Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Educação

Em Parauapebas, apesar da insistência do Sintepp, greve dos professores perde força

Segundo a Semed, apenas 4 escolas municipais ainda não estão funcionando

A greve dos professores em Parauapebas começa a perder força. Desde a última segunda-feira cerca de 94% das escolas estão funcionando no município, informou ao Blog a Assessoria de Imprensa da Secretaria Municipal de Educação. Das 68 escolas, apenas 4 estão com as aulas totalmente paralisadas (Escola Novo Horizonte e Benedito Monteiro, do Ensino Fundamental e Criança Esperança e Ruth Rocha, do Ensino Infantil).

A Semed ainda não contabilizou precisamente quantos professores já retornaram ao trabalho, mas afirma que, dos 2.027  professores da rede pública, apenas cerca de 10% ainda permanecem em greve.

O Sintepp divulgou há pouco áudio a título de informe em que afirma que o governo municipal ainda “não cumpriu com o que foi acordado com a categoria e que, portanto, os professores continuam em greve”. Solicita, ainda, “que os pais não mandem seus filhos às escolas”.

A  Desembargadora Luzia Nadja Nascimento, do TJPA, em decisão monocrática, declarou ilegal a greve dos professores de Parauapebas e determinou que estes voltem às salas de aula. O Ministério Público do Pará, através do promotor Helio Rubens, elaborou um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), que foi assinado por representantes da PMP e do Sintepp para que a greve fosse encerrada, mas este não foi cumprido. Todavia, apesar da maioria dos professores já estarem lecionando normalmente, o Sintepp insiste na manutenção da greve.

O Blog não conseguiu contato com o Sintepp para que este informe se o retorno da maioria dos professores às salas de aula foi em atendimento à decisão judicial (a determinação era de que pelo menos 80% da classe retornassem às aulas), ou se os professores voltaram por conta própria, o que caracterizaria a falta de controle do sindicato com a classe.

Comentários ( 8 )

  1. 10% ! Interessante não vejo isso na escola que trabalho. Apenas alguns professores contratados que estão sendo coagidos a voltar, caso contrário fica subentendido que irão para rua. Mas a assessoria de imprensa da prefeitura não mente né

  2. as informações repassadas pela semed, não são verdadeiras, pois as escolas estão funcionando com um numero bas tante reduzindo de alunos pois para se considerado letivo tem que tem no minimo 50% mais 1,e tem escola que tem 1700, alunos, estão trabalhando com 2 turmas com o máximo de 50 alunos isso, não considerado letivo, perante a lei

  3. O blogueiro Zé Dudu está desatualizado.
    Essa informação das escola q estão normalizadas as aulas ñ procede.A Semed ñ está colaborando com a devida honestidade com os fatos e versões d greve.Acredito na Imparcialidade.A mídia de Parauapebas ñ trabalha com investigação.Eu sou professor d Rede municipal e a contradição dessa informação distorce o valor de integridade d nossa categoria. É neste contexto que temos q se policiar e divulgar com exatidão e compromisso quantas escolas estão de greve.

  4. Isso pq vc parceiro não conhece nossa luta é com certeza deve aceitar calado tudo o que lhe impõem. (Ao Washington acima) Ze didi vou lhe convidar a ir as escolas e confirmar essa falsa informação: primeira aula do repórter: confirme sua fonte e a veracidade dos fatos

Deixe uma resposta

error: Conteúdo protegido contra cópia!