Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
polícia

Marabá: Cresce no WhatsApp torcida para que o Banpará do São Félix seja assaltado

Comandante do 4º BPM afirma que a Polícia Militar está vigilante dia e noite e conta com a colaboração da população para que isso não aconteça
Por Eleutério Gomes – de Marabá

Desde que foi inaugurada uma agência do Banpará no Núcleo São Félix, em 25 de outubro passado, há uma torcida nas redes sociais, em Marabá, para que o estabelecimento seja assaltado. Hoje mesmo, com a notícia de que a agência de Floresta do Araguaia foi alvo de ataque com explosivos, logo pipocou em um grupo de WhatsApp a postagem: “E a agência do Banpará do São Félix, quando vai ser? Aguardem”. A postagem ainda minimiza a guarnição da Polícia Militar naquela localidade afirmando que “são três ou quatro de plantão com um fuzil apenas”.

Esse tipo de previsão, conforme constatou o Blog, vem causando temor a populares naquele núcleo que, com cerca de 70 mil habitantes, antes da inauguração da agência, não dispunha de nenhuma outra instituição bancária e, para pagar um simples boleto, tinham de atravessar a ponte rodoferroviária e fazê-lo na Nova Marabá.

Procurado pelo Blog, o comandante do 4º BPM (4º Batalhão de Polícia Militar), tenente-coronel Franklin Roosevelt Wanzeler Fayal, disse que a PM trabalha diuturnamente para minimizar os riscos, com guarnições no São Félix, para fazer o policiamento para toda a comunidade e com reforço nos horários de maior movimentação financeira.

Vigilância constante

“O risco sempre vai existir. Cabe à Polícia Militar, como responsável pela ostensividade, diminuir esses riscos. Agora, as instituições bancárias também têm de tomar precauções, colocando meios de inibir ao máximo a ação de delinquentes”, salientou ele, acrescentando que a Polícia Militar, o Sistema de Segurança Pública, é responsável pelo policiamento ostensivo e preventivo para toda a sociedade. “Para todos os cidadãos, do mais simples àqueles que têm o maior poder aquisitivo, todos têm o direito de ter segurança pública”.

O oficial garante que o trabalho Polícia Militar não para, inclusive em prol dos órgãos públicos e também dos privados. “Uma vez que a viatura passe em uma rua que tenha uma instituição privada, nós já estamos proporcionando segurança para esse órgão”, explica, reforçando: “Nós temos uma guarnição completa no dia a dia, mas fazemos o recobrimento, com o Grupamento Tático Operacional e também com outras viaturas em época de maior movimentação financeira”.

“Olhos e ouvidos”

Coronel Roosevelt lembra que Marabá tem 20 agências bancárias, mas diz que a PM está com o policiamento espalhado em todas as áreas e salienta que, o fato de ter uma ou duas viaturas em determinado local não quer dizer que só esses dois veículos é que vão fazer frente aos bandidos, em caso de necessidade.

 “Nós temos apoio do Grupamento Aéreo, temos apoio do Grupamento de Cavalaria, temos o Grupamento Tático Operacional, temos o Comando de Missões Especiais, que está aqui em Marabá, nos apoiando e temos também o poder de mobilidade marítima, temos uma lancha que podemos empregar a qualquer momento para fazer frente a esses delinquentes”, enumera o oficial.

Segundo ele, a PM trabalha com a prevenção para evitar as ações criminosas, fazendo barreiras, abordagens em veículos que entram em Marabá e demais municípios. “Temos contato com a comunidade, que são os nossos olhos e nossos ouvidos, distribuímos um cartão em que há todos os telefones da PM”, conta o oficial comandante.

 “Se o cidadão perceber que tem algum veículo estranho na sua rua, com pessoas estranhas, em atitude considerada suspeita, deve ligar imediatamente para a polícia. Nós trabalhamos com informação e com certeza uma ou duas viaturas se deslocarão até o local, e vão averiguar essa situação”, afirma, garantindo que o denunciante terá anonimato assegurado.

Informação

Roosevelt exemplifica e destaca a importância da participação do cidadão com um fato recente, ocorrido ontem, quarta-feira (15), na Nova Marabá: “Tivemos uma intervenção policial, onde três elementos estavam cometendo inúmeros assaltos em casas, empresas e pessoas na rua. Um cidadão ligou informando a localização deles. Nossas guarnições foram lá, os delinquentes reagiram à prisão e dois morreram e um foi hospitalizado, foram apreendidas três armas de fogo, farta munição e drogas”, contou.

Ele argumenta que a polícia trabalha com informação e não adianta colocar 3 mil policiais e 300 viaturas nas ruas se a sociedade não colaborar. “Então, a gente pede para a sociedade, principalmente do São Félix, que pode estar preocupada com assalto à agência bancária, que nos informem sobre qualquer movimentação estranha de pessoas e veículos Liguem para a polícia, a gente manda averiguar, é melhor do que correr atrás do bandido quando ele já cometeu o crime”, apela.

Transparência

O tenente-coronel Roosevelt, desde que assumiu o 4º BPM, há quatro meses, tem por hábito diário fazer um relatório das atividades da PM em Marabá e municípios e localidades próximas e publicá-lo em suas listas contatos do WhatsApp. Ele diz que essa é uma forma de mostrar a transparência das atividades da PM e também uma “prestação de contas ao cidadão que paga seus impostos”.

“A gente está conseguindo baixar o número de crimes na região, principalmente homicídios e roubos. E o relatório é uma forma de deixar as pessoas a par do que acontece. Isso, estimula o cidadão a denunciar e a população passa a ter mais confiança no Sistema de Segurança Pública”, salienta.

O oficial afirma que com essa confiança da população e a vigilância constante, o 4º BPM está tendo sucesso, atendendo às ocorrências em tempo real: “Distribuímos os nossos contatos e hoje o cidadão sabe para onde ligar. Se ele não conseguir falar no 190, liga ao oficial de dia, se ainda assim não conseguir, pode ligar para o subcomandante ou para o comandante. Com certeza vai ser atendido e as suas demandas resolvidas”.

Motos e celulares

Dois tipos de crime, no entanto, ainda incomodam bastante o tenente-coronel: roubo e furto de motocicletas e de celulares. “Estão sendo o nosso calcanhar de Aquiles, sobretudo o de celular, pela facilidade que o delinquente encontra”, lamenta o comandante, ressaltando que há pessoas – meninas, garotos e senhoras –  que andam falando ao celular na rua, distraidamente. “Aí o delinquente usa o princípio da oportunidade. Se ele vir que está fácil, nem precisa estar armado, puxa o celular e corre”, detalha.

Ele lembra também que, com a facilidade de adquirir motocicleta, o roubo desse tipo de veículo aumentou, mas, em contrapartida, todos os dias a PM recupera, em média três motos roubadas e até carros.

“Em Marabá temos em torno de 14 viaturas, com as guarnições, nos quatro quadrantes do município, nos núcleos urbanos, trabalhando diuturnamente, fazendo abordagens e coibindo qualquer tipo de ilícito penal e condutas antissociais, assim como nos demais municípios”, enumera ele, recomendando que, no caso dos celulares, as pessoas deixem o localizador de GPS do celular e a Internet ligados. “Já tivemos sucesso na apreensão de celulares roubados e na prisão dos meliantes, a partir do localizador”, reforça.

Coronel Roosevelt aconselha as pessoas a terem cautela nas ruas, não ostentar celular, joias e dinheiro e evitar andar sozinho à noite. “O delinquente é oportunista e, para acontecer o crime, tem de haver três fatores: local propício, vítima em potencial e um delinquente predisposto a praticar o crime. Se tirar um desses, o crime não acontece. Por mais que o delinquente esteja na rua a fim de roubar, mas a vítima não apareceu, o roubo não acontece”, orienta.

Comentários ( 3 )

  1. As pessoas são muito negativas,
    Eu fico feliz moro nesse bairro desde de criança gosto muito daqui , pra mim é super tranquilo em vista de outros bairros e o São felix só tem a crescer.

Deixe uma resposta

error: Conteúdo protegido contra cópia!