Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Esporte

Unisa Parauapebas conquista o Campeonato Paraense de Voleibol Masculino sub-24

A competição foi toda disputada na capital Belém e a equipe de Parauapebas foi à única representante do interior do estado

Por Fábio Relvas

A cidade de Parauapebas, sudeste do estado do Pará, vem obtendo resultados expressivos dentro do esporte. A equipe Unisa (Universidade Santo Amaro) Parauapebas de voleibol conquistou no último domingo (03/12), o Campeonato Paraense masculino da categoria sub-24, dentro da capital Belém. O evento foi realizado pela Federação Paraense de Voleibol (FPV) e contou com a participação de cinco equipes: Clube do Remo, COE, Deodoro de Mendonça, UEPA e Unisa Parauapebas.

A competição foi realizada por etapas e em dois turnos, durante toda a temporada de 2017. O primeiro turno ocorreu no mês de maio e o returno em agosto, ambos em Belém. A equipe da Unisa Parauapebas foi à única do interior do estado, diante de quatro representantes da capital. A campanha dos garotos sub-24 foi incontestável, em 10 partidas pelo Campeonato Paraense, a equipe somou oito vitórias, e ainda conquistou o segundo turno de forma invicta.

O time parauapebense chegou forte na seminal para encarar um dos favoritos a conquistar o título da competição, o Clube do Remo, uma potência no voleibol. A partida foi realizada no último sábado (02/12), no ginásio do Sesi. O time da Unisa Parauapebas deixou para trás toda a história do adversário e passou para a final com uma vitória de 3 sets a 2, com parciais de (30×28/17×25/25×21/19×26/6×15).

A grande final foi contra a equipe da UEPA (Universidade do Estado do Pará), outra força dentro do voleibol paraense. Mais uma vez os garotos de Parauapebas corresponderam às expectativas e passaram pelo adversário, em partida realizada no último domingo (03/12), no ginásio Serra Freire, que pertence ao Clube do Remo. A vitória veio com o placar de 3 sets a 2, com parciais de  26×24 / 23×25 / 25×17 / 25×23 / 11×15). Com o triunfo, a equipe da Unisa Parauapebas conquistou o título do Campeonato Paraense de Voleibol masculino da categoria sub-24.

A equipe foi representada por: Dutó Hungria (técnico), Romero Luís (auxiliar técnico) Maxillam Lima, Thiago Santos, Marcos Vinicius, Kayon Max, Eder Verbeno, Henrique Silva, Alex Bruno, Geraldo Lucas, Derick Raul, João Paulo e Wanderson. Além do título de campeão, o time teve conquistas individuais, como Maxillam Lima, oposto, que foi eleito o melhor atacante do campeonato e Thiago Santos, capitão do time, garantindo como melhor levantador e jogador do toda a competição estadual.

“Só temos a agradecer a Deus pelas bênçãos alcançadas durante todo ano, é uma satisfação muito grande chegar ao final do Campeonato Paraense, corando o trabalho com o título estadual. Quero aproveitar para parabenizar toda a equipe, os nossos parceiros como a prefeitura de Parauapebas, através da Secretaria de Esportes, a Unisa (Universidade Santo Amato) que hoje está sendo fundamental na vida acadêmica de todos os atletas e fazendo dessa parceria um sucesso. Essa garotada está de parabéns por toda a dedicação e determinação em fazer do voleibol de Parauapebas um motivo de orgulho”, afirmou Dutó Hungria, técnico da Unisa Parauapebas.

Esporte

Vagas para atividades esportivas disponíveis gratuitamente na Secretaria de Esportes de Parauapebas

Crianças e adolescentes de até dezessete anos podem se inscrever para as atividades.

A prática de atividades esportivas é sempre indicada por especialistas da área de nutrição para o público infantil e juvenil, principalmente por conta do aumento considerável da obesidade em crianças e adolescentes. Os pais que tem interesse de colocar os filhos em atividades esportivas, gratuitamente, podem contar com as modalidades ofertadas pela Secretaria Municipal de Esporte e Lazer (Semel).

No início do ano a secretaria disponibilizou vagas para diversas modalidades esportivas, entre elas judô, jiu-jitsu, caratê, balé, vôlei, handball, futsal, capoeira e bicicross, e agora, no final do semestre, algumas vagas foram abertas para essas modalidades. Crianças e adolescentes de até dezessete anos podem se inscrever para qualquer uma dessas atividades.

De acordo com o secretário, Laoreci Diniz, cerca de quatro mil alunos estão matriculados na Semel. As aulas ocorrem sempre nos três principais polos esportivos: o Ginásio Poliesportivo, localizado no bairro Beira Rio, o Complexo, localizado no bairro Rio Verde, e a Praça da Juventude, no bairro Habitar Feliz II (Casas Populares II).

As inscrições são realizadas também nos polos, das 8 às 14 horas. É necessário que o responsável leve cópias dos seus documentos pessoais e também dos seus filhos, assim como comprovante de residência. Agora em julho a maior parte dos alunos entrará de recesso, as atividades retornarão a partir de agosto.

 

Marabá

Dupla de Marabá e Parauapebas é convocada para seleção de vôlei e ganha propostas de bolsas de estudos

A Seleção Paraense de Vôlei sub-17 intensificou os treinamentos para o Campeonato Brasileiro que será disputado em Manaus (AM), de 11 a 18 de agosto. Os meninos do Pará são comandados pelo técnico Helinho Silva, que terá dois reforços, um de Parauapebas e outro de Marabá.

O ponta Maxillan Lima e o levantador Thiago Santos são de Parauapebas e Marabá, respectivamente, e viajaram para a Capital para compor a equipe paraense na disputa. Garimpados nos Jogos Estudantis Paraenses (JEPS), os garotos recebem assistência da Federação Paraense de Vôlei, além do Núcleo de Esporte e Lazer (NEL), onde estão alojados.

Os atletas estão na expectativa de trilhar no caminho do vôlei e não escondem a ansiedade de disputar o Campeonato Brasileiro pelo Pará. Maxillan Lima, 16 anos, quer mostrar que Parauapebas tem bons valores, além de conseguir ajudar os pais. “Sempre tive um sonho de ser jogador de vôlei e nunca desisti. Pratico o esporte há seis anos e pretendo mostrar o meu valor, fazer com que a minha cidade seja reconhecida como um local de bons atletas. Quero ajudar meus pais, sou de uma família humilde e quero honrá-los e não importa a saudade e distância, quero seguir carreira no vôlei”, disse Maxillian, que jogava no Hiper-Vôlei, na cidade de Parauapebas.

Já Thiago Santos, 17 anos, crê que o vôlei é a chance de um futuro melhor. Para o jovem levantador, representar o Estado em uma competição nacional é a realização de um sonho. “Não faço outra coisa a não ser pensar em jogar vôlei. Minha vida é

em função do esporte e isso que eu quero seguir, ser jogador profissional, quem sabe jogar em um clube grande e tentar chegar à Seleção Brasileira, mas só de fazer parte da Seleção Paraense, eu, vindo de Marabá, já é uma honra, um sonho sendo realizado’, disse o atleta que planeja voltar para Belém em 2014 para a disputa do Campeonato Paraense.

Para Thiago, a principal dificuldade do vôlei no interior é a falta de oportunidades e que as chances deveriam ser constantes. “Eu jogava no AAPEC de Marabá, aliás, foram meus amigos que fizeram coletas para comprar minha passagem para Belém e isso é gratificante, mostrar que eles confiam em mim e pretendo não decepcioná-los. A falta de oportunidades, de jogos e campeonatos são dificuldade que impossibilitam que outros atletas possam integrar a Seleção, afirmou o marabaense.

O presidente da Federação Paraense de Vôlei, Rui Castro, garante que as cidades no interior do Estado são grandes garimpos de atletas, mas faltam apoio e pessoas que queiram investir no esporte. “Eu sempre que posso vou acompanhar jogos em municípios distantes e temos uma safra muito boa de jogadores faltando apenas lapidá-los. Faltam políticas públicas para o desenvolvimento de um esporte no geral, o vôlei é apenas mais um. Não adianta a Federação Paraense fazer a sua parte se as prefeituras e os empresários não investirem. É uma via de mão dupla, é bom para os atletas e para o município”, disse o presidente que já pensa em ligas do interior para melhorar esse intercambio.

“A Federação Paraense estuda em uma competição no mês de outubro para que outros valores sejam revelados. Vamos ter equipes de Belém, Ananindeua, Santa Izabel, além de

Parauapebas e Marabá. Outros municípios estão sendo contatados para também participar, pois isso é bom para o esporte paraense”, falou.

Fonte: ORM

Educação

Em Belém, o campeão olímpico Marcelo Negrão conversa com alunos e destaca importância da cultura de paz

(15317) Marcelo Negrão participa de evento Belém

A quadra do Núcleo de Esporte e Lazer (NEL), da Secretaria de Estado de Educação (Seduc), recebeu, nesta segunda-feira (25), crianças e adolescentes que foram participar do encontro com o campeão olímpico de voleibol nas Olimpíadas de Barcelona, Marcelo Negrão, atual embaixador do Esporte do Banco do Brasil. Em visita a Belém, Negrão destacou a importância da cultura de paz que o governo do Estado promove por meio do esporte. Ele enfatizou que a bola, verdadeiro ícone no Brasil, é um instrumento de transformação. “A bola tem um poder muito grande, e somente por meio de incentivo, a exemplo do que vem sendo feito, pode-se identificar um campeão olímpico”, afirmou.

Os alunos fazem parte dos polos esportivos mantidos pelo governo do Estado em vários bairros da Região Metropolitana de Belém (RMB), e foram convidados pelo NEL para um encontro com o medalhista de ouro em 1992, na Espanha, que conversou sobre sua trajetória e incentivou os que desejam seguir a carreira de atleta.

(15317) Marcelo Negrão participa de evento BelémNegrão fez questão de ressaltar como o voleibol fez parte da sua vida. “Tudo começou aos 8 anos, quando a prática do esporte não contava com as facilidades que atualmente são ofertadas aos que estão iniciando na modalidade”, contou. Segundo ele, os primeiros passos foram difíceis. “A quadra tinha muitos buracos, não tinha bola suficiente e nem joelheira”, acrescentou. Todas essas barreiras foram superadas. Aos 14 anos, ele chegou à Seleção Brasileira. Aos 20, foi considerado o melhor jogador de vôlei do mundo. Hoje, Marcelo Negrão é empresário em São Paulo.

Seleção – Curiosidade não faltou no encontro. Mesmo após o relato do atleta, as queriam saber mais. Negrão respondeu sobre bons e maus momentos proporcionados pelo voleibol. Segundo ele, um dos melhores foi contabilizar 30 anos de carreira, sendo que, destes, mais de 15 anos foram dedicados à Seleção Brasileira.

Sobre as Olimpíadas de 2016, Negrão afirmou que todas as modalidades do voleibol brasileiro têm grandes chances de subir ao pódio. A geração dele, juntamente com Maurício e Tande, é responsável pela aceitação que a modalidade passou a ter no país após várias conquistas.

O exemplo de Marcelo Negrão já tem adeptos no Pará. A aluna Camila Pamela, 11 anos, aluna do 5º ano na Escola José Alves Maia, localizada no bairro do Telégrafo, disse que “um dia, espera ser jogadora, igual ou melhor que o palestrante”.

O NEL mantêm 15 polos esportivos na Região Metropolitana de Belém, além de Castanhal, na região nordeste, nos quais desenvolve práticas esportivas com aproximadamente 10 mil jovens e adolescentes.

Texto: Izabel Cunha – Seduc

Fotos: Antônio Cícero

Sheilla aparece nua na primeira foto de ensaio sensual para revista

Sheilla ensaio revista Vip (Foto: Divulgação)A revista "VIP" divulgou nesta segunda-feira a primeira foto do ensaio sensual que fez com Sheilla, oposto da seleção brasileira de vôlei e do Osasco. Bicampeã olímpica em Londres, a jogadora quebrou a timidez e será capa da edição de outubro da publicação. Na primeira foto, ela aparece sentada, nua, segurando uma bola de vôlei dourada.

Fonte: G1

Victor Bovolenta, medalhista olímpico italiano no vôlei, passa mal e morre em quadra

Segundo os médicos, a causa mais provável da morte de Vigor Bovolenta foi um problema cardíaco

Vigor Bovolenta, meio-de-rede e ex-jogador da seleção italiana de vôlei , de 37 anos de idade, morreu neste sábado após passar mal durante uma partida por sua equipe, o Voley Forli, contra o Lube Banca, em Macerata, pela série B2 do campeonato nacional.

“De nada serviram os esforços dos paramédicos que tentaram por longo tempo reanimá-lo antes de levá-lo ao hospital, onde morreu”, diz um comunicado da Liga Italiana de Vôlei. Segundo um dirigente do Volley Forli, Bovolenta disse a seus companheiros de time quando começou a passar mal, após sacar no terceiro set: “Minha cabeça está girando, me ajudem que vou cair”. Ele então colocou a mão no lado esquerdo do peito e desmaiou.

No hospital, os médicos que atenderam o jogador disseram que a causa mais provável da morte foi um problema cardíaco, mas a imprensa italiana já divulga informações confirmando um ataque cardíaco. A causa exata, porém, só deve ser determinada após autópsia, que deve ser feita na manhã de segunda-feira. O atleta completaria 38 anos no dia 30 de maio.

Além de vários títulos por clubes, Bovolenta tinha no currículo a medalha de prata nos Jogos Olímpicos de Atlanta, em 1996, pela seleção italiana. Casado e com quatro filhos, com os quais vivia em Ravena, Bovolenta havia disputado 553 partidas pela Série A-1 (primeira divisão) em 21 anos como profissional.

A rodada deste domingo pelos principais campeonatos do país terá um minuto de silêncio em sua homenagem.

Fonte: G1

Pará

Superliga B: Clube do Remo defende o estado do Pará

O Clube do Remo é o representante do Pará na Superliga B Masculina de vôlei, que terá início no dia 12 de janeiro. Um dos maiores da Região Norte do Brasil, o Clube do Remo fez parte da elite do voleibol nacional em 1983, quando participou do Campeonato Brasileiro. A meta é ser a primeira equipe da região a disputar a Superliga masculina.

Na Liga Nacional de 2011, o time paraense chegou à Fase Final e terminou em oitavo lugar. O melhor desempenho na competição foi a quarta colocação, em 2010.

No grupo atual, a maior parte é formada por jogadores juvenis, formados nas categorias de base do próprio clube. Entre os comandados de José Sodré, destacam-se Márcio, de 2,05m, que joga como central e oposto, o ponteiro Evandro, cedido pelo tradicional Pinheiros (SP), e o líbero Adriano.

O técnico do Clube do Remo, José Sodré, ou Zeca, tem 49 anos e iniciou a carreira de treinador há apenas cinco temporadas. Ex-atleta da rival Tuna Luso, Zeca foi dirigente antes de voltar às quadras como técnico.

Apesar de acreditar que a Superliga B é uma competição mais complicada que as demais, o treinador aposta no entrosamento como um dos pontos fortes do time paraense.

“Estamos todos muito contentes com a possibilidade de disputar a Superliga B. Estar tão perto da elite do vôlei brasileiro é motivo de grande alegria. Queremos fazer uma boa campanha e estar entre os melhores. O diferencial da nossa equipe é que temos a mesma base há cinco anos. Este grupo já jogou várias edições da Liga Nacional, mas sabemos que a Superliga B será ainda mais forte. Vamos dar o nosso melhor”, disse Zeca.

Equipe paraense está no Grupo B
O Clube do Remo está no Grupo B, ao lado de Apav/Canoas (RS), Climed/Atibaia (SP) e Santo André (SP). A estreia desta chave será no dia 19 de janeiro, na segunda rodada da competição, que acontecerá até o dia 21, no Ginásio Municipal Pedro Dell´Antonia, em Santo André (SP).

Antes, de 12 a 14 de janeiro, as equipes do Grupo A farão a estreia da Superliga B. Morro da Fumaça (SC), UFC/Ceará (CE), Funvic/Midiafone (SP) e Sport Clube Recife (PE) disputam a primeira rodada, no ginásio Esportivo Juca Moreira, em Pindamonhangaba (SP).

Na Superliga B, as equipes disputam oito rodadas na fase classificatória. Depois, as duas equipes mais bem colocadas de cada grupo seguem para as semifinais. As vitoriosas avançam para a final, prevista para ser realizada no dia 31 de março. O campeão da Superliga B garantirá vaga na Superliga A na edição 12/13.

Fonte: Final Sports

error: Conteúdo protegido contra cópia!