Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Marabá

Greve: quarenta mil usuários ficam sem ônibus em Marabá

Motoristas e cobradores recolhem veículos às garagens e “param” a cidade

O último dia de janeiro está sendo marcado por um “quase deserto” nas ruas de Marabá. É que os mais de 40 ônibus coletivos que transportam cerca de 40 mil usuários pelos bairros da cidade diariamente não estão rodando.

Motoristas e cobradores das empresas TCA e Nasson, que prestam o serviço de transporte urbano em Marabá, paralisaram as atividades nesta segunda-feira (30), cobrando o pagamento do 13º salário e do vale-alimentação que deveriam ter sido efetuados ainda ontem, de acordo com acordo feito entre os funcionários e a empresa.

Océlio Barros, secretário do Sindicato dos Trabalhadores Rodoviários do Sul e Sudeste do Pará (Sintrasul), avalia que os trabalhadores estão sendo enganados pela empresa e que essa situação não pode perdurar. Disse que o representante das empresas TCA e Nasson, João Martins, havia prometido o reajuste no preço da passagem em 4 de janeiro garantiria o pagamento do 13º salário, e seria vital para conseguir equilibrar as contas da empresa, além de vale-alimentação dos funcionários e outras pendências.

Océlio Barros reclamou que, em reunião, os representantes das empresas garantiram ter efetuado o pagamento dos vencimentos atrasados, mas isso não aconteceu. “A gente pediu o comprovante de pagamento, mas ainda não repassaram. Nós acreditamos que não foi feito o pagamento. Enquanto isso, infelizmente, a população vai ‘penar’ pela falta de compromisso deles”, disse Océlio.

Ninguém na sede das empresas Nasson e TCA atendeu ligação na manhã desta terça-feira para falar sobre o problema. O silêncio perdura desde ontem, quando havia rumores de que a paralisação ocorreria.

Nas paradas de ônibus os usuários reclamam da falta de respeito aos cidadãos. Dizem que a saída seria pegar táxi-lotação, mas eles andam lotados. “O moto-táxi é caro demais pra gente ir e voltar pra casa duas vezes ao dia. Assim vou trabalhar para pagar transporte e não vou comer”, diz a comerciária Maria Lúcia Costa e Silva, residente no bairro Bom Planalto e que trabalha na Marabá Pioneira.

Deixe uma resposta

error: Conteúdo protegido contra cópia!