categoria no mês. O segmento apresentou diminuição de 21,05% nas unidades emplacadas na comparação com junho de 2015 e recuo de 48,28% ante o mês de julho do ano passado. Na comparação do acumulado de janeiro a julho deste ano com o mesmo período de 2014, houve queda de 9,13%.