Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Educação

Marabá: Semed é sitiada por professores e saúde amplia greve com adesão de hospitais e postos de saúde

Por Ulisses Pompeu – de Marabá

Esta segunda-feira, 10, está com cara de melancolia total para os servidores públicos municipais, que não veem luz no fim do túnel na relação com a gestão municipal. Salários atrasados. Há 21 dias, servidores da Prefeitura de Marabá – não são todos – mantêm uma greve sem previsão para terminar. Além de incomodar o governo, que acaba ficando mais desgastado, os grevistas também deixam grande parte da comunidade sem serviços essenciais, como a educação, porque várias escolas estão fechadas; e ainda sem saúde, porque a partir desta segunda-feira os hospitais e centros de saúde também aderiram ao movimento.

Desde a última semana os profissionais do Hospital Municipal de Marabá (HMM) vinham planejando paralisar porque não recebem os plantões, entre outros direitos, além de que o salário tem atrasado frequentemente.

Hoje, segunda-feira, a Reportagem do Blog percorreu alguns centros de saúde e recebeu a confirmação de que os pacientes não estavam sendo atendidos, embora os servidores estivessem no local de trabalho. O mesmo aconteceu no Hospital Municipal.

Um outro grupo foi acampar em frente à Secretaria de Saúde, onde usaram carro de som para ecoar suas cobranças a quem passava na rodovia e aos poucos servidores que decidiram trabalhar naquela repartição.

Já um grupo de profissionais de educação – cerca de 700 pessoas – foi para ocupar a Semed na manhã de hoje e os que trabalham no prédio acabaram não entrando em suas salas. Corredores, sombra de árvores e até um tapiri foi ocupado pelos grevistas, que cobram do prefeito João Salame a regularização do pagamento do Vale Alimentação, devolução de proventos subtraídos de 1.175 servidores durante a gestão interina de Luiz Carlos Pies, pagamento das horas extras já trabalhadas nos meses de julho e agosto de 2016 e pagamento retroativo de servidores do nível médio.

Ao microfone, os professores começaram a relatar suas dificuldades financeiras, como estão com as contas no vermelho, sem receber o vale alimentação e ainda negativados no SPC e Serasa por conta de empréstimos consignados descontados dos servidores, mas não repassados aos bancos como deveria acontecer.

Para tentar uma negociação, a Comissão de Educação da Câmara Municipal, liderada pela vereadora Antônia Carvalho, convidou para sentar à mesma mesa o prefeito João Salame, representantes do Ministério Público e do Legislativo, para discutir medidas que resolvam o drama no atraso de salários e de benefícios adquiridos pelos professores ao longo de suas carreiras. A reunião está agendada para esta terça-feira, dia 11, a partir de 16 horas, na Sala de Comissões da Câmara Municipal.

Deixe uma resposta

error: Conteúdo protegido contra cópia!