Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Marabá

Homem bate em cão que comeu pato e é levado para a delegacia

Maus tratos ao animal foi denunciado e acusado deverá pagar multa por bater em cachorro com a camisa
Continua depois da publicidade

Antônio Cláudio Marques de Oliveira foi levado no final da manhã desta quinta-feira, dia 5 de julho, para a Seccional de Polícia Civil da Nova Marabá, em Marabá. O motivo é bastante incomum de outros casos que chegam às autoridades policiais: maus tratos a animais.

O acusado foi conduzido pelo policial militar Jurandy Costa da Cruz Farias. Ele informou que estava de serviço em companhia do cabo Siqueira, quando foi acionado via NIOP, de que Antônio Cláudio estava agredindo um cachorro em sua residência, na Folha 28, Quadra 47, Nova Marabá.

A guarnição foi até o local e encontrou a mulher Núbia Lima da Silva segurando o animal, pois o dono do cachorro estaria batendo nele com uma camisa. Antônio Cláudio confirmou o fato aos policiais e declarou que tomou a atitude porque o cão havia comido um pato que ele estava criando em seu quintal.

Quando a polícia confirma a existência de maus-tratos, o autor é conduzido à delegacia. E ele poderá responder pelos atos previstos no artigo 32 da Lei dos Crimes Ambientais. A pena é de três meses a 1 ano de detenção, que pode ter aumento de um sexto a um terço, se houver morte do animal.

A ONG Focinhos Carentes, de Marabá, tem atuado de forma a encorajar as pessoas a denunciarem maus tratos contra animais.

Ulisses Pompeu – de Marabá

Seja o primeiro a escrever um comentário

  1. Batendo no cão com uma camisa só porque ele comeu o pato? Que tamanha violência deve ter sido isso! Ainda bem que quando eu era criança eu só apanhava de sola de coro, cinto de fivela, tira de borracha de pneu e vara de goiaba. Peia de camisa Deus me livre, deve ser terrível né?
    E pela morte do pato quem vai responder? O dono do cachorro que também queria matar o pato pra comer? Esse mundo ta muito violento.
    Essa é mais uma situação de eficiência no uso da verba pública na segurança pública.

Deixe uma resposta