Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Futuro

Em Marabá, crianças “invadem” a Câmara e cumprem papel de vereadores

Programa Vereador Mirim encerra etapa com lançamento de revista em quadrinhos

Ulisses Pompeu – de Marabá

Cerca de 200 crianças de escolas públicas e privadas de Marabá entraram na Câmara Municipal de Marabá nesta quinta-feira, 8, e ocuparam cadeiras não apenas no Plenário, mas também na Mesa Diretora e nos assentos dos demais vereadores. Isso porque elas participam do Programa Vereador Mirim, desenvolvido pela Escola do Legislativo de Marabá desde o ano passado.

O programa visa discutir com crianças e adolescentes as funções do Poder Legislativo e o papel do vereador. Este ano, o Vereador Mirim contou com a participação de seis escolas que elegeram vinte e quatro vereadores mirins. Durante o segundo semestre, eles receberam formação, treinamento, trabalharam em Comissões e nesta quarta-feira apresentaram seus requerimentos individuais como culminância de sua participação no Programa.

Além de concluir mais uma etapa do programa, a Escola do Legislativo também lançou a Revista em quadrinhos “Turma do Camaradinha” que trata da função, atribuições do Poder Legislativo numa linguagem mais próxima do público juvenil. O texto do gibi foi elaborado pelo jornalista Ulisses Pompeu e a ilustração ficou a cargo do artista plástico Bino Souza.

Nos requerimentos apresentados na Tribuna da Câmara, os estudantes se saíram muito bem. Marina Cal dos Santos fez um requerimento solicitando um posto de saúde no Bairro da Paz, justificando a grande quantidade de habitantes na região, os quais estão desassistidos de serviço de saúde.

Alana Silva Santos disse que fez pesquisa nas paradas de ônibus. Chegou à conclusão que existem câmeras instaladas e elas não funcionam. Disse que, de acordo com sua pesquisa, metade das câmeras não está em funcionamento na cidade. “E isso contribui para que o cidadão fique refém da criminalidade”, lamentou.

Amanda de Souza Silva pediu tratamento da água no poço das Escola Pedro Peres Fonteneles, dizendo que o problema é crônico e antigo, com presença de ferrugem na água.

Pablo Henrique, presidente da Câmara Mirim, solicitou a construção de uma sala de música e leitura na Escola Julieta Gomes  Leitão para ajudar no processo de aprendizagem. “As experiências que vivi aqui como vereador foram únicas. Criamos laços com pessoas que não conhecíamos”, disse.

Kaiane Silva Chaves pediu a lotação de instrutores na sala de música da escola Darcy Ribeiro, onde ela estuda. “Há mais de dois anos estamos sem instrutores na escola, para melhorar nossa cultura e conhecimento musical”, sintetizou.

Chaine Fonseca Costa requereu que a coleta de lixo do bairro Morada Nova seja mais frequente, pois os moradores da localidade sofrem com a falta de saneamento, ruas sem asfalto e coleta de lixo irregular.

Jonathas Rafael Silva Carvalho pediu limpeza de terrenos baldios e abandonados, porque casos de estupros ou mortes ocorrem nesses lugares. Ele sugeriu até mesmo que o poder público tome a propriedade de quem não limpar suas áreas sem construção.

Ao final, o vereador Miguel Gomes Filho, presidente da Câmara, que acompanhava a sessão simulada sentado em uma cadeira na galeria de honra, elogiou projeto e lembrou que foi ele o autor do mesmo, em 1998. Em 2015, o adolescente Luciano Lacerda o incentivou a colocá-lo para funcionar, o que está dando muito certo.

“É bom que a comunidade tome consciência da função do vereador. Dar ideia, solicitar ao gestor, questionar. Se não existisse a Câmara para coibir os poderes totalitários do Executivo, teríamos muitos problemas. Às vezes é frustrante o papel do vereador, porque não executa suas próprias ideias. A Câmara não obriga prefeito a executar. Prefeitos têm poder demais nas mãos, por isso é preciso que se tenha muito cuidado também com quem elege e vota para prefeito”.

Por fim, Miguelito disse que sonha ver um dos vereadores mirins se tornando vereador de fato, num futuro próximo. “Será uma grande honra, um dos maiores prazeres da minha vida”, disse ele, emocionado.

Também emocionada, Gabriela Silva, diretora da Escola do Legislativo, agradeceu o empenho de todas as escolas envolvidas no projeto e afirmou que a educação política que as crianças e adolescentes tiveram durante o ano de 2016 é o grande objetivo do trabalho que sua equipe desempenha.

Deixe uma resposta