Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Futebol

Águia de Marabá viaja mais de 1.000 km para enfrentar o São Raimundo em Santarém

Número de viagens tem desgastado a equipe, que até agora já rodou quase 2 mil quilômetros para disputar partidas pela 1ª fase do Paraense
Continua depois da publicidade

A delegação do Águia de Marabá é a que mais tem viajado nessa primeira fase do Campeonato Paraense. Se contabilizadas as idas e vindas às três cidades onde aconteceram os jogos, até o momento o Azulão rodou nada menos que 1.844 quilômetros nas estradas paraenses. Sem contar as idas e vindas até Itupiranga, onde o time tem feito os treinos técnico tático.

E mais uma viagem já está programada, desta vez nada menos que 1.057 km, até a cidade de Santarém, onde o time enfrenta o São Raimundo. O jogo acontecerá no Estádio Municipal Colosso do Tapajós, casa do adversário, no próximo domingo, dia 4. Por isso, o time azulino já embarca na sexta para Belém, de onde segue para Santarém. Essa rotina de viagens é uma preocupação para a equipe técnica.

“Nós estamos vindo de um período quase que só de jogo e viagem, praticamente sem treino ou descanso. Esta semana conseguimos voltar à normalidade dos treinos e descanso físico, o que é muito importante”, destacou o preparador físico Gesiel Passiani. Ele acrescentou ainda que a recuperação passiva ou o descanso propriamente dito, é necessária, mas, no caso dos jogadores, deve haver o treino recuperativo e treino para aumento de performance.

“Ontem [30] já conseguimos ver uma melhora no desempenho dos jogadores, eles não estão mal fisicamente, tanto que tiveram um bom desempenho da primeira à terceira rodada. Já, no último jogo, todos sentiram o desgaste das viagens. Com certeza contra o São Raimundo o time terá um desempenho muito melhor”, completou Gesiel.

Até sexta, quando viajam novamente, os jogadores realizam treinos recuperativos, preparação física e treinos táticos com o técnico João Galvão, na cidade de Itupiranga. O Águia vem de duas derrotas seguidas e é o quarto na classificação geral do grupo A1, à frente somente do Cametá. A parcial do Azulão é de 4 pontos, com uma vitória, um empate, duas derrotas, dois gols marcados e 4 sofridos. (Fonte: Assessoria de Comunicação)

transporte

Cresce no Terminal Rodoviário de Marabá o movimento de pessoas saindo da cidade

Belém, Goiânia, São Luís e Fortaleza são os destinos mais procurados nesta época
Continua depois da publicidade
Por Eleutério Gomes – de Marabá

A movimentação de passageiros no Terminal Rodoviário de Marabá começa a aumentar a partir desta segunda-feira (18), quando inicia a saída de pessoas que trabalham ou estudam em Marabá, cujos familiares moram em outros municípios ou Estados. Conforme informação do supervisor da Sinart (Sociedade Nacional de Apoio Rodoviário e Turístico Ltda.), que administra a estação de passageiros local, Nazareno Brito, todas as empresas de ônibus intermunicipais ou interestaduais já estão com veículos extras, “procurando atender ao máximo a demanda, que já começa a crescer”.

Os principais destinos são Belém – capital do Estado -, Goiânia (GO) e capitais do Nordeste, tendo São Luís (MA) e Fortaleza (CE) entre as principais mais procuradas. “Daqui até o dia 31 cada empresa disponibiliza de três ou mais ônibus extras para dar conta da grande procura”, informa Nazareno.

“As empresas mais procuradas são Boa Esperança, Guanabara, Jam Joy, Ouro e Prata e Princesa Morena, que, além dos ônibus normais, oferecem também serviços diferenciados”, observa o supervisor, informando que o valor da passagem para Belém varia de R$ 75,00 a R$ 90,00, de acordo com o tipo de ônibus – executivo, leito, semileito. Para Goiânia (GO), seguindo a mesma escala de conforto, o preço da passagem varia de R$ 180,00 a R$ 225,00.

Vigilância

Fora da época de festas ou férias escolares, os dias de maior movimentação no terminal são segunda-feira, sexta-feira e domingo, à noite, quando passam pelas catracas do embarque cerca de 500 pessoas, mas, nos dias que antecedem o Natal e o Ano Novo, esse número aumenta em aproximadamente 40%, segundo Nazareno, podendo chegar aos 700 passageiros por dia.

Com o aumento do número de viajantes circulando pelo terminal, além do sistema de monitoramento por câmeras, que cobre a estação na totalidade de suas dependências, para evitar a ação de descuidistas houve reforço na segurança, com vigilantes circulando à paisana pelo local, a fim de identificar indivíduos em atitude suspeitas.

“Por enquanto, a gente não registrou nenhum problema, como furto ou assalto. Nada que fosse diferente na movimentação. Além disso, temos também o apoio da Polícia Militar e da Guarda Municipal”, reforça Nazareno Brito.

O movimento mais intenso no Terminal Rodoviário de Marabá, entretanto, não para no dia 31 de dezembro, se estende até 15 de janeiro, segundo. “Nessa época ainda tem muita gente viajando para ver os parentes em outras cidades e também estudantes em recesso escolar”, explica ele.

Impactos da crise

Quanto à necessidade de contratação de pessoal extra levando em conta o aumento na movimentação no terminal, Brito disse que, devido à crise econômica pela qual o País passa, que tem afetado todos os setores da economia, este ano não foi possível contratar: “Mas estamos conseguindo manter um bom serviço com o nosso quadro”, garante.

E, por falar em crise, o supervisor do Terminal Rodoviário de Marabá afirma que, também devido à situação da economia, o número de passageiros este ano está menor do que no ano passado: “Tivemos uma queda de mais de 30%. Muita gente deixou de viajar”, acentuou.

Sobre se, em razão dessa diminuição, as empresas demitiram funcionários, Nazareno Brito afirmou que não. “Elas mantiveram os quadros de pessoal. Ninguém foi demitido, mas, em contrapartida, não houve admissões”, salientou.

Estatísticas

Número de passageiros no Aeroporto de Marabá despenca 27% em 2016

Um levantamento feito pelo Ministério do Turismo no ano passado constatou que o avião é o meio de transporte preferido dos turistas.
Continua depois da publicidade

Por Ulisses Pompeu – de Marabá

O número de passageiros transportados que passaram pelo Aeroporto de Marabá, João Correa da Rocha, em 2016 apresenta queda de 27% neste ano, quando comparado a 2015. Segundo a estatística da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), até novembro deste ano passaram 287.375 passageiros, contra 397.175 em todo o ano de 2015 (este ano ainda falta contabilizar dezembro).

O número de aeronaves em trânsito teve queda maior ainda — 38,42%. Foram 7.621 aviões e helicópteros que passaram pelo terminal que serve a Marabá e diversos municípios da região, contra 12.375 em 2015. A crise é o principal fator na queda verificada neste ano na Rede Infraero.

O recorde histórico de número passageiros desde 2011 é de 47.462 passageiros, ocorrido no mês de maio de 2013. Naquele ano, a aviação alcançou crescimento de 22,12%, empolgando as companhias aéreas naquele momento. Gole TAM duplicaram seus voos para Marabá e a Azul também veio conhecer os céus da cidade.

Mas este não foi o melhor ano. Em 2014, a média de passageiros aumentou bastante, mas caiu em 2015 e despencou em 2016, fazendo com que a Gol diminuísse uma rota para este município. Foi também deste ano que a Sete deixou de operar suas linhas regionais e até mesmo retirou toda sua estrutura do Aeroporto de Marabá.

O ano de 2016 precisa acabar logo para as companhias aéreas. A série histórica prova que este foi o pior ano na década, com a média mês de 26.125 passageiros por mês.

O volume de cargas também despencou. Em 2016 – até novembro, passaram pelo aeroporto de Marabá pouco mais de 900 mil quilos contra 1.618.639 quilos do mesmo período do ano passado. Em 2011, quando o volume de cargas bateu o recorde nos últimos seis anos, a média de cargas por dia era de 7.204 quilos e de lá para cá nunca foi inferior a 4.400 quilos. Até novembro de 2016 a média era de 2.649 quilos.

Outro fato preocupante é que a licitação realizada este ano para que uma empresa construísse e administrasse um hotel nas dependências do Aeroporto de Marabá acabou esvaziada. Nenhuma empresa no circuito nacional resolveu comparecer. A mesma coisa para a gestão do estacionamento do local.

A situação preocupante nos aeroportos de todo o País começou a se alterar no segundo semestre do ano passado. Até o primeiro semestre, embora a crise já estivesse em cena, os aeroportos brasileiros ainda não sentiam tanto a crise. De janeiro a junho de 2015, os brasileiros tiveram 107,7 milhões de embarques e desembarques, o melhor resultado da série histórica, segundo dados divulgados pela Secretaria de Aviação Civil.

Um levantamento feito pelo Ministério do Turismo no ano passado constatou que o avião é o meio de transporte preferido dos turistas.

Pará

Receita Federal orienta passageiros durante as férias escolares

Continua depois da publicidade

Com o início do período  das férias escolares,  muitas famílias se programam  para viajar, muitas tendo como  destino o exterior, em virtude de haver, partindo de Belém,  voos em dias alternados da semana para Miami, nos Estados Unidos, e para a Europa, com porta de entrada na cidade de  Lisboa, em Portugal.

Nesse sentido, a Alfândega da Receita Federal no Aeroporto de Belém presta algumas informações que considera importantes em relação ao seu trabalho realizado no controle aduaneiro desses voos  com destino ao exterior.

Preliminarmente, esclarece-se que  a cota de isenção  é de US$ 500,00 dólares para compras no exterior. Acima desse valor o viajante está sujeito  ao recolhimento de impostos à alíquota de 50% sobre o valor que exceder a esse limite.

Exemplo: compra de computador portátil no valor de US$ 800,00 dólares O valor de US$ 300,00 dólares ultrapassou a cota, tendo o viajante que pagar US$ 150,00 dólares, que corresponde a alíquota de 50% sobre o valor que excedeu o limite de isenção,  o qual será transformado em reais  pelo câmbio do dia  de sua chegada. Este cálculo é realizado de forma automática pelo programa  declaração eletrônica de bens (e-DBV), que encontra-se disponível acessando o site www.receita.fazenda.gov.br/aduana/viajantes .  Não efetuando a declaração desses bens, sujeita-se o viajante ao recolhimento de multa, além do imposto  devido, apurado conforme demonstrado no exemplo acima. O recolhimento do tributo poderá ser realizado em bancos autorizados, incluindo caixas eletrônicos, ou cartão de débito no balcão de atendimento da Alfândega. 

Mesmo bens não sujeitos à tributação devem ser declarados, como valores em espécie, em moeda nacional ou o equivalente em moeda estrangeira, acima de R$ 10.000,00 ( dez mil reais), tanto na saída como na chegada ao Brasil. Itens sob controle da Vigilância Sanitária e Agropecuária, ou sujeitos a proibições e restrições de outros órgãos, também devem ser declarados.

Existem bens que não poderão ser importados como bagagem. Incluem-se nessa proibição  veículos automotores, motonetas, motocicletas, bicicletas com motor, motos aquáticas e similares, bem como suas partes e peças, motores e peças para embarcação e aeronaves, produtos proibidos pela Vigilância Sanitária,  destinados à Pessoa Jurídica, além de bens que por sua variedade ou quantidade presumam destinação comercial.

Durante o 1º semestre de 2015, foram declarados pelos viajantes bens no valor de R$ 899.840,00. Em relação a ocorrências geradas pela fiscalização aduaneira sobre os bens não declarados pelos passageiros, houve o valor de R$ 349.392,52, perfazendo o total de R$ 1.249.232,52 de bens registrados sob controle aduaneiro pela Alfândega do Aeroporto de Belém.

Foram  374 voos internacionais entre pousos e decolagens num total de 38.633 viajantes atendidos (dados da Infraero até maio de 2015).

Marabá

Salame fará segunda viagem internacional para tentar resolver problema do lixo em Marabá

Continua depois da publicidade

Paulo Costa – correspondente do blog em Marabá

O prefeito João Salame Neto, de Marabá, embarca para a Europa no próximo dia 25, para conhecer mais um projeto de processamento de resíduos sólidos (lixo) para tentar implantar a tecnologia em Marabá. O gestor municipal pediu e recebeu autorização da Câmara Municipal esta semana para a viagem que começa pela Itália. Ele vai permanecer neste país até o dia 31 de janeiro com a finalidade de conhecer tecnologia de processamento de resíduos sólidos e avaliar a possibilidade de importar as experiências italianas para Marabá.

imageDe lá, o prefeito parte para Alemanha, onde deverá tratar assuntos pessoais até o dia 10 de fevereiro.

Esta é a segunda viagem internacional de João Salame para conhecer projeto de processamento de resíduos sólidos, além de viagens a outras cidades brasileiras que realizam experiências exitosas com a coleta, destinação e processamento do lixo, como Paulínia, em São Paulo. Depois que foi diplomado como prefeito, ainda em 2012, Salame foi a Columbus, no estado americano de Ohio, para conhecer o projeto pioneiro daquele estado com resíduos sólidos.

João Salame já sabia o que lhe aguardava no cargo em relação ao lixo e tratou de visitar outras cidades que estão à frente de Marabá neste quesito.

Quando recebeu a Prefeitura de seu antecessor Maurino Magalhães, o município havia terceirizado o serviço de coleta de lixo através de um contrato nebuloso com a Leão Ambiental, empresa paulista que já foi alvo de várias denúncias de irregularidades em São Paulo.

O contrato de quatro anos expirou em abril do ano passado e Salame viu-se obrigado a manter a empresa à frente do serviço por mais um ano. Em abril próximo, esse aditivo termina e o secretário municipal de Obras, Antônio de Pádua, já avisou que pretende abrir nova licitação e dividir o município em quatro lotes, cada um para uma empresa diferente. Mesmo que consiga resolver esse problema, Salame ainda terá de elaborar e colocar em prática um outro plano para resolver o problema do aterro sanitário, que tem vida útil perto do fim.

A viagem do prefeito não terá ônus (despesa) para o município, segundo informou o Gabinete do Prefeito em ofício enviado à Câmara.

Mercado: viajar de avião é mais barato do que de ônibus

Continua depois da publicidade

O juiz aposentado Dagoberto Loureiro, de 74 anos, costuma viajar de avião há décadas e tem encontrado aeronaves cada vez mais lotadas. “Antigamente, tinha mais tripulante do que passageiro em alguns voos”, brinca.

O aumento na procura por viagens aéreas se deve ao fato de o preço das passagens estarem em queda no Brasil. Segundo relatório divulgado pela Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) na semana passada, a tarifa  média  fechou 2011 a R$ 276,25, 6,8% menor do que no ano anterior. Os valores são calculados com base nos dados das tarifas  domésticas cobradas pelas empresas aéreas e atualizados pelo índice IPCA, que mede a inflação.

Viajar de avião ficou até mais barato do que de ônibus, em algumas situações. Para Salvador, por exemplo, o DIÁRIO encontrou passagem aérea, de ida e volta,  por R$ 270. De ônibus, custa R$ 597,51 .

Segundo o economista Roberto Troster, a queda nos preços está ligada à questão do aumento da concorrência e a um “desenho institucional inteligente” que as empresas aéreas brasileiras copiaram das americanas. Oferecer passagens mais em conta, aumentar a demanda. Pelo modelo, o preço das tarifas vai subindo à medida que o voo vai enchendo. “Todos saem ganhando”, afirma Troster.

Dagoberto Loureiro viaja de dois em dois meses de São Paulo para Foz do Iguaçu (PR), onde morou e tem casa, e está sabendo aproveitar bem essa nova fase da aviação. Em vez de passar quase 20 horas na estrada dentro de um ônibus, ele sempre chega ao destino em uma hora e 15 minutos, pagando pouco mais.

“O segredo é planejar as viagens com antecedência e aproveitar as promoções das empresas aéreas”, diz. Ele paga, em média, R$ 200 pela passagem aérea para o interior do Paraná, um terço do que pagaria fora de promoção. O aposentado aproveita os preços mais baixos e já compra para duas ou três viagens.

Empresas criam alternativas para atrair cliente

O DIÁRIO fez pesquisa em sites que comparam preços e vendem passagens aéreas e constatou que os bilhetes comprados com pelo menos um mês de antecedência saem até um terço mais em conta do que se fossem adquiridos na véspera. Mas é importante se programar bem antes, pois as empresas cobram taxas de aproximadamente R$ 100 para mudança de data.

Algumas empresas aéreas também entraram na onda dos sites de compras coletivas. A TAM tem seu próprio portal com essa modalidade. Durante 24 horas, alguns trechos são vendidos com descontos que chegam perto de  80%, desde que um determinado número de pessoas faça a compra. Outra dica são cartões de fidelidade. O juiz aposentado Dagoberto Loureiro está somando pontos no Gol Smiles para uma viagem internacional, provavelmente para os Estados Unidos. Mas não descarta ir para Tóquio para assistir ao Corinthians na disputa do título mundial.

Fonte : redebomdia

Parauapebas

GOL e Passaredo reforçam parceria em rotas regionais

Continua depois da publicidade

A GOL e a Passaredo Linhas Aéreas anunciaram a assinatura de um novo acordo Interline de longo prazo, a fim de oferecer mais benefícios aos seus clientes. O acordo prevê, ainda, a exclusividade em operações regionais.

“Com o novo acordo, a malha regional será desenvolvida e operada pela Passaredo, que atuará em mercados de média e baixa densidade conectados com trechos operados pela  GOL”, destaca Constantino de Oliveira Júnior, presidente da GOL. “Nossas redes de linhas serão aprimoradas para proporcionar melhor conectividade, o que vai tornar as viagens mais convenientes aos passageiros”.

Por meio do Interline, a GOL passou a oferecer a seus clientes a opção de voar para os destinos Araguaína, Alta Floresta, Pampulha – BHZ, Barreiras, Parauapebas/Carajás, Ji-Paraná, Juazeiro do Norte, Londrina, Cascavel, Ribeirão Preto, Rondonópolis, Vitória da Conquista, São Jose do Rio Preto, Sinop e Uberlândia. Os clientes provenientes de voos operados pela GOL em conexão para os voos da Passaredo podem realizar o check-in apenas uma vez e despachar sua bagagem até o destino final.

Bilhetes para os destinos conectados já estão disponíveis para venda. Mais informações podem ser encontradas no website da GOL (www.voegol.com.br) ou por meio da Central de Relacionamento com o Cliente (0300 115 2121).